‘Guest Post’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: Guest Post

    Convidados

    3 problemas que uma loja online pode ter quando não aposta no controle de vendas

    1 de fevereiro de 2024

    Apesar de o e-commerce ser um setor em crescimento, é preciso ficar de olho nos números para ter sucesso no negócio

    3 problemas que uma loja online pode ter quando não aposta no controle de vendas

    O controle de vendas é algo essencial para qualquer pessoa que queira abrir uma loja online. É a partir dele que o proprietário conseguirá monitorar o que está acontecendo com o seu negócio e escolher estratégias que ajudem a impulsionar o e-commerce.

    Começar um e-commerce é uma boa maneira de ganhar dinheiro e atingir uma clientela maior. Afinal, a possibilidade de vendas na internet é bem mais ampla que a de um comércio físico.

    É por isso que muitas pessoas estão entrando nesse ramo e várias empresas têm modernizado seus negócios. De acordo com o Statista, a tendência é que o e-commerce no Brasil cresça em 20% ao ano até 2025.

    Abrir uma loja online é algo relativamente fácil. Porém, mantê-la funcionando e produzindo lucros é um pouco mais complicado. Sem um controle de vendas adequado, é bem provável que um e-commerce acabe se complicando e sofrendo alguns impactos negativos.

    As operações comerciais, a satisfação do cliente e até mesmo os resultados financeiros da empresa podem ser comprometidos se o proprietário ou gestor de loja online não tiver uma gestão eficiente. Por isso, apostar em um controle de vendas é essencial para acompanhar e impulsionar o desempenho do negócio.

    Quer entender melhor como uma gestão ineficiente pode atrapalhar o seu e-commerce? Confira três problemas que uma loja online pode ter quando não aposta no controle de vendas!

    1) Falta de visibilidade sobre o desempenho de vendas

    Apostar no controle de vendas  é essencial para uma boa gestão empresarial.Todo proprietário e gestor de loja online precisa ter visibilidade sobre determinados aspectos relacionados ao desempenho do seu negócio.

    Alguns exemplos são o volume de vendas, os produtos mais vendidos, a taxa de conversão e o custo de aquisição de clientes. Todos esses fatores impactam no controle financeiro da empresa e fazem a diferença para os resultados no final do mês.

    Sem a análise de dados e métricas relevantes, não há como identificar as tendências do mercado e se adaptar a elas. Assim, uma loja online pode estar seguindo uma direção completamente diferente do que deveria para atingir suas metas.

    Além disso, a ausência de dados implica na falta do monitoramento do fluxo de vendas. É preciso estar atento aos valores que entram e saem, quais produtos são mais vendidos, quais são os menos procurados.

    Sem um bom controle de vendas, a tomada de decisões estratégicas fica comprometida. Afinal, você está contando apenas com a sorte, o que não é nada bom para quem quer realmente obter sucesso.

    2) Ineficiência no gerenciamento de estoque

    Quando o cliente compra online, seu objetivo é receber o produto em casa no tempo estimado. Se o item está à venda, é porque ele realmente existe e chegará a tempo. Porém, o grande problema de muitas lojas online é justamente a falta de sincronia entre o estoque físico e o estoque virtual.

    É muito chato fazer uma compra na internet e receber a notícia de que o pedido foi cancelado porque não estava disponível. O consumidor pode se sentir lesado, será preciso fazer o estorno do valor pago e, assim, a reputação do seu negócio é impactada negativamente.

    Não tem jeito: é fundamental executar um bom controle de vendas para ter certeza de que você não vai vender algo que está indisponível.

    3) Dificuldades no atendimento ao cliente

    Um dos grandes fatores que levam uma pessoa a comprar determinado produto pela internet é a praticidade. O cliente quer apenas dar alguns cliques e receber seu produto em casa, sem dificuldades. Porém, as lojas online que não apostam no controle de vendas acabam fazendo exatamente o oposto.

    A falta de informações precisas sobre os pedidos é terrível para quem está comprando. O cliente que fez uma compra quer ser guiado por todas as etapas, desde a aprovação do pagamento até a entrega.

    A dificuldade em rastrear os produtos, por exemplo, é algo que atrapalha a experiência do consumidor, que tem o direito saber onde está o item que ele pagou.

    O atraso na entrega é outro problema que impacta negativamente na satisfação do cliente. Se foi confirmado que ele iria receber o item em um determinado dia, ele tem que estar com o produto em mãos até esta data.

    É claro que imprevistos acontecem e algumas coisas podem dar errado. Mas é exatamente por isso que as lojas online precisam ser eficientes na resolução de problemas.

    O cliente precisa ter um canal de comunicação ativo para entrar em contato com a loja e fazer seu questionamento. Além disso, a resposta deve ser rápida e precisa.

    Isso vale tanto para questões gerais como as mais específicas, como devoluções e trocas de pedidos. O site precisa ter um espaço fácil e prático para resolver qualquer situação, pois é a forma como você lida com as adversidades que te diferencia dos outros negócios.

    O controle de vendas é a melhor maneira de garantir transparência e  um melhor atendimento ao cliente. O proprietário que investe na gestão do seu negócio passa a ter uma visão muito mais precisa do que deve ser feito. Assim, a loja online começa a ser administrada de uma forma mais segura, garantindo seu crescimento.

    Convidados

    Ibovespa e Mercado de Ações Brasileiro: Visão Geral e Tendências Atuais

    17 de janeiro de 2024

    Ibovespa e Mercado de Ações Brasileiro: Visão Geral e Tendências Atuais

    Você já ouviu falar do Ibovespa e do mercado de ações brasileiro? Se não, você está perdendo uma das formas mais emocionantes e potencialmente lucrativas de investimento. O Ibovespa é o principal índice de ações da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), que representa a média ponderada das ações das empresas mais negociadas na bolsa.

    Ele é considerado uma referência para o mercado de ações brasileiro e é amplamente utilizado por investidores, analistas e gestores de fundos para avaliar o panorama econômico e as tendências do mercado. O mercado de ações brasileiro é um dos maiores e mais líquidos da América Latina, com uma capitalização de mercado de bilhões de dólares.

    Os investidores têm a oportunidade de investir em uma ampla variedade de empresas, desde grandes corporações até pequenas empresas em crescimento. Além disso, a bolsa oferece uma ampla gama de setores, incluindo energia, finanças, tecnologia e saúde. Os investidores podem escolher entre ações de empresas estabelecidas ou de startups promissoras, com diferentes níveis de risco e retorno. Se você é iniciante e gostaria de aprender mais, vale a pena conferir esse guia completo para começar a investir do zero.

    Se você está procurando diversificar seus investimentos ou simplesmente quer investir em renda variável, o investimento em ações pode ser uma ótima opção. Com o Ibovespa como seu principal indicador, você pode acompanhar de perto o desempenho do mercado e tomar decisões sobre seus investimentos. Aprender mais sobre o mercado de ações brasileiro pode ser o primeiro passo para aumentar seu patrimônio líquido e alcançar seus objetivos financeiros.

    História do Ibovespa

    Criação e Evolução

    O Ibovespa foi criado em 1968 e, inicialmente, era composto por 30 ações. Desde então, o índice passou por diversas mudanças, tanto na sua composição quanto na sua metodologia de cálculo.

    Em 1983, o Ibovespa passou a ser calculado em tempo real e, em 1997, foi criado o mecanismo de circuit breaker, que interrompe as negociações em caso de quedas bruscas no índice. Em 2000, o índice foi ampliado para incluir 58 ações e, em 2008, passou a ter 66 ações.

    Atualmente, o Ibovespa é composto por cerca de 80 ações de empresas de diversos setores da economia, como bancos, siderurgia, mineração, petróleo e gás, entre outros.

    Momentos Marcantes

    O Ibovespa já passou por diversos momentos marcantes ao longo da sua história. Em 1989, o índice registrou uma valorização de mais de 600% em um único ano, impulsionado pelo Plano Collor, que congelou os depósitos bancários e levou muitos investidores a migrarem para a Bolsa.

    Em 2002, o Ibovespa registrou uma das suas maiores quedas, devido à crise financeira internacional e à eleição de Lula para a presidência do Brasil. Em maio de 2008, o índice atingiu o seu maior patamar histórico, de mais de 73 mil pontos, impulsionado pela valorização das commodities e pelo crescimento da economia brasileira.

    Nos últimos anos, o Ibovespa tem enfrentado uma série de desafios, como a crise política e econômica do país, a queda dos preços das commodities e a pandemia de Covid-19. No entanto, o índice tem se mostrado resiliente e continua sendo uma referência importante para os investidores brasileiros e estrangeiros.

    Composição e Critérios do Ibovespa

    O Ibovespa é o principal índice de ações do mercado brasileiro. Ele é composto pelas ações das empresas mais negociadas na B3, a bolsa de valores de São Paulo. A composição do índice é determinada por critérios específicos, que são revisados periodicamente.

    Cálculo do Índice

    Seu índice é calculado a partir do desempenho das ações das empresas que fazem parte. Cada ação tem um peso no cálculo do índice, que varia de acordo com sua liquidez e valor de mercado. As ações com maior peso no índice têm um impacto maior no desempenho geral do mercado.

    Revisão Periódica

    A composição é revisada periodicamente, geralmente a cada quatro meses. As empresas que fazem parte do índice são avaliadas de acordo com critérios como volume de negociação, valor de mercado e representatividade setorial. As empresas que não atendem mais aos critérios são substituídas por outras que se destacam no mercado.

    Ações Constituintes

    O Ibovespa é composto por um conjunto de ações de empresas que representam os principais setores da economia brasileira. As ações mais negociadas e de maior valor de mercado têm maior peso no índice. As empresas que fazem parte do Ibovespa são consideradas referência no mercado brasileiro e têm grande influência sobre o desempenho do mercado como um todo.

    Funcionamento do Mercado de Ações Brasileiro

    Horário de Negociação

    O horário de negociação das ações da B3 é das 10h às 17h (horário de Brasília), de segunda a sexta-feira. Durante esse período, os investidores podem comprar e vender ações de empresas listadas na bolsa. Além disso, há um período de pré-abertura das 9h45 às 10h e um período de after-market das 17h30 às 18h.

    Principais Participantes

    Os principais participantes do mercado de ações brasileiro são os investidores, as corretoras de valores, as empresas listadas na bolsa e a própria B3. Os investidores podem ser pessoas físicas ou jurídicas que compram e vendem ações na bolsa. As corretoras de valores são responsáveis por intermediar as negociações entre os investidores e a bolsa. As empresas listadas na bolsa são aquelas que abriram seu capital e têm suas ações negociadas na B3.

    Regulação e Governança

    O mercado de ações brasileiro é regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que é responsável por fiscalizar e regulamentar as atividades relacionadas ao mercado de capitais. Além disso, a B3 tem um papel importante na governança do mercado de ações brasileiro, implementando regras e procedimentos para garantir a transparência e a segurança das negociações. A B3 também é responsável por manter o registro das operações realizadas na bolsa.

