Como é a profissão de corretor da Bolsa de Valores
Convidados

Como é a profissão de corretor da Bolsa de Valores

22 de outubro de 2021

Como é a profissão de corretor da Bolsa de Valores
Com demanda em alta, saiba como é a atuação desse profissional.

O mercado de trabalho vive profundas transformações em meio à pandemia da Covid-19. Novas demandas surgiram e, para atendê-las, empresas e profissionais precisaram adaptar-se. Conhecer essas mudanças pode ser uma oportunidade para quem busca colocação ou reinvenção profissional.

O corretor da Bolsa de Valores é uma das profissões que está em alta no país. As contratações com carteira assinada aumentaram 45,5% em agosto de 2021, na comparação com o ano anterior, segundo o levantamento realizado pelo portal Salário. O estudo considera o cruzamento de dados entre o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o e-Social e o Empregador Web.

Ainda de acordo com o levantamento, a média salarial para o cargo no país é de R$ R$ 3.908,01, podendo chegar a até R$ 11.313,12. A cidade de São Paulo é o local que apresenta o maior número de vagas. Em seguida estão os municípios de Rio de Janeiro (RJ), Cajamar (SP), Curitiba (PR) e Belo Horizonte (MG), nesta ordem.

O crescimento da demanda por este profissional ocorre paralelamente ao aumento do interesse dos brasileiros por investir em produtos de ativos variáveis. De acordo com a B3, o número de investidores pessoa física aumentou 43% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2020. Em números, o total de cadastrados na Bolsa de Valores chegou a 3,8 milhões.

Formação e atuação

O corretor da Bolsa de Valores deve ter um amplo conhecimento sobre o mercado financeiro. Por isso, nesta área, costumam atuar profissionais graduados e pós-graduados em Economia, Ciências Contábeis, Administração, Ciências Atuariais e áreas afins.

O papel do corretor é auxiliar investidores – tanto pessoas físicas, quanto empresas – a realizarem as operações mais compatíveis com seus objetivos, buscando o maior retorno financeiro e criando estratégias para minimizar os riscos.

Além da formação superior, esta profissão requer habilidades como boa comunicação, domínio da língua inglesa, análise estratégica e aptidão para vendas. Também é preciso manter-se atualizado com as informações dos cenários político e econômico nacional e internacional, pois há diversos fatores que interferem diretamente no mercado financeiro.

As oportunidades de emprego podem ser em corretoras de investimentos, bancos, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, agências de viagem, consultorias para empresas, dentre outros estabelecimentos. A Casa do Trader, por exemplo, reúne profissionais para orientar de forma específica os investidores que querem atuar com o day trade.

O trabalho de um corretor envolve todo o suporte estratégico necessário ao investidor. Cabe a ele indicar o produto mais atrativo, conforme o perfil do cliente, o propósito com o qual é feito o investimento, em quanto tempo pretende-se realizar o resgate do dinheiro e como é composta a carteira desse investidor.

Essa orientação profissional contribui para escolhas mais assertivas e minimizam o risco existente em todo tipo de investimento. No caso do day trade, ela mostra-se ainda mais essencial, tendo em vista que essa é a modalidade mais ágil da Bolsa de Valores e, também, uma das mais atrativas e arriscadas.

No Comments

Leave a Reply

*

code