‘Guest Post’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: Guest Post

    Convidados

    Confira os direitos trabalhistas que os brasileiros desconhecem

    16 de janeiro de 2020

    Confira os direitos trabalhistas que os brasileiros desconhecem

    Com as recentes mudanças na legislação do trabalho, muitos profissionais têm dúvidas sobre os direitos trabalhistas, podendo perder alguns benefícios previstos em lei.

    De acordo com uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mais de 80% dos desempregados desconhecem os novos direitos trabalhistas.

    6 direitos trabalhistas dos empregados

    Pensando nesse cenário de 13 milhões de desempregados e na alta parcela da população que desconhece os direitos trabalhistas, compilamos alguns dos mais desconhecidos ou que geram dúvidas frequentes. Confira!

    1. Jornada de trabalho

    Uma pesquisa com 1.370 pessoas com mais de 18 anos identificou que 31,6% delas não sabiam que a jornada de trabalho prevista pela lei é de, no máximo, 44 horas semanais.

    Esse é um aspecto central para que o trabalhador não seja prejudicado com uma jornada extenuante. Além disso, o intervalo entre as jornadas deve ser de, no mínimo, 11 horas.

    2. Aviso prévio

    Outra dúvida frequente é quanto o aviso prévio. Muitos profissionais acreditam que o aviso prévio é sempre de 30 dias, no entanto, ele pode chegar a até 90 dias de acordo com a quantidade de anos que o profissional trabalhou na empresa.

    3. Direitos das mulheres

    A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) dedica um capítulo inteiro aos direitos das mulheres abordando questões que incluem maternidade, estabilidade, repouso e licença maternidade. Alguns dos direitos trabalhistas assegurados a elas incluem:

    • Vagas de emprego não podem fazer referência a sexo, idade, cor ou condição familiar;
    • É vedada a solicitação de exame que comprove gravidez ou esterilidade;
    • As mulheres podem fazer um intervalo de 15 minutos entre a jornada normal e o início da hora extra;
    • As mulheres têm direito a licença maternidade de 120 dias, que pode ser ampliada por mais 60 dias, se a empresa aderiu ao programa Empresa Cidadã;
    • Tem direito a dois descansos diários de 30 minutos cada para amamentação até a criança completar 6 meses de vida;
    • Duas semanas de repouso no caso de aborto espontâneo;
    • estabilidade no emprego a partir da confirmação da gravidez até 5 meses após o parto;
    • Liberação para, ao menos, seis consultas médicas e exames durante a gestação.

    4. Prazo de devolução da carteira de trabalho

    De acordo com o artigo 29 da CLT, o empregador tem 48 horas para fazer as devidas anotações na carteira de trabalho, incluindo data de admissão, função, remuneração, condições especiais e outras informações, após a entrega dela pelo empregado contratado.

    5. Pagamento do salário mensal

    Um dos direitos trabalhistas mais importantes está previsto no § 1º do artigo 459 da CLT que determina que o empregador tem até o 5º dia útil do mês subsequente ao trabalhado para realizar o pagamento do salário aos colaboradores. A empresa não pode estipular um prazo maior para pagamento, salvo exceções como bônus, comissões e gratificações.

    6. Licença-paternidade

    A nova legislação ampliou os direitos trabalhistas no que se refere à licença-paternidade. A Lei 13.257/2016 aumentou para 20 dias a licença-paternidade, enquanto anteriormente eram 5 dias.

    Para ter acesso a essa licença ampliada o pai não pode exercer atividades remuneradas no período, deve pedir a ampliação no máximo dois dias após o parto e deve participar de algum programa ou atividade de paternidade responsável, como cursos.

    Assim, são diversos direitos menos conhecidos pelos profissionais. Caso haja dúvidas é possível procurar um advogado trabalhista para garantir o acesso pleno a essas prerrogativas legais.

    Convidados

    Como vender mais em tempo de crise?

    11 de dezembro de 2019

    Como vender mais em tempo de crise?

    Com a crise financeira que já se estende no país há alguns anos, gestores e profissionais da área comercial precisam se reinventar se o objetivo é vender mais nesse complexo cenário.

    Apesar da crise financeira, o mercado não está totalmente estagnado e os bons profissionais têm apresentado resultados satisfatórios, inclusive ao vender mais. No entanto, para tal é preciso investir em técnica, capacitação e processo comercial. Saiba mais!

    Como vender mais com 5 estratégias?

    A capacidade de vender mais depende muito do segmento de atuação, mas também da definição de prioridades para o momento, avaliando o cenário de forma analítica e desenvolvendo técnicas compatíveis com essas particularidades.

    A seguir destacamos 5 estratégias que podem ser desenvolvidas na sua empresa para vender mais mesmo com a crise. Confira!

    1. Conheça seu público alvo

    Tudo bem que a crise dificultou os negócios, no entanto, bons vendedores devem ter consciência que, além disso, as demandas dos consumidores, tanto B2B quanto B2C, mudaram muito nos últimos anos.

    Atualmente, há uma exigência muito maior por personalização do processo de vendas, de forma que para manterem-se competitivas as empresas precisam conhecer a fundo o público-alvo. Fazer esse estudo vai te dar mais elementos sobre onde encontrar seus potenciais clientes e como fazer abordagens mais assertivas e com chances reais de vendas.

    2. Melhore seu processo de vendas

    Junto com o comportamento do consumidor, o processo de vendas também passou por mudanças tornando-se mais específico e consultivo e não apenas propositivo.

    Para ter sucesso em uma abordagem comercial o vendedor deve compreender o cenário do consumidor e usar esse conhecimento para realizar uma interação relevante, com informações variadas sobre o problema e solução proposta.

    3. Invista em tecnologia

    A tecnologia alterou praticamente todas as relações atuais, incluindo as comerciais. Para vender mais é fundamental adotar novas tecnologias no processo comercial, como o CRM – gerenciamento do relacionamento com o cliente.