    Análise de Investimentos no Ibovespa

    Se você está pensando em investir no mercado de ações brasileiro, é importante entender a análise de investimentos no Ibovespa. Abaixo demonstramos algumas delas.

    Análise Técnica

    A análise técnica é uma abordagem que utiliza gráficos e indicadores para identificar padrões e tendências no comportamento do mercado de ações. Essa abordagem se concentra no estudo do comportamento dos preços e dos volumes negociados.

    Para realizar uma análise técnica do Ibovespa, é necessário utilizar ferramentas como médias móveis, bandas de Bollinger, MACD, entre outras. Essas ferramentas ajudam a identificar pontos de entrada e saída do mercado, bem como a determinar níveis de suporte e resistência.

    Análise Fundamentalista

    A análise fundamentalista é uma abordagem que se concentra na análise dos fundamentos das empresas que compõem a bolsa de valores. Essa abordagem leva em consideração fatores como o desempenho financeiro da empresa, a qualidade da gestão, a posição de mercado, entre outros.

    Para realizar uma análise fundamentalista, é necessário avaliar os indicadores financeiros das empresas que compõem o índice, como o lucro líquido, o patrimônio líquido, a margem líquida, entre outros. Além disso, é importante avaliar o cenário macroeconômico do país, como a taxa de juros, a inflação, o desemprego, entre outros.

    Em resumo, a análise de ações envolve a utilização de abordagens como a análise técnica e a fundamentalista. É importante entender as características e limitações dessas abordagens para tomar decisões de investimento mais informadas e conscientes, além de ter noção das oscilações ocorridas no mercado brasileiro, que refletem no Ibovespa.

    Desafios e Oportunidades

    Volatilidade do Mercado

    O mercado de ações brasileiro, representado pelo índice Ibovespa, é conhecido por sua alta volatilidade. Isso significa que os preços das ações podem oscilar bastante em curtos períodos, o que pode causar incertezas e riscos para os investidores. No entanto, essa volatilidade também pode oferecer oportunidades para aqueles que sabem como identificar as tendências do mercado e aproveitar as oscilações a seu favor.

    Para minimizar os riscos, é importante que os investidores diversifiquem suas carteiras, investindo em diferentes setores e empresas. Além disso, é fundamental estar sempre atualizado sobre as notícias e eventos que podem afetar o mercado, como mudanças na política econômica do país ou resultados financeiros das empresas.

    Perspectivas Econômicas

    O mercado de ações brasileiro também é influenciado pelas perspectivas econômicas do país. Nos últimos anos, o Brasil tem enfrentado desafios como a recessão econômica, a instabilidade política e a pandemia de COVID-19. No entanto, o país também apresenta oportunidades, como o aumento do consumo interno e a crescente demanda por produtos e serviços.

    Para aproveitar as oportunidades do mercado, é importante que os investidores estejam atentos às tendências econômicas e invistam em setores promissores. Entre eles estão o setor de tecnologia, que tem apresentado um crescimento significativo nos últimos anos, e o setor de infraestrutura, que deve receber investimentos do governo nos próximos anos.

    Em resumo, o mercado de ações brasileiro apresenta desafios e oportunidades para os investidores. Para maximizar os ganhos e minimizar os riscos, é fundamental estar sempre atualizado sobre as tendências do mercado e diversificar a carteira de investimentos.

    Convidados

    Brasil é o 2° país que mais taxa as empresas no mundo: Como reduzir custos com a exportação de serviços?

    24 de novembro de 2023

    Descubra como as criptomoedas, especialmente o Bitcoin, podem ser uma estratégia eficaz para aliviar a carga tributária sobre a exportação de serviços no Brasil.

    Brasil é o 2° país que mais taxa as empresas no mundo: Como reduzir custos com a exportação de serviços?

    Recentemente, o portal R7 divulgou que o Brasil ocupa a segunda posição no ranking dos países que mais taxam as empresas globalmente. Essa informação coloca em evidência a complexidade do sistema tributário brasileiro e suas repercussões na exportação de serviços.

    A tributação, que inclui impostos como o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), tem impactado negativamente as empresas que buscam expandir seus negócios para além das fronteiras nacionais.

    Para compreender como as empresas podem mitigar esses custos, exploramos a utilização de criptomoedas, notadamente o Bitcoin, como uma alternativa promissora.

    O uso de criptomoedas na exportação de serviços para reduzir a carga tributária

    As criptomoedas, especialmente o Bitcoin, emergem como uma alternativa inovadora e disruptiva para enfrentar os desafios tributários associados à exportação de serviços no Brasil. Ao explorar essa nova fronteira financeira, as empresas podem encontrar maneiras eficazes de otimizar custos e simplificar transações internacionais.

    Adotando criptomoedas, as empresas ganham uma ferramenta que transcende fronteiras de maneira ágil e eficiente. O Bitcoin, por sua natureza descentralizada e global, permite transações mais rápidas e com custos reduzidos em comparação aos métodos tradicionais. Essa agilidade é crucial para empresas que buscam expandir seus serviços além das fronteiras nacionais, garantindo eficiência nos processos e rapidez nas operações.

    A utilização de criptomoedas na exportação de serviços oferece um caminho estratégico para reduzir os encargos fiscais. Ao contornar parte da tributação tradicional, as empresas podem preservar uma parcela significativa de seus ganhos, contribuindo para uma margem de lucro mais atrativa. Eliminar intermediários e simplificar processos de pagamento também contribuem para a redução de custos operacionais.

    Empresas que adotam criptomoedas podem desfrutar de benefícios fiscais específicos, como a isenção de determinadas taxas associadas a transações internacionais. A flexibilidade dessas moedas digitais permite estratégias personalizadas, adaptando-se às necessidades específicas de cada empresa.

    No entanto, é importante saber que a Receita Federal exige a declaração de operações envolvendo criptoativos, e é necessário que as empresas estejam atualizadas sobre as regulamentações em constante evolução. A transparência e a conformidade são fundamentais para evitar possíveis riscos legais.

    Apesar das vantagens, é importante destacar que o uso de criptomoedas não está isento de riscos. A volatilidade do mercado, questões de segurança digital e regulamentações em constante mudança são fatores que exigem uma abordagem cuidadosa por parte das empresas.

    Benefícios fiscais para empresas que utilizam criptomoedas na exportação de serviços

    A decisão estratégica de incorporar criptomoedas, como o Bitcoin, nas transações internacionais oferece às empresas uma série de benefícios fiscais substanciais. Essa escolha vai além da mera modernização dos métodos de pagamento, impactando diretamente a eficiência financeira e a competitividade global das organizações.

    Diferentemente dos métodos convencionais, que muitas vezes envolvem intermediários e instituições financeiras, as criptomoedas possibilitam a eliminação desses intermediários. Isso agiliza o processo de transferência de fundos e reduz as taxas transacionais, permitindo que as empresas preservem uma parcela significativa de seus recursos financeiros.

    As transações ocorrem de forma direta entre as partes envolvidas, sem a necessidade de aprovações demoradas ou processos burocráticos excessivos. Essa simplificação economiza tempo e elimina a necessidade de procedimentos complexos, proporcionando uma experiência de pagamento mais ágil e eficaz.

    Os fundos que seriam destinados a encargos transacionais excessivos podem ser realocados para investimentos estratégicos, inovação e expansão de operações internacionais. Essa otimização financeira contribui diretamente para a saúde financeira das empresas, fortalecendo-as em um ambiente competitivo.

    A capacidade de otimizar recursos financeiros e simplificar transações internacionais coloca as empresas em uma posição mais competitiva no cenário global. Empresas que adotam criptomoedas como parte integrante de suas operações demonstram agilidade e adaptabilidade, características essenciais para prosperar em mercados internacionais dinâmicos.

    A atuação da legislação brasileira na tributação das criptomoedas em transações internacionais

    A evolução das criptomoedas desafia continuamente a legislação brasileira, que busca se adaptar a um cenário financeiro em constante transformação. Atualmente, a Receita Federal estabeleceu a obrigatoriedade de declaração de operações com criptoativos, estabelecendo um marco inicial de regulamentação.

    As atualizações na legislação podem ocorrer em resposta às mudanças no mercado de criptomoedas, novas tecnologias ou mesmo para abordar questões de segurança e transparência. Portanto, estar atento às atualizações legislativas é uma prática essencial para garantir a conformidade e a segurança nas transações com criptoativos.

    Além da declaração de operações, aspectos como a tributação específica sobre ganhos de capital provenientes de transações com criptomoedas e a definição de como esses ativos devem ser contabilizados no balanço das empresas também são pontos de atenção. A complexidade crescente dessas regulamentações exige um entendimento aprofundado para evitar possíveis penalidades e garantir uma atuação transparente e segundo a legislação vigente.

    Vale ressaltar que a interação entre criptomoedas e legislação é um campo em constante evolução. Empresas e investidores são incentivados a buscar orientação especializada, manter-se atualizados sobre as mudanças normativas e adotar práticas que assegurem a conformidade, promovendo assim uma participação segura e responsável no mercado de criptoativos.

    Riscos e considerações legais ao usar criptomoedas

    Apesar das promissoras perspectivas, a adoção de criptomoedas como estratégia para a redução de impostos exige uma análise minuciosa dos riscos e considerações legais. A volatilidade inerente ao mercado de criptoativos, as frequentes mudanças nas regulamentações e as preocupações relacionadas à segurança digital são fatores prementes que demandam uma abordagem cautelosa por parte das empresas.

    A volatilidade do mercado de criptomoedas é uma característica intrínseca a esses ativos digitais, podendo resultar em variações significativas nos valores em curtos períodos. Esse cenário requer uma gestão de riscos robusta para mitigar possíveis impactos financeiros negativos, considerando especialmente a exposição internacional das transações.

    As regulamentações em constante evolução adicionam uma camada de complexidade ao ambiente das criptomoedas. As empresas que optam por utilizar esses ativos como parte de suas estratégias fiscais precisam monitorar de perto as mudanças nas leis e regulamentações, garantindo assim conformidade legal e evitando possíveis implicações.

    A segurança digital é uma preocupação central, dada a natureza descentralizada e digital das criptomoedas. A proteção contra ameaças cibernéticas, a segurança das carteiras digitais e a prevenção contra fraudes são aspectos críticos que exigem investimentos e medidas preventivas adequadas para assegurar a integridade das operações.

    Enquanto a utilização de criptomoedas para a redução de impostos oferece oportunidades atrativas, a prudência na gestão de riscos é imperativa. Empresas devem adotar uma abordagem equilibrada, considerando não apenas os benefícios potenciais, mas também os desafios e riscos associados.

    O papel das criptomoedas na exportação de serviços no Brasil

    Diante dos desafios impostos pelo cenário tributário, as criptomoedas emergem como uma escolha perspicaz para empresas brasileiras que buscam aliviar os custos na exportação de serviços.

