‘Poupar’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: poupar

    Convidados

    Onde investir sua reserva de emergência?

    26 de junho de 2019

    Poupança da Caixa, Tesouro Selic, fundo DI ou CDB? Conheça as diferenças entre os três produtos recomendados para o seu colchão de liquidez

    Quanto rende a Poupança da Caixa?

    As emergências sempre acontecem, então você provavelmente não espera chegar em casa e ver que a geladeira estragou, perder o emprego da noite para o dia ou sofrer um acidente de carro e ter que arcar com os custos, ainda que a culpa não tenha sido sua.

    Imprevistos não têm hora certa para aparecer. E é por isso que, tão importante quanto pensar no médio e no longo prazo e alcançar a desejada independência financeira, é preciso ter um olhar permanente sobre o presente para estar sempre prevenido para o pior, para os riscos a serem enfrentados ao longo do caminho. Tal seguro responde pelo nome de reserva de emergência.

    Monte sua reserva de emergência assim que possível!

    “Reserva de emergência é aquele valor que deve ficar à sua disposição. É um fundo ou um ativo que deve ter alta liquidez, ou seja, que você consiga transformar rapidamente em dinheiro”, resume Jorge Luis Prado, assessor de investimentos no escritório Sal Investimentos.

    A proposta de garantir que uma parcela do portfólio esteja constantemente em aplicações mais líquidas, isto é, com possibilidade de resgate no curtíssimo prazo (preferencialmente no próprio dia ou no seguinte ao pedido), gera segurança para o investidor e previne erros. Em caso de emergência, não é preciso comprometer produtos mais voltados para o longo prazo que, muitas vezes, podem penalizar o investidor se o resgate acontecer antes do tempo, seja por conta de uma tributação elevada ou até de prejuízo.

    Ter sempre uma poupança também pode evitar um endividamento desnecessário, no qual se recorre às elevadas taxas de juros de bancos para saldar dívidas emergenciais. É um dinheiro caro e que a pessoa não poderá deixar rendendo, segundo Lucas Paulino, especialista em investimentos na plataforma Mais Retorno.

    Qual deve ser o tamanho da reserva de emergência?

    Não há uma quantia exata a ser reservada para imprevistos, já que o valor pode variar conforme a renda e o custo de vida da pessoa, dentre outros fatores, porém uma estimativa que pode ajudar a se programar financeiramente.

    Para alcançar uma cifra próxima do ideal para sua reserva, basta multiplicar as suas despesas médias mensais por seis. Esse valor deve incluir gastos com cartões de crédito, supermercado, luz, celular, mensalidades com serviços de streaming e academia, por exemplo. Os mais conservadores podem aumentar o piso de reserva para 12 meses ou quantos mais julgarem necessários. O importante é se sentir minimamente seguro para bancar imprevistos.

    A economia, todavia, não será consolidada de uma hora para a outra. Por isso, a orientação que agentes autônomos dão aos seus clientes é guardar entre 5% e 10% da renda todo mês. “O investidor não deve se frustrar por ser um pequeno valor; no Tesouro Direto, por exemplo, ele consegue investir R$ 30”, afirma Prado, da Sal Investimentos. E completa: “O efeito dos juros compostos vem com o tempo”.

    Onde não investir?

    Poupar dinheiro e investir em bons produtos ainda hoje é um dos grandes desafios da educação financeira no país. O brasileiro poupa pouco. Ele poupa o que sobra, e quando sobra. Quando consegue economizar, deixa o dinheiro em produtos com baixa rentabilidade.

    O contexto atual da economia também não está ajudando. De acordo com dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), apenas dois em cada 10 brasileiros conseguiram poupar em abril.

    Dentre os que conseguiram investir no período, 65% optaram pela caderneta de poupança, que rendeu apenas 1,87% neste ano até maio. Pior ainda, 25% dos poupadores deixaram o saldo reservado em casa, sem rendimentos, e 20% ficaram com o dinheiro parado em conta corrente.

    Apesar de ter o dinheiro a mão em caso de emergências, o investidor que recorre à poupança, ao colchão ou à conta corrente está tendo prejuízo sem nem perceber, por conta da inflação. Neste ano até maio, o Índice Nacional de Preços do Consumidor Amplo (IPCA) acumula alta de 2,22%, superior, portanto, que o retorno da caderneta.

    Onde investir sua reserva?