    As empresas também estão investindo mais em tecnologias inovadoras que já começam a fazer parte da área comercial como automação de processos, inteligência artificial, Big Data, entre outras.

    4. Venda uma solução

    Como afirmamos, o consumidor atual não está mais disposto a comprar apenas um produto ou serviço, ele quer comprar a solução para um problema e entender isso é essencial para vender mais no cenário de crise.

    Se conhecer o público-alvo é uma necessidade, mapear a sua persona também é um aspecto demandado atualmente para o sucesso comercial.

    A persona inclui a definição do seu cliente ideal conhecendo receios, objetivos, dores, expectativas e demais dados sobre seu potencial cliente. Com essas informações em mãos você pode vender não apenas um produto, mas toda a solução associada a ele, como benefícios e diferenciais.

    5. Participe de palestras de vendas

    Um palestrante de vendas é um profissional que está sempre estudando para manter seus cursos e treinamentos atualizados e relevantes ao público. Dessa forma, quando você participa de uma palestra de vendas pode absorver todo esse conteúdo resumidamente.

    A capacitação é sempre uma forma de melhorar seu desempenho para vender mais e a palestra de vendas fornece justamente esse conhecimento, trazendo o que há de mais atual e relevante para sua área pelas mãos de um profissional reconhecido por essa experiência.

    Portanto, para vender mais em tempos de crise é fundamental buscar aperfeiçoamento tanto pessoal, como também das técnicas de vendas e dos processos desenvolvidos.

    Convidados

    Por que o euro é uma das principais moedas do mundo?

    25 de novembro de 2019

    Cotação do Euro

    Conheça mais a fundo a história de uma das grandes moedas da atualidade

    O euro entrou em circulação 2002 e, eventualmente, se tornou a moeda oficial de 19 dos 28 países da União Europeia. Mas o que desperta curiosidade mesmo é o motivo que levou a moeda a se tornar uma das principais de todo o mundo, sendo, hoje, a segunda mais transacionada – atrás somente do dólar americano.

    Por isso, confira a seguir um breve contexto sobre a história da moeda, conheça os países que utilizam o euro oficialmente e descubra algumas curiosidades sobre o assunto.

    História do euro: como a moeda surgiu?

    Antes de mais nada, é importante abordar o contexto histórico do surgimento da moeda. Para isso, é necessário dar alguns passos atrás, voltando para o período marcado como pós-guerra.

    Afinal, o euro foi resultado de quase meio século de negociações, tratados e discussões, todos eles com o propósito de trazer estabilidade e prosperidade econômica para a região depois da Segunda Guerra Mundial.

    Período pós-guerra

    Depois de finalizada a Segunda Guerra Mundial, em meados de setembro de 1945, a economia dos países da região que hoje é conhecida como União Europeia, encontrava-se totalmente desfalcada. Isso fez surgir a necessidade de tomar alguma atitude rápida a fim de recuperar os prejuízos e “renascer das cinzas”.

    E como a união faz a força, nada melhor do que mudar esse cenário em conjunto. Nesse momento, as relações diplomáticas entre os países europeus começaram a se estreitar, o que deu início a uma série de reuniões e muito planejamento a fim de buscar formas de recuperar a economia do velho continente.

    Adoção do euro como moeda oficial

    Depois de quase meio século de acordos, tratados e debates, em janeiro de 1999 que 12 países adotaram o euro como sua moeda oficial. Além de passarem a utilizar o euro em suas transações, os países da zona do euro teriam que obedecer a três critérios, todos fundamentais para preservar a saúde financeira de cada nação e, por consequência, a força da moeda:

    1) Estabilidade dos preços – Em todas as nações da União Econômica e Monetária, a taxa média de inflação não poderia passar de 1,5% em comparação àquelas praticadas pelos três países-membros com melhores resultados em estabilidade de preços.

    2) Sustentabilidade das finanças públicas – Outro requisito é que o déficit orçamentário não poderia exceder 3% do PIB. Além disso, a dívida pública não poderia ultrapassar 60% do PIB.

    3) Taxas de juros – As taxas de longo prazo não poderiam exceder mais do que 2% a média das taxas de juros dos três países-membros com melhores resultados em estabilidade de preços.

    Quais os países que usam o euro como moeda oficial?

    Na época em que o euro foi “lançado”, os 12 países que passaram a utilizar a moeda como oficial foram os 12 participantes da Comunidade Econômica Européia: Bélgica, Alemanha, Luxemburgo, Finlândia, Áustria, Espanha, Portugal, Grécia, Itália, Irlanda, França e Países Baixos).

    Anos mais tarde, outros 6 países também toparam fazer parte. São eles: Chipre, Estônia, Malta, Eslováquia, Eslovênia e Lituânia. Hoje, 19 países da europa compõem a chamada zona do euro, além de 4 países fora dessa região que também adotaram a moeda como oficial. É o caso de Andorra, Mônaco, San Marino e Vaticano.

    Por que o euro é uma das principais moedas do mundo?

    Vários fatores tornam uma moeda forte ou fraca, mas o principal deles tem a ver com a relação entre oferta e demanda. O euro é a moeda comum a 19 dos 28 países da União Europeia e é diariamente utilizada por cerca de 338,6 milhões de europeus. Sendo assim, ela acaba sendo a estrela em diversas transações comerciais.

    Aliás, falando em transações comerciais, o dólar americano ainda é a moeda mais transacionada, mas o euro vem logo atrás, em segundo lugar.

    Além da presença da moeda, existem outros fatores que tornam o euro forte, como a situação político-econômica dos países que utilizam a moeda como oficial e todo o contexto do mercado internacional.

    Quais os valores das notas de euro em circulação atualmente?

    Por último, você imagina quais são os valores das notas de euro em circulação atualmente? Assim como o real, as notas de euro podem ser encontradas em diferentes valores e cores: a de 5 é cinza, a de 10 é vermelha, a de 20 é azul, a de 50 é laranja, a de 100 é verde, a de 200 é amarela e a de 500 é roxa. Sim, existem notas de 500 euros!