    Experimentar esse novo horizonte financeiro requer uma compreensão profunda das nuances legais, a habilidade de tirar proveito dos benefícios fiscais oferecidos por essas moedas digitais e, crucialmente, aprender com os casos de sucesso já estabelecidos. Ao adotar uma abordagem estratégica e cuidadosa, as empresas podem não apenas enfrentar os desafios tributários, mas também trilhar um caminho mais eficaz rumo à competitividade global.

    Convidados

    Quase 9 em cada 10 pessoas confiam em recomendações de conhecidos para fazer compras; entenda

    15 de novembro de 2023

    Mesmo com tanta tecnologia, o boca a boca ainda é muito forte e deve ser priorizado por quem deseja atingir o sucesso

     

    Quase 9 em cada 10 pessoas confiam em recomendações de conhecidos para fazer compras; entenda

    Foto: Freepik.

    A cada dia que passa, a tecnologia evolui mais, o que também passa pelos canais de publicidade. Se antes tínhamos na TV, no rádio e nos jornais o supra-sumo do reconhecimento, hoje eles ainda seguem importantes, mas não tanto quanto um elemento também antigo, mas que ainda agrega muito valor: o boca a boca.

    De acordo com o Estudo de Confiança em Publicidade da Nielsen (2021), 88% dos entrevistados globais confiam mais nas recomendações das pessoas que conhecem do que em qualquer outro canal. Ainda além: 50% das pessoas confiam mais nas recomendações do que em canais como anúncios online, mensagens por SMS e tráfego orgânico (SEO).

    Isso, portanto, te coloca como um potencial influenciador para que outras pessoas comprem produtos e/ou serviços recomendados por você, mesmo que não tenha um volume de milhares (ou milhões) de seguidores nas redes sociais, e é justamente esse ponto que muita gente não conhece.

    Em outras palavras, você já pode, a partir de hoje, aproveitar sua influência para começar a ganhar dinheiro com isso, o que pode ser feito de várias maneiras. Continue a leitura se quiser aprender a fazer isso, além de conhecer recomendações valiosas para quem está começando.

    Como ganhar dinheiro por meio da confiança de amigos, familiares e colegas?

    Alternativas não faltam para transformar este desejo em realidade. Você pode optar pelos seguintes caminhos:

    • Trabalhar como vendedor. Uma das profissões mais antigas do mundo segue tendo uma relevância enorme. Se você tem boas habilidades de oratória e quebra de objeções (ou seja, contorno de dificuldades colocadas pelos clientes), começar a trabalhar como vendedor é um bom caminho a trilhar, seja representando uma única empresa ou empreendendo na área.

    • Trabalhar como influenciador digital. Para aqueles que têm habilidades de comunicação e conhecem um pouco sobre mídias sociais, atuar como influenciador é uma opção valiosa. Você pode escolher um nicho que mais gosta para criar conteúdos relevantes e de valor, sempre estando de olho nas atualizações e novidades dos algoritmos das redes sociais para ter o maior engajamento possível em suas publicações. Porém, é importante notar que até conseguir construir uma base maior de seguidores para conseguir fazer as famosas “publis” e ganhar um bom dinheiro com isso, costuma levar algum tempo.

    • Trabalhar como afiliado. Se você deseja aliar sua rede de contatos atual com a possibilidade de ganhar dinheiro, ser afiliado é uma das melhores opções disponíveis. Por meio dessa alternativa, é possível escolher o nicho que mais lhe agrada para oferecer produtos e/ou serviços relacionados e, com isso, ganhar uma comissão sobre as transações realizadas por quem usou seu link ou cupom de afiliado.

    Atuar como afiliado permite aliar as duas outras alternativas. Afinal, você pode usar sua influência digital e as habilidades de um bom vendedor para conseguir maximizar sua receita.

    A boa notícia, porém, é que essa opção pode ser escolhida até mesmo por quem não é um grande especialista em vendas e que também não seja o maior conhecedor de mídias sociais. Em outras palavras, você pode começar com o que já tem em mãos neste momento.

    O que são programas de afiliados e como funcionam?

    Basicamente, um afiliado é como se fosse um representante de uma empresa. Uma vez que os clientes fizerem compras e/ou contratarem serviços que tenham sido indicados por você, o resultado é uma compensação financeira equivalente ao que foi realizado.

    Vamos tomar como exemplo um programa de afiliado de apostas esportivas. Quando alguém faz um depósito na plataforma por meio de seu link ou código de afiliado, você pode ser recompensado por isso. Logo, quanto mais pessoas conseguir influenciar neste sentido, maior tende a ser o seu retorno financeiro.

    O legal é que geralmente não é preciso investir nenhum valor para ser afiliado. Uma vez que se preenche o formulário de intenção para se tornar um afiliado e este é aceito, você já pode começar a divulgar para o máximo de pessoas qualificadas que puder para ganhar dinheiro com isso.

    Quais são as melhores práticas para ser afiliado?

    Considerando o número que vimos no início deste conteúdo, recomendações das pessoas são muito valiosas nos dias de hoje. Porém, para isso, é preciso construir um relacionamento com essas pessoas, e é aí que está sua chance de ser um afiliado melhor.

    Portanto, as seguintes dicas podem ajudar muito na construção de sua jornada como afiliado de sucesso:

    • Busque construir uma relação de confiança e credibilidade. Ser interessante para a sua audiência é um passo fundamental para conseguir mais abertura para, no momento certo, entregar o que você oferece como afiliado. Crie conteúdos interessantes, que realmente ensinem algo valioso ao público. Quanto maior for a constância disso, mais credibilidade conseguirá construir.

    • Escolha um segmento que você gosta. Trabalhar com o que você gosta tende a ser muito mais agradável e interessante. Há muitas oportunidades disponíveis e isso te permitirá se comunicar com ainda mais proximidade com o público.

    • Entenda que a conquista dos resultados pode levar algum tempo. É comum que tenhamos o desejo de atingir o sucesso muito rapidamente, mas essa é uma jornada que deve ser subida degrau por degrau. Mais uma vez, valorize a constância.

    • Siga outros afiliados para entender como eles se comunicam. Referências e inspirações são muito bem-vindas para te ajudar, especialmente para quem está no começo da jornada. Isso não significa que você copiará os conteúdos e a forma de falar (e nem é este o objetivo), mas sim que tenha ideias.

    Se você considerar a atividade de afiliado como um trabalho de fato, empenhando seu tempo e esforços para melhorar diariamente, os resultados devem ser consequência de tudo isso que está sendo investido. Ao seguir as dicas que foram compartilhadas aqui, essa trajetória deve ser ainda mais legal e rentável.

    Por isso, se quiser usar seu poder de influência para ganhar dinheiro, seja como fonte de renda alternativa ou até mesmo principal (especialmente depois de algum tempo), considere o melhor programa de afiliados de acordo com suas preferências e interesses e veja como essa pode se transformar em uma verdadeira transformação em sua vida financeira!

    Convidados

    8 em cada 10 farmácias no Brasil pertencem a pequenos e médios empresários; entenda

    29 de setembro de 2023

    Números são mais positivos agora do que no período pré-pandemia

    8 em cada 10 farmácias no Brasil pertencem a pequenos e médios empresários

    Foto: ArtPhoto_studio/Freepik.

    As farmácias de pequeno e médio porte (PMEs) desempenham um papel fundamental na economia brasileira e na saúde pública do país, fornecendo produtos e serviços essenciais para a saúde e o bem-estar da população. De acordo com a Agência Sebrae, essas empresas representam impressionantes 84% do mercado farmacêutico nacional.

    O Brasil abriga um grande número de farmácias de pequeno e médio porte. Embora seja difícil obter um número exato de quantas existem no país devido à constante evolução do mercado, estimativas sugerem haver mais de 100 mil drogarias espalhadas por todo o território nacional.

    Vamos saber mais sobre esses estabelecimentos? Continue a leitura conosco!

    Setor farmacêutico no Brasil

    O setor farmacêutico brasileiro é um dos mais importantes e dinâmicos da economia, gerando emprego, renda, inovação e saúde para a população. Segundo dados da 6ª edição do Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico, a venda de medicamentos no país gerou um faturamento de R$ 131,2 bilhões em 2022. Em termos comparativos, a receita, cujo valor em 2021 era de R$ 135,2 bilhões, teve uma redução de cerca de 3%.

    Apesar disso, o segmento segue em expansão. Somente no primeiro semestre de 2023, foram abertas mais de 4 mil drogarias no Brasil — número superior ao de empresas abertas antes da pandemia. Os dados são de um levantamento realizado pelo Sebrae, a partir de dados fornecidos pela Receita Federal.

    A pesquisa também mostrou que, atualmente, existem cerca de 122 farmácias no país, sendo que 84% delas — isto é, 102,5 mil — são micro e pequenas empresas. Esses números mostram o poder e a relevância desses estabelecimentos para a população e economia do país, conforme explica Flávio Barros, gestor do segmento de Saúde e Bem-Estar do Sebrae, em entrevista à Agência Sebrae de Notícias.

    “O segmento já era um dos que mais cresciam no país, que geravam mais renda e faturamento antes da pandemia. Depois disso, esse setor não parou de crescer, pois ninguém deixou de comprar remédios nesse período, como aconteceu com outros setores em que os clientes desapareceram. Inclusive o e-commerce e a farmácia delivery foram fundamentais para as farmácias se manterem”, afirma.

    Impactos das farmácias de pequeno e médio porte na comunidade local

    As farmácias de pequeno e médio porte têm uma presença significativa nas comunidades em que estão inseridas. Além de oferecer medicamentos, elas atuam como centros de informação e aconselhamento de saúde, fornecendo orientação aos clientes sobre o uso adequado de medicamentos, prevenção de doenças e estilo de vida saudável.

    Esses estabelecimentos também podem ter outros impactos positivos para a população, uma vez que podem contribuir para:

    • A prevenção de doenças, ao prestarem serviços de saúde à comunidade local, como consulta farmacêutica, preparação individualizada da medicação, administração de vacinas, check saúde, dentre outros. Esses serviços podem reduzir os custos com saúde e diminuir as filas e a sobrecarga do sistema público de saúde;

    • A educação sanitária, ao disseminarem informações sobre temas relevantes para a saúde pública, como o combate à dengue, à covid-19, à tuberculose, à hanseníase e à leishmaniose. Essas informações podem aumentar a conscientização e a participação da população nas ações de vigilância e controle dessas doenças;

    • A geração de emprego e renda, por contratarem mão-de-obra qualificada ou oferecerem capacitação profissional aos seus funcionários, além de estimularem o comércio local e a circulação de dinheiro na economia;

    • A inclusão social, ao promoverem o acesso à saúde de populações vulneráveis ou carentes, como idosos, pessoas com deficiência, gestantes, crianças, indígenas, entre outros. Essas drogarias podem participar de programas sociais do governo ou de organizações não governamentais, como a Farmácia Popular, que oferece medicamentos gratuitos ou com desconto para doenças crônicas como hipertensão, diabetes e asma.

