‘Guest Post’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: Guest Post

    Convidados

    9 tendências de negócios que terão maior foco pós-pandemia

    22 de abril de 2021

    9 tendências de negócios que terão maior foco pós-pandemia

    Confira 9 tendências que farão parte da rotina das empresas depois da pandemia

    As empresas passaram grande parte dos últimos meses lutando para se adaptar a circunstâncias extraordinárias.

    Embora a luta contra a pandemia da Covid-19 ainda não tenha sido vencida, com uma vacina à vista, há uma luz no final do túnel.

    2021 será o ano de transição. Os indivíduos, as empresas e a sociedade podem começar a olhar para a frente para moldar seu futuro, em vez de apenas trabalhar no presente.

    Com isso em mente, listamos 9 tendências no mundo dos negócios que surgiram em meio à pandemia e que vieram para ficar. Confira!

    1. Aceleração do comércio eletrônico

    O comércio eletrônico sempre teve uma trajetória ascendente em todo o mundo, mas o bloqueio das atividades de lojas e departamentos junto ao auto-isolamento aceleraram seu crescimento de forma incomparável.

    O fechamento de lojas, restaurantes, shoppings e preocupações com a segurança pessoal fizeram com que as pessoas passassem a fazer compras online em grande escala de modo mais natural.

    O que para muitos era uma busca esporádica ou que nem havia sido feita ainda.

    Essa necessidade gerou uma tendência, que por sua vez, também causou ondas. Em parte, porque as empresas locais mudaram para as vendas online para se recuperar e permanecer no mercado.

    A outra parcela é que isso gerou um hábito fortalecido pela facilidade. Com o passar do tempo, veremos as vendas online sendo oferecidas e realizadas como número regular da experiência do consumidor.

    2. Aumento nas compras locais

    Continuando a falar sobre negócios, é animador ver que as comunidades estão se unindo para apoiar as economias locais.

    Os consumidores estão mais propensos a comprar de uma empresa local em vez de um varejista nacional durante a crise da Covid-19.

    Para esses consumidores locais fiéis, os preços não são um problema, nem a variedade dos produtos. Os fatores que mantiveram esses consumidores fiéis às suas pequenas lojas locais são as novas maneiras como essas empresas abordaram a crise.

    Sem contar, é claro, em uma solidariedade coletiva que se faz necessária e que corresponde ao momento.

    3. Mais opções de entrega

    A segurança pessoal e a segurança de familiares e entes queridos se tornaram justamente o centro das atenções, de modo a mudar práticas que já eram habituais, como as compras periódicas.

    As decisões diárias e rotineiras de se fazer compras no mercado foram ficando de lado e um fator importante para essas alterações foi sobre as entregas online.

    Vimos quase imediatamente empresas começarem a oferecer retiradas na loja.

    Mas isso não era seguro o suficiente. Ainda há o risco de se expor a ambientes estranhos, onde não se pode controlar os protocolos de saneamento.

    Foi então que as entregas sem contato e as coletas na calçada aliviaram as preocupações e muitos comércios aderiram pela vez o serviço de delivery.

    4. Videoconferência e eventos virtuais

    Os protocolos de trabalho em casa e distanciamento social garantiram desde o início da pandemia que o contato físico permanecesse mínimo.

    Embora o mundo tenha desacelerado ao tentar lidar com esta crise, ele não interrompeu todo o trabalho. Nem poderia.

    A videoconferência eliminou a necessidade da presença física e as reuniões que não podiam ser realizadas foram finalmente possíveis.

    E com isso, até as empresas começaram a hospedar eventos virtuais para atrair clientes.

    Um reflexo disso é que a indústria do entretenimento começou a realizar seus eventos virtualmente, em ambientes sem público, somente com apresentadores e produtores.

    Em setembro de 2020, Hollywood realizou seu primeiro Emmy virtual, completo com máscaras, champanhe e uma celebração sem público, e esse é só um dentre tantos outros eventos que ocorreram da maneira mais adequada possível em meio a pandemia.

    5. Trabalho Remoto

    Talvez a tendência de negócios que causou mais impacto durante a crise da Covid-19 seja o trabalho em casa.

    Embora certamente acrescente flexibilidade e mais tempo para a família à mistura, também pode induzir a um período turbulento de adaptação, especialmente para aqueles que nunca trabalharam em home office e especialmente durante as restrições de abrigo em casa.

    No entanto, é evidente que os prós do trabalho remoto superam os contras, considerando ainda que as dificuldades do trabalho remoto diziam respeito ao período de adaptação, estrutura, novos procedimentos, etc.

    Uma vez que qualquer atividade se torna constante, melhor ela é realizada e mais consistente se mostra a produtividade.

    6. Autocuidado e saúde mental

    Ficar trancado em casa por meses a fio foi provavelmente o empurrão de que alguns precisavam para falar sobre saúde mental e autocuidado de forma aberta e sem constrangimento.

    Em tal situação, as empresas que fornecem serviços de saúde mental e outras formas de autocuidado viram um aumento significativo no número de novos clientes e interessados.

    Mesmo atividades de autocuidado discretas, como rotinas de spa em casa, direcionarão o tráfego de materiais e equipamentos relevantes.

    Conforme as pessoas aprendem a lidar com os efeitos colaterais da Covid-19, os profissionais de saúde mental verão uma demanda por seus serviços. E as pessoas lidam melhor com o isolamento social graças a esse acompanhamento profissional.

    7 – Segurança e conveniência

    A segurança pessoal será fundamental para que as pessoas aprendam a se adaptar a um mundo após o Covid-19. Sim, a vacina estará disponível e é esperado que muitos fiquem imunes ao vírus, mas quantos estarão prontos para voltar à vida como era antes?

    É difícil afirmar que as pessoas aceitarão prontamente grandes reuniões presenciais sem recuar por receio.

    A única coisa certa é que as empresas que melhor souberam lidar com o contexto e estiverem dispostas a oferecer conveniência e segurança estarão melhor em todos os sentidos se comparadas àquelas que tentarem esquecer o que aconteceu.

    Se você deseja que seu negócio prospere após o fim desta pandemia, a melhor coisa será continuar oferecendo às pessoas opções seguras: transações sem dinheiro, entregas sem contato e a proposta de retirada em loja.

    8 – Crescimento dos sistemas de educação online

    A pandemia proporcionada pela Covid-19 não afetou apenas as empresas, mas também o sistema educacional. Muitas escolas e instituições simplesmente não estavam prontas para fazer suas aulas online.

    Em resposta a esta situação, vídeos pré-gravados com mais opções e animações estão sendo usados com frequência, dando origem também aos Sistemas de Gestão de Aprendizagem (LMS).

    O EAD, que era um meio de educação não convencional, mas já aplicado em algumas localidades por dificuldades normalmente pessoais, se tornou uma resposta adequada para o período, popularizando um método de ensino que pode atender casos excepcionais.

    9 – Robótica e economia de energia

    A indústria robótica já estava chamando a atenção de investidores há algum tempo, mas a pandemia acelerou esse interesse.

    Protocolos de distanciamento social e outras medidas para prevenir a propagação de germes por meio do contato humano deixaram o campo aberto para os robôs comprovarem sua capacidade.

    Na China, isso assumiu um significado totalmente novo, com drones entregando medicamentos necessários para pacientes em quarentena.

    E como se não bastasse a atuação nos protocolos de saúde, os robôs e equipamentos industriais também colaboram com a economia de energia. Durante uma pandemia como essa, cada centavo economizado é primordial.

    Alguns empresários, embora ainda não tenham acesso a robôs de última geração, estão em busca de soluções inteligentes para se manterem competitivos.

    É o caso, por exemplo, do aluguel de gerador elétrico, uma alternativa econômica para a conta de luz e que traz mais produtividade para as indústrias.

    Como pode ver, a Covid-19 acelerou algumas tendências que, de outra forma, levariam anos para serem superadas. Cabe agora às empresas se adaptarem a transformarem essas oportunidades em bons negócios.