    Por outro lado existem também as moedas, disponíveis nos valores de 1, 2, 5, 10, 20 e 50 centavos, e também 1 e 2 euros. A aparência pode facilmente causar uma confusão na cabeça dos desavisados, afinal a frente é sempre igual, o que muda é o lado contrário, que varia de acordo com cada país da zona do euro.

    Mas não se preocupe, todas elas são válidas em qualquer um dos 19 países que utilizam o euro como moeda oficial.

    Depois de descobrir tudo isso sobre a moeda oficial de boa parte dos países da europa, dá até vontade de comprar euro, não é mesmo? Nem que seja para guardar até a próxima viagem ou, quem sabe, investir. Afinal, por ser uma das principais moedas do mundo – e uma das mais valorizadas – o euro também é uma ótima opção para quem deseja investir em câmbio.

    Convidados

    Tudo o que é preciso saber sobre o Airbnb e o seu cupom de desconto

    30 de outubro de 2019

    Tudo o que é preciso saber sobre o Airbnb e o seu cupom de desconto

    O cupom de desconto Airbnb é uma estratégia de fidelização de clientes da plataforma de mesmo nome, especializada em encontrar e comparar preços de hospedagens em quase todos os quatro cantos do mundo.

    Inicialmente essa ferramenta caracterizava-se por servir como um veículo para que as pessoas pudessem anunciar a vaga de um quarto, um quarto completo, sótão, garagem, ou qualquer outra acomodação que estivesse disponível e que pudesse servir para a obtenção de algum dinheiro.

    Mas o tempo passou, muita coisa mudou, e o hoje a plataforma já contabiliza mais de 10 milhões de hospedagens desde a sua fundação em 2008. E sempre como uma espécie de “elo de ligação” entre indivíduos em busca de uma hospedagem barata, informal e confortável e pessoas interessadas em alugar acomodações com essas características – e ainda sem toda aquela burocracia e formalidade que costumam caracterizar a reserva de um hotel.

    Como funciona o Airbnb?

    O funcionamento da plataforma é bastante simples. Imagine poder alugar uma cama em um quarto, o sofá de uma sala, o espaço de uma garagem, uma casa completa, ou mesmo um apartamento inteiro?

    A ideia da plataforma é exatamente isso: oferecer uma maior variedade de acomodações, que acabam tornando-se mais baratas justamente por demonstrarem essas características de informalidade. Enquanto isso, facilita a vida de quem tem esses espaços e precisa divulgá-los para o maior número possível de pessoas.

    E o restante do processo ocorre de forma mais ou menos semelhante ao de uma comparadora de preços: Você realiza um cadastro no site, escolhe o tipo e valor da acomodação, solicita uma reserva e espera que o anfitrião aceite.

    Em caso positivo, é só realizar o pagamento por cartão de crédito ou via paypal e a sua acomodação já estará devidamente reservada.

    Para os admiradores desse sistema Airbnb nada se compara à praticidade de escolher entre milhões de acomodações, em praticamente todos os continentes, e ainda sem ter que prender-se a opções tradicionais, como os albergue, hostels, hotéis e similares.

    Apenas e tão somente alugar o espaço que precisa para alguns dias, semanas ou até meses inteiros; seja ele um quarto, sofá, o porão de uma casa, um sótão, trailer, ou o que quer que possa receber o nome de acomodação.

    Os cupons de desconto Airbnb

    Os cupons de descontos Airbnb são códigos que lhe oferecem descontos no momento em que você faz a reserva de uma acomodação por intermédio do site. E para utilizá-los basta clicar em “Resgatar”, inserir o código e clicar em “Aplicar”. –  Tudo isso no momento em que for realizar o pagamento da reserva.

    E para ganhar os cupons é necessário, antes de mais nada, não possuir cadastro na plataforma e ser convidado por algum amigo ou conhecido.

    A partir de então, você poderá convidar outros amigos, e assim sucessivamente, criando uma espécie de “rede de reputação”, que ainda oferece outros tipos de vantagens e descontos.

    A cada vez que você convidar um amigo (e ele concluir uma reserva pelo Airbnb e for bem qualificado) estará ganhando automaticamente novos cupons.

    E, da mesma forma, cada vez que for convidado, o seu crédito na forma de cupons aparecerá instantaneamente na sua página. E aí então é só utilizá-los da maneira que desejar.

    Qual a sua opinião sobre esse artigo? Ele satisfez as suas dúvidas? Tem algo que queira acrescentar? Então faça isso na forma de um comentário e continue compartilhando os nossos conteúdos.

    Qual a sua opinião sobre esse artigo? Ele satisfez as suas dúvidas? Tem algo que queira acrescentar? Então faça isso na forma de um comentário e continue compartilhando os nossos conteúdos.

    Convidados

    5 Dicas de negócio com pouco investimento para você empreender

    16 de setembro de 2019

    5 dicas de negócio com pouco investimento para você empreender

    Quem não deseja ter uma carreira de sucesso, não é mesmo?! Seja em um cargo bem remunerado numa empresa ou sendo dono do seu próprio negócio.

    Esta última opção, está servindo de aposta para muitas pessoas, que desejam inovar através de um novo produto ou serviço que abrange a necessidade de um público.

    Para ganhar aquela renda extra ou simplesmente para abrir seu próprio negócio, alguns desafios devem ser enfrentados, entre eles escolher o melhor segmento de mercado e juntar dinheiro para investir.

    Dessa forma, se você já possui espírito empreendedor e precisa de uma “mãozinha” para abrir sua empresa, selecionamos 6 dicas de negócio para você apostar e empreender.

    SE PREPARANDO PARA EMPREENDER

    Antes de iniciarmos com as dicas sobre melhores negócios para empreender, é preciso construir todo um planejamento antes de iniciar. Para isso, estude o que as pessoas mais precisam no momento e crie soluções para esse público.

    A partir daí, fique atento ao que o mercado tem a oferecer, quais as tendências estão surgindo e planeje seu negócio dentro dessas possibilidades.