    Produtos e serviços oferecidos à população

    As farmácias de pequeno e médio porte oferecem uma ampla gama de produtos e serviços aos clientes. Esses estabelecimentos não se limitam apenas à venda de medicamentos, mas também se esforçam para atender às diversas necessidades de saúde e bem-estar da comunidade.

    A seguir, destacamos alguns dos produtos e serviços comuns oferecidos por essas farmácias:

    • Medicamentos;

    • Produtos de cuidados pessoais;

    • Itens de higiene;

    • Produtos para bebês;

    • Suplementos nutricionais;

    • Equipamentos médicos e de saúde;

    • Serviços farmacêuticos;

    • Administração de vacinas;

    • Testes de saúde;

    Como as farmácias PMEs diferenciam das grandes redes?

    As PMEs se diferenciam significativamente das grandes redes de farmácias em vários aspectos essenciais. Essas diferenças moldam a experiência do cliente e destacam o valor único que esses estabelecimentos trazem para suas comunidades locais.

    Atendimento personalizado

    Uma das distinções mais marcantes é o atendimento personalizado oferecido pelas farmácias locais. Os funcionários muitas vezes conhecem seus clientes pelo nome, criando relacionamentos de confiança e proporcionando um atendimento mais individualizado.

    Comunidade e conexão local

    Drogarias de pequeno e médio porte tendem a estar profundamente enraizadas em suas comunidades. Elas participam ativamente em eventos locais e apoiam causas comunitárias, criando uma forte conexão emocional com os moradores locais.

    Resposta rápida às necessidades locais

    As farmácias locais têm a flexibilidade de adaptar rapidamente seus produtos e serviços às necessidades específicas da comunidade. Isso pode incluir a introdução de produtos relacionados a eventos locais ou surtos sazonais.

    Variedade de produtos

    Esses estabelecimentos podem oferecer um mix de produtos mais diversificado e adaptado às necessidades e preferências dos seus clientes, incluindo produtos exclusivos, regionais, naturais e de produtores locais. Esses itens podem atrair consumidores que buscam alternativas aos medicamentos convencionais ou que valorizam a sustentabilidade e a responsabilidade social.

    O preço

    Elas tendem a oferecer preços mais competitivos e flexíveis aos seus clientes, aproveitando-se de estratégias como compras coletivas, negociações diretas com fornecedores, promoções sazonais ou programas de fidelidade.

    Quais desafios as farmácias menores enfrentam em comparação com grandes redes de farmácias?

    As farmácias de menor porte enfrentam uma série de desafios em comparação com suas contrapartes maiores, que podem ser particularmente difíceis de superar devido aos recursos limitados e à competição com as grandes redes farmacêuticas. Alguns dos desafios mais comuns incluem:

    • Concorrência de grandes redes: esses estabelecimentos competem com grandes redes que têm recursos financeiros consideráveis;

    • Pressão por preços baixos: para competir, as drogarias menores muitas vezes enfrentam pressão para manter os preços baixos, o que pode afetar suas margens de lucro e sua capacidade de investir em melhorias e expansão;

    • Dificuldade com fornecedores: grandes redes farmacêuticas frequentemente têm mais poder de negociação com os fornecedores, permitindo-lhes obter produtos a preços mais baixos. As farmácias menores podem ter menos influência nesse aspecto;

    • Regulamentações e conformidade: cumprir com regulamentações rigorosas na venda de produtos farmacêuticos, manter registros precisos e garantir a qualidade e segurança dos produtos pode ser um desafio que exige recursos extras e conformidade constante;

    • Marketing e publicidade limitados: as grandes redes têm orçamentos substanciais para marketing e publicidade, o que pode tornar difícil para as empresas menores competir em termos de alcance e visibilidade;

    • Pandemia e crises de saúde pública: eventos como a pandemia de covid-19 podem ter um impacto desproporcional nos estabelecimentos menores, que podem enfrentar dificuldades para adquirir suprimentos, implementar medidas de segurança e manter operações durante crises de saúde pública.

     

    Apesar das dificuldades, as farmácias de pequeno e médio porte seguem em crescimento e são parte essencial desse setor, pois podem fazer a diferença na vida das pessoas.

    Convidados

    10 dicas para aumentar as vendas do seu e-commerce em 2023

    22 de agosto de 2023

    10 dicas para aumentar as vendas do seu e-commerce em 2023

    No cenário em constante evolução do comércio eletrônico, encontrar maneiras eficazes de impulsionar as vendas do seu e-commerce é mais vital do que nunca. 

    Com o ano de 2023 trazendo consigo novas oportunidades e desafios, é fundamental estar à frente das tendências. Assim é possível adotar estratégias inteligentes para se destacar da concorrência. 

    Neste guia abrangente, exploraremos dez dicas práticas e comprovadas que podem elevar suas vendas na internet a um novo patamar.

    O Cenário atual do e-commerce em 2023

    O universo do e-commerce está em plena expansão, oferecendo um mercado global à ponta dos dedos dos consumidores. 

    No entanto, com essa expansão vêm desafios e uma concorrência acirrada. Para aproveitar ao máximo esse cenário promissor, é fundamental compreender as estratégias que podem realmente fazer a diferença para um e-commerce bem-sucedido.

    Dentro desse contexto, é importante compreender as melhores práticas para otimizar a experiência do usuário, alavancar as estratégias de SEO e aproveitar ao máximo as mídias sociais. 

    Além disso,ao implementar táticas inteligentes de upsell e cross-sell, investir em marketing de conteúdo, priorizar um atendimento ao cliente excepcional, utilizar o poder do email marketing e fazer análises de dados inteligentes pode ser fundamental para encontrar insights valiosos. 

    Dessa maneira, pode-se aplicar esses conceitos ao e-commerce e obter sucesso. 

    Desafios e Oportunidades na Era digital

    Embora o cenário do e-commerce seja cheio de possibilidades, cada vez mais há também desafios únicos. 

    A concorrência é feroz, e as empresas precisam ser inovadoras e ágeis para se destacar em meio a uma multidão de concorrentes. Além disso, as expectativas dos clientes nunca foram tão altas. 

    A era digital trouxe consigo um nível de conveniência e personalização que os consumidores agora consideram padrão. 

    Dessa forma, as empresas que não conseguem atender a essas expectativas correm o risco de perder clientes para aquelas que o fazem.

    No entanto, esses desafios também trazem consigo oportunidades significativas. Ao adotar abordagens criativas para resolver os problemas dos clientes e oferecer experiências excepcionais, as empresas podem conquistar a lealdade dos clientes e ganhar uma reputação sólida no mercado. 

    A tecnologia também oferece ferramentas poderosas para segmentar audiências, analisar dados e ajustar estratégias de acordo. 

    Com a mentalidade certa e a disposição para abraçar a mudança, os desafios podem ser transformados em sucesso.

    Vamos explorar algumas dicas de estratégias práticas que podem ajudar a enfrentar esses desafios e capitalizar as oportunidades no cenário de e-commerce em constante evolução.

    Dica 1: Otimização de experiência do usuário (UX)

    Uma das pedras angulares para o sucesso do seu e-commerce em 2023 é a otimização da experiência do usuário (UX). 

    A maneira como os clientes interagem com o seu site desempenha um papel crucial na decisão de compra e na fidelização. 

    Vamos explorar três aspectos vitais da otimização de UX: 

    • Navegação Intuitiva e design responsivo;  
    • Velocidade de Carregamento e performance do site; 
    • Personalização da experiência de compra.

    Navegação Intuitiva e Design Responsivo

    Uma loja virtual deve ser fácil de navegar e proporcionar uma experiência fluida aos visitantes. 

    Sendo assim, um design claro e intuitivo facilita a localização de produtos, a navegação entre categorias e a conclusão das compras. 

    Além disso, é importante certificar de que o site seja responsivo, adaptando-se perfeitamente a diferentes dispositivos, como smartphones, tablets e desktops. 

    Com mais consumidores fazendo compras em dispositivos móveis, essa adaptação é essencial para garantir que todos os clientes tenham uma experiência positiva.

    Velocidade de Carregamento e Performance do Site

    A paciência dos consumidores online é limitada. Se o site demorar muito para carregar, muitos visitantes podem abandoná-lo antes mesmo de verem os produtos ou serviços. 

    Dessa maneira, investir na otimização da velocidade de carregamento é crucial. 

    Isso envolve otimizar imagens, usar uma hospedagem confiável e reduzir scripts desnecessários. 

    Portanto, a rapidez com que o site carrega não apenas impacta a satisfação do cliente, mas também é um fator importante para o SEO. Isso acontece devido os mecanismos de busca valorizarem sites rápidos.

    Personalização da experiência de compra

    Os consumidores de hoje valorizam experiências personalizadas. Diante disso, é preciso usar dados e tecnologias para oferecer recomendações de produtos relevantes com base no histórico de compras e nas preferências do cliente. 

    Isso não apenas aumenta as chances de conversão, mas também melhora a satisfação geral do cliente. 

    Além disso, deve-se permitir que os clientes personalizem produtos, escolhendo cores, tamanhos e características de acordo com suas preferências individuais.

    Dessa forma, ao otimizar a experiência do usuário, não apenas aprimora as chances de conversão, mas também cria uma conexão mais profunda com os clientes. 

    Dica 2: Estratégias avançadas de SEO para E-commerce

    A visibilidade nos mecanismos de busca é essencial para direcionar o tráfego qualificado a um site. 

    Sendo assim, estratégias avançadas de otimização para mecanismos de busca (SEO) podem ser a chave para conquistar as primeiras posições nas páginas de resultados e alcançar seu público-alvo. 

    Três aspectos cruciais para o sucesso do SEO em lojas virtuais envolvem: 

    • Pesquisa de palavras-chave específicas do setor; 
    • Otimização de páginas de produtos com técnicas On-page;
    • Construção de autoridade com backlinks relevantes.

    Pesquisa de Palavras-chave Específicas do Setor

    A base do SEO é a pesquisa de palavras-chave. Identifique termos e frases relevantes para um determinado nicho de mercado. 

    Além disso, é importante usar ferramentas de seo de pesquisa de palavras-chave para identificar quais termos são mais buscados pelos clientes potenciais. 

    Dessa forma, ao incorporar essas palavras-chave de maneira estratégica no conteúdo, você aumenta as chances de ser encontrado por quem está procurando seus produtos.

    Otimização de páginas de produtos com técnicas On-page

    Cada página de produto é uma oportunidade de otimização. Sendo assim, é fundamental usar títulos e descrições únicas. 

    É importante incluir as palavras-chave relevantes e escrever descrições atraentes que informem e inspirem ação. 

    Dessa forma, deve-se investir nas meta tags, URLs amigáveis e estrutura de cabeçalho adequada (H1, H2, H3). 

    Além disso, é fundamental otimizar as imagens com descrições alt e tamanho apropriado para melhorar a velocidade de carregamento.

    Construção de Autoridade com Backlinks Relevantes

    Os backlinks ainda são um fator importante para o SEO. Dessa forma, deve-se buscar oportunidades para obter links de qualidade de sites relevantes e autoritativos. 