    Convidados

    Aprenda a financiar um apartamento

    30 de março de 2021
    Aprenda a financiar um apartamento
    Aprenda a financiar um apartamento

    Confira algumas dicas simples para sair do aluguel e conquistar o seu imóvel próprio

    De fato, ter um imóvel para chamar de seu e não precisar mais se preocupar com aluguel é um dos maiores êxitos da vida de ima pessoa.
    Contudo, nem sempre esse sonho é fácil de ser realizado, afinal, ele envolve muitas dúvidas e processos burocráticos. Mas, com algumas dicas simples, é possível encontrar uma propriedade que caiba no seu bolso e financiar um apartamento de maneira mais facilitada.
    Siga com a gente e confira o material que preparamos para você se organizar e conquistar o seu apê.

    Calcule todo o seu orçamento


    O primeiro passo para fazer o financiamento de um imóvel é saber o quanto você ganha, quais são as suas despesas e o qual é a quantia que você pode direcionar à aquisição.
    Para isso, some a sua renda bruta individual (ou a de todos os moradores que irão dividir os gatos com você), organize todas as suas finanças e comece a reduzir os gastos supérfluos como deliveries e restaurantes.
    Uma boa maneira de economizar na prática é transferir para uma poupança todo dinheiro extra que entrar na sua conta corrente.

    Pesquise cuidadosamente


    Comprar um apartamento envolve um grande investimento, por esse motivo, pesquisar por vários imóveis até encontrar aquele que atenda às suas expectativas é fundamental. Além disso, é preciso manter os pés no chão e escolher um apartamento à venda no Brooklin com valores que caibam no seu bolso.
    Portanto, para evitar futuras frustrações, pesquise bastante e tenha muita calma. Além disso, alguns fatores como localização, infraestrutura, acessibilidade e segurança merecem atenção especial.

    Entenda o que é um financiamento


    Se você deseja comprar um imóvel mas ainda não entende sobre o processo de financiamento, saiba que é necessário, antes de mais nada, compreender tudo o que é necessário para seguir com a solicitação.
    O financiamento nada mais é do que um programa oferecido pelas instituições financeiras para que a população possa realizar a compra de imóveis por meio das construtoras.
    Para isso, você não precisa ter nenhum vínculo com o banco escolhido para realizar o financiamento, mas, caso tenha, pelo menos uma conta bancária, fica mais fácil garantir a aprovação do crédito. Afinal, dessa forma, o banco terá conhecimento das movimentações realizadas anteriormente e você conseguirá comprovar, com mais facilidade, as suas condições de arcar com o pagamento do bem.
    Além disso, as instituições trabalham com linhas de crédito, que variam de acordo com a renda de cada comprador. Por serem caracterizados por longos prazos de prestações, antes de solicitar o seu financiamento, é essencial que o seu CPF esteja totalmente livre de restrições.

    Tenha em mãos todos os documentos necessários


    Para facilitar a aprovação do seu financiamento, é imprescindível que a sua documentação esteja completa. Portanto, nesse processo, é indispensável a comprovação da sua renda familiar, da sua carteira de trabalho assinada (caso opere em regime CLT) e a apresentação de outros documentos como RG, CPF, Certidão de Nascimento ou Casamento, declaração de imposto de renda (se for o caso) e extratos bancários dos últimos meses.
    Além disso, caso pretenda utilizar o saldo do FGTS para pagar parte do financiamento, é preciso ter em mãos o Extrato Do FGTS, Autenticado Ou Carimbado, Emitido Pela Caixa, e um Comprovante de Residência atualizado.

    Realizando o sonho


    Enfim, agora que você já sabe quais são os principais passos para financiar um apartamento, lembre-se de controlar a sua renda e evitar gastos desnecessários. Assim, fica muito mais fácil aproximar o seu sonho da realidade.
    Se este artigo foi interessante para você, compartilhe essas dicas em suas redes sociais. Com certeza, elas podem ajudar muitas pessoas que estão em busca de meios para facilitar a compra do imóvel próprio.

    Convidados

    Descubra como a inflação pode afetar os investimentos em 2021

    18 de março de 2021

    Descubra como a inflação pode afetar os investimentos em 2021

    Veja como a inflação pode afetar seus investimentos em 2021 e o que fazer para se proteger contra danos ao seu patrimônio!

    Se você acompanha as notícias financeiras ou mesmo diárias, provavelmente já ouviu especialistas e economistas discutindo sobre a taxa de inflação da economia. 

    Embora façam parecer que não tenhamos que nos preocupar, é importante que saibamos como a inflação pode afetar nossos esforços, tanto na hora economizar ou mesmo investir.  

    Para ajudar a endireitar as coisas, vamos apresentar o impacto potencial da inflação em seus planos financeiros. Mas primeiro…

    O que é inflação?

    Numa definição mais simples, a inflação é quando os preços médios em todo o país sobem, fazendo com que o poder de compra individual diminua à medida que o preço de tudo aumenta. 

    Vamos supor que o custo de compra de uma bicicleta hoje seja em torno de R$100,00 e a taxa de inflação atual seja de 2%: no próximo ano, o preço da bicicleta será de R$102,00 (esperando que o preço aumente na mesma proporção da inflação).

    Outra forma de entender a inflação é por meio da lei de oferta e demanda, que desempenha um papel importante no funcionamento desse “mecanismo”. 

    Logo, os preços tendem a subir quando:

    • a demanda por um bem ou serviço aumenta;

    • a oferta desse mesmo bem ou serviço cai. 

     

    Muitos fatores afetam a oferta e a demanda nacional e internacional, incluindo custos de bens e trabalho, impostos sobre a renda e bens e disponibilidade de empréstimos, por exemplo.

    Durante a pandemia de COVID-19, tivemos um choque repentino de pessoas forçadas a ficar em casa. Isso gerou um excedente de bens que as pessoas não podiam mais comprar em período de quarentena, como os automóveis – o que impactou no preço relativo dos carros. 

    Como isso pode impactar os investimentos?

    O impacto da inflação sobre os investimentos depende do tipo de aplicação financeira. Para investimentos com um retorno anual definido, a famosa renda fixa, a inflação pode prejudicar o desempenho – como você recebe o mesmo pagamento de juros a cada ano, isso pode reduzir seus ganhos reais. 

    Se você receber um pagamento de R$100,00 por ano, por exemplo, esse pagamento valeria cada vez menos a cada ano, dada a inflação.

    De acordo com o Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central (BC), a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do País foi de 3,32% para 3,34% em 2021.

    Ainda que esteja abaixo da meta central (3,75%), o IPCA vai continuar deixando negativo o retorno real de alguns títulos de renda fixa, como o Tesouro Selic, ideal para reservas financeiras. 

    Isso ocorre porque o principal balizador dessa classe de ativos é o CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro), que atualmente está em 1,90%, bem inferior à inflação.

    E as ações?

    Já no caso das ações, a inflação pode ter um impacto misto. Em momentos de força econômica, as empresas podem estar vendendo mais, o que pode ajudar no preço de suas ações. No entanto, essas mesmas empresas também pagarão mais por salários e matérias-primas, o que prejudica seu valor no mercado financeiro. 

    Se a inflação vai ajudar ou prejudicar na bolsa de valores, pode depender do desempenho da empresa por trás dela.

    Por outro lado, metais preciosos, como o ouro, historicamente se saem bem quando a inflação está alta. Por fim, existem alguns investimentos indexados ao risco de inflação. Eles ganham mais quando a inflação sobe e menos quando a inflação desce, de modo que seus ganhos totais são mais estáveis. 

    Como defender sua carteira contra a inflação?

    A inflação pode ter um impacto significativo na sua estratégia de investimentos ao longo do tempo. Além de trabalhar com um profissional financeiro, considere duas etapas que podem ajudar a proteger seu patrimônio contra a inflação:

    • diversificar seu portfólio com várias classes de ativos (fundos imobiliários, ações, renda fixa e até mesmo commodities). No entanto, a diversificação e a alocação de ativos não protegem contra perdas ou garantem retornos;

    • considere os títulos protegidos contra a inflação. Uma sugestão é o Tesouro IPCA+, com ou sem pagamento de bônus semestrais. Esse é um papel que combina uma parte de retorno prefixado, definido no momento da compra do papel, e o restante indexado à inflação, medida pelo IPCA. Da mesma forma que o Tesouro Direto, também existem outros títulos que podem ter sua rentabilidade atrelada à inflação. É o caso dos CDBs, LCIs e LCAs.