    De olho em investimentos que combinem acessibilidade, liquidez, segurança e rentabilidade adequada para a finalidade, é possível recorrer a três tipos de produtos em caso de reserva de emergência: Tesouro Selic, CDBs e fundos DI. Confira a seguir as principais diferenças entre eles.

    Tesouro Selic

    O Tesouro Selic é o título público mais conservador do Tesouro Direto, com retorno pós-fixado indexado à taxa Selic, atualmente em 6,5% ao ano. A rentabilidade anda lado a lado com o CDI, o referencial das aplicações mais conservadoras. “O papel tem a garantia do Tesouro Nacional e o dinheiro fica disponível em D+1”, destaca Paulino, da Mais Retorno, em referência ao prazo de liquidação do investimento.

    Uma das grandes vantagens, diz, está nas condições de preço e rentabilidade, que são as mesmas em qualquer instituição financeira. E o valor do investimento é bastante acessível. Nesta terça-feira (25), por exemplo, o valor mínimo para aplicar no Tesouro Selic era de R$ 101,67, em meio à possibilidade de se comprar uma fração do valor cheio do título, de R$ 10.167.

    O único custo obrigatório que recai sobre o Tesouro Direto é a taxa de custódia, paga à B3 e cobrada semestralmente, com valor anual de 0,25% ao ano. A taxa de administração é opcional e já foi eliminada há tempos pelas principais corretoras de valores e até por grandes bancos. Mesmo assim, das 57 instituições financeiras habilitadas pelo programa, metade cobra a tarifa. Por isso, vale prestar atenção à plataforma selecionada.

    Em termos tributários, há cobrança de Imposto de Renda com alíquotas que seguem uma tabela regressiva, que varia de 22,5% para resgates feitos em até 180 dias depois da aplicação, à taxa mínima de 15%, para liquidações realizadas a partir de 720 dias.

    CDB

    Outra boa opção para a reserva de emergência está nos Certificados de Depósitos Bancários, desde que sejam respeitadas pelo menos duas condições. A primeira delas está na liquidez. A maior parte dos CDBs não oferece a possibilidade de resgate antecipado (antes do vencimento final), portanto, atenção a esse ponto. O produto só vai funcionar como colchão de liquidez se ele permitir a você resgatar o dinheiro na hora desejada.

    A segunda condição diz respeito ao retorno. Como você já sabe que o Tesouro Selic entrega rentabilidade próxima de 100% da Selic (o que significa perto de 100% do CDI), o CDB só será uma boa alternativa para sua reserva se, além da liquidez diária, ele oferecer retorno igual ou superior a 100% do CDI.

    O valor da aplicação varia conforme o banco emissor e a plataforma de investimento, mas costuma ser maior que o exigido no Tesouro Direto. Não há taxa de custódia sobre os CDBs, mas, da mesma forma como nos títulos públicos, há a incidência de Imposto de Renda sobre o lucro, conforme a tabela regressiva de renda fixa.

    Ainda que os títulos públicos sejam o produto mais seguro da economia brasileira, vale lembrar que os CDBs têm a seu favor a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), no valor de até R$ 250 mil por CPF e instituição, em caso de quebra do banco emissor.

    Fundo DI

    Terceira e última opção para a reserva de emergência, os chamados fundos DI precisam destinar 95% do patrimônio a ativos que busquem acompanhar as variações do CDI ou da taxa Selic. Na prática, quando você investe em um fundo DI, você está alocando o capital essencialmente em Tesouro Selic.

    Por isso, só fará sentido utilizar a alternativa em vez de aplicar diretamente no título público se a taxa de administração do fundo for menor que 0,25% ao ano. É fundamental lembrar ainda que o produto está sujeito à cobrança de come-cotas, que corresponde a uma antecipação obrigatória do Imposto de Renda sobre a aplicação. A tributação é a mesma do Tesouro Selic e dos CDBs.

    As opções são interessantes para a formação de uma reserva de emergência. Ainda que existam variações de retorno, elas são, de maneira geral, pouco expressivas. O fundamental é não se esquecer da proteção a qualquer momento.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Portabilidade de crédito: descubra como poupar dinheiro com seu empréstimo atual

    12 de março de 2019

    Quem toma um empréstimo muitas vezes é porque necessita de dinheiro
    imediato ou tem alguma emergência.
    Diante dessa situação, nem sempre há tempo suficiente para pesquisar por
    todas as modalidades disponíveis ou de pesquisar em mais de uma instituição
    financeira, a fim de obter a melhor proposta de crédito.