    Uma outra dica é avaliar o que você tem a oferecer, analisando suas habilidades e o quanto elas contribuíram para fazer seu plano de negócio sair do papel.

    Contudo, para criar um negócio lucrativo é preciso ter uma boa base de estudo do mercado, de seus consumidores e também conhecer seus concorrentes.

    Sendo assim, conheça agora as 5 dicas de negócio com pouco investimento e que podem valer a pena você investir.

    1. Prestação de serviço em manutenção e instalações de programas para computadores: Este tipo de negócio é para quem já possui habilidades com hardware, aqui você só precisa investir em ferramentas que possam te ajudar a instalar programas e consertos em geral.
    2. Bijuterias e semijóias: Para quem gosta desses dois itens, você poderá juntá-los e criar sua própria fonte de renda, com vendas de produtos produzidos por você. A internet é ideal para fazer a divulgação, e os únicos investimentos serão os aviamentos para criar as peças, colas permanentes Loctite consumo, alicates, tesouras e agulhas.
    3. Alimentação saudável e específica: Um mercado que está sempre em alta é da alimentação, afinal, todos precisamos comer. Por isso, investir em um negócio que envolva alimentação é uma ótima aposta para começar. Neste sentido, se você já possui habilidades na cozinha, porque não investir em alimentação específica, como os grupos intolerantes ao glúten, lactose e para quem não abre mão de estar em dia com a dieta.
    4.  Food truck: Ainda no mercado alimentício, os food trucks são ótimas apostas para quem deseja oferecer um delicioso lanche e ter a liberdade de estar em diversos locais com seu carrinho. A ideia é que esses serviços levem um alimento prático e rápido de ser preparado para seus consumidores finais.
    5. Serviços de beleza: Se você gosta dos cuidados pessoais, a estética é um ótimo ramo para iniciar seu negócio. Por esse motivo, ela se enquadra na lista de negócios com pouco investimento, já que para isso você precisa se especializar através de cursos de cabeleireiro, manicure, massagens, depilação, designer, maquiagens e etc.

    A ideia é que você comece oferecendo seus serviços e vá se aprimorando com o tempo.

    Apresentar soluções é uma maneira ideal para começar o seu negócio, mas antes, faça todo um planejamento de caminhos que você queira percorrer, colocando em atenção todos os obstáculos que possam aparecer.

    Entre eles o mais temido, a falta de dinheiro, que pode ser um grande empecilho para fazer seu negócio crescer.

    Sendo assim, crie o hábito de organizar suas finanças aderindo a ajuda de aplicativos que ajudam a controlar seus gastos.

    Convidados

    Passo a passo para detectar dólar falso

    12 de agosto de 2019

    Passo a passo para detectar dólar falso

    Descubra como identificar uma nota verdadeira e fuja dos golpes

    O medo de acabar recebendo notas de dólar falsas, seja durante uma viagem ao exterior ou após uma compra em estabelecimento internacional, é algo que assombra milhares de brasileiros. Afinal, a falta de familiaridade com a moeda estrangeira faz dos estrangeiros vítimas mais vulneráveis desse tipo de golpe.

    Por isso, neste artigo serão explicadas as principais características do dólar e quais são as moedas em circulação atualmente. Dessa forma, é possível ter mais cuidado na hora de aceitar troco em estabelecimentos comerciais e evitar que notas falsas vão parar na carteira.

    Quais as cédulas ainda em circulação nos EUA?

    Antes de ensinar o passo a passo para detectar dólar falso, é preciso explicar que existem 3 tipos de cédulas ainda em circulação nos EUA e é possível distingui-las principalmente pelo tamanho do busto estampado em cada uma delas.

    Nota “cabeça pequena” produzida até 1993

    A nota mais antiga em circulação é conhecida como “cabeça pequena” parou de ser produzida há muitos anos, mais precisamente em 1993. Por isso, essa nota não é mais aceita em qualquer lugar, devido a dificuldade de revenda.

    Ou seja, se você possui cédulas “cabeça pequena”, saiba que certamente só será possível utilizá-la dentro dos Estados Unidos.

    Nota “cabeça grande” produzida até 2006

    Em 1996 outro modelo de cédula começou a ser fabricado na “Terra do Tio Sam”, com características um pouco diferentes da anterior, como o aumento da imagem do busto que ilustra as notas.

    Se você possui esse tipo de nota, pode ficar tranquilo. Afinal, elas ainda são amplamente aceitas em diferentes partes do mundo, desde que em bom estado.

    Nota “Novo dólar americano” que começou a ser produzido em 2013

    Por último, vamos falar um pouco da nota mais atual, a que continua sendo produzida nos Estados Unidos e que também pode ser utilizada em todo o mundo – sem depender muito de seu estado de conservação – o “Novo dólar americano”.

    Além de ter passado por uma nova mudança no busto, que agora não está mais posicionado dentro de uma forma oval, a nova nota ganhou alguns detalhes que não estavam nas notas anteriores. Veja:

    • Uma fita azul em 3D localizada bem no centro das cédulas de 100 dólares
    • Imagem de sino de tinteiro de cor cobre, mas que muda para verde, bem no canto inferior direito da cédula
    • Nas notas de 10, 20, 50 e 100 há um número que varia de cor no canto inferior direito da cédula

    Agora que você já sabe quais os tipos de nota de dólar que circulam nos Estados Unidos e em demais países que também utilizam o dólar americano, é hora de entender como detectar o dólar falso seguindo poucos passos.

    Como detectar dólar falso em poucos passos?

    Assim como qualquer outra cédula de papel moeda, para detectar se uma nota é ou não falsa, é preciso observá-la com muita cautela. Não se acanhe em esticá-la na direção da luz ou esfregá-la com seus dedos, esse é um trabalho que exige olhos e sentidos atentos.

    1. Observe a textura e a espessura da cédula

    Os dólares verdadeiros não são impressos em papel comum, mas sim em um material produzido a partir de fibras de algodão e linho, o que resulta em uma textura áspera e mais resistente do que papel.