    Lembre-se: a inflação pode estar além do seu controle, mas isso não significa que você não pode tomar medidas para ajudar a preservar seus investimentos e economias de seus efeitos.

    Você já incluiu a inflação nos seus planos financeiros?

    Como você viu, a inflação é uma das razões pelas quais muitas pessoas não colocam todo o seu dinheiro no banco – uma vez que, com o tempo, a inflação pode corroer o valor dessas economias.

    Por esse motivo, alguns preferem manter parte de seu dinheiro em investimentos de crescimento potencialmente mais alto, como ações ou fundos mútuos, porque, em média, esses investimentos ganham mais por ano do que a taxa de inflação (embora também apresentem o risco de menores ganhos ou perdas).

    Você também pode considerar o risco de inflação ao descobrir que tipos de investimentos terá em seu portfólio. 

    Como mencionamos, os investimentos fixos, como títulos ou anuidades fixas, podem ser adversamente afetados pela inflação. Para diversificar, alguns investidores optam por comprar dólar ou adicionar ouro e investimentos indexados à inflação às suas carteiras.

    A inflação é uma força de mercado impossível de ser completamente evitada. Mas, planejando isso e implementando uma estratégia de investimento forte, você poderá ajudar a minimizar o impacto em suas economias e planos financeiros de longo prazo.

    Convidados

    13 coisas que você precisa investir na sua empresa

    28 de janeiro de 2021

    13 coisas que você precisa investir na sua empresa

    Confira a seguir uma lista com 13 itens importantes para anos prósperos em sua empresa.

    Melhorias consistentes para aprimorar seu negócio são essenciais para seu sucesso e sustentabilidade.

    Ações como monitorar o fluxo de caixa de forma consistente, utilizar as mídias sociais e se conectar com seus clientes e reconhecer seus pontos fortes enquanto pede ajuda em aspectos menos relevantes podem ajudá-lo a se concentrar na melhoria de pequenas áreas que oferecem maior ganho.

    Pensando nisso, separamos este post para ajudar você nesta jornada e, assim, atingir bons resultados. Leia até o final e não perca!

    1 – Infraestrutura

    A maioria das startups gasta seus lucros iniciais reinvestindo, e sua empresa não deve ser exceção.

    A chave para reinvestir é ter uma estratégia sólida, mas não necessariamente devotar uma certa porcentagem de seus lucros. Quanto a isso, é fundamental que seus ‘esforços de reinvestimento’ devem estar alinhados com seu plano estratégico atual.

    A maioria dos empresários opta por investir seus lucros em melhorias físicas, por exemplo, infraestrutura, equipamentos e ferramentas.

    Essas estratégias são valiosas porque podem aumentar seus lucros a longo prazo, permitindo a expansão de suas operações e, ainda, o reconhecimento de sua autoridade no mercado.

    2 – Marketing

    O marketing, mais precisamente o digital, deve ser sempre considerado como um investimento inteligente de lucro.

    No entanto, é um tanto quanto comum que muitas empresas esperam vários meses antes de fazerem qualquer investimento real em estratégias por meio do marketing. Às vezes é porque elas simplesmente não sabem por onde começar.

    Para isso, busque informações e faça pesquisas a respeito de seu mercado ou, caso prefira, considere terceirizar este importante serviço à uma agência especializada.

    3 – Equipe

    Construir uma força de trabalho melhor simplificará seus negócios, aumentará a produtividade e criará o tipo de cultura empresarial que atrairá trabalhadores dedicados.

    Invista os lucros em iniciativas de recursos humanos, como treinamento e educação continuada. Conforme sua empresa cresce, você pode expandir para incluir pacotes de benefícios e outros descontos.

    Investir em seus funcionários desde o início ajudará a reduzir a rotatividade. Lembre-se de que contratar um novo funcionário custa muito dinheiro – cerca de seis a nove meses do salário de um funcionário perdido, em média.

    4 – Capacitação

    Encontre maneiras de melhorar sua experiência no assunto. Hoje, muitas empresas são lideradas por pessoas que possuem um bom olhar para a inovação, mas que não necessariamente sabem como gerenciar pessoas, por exemplo.

    Essa é, na verdade, uma das críticas mais comuns que os empresários enfrentam. Aulas sobre gestão ou operações básicas de negócios neste cenário tornam-se inestimáveis ​​para pessoas que não vêm de um histórico formal de negócios.

    5 – Novas contratações

    Reconheça quando precisar de ajuda e peça por ela.

    As novas contratações podem fornecer as habilidades técnicas e know-how para manter suas operações funcionando sem problemas. Este é um dos melhores investimentos que você pode fazer a longo prazo.

    6 – Coaching

    Se você não tiver certeza de como deve criar seu plano estratégico, considere usar parte de seus lucros para contratar um coach de carreira.

    Esses profissionais podem fornecer orientação sobre liderança executiva, criação de uma estratégia de negócios, conversar com investidores e lidar com conflitos entre funcionários, entre outras coisas.

    7 – Terceirização

    Todos nós temos uma tarefa terrível que tira parte da alegria de administrar uma empresa. Para alguns é a contabilidade ou a gestão da folha de pagamento e para outros é avaliar e rastrear a eficácia das campanhas de marketing ou da criação de conteúdo para o blog da empresa.

    Felizmente, você pode terceirizar a maioria deles à profissionais especializados. Encontre alguém qualificado e entregue a tarefa.

    8 – SEO

    Primeiro, se você abriu uma empresa sem um site, crie um. Em segundo lugar, gaste algum tempo, dinheiro e energia para colocar esse site no topo das páginas de resultados do mecanismo de pesquisa (SERPs) do Google.

    Para os não iniciados, Search Engine Optimization pode parecer complicado, mas você vai pegar o jeito (ou encontrar alguém qualificado e terceirizá-lo). Se você está procurando uma maneira de ver um retorno do investimento significativo em um tempo relativamente curto, esta é uma maneira de fazer isso.

    9 – Reserva de emergência

    Embora investir em seu negócio seja ótimo (e necessário), certifique-se de ter dinheiro suficiente para lidar com os problemas que podem surgir.

    Embora suas apólices de seguro de negócios cubram desastres e catástrofes, é sempre aconselhável ter liquidez disponível para quando você realmente precisar.

    10 – Funil de vendas

    É hora de garantir que esses clientes em potencial no topo do funil realmente se convertam em leads e, em seguida, em clientes pagantes. Você pode ter muitos clientes em potencial, mas o que sua empresa está fazendo para transformá-los em clientes reais?

    Você precisa oferecer algo para que o cliente em potencial volte ao seu site continuamente.

     

    Um visitante de primeira viagem não vai comprar o que você está oferecendo. Você precisa de um motivo para que eles voltem ao seu site, para aprender a confiar em você e, eventualmente, comprar o seu serviço ou produto. Investir em um bom funil de vendas é o caminho para o sucesso.

    11 – Relacionamento com o cliente

    Melhorar o relacionamento com o cliente não é uma estratégia moderna ou nova, mas funciona.

    Construir relacionamentos com os clientes significa realmente ouvir o que eles precisam e fazer todos os esforços para satisfazer essas necessidades. Tente personalizar seus produtos ou serviços com base nessas necessidades também.

    Investir no relacionamento com o cliente significa dedicar muito tempo e recursos. Esteja preparado para colher realmente os benefícios de clientes fiéis que voltam.

    12 – Métricas

    Você não precisa medir todos os seus esforços, apenas aqueles em que está investindo mais tempo e dinheiro. Você precisa saber o que está ajudando suas vendas e o que não está.

    Experimente, por exemplo, rastrear como as pessoas estão encontrando seu site. É por meio de um programa de referência, anúncios ou uma postagem de blog que você escreveu para outro site? Certifique-se de saber para que possa redobrar seus esforços em qualquer área de trabalho.

    13 – Presença online

    Atualizações simples em seu site podem fazer uma grande diferença. Certifique-se de que suas informações de contato estejam claramente visíveis em cada página.

    E quando um cliente potencial ligar ou enviar e-mails para você, ofereça um excelente atendimento ao cliente. Responda a eles imediatamente e resolva sua preocupação.

    Se possível, invista também em um site multilíngue trabalhando com uma empresa que possa prestar esse tipo de serviço, com tradutores certificados e opções de tradução juramentada. Dessa forma você pode ampliar ainda mais sua base de clientes!