    Geralmente, os consumidores procuram os bancos em que já tem
    relacionamento. Mas é preciso ficar atento, porque mesmo com condições
    exclusivas para quem é correntista, outro banco pode ter uma oferta mais
    vantajosa.

    Mas a boa notícia é que, mesmo com um empréstimo em andamento, ou
    seja, um contrato assinado com determinado banco, ainda é possível
    economizar dinheiro com o empréstimo atual.

    E mais do que isso: em alguns casos, ainda é possível ter dinheiro, sem a
    necessidade de fazer um novo empréstimo.
    Mas como? Trocando uma dívida mais cara, por uma mais barata.
    E como isso funciona na prática?

    O que é portabilidade de crédito?

    Através da portabilidade de crédito, os consumidores podem levar a dívida
    de um banco para o outro.
    Uma das vantagens, é claro, é pagar mais barato, economizando dinheiro ao
    pagar taxas de juros mais baratas.
    De forma simplificada, com taxas de juros menores, o Custo Efetivo Total (CET),
    que é o valor total pago por um empréstimo, por exemplo, é reduzido.
    Em outras palavras, isso significa que o tomador da dívida deixará de pagar ou
    de desembolsar a mais.

    Com a portabilidade, o banco compra a dívida atual e a quita antecipadamente
    junto ao banco emissor.
    A partir dessa quitação, o banco atual emite novo contrato para o titular da
    dívida. Nessa operação, ainda é possível refinanciar a dívida, ou seja, voltar o
    contrato para o seu prazo original e ainda obter um troco como crédito.

    Quais dívidas podem ser compradas pelos bancos?

    A portabilidade de crédito se aplica a toda linha de crédito pessoal.
    Exemplos: crédito imobiliário, empréstimo consignado, financiamentos de veículos.

    A exceção é para os contratos de leasing (em que o período de permanência no
    banco original é maior, em função do bem financiado ser tido como garantia no
    caso de inadimplência).

    Outro ponto importante é que, para fazer a portabilidade da dívida, é preciso
    ter, em média, de 20% a 30% do contrato atual pago.
    Para avaliar todas as condições disponíveis, é recomendado consultar o banco
    para o qual pretende transferir a dívida.

    A política de crédito de uma instituição para outra pode variar bastante. Isso
    inclui dizer que a taxa de juros assim como o CET também. Portanto, vale a pena
    pesquisar antes de fechar qualquer negócio ou de vender sua dívida para
    qualquer banco.

    Então, se você tem um contrato de empréstimo, independente do valor e do
    prazo para quitação e quer poupar dinheiro, a portabilidade de crédito pode ser
    uma alternativa.

    Deixe de pagar taxas de juros mais caras. Troque sua dívida mais cara por uma
    com juros mais baixos. Faça escolhas financeiras que podem ajudar a garantir o
    seu futuro!

    Por Danielle Vieira | Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e, decidiu ajudar as pessoas através da educação financeira. Hoje faz isso atuando no marketing da bxblue, fintech acelerada pela Y Combinator e escrevendo em alguns portais.

    bxblue

    Convidados

    Poupar dinheiro: entenda a importância que poupar dinheiro tem sobre sua vida

    10 de outubro de 2018

    poupar-dinheiro-porquinho-moedas

    Desde muito pequenos aprendemos o quão importante é poupar dinheiro, seja ele destinado para a compra de um presente no final do ano ou para uma futura graduação. Esse aprendizado é algo de suma importância e que será essencial para o futuro daquele que está poupando, afinal, quanto mais cedo se começa a poupar mais bem preparado para o futuro se estará.

    Quando se deixa a prática de poupar de lado é difícil fazer planos ou se livrar de acontecimentos emergenciais como, por exemplo, a mudança de um emprego ou a necessidade de viajar para um cidade distante. É nesse momento que uma bola de neve se forma, onde dívidas, empréstimos e um nome sujo acaba sendo o resultado final.

    Considerando o cenário econômico em que estamos vivendo e o fato de que ninguém quer como resultado os acontecimentos citados anteriormente, poupar dinheiro se torna algo importante e que não se pode deixar para depois. É de se esperar que você fique um pouco perdido no começo e se pergunte por onde começar, por isso, é importante que você tenha em mente, principalmente, o por que guardar dinheiro.

    VANTAGENS DE GUARDAR DINHEIRO

    O hábito de guardar dinheiro se trata de muito mais do que apenas economizar, significa, principalmente, ter uma segurança e evitar o gasto irresponsáveis em outras coisas. Quando você perde o hábito de poupar acaba gastando mais do que ganha e, com isso, sua liberdade financeira acaba se perdendo, já quando esse hábito se torna frequente aquisições se tornam seguras e sonhos se tornam reais como, por exemplo, aquela cirurgia de abdômen que você tanto pesquisa ou aquela viagem para o exterior que você sempre programa mas nunca consegue realizar.