    Outra diferença a ser observada é a textura da própria tinta utilizada para marcar o papel moeda, pois, ela forma um relevo sensível ao toque, principalmente em áreas onde há figuras com maior área preenchida de pigmento. Contudo, isso só poderá ser sentido em notas um pouco mais novas, afinal esse relevo se desgasta com o tempo.

    2. Procure pela marca d’água

    Outra forma de detectar dólar falso é por meio da marca d’água. As notas de dólar possuem como marca d’água uma imagem da mesma pessoa que ilustra o busto principal, localizado no centro da cédula, que pode ser George Washington (US$ 1), Thomas Jefferson (US$ 2), Abraham Lincoln (US$ 5), Alexander Hamilton (US$ 10), Andrew Jackson (US$ 20), Ulysses Grant (US$ 50) e Benjamin Franklin (US$ 100).

    Para identificar essa marca d’água, basta segurar a nota esticada com as suas mãos contra uma fonte de luz.

    3. Observe o número de série da nota

    Uma informação que passa facilmente despercebida por falsificadores de dinheiro é o número de série. Por isso, preste bastante atenção nesse ponto.

    Cada nota possui seu próprio número de série, impresso duas vezes em lugares diferentes, nos dois lados da cédula. Sempre confira os dois números e verifique se há alguma diferença entre eles.

    Outra informação, essa a título de curiosidade, é que a partir de 1996, a primeira letra do número de série de cada nota passou a ser determinada pelo ano em que ela foi impressa. São elas:

    E = 2004
    G = 2004A
    I = 2006
    J = 2009
    L = 2009A

    4. Qualidade de impressão do busto

    Outra dica para detectar se uma cédula de dólar é ou não falsa, é por meio da qualidade da impressão. Principalmente as áreas onde há uma imagem impressa com maior quantidade de tinta, como é o caso dos bustos centrais das notas, as cédulas falsas costumam exibir impressões borradas, com traços menos precisos em comparação aos originais.

    Se essa orientação ficou um pouco vaga para você, aqui vai uma mãozinha: verifique se é possível ler os dizeres “The United States of America” na borda de cada busto usando uma lupa. Se sim, a nota certamente é original.

    Além de todas essas dicas, é importante comprar dólar somente em estabelecimentos autorizados pelo Banco Central. Para saber se uma casa de câmbio ou distribuidora é credenciada, basta acessar o site oficial do Banco Central e fazer uma busca.

    Convidados

    Como investir em ações nos Estados Unidos sem sair do Brasil

    28 de Maio de 2019

    Transferência de dinheiro

    Imagine se você pudesse se tornar acionista da Apple, do Wal Mart ou da Exxon Mobil.
    Essas três empresas lideram o ranking das 500 maiores empresas dos Estados Unidos de
    acordo com a revista Fortune. E as três têm suas ações negociadas na Nyse, a Bolsa de
    Valores de Nova York. Com a ajuda da Remessa Online, um investidor brasileiro pode
    facilmente adquirir ações de qualquer uma dessas empresas, ou de qualquer outra que seja
    negociada no mercado norte-americano.

    A grande vantagem de operar no mercado norte-americano é que ele é mais estável e
    previsível que o brasileiro. Além disso, há muito mais empresas para se investir do que
    aqui, e as grandes, como as ranqueadas pela Fortune, operam no mundo todo. Por tudo
    isso, há mais possibilidades de ganhos com mais segurança para o investidor.
    Considerando seus valores em reais, as ações da Apple se valorizaram 18% desde o
    primeiro dia de 2019, as do Wal Mart 15,% e as da Exxon 12%, enquanto o Ibovespa, que
    mede o mercado brasileiro de ações, acumuila alta de 2% no mesmo período.

    Neste artigo vamos explicar o passo a passo para um investidor brasileiro operar no
    mercado internacional de forma simples e segura, dentro das regras do Banco Central do
    Brasil para investimentos internacionais.

    1. Abra uma conta em uma corretora de valores internacional
    2. A primeira coisa que você precisa fazer é abrir uma conta em uma corretora de valores que
      opere no mercado norte-americano. Há várias corretoras que permitem que sua conta seja
      aberta pela internet. É o caso de instituições como a Drivewealth, Interactive Brokers, Charles Schwab ou a TD Ameritrade, entre outros.Por meio delas, é possível operar um home broker com ativos negociados nos Estados Unidos.

      É importante prestar muita atenção na documentação exigida para abertura da conta.
      Tenha disponível pelo menos o seu passaporte, e um comprovante de residência. Outros
      documentos podem ser solicitados pela corretora. Por exigência da legislação norte-americana, você pode ter que preencher um formulário com informações para mapear o seu perfil de investidor ou outros dados. Eles são necessários para garantir que você não representa risco para a instituição.

      Uma vez aberta a conta, guarde o contrato de abertura ou o e-mail enviado pela corretora
      informando que a conta foi aberta. Esse documento é fundamental para realizar a remessa
      de dinheiro posteriormente.

    3. Faça uma transferência para sua conta na corretora
    4. Por meio da Remessa Online, você pode enviar o valor mínimo exigido pela corretora para
      começar a operar. Os valores variam de acordo com a instituição. A Interactive Brokers, por exemplo, exige um depósito mínimo de US$ 10 mil durante os primeiros oito meses de operação de um cliente na plataforma deles. A partir do nono mês este valor cai para US$ 2 mil. Já a Drivewealth não exige um depósito mínimo para começar a operar.

      Para realizar o envio, você precisa dos dados da sua conta, como o código identificador emitido pela corretora, os códigos de IBAN e SWIFT/BIC ou do ABA Routing Number da sua conta na corretora. Esses dados são disponibilizados quando você faz a opção, na sua própria conta, de aplicar por meio de Wire Transfer – o nome que se dá para transferências internacionais de dinheiro.