    Convidados

    Como revisar o planejamento estratégico da sua empresa para 2021

    27 de janeiro de 2021

    Como revisar o planejamento estratégico da sua empresa para 2021

    Veja algumas dicas que podem te ajudar na hora de revisar seu planejamento estratégico e se preparar para o ano de 2021!

    A sua organização passou por uma mudança estratégica este ano? Aqui podemos considerar quaisquer acontecimentos como: um avanço tecnológico em seu mercado, um novo regulamento político,uma nova competição ou apenas uma grande mudança na receita (seja ela positiva ou negativa).

    O problema é que muitas organizações não consideram como esses tipos de mudanças afetam seu plano estratégico ou, se os consideram, simplesmente não sabem como fazer as mudanças adequadas para acomodar essa mudança.

    Portanto, se você deseja se preparar para 2021, trouxemos algumas dicas de como otimizar o planejamento estratégico da sua empresa para o próximo ano! Confira!

    O que é uma revisão do planejamento estratégico?

    Uma revisão do planejamento é o processo no qual as organizações discutem o andamento de suas metas e objetivos e fazem os ajustes necessários para o ano seguinte.

    O melhor momento para considerar o ajuste de seu plano estratégico e garantir que as mudanças sejam implementadas é durante o processo de revisão de estratégia de final de ano.

    Normalmente, o processo de revisão explora as seguintes questões com seu plano existente:

    • O que funcionou e o que não funcionou nos últimos 12 meses?
    • O que mudou em seu ambiente?
    • O que retiramos e quais coisas novas colocamos no plano estratégico?

    Neste post vamos apresentar quatro etapas que ajudarão você a identificar e abordar essas mudanças de forma produtiva para garantir que todos em sua organização estejam trabalhando para o mesmo objetivo.

    Etapa 1: analise o “quadro geral”

    A primeira coisa que você precisa fazer durante o processo de revisão da estratégia é dar um passo atrás e examinar cada elemento do seu plano estratégico.

    Sempre sugerimos fazer a pergunta: “Nossa estratégia geral ainda é válida?” Isso é importante e, francamente, muitas vezes esquecido.

    Se a posição da sua organização mudou no último ano (ou nos últimos anos), isso terá um impacto dramático em todos os elementos que compõem o seu plano estratégico – desde a sua missão, visão e valores, até o seu objetivos, medidas e iniciativas.

    Portanto, sugerimos que você analise seu cenário estratégico para ver se certificar que não ocorreu alguma alteração (no que diz respeito à tecnologia, política, meio ambiente etc.). Você pode descobrir, por exemplo, que um novo concorrente entrou em seu setor e está mudando o modelo de precificação de todo o mercado.

    Etapa 2: revise os detalhes do próprio plano

    Os detalhes do plano estratégico incluem seus objetivos, medidas e iniciativas. Veja como revisar cada:

    Objetivos são suas metas organizacionais de alto nível. Durante o processo de revisão da estratégia, você precisará perguntar “Nossos objetivos ainda são relevantes? Eles se relacionam com nossa missão, visão e valores? ”. Mas lembre-se: sua resposta precisa ser feita com dados reais, não com suas intuições.

    As medidas às vezes são chamadas de indicadores-chave de desempenho (KPIs) ou métricas. Cada um de seus objetivos deve ter medidas associadas a ele — e para cada uma dessas medidas, você precisa definir uma meta realista.

    Quaisquer mudanças em suas medidas devem vir dos chefes de departamento ou de outras pessoas em posição de liderança — portanto, recomendamos realizar um “retiro estratégico” ou uma reunião de meio dia para discutir quaisquer medidas que precisem ser alteradas.

    As iniciativas não são tarefas únicas; são uma visão geral ou projetos de longo prazo que sua organização está rastreando para o sucesso estratégico. É mais provável que você mude, remova ou adicione novas iniciativas durante o processo de revisão da estratégia do que altere suas medidas ou objetivos.

    Portanto, certifique-se de discutir o orçamento, as datas de início/término e os vínculos com suas medidas e objetivos antes de tomar essas decisões.

    Etapa 3: melhore seus relatórios

    Os relatórios são essenciais para comunicar o desempenho de seu plano estratégico geral. Se você simplesmente ignorar seus relatórios durante o processo de revisão a estratégia que você trabalhou tanto para construir pode simplesmente se tornar ineficaz. Portanto, você vai querer perguntar o seguinte:

    • Estamos nos encontrando na frequência certa? As reuniões trimestrais e mensais têm objetivos diferentes e você vai querer ter certeza de que cada reunião que realizar seja produtiva.
    • Nossos relatórios estão formatados corretamente? Meus relatórios mostram as informações que todos precisam ver para entender nosso desempenho?

    Lembre-se de que cada relatório destacará informações diferentes; um relatório de medida pode mostrar o responsável, a frequência com que está sendo rastreado e o status da série; enquanto um relatório de iniciativa pode mostrar a data de início, a data de término, o orçamento e os marcos.

    Etapa 4: comunique as mudanças à sua organização

    Quando você realiza uma revisão de sua estratégia, é extremamente importante considerar como você comunicará atualizações ou mudanças em seu plano em toda a organização.

    Caso contrário, você não criará adesão em toda a organização, o que tornará muito mais difícil para você alcançar o sucesso estratégico.

    Os benefícios de uma revisão estratégica

    Quando bem conduzida, uma revisão estratégica pode trazer benefícios significativos para uma empresa.

    Além dos benefícios financeiros diretos de melhorar o desempenho e buscar novas oportunidades de crescimento, o processo em si pode melhorar o alinhamento entre funcionários, equipes de gerenciamento sênior e outras partes interessadas importantes, ajudando a impulsionar uma cultura de alto desempenho e clareza sobre a direção futura dos negócios.

    A realização de uma revisão estratégica requer a coordenação de uma série de atividades analíticas, modelagem financeira, gerenciamento de partes interessadas e desenvolvimento de relatórios.

    Os princípios descritos acima são vitais ao tentar concluir uma revisão estratégica de forma eficiente. Vale destacar que uma abordagem disciplinada, sustentada por uma estrutura lógica clara e uma abordagem analítica pragmática pode aumentar significativamente o sucesso do processo, independentemente de quanto tempo você tem para concluir o trabalho.

    Com o processo de revisão do planejamento estratégico, sua empresa pode traçar novos objetivos para o próximo ano, seja expandir suas operações ou até mesmo encontrar um novo fornecedor de serviços de aluguel de geradores.

    Convidados

    Como se planejar financeiramente para as despesas do começo do ano

    23 de janeiro de 2021

    Como se planejar financeiramente para as despesas do começo do ano

    Veja algumas dicas incríveis de como se planejar financeiramente para o começo deste novo ano!

    O início de um novo ano traz consigo bons sentimentos de partilha e alegria. Isso pode nos deixar mais propensos a gastar aquelas pequenas economias feitas durante o ano anterior. 

    No entanto, é importante que tenhamos disciplina para desenhar e cumprir um novo planejamento financeiro. Nele, você deve pensar sobre seus gastos, novos e antigos investimentos e definição de metas para o ano que acabou de começar.

    Ainda que seja mais fácil não se preocupar e apenas esperar que as coisas corram bem, a estratégia mais inteligente é planejar com antecedência. 

    Pensando nisso, separamos algumas dicas que podem ajudá-lo a começar este ano com o ‘pé direito’: 

    1 – Faça uma lista de metas financeiras 

    Decida quais são seus objetivos e anote-os. 

    Você quer pagar cartões de crédito ou juntar uma boa quantia de dinheiro para a entrada de uma casa? Ajudar alguém a pagar a faculdade? Começar a se preparar para sua aposentadoria? Financiar aquela viagem de férias? 

    Liste os três principais em ordem de prioridade. Se possível, marque uma reunião com um consultor financeiro para fazer as coisas rolarem. Outra dica é rotular suas contas para que você possa controlá-las de maneira mais eficiente. 

    Por exemplo, se você é casado agora, seu nome mudou? Os beneficiários listados em sua conta de aposentadoria ainda são as pessoas que você deseja? Verifique seu contracheque para ter certeza de que ainda é relevante. 