    PASSOS QUE TE AJUDARÁ A ECONOMIZAR DINHEIRO

    Ter um bom planejamento financeiro é a chave para economizar dinheiro, pois, é ele que te ajudará a cumprir seus compromissos financeiros e alcançar suas metas econômicas. Quando você se compromete a economizar uma porcentagem de sua renda além da força de vontade você precisará ter foco para que seu plano seja honrado e para que sua poupança renda o tanto esperado.

    Firmar um compromisso com você mesmo é outro passo importante para uma boa economia e, quando essa economia é percebida em realizações, o desejo de alcançar objetivos maiores é despertado e, é nessa hora que você poderá aumentar a sua porcentagem de economia por mês, dobrando sua poupança e tendo um resultado final ainda maior.

    Planilhas e anotações poderão ser úteis na hora de determinar o que foi gasto e determinar o que será guardado, mesmo os pequenos gastos devem ser considerados e anotados para que no final sua meta e seu planejamento seja cumprido.

    A saúde financeira, querendo ou não, é o principal fator para que cada pessoa tenha uma vida satisfatória e repleta de realizações. Economizar, poupar e se planejar significa em outras palavras liberdade para ser quem você quiser e viver como desejar.

    Geral

    CNBC: 5 sinais de que você não será um milionário

    6 de junho de 2018

    A meta de muitas pessoas é conseguir a independência financeira e se tornar um milionário, entretanto, será que você está no caminho certo para ficar rico? O seu comportamento não ajuda? Para ajudar as pessoas a descobrir, o CNBC reuniu alguns sinais de alerta a serem observados.
    fonte: 6 signs you won’t be a millionaire

    Sinais que você está rico, mesmo que não se sinta assim

    Para quem está cometendo rotineiramente esses erros, pode ser hora de fazer algumas mudanças

    A situação de cada um é diferente, mas se alguém está cometendo rotineiramente esses erros, pode ser hora de fazer algumas mudanças quando se trata de administrar seu dinheiro.
    Veja as dicas a seguir:

    Você não tem objetivos financeiros

    “A razão pela qual a maioria das pessoas não consegue o que querem, é que elas não sabem o que querem”, escreveu o milionário T. Harv Eker em seu livro “Os Segredos da Mente Milionária”.

    Se você quer construir riqueza, você tem que ter um objetivo claro, assim como um plano específico e prazos rígidos. E quando você está estabelecendo metas, não tenha medo de pensar grande. Os ricos querem muito e estão prontos para um desafio.

    Você ainda não começou a investir

    Investir é uma das formas mais simples e eficazes de construir riqueza e quanto mais cedo você começar, mais fácil será atingir sete números. “Em média, os milionários investem 20% de sua renda familiar a cada ano. Sua riqueza não é medida pela quantidade que ganham a cada ano, mas pela forma como economizaram e investiram ao longo do tempo, segundo consultor financeiro Ramit Sethi.

    Se você não sabe como começar a investir, saiba que com cerca de R$ 30 já é possível aplicar em títulos públicos do Tesouro Direto. Claro que há outras opções mais rentáveis, mas esta é uma boa porta de entrada, que oferece um rendimento bem superior ao da poupança.

    Você geralmente fica na zona de conforto

    A pessoa mediana quer estar confortável. Pessoas ricas, por outro lado, são estimuladas pela incerteza. “O conforto físico, psicológico e emocional é o principal objetivo da mentalidade da classe média”, escreve Siebold. Segundo ele, oas pessoas de sucesso aprenderam desde cedo que se tornar um milionário não seria fácil e a necessidade de conforto só atrapalha nesse processo. Os ricos aprendem a se sentir confortáveis mesmo em estado de contínua incerteza.

    Você acha que ser rico é apenas para alguns sortudos

    Se você acha que ficar rico está fora do seu alcance, você provavelmente não vai conquistar sua liberdade financeira. “A verdade é que, em um país capitalista, você tem todo o direito de ser rico se estiver disposto a criar valor maciço para os outros”, explica Siebold. Então, comece a se perguntar: “Por que não eu?” Afinal, é isso que os milionários e bilionários fazem.