      Na plataforma da Remessa Online, acesse sua área de cliente e clique em “Novo Envio”.
      Na tela seguinte, escolha “Enviar para Corretora Internacional”. Nesta tela já haverá a indicação de algumas corretoras mais utilizadas pelos nossos clientes, mas se sua conta for de outra instituição é só clicar em “Outra corretora”. A partir desta etapa basta inserir os dados da sua conta e encaminhar o documento que comprova a abertura da conta – o contrato ou o e-mail de confirmação.

      Pronto, o sistema vai avaliar a documentação. Uma vez autorizada a transferência, basta você realizar uma TED para a Remessa Online e encaminhar o comprovante, que o dinheiro será transferido em até um dia útil.

    Lembre-se: você só pode transferir para o exterior no máximo 40% do seu patrimônio declarado no Imposto de Renda.

    Quando a sua corretora confirmar o recebimento, é só começar a operar. Você terá acabado de se tornar um investidor global, com acesso às ações das maiores empresas do maior mercado de capitais do mundo.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Cresce número de ciberataques para mineração de criptomoedas

    10 de Maio de 2019
    Sucesso das criptomoedas faz com que elas sejam alvo de pessoas mal-intencionadas
    Sucesso das criptomoedas faz com que elas sejam alvo de pessoas mal-intencionadas

    2009 foi um ano especial para a economia, não por crises financeiras, mas sim pela criação do Bitcoin, primeira criptomoeda da história. A iniciativa fez sucesso e, desde então, pelo menos 4.000 outras foram criadas. Hoje, estima-se que pelo menos 1.600 estejam em atividade.

    Como elas passaram a movimentar cifras consideráveis no mercado, era de se imaginar que pudesse haver interceptações e crimes envolvendo as criptomoedas, o que infelizmente se confirmou em 2011, ano em que se encontra o primeiro registro de roubo de Bitcoins.

    A situação foi se tornando cada vez mais crítica, e os ciberataques passaram a se tornar comuns e resultar em sérios prejuízos: em 2018, ataques que visaram a mineração de criptomoedas cresceram 237% em relação ao ano de 2017!

    Vamos entender melhor como essa história se iniciou, há 8 anos, e como a situação evoluiu muito desde então.

    Quando os ciberataques de criptomoedas se iniciaram?

    Embora não se possa afirmar com certeza de que esse foi o primeiro ataque, ele é um dos primeiros de que se tem notícia e aconteceu em junho de 2011. Na época, a comunidade de Bitcoin era composta por pessoas que encontravam nele um hobby, já que seu sucesso ainda não era tão grande nos dias de hoje.

    Além disso, a mineração (nome dado ao processo que resulta na obtenção da criptomoeda) podia ser feita por qualquer pessoa que se interessasse, com o uso de um computador doméstico convencional, diferente do que ocorre hoje em dia, em que há a necessidade de investir em supermáquinas para sua realização.

    O usuário “allinvain”, que participava de um fórum de Bitcoins, havia relatado que conseguiu minerar 25.000 Bitcoins. Cada moeda valia poucos centavos em 2010, mas no início de junho de 2011, atingiu o valor de US$ 20, o que aumentou sua “ciberfortuna” para algo em torno de US$ 500.000.

    Então, no dia 13 de junho, o usuário tomou ciência do crime. Assim que ele verificou o extrato de sua conta de Bitcoins, viu que uma parte tinha sumido sem explicação. allinvain acredita que alguém acessou seu computador e roubou as criptomoedas do disco rígido, tendo-as transferido para uma conta controlada pelos hackers.

    US$ 500.000 já é um belo dinheiro, mas se as moedas não tivessem sido roubadas, equivaleriam a aproximadamente US$ 132,90 milhões pela cotação de 1º de maio de 2019, quando a criptomoeda estava avaliada em R$ 20.838,42 (ou algo em torno de US$ 5.315).

    Infelizmente, a prática começou a crescer e resultou em outros ataques consideráveis aos Bitcoins, como os seguintes, com seus respectivos valores estimados em reais, pela cotação de 1º de maio de 2019:

    • Março de 2012:703 Bitcoins (R$ 973,755 milhões) foram roubados de usuários do servidor na web Linode. Ainda no mesmo mês, a Bitcoinica sofreu um segundo ataque cibernético de 18.000 Bitcoins (R$ 375,3 milhões).
    • Setembro de 2012: a Bitcoin exchange (plataforma digital que facilita a aquisição e venda das criptomoedas) Bitfloor sofreu um ataque que envolveu 24.000 Bitcoins (R$ 500,4 milhões).
    • Fevereiro de 2014: a Mt. Gox era a maior exchange da época, até sofrer um ciberataque e ter o prejuízo de 850.000 Bitcoins (R$ 17,72 bilhões).
    • Janeiro de 2015: a exchange Bitstamp afirmou perder 19.000 Bitcoins (R$ 396,15 milhões).
    • Agosto de 2016: a exchange Bitfinex anunciou que hackers roubaram US$ 77 milhões em Bitcoins, o que trouxe um grande prejuízo à empresa.

    Apenas nos ciberataques citados acima, foram interceptados mais de 1,089 milhão de Bitcoins, valor correspondente a R$ 22,727 bilhões de acordo com a cotação de 1º de maio de 2019, número que infelizmente ainda pode crescer muito.

    Ciberataques de mineração de criptomoedas crescem 237%

    De acordo com o estudo Round Up, feito pela Trend Micro, os ataques foram 237% maiores em 2018 do que em 2017. Além disso, as técnicas e práticas utilizadas estão se diversificando, o que torna mais difícil se proteger contra elas.

    Outros números chamam a atenção. De acordo com a CypherTrace, empresa especializada em cibersegurança, as perdas causadas pelo roubo de criptomoedas em exchanges e atividades similares atingiram US$ 1,2 bilhão apenas nos 4 primeiros meses de 2019, valor correspondente a 70% do prejuízo de todo o ano de 2018, que foi de US$ 1,7 bilhão.

    E se você acredita que o Bitcoin é o preferido dos hackers, está coberto de razão. De acordo com Jonathan Levin, co-fundador e diretor-chefe da Chainalysis, 95% de todos os ciberataques a criptomoedas envolvem Bitcoins.

    A iniciativa que levou à criação do Bitcoin, de ter uma moeda com sistemas de controle descentralizados, que não precisavam de sistemas bancários e das regulações presentes nas moedas físicas, é até interessante, mas isso também faz com que os ciberataques sejam ainda mais prejudiciais.

    Como é difícil responsabilizar alguém quando isso ocorre, o que muitas vezes não se aplica nem às exchanges que são hackeadas, os usuários estão passíveis a prejuízos sérios, que podem levar embora suas fortunas virtuais em um curto período de tempo.

    Se você investe em Bitcoins, é bom tomar o máximo de cuidado para não ser vítima de ataques virtuais. Assim como acontece em tudo que envolve segurança, da contratação de uma consultoria em telecom até a venda de um automóvel, é melhor prevenir do que remediar, ainda mais quando nem sempre é possível encontrar um remédio.

    Convidados

    Como começar a juntar dinheiro hoje?

    7 de Maio de 2019

    Como começar a juntar dinheiro hoje?

    Em tempos de crise, altas taxas de juros e redução do poder de compra qualquer ganho financeiro pode ser significativo. E para isso, nem sempre é necessário se sacrificar ou abrir mão dos seus hábitos radicalmente para juntar dinheiro. O segredo está em se organizar para conquistar esse objetivo.

    Então, se você quer saber como juntar dinheiro rápido, mesmo ganhando pouco, aproveite para seguir essas dicas e comece hoje mesmo!

    5 dicas para começar a juntar dinheiro de forma fácil

    Quem nunca quis ou precisou juntar dinheiro na vida? E ao contrário do que muitas pessoas ainda pensam, guardar dinheiro, quando possível, pode ser apenas uma questão de disciplina. Confira!

    1 – Economize dinheiro

    Uma das formas mais fáceis de fazer seu dinheiro render mais é, sem dúvida, economizando. Vai fazer uma compra? Pesquise antes. Vai viajar? Compre as passagens antecipadamente. Tem dinheiro disponível? Prefira pagar à vista.

    Embora não pareça, pequenas atitudes como essas, podem tornar suas finanças mais organizadas no dia a dia. Com isso, juntar dinheiro pode deixar de ser vista também como uma tarefa complicada e para poucos.

    Cuidados necessários: fique atento para o “barato não sair caro”. Sempre confira as informações sobre produtos de validade, prazo de entrega, política de reembolso e devolução do dinheiro.

    2 – Evite os gastos invisíveis

    Além das contas convencionais e rotineiras (como aluguel, telefone, internet, compras do mês, por exemplo), também existem aqueles chamados “gastos invisíveis”. Sabe aquele cafezinho na padaria antes de ir trabalhar? Ou então aquela sobremesa após o almoço todos os dias?

    Parece pouco, mas quando essas despesas são somadas no fim do mês, podem fazer diferença no seu orçamento. A ideia aqui não é deixar de viver com qualidade, mas sim ter critérios para utilizar o seu dinheiro. Saber o que é essencial e o que pode ser deixado para um segundo momento.

    Com esse simples exercício, você certamente ficará mais atento ao QUE e COMO gasta, podendo juntar dinheiro mais rápido.

    Cuidados necessários: não confunda usar o seu dinheiro de maneira inteligente com racionar seus recursos. Defina as prioridades e poderá tomar decisões mais acertadas.

    3 – Reserve um valor todo mês

    Economizar e poupar são sinônimos, mas na prática nem tanto. Muitas vezes, até é possível economizar, mas o dinheiro é gasto de outra forma. Então, no fim das contas, é como se você não tivesse economizado.

    Portanto, a recomendação dos especialistas financeiros é reservar todo dinheiro que você conseguir economizar. Sobrou dinheiro no fim do mês? Então reserve também! Com o tempo, você pode estabelecer uma meta mensal, mas saiba que, independente do valor que conseguiu juntar, é preciso dar o primeiro passo.

    Cuidados necessários: reservar determinado valor pode significar muitas vezes tirá-lo da sua vista ou ainda dificultar o seu acesso. Quer um exemplo clássico disso? Quantas vezes você se sentiu tentado a quebrar seu cofrinho na primeira necessidade que surgiu?

    4 – Invista o valor poupado

    Um bom exercício para quem quer juntar dinheiro é investir o dinheiro reservado. Se o “velho porquinho” não ajuda mais, aplicar esse montante em uma poupança ou até mesmo fazer um investimento, pode contribuir com a missão de multiplicar o seu patrimônio.

    Hoje, com todas as opções disponíveis no mercado, também é possível começar a investir com muito pouco. O retorno será proporcional ao valor investido, mas de qualquer forma pode ajudar no objetivo de juntar mais dinheiro.

    Cuidados necessários: avalie o seu perfil para investimentos e calcule os taxas e impostos cobrados em cada um deles.

    5 –  Reinvista o rendimento ganho

    Se você não tem um uso definido para o dinheiro, é melhor deixá-lo aplicado e rendendo por mais tempo. Outra dica é reinvestir o rendimento que ganhou em outra linha, diversificando também sua carteira de investimentos.

    Saque ou transfira o dinheiro para sua conta apenas quando for usar. Dinheiro disponível pode fazer com que você gaste sem necessidade e sem critério.

    Cuidados necessários: lembre-se de ter sempre uma reserva de valor adicional para as emergências financeiras. Assim, não precisará recorrer ao que juntou.

    Então, que tal começar a juntar dinheiro agora? Aproveite para ler também os Segredos de dinheiro que pessoas ricas e bem sucedidas sabem. Não perca mais tempo e nem dinheiro!

    Por Danielle Vieira | Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e, decidiu ajudar as pessoas através da educação

    Convidados

    3 dicas básicas para evitar as dívidas mais caras

    1 de abril de 2019

    3 DICAS PARA FUGIR DAS DÍVIDAS MAIS CARAS

    Acredite: uma estratégia que não falha para fazer o seu dinheiro render também, é fugir das dívidas mais caras. Ou seja, você pode fazer escolhas financeiras mais inteligentes e com isso gastar menos ou até começar a poupar dinheiro.

    Descubra agora como fazer melhores escolhas quando precisar de dinheiro extra ou pagamento facilitado.

    Para evitar as dívidas mais caras, vale entender o que é preciso avaliar, além das taxas de juros.

    Um ponto que a maioria das pessoas se esquece, por exemplo, é que o que acaba encarecendo uma dívida é o conjunto de todos os seus custos. Ou seja, o Custo Efetivo Total, ou CET, é o principal fator de comparação. Assim, antes de fechar qualquer negócio, compare o CET.  Um crédito pessoal de mesmo valor pode ser mais barato ou caro, em função do seu CET.

    Na prática isso quer dizer que a velha e boa pesquisa é essencial, principalmente se você não quer entrar no vermelho.

    Confira outras dicas e cuidados necessários para não se endividar.

    1 – Use o cartão de crédito com critério

    Ter acesso fácil a crédito é sempre uma “mão na roda”, não é mesmo? Depende. Se não for bem planejado, o uso do crédito pode levar a uma dívida sem necessidade. E pior, a uma das dívidas mais caras, em função das altas taxas de juros.

    Isso significa então que você não pode utilizá-lo? Pelo contrário, você pode e deve utilizar o cartão de crédito quando precisar de dinheiro adicional ou ainda de pagamento parcelado. O cuidado está em não gastar mais do que deve (o que é, aliás, uma dica básica de qualquer planejamento financeiro).

    Portanto, crie alguns critérios para usar o cartão de crédito. Assim, você conseguirá ter mais visibilidade sobre o que está gastando e do quanto ainda tem de limite disponível, para quando precisar novamente.

    2 – Tenha cuidado com o cheque especial

    Falando em dívidas mais caras chegamos ao cheque especial, vilão do orçamento de muitas pessoas.

    Você sabia, por exemplo, que o cheque especial é dos dos maiores responsáveis, junto ao cartão de crédito, pelo alto índice de endividamento dos brasileiros? Os juros dessas duas modalidades de crédito pessoal tiveram aumento neste ano.

    Se tiver que utilizar o cheque especial, se atente ao prazo máximo para repor o dinheiro na conta-corrente. Esse prazo varia de banco a banco, no entanto, se você quer evitar dívidas mais caras, cubra novamente o seu saldo bancário dentro do prazo, para não pagar uma das taxas de juros mais altas do mercado.

    3 – Busque créditos alternativos

    Vai comprar algum eletrodoméstico? Consulte a loja sobre a opção de crediário próprio. Está pensando em financiar um veículo? Avalie outras opções de crédito que oferecem taxas de juros menores. Existem linhas de empréstimo com CET mais barato e que podem ajudar a pagar parte do valor, à vista.

    Pesquisando e comparando as opções disponíveis, você certamente irá encontrar o melhor tipo de crédito para determinado tipo de necessidade.

    Agora, se você não conseguiu fugir das dívidas mais caras e quer ajuda para regularizá-las aproveite para ler essas outras dicas.

    Como se livrar das dívidas e sair do vermelho?

    Para não entrar no superendividamento, é preciso administrar as suas dívidas. Isso quer dizer, controlar o que está em aberto, calcular os valores devidos e avaliar formas para quitá-las.

    Veja também, outras dicas que podem ajudar a se livrar das dívidas e do vermelho, mais rápido.

    1 – Troque as dívidas mais caras por uma mais barata

    Uma boa dica para economizar dinheiro, mesmo depois de já ter contratado qualquer linha de crédito, é migrar a dívida para um banco mais barato. Saiba mais sobre a Portabilidade de crédito e descubra como poupar dinheiro com seu empréstimo atual.

    Quando o banco compra a sua dívida, quita o saldo devedor na instituição anterior. Dessa forma, você pode trocar uma ou mais dívidas que são mais caras, por um novo empréstimo mais barato.

    Para ser uma opção vantajosa, no entanto, vale a pena comparar o CET do contrato atual e da nova proposta.

    2 – Renegocie suas dívidas

    Para o credor, é sempre melhor receber qualquer quantia do valor devido, do que nada. Essa é também uma boa oportunidade de conseguir condições especiais para quitação das dívidas mais caras.

    Renegociações ou até mesmo acordos podem ajudar a quitar as dívidas mais rápido. Mas antes de entrar em contato com os bancos ou instituições financeiras, priorize suas dívidas. É isso mesmo! As dívidas mais caras devem ser pagas antes.

    Lembre-se daquelas dívidas que também podem interromper o fornecimento de um serviço essencial, como energia elétrica ou água, por exemplo. Feito isso, avalie também quanto pode disponibilizar e faça sua proposta ao credor.

    3 – Crie uma reserva de emergência

    Ter uma reserva de emergência, pode evitar que você faça novas dívidas e recorra a créditos mais caros. Poupar não é fácil, mas é possível começar com pouco

    Como o próprio nome sugere, esse dinheiro extra deve ser utilizado em caso de uma emergência ou imprevistos financeiros.

    Outra recomendação é fazer a aplicação deste valor. Assim, seu dinheiro continuará rendendo até que você precise dele. Essa é uma boa tática também para que você não gaste, sem necessidade.

    Fugir das dívidas mais caras certamente irá ajudar a garantir o seu controle financeiro. Mas, se não teve como e você precisou recorrer a uma dessas opções, tente renegociá-las o quanto antes. Aprenda a defender seu dinheiro!

    Por Danielle Vieira | Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e, decidiu ajudar as pessoas através da educação financeira. Hoje faz isso atuando no marketing da bxblue, fintech acelerada pela Y Combinator e escrevendo em alguns portais.