    Se você tem dívidas, agora é a hora de enfrentá-las. Classifique suas dívidas com os juros mais altos para os mais baixos. Configure o pagamento automático para quitar o valor mais alto primeiro e, em seguida, passe para a próxima. 

    Encontre maneiras criativas de saldar sua dívida com trabalhos paralelos, como dirigir Uber ou trabalhar online, por exemplo.

    2 – Organize-se 

    Deixe os hábitos do ano passado com as contas do ano passado. Comece o ano novo organizando suas finanças. 

    Se você estiver pagando contas com cheques e cartões, limpe uma gaveta de sua mesa ou configure um sistema de pastas. Assim, terá um lugar para guardar suas contas e recibos. A exemplo, mantenha todos os registros relacionados a impostos em um só lugar. Desta forma, não precisará se esforçar para encontrar a papelada na hora da declaração.

    Melhor ainda, experimente um aplicativo de software financeiro. Ele permite tirar fotos de seus recibos para que você possa controlar para onde seu dinheiro está indo a cada mês.

    Marque uma reunião mensal com você mesmo para revisar suas contas e decidir sobre algumas estratégias para manter o débito ao mínimo. Em seguida, estabeleça metas sobre como você pode melhorar sua pontuação de crédito no próximo ano.

    3 – Domine suas contas de fim de ano

    É comum sofrer de tristeza pós-feriado, uma vez que as contas de cartão de crédito começam a chegar no ano novo. Em vez de procrastinar, tome uma resolução financeira para enfrentá-las de frente. 

    Abra suas contas e comece a pagá-las imediatamente. Se você precisar de alguma motivação, observe quanto está sendo cobrado de juros a cada mês. Pense em como você poderia gastar – ou economizar – esse dinheiro depois que suas dívidas forem pagas.

    4 – Economize mais 

    A maioria dos brasileiros não está economizando o suficiente para sua aposentadoria. Considere dedicar mais atenção para as condições do seu futuro “eu”. Aumente suas economias semanais ou mensais em, pelo menos, uma porcentagem ou duas. 

    Idealmente, você deseja economizar entre oito e 11 vezes seu salário anual quando estiver pronto para se aposentar. Reveja seus fundos de pensão e outros investimentos para garantir que está economizando o suficiente para sua aposentadoria. 

    5 – Gaste menos a cada mês 

    Procure maneiras de economizar em suas contas mensais. Os serviços de TV, telefone e Internet muitas vezes podem ser agrupados com o mesmo provedor com desconto. O mesmo pode ser feito com seguros de automóveis e residências. 

    Se você optar por não fazer o pacote, ainda é uma boa ideia ligar a cada poucos meses para saber se sua operadora pode otimizar seu plano. Isso pode fazer você economizar dinheiro. 

    6 – Automatize processos

    Economizar dinheiro no ano novo será muito mais fácil – e mais eficiente – se você configurar um plano automático. Verifique quais opções de economia adicionais seu banco oferece. 

    Provavelmente, você pode configurar transferências automáticas mensais. Assim,  uma determinada quantia pode ser enviada para uma conta poupança separada antes que você tenha a chance de gastá-la.

    Se ainda não o fez, elimine o papel configurando o pagamento automático de contas. Desta forma,  os pagamentos mensais de contas e as contribuições de caridade são automaticamente retirados de sua conta bancária. 

    Isso não apenas garante que você nunca perca uma data de vencimento, mas também elimina o incômodo de se sentar para fazer suas contas manualmente todos os meses.

    7 – Revise ou considere um seguro de vida

    Faça isso especialmente se sua família depende de sua renda. Outros que deveriam ter seguro de vida são proprietários de casas e pessoas com financiamentos e outras dívidas substanciais, bem como proprietários ou sócios de uma empresa. 

    Considere também comprar um seguro de vida para seus pais. 

    Avalie algumas questões. Você tem seguro de vida com prazo ou permanente? Em caso afirmativo, é uma boa ideia marcar uma consulta com seu consultor financeiro. Ele pode fazer uma revisão gratuita do seu seguro e verificar se ele é suficiente para cumprir seus objetivos.

    Se quiser ir além e aumentar o nível de proteção para você e sua família, considere também adquirir um seguro auto.

    Por fim, quando o novo ano está começando e você percebeu o quanto gastou nas férias, é uma boa ideia fazer um planejamento financeiro. Ao planejar e monitorar seus gastos ao longo dos meses, você pode controlar suas finanças e não se sentir pressionado por boletos e contas indesejadas.

    Feliz planejamento e tenha um feliz e financeiramente saudável 2021!

    Convidados

    Saiba como abrir uma conta internacional em 2021

    22 de janeiro de 2021

    Entenda como funciona o processo e o que é uma conta internacional

    A conta internacional nada mais é do que uma maneira de administrar moedas estrangeiras para pessoas que residem no Brasil. 

    O objetivo principal da abertura de uma conta internacional é o de disponibilizar aos clientes facilidades e vantagens no que diz respeito ao uso de moedas estrangeiras em viagens internacionais, transações virtuais e transferências financeiras entre brasileiros e estrangeiros. 

    Bancos digitais e físicos estão se adaptando cada vez mais para atrair este tipo de cliente, criando uma concorrência de benefícios que deve ser analisada de perto antes de escolher a melhor opção para os seus objetivos.

    A conta internacional é aberta no ambiente online e disponibiliza um cartão de débito específico para transações realizadas fora do território nacional. 

    Uma das suas principais vantagens é a possibilidade de sacar dinheiro no exterior em caixas eletrônicos específicos e evitar a cobrança de taxas por fluxo de transações financeiras em moeda estrangeira. 

    Contas abertas no exterior possibilitam o acesso do cliente a um saldo já convertido na moeda estrangeira escolhida, sem a necessidade de conversões ou atenção com a flutuação do câmbio. 

    Quais são as vantagens de abrir uma conta internacional?

    Para quem costuma viajar para o exterior com frequência, realizar trabalhos que são pagos em moeda estrangeira ou que tendem a realizar compras em sites do exterior, as vantagens de uma conta internacional podem fazer toda a diferença nestas ocasiões. 

    Com processos de abertura e manutenção similares às contas correntes nacionais, contas internacionais permitem, inclusive, realizar transferências do real para a moeda estrangeira de maneira quase instantânea e simples.

    Além disso, os impostos e taxas cobrados por estas movimentações são mais favoráveis ao compararmos com o que é cobrado pelas casas de câmbio ou cartão de crédito internacional. 

    Trazendo um exemplo real: o imposto cobrado por uma compra realizada pelo cartão de crédito no exterior é de 6,38%, enquanto a conta internacional possui uma taxa de apenas 1,1%. 

    Ademais, você saberá exatamente quanto será o valor final de transferências na sua conta de moeda estrangeiras antes mesmo de requerer a transação. 

    Com a abertura de uma conta internacional, você consegue investir fora do país, manter parte do seu patrimônio diversificado e seguro, além de, dependendo do banco escolhido, conseguir utilizar outras moedas como o euro e a libra esterlina com conversão automática e independentemente do saldo estar disponível em dólares. 

    As vantagens são inúmeras e o próximo passo é entender quais são as principais opções de bancos e contas internacionais para fazer uma escolha que seja apropriada para o seu estilo de vida e anseios futuros.

    Conheça as opções de bancos e serviços

    Atualmente, os bancos de maiores expressões no ramo são o BS2, o C6 Bank e o Nomad. A abertura de conta nas três opções acontece de maneira didática e totalmente online. A maneira encontrada para comprovar a sua identidade é a de tirar uma selfie e fazer o upload de documentos específicos. 

    É comum não haver nenhuma taxa de abertura ou de manutenção mensal, a dica é ler atentamente todos os pontos, tarifas e serviços disponíveis para a utilização da conta internacional, já que podem existir serviços taxados e outros gratuitos. 

    Veja, a seguir, quais são as principais características de cada opção de abertura de conta internacional:

    Banco Nomad

    A plataforma digital da Nomad é a mais recente dentre as opções de conta internacional. Nela, você só pode ter um saldo em dólar e é imprescindível ter um passaporte válido para a abertura da conta. Sem cobranças na abertura e manutenção anual, seus clientes recebem um cartão de débito virtual para compras online e presenciais por meio de wallets. 