    Você prioriza o poupar ao invés do ganhar

    Enquanto as pessoas ricas valorizam a importância de poupar e investir, elas também reconhecem que a chave para ficar rico é se concentrar em ganhar. “As massas estão tão concentradas em viver de promoções e ter um estilo de vida simples, mas perdem grandes oportunidades”, escreve Steve Siebold em seu livro How Rich People Think (Como os ricos pensam).

    “Mesmo no meio de uma crise de fluxo de caixa, os ricos concentram sua energia mental em ganhar dinheiro”, diz. Você não deve ignorar as estratégias inteligentes de economizar dinheiro. Mas se você quiser atingir sete números, “pare de se preocupar com a falta de dinheiro e se concentre em como ganhar mais”, diz Siebold.

    Até mais.

    Convidados

    Business Insider: Tenho 27 anos e poupei $ 200,000 – aqui estão os melhores conselhos que posso dar sobre o dinheiro

    4 de outubro de 2017

    I’m 27 and I’ve saved $200,000 – here are the 7 best pieces of advice I can give you about money
    man suit wealth

    O sonho de muitos profissionais é conseguir poupar dinheiro para se aposentar cedo, viajar ou ter uma vida mais confortável. Esse é o objetivo do “The Money Wizard” (“O Mago do Dinheiro”, em tradução livre) – nome de seu blog sobre finanças e de seu pseudônimo porque prefere não revelar seu sobrenome verdadeiro. Com 27 anos, ele conseguiu poupar US$ 200 mil, cerca de R$ 630 mil, economizando e fazendo investimentos.
    “Com esforço consigo poupar 60% do meu salário e estou planejando ter um portfólio de US$ 750 mil para me aposentar aos 37 anos. O Plano B é continuar guardando até 40 anos e o plano C é me aposentar uma década mais cedo do que a idade de aposentadoria “normal”, em torno de 50. Até agora, estou dentro do meu cronograma no plano A”, explica.

    A façanha de poupar muito dinheiro foi e está sendo alcançada porque ele teve essa consciência desde cedo. Aos 16 anos, o jovem morador do Texas, nos Estados Unidos, começou a juntar dinheiro. Ele tinha um trabalho braçal no campo para ajudar a família. “Eu trabalhava muito, mas teve um dia que foi especial. Era dia de pagamento e depois de meses, eu conseguiria juntar exatos US$ 500 [cerca de R$ 1.570] na minha conta bancária”, contou ao Business Insider.

    A ideia do jovem era aumentar esse valor ainda mais para poder começar a investir no mercado de ações. E dois anos depois ele atingiu esse objetivo. Com 18 anos já investia na bolsa de valores e começou a juntar ainda mais dinheiro. Ele, então, saiu do emprego no campo e começou a trabalhar em uma empresa pequena do mercado financeiro como analista. Mais um tempo se passou, foi aprendendo a investir e conseguiu manter uma quantia cada vez maior guardada. “Aos 25 anos, eu tinha US$ 100 mil, e aos 26, US$ 150 mil. E hoje, com 27 anos, economizei quase US$ 200 mil [cerca de R$ 630 mil]”, conta.

    Você pode pensar que ele é um gênio do mercado de ações ou um verdadeiro prodígio da área, mas ele nega. Segundo o blogueiro, seus investimentos em ações não deram um grande retorno em comparação com o mercado na época, e seu salário não era muito maior do que a renda média na sua cidade. “Na realidade, eu sou um cara normal com um trabalho decente, que teve a sorte de tropeçar em algumas dicas de dinheiro no início da carreira”, define. Hoje ele continua trabalhando no mercado financeiro e administra seu blog.

    O “Mago do dinheiro” selecionou algumas dicas sobre dinheiro que ele aprendeu durante essa jornada financeira.

    Confira a seguir:

    1) Escolha bem a sua carreira

    Fazer uma faculdade pode acarretar muitos custos, mas o jovem concorda com o bilionário Warren Buffett sobre a graduação: “o melhor investimento que você pode fazer é em você mesmo”.

    “Essa é a chave. Você precisa enxergar a faculdade como ela é: uma negociação de 4 anos para comprar uma carreira”, afirma. Segundo ele, é importante analisar o valor desse diploma. “Na hora de decidir qual curso você irá fazer avalie se você gosta e quais são as perspectivas financeiras dessa carreira. Alguns pagam bem, outros … nem tanto. Pesquise estatísticas salariais, converse com pessoas da área e participe de feiras de carreira”.

    Especialista em finanças e economia, o jovem encontrou um emprego rapidamