‘Corretora’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: corretora

    Convidados

    O que acontece com o seu dinheiro quando a corretora quebra?

    5 de julho de 2019

    O que fazer para quem é cliente da corretora Walpires após o BC decretar liquidação extrajudicial ?

    Gradual Investimentos: corretora teve falência decretada na última semana (BM&FBovespa/Divulgação/)

    Maximus Digital fecha e deixa 50 mil pessoas no prejuízo

    A Justiça de SP determinou na semana passada a falência da Gradual Investimentos, pouco mais de um ano depois de a corretora ter a liquidação extrajudicial decretada pelo Banco Central, em meio a acusações de fraudes na Previdência de diversos municípios.

    Recuperação de prejuízo devido à falha de instituições financeiras

    Não costuma acontecer com frequência, mas as corretoras podem quebrar. Este é um dos grandes medos de qualquer investidor: se a instituição em que eu coloquei meu dinheiro deixar de existir, eu perco tudo o que tinha investido? A reposta é não. Isso porque as corretoras funcionam apenas como intermediárias de investimentos.

    “O dinheiro que o cliente tem aplicado em carteira junto àquela corretora está seguro, porque ela é uma simples custodiante”, diz o advogado Luiz Roberto de Assis, sócio da área de direito bancário do escritório Levy & Salomão Advogados. “Basta transferir a custódia para outra instituição.”

    As corretoras são uma espécie de revendedoras de papéis emitidos por outras instituições, como bancos (que oferecem CDBs, LCAs e LCIs), empresas (que emitem ações e debêntures), ou o governo, que emite os títulos públicos.

    Mesmo que a compra seja feita por meio da corretora, o depósito pertence aos emissores, e o investidor só perde esse dinheiro, bem como os rendimentos que vierem dele, caso o emissor quebre ou deixe de pagar; mas não a corretora que os vendeu.

    Cada compra de um desses papéis é registrada em uma das chamadas centrais de custódia: a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CNDL) e a Cetip, hoje englobadas pela B3, e o Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), do Banco Central, que centraliza registros de títulos públicos federais.

    Esse registro é feito no CPF do comprador, e é a gestão dele que é transferida para outra corretora quando a original deixa de existir. Para isso, os antigos clientes devem abrir uma conta em uma nova corretora e solicitar a transferência de custódia.

    Em processos de liquidação ou falência, como o da Gradual, as autoridades definem e divulgam um liquidador ou administrador judicial, que é o contato dentro da empresa responsável por atender clientes e ajudar na localização e transferência de custódia dos investimentos.

    Risco está no dinheiro em conta

    A segurança das custódias não significa que as aplicações feitas por meio de uma corretora sejam totalmente à prova de falências. O risco, explica o advogado, está no dinheiro que o cliente tenha parado ou para receber em sua conta naquela instituição. Pode ser o pagamento do resgate de alguma ação, de uma transferência vinda de outro banco ou um saldo que simplesmente deixou ali para investir mais tarde.

    “Esse dinheiro, sim, o cliente corre o risco de perder, porque é um depósito que está, de fato, com a corretora, e ele pode ter que ir para a fila de credores daquela massa falida para esperar ser pago.”

    Para parte desses casos, há ainda a proteção do Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (MRP), instrumento do braço de supervisão da B3, a BSM Supervisão de Mercados, que garante a devolução de até 120 mil reais aos investidores por prejuízos relativos a má gestão ou falência das instituições, nas operações ligadas à bolsa de valores.

    É um similar para a renda variável do já mais conhecido Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o mecanismo que reembolsa investidores na falência ou calote de bancos – o dinheiro depositado em corretoras não é protegido pelo FGC.

    O MRP garante a devolução, dentro do limite estipulado (R$ 120 mil), do dinheiro do investidor que ficou na conta da corretora que faliu. Vale, entretanto, apenas para situações muito específicas ligadas a operações na bolsa, como o pagamento da venda de ações feito nos dias imediatamente anteriores à abertura do processo de liquidação ou falência daquela corretora.

    O pedido do reembolso deve ser feito junto à instituição e à BSM, que, desde o final do ano passado, disponibiliza o processo de solicitação do MRP pela internet. Os clientes prejudicados têm um prazo de 18 meses para solicitar o ressarcimento, contados a partir da data de abertura do processo de liquidação.

    Gradual segue com atendimentos

    No caso da Gradual, esse prazo está sendo contado desde maio do ano passado, quando foi decretada a liquidação pelo BC. Foi também naquele momento que foram abertos os processos de transferência de custódia dos investimentos de seus clientes para outras corretoras.