    Por ser uma alternativa nova e recentemente criada, existem algumas questões que ainda estão sendo trabalhadas pela empresa. 

    Cartões físicos estão previstos para serem lançados durante o ano de 2021, o site da Nomad ainda não possui informações sobre cotação e a flexibilização da obrigatoriedade do passaporte está sendo trabalhada.

    Banco BS2

    Na conta internacional do Banco BS2, aberta por meio do aplicativo, possibilita que seus clientes tenham saldos tanto em dólar quanto em reais. 

    Para a validação da conta, é preciso apresentar uma foto do RG ou da CNH. Não há taxas de manutenção e o cartão de débito internacional é enviado gratuitamente.

    As transações entre valores em real para o dólar não possuem tarifas além do IOF e não é obrigatório uma transferência em um valor mínimo. 

    Preste atenção, contudo, para enviar ou receber valores de bancos internacionais, a cobrança para este tipo de transferência é de US$12 e para saques eletrônicos são US$5 por saque.

    C6 Bank

    Diferentemente das outras opções, o C6 Bank oferece tanto o dólar quanto o euro como opções de saldo. 

    Se você já possui uma conta nacional no banco, é possível abrir a Conta Global do C6 pelo aplicativo. No entanto, para a conta internacional e o cartão de débito são cobrados US$30 de tarifa e a taxa de manutenção só não é cobrada caso haja, ao menos, uma movimentação por ano. 

    A transferência entre a conta corrente e a internacional é gratuita, sendo cobrada apenas o IOF e com a necessidade de um valor mínimo de 100 dólares/euros. Existe um limite de transferências anuais que podem chegar a, aproximadamente, 10 mil dólares. 

    Para saques no caixa eletrônico a tarifa única é de US$5 ou € 5 estando sujeito às cobranças pela administradora do caixa utilizado. 

    Considere sua realidade

    Realizar compras online com segurança, investir e enviar dinheiro para o exterior e não ter surpresa com tarifas abusivas de bancos nacionais em viagens internacionais são apenas alguns pontos positivos da abertura de conta internacional. 

    Entender a sua realidade e ler atentamente as propostas e especificações de cada opção é crucial para garantir uma experiência agradável, facilitadora e sem grandes empecilhos.

    Saiba como abrir uma conta internacional em 2021

    Convidados

    Administração financeira: 7 dicas para se manter longe do vermelho

    21 de julho de 2020

    Administração financeira: 7 dicas para se manter longe do vermelho

    Descubra como a educação financeira pode te ajudar a ter uma relação saudável com dinheiro

    Os tempos de crise só evidenciam o quanto deveríamos ter tomado mais cuidado com assunto pertinentes da nossa vida financeira quando tudo estava ao menos estável. Em 2020, o brasileiro tem tido muito tempo para pensar sobre isso, já que a pandemia que o mundo enfrenta teve um grande impacto sobre a economia.

    Segundo um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o endividamento das famílias brasileiras na pandemia já é maior do que na crise de 2014. Em junho de 2020 esse número alcançou novo recorde histórico: 67,1%.

    Isso quer dizer que mais da metade das famílias brasileiras têm contas em aberto no cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal ou prestação de carro e seguro.

    Claro, o contexto em que vivemos tem influência nesses números, mas como falamos no início desse texto, é preciso estar preparado para os tempos difíceis. Mas, como fazer isso? A resposta é: cuidando da sua saúde financeira.

    Manter uma vida organizada não é nenhum bicho de sete cabeças, mas para conseguir isso é preciso entender melhor sobre finanças. Descubra abaixo sete dicas que vão te ajudar a ter uma nova visão sobre o assunto:

    1 – Entenda seu orçamento 

    Como administrar bem o seu dinheiro se você não tem o mínimo controle sobre o que entra e o que sai da sua conta bancária? A primeira dica para sair do vermelho é entender por que você está nele.

    Muitas pessoas usam planilhas para auxiliar nesse momento de mapeamento, você pode inclusive fazer uma de acordo com as suas necessidades.

    Inclua salário, despesas fixas, despesas variáveis, lazer, e até dívidas.

    2 – Aprenda a controlar seus gastos

    Com a sua planilha organizada, vamos ao segundo passo: controle de gastos. Sabendo quanto são os seus ganhos, você consegue ter um maior controle de onde vai o seu dinheiro.

    É muito comum para as pessoas que gostam muito de gastar não gostem de olhar seus saldos, mas saiba que esse é um medo a ser superado. Para que você tenha um uso consciente do seu dinheiro, precisa saber quanto ainda sobra na conta, não é?

    3 – Corte o que é dispensável 

    Quando você colocar todos os gastos à vista e aprender a controlar seus gastos, vai poder ver com mais clareza onde não precisa gastar dinheiro. Comece tentando diminuir os pacotes que você já tem contratado, por exemplo: tv a cabo, internet, plano de celular.

    Se isso ainda não for suficiente para enquadrar seu orçamento, vamos ter que partir para algumas mudanças mais drásticas como eliminar dos seus gastos o que não é essencial para a sua vida (nem que seja por apenas alguns meses).

    Tome isso como uma atitude temporária até que você consiga melhorar a sua vida financeira.

    4 – Renegocie suas dívidas 

    Caso você perceba que as dívidas que você adquiriu estejam começando a apertar o seu orçamento, não deixe que isso vire uma bola de neve. Tome a frente da situação e renegocie o que precisar com as instituições financeiras correspondentes.

    Uma vez que seu orçamento entrar na linha, é a hora de colocar suas dívidas na linha. Converse com o banco e chegue a um valor que consegue pagar, mas lembre-se: ao renegociar uma dívida você precisa arcar com aquela responsabilidade.

    Assumir um novo valor que você ainda não pode pagar só vai piorar sua situação.

    5 – Venda itens que não precisa mais para ter uma renda extra

    O brasileiro tem alguns problemas com o desapego, mas em países como os Estados Unidos, por exemplo, é muito comum caminhar pelos condomínios e se deparar com os famosos Garage sale, que são itens à venda que os moradores da casa não querem mais.

    Com os imóveis cada vez menores, as pessoas acabam ficando sem espaço para novas aquisições e você pode resolver isso colocando itens que não usa mais à venda. A internet hoje possibilita que essa transação seja segura e fácil em sites como OLX, Enjoei ou até o Marketplace do Facebook.

    Esse dinheiro extra pode ser investido e multiplicado, o que pode dar uma turbinada no seu orçamento. Esse dinheiro também pode ir para a sua reserva de emergência, item essencial para quem quer estar sempre pronto quando o assunto é dinheiro.

    6 – Aprenda a investir seu dinheiro

    Uma das maneiras mais inteligentes de preservar o seu dinheiro e fazê-lo trabalhar por você é aprender a investir. Primeiro defina o seu perfil de investidor:

    • Conservador – não gosta de riscos e prefere rentabilidades regulares e às vezes pequenas, mas em longo prazo;

    • Moderador –  prefere correr um pouco mais de riscos em troca de retornos maiores e mais rápidos;

    • Agressivo –  corre altos riscos, de forma controlada, em troca de ganhos muito maiores em menos tempo.

    Depois de traçar o seu perfil, encontre os investimentos que se encaixam nele. Deixar o seu dinheiro parado na poupança é tão ruim quanto deixá-lo guardado debaixo do colchão, como as pessoas faziam antigamente.

    Isso porque a inflação é o pior inimigo do dinheiro parado: com o passar do tempo, o dinheiro desvaloriza e se ele não rende ao menos conforme a inflação, mais do que ganhar dinheiro você perde esse dinheiro.

    7 –  Invista na educação financeira

    Invista também seu tempo no seu aprendizado. Aposte em cursos online com certificado sobre temas que te ajudem a cuidar melhor do seu dinheiro, como finanças pessoais, administração contábil, entre outros.

    Você pode fazer tudo isso online, em videoaulas com materiais exclusivos. O cuidado com o orçamento familiar deve existir sempre, mesmo quando não temos um alto poder aquisitivo.

    Quanto mais organizado você for, melhor vai viver e mais preparado vai estar para lidar com as adversidades que aparecerem.

    Gostou das dicas? Comece a colocar tudo em prática e prepare-se para ter uma vida financeira mais saudável.

     

    Convidados

    O que é e como funciona a filosofia buy and hold?