    Isso não apenas melhora sua classificação nos mecanismos de busca, mas também estabelece sua autoridade no setor. 

    Dessa maneira, é preciso considerar colaborar com blogueiros influentes, participar de entrevistas ou escrever conteúdo convidado em sites relevantes.

    Ao implementar essas estratégias avançadas de SEO, é possível aumentar a visibilidade nos mecanismos de busca e atrair tráfego qualificado para o e-commerce. 

    Dica 3: Utilização eficiente de mídias sociais

    As mídias sociais se tornaram um canal poderoso para alcançar e engajar o público-alvo de um e-commerce. 

    Ao adotar estratégias eficientes de mídias sociais,pode-se criar uma presença digital sólida, promover os produtos e estabelecer conexões significativas com os clientes. 

    Existem três etapas essenciais para a utilização eficiente das mídias sociais: 

    • Escolher as Plataformas sociais corretas para o público; 
    • Criação de conteúdo interativo e engajador
    • Estratégias de anúncios segmentados para alcançar novos clientes.

    Escolher as plataformas sociais corretas para o público

    Cada plataforma de mídia social atrai um público diferente. O primeiro passo é identificar quais plataformas são mais relevantes para o público-alvo. 

    Por exemplo, o Instagram pode ser ideal para produtos visualmente atraentes, enquanto o LinkedIn pode ser mais apropriado para produtos voltados para empresas. 

    Dessa maneira, é fundamental concentrar os esforços nas plataformas que seus clientes em potencial mais frequentam.

    Criação de conteúdo interativo e engajador

    O conteúdo nas redes sociais deve ser envolvente e relevante. Dessa forma, é importante compartilhar fotos de alta qualidade dos produtos, criar vídeos explicativos, publicar postagens interessantes e promover histórias dos bastidores da marca. 

    Portanto, é fundamental incentivar a interação com enquetes, perguntas e desafios. 

    Quanto mais os usuários interagirem com o conteúdo, mais visibilidade ele ganhará.

    Estratégias de Anúncios segmentados para alcançar novos clientes

    As plataformas de mídia social oferecem opções de publicidade altamente segmentadas. 

    Dessa maneira, é importante usá-las para alcançar um público específico com base em demografia, interesses e comportamento online. 

    Isso ajuda a garantir que o conteúdo promocional seja direcionado para as pessoas certas, aumentando as chances de conversão. 

    Sendo assim, criar anúncios atraentes que se integrem organicamente ao feed dos usuários.

    Ao aproveitar eficientemente as mídias sociais, é possível fortalecer o reconhecimento da marca, expandir o alcance e aumentar o engajamento com os clientes. 

    Dica 4: Implementação de táticas de Upsell e Cross-sell

    Elevar o valor das transações dos clientes é uma estratégia eficaz para aumentar a receita do e-commerce. 

    Portanto, a implementação de táticas de upsell e cross-sell envolve oferecer produtos adicionais ou relacionados durante o processo de compra, incentivando os clientes a gastarem mais. 

    Algumas das principais abordagens importantes para implementar essas táticas: 

    • Personalização de recomendações de produtos; 
    • Criação de pacotes e ofertas combinadas atraentes;
    • Incentivo à compra adicional com descontos progressivos.

    Personalização de recomendações de produtos

    É importante usar algoritmos de recomendação para identificar produtos que complementam as escolhas do cliente. 

    Sendo assim, é preciso mostrar os produtos similares ou complementares àqueles que o cliente está visualizando ou já adicionou ao carrinho. 

    Essa personalização aumenta a probabilidade de os clientes encontrarem algo que realmente os interesse, aumentando as chances de uma compra adicional.

    Criação de pacotes e ofertas combinadas atraentes

    Criar pacotes de produtos que se complementam naturalmente pode ajudar nesss de etapa. 

    Por exemplo, se uma empresa vende equipamentos eletrônicos, ela pode oferecer um pacote que inclui um laptop, uma mochila para laptop e fones de ouvido. 

    Essas ofertas combinadas proporcionam valor extra aos clientes e os incentivam a adquirir mais itens de uma só vez.

    Incentivo à compra adicional com descontos progressivos

    Oferecer descontos progressivos com base no valor total do carrinho. Por exemplo, “Leve 3 produtos e ganhe 10% de desconto”. Isso incentiva os clientes a adicionar mais itens ao carrinho para aproveitar os descontos. 

    Além disso, você pode oferecer frete grátis para pedidos acima de um determinado valor, incentivando a compra de mais produtos para atingir esse limite.

    A implementação dessas táticas não apenas aumenta o valor das transações, mas também aumenta a satisfação do cliente ao oferecer opções relevantes e vantajosas. 

    Dica 5: Investimento em marketing de conteúdo

    No mundo digital de hoje, o marketing de conteúdo é uma das maneiras mais eficazes de atrair, engajar e converter clientes em potencial. 

    Ao criar e compartilhar conteúdo valioso e relevante, é possível estabelecer autoridade, construir relacionamentos duradouros e oferecer valor real aos clientes. 

    Alguns aspectos cruciais do investimento em marketing de conteúdo são:

    • Criação de um blog com conteúdo relevante para o setor; 
    • Vídeos demonstrativos e tutoriais de produtos; 
    • E-books e guias que agregam valor para os clientes.

    Criação de um Blog com Conteúdo Relevante para o Setor

    Um blog bem mantido é uma maneira poderosa de compartilhar informações relevantes e construir autoridade no nicho de atuação de uma empresa. 

    Portanto, é essencial criar postagens que abordam tópicos do interesse dos clientes. 

    Além disso, oferecer dicas, guias, análises de produtos e insights do setor. 

    O conteúdo do blog não apenas atrai tráfego orgânico por meio dos mecanismos de busca, mas também mantém os visitantes envolvidos e informados.

    Vídeos Demonstrativos e Tutoriais de Produtos

    Os vídeos são uma maneira eficaz de transmitir informações de forma envolvente. 

    Vídeos também têm um grande potencial de compartilhamento nas mídias sociais. Dessa forma, ao criar vídeos demonstrativos que mostram os produtos em ação, destacando os recursos e benefícios pode ser um grande aliado nessa estratégia de alcance. 

    Além disso, tutoriais detalhados sobre como usar seus produtos podem ajudar os clientes a entender melhor como eles funcionam.

    E-books e Guias que Agregam Valor para os Clientes

    E-books e guias são recursos valiosos que podem atrair e educar os clientes. 

    Dessa forma, criar conteúdo aprofundado sobre tópicos relevantes para o seu setor pode impactar positivamente. 

    Por exemplo, se uma empresa vende roupas esportivas, pode criar um guia sobre os melhores exercícios para cada tipo de roupa. 

    Os clientes apreciam informações úteis e, ao fornecer esse valor, é possível construir confiança e lealdade.

    Investir em marketing de conteúdo não apenas atrai potenciais clientes, mas também nutre os existentes, mantendo-os interessados e envolvidos com uma marca.

    Dica 6: A Importância do Atendimento ao Cliente

    O atendimento ao cliente desempenha um papel crítico na diferenciação de uma marca e na criação de relacionamentos duradouros com os clientes. 

    Sendo assim, um atendimento excepcional pode ser o fator decisivo para converter um visitante casual em um cliente fiel. 

    Há alguns aspectos e ferramentas fundamentais para oferecer um melhor atendimento ao cliente. 

    Dentre estes, há os chatbots e sistemas de atendimento automatizado que são ferramentas valiosas para fornecer assistência instantânea aos clientes. 

    Eles podem responder a perguntas comuns, ajudar os clientes a navegar pelo site e até mesmo processar pedidos básicos. 

    Ao oferecer atendimento 24 horas por dia, é possível melhorar a experiência do cliente, independentemente do horário em que eles visitam o site.

    Isso acontece porque a rapidez no atendimento e a eficiência na resolução de problemas são características que os clientes valorizam profundamente. 

    Portanto, a resolução rápida de problemas não apenas aumenta a satisfação do cliente, mas também demonstra seu comprometimento com a excelência.

    Dica 7: Programas de fidelidade e recompensas 

    Recompensar a lealdade dos clientes é uma maneira eficaz de cultivar relacionamentos duradouros. 

    Sendo assim, implementar programas de fidelidade é uma forma de oferecer benefícios exclusivos, descontos especiais ou recompensas por compras frequentes. 

    Isso não apenas incentiva as compras repetidas, mas também faz com que os clientes se sintam valorizados e reconhecidos pela marca.

    Dica 8: Estratégia de Remarketing 

    O remarketing, também conhecido como retargeting, é uma estratégia de marketing digital que visa alcançar os usuários que já visitaram o site ou interagiram de alguma forma com a marca. 

    No entanto, esses usuários não concluíram uma ação desejada, como uma compra. 

    Essa técnica consiste em exibir anúncios específicos para esses usuários em outros sites ou plataformas que eles visitam posteriormente.

    O objetivo do remarketing é relembrar e incentivar esses usuários a retornarem ao site e finalizarem a ação desejada.

    Essa ação pode ser desde a compra de um produto, o preenchimento de um formulário ou qualquer outra ação importante para o negócio.

    Existem diferentes formas de implementar o remarketing:

    Remarketing de Site: Exibe anúncios personalizados para usuários que já visitaram páginas específicas do seu site. Isso permite que você mostre produtos ou ofertas relacionadas ao conteúdo que eles visualizaram anteriormente.

    Remarketing de Carrinho Abandonado: Segmenta usuários que adicionaram produtos ao carrinho de compras, mas não finalizaram a compra. Os anúncios podem mostrar os produtos no carrinho, incentivando-os a retornar e concluir a compra.

    Remarketing de Públicos Personalizados: Você pode criar segmentos de público baseados em critérios como comportamento de navegação, interações anteriores e outras variáveis. Isso permite a criação de anúncios altamente direcionados.

    Remarketing em Redes Sociais: Plataformas como Facebook e Instagram oferecem opções de remarketing, permitindo a exibição de anúncios para usuários que já interagiram com a página.

    Remarketing Dinâmico: Essa abordagem automatiza os anúncios, exibindo produtos específicos que os usuários visualizaram, aumentando a relevância e a probabilidade de conversão.

    O uso do remarketing se revela como uma tática impactante, uma vez que alcança usuários que previamente manifestaram interesse na sua marca, o que amplia consideravelmente as probabilidades de conversão.

    No entanto, é importante ser sensível à frequência e à relevância dos anúncios para evitar incomodar os usuários.

    Um bom equilíbrio entre lembrar os clientes em potencial e não sobrecarregá-los com anúncios é fundamental para o sucesso dessa estratégia.

    Dica 9: Estratégias de Email Marketing

    O email marketing continua sendo uma ferramenta poderosa para se comunicar com seus clientes de forma direta e personalizada. 

    Ao criar campanhas de email relevantes e envolventes, é possível manter os clientes informados sobre novidades, promoções e conteúdo valioso. 

    Para garantir maior assertividade em relação a campanhas de email marketing é importante segmentar a lista de emails com base em comportamentos passados dos clientes.

    Assim é possível enviar mensagens altamente direcionadas. Por exemplo, pode ser enviado ofertas especiais para clientes que fizeram compras recentemente ou compartilhar conteúdo relacionado aos interesses deles. 

    Isso aumenta a relevância das mensagens e a probabilidade de conversão.

    Além disso, as newsletters regulares são uma maneira eficaz de manter os clientes atualizados. 

    Sendo assim, pode-se compartilhar informações sobre novos produtos, promoções exclusivas e conteúdo útil relacionado ao nicho de atuação de um negócio. 

    Isso mantém os clientes engajados com uma marca e pode até mesmo incentivá-los a compartilhar as informações com sua rede, aumentando o alcance da sua mensagem.

    Dica 10: Monitoramento e Análise de Dados

    O sucesso contínuo do e-commerce depende da capacidade de avaliar o desempenho das estratégias e ajustá-las conforme necessário. 

    O monitoramento e a análise de dados fornecem insights valiosos que podem direcionar as decisões e garantir que um negócio esteja no caminho certo. 

    Para ajudar nesse processo, pode-se contar com o uso de ferramentas analíticas para acompanhamento de métricas. 

    Ferramentas como o Google Analytics permitem que se acompanhe métricas cruciais, como:

    • Tráfego; 
    • Taxas de conversão; 
    • Comportamento dos usuários e muito mais. 

    Sendo assim, essas ferramentas permitem que se analise dados regularmente para identificar tendências e pontos de melhoria. 

    Outra maneira de fazer análises é por meio do funil de conversão. Ele representa o processo que os clientes passam desde a descoberta até a conclusão da compra. 

    Dessa forma, analisar cada etapa desse funil pode ajudar identificar onde os clientes estão abandonando o processo. 

    Isso pode ser um carrinho abandonado, uma página de pagamento complexa ou outros obstáculos. 

    Portanto, identificar esses gargalos permite fazer melhorias direcionadas.

    Logo, é fundamental acompanhar as métricas, analisar os padrões e fazer ajustes conforme necessário. 

    Além disso, é preciso valorizar o feedback dos clientes. Avaliar as avaliações, comentários e pesquisas para entender o que os clientes gostam e o que pode ser melhorado. 

    Ao monitorar, analisar e ajustar suas estratégias com base em insights concretos, pode-se garantir que um e-commerce esteja sempre otimizado para o sucesso.

    Rumo ao sucesso no e-commerce em 2023! 

    Neste cenário em constante evolução, o sucesso no e-commerce requer estratégias sólidas e adaptáveis. 

    Ao implementar as dicas abordadas um determinado negócio estará bem equipado para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades que o e-commerce em 2023 oferece.

    Começando pelo crescimento contínuo do e-commerce, é importante se lembrar de que a globalização oferece acesso a mercados mais amplos do que nunca. 

    Sendo assim, é fundamental enfrentar os desafios e assim identificar as oportunidades na Era digital com inovação e foco na experiência do cliente.

    Seguindo as dicas deste conteúdo e aplicando-as no e-commerce estará preparado para se destacar, atrair clientes e aumentar as vendas online em 2023. 

    Portanto, é preciso se manter ágil, aprender com os dados e continuar aprimorando as estratégias para alcançar o sucesso almejado. 

    Lembre-se de que o sucesso no e-commerce é uma jornada constante, e a dedicação e esforço valerão a pena. 

    Convidados

    O ar-condicionado é responsável por 30% da conta de luz; saiba como reduzir esse gasto

    26 de julho de 2023

    Aparelhos com funcionamento econômico e hábitos cotidianos são os maiores motivadores de economia

    Aparelhos com funcionamento econômico e hábitos cotidianos são os maiores motivadores de economia

    Ar-condicionados entre os níveis A e E, pelo sistema de classificação do selo Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica), representam 30% a mais na conta de energia, de acordo com Alberto Hernandez Neto, professor do departamento de engenharia mecânica da Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo).

    Com base no uso de aparelhos de 9.000 BTUs por oito horas diárias, segundo a Light, empresa de distribuição de energia no Rio de Janeiro, o ar-condicionado pode representar 50,69% do consumo total de uma residência, como mostra O Globo.

    Já a Enel estima que um equipamento Split de 15.000 BTUs, usado oito horas por dia, é capaz de gerar um gasto de R$ 211,93 por mês.

    Os números assustam, mas não precisam ser motivos de desespero. Com algumas atitudes básicas, é possível reduzir o valor da conta de luz sem abrir mão de um ambiente refrigerado e ainda contribuir para um menor impacto ambiental.

    Modelos econômicos

    O primeiro passo na hora de escolher um ar-condicionado é optar por aqueles que têm o Selo Procel A, que indica o menor consumo energético. Junto a isso, vale também selecionar modelos com tecnologias focadas em economia, como o Inverter.

    O compressor de aparelhos do tipo funciona de forma ininterrupta, mas com uma potência bastante controlada. Além de evitar picos de energia, o sistema consegue chegar à temperatura desejada mais rapidamente, o que também ajuda a economizar.

    Uso inteligente

    A forma como qualquer aparelho é utilizado tem influência direta em seu consumo de energia ou bateria e, consequentemente, na vida útil.

    Para gastar o menos possível com o ar-condicionado, é importante usá-lo de maneira inteligente. Os próprios aparelhos tem recursos muito úteis, como:

    • Timer: programação de funcionamento automático do ar-condicionado; basta configurar a hora de ligar e/ou desligar com o controle remoto ou pelo aplicativo no celular (caso o equipamento tenha essa opção)

    • Eco: quando ativada na hora de dormir, a função se adequa à variação da temperatura do corpo durante o sono, mudando várias vezes ao longo da noite se necessário

    • Sleep: o aparelho aumenta 1ºC após a primeira hora quando o recurso é ativado e mais 1ºC na segunda, permitindo menos esforço e menos consumo elétrico, mas mantendo uma temperatura agradável durante o sono

    Outras atitudes básicas também ajudam a enxugar o valor da conta de luz em relação ao uso do ar-condicionado:

    • Feche todas as saídas de ar quando o aparelho estiver ligado

    • Deixe a grade de ventilação livre

    • Certifique-se de que a potência do ar-condicionado (BTUs) é adequada ao tamanho do ambiente, frequência de uso, condições climáticas do local e usuários regulares

    Hábitos de uso

    Os hábitos de uso também são determinantes para o consumo de energia, valor da conta de luz e vida útil do aparelho.

    Além de usar as funções oferecidas pelos fabricantes e seguir as dicas acima, é importante utilizar o ar-condicionado apenas quando for necessário e de maneira a trazer conforto – afinal, passar frio dentro de casa também não é nada agradável.

    Veja como economizar energia com ar-condicionado no dia a dia:

    • Ligue o ar-condicionado apenas quando houver necessidade;

    • Desligue o aparelho quando achar que o ambiente já foi climatizado o bastante ou quando sair de casa ou do cômodo;

    • Tente deixar o equipamento entre 21ºC e 23ºC – ideais para o corpo humano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS);

    • Se o calor não estiver tão grande, refresque o ambiente com a ajuda de um ventilador ou abra todas as janelas e portas para permitir a circulação do ar.

    Manutenção preventiva

    Os gastos da manutenção preventiva são inferiores ao valor do conserto de um ar-condicionado.

    De acordo com a plataforma de contratação de serviço CronoShare, o custo médio máximo para consertar o aparelho é de R$ 800, mas pode chegar a R$ 1.200, dependendo do problema. Já o Habitissimo, outro site de contratação, calcula que a manutenção preventiva custa, em média, R$ 250 para aparelho janela ou portátil e R$ 330 para Split ou central.

    É essencial prevenir qualquer tipo de avaria para não precisar mexer mais no bolso do que o necessário. O mesmo vale para a limpeza, que deve ser feita anualmente – um ar-condicionado sujo precisa se esforçar mais para trabalhar e filtros que já passaram da hora de trocar apresentam ar de má qualidade, o que pode dar origem ou piorar doenças respiratórias.

    A manutenção dos aparelhos deve ser feita com profissionais experientes e qualificados uma vez por ano para equipamentos pouco usados ou de seis em seis meses para equipamentos muito usados.

    Ar-condicionado não é vilão da conta de luz

    Roberto Peixoto, professor de Engenharia Mecânica do Instituto Mauá de Tecnologia, afirma que um ar-condicionado funciona de forma semelhante a um chuveiro elétrico – com a diferença de que fica ligado por um tempo muito menor.

    É natural que um aparelho mais potente consuma energia elétrica consideravelmente, mas tampouco isso é motivo para perder o sono. No final, a conta de luz reflete muito mais o comportamento do usuário do que sobre o aparelho em si.

    Escolhendo o modelo certo, aproveitando as funções de economia e adotando hábitos inteligentes, é possível ter um ar-condicionado em casa sem tomar aquele susto no final do mês.

    Convidados

    Como validar se uma exchange de criptomoedas é segura para seus investimentos?

    26 de junho de 2023

    Como validar se uma exchange de criptomoedas é segura para seus investimentos?

    Investir em criptomoedas requer cuidado e atenção, especialmente quando se trata de escolher uma exchange segura para realizar suas transações. Em fevereiro de 2023, a Receita Federal informou que a movimentação em criptomoedas foi de R$15,08 bilhões. Devido ao crescimento no mercado de criptomoedas, surgem cada vez mais opções de exchanges, mas nem todas oferecem níveis satisfatórios de segurança e confiabilidade.

     

    Neste artigo, vamos explorar alguns critérios importantes que podem ajudar a validar a segurança de uma plataforma de venda, compra e troca de criptomoedas como Bitcoin, Ethereum, Tether, Cardano e outras moedas digitais.

    Como saber se a exchange é regularizada junto aos órgãos reguladores do mercado financeiro?

    Um dos primeiros passos para verificar a segurança de uma exchange é garantir que ela seja regularizada junto aos órgãos reguladores do mercado financeiro. Isso pode incluir agências governamentais ou autoridades financeiras que supervisionam o setor.

    Fontes como a Revista Forbes apontam que as exchanges de criptomoedas mais confiáveis são as que possuem algum tipo de regulamentação, licença emitida por órgãos governamentais ou autoridades financeiras. Isso demonstra que a maioria das plataformas está buscando conformidade com as normas e regulamentos estabelecidos para proteger os investidores. E, no Brasil, o CAE já aprovou a regulamentação das criptomoedas.

    Além disso, em diversos países, como Estados Unidos, Japão, Reino Unido e Alemanha, foram implementadas regulamentações específicas para exchanges de criptomoedas. O objetivo principal é trazer mais segurança e transparência ao mercado.

    Por isso, ao pensar em uma empresa específica, é recomendado verificar se ela possui licenças ou normas emitidas por órgãos reguladores conhecidos e respeitados no setor financeiro. Isso pode incluir agências como a Comissão de Valores Mobiliários (SEC), a Autoridade de Conduta Financeira (FCA) e a Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA).

    É possível verificar a reputação da exchange em sites como o Reclame Aqui?

    Outro aspecto importante a ser considerado é a reputação da exchange. Sites de reclamações como o Reclame Aqui podem oferecer visões valiosas sobre a experiência de outros usuários com a plataforma.

    Verifique se há reclamações recorrentes, problemas de saques ou depósitos não processados, e como a plataforma lida com as questões levantadas pelos usuários. Porém, vale considerar que um ou dois comentários negativos não indicam necessariamente se uma plataforma é ruim, mas um histórico consistente de feedback negativo deve ser considerado.

    Embora o Reclame Aqui possa fornecer insights sobre a experiência de outros usuários, é fundamental complementar essas informações com outras fontes confiáveis. Bem como realizar uma análise abrangente ao avaliar a segurança de uma exchange de criptomoedas.

    Critérios para avaliar a segurança de uma exchange de criptomoedas

    Existem vários critérios importantes a serem avaliados ao considerar a segurança de uma exchange de criptomoedas. Alguns deles incluem:

    • Medidas de segurança: verifique se a exchange possui recursos de segurança robustos, como autenticação de dois fatores (2FA), criptografia SSL para proteção dos dados e armazenamento em cold wallets, que são carteiras offline mais seguras.
    • Transparência: a plataforma fornece informações claras sobre suas políticas de segurança, taxas e processos de retirada? A transparência é um indicador importante de confiabilidade.
    • Histórico de segurança: pesquise se a exchange já sofreu ataques de hackers no passado e como ela lidou com essas situações. Isso pode ser um indicativo da abordagem de segurança adotada pela plataforma.
    • Equipe experiente: verifique se a equipe por trás da empresa possui experiência comprovada no setor de criptomoedas. Uma equipe qualificada e experiente é mais capaz de implementar medidas de segurança eficazes.

    O que fazer em caso de suspeita de fraude ou golpe em uma exchange de criptomoedas?

    Se você suspeitar de qualquer atividade suspeita ou fraude em uma exchange de ativos digitais é importante agir rapidamente.

    • Entre em contato com a equipe de suporte da empresa e informe imediatamente suas preocupações à equipe. Eles devem ser capazes de fornecer orientações e investigar qualquer atividade suspeita em sua conta.
    • Denuncie à autoridade competente, isso pode incluir agências reguladoras financeiras ou órgãos de aplicação da lei especializados em crimes relacionados a criptomoedas.
    • Alerta a outros usuários em comunidades e fóruns on-line, pois isso pode ajudar a proteger outros usuários de possíveis golpes.

    Principais indicadores de segurança que uma exchange de criptomoedas deve ter

    Há alguns indicadores importantes que podem ajudar a avaliar a segurança de uma exchange de criptomoedas. Alguns deles incluem:

    • Auditorias de segurança: uma exchange confiável deve conduzir auditorias de segurança regulares realizadas por empresas de proteção externas e independentes. Essas auditorias ajudam a identificar possíveis vulnerabilidades e garantir a proteção dos fundos dos usuários.
    • Seguro de fundos: verifique se a empresa possui um seguro de fundos para proteger os ativos dos usuários em caso de falhas de segurança ou outros incidentes. Isso oferece uma camada adicional de proteção para os investidores.
    • Histórico de ataques: Pesquise se ela já foi alvo de ataques de hackers ou perdeu fundos dos usuários no passado. Embora nenhum sistema seja totalmente imune a ataques, um histórico limpo é um sinal positivo.

    É possível verificar se uma exchange de criptomoedas já sofreu ataques de hackers ou perdeu fundos dos usuários?

    Verificar o histórico de uma exchange de criptomoedas em relação a ataques de hackers e perdas de fundos dos usuários é uma preocupação legítima ao avaliar sua segurança. Existem fontes confiáveis que fornecem dados sobre incidentes desse tipo.

    De acordo com um relatório divulgado pela empresa de análise de dados cibernéticos, CipherTrace, estima-se que mais de US$ 1,4 bilhão em criptomoedas foram roubados de exchanges em 2020. No entanto, é importante destacar que nem todas as empresas foram alvo de ataques bem-sucedidos. A grande maioria delas implementa medidas de segurança avançadas para proteger os fundos dos usuários.

    Para verificar se uma plataforma de venda, troca e compra de ativos digitais já sofreu ataques de hackers ou perdeu fundos dos usuários, é recomendado pesquisar informações em fontes confiáveis, como notícias especializadas em criptomoedas e relatórios de segurança. Além disso, algumas empresas de segurança cibernética e análise de blockchain fornecem dados sobre incidentes de hacking e roubos que afetaram exchanges.

    Ao avaliar a confiabilidade de uma exchange, é essencial considerar seu histórico de segurança, bem como as medidas de proteção adotadas para prevenir ataques. A pesquisa e a análise de dados de incidentes anteriores podem fornecer percepções valiosas sobre a postura de segurança de uma plataforma de moedas digitais.

    Suporte ao cliente da exchange de criptomoedas

    Definitivamente o suporte ao cliente de uma exchange de criptomoedas desempenha um papel fundamental na experiência do usuário e na resolução de problemas.

    Segundo um estudo recente realizado pela empresa de pesquisa de mercado, Customer Thermometer, 88% dos usuários de criptomoedas consideram o suporte ao cliente como um fator importante ao escolher uma exchange. Isso destaca a necessidade de um suporte eficiente e responsivo por parte das empresas para atender às demandas e necessidades dos usuários.

    Além disso, uma análise de revisões e avaliações de usuários em diferentes plataformas de avaliação, como Trustpilot e Reddit, revela a importância da assistência ao cliente na experiência geral dos usuários. Avaliações positivas frequentes mencionam a rapidez e a eficácia do suporte ao cliente em resolver problemas.

    Um suporte ao consumidor responsivo pode desempenhar um papel crucial em situações como transações com problemas, problemas de segurança ou questões relacionadas a saques e depósitos. Um atendimento ágil e eficiente também minimiza os impactos negativos e proporcionam aos usuários uma experiência mais tranquila e confiável.

    Portanto, ao escolher uma exchange de criptomoedas, é recomendado verificar a reputação e o feedback dos usuários sobre a assistência ao cliente oferecido pela plataforma. Um suporte confiável e acessível pode fazer a diferença na resolução de problemas e na satisfação geral do usuário.

    Como comparar as taxas cobradas por diferentes exchanges de criptomoedas e escolher a mais vantajosa?

    Comparar as taxas cobradas por diferentes exchanges de criptomoedas é essencial para garantir que você escolha a opção mais vantajosa para suas necessidades. Verifique as taxas de depósito, retirada e negociação oferecidas pela empresa. Considere ainda a facilidade de uso da plataforma e a variedade de criptomoedas disponíveis para negociação.

    Ao seguir essas diretrizes e realizar pesquisas adequadas, você pode tomar decisões mais informadas e escolher uma exchange de criptomoedas que seja segura e confiável para seus investimentos. Lembre-se de que a segurança é fundamental ao lidar com moedas digitais, e sempre esteja atento às atualizações e práticas de segurança recomendadas pelo mercado.

    Convidados

    Começa amanhã a consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda! E você, já prestou contas ao Leão?

    23 de maio de 2023

    Começa amanhã a consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda! E você, já prestou contas ao Leão?

    Termina no próximo dia 31 de maio, às 23h59min o prazo para o envio das declarações

     De acordo com a Receita Federal, a partir das 10 horas desta quarta-feira, 24, será possível verificar a disponibilidade do primeiro conjunto de reembolsos do Imposto de Renda de Pessoa Física 2023. A Receita Federal considera este lote como o maior já registrado, com um montante aproximado de R$ 7,5 bilhões a ser distribuído.

    Esse lote beneficiará 4,1 milhões de contribuintes que possuem prioridade na fila de restituição, como idosos com idade acima de 80 anos, pessoas com deficiência, professores e aqueles que escolheram a opção de declaração pré-preenchida ou de receber o reembolso via PIX. Além disso, esse conjunto de reembolsos também abrange restituições pendentes de exercícios fiscais anteriores.

    14 milhões de pessoas ainda não fizeram a sua declaração

    Foi divulgado pela Receita Federal um relatório atualizado referente ao número de contribuintes que já cumpriram sua obrigação de declarar o Imposto de Renda em 2023. De acordo com o órgão, 39,5 milhões de declarações já foram realizadas e 14 milhões ainda estão pendentes.

    Dito isso, vale lembrar que o processo de declaração do IR ainda gera muitas dúvidas na cabeça das pessoas, especialmente na hora de saber quem precisa declarar, o que precisa ser declarado e qual o valor cobrado, principalmente quando estamos falando de ações, ativos de renda fixa e criptomoedas. Este último em si pode requerer um pouco mais de atenção dos contribuintes, haja vista que ainda estão longe da realidade de algumas pessoas que não sabem como funciona o processo de tributação.

    Por isso, é fundamental estar atento aos detalhes e às tributações antes mesmo de começar a investir para evitar surpresas futuras. Com isso, a partir de agora, veja algumas dúvidas comuns sobre esse assunto e as dicas da nossa redação:

    Quem precisa pagar IR sobre criptomoedas?

    Um ponto bem importante sobre a tributação das criptomoedas é que a declaração deve ser realizada para investimentos acima de R$5 mil. Além disso, a categoria que estes ativos entram é a de bens e direitos. Outro detalhe a considerar é que vendas acima de R$35 mil por mês estão sujeitas a retenção de imposto sobre o ganho sobre o capital.

    Em suma, qualquer pessoa que tenha mais do que R$5 mil em criptomoedas no dia 31/12 do ano vigente deve declarar no IR. Se o valor não alcançar os R$5 mil, a declaração é opcional.

    Como é a tributação de criptomoedas?

    Na hora de declarar as suas criptomoedas no IR, é necessário que a declaração seja feita em reais. Lembre-se de que o valor considerado tem que ser o de quando a moeda digital foi adquirida, ou seja, não é o valor de mercado que entra no documento, e sim o que você pagou pela criptomoeda.

    Qual o imposto cobrado para criptomoedas?

    O imposto cobrado para criptomoedas é calculado sobre os lucros quando as negociações totalizarem R$35 mil ou mais mensalmente. No entanto, é preciso considerar todas moedas digitais e operações realizadas em qualquer país.

    Por outro lado, se as transações de criptoativos não atingirem o valor de R$35 mil, os lucros são isentos de IR. Porém, ainda assim, eles devem constar na declaração anual sempre que o valor for pelo menos R$5 mil no último dia do ano.

    Além disso, se você negociar criptomoedas através de uma exchange no exterior ou até mesmo por meio de uma transação sem envolver uma corretora, precisa preencher uma declaração à Receita Federal. Neste caso, o valor mensal deve ser maior do que R$30 mil isolado ou em conjunto.

    Da mesma forma como acontece com outros tipos de investimentos de renda variável, o investidor também precisa calcular os próprios ganhos mensais com criptomoedas. Para então emitir o DARF, calcular e pagar o imposto devido todos os meses.

    Em qual categoria as criptomoedas devem ser declaradas?