    De acordo com as últimas informações disponibilizadas no site da empresa, a Gradual, fundada em 1991, possuía 60 mil clientes e 7 bilhões de reais sob custódia. O passo a passo para solicitação de transferência está disponível em seu site. A página segue no ar apenas com informações sobre o processo de liquidação. O atendimento, por meio do telefone (11) 3104-4495, também continua ativo para suporte e dúvidas.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/gradual-falencia-o-que-acontece-corretora-quebra

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Entenda o conceito de dividendos

    5 de abril de 2019

    A armadilha do dia EX-proventos (dividendos e JCP)

    Quanto ganha o acionista de uma empresa? Dividendos são a parcela do lucro que as companhias entregam diretamente a seus acionistas. Veja como funciona e como ganhar com isso

    Como é que se ganha dinheiro investindo em ações ??? A boa parte das pessoas responde que o ganho vem com a alta das cotações, porém esta não é a única maneira. Um acionista pode colocar dinheiro no bolso quando a empresa em que investe distribui dividendos.

    Dividendos são a parcela do lucro líquido que as companhias entregam diretamente a seus acionistas. O tamanho dessa parcela e seu valor total variam de acordo com alguns fatores. O primeiro deles é o lucro. Além disso, são considerados a necessidade de investimentos (que pode consumir parte desse lucro), o caixa disponível e os valores mínimos estabelecidos no Estatuto Social da companhia.

    Como é definido o valor dos dividendos?

    Na prática, os acionistas das empresas aprovam a destinação do lucro na mesma Assembleia Geral Ordinária em que são analisados os resultados financeiros. Se foi aprovada a distribuição de dividendos, eles devem ser divididos pelo número de ações da companhia – e cada investidor receberá o valor correspondente ao número de papéis que tiver.

    A legislação estabelece um sistema de dividendo obrigatório, que determina que as empresas devem distribuir uma parcela mínima do lucro. Elas são livres para determinar no seu Estatuto o percentual dos ganhos que corresponderá ao dividendo obrigatório, de acordo com três critérios:

    – Como regra geral, a porcentagem do dividendo obrigatório pode ser de qualquer tamanho;
    – Se o estatuto não mencionar esse ponto, o dividendo obrigatório será considerado de 50% do lucro líquido ajustado;
    – Se o estatuto não mencionar esse ponto e a Assembleia Geral decidir alterá-lo, o dividendo obrigatório não poderá ser inferior a 25% do lucro líquido ajustado.

    Pode, ainda, haver situações especiais em que, mesmo com lucro, a empresa opte por não distribuir nem os dividendos obrigatórios – quando sua situação financeira for delicada, por exemplo. Nesse caso, os ganhos são registrados como reserva especial e devem ser pagos assim que o cenário se estabilizar.

    Os acionistas que possuem papéis preferenciais (PN) de uma companhia costumam ter prioridade na distribuição de dividendos. É uma compensação pelo fato de não terem o direito de voto assegurado, como têm os acionistas com papéis ordinários (ON). Um dos benefícios mais frequentemente concedidos aos acionistas preferencialistas é a garantia de receber dividendos pelo menos 10% mais altos do que os oferecidos aos demais acionistas. Existem, no entanto, outras possibilidades.

    E o que acontece se a empresa não pagar os dividendos mínimos aos preferencialistas? Se o atraso for superior a três exercícios sociais, os acionistas com papéis preferenciais ganham direito de voto nas matérias apreciadas pela Assembleia Geral até que o fluxo de pagamentos seja restabelecido.

    Como viver de dividendos

    Alguns investidores adoram aplicar em ações de empresas que oferecem bons dividendos. Isso porque a recorrência dos pagamentos permite a eles ter um rendimento mais ou menos previsível – o que é ótimo para quem deseja “viver de renda”.

    Para isso, primeiro é preciso abrir uma conta em uma corretora credenciada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Vale aqui a recomendação de fugir das corretoras dos grandes bancos – que cobram taxas de liquidação, emolumentos e impostos- e escolher uma com taxa zero para corretagem de ações, por exemplo, a Clear.

    As pagadoras de dividendos costumam apresentar algumas características em comum. Em geral, são maduras e bem estabelecidas nos seus segmentos de atuação. Empresas do setor elétrico e de saneamento, por exemplo, costumam figurar nas listas de melhores pagadoras de dividendos. Elas normalmente têm uma necessidade de investimento baixa e receitas reajustadas periodicamente, o que lhes dá a possibilidade de dividir com os acionistas uma boa parte do lucro que obtêm.

    Papéis desse tipo costumam ser chamados de “ações de viúva”. Além de assegurarem bons dividendos, elas normalmente oscilam com menor intensidade nas épocas de crise, exatamente porque as empresas têm um desempenho mais previsível.

    Um indicador importante para quem está pensando em investir em ações de olho nos dividendos é o “dividend yield”. Ele corresponde ao rendimento que deve ser obtido apenas com a distribuição de proventos pela empresa. É calculado dividindo os dividendos projetados pelo valor da ação. Quanto mais alta for a taxa, maior deve ser o ganho com dividendos em relação ao valor pago pelos papéis.

    Outros tipos de proventos

    Os dividendos são o tipo de provento mais popular do mercado de capitais, mas existem outros ainda, como os juros sobre capital próprio e as bonificações.

    Os juros sobre capital próprio – ou JCP – também são uma forma de as empresas compartilharem seus ganhos com os acionistas. A diferença para os dividendos é que os JCP são definidos antes da contabilização final do lucro líquido. Contabilmente, portanto, são considerados “despesas” da companhia. E, assim como outros custos, são deduzidos da apuração do ganho líquido.

    Às vezes, as empresas optam por oferecer juros sobre capital próprio (e não dividendos) exatamente com o objetivo de reduzir o valor do lucro, que é tributado em cerca de 25%. Em contrapartida, os acionistas que recebem JCP pagam Imposto de Renda – mas a uma alíquota menor, de 15%.

    Já as bonificações acontecem quando as empresas decidem repassar aos acionistas valores mantidos na conta de “reservas” dos seus balanços. Ao longo do tempo, as empresas podem abastecer essa conta com parte do lucro líquido. Caso os valores acabem não sendo necessários, eles são destinados – como bonificações – aos sócios nos anos seguintes. Podem tanto ser pagos em dinheiro ou com novas ações da companhia.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Multimoney: Corretora de câmbio é alvo de investigação de lavagem de dinheiro e crimes financeiros

    28 de junho de 2018

    Justiça brasileira bloqueia R$ 300 milhões de envolvidos em esquema de pirâmide Minerworld
    Multimoney: A corretora atuava no Sistema Financeiro Nacional como uma organização criminosa de natureza empresarial

    A PF (Polícia Federal) deflagrou nesta quinta-feira (28) a Operação Line Up, com o objetivo de investigar uma corretora de câmbio estabelecida para a prática de crimes financeiros e lavagem de dinheiro. Conforme a Polícia Federal, a corretora atuava no Sistema Financeiro Nacional (SFN) como uma organização criminosa de natureza empresarial.

    Como mudar de corretora?

    Foram cumpridos, por 60 policiais federais, 14 mandados de busca e apreensão, sendo cinco em São Paulo (SP) e nove entre as cidades de Itajaí, Balneário Camboriú e Blumenau, todas em Santa Catarina, além de dois mandados de prisão preventiva em desfavor dos diretores da instituição financeira, todos expedidos pela 1ª Vara Federal de Florianópolis/SC.

    Os nomes das pessoas e empresas envolvidas não foram divulgados, porém um jornal da região de Blumenau divulgou que policiais federais foram à casa de câmbio Multimoney nesta manhã.
    https://omunicipioblumenau.com.br/casa-de-cambio-e-pagamentos-djs-internacionais-sao-alvos-da-policia-federal-em-sc/

    A investigação teve início em 2013, quando a Polícia Federal investigava possível evasão de divisas realizada através de pagamentos a DJs de renome internacional que vinham atuar em Santa Catarina, com contratos subfaturados.

    A partir daí, a investigação chegou a uma corretora de câmbio que fazia parte do mesmo grupo econômico da empresa de eventos, sendo possível identificar indícios de gestão fraudulenta de instituição financeira nas seguintes ações:

    – Burlar os limites da posição cambial;
    – Movimentar moeda estrangeira de forma paralela e, após apreensão de valores, maquiar as operações;
    – Fracionar operações de câmbio para burlar os limites de valores a serem negociados;
    – Registrar operações sem a documentação suporte, fraudando a fiscalização;
    – Transferir moeda entre unidades sem identificar corretamente o destinatário;
    – Atuar no mercado paralelo de câmbio, fraudando as autorizações impostas pelo Banco Central;
    – Deixar de analisar e/ou identificar os clientes para fraudar os controles de prevenção à lavagem de dinheiro;
    – Usar documentos ideologicamente falsos para recuperar valores apreendidos;
    – Receber e realizar depósitos em espécie, vedado para operações de câmbio.

    A Polícia Federal descobriu também que foram realizadas 155 operações de câmbio com utilização dos nomes de 111 pessoas que já estavam mortas no momento do negócio, bem como pagamentos de terceiros no exterior que não eram os reais exportadores das mercadorias, inclusive mediante contratações feitas por empresas investigadas na Operação Lava Jato e ligadas a doleiro já condenado na referida operação.

    As atividades foram identificadas e registradas pelo COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) em sete relatórios, em que foi apontado um total de mais de R$ 2 bilhões em movimentações atípicas.

    Também há fortes indícios de que representantes da corretora de câmbio tentaram obstruir as investigações mediante contato com um servidor público, a fim de serem instruídos sobre como reaver os valores apreendidos na investigação.

    As condutas criminais apuradas até o momento são gestão fraudulenta de instituição financeira, fraude contábil em instituição financeira, fraude cambial, lavagem de dinheiro, formação de organização criminosa e obstrução de investigação contra o crime organizado.
    fonte de consulta: Casa de câmbio e pagamentos a DJs internacionais são alvos da Polícia Federal em SC

    Leia também:

    Twitter tenta resolver fraude com moedas virtuais

    Até mais.

    Convidados

    Corretora Advalor é alvo de buscas

    28 de março de 2017

    Como escolher uma corretora de valores?

    E aí, vai desbancarizar?

    28 mar, 2017 07h13 – Atualizada em 13h15
    Corretora é alvo de buscas em nova fase da Operação Lava Jato…

    ……

    polícia federal - 39ª fase da Lava Jato

    Nessa nova fase, a Polícia prendeu o ex-gerente da área de Engenharia da Petrobras Roberto Gonçalves por suspeita de recebimento de propina em contratos da estatal, inclusive com pagamentos de valores milionários em contas no exterior. De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, Gonçalves substituiu Pedro Barusco na gerência de Engenharia da Petrobras e passou a receber as propinas no lugar do antecessor, que é um dos delatores da operação.
    Em apenas um conta em nome de Gonçalves na Suíça, foram identificados depósitos de 3 milhões de dólares que teriam sido pagos pelo departamento de propina da Odebrecht, segundo os investigadores.

    Além da prisão do ex-gerente da estatal, que foi detido em Roraima, a 39ª fase da Lava Jato também cumpriu mandados de busca e apreensão na corretora Advalor, suspeita de auxiliar na lavagem de dinheiro e também no pagamento de propinas. Registros do BC mostram que a corretora teve o capital reforçado em mais de 120% quando Miguel Julio Lopes foi nomeado para a diretoria da casa. Lopes foi citado pela força-tarefa como suposto responsável por fazer remessas ao exterior para abastecer contas ligadas aos esquemas de corrupção. O delegado Dante Pegoraro afirmou hoje que pode ter havido ausência de controle do BC em não identificar as operações ilícitas pela corretora.
    fonte: http://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/6280829/corretora-alvo-buscas-nova-fase-operacao-lava-jato-gerente-petrobras

    Geral

    Sardinhas estão de volta à Bolsa de Valores

    4 de agosto de 2016

    Para quem não sabe, os sardinhas da bolsa de valores são os pequenos investidores, ao contrário dos grandes investidores que são conhecidos como tubarões.

    Após a presidenta ser afastada, a bolsa não para de subir e o número de CPFs cadastrados ou reativados nas corretoras segue em pleno crescimento. Quem sabe um dia não chegue nos 5 milhões de investidores prometidos anos atrás pelo Edemir Pinto (presidente da BM&FBOVESPA)…

    Confira o que saiu no jornal Valor Econômico:

    Pessoa física volta à bolsa e participação chega perto de 20%

    A pessoa física começa a voltar ao mercado acionário. Com a recente escalada da bolsa brasileira, que
    levou o Ibovespa a subir mais de 30% neste ano, a participação do investidor individual no volume
    negociado no segmento de ações da BM&FBovespa atingiu 19,6% no fim de julho, parcela que não se via
    desde meados de 2012. Em dezembro, a fatia era de 11,9%. O maior interesse se reflete na busca pelos
    serviços de home broker, de negociação de ativos pela internet, e tem mobilizado corretoras e
    plataformas de investimentos.

    Casas consultadas pelo Valor relatam um aumento significativo no número de cadastros novos ou reativação de clientes antigos que passaram os últimos anos longe da bolsa. No total, a BM&FBovespa contabilizava ao fim de junho 559,5 mil CPFs cadastrados, ante 610,9 mil no auge em 2010. A Clear, ligada à XP Investimentos, que abria em média de 3 mil a 4 mil contas por mês, em julho cadastrou ou reativou 8 mil investidores. Na Rico, criada a partir da venda da Link para o UBS, que cadastra em média 7 mil clientes mensalmente, 30% dos investidores agregados à base mostram interesse pela bolsa. Até março, 95% pretendiam aplicar em títulos públicos no Tesouro Direto ou outros ativos de renda fixa. No Modalmais, do Banco Modal, vêm sendo abertas 200 contas por dia e a base já superou as 8 mil contas, quando a meta para o ano era chegar a um total de 2 mil. E a própria XP, líder no segmento de varejo pelos rankings do próprio mercado, tem hoje R$ 9,2 bilhões em volume custodiado na Bovespa, com crescimento de 85% neste ano. Em quantidade de clientes, a expansão foi de 20%, para 58 mil.

    Mesmo quem acabou de estrear nessa seara vem capitalizando bons números. A Nova Futura investiu nos últimos anos R$ 18 milhões para replicar, para pessoas físicas, uma fração da sua estrutura tecnológica que atende o investidor institucional local e estrangeiro. Lançou a plataforma de home broker NewF há quatro meses, faz até 80 cadastros por dia e contabiliza uma base de 3,5 mil clientes – soma que inclui 1,1 mil contas obtidas com a aquisição recente da PAX Corretora, do grupo de farmácias Pague Menos, do Ceará, com R$ 230 milhões custodiados.”Havia um vácuo no varejo com muitos home brokers fechando, outras casas desistindo, então foi uma oportunidade para entrar no negócio”, diz André Ferreira, sócio-diretor da Nova Futura, uma das corretoras fundadoras da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F).

    Quem permaneceu no mercado nos anos de baixa da bolsa, período de consolidação e que expulsou nomes tradicionais do mercado, teve que se reiventar. Passou a oferecer ativos de renda fixa e a fortalecer a base tecnológica. É o caso da Rico, que em cinco anos investiu cerca de R$ 10 milhões num ambiente voltado para a pessoa física e que hoje se define não mais como corretora, mas como plataforma de investimentos. Reforçou a comunicação para além do
    universo on-line e aparece na mídia de aeroportos e em inserções em canais de TV a cabo, como o
    jornalístico “GloboNews”. O passo mais recente, que começa a ser testado, conta o sócio Norberto
    Giangrande, são as transações por celular.

    A persistir esse ritmo de novos cadastros destinados às negociações em bolsa, ele estima que a
    participação da pessoa física no pregão pode chegar a 25% até dezembro. O ingresso do pequeno
    investidor começou a ser percebido em março, nas primeiras sinalizações pró-processo de impeachment
    da presidente afastada Dilma Rousseff, quando o Ibovespa ganhou quase 17%, e se intensificou nos
    últimos dois meses, enquanto o índice galgava mais 18,2% de valorização, o que levanta o
    questionamento se o novo investidor não está chegando tarde.
    “No mundo todo, a correlação entre participantes pessoas físicas e performance é direta”, diz
    Giangrande. “Se o Jornal Nacional der dois meses consecutivos que a bolsa foi a melhor aplicação, chove
    investidor.”

    O perfil, primeiro, era aquele investidor individual mais afeito a transações de curto prazo e que opera
    usando predominantemente a análise gráfica. Agora, o que se vê é um público que se propõe a
    diversificar o portfólio com viés de longo prazo, afirma Roberto Lee, diretor de produtos da Clear.
    “Tivemos que dobrar a equipe de cadastro e estamos olhando para a infraestrutura porque são números
    que não víamos desde 2010”, diz. O pico de participação da pessoa física na bolsa foi justamente em
    fevereiro de 2010, com uma parcela de 32,1% do bolo transacionado.

    “A diferença é que o investidor que está voltando ou entrando agora vai encontrar um ecossistema de
    corretoras mais saudável, uma indústria mais organizada”, diz Lee. Após a depuração que se viu nos
    últimos anos – a própria Clear foi comprada pela XP em 2015 – e o número de corretoras encolhendo, o
    executivo considera que o brasileiro também já reúne mais conhecimento sobre o mercado acionário e
    não investe mais em bolsa por meio de bancos, que tradicionalmente tinham a maior custódia em renda
    variável no varejo.

    No Modalmais, o perfil, por ora, é de investidores que olham o longo prazo, com a somatória de vários
    prazos curtos. Não necessariamente operam todos os dias, mas sempre acompanham a posição, afirma
    Rodrigo Puga, sócio da plataforma. “Quando há uma tendência bem definida de alta, aumenta a base [de
    clientes]”, diz. “Há a percepção de que a bolsa já atingiu o fundo do poço e o mercado dá sinais de força
    com o fluxo para o Brasil e a realocação dos ativos.”

    forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=3&t=10949&start=500#p2499151

    Geral

    Gráficos, fundamentos e dividendos: de que jeito ganhar dinheiro na Bolsa?

    13 de abril de 2016

    Qualquer um que opera na bolsa de valores irá responder a isto de forma bem fácil, porém nada simples para ser executada. A maioria iria dizer para você comprar barato, esperar valorizar e vender caro ou se for começar a operação pela ponta vendida, irão responder para vender caro, esperar desvalorizar e comprar barato. A execução destes três simples passos, não importa por onde comece a operação, é um grande desafio.

    O mundo da renda variável costuma atrair diversos investidores, os quais têm apetite por risco e desejam uma rentabilidade maior tanto no curto, como no médio e no longo prazo. Eles estão dispostos e enfrentar a volatilidade e possíveis perdas que este tipo de aplicação pode causar.

    Há duas técnicas para se encontrar o momento de compra/venda de uma ação que são a análise fundamentalista e a análise técnica (ou grafista) as quais podem ser automatizadas em Trade Systems, por exemplo. O investidor pode focar nos fundamentos das empresas, isto quer dizer que ele analisa o balanço da empresa e seus indicadores para saber se ela está saudável em suas operações e frente a seus concorrentes. Outros investidores irão optar por analisar somente o gráfico de preços das ações através de alguns métodos, na busca de encontrar o momento ideal de compra e venda. Ainda existe aqueles que aliam ambas escolas de investimentos na bolsa de valores, porém nenhuma estratégia, fundamentalista ou gráfica, apresenta 100% de confiabilidade.

    É muito importante estudar o mercado da bolsa, pois ele é muito dinâmico e não existe uma regra específica sobre como ganhar dinheiro na Bolsa. Pode-se observar cada operador adotando seus próprios métodos e seguindo o caminho que melhor casa sob sua visão, estratégia e controle de riscos.

    Leia mais sobre este assunto a seguir:

    Como ganhar dinheiro na Bolsa?
    gráfico quadro de cotação na bolsa de valores

    A quem mais se interessar, também vale a pena conferir:

    Análise Fundamentalista para principiantes

    Manual de Análise Técnica/Fundamentalista

    Manual de Introdução à Análise Técnica

    Tutorial de Análise Técnica: Setups contra a tendência

    Até o próximo post.

    Geral

    Existe valor mínimo para investir na Bolsa de Valores?

    5 de abril de 2016

    Você sabe qual o valor mínimo para investir na Bolsa de Valores? Com qualquer valor que equivalha ao valor de uma ação no mercado fracionário você pode investir, porém fica outra pergunta: compensa investir a partir de valor tão baixo? Para investir na bolsa brasileira, BM&FBovespa, você tem alguns custos que pode tornar desvantajoso investir com este pequeno montante de dinheiro. Para investir na bolsa são pagas as taxas custódia e taxas de corretagem. Quem tiver lucros tributáveis, ainda pagará imposto de renda. No mercado à vista os investidores que vendam mais de R$ 20 mil dentro do mesmo mês são passíveis de cobrança de imposto, assim como quem fizer algum tipo de operação no mercado de derivativos, como mercado de opções, mercado futuro, ETF, FII, mercado à termo, etc…

    Veja esta ilustração para quem for investir na Bolsa de Valores de São Paulo:
    – Um investidor coloca R$ 200,00 em ações e a corretora dele cobra R$ 15,00 de taxa de custódia e R$ 5,00 pela taxa de corretagem, você vai precisar de um rendimento maior do que R$ 20,00 (taxa de custódia mais a taxa de corretagem). Isto quer dizer que é necessário 10% de rendimento apenas para você ficar no 0x0 (pagar seus custos). Depende do tipo de relação que você tenha com a corretora, a taxa de custódia pode não ser cobrada, ou seja, parece com um relacionamento com um banco, algumas taxas são cobradas e outras não, vai do tipo de cliente. Você pode pesquisar e encontrar o melhor custo x benefício de corretora para o seu perfil de investidor.

    Um outro ponto negativo de investir somente pequenos valores pequenos é que os custos para diversificação são maiores, fato que pode tornar impeditivo usar tal estratégia. Para quem investe pouco, a solução pode ser investir em Fundo de Índice (Exchange-Traded Funds ou ETF), os quais nada mais são do que fundos que procuram ter o retorno de um índice que representa um conjunto de ações, por exemplo, o Ibovespa. O investidor pode adquirir cotas e com um valor de R$ 200,00 já é possível comprá-las.

    Uma outra solução para quem tem pouco dinheiro é investir através de clubes de investimentos, que nada mais são do que grupos de pessoas que se unem para investir. Ganhos e perdas são divididos proporcionalmente entre os membros de acordo com o quanto investiram.

    Se apesar de tudo isto, o investidor está em fase de aprendizagem e não quer investir valores maiores, as taxas podem ser vistas como um custo de aquisição do conhecimento. A coisa mais importante é começar a investir, para que ao invés de ficar somente pagando juros, a pessoa comece a receber juros com o objetivo aumentar o próprio patrimônio e alcançar o bem estar financeiro.
    Fonte de consulta: ganhemais.infomoney.com.br/perfil/especialista/eliseu-hernandez-d-oliveira/qual-o-valor-minimo-para-investir-na-bolsa
    telao-de-cotacao-de-bolsa-de-valores

    Veja também:

    Como eu faço para investir na bolsa de valores?

    Até mais.

    Geral

    Por que a corretora Mycap é o melhor custo-benefício?

    29 de fevereiro de 2016

    A MyCap (Icap Corretora) possui uma das corretagens mais baixa do mercado de corretoras para bolsa de valores no Brasil. Além disto, para quem quer pagar só um pouquinho mais, ainda leva para casa outras ótimas ferramentas como IR Fácil, FlexScan, entre outros.

    Logo da Mycap

    A corretora também possui um Homebroker, financeiro e custódia bem estáveis. Nunca houveram problemas que não fossem resolvidos pelos eficientes canais de atendimento que possuem: telefone, chat e e-mail.
    Bem diferente de uma outra corretora que teve liquidação extra-judicial recentemente.

    A ferramenta de análise gráfica/técnica também funciona muito bem, assim como a parte de análises e notícias costuma estar sempre atualizada.

    Enfim, cada um sabe o que pesa no bolso. Caso usem serviços e ferramentas que justifiquem pagar mais do que a Mycap cobra, ou seja, o que gasta lhe dá melhores resultados na bolsa de valores ou na renda fixa, tudo bem, caso contrário, Icap Corretora é a melhor opção. Opinião de quem já passou por várias corretoras e está nesta há muitos anos.

    Veja também:

    Como escolher uma corretora de valores?

    Até mais.

    Geral

    Opções binárias é fraude ou não?

    7 de maio de 2015

    opções binárias é fraude?
    Para quem não sabe, as opções binarias básicas consistem em prever o valor do ativo se vai ser maior ou menos durante um período de tempo. O mais importante é que quando o preço balança e vai na direção prevista, isso é bom sinal para o apostador. Por exemplo, alguém aposta no valor que vai aumentar e realmente aumenta, ganhou o jogo. Caso aposte que ele vai subir e ele então desce, perde o jogo. Problema é que no Brasil não existe regulamentação para isto.

    Quando fala-se de investimentos, acima de tudo a negociação de valores pela Internet, muitas pessoas se perguntam se as opções binárias e forex são mais uma ferramenta de extrair dinheiro do investidor de maneira fraudulenta. Seria de fato um método de ganhar dinheiro seguro ou apenas mais uma fraude inventada por alguns espertos do mercado em busca de dinheiro fácil dos gananciosos e desinformados?

    Para uma pessoa não cair num golpe é importante que ela esteja bastante atenta, ligada ao mercado e produto que deseja investir. É bom desconfiar de indivíduos e instituições financeiras que prometem lucros absurdos em poucos dias, e saiba que no mercado de opções binárias, forex, bolsa de valores, etc., não se pode tomar como certo que vai lucrar, ou seja, são aplicações de rendimento variável, de alto risco, uns mais, outros menos, porém não existem garantias. O que existe são técnicas a serem implementadas, além de profissionais e instituições que devido a sua experiência no mercado, podem ajudar o investidor a ter estratégias para sobreviver em mercados de alto risco.

    Quais são os indícios dados para os investidores identificarem fraudes? Verificar se a plataforma possui boa reputação, ou seja, se esta funcionando de forma correta e sem apresentar problemas, e nunca realizar transações em plataformas que não sejam conhecidas. Também é recomendável escolher uma instituição que coloca a disposição do investidor números de telefone, contato por e-mail e chats ao vivo.

    Leia também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Infomoney: Como mudar de corretora?

    21 de fevereiro de 2014

    Para quem deseja mudar de corretora é preciso que saiba quais procedimentos devem ser tomados neste caso.
    Pense que você tem uma quantia de recursos parada e gostaria de investí-la, enquanto não há a necessidade de usá-la com outra finalidade, mas como é novato no mercado, procura pela corretora ou banco que possui o maior número de boas referências, infelizmente, logo em seguida descobre que esta não foi a melhor escolha para alguém com seu perfil.
    Aí vem a pergunta: Como mudar de corretora?

    A resposta vem a seguir nesta excelente matéria da Infomoney:

    Imagine que você tem uma quantia de recursos parada e gostaria de investí-la para ter algum rendimento, enquanto não há a necessidade de usá-la com outra finalidade. Como é novato no mercado, procura pela corretora ou banco que possui o maior número de boas referências, mas logo em seguida descobre que esta não foi a melhor escolha para alguém com seu perfil.

    E se você já opera no mercado de capitais há um bom tempo através de uma corretora ou banco, porém não está mais satisfeito com os serviços que estão sendo oferecidos ou com as taxas que estão sendo cobradas. Ou ainda se você deseja aproveitar as promoções oferecidas por outra corretora, mas sem abrir mão dos seus atuais investimentos.

    Seja em casos como estes, ou parecidos, as dúvidas sempre surgem na hora de trocar de corretora. Embora o processo seja simples, nem sempre os investidores sabem quais procedimentos devem ser tomados nesta situação, ou a quem devem recorrer. Além disso, geralmente eles também não estão a par das alternativas que possuem para realizar tal operação.

    “Todo investidor é livre para escolher o intermediário por meio do qual ele deseja operar. Assim, um investidor pode mudar de intermediário quando desejar”, explica a Superintendência de Relações com Empresas da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

    Transformando investimentos em dinheiro
    Hoje, a forma mais comum entre os investidores para trocar de corretora é transformando os investimentos em dinheiro. “Ele tem custodiado as ações e pode vendê-las, aguardando a liquidação e transformando isso em dinheiro. Depois, já passa esse dinheiro diretamente para a conta em outra corretora”, diz Alan Soares, coach financeiro da Trader Brasil Escola de Investidores.

    Apesar deste processo ser o mais utilizado, dado a sua rapidez, é importante destacar que os investidores que optarem por esse caminho estarão sujeitos a cobrança de taxas de corretagem pela operação de venda dos papéis.

    “Essa é a forma mais cômoda de fazer”, avalia Soares. “Digamos que o investidor tenha algo em torno de R$ 50 mil de patrimônio em uma corretora que seja de ordem fixa, ele vai gastar cerca de R$ 40 a R$ 50 para dar todas essas ordens, só que ele vai conseguir transferir esse dinheiro o mais rápido possível para outra corretora, podendo comprar as ações de novo, já através do novo intermediário, pagando novamente algo em torno de R$ 50 de ordem de corretagem para estar adquirindo estas ações”, completou.