    16 de julho de 2020

    O que é e como funciona a filosofia buy and hold?

    Você com toda certeza já deve ter ouvido falar da filosofia Buy and Hold por aí. Talvez não tenha visto por esse nome em específico, mas sabe o que significa na prática e assim que começarmos a explicar vai se lembrar.

    A filosofia Buy and Hold é uma aplicação de longo prazo, mas não uma aplicação de longo prazo qualquer, onde você escolhe uma empresa que ache confiável coloca na sua carta de ações e deixa ela lá eternamente.

    Buy and Hold é um método utilizado pelos maiores investidores da Bolsa de todos os tempos, dentre eles encontramos Warren Buffett, Walter Schloss e Luiz Barsi Filho. Mas eles não chegaram onde estão por terem sorte, eles estudaram as empresas nas quais decidiram investir e aplicaram seus recursos.

    Durante este artigo vamos trazer as principais características da filosofia Buy and Hold, suas vantagens e como investir nesse método. Mas esteja atento, só porque pode ser um bom investimento, não quer dizer que seja bom para você.

    É importante ressaltar que antes de investir você precisa entender qual o seu perfil de investidor e quais os seus objetivos ao investir, para que assim você não perca seus recursos e seu tempo.

    O que é uma Buy and Hold?

    Buy and Hold significa em uma tradução livre, “comprar e segurar”. Mas o que isso significa na prática? É apenas comprar ações de uma determinada empresa e manter ela eternamente, assim como qualquer outro investimento de longo prazo?

    Não. E, é aí que muitos pecam e perdem muito dinheiro.

    É fato que ao investir nessa filosofia, você está automaticamente investindo em um método a longo-prazo. Porém, as coisas não são tão simples assim. Para que você consiga obter os lucros que almeja, é de extrema importância fazer uma boa análise do mercado e um estudo adequado das empresas que deseja investir.

    Como a filosofia Buy and Hold funciona?

    Há várias coisas que definem o método Buy and Hold como um bom investimento, o mais conhecido dentre eles são as taxas ao realizar transações, como corretagens, emolumentos, impostos e afins.

    Quanto menor for o número de transações feita por você, maiores serão os seus lucros. Muitos acabam perdendo boa parte dos seus lucros por efetuarem muitas transações sem estudar os melhores meios para obter bons lucros.

    O day-trade é uma opção de investimento? Sim, é. É uma opção que pode gerar bons retornos financeiros? Sim, pode ser. Mas como em todo investimento, acontece também no método Buy and Hold, você deve pensar antes de agir. Analisar qual é seu objetivo para não investir de maneira errônea.

    Não estamos aqui para dizer que Buy and Hold é o melhor jeito de investir, e você deve investir assim. Estamos aqui para dizer o que é essa filosofia, quais as vantagens dela e como você pode investir nela, se esse for o seu desejo.

    Quem vai dizer qual meio de investir é melhor, é você mesmo. Porque, a melhor maneira de investir é investir de acordo com seu perfil e com os objetivos que você traçou.

    Mas, voltando ao nosso assunto principal. Investir em Buy and Hold, é recomendado para aqueles investidores que desejam obter lucros a longo-prazo, que almejam se tornarem sócios de alguma empresa e fazerem parte dos retornos futuros que a empresa irá obter, e não apenas recolher um bom lucro financeiro com o aumento do preço das ações.

    Muitos investidores que decidem por utilizar essa filosofia, usufruem da Análise Fundamentalista para estudar as empresas que possivelmente podem investir.

    Realizar uma análise fundamentalista é basicamente, assim como o nome mesmo indica, efetuar uma análise minuciosa e completa sobre uma empresa para saber se ela é, ou não, uma boa possibilidade para aplicar seus recursos.

    Outro fator que não pode ser confundido ao investir por Buy and Hold, é no lugar do “hold” você usar o termo “forget”. O que isso quer dizer? Nós falamos sobre isso no início deste artigo.

    Forget significa esquecer, quando se investe em Buy and Hold, você não deve esquecer as suas ações eternamente. Pelo contrário, você deve acompanhá-las constantemente.

    O termo hold, como falamos significa segurar. Isso quer dizer que você deve manter aquelas ações enquanto elas são favoráveis para você. Como é um investimento de longo-prazo, e por mais que acreditamos que as empresas tendem a crescer com os anos.

    Elas também podem mudar suas filosofias ou coisas do tipo, o que pode tornar esse investimento menos atrativo para o seu perfil. Então se esse for o tipo de investimento que você busca, não se esqueça dele na gaveta. Tenha ele sempre em mão e dê uma verificada ocasional.

    Quais as Vantagens em investir pela filosofia Buy and Hold?

    Dentre as principais vantagens oferecidas ao se investir na filosofia nós temos:

    Menor gasto em taxas de transações, por ser um investimento de longo-prazo, o investidor não ficará perdendo seus lucros com transações constantes como é feito nos investimentos day-trade por exemplo.

    Receber dividendos, mais uma vez por ser uma aplicação de longo-prazo, você deve acreditar e confiar, que a empresa escolhida lhe proporcionará ótimos dividendos. É claro que essa confiança não é cega, você confia porque realizou uma análise minuciosa da empresa e por isso, este é um investimento que podemos caracterizar como bem estruturado, um que passou por uma análise fundamentalista.

    Voltando aos dividendos, eles são uma porção do lucro da empresa em um tempo determinado. Com o tempo esses dividendos são divididos entre os acionistas. Mas não fique tão alegre, os valores não são tão altos assim, além de ser preferível que você use esse valor para reinvestir na empresa. Com isso, futuramente você terá mais participação na empresa, o que lhe proporcionará mais ganhos quando receber os dividendos.

    Uma estratégia de longo-prazo, é bem óbvio isso, mas se feito corretamente é uma vantagem para o investidor. Por ser um investimento de longo-prazo que exige uma análise fundamentalista do mercado e das empresas, você conseguirá escolher empresas que não sejam apenas boas, mas sim excelentes.

    São empresas excelentes que se investe quando pensa em Buy and Hold, uma empresa que ofereça um leque gigantesco de boas coisas como: estrutura de dívidas, aumento do preço das ações, aumento do valor patrimonial, entre os benefícios oferecidos.

    Não precisa de acompanhamento diário, ao contrário dos investimentos menos estruturados e dos day-trade, investir em Buy and Hold não exige que seu investidor acompanhe as variações do mercado diariamente. Mas como falamos antes, isso não quer dizer que você deve esquecer de suas ações, faça acompanhamentos ocasionais de acordo com seu perfil e objetivos como investidor.

    Desvantagens em investir pela filosofia Buy and Hold?

    É necessário ter paciência. Sim, paciência é a primeira questão que temos como uma desvantagem em investir por essa filosofia. Isso porque grande parte dos investidores e em especial os investidores iniciantes, dispõem de muita ansiedade ao investir.

    Desejam lucros imediatos e começam a surtar quando as ações caem um pouco, o que não é a principal preocupação quando se investe em Buy and Hold.

    A empresa escolhida pode não ser uma boa opção no futuro. Outra desvantagem nessa filosofia é que nunca se sabe como a empresa vai estar no mercado no futuro. Mesmo realizando uma análise fundamentalista do mercado, é possível que no futuro a empresa não seja mais um bom investimento e que não cresça como era esperado.

    Venda quando a perda nos fundamentos. Quem investe em Buy and Hold, não focam somente no preço que as ações terão no futuro. Essa nem mesmo é a maior preocupação dos investidores, porque eles investem por acreditar que a empresa irá crescer, ampliar seu valor patrimonial, dentre tantas outras características.

    Assim, quando o investidor decide vender as suas ações, pode ser que o valor das mesmas, estejam baixas a muito tempo. Por isso é importante verificar as suas ações ocasionalmente e verificar também o andamento da empresa, para ver se ela ainda está de acordo com os padrões pelos quais você a escolheu.

    Como ser bem-sucedido ao investir no Buy and Hold?

    Efetuar uma análise fundamentalista. Como falamos várias vezes no decorrer desse artigo, a principal atitude que determinará se você vai fazer um bom investimento ou não, é realizar uma análise minuciosa do mercado e da empresa que deseja investir.