    A categoria para declaração das criptomoedas é de Bens e Direitos. Elas devem ser declaradas como se fossem um bem, como uma casa, um carro ou uma aplicação financeira, por exemplo.

    Para cada tipo de criptomoeda que você possui, deve ser aberta uma nova ficha de declaração. Você não deve misturar as compras de Ether com Bitcoin ou outras moedas, por exemplo.

    Como declarar criptomoedas no imposto de renda?

    Para realizar a declaração das criptomoedas, você deve abrir a ficha “Bens e Direitos” do sistema da Receita. Em seguida, é só buscar pelo grupo “08 – Criptoativos” e usar os códigos de acordo com a moeda digital que você possui:

    • 01 – Criptoativo Bitcoin (BTC);
    • 02 – Outras criptomoedas, conhecidas como altcoins, por exemplo, Ether (ETH), Ripple (XRP), Bitcoin Cash (BCH) e Litecoin (LTC);
    • 03 – Criptoativos conhecidos como stablecoins, por exemplo Tether (USDT), USD Coin (USDC), Brazilian Digital Token (BRZ), Binance USD (BUSD), DAI, True USD (TUSD), Gemini USD (GUSD), Paxos USD (PAX), Paxos Gold (PAXG) etc;
    • 10 – Criptoativos conhecidos como NFTS (NonFungible Tokens);
    • 99 – Outros criptoativos.

    Assim como os outros investimentos que devem ser declarados, o valor informado é o de aquisição somado aos custos (taxas e outras tarifas, por exemplo). O campo “Discriminação” é usado para informar qual criptomoeda, quantidade, nome e CNPJ da empresa que está guardando suas moedas digitais.

    Além disso, quando houver criptoativos diferentes, eles devem ser informados separadamente. Por exemplo: Ethereum, XRP, Bitcoin, Litecoin, Tether, Chainlink, USD Coin, Polkadot, Polygon, TRON. Caso a custódia seja própria, o modelo da carteira digital onde estão as criptomoedas deve ser informado.

    Quem teve lucros mensais inferiores a R$35 mil tem que informar a movimentação na ficha “Rendimentos isentos e não tributáveis”. Para isso, use o código 05 – Ganho de capital na alienação de bem e informe o lucro total do ano.

    Quem vende moedas digitais também precisa declarar no IR?

    É preciso informar no campo “Discriminação” os detalhes da venda. Você deve repetir o valor declarado no ano anterior na área “Situação em XXXX” e zerar o campo do ano atual “Situação em XXXX”.

    Se parte das moedas foi vendida, basta reduzir o valor proporcional ao total transferido. Se você tem 10 bitcoins declarados por R$300 mil, por exemplo, mas vendeu metade no ano, é necessário informar o saldo de R$150 mil no espaço “Situação em XXXX”.

    Transações acima de R$35 mil mensais estão sujeitas a imposto. Então, se você vender mais do que R$35 mil em criptomoedas dentro do mesmo mês, o eventual lucro dessa operação estará sujeito ao recolhimento de tributo sobre ganho de capital. Vendas mensais abaixo desse montante são isentas de imposto.

    A tributação é progressiva, variando conforme o tamanho do lucro:

    • 15% sobre o ganho líquido mensal de até R$5 milhões
    • 17,5% sobre o ganho acima de R$5 milhões e abaixo de R$10 milhões
    • 20% sobre o ganho acima de R$10 milhões e abaixo de R$30 milhões
    • 22,5% sobre o ganho mensal acima de R$30 milhões

    Não declarei criptomoedas, o que acontece?

    É bastante comum o investidor deixar de fazer a declaração quando não sabe de sua real importância. Porém, se isso acontecer, poderá enfrentar problemas futuros. Além de todas essas facilidades, a Bitso junto com a Declare Cripto disponibilizam uma ficha gratuita para ajudar na declaração do IR.

    Isso porque, na hora de explicar de onde veio o aumento de patrimônio, se o investimento não foi declarado, não há como provar. Então, mesmo que não seja controlada por um órgão público, a declaração das criptomoedas deve ser feita regularmente.

    Convidados

    Bitcoin: cotação da moeda movimenta quase 2 milhões de buscas no Google, mostra pesquisa

    26 de abril de 2023

    Bitcoin: cotação da moeda movimenta quase 2 milhões de buscas no Google, mostra pesquisa

    Entenda o comportamento do usuário que realiza a cotação da moeda diariamente

    O crescimento do mercado de criptomoedas tem chamado bastante a atenção de vários tipos de investidores. Hoje, é possível afirmar que as moedas digitais deixaram de ser apenas uma aposta e passaram a ser uma classe de ativos pertencentes à carteira de muitas pessoas que as consideram como um investimento interessante.

    E de acordo com um levantamento feito pela redação, a cotação do bitcoin provoca uma quantidade expressiva de pesquisas no Google. Segundo informações da plataforma Semrush, uma das mais usadas no mundo para análises de SEO (Search Engine Optimization, que significa otimização de mecanismos de busca) no mundo, todos os meses o termo “bitcoin hoje” é motivo de 1,8 milhões de buscas.

    Como acompanhar a cotação do bitcoin?

    Pensando em criptomoedas, geralmente as pessoas procuram a última moeda lançada e as que têm expectativas mais interessantes. Enquanto isso, os investidores com mais experiência procuram diversas plataformas, aplicativos e serviços de moedas digitais para maximizar seu potencial de investimento.

    Rastreadores de preço

    Com as diversas formas de negociação, não há um preço único para cada ativo e a diferença pode ser grande ao cotar em plataformas diferentes. Por isso, uma boa maneira de acompanhar a cotação de criptomoedas são os rastreadores de preço de moedas digitais.

    Alguns serviços auxiliam o investidor a encontrar o melhor preço de compra e venda de ativos digitais em diversas corretoras, permitindo uma operação chamada arbitragem. Nesse tipo de estratégia, um mesmo ativo é comprado em um local com uma cotação mais baixa para vender em outro com uma cotação mais alta.

    Além disso, há plataformas que permitem acessar a cotação da maior parte dos ativos digitais em tempo real e o volume das principais corretoras do mundo. Também é possível checar as maiores altas e baixas do mercado, as tendências de moeda no momento e o volume de negociação de cada uma das moedas digitais.

    Diretamente pelas corretoras

    Para quem ainda não está familiarizado com o mundo dos investimentos e das criptomoedas, acompanhar a cotação por rastreadores pode dificultar as negociações. Isso porque, grande parte das transações de compra e venda acontecem dentro da própria exchange. É por isso que uma maneira mais assertiva de descobrir o valor de compra e venda dos ativos digitais é consultar nas corretoras onde há as operações.

    Comportamento do usuário que avalia o preço do bitcoin diariamente

    O que ele deseja saber?

    Normalmente, as pessoas que pesquisam o valor do bitcoin desejam se inteirar das informações que auxiliarão na adesão ou não da criptomoeda. Dados como se o criptoativo está valorizado, o seu valor inicial, sua volatilidade, rendimento, como comprar, desempenho nos últimos anos e como a moeda funciona estão dentre as pesquisas. Mas também há quem queira entender o que significa minerar bitcoin, por exemplo.

    Saber se é seguro investir no ativo e se o momento é oportuno também estão entre as maiores dúvidas de quem já investe, ou de quem ainda não conhece completamente o mercado e tem interesse em investir. Nesse último caso, são os possíveis investidores que querem saber tudo antes de dar início às aplicações.

    O que o usuário precisa saber quando realiza essa pesquisa?

    Ao realizar pesquisas direcionadas a investimentos, as pessoas devem ter em mente que a cotação é variável. Dessa forma, ao pesquisar sobre o bitcoin na web, é importante que o usuário saiba o valor da moeda naquele momento, sua variação de preço nos últimos meses e a situação do mercado, para descobrir se vale a pena investir e entender o melhor momento de agir.

    Situação do mercado

    Esse é um dos principais termômetros de quem deseja investir em bitcoin. Baseado nesse indicativo, o usuário consegue ter um parâmetro maior do desenvolvimento do ativo nos últimos anos, na atualidade e as expectativas para o futuro.

    Assim, com essas informações, é possível tomar decisões mais assertivas de investimento.

    Volatilidade da moeda

    A volatilidade é um ponto crucial das criptomoedas. Por esse motivo, acompanhar a cotação em tempo real é fundamental para não perder dinheiro e estar preparado para movimentos rápidos.

    As negociações podem ser feitas entre compradores e vendedores, mas é bem mais comum que sejam feitas em corretoras de criptoativos. Estas corretoras cobram taxas para cada operação executada e, as maiores delas encontram-se fora do país.

    A diferença para o mercado de ações é que elas podem ser compradas e vendidas de maneiras diferentes a qualquer hora, não tem tempo específico para as operações. Ou seja, enquanto a bolsa de valores tem um horário de funcionamento, as exchanges atuam 24 horas por dia nos sete dias da semana.

    Mercado brasileiro de criptomoedas: quantas pessoas investem em criptomoedas?

    Uma pesquisa de Hedgewithcrypto mostrou que o Brasil pode ser um dos 3 maiores países no mundo em adoção de criptomoedas ao final de 2023. Estes números podem superar inclusive El Salvador, a nação que tornou o bitcoin uma moeda de curso legal em 2021.

    Contando o intervalo entre junho e julho, a soma foi mais de 500 mil investidores no país. Além disso, até agosto de 2022, dados do órgão federal confirmaram mais de 12 mil empresas investindo em criptomoedas no Brasil.

    Os números de CPF que declararam operações com criptomoedas à Receita Federal em dezembro, foi de 912.303. O crescimento foi de 88,6%, em relação ao mesmo período de 2021. Em comparação a novembro, houve recuo de 22%. Em resumo, esses números – que não param de crescer – representam 2% da população brasileira e superou 1 milhão de investidores em 2022.

    As empresas que reportaram operações com criptomoedas no último mês de 2022 foram 63.581, quantidade sete vezes maior que os CNPJ registrados em dezembro de 2021. Em relação a novembro, a alta foi de 32%.

    O futuro do bitcoin

    2022 ficou marcado como um ano desafiador para o mercado das criptomoedas, o que inclui o bitcoin. No entanto, há projeções positivas para o ativo em 2023.

    Dentre as expectativas de valorização, destaca-se a do investidor norte-americano Tim Draper, que acredita no potencial da moeda atingir o valor de US$ 250 mil nesse ano, sendo a maior alta da história desde seu lançamento. Também é esperado que o bitcoin passe por alguns períodos de correção nos próximos meses. Se essas previsões se concretizarem, as oportunidades de compra ficarão mais atrativas para os investidores.

    Porém, o futuro da moeda não depende apenas da recuperação do setor, mas também de mudanças nas políticas monetárias das principais economias mundiais.

    Por isso, é preciso estar preparado para caso essas previsões não se concretizem.

    De toda forma, ainda que isso aconteça, é esperado um cenário mais positivo para o ativo digital em 2023, em comparação ao que foi no ano passado.