    Na hora de transferir, preste atenção na custódia!
    Mas, se você não quiser ter que abrir mão de suas posições para trocar de corretora, não se preocupe, também há a possibilidade da transferência. Mesmo sendo um pouco mais demorado, o procedimento de transferência de ativos é bem simples, porém, é necessário atenção para alguns pontos.

    No primeiro passo, é preciso se certificar por qual instituição estão custodiadas as ações, seja por um banco ou por uma corretora do banco, ou ainda em uma corretora independente, pois os procedimentos variam de acordo com a custódia dos ativos.

    Segundo a CVM, caso o investidor tenha uma posição em conta de custódia aberta na CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) pelo intermediário com o qual não deseja mais operar, sendo ele a corretora de um banco ou uma corretora independente, será necessário solicitar a transferência dos ativos em custódia para conta aberta pelo novo intermediário escolhido.

    Essa solicitação deve ser feita diretamente pela corretora do banco ou corretora independente que o investidor deseja deixar de operar, por meio do preenchimento de formulário. É importante destacar que antes de solicitar a transferência de custódia, o investidor terá de ter aberto uma conta junto ao novo intermediário, viabilizando a transferência, que é feita eletronicamente.

    Por exemplo, o investidor possui uma conta na Gradual e deseja transferir a custódia de suas ações para a Um Investimentos. O que ele deverá fazer primeiro é abrir uma conta na Um, e posteriormente avisar a Gradual de sua intenção, preenchendo os formulários disponibilizados por ela para efetuar a transferência. Assim, a própria Gradual, na qualidade de custodiante das ações, ficará responsável por transferí-las para a Um. Este procedimento leva em média de 3 a 4 dias.

    Ordem de Transferência de Ações
    No caso de o investidor ter suas ações custodiadas pelo banco escriturador, o processo é diferente, pois os formulários serão substituídos por uma OTA (Ordem de Transferência de Ações), que deve ser requerida junto ao banco escriturador. Nesse caso, a operação pode levar mais que alguns dias, exige reconhecimento de firma e pode incluir pagamento pelo serviço de novo depósito, explica a BM&F Bovespa (BVMF3), citando as desvantagens da escolha por essa opção.

    “Suponhamos que o cliente tenha ações custodiadas no Banco do Brasil (BBAS3) e ele quer se mudar para a corretora Um Investimentos, ele vai ter que ir até o banco e pedir uma OTA, preencher e reconhecer firma desta OTA, vão verificar toda a questão de Imposto de Renda, se foi ou não declarado, tem uma certa burocracia. Depois que ele tiver o documento reconhecido de que ele possui estas ações custodiadas pelo BB, ele vai ter que levar esse documento e a OTA para a Um Investimentos. A área de controle dessa nova corretora vai verificar por meio da declaração de IR se está tudo OK, para ai sim aceitar a transferência do mesmo”, destacou Soares.

    O coach financeiro avalia que outra grande desvantagem deste processo da OTA é que enquanto ele está em tramitação as ações ficam congeladas para as operações na nova corretora. “Então, você pode ficar até duas semanas, três semanas, dependendo do caso, sem poder estar transacionando suas ações. Se o mercado começa a ter uma baixa violenta você não consegue vender as ações, e se o mercado começa a subir muito você não consegue realizar lucro também”, disse.

    Além disso, segundo a CVM, caso o investidor não tenha uma posição em conta de custódia aberta na CBLC pelo intermediário pelo qual não deseja mais operar, basta que ele abra uma conta junto a outro intermediário, cumpra os procedimentos de cadastramento e, uma vez que tenha seu cadastro liberado, poderá iniciar as operações por meio do novo intermediário escolhido.

    Já troquei de corretora, e agora, o que eu faço com a conta antiga?
    Uma vez concluido o processo de transferência dos ativos, os investidores geralmente possuem uma última dúvida: o que acontece com a conta na corretora ou banco pelo qual operava anteriormente? Neste caso, segundo Soares, a conta do investidor fica inativa, estando passiva de custos ou não, dependendo da política de cada instituição.

    “Os investidores geralmente não fazem o cancelamento, porque no futuro, caso eles queiram voltar para a sua antiga corretora, não precisarão passar novamente pelo processo de cadastramento, no qual terão de enviar cópias de documentos e mais outros requerimentos comuns na hora de abrir uma conta em corretora”, completou o coach financeiro.

    Vale ressaltar que, mesmo assim, se a sua intenção for encerrar a conta na antiga corretora, basta procurá-la. O cancelamento é imediato e não tem custos aos clientes.
    fonte: web.infomoney.com.br/templates/news/view.asp?codigo=2042609&path=/investimentos

    Vale a pena conferir:

    Até o próximo post.