    É comum nos outros tipos de investimento, realizar apenas uma análise técnica da empresa, ver quais as vantagens que as suas ações oferecem e como elas estão caminhando nos pregões. Mas no Buy and Hold, é exigido que se faça uma análise fundamentalista para reduzir os erros ao investir na empresa escolhida.

    Acompanhar as ações ocasionalmente. Por ser um investimento a longo-prazo, muitos acabam deixando as ações escondidas no fundo de uma gaveta. Mas é muito importante acompanhar as ações ocasionalmente, para que assim você reduza as perdas que podem surgir.

    É importante continuar os estudos sobre o mercado e as empresas que você investiu, não precisa ser um estudo diário, mas deve ocorrer de tempos em tempos para que assim você esteja sempre verificando se a empresa escolhida ainda está de acordo com seu perfil e objetivos.

    Seja paciente. Como nós falamos, ser paciente pode ser uma desvantagem já que muitos investidores não conseguem se controlar. Então se você busca investir em Buy and Hold, seja paciente. Análise o mercado, a empresa escolhida e como suas ações estão se saindo, mas não seja precipitado, ande de acordo com seus objetivo e perfil.

    Se você não é do tipo de investidor que consegue ter paciência ao investir, busque outros meios que se encaixem melhor no seu perfil. Existem várias outras formas para se investir, você não é obrigado a investir em Buy and Hold, então pesquise o que é melhor para você, entenda o seu perfil. Se você tiver alguma dúvida sobre o seu perfil, leia outros artigos nossos que possam te ajudar.

    Diversifique o investimento. Sempre é importante que uma das melhores estratégias ao investir, é diversificar a sua carteira de investimentos. Assim, busque diversificação na hora de aplicar, não coloque todo o seu dinheiro em um lugar só.

    Como investir na filosofia Buy and Hold?

    Para investir na filosofia é preciso paciência e deixar que os juros compostos realizem seu trabalho por você. Com isso, você conseguirá comprar suas ações e as manter por um longo período de tempo.

    Para investir você vai precisar também de uma Corretora de Valores. Não escolha qualquer corretora, até nisso você tem que pensar ao investir. Hoje existem várias corretoras no mercado, então é necessário escolher a que melhor atenderá a você. Observe o nome dela no mercado e veja como ela trata os seus clientes.

    Se você é um novo investidor queremos te ajudar a entender esse novo mundo no qual você deseja investir, com isso, o www.investidor10.com.br oferece a você vários artigos que podem te ajudar a entender essa nova realidade.

    Por meio da Home Broker da corretora escolhida, você conseguirá realizar as suas transações. Seja consistente ao investir, e sempre busque reinvestir os lucros obtidos nas empresas que estão os gerando.

    Outro detalhe importante é que acompanhando o mercado ocasionalmente, além de você ter menos chances de perder tanto dinheiro, você também tem a oportunidade de investir novamente na empresa já escolhida quando suas ações estiverem mais baixas.

    Como já falamos aqui, o valor das ações não é principal fator que leva a pessoa a investir em Buy and Hold, assim, ter as ações em baixa podem ser uma oportunidade de investir mais na empresa.

    Ressaltando que é sempre importante estar atualizado sobre seu investimento, se a empresa escolhida ainda está de acordo com seus objetivos e seu perfil. Jamais invista cegamente em algo, sempre estude sobre o assunto antes. Essa é a maior e mais importante dica que podemos dar a vocês.

    Mais uma vez é um prazer ter você aqui conosco, deixe seu comentário e suas perguntas. É sempre um prazer poder ajudar você.

    Convidados

    Conheça 10 profissões em alta mesmo na crise

    24 de junho de 2020

    Conheça 10 profissões em alta mesmo na crise

    A pandemia causada pelo Covid-19 parou o mundo e é responsável por uma grande crise financeira mundial. Além nos números de mortes que crescem diariamente, a economia de todos os países está em colapso.

    Muitos profissionais tiveram seus salários reduzidos e outros até perderam seus empregos, pois a maioria dos setores considerados não essenciais estão com as portas fechadas.

    Então como escolher uma profissão promissora nesse momento?

    Como solução para a resposta, preparamos tópicos com as profissões que já vem se desenvolvendo a um tempo e em crescimento mesmo em meio ao período que nos encontramos.

    A seguir conheça as 10 profissões que estão em alta mesmo na crise.

    1.  Programação

    O home office está em alta, assim como o uso constante das ferramentas digitais, por isso, ser programador é bem promissor em tempos de crise.

    Isso porque este profissional, que possui domínio de diferentes linguagens de programação, pode vir a ser um dos responsáveis em fazer um sistema rodar, sem parar, sem deixar as pessoas na mão, como por exemplo um sistema utilizado em bancos, ou até mesmo em aplicativos que você precisa usar diariamente.

    2.  Web designer

    O web designer é mais uma profissão que permanece em alta mesmo na crise, afinal é o profissional responsável por criar sites e deixá-los com melhor aspecto visual.

    Com a popularização da internet, a concorrência online está cada vez maior. Então, para se destacar na área, muitas empresas investem nesses profissionais a fim de alcançar novos públicos e ampliar seus negócios.

    3. Social Media

    Para enfrentar a crise, muitos profissionais e empresas estão investindo em diversas técnicas de marketing digital. E aproveitar as redes sociais para divulgar produtos e serviços está cada vez mais popular.

    O Social Media é o gestor de redes sociais, ou seja, o responsável pelo funcionamento e atualização de uma ou diversas redes sociais.

    Com muitas empresas ampliando seus horizontes através da divulgação online, essa é uma profissão que permanece em alta mesmo na crise.

    4.  Assistente técnico em celulares, tablets e notebooks

    Com muitas empresas adotando o sistema home office, os celulares, tablets, notebooks e PCs se tornaram as principais ferramentas de trabalho.

    É certo que tudo o que é usado constantemente precisa de manutenção e por isso os técnicos responsáveis por consertar esses aparelhos também estão em alta nesse momento de crise.

    5.  Instalador de energia solar

    Ficar em casa 24 horas, que antes parecia algo relaxante, acabou se tornando motivo de preocupação, pois todos em casa geram alguns gastos extras. Isso porque o uso de aparelhos eletrônicos para o trabalho e lazer aumenta os gastos com energia.

    Por isso, algumas pessoas optam por utilizar a energia solar como forma de economizar com gastos em contas de luz. E com o aumento pela procura dos serviços, o instalador de energia solar está se tornando uma das profissões em alta mesmo na crise.

    6.  Revendedor de produtos importados

    A venda de produtos importados pode ser altamente lucrativa mesmo na crise, principalmente se você investir em uma loja virtual.

    Com a facilidade da internet é possível fazer todo o processo online e enfrentar a crise lucrando com a venda de importados online.

    7. Profissionais da saúde

    Como são os profissionais que estão na linha de frente no combate à pandemia, os profissionais da saúde estão em mais que em alta no momento. O mundo parou para aplaudi-los e a valorização destes profissionais aumentou.

    Então, se você gosta da área de enfermagem, medicina, entre outros, esse é o momento para investir na área.

    8. Biotecnologia

    Durante a crise, o mundo todo está voltado para a descoberta de uma vacina eficaz contra o Covid-19, por isso a área de Biotecnologia está super em alta.

    Além disso, esse profissional pode atuar em indústrias, encontrando soluções mais rentáveis para a criação, transformação e conservação de produtos alimentícios, farmacêuticos e cosméticos.

    9. Agronegócio

    As profissões na área do Agronegócio permanecem em alta mesmo na crise, pois essa é uma das áreas essenciais que não pode parar. Afinal, é preciso atender as altas demandas da população que continua precisando de alimentos diariamente.

    Entretanto, é preciso de profissionais especializados para driblar os efeitos negativos da crise. Por isso, os bons profissionais da área estão se destacando nesse momento.

    10. Logística

    Para enfrentar a crise é preciso usar todas as estratégias possíveis e o profissional de logísticas é o responsável por estratégias que reduzam os gastos e aumentem os lucros.

    Em outras palavras, ele vai eliminar aquilo que gera gastos extras e oferecer um produto ou serviço exemplar com o menor custo.

    Por isso, concluísse que essa é mais uma área que está em alta nesse período de crise.

    E essas foram as profissões mais promissoras do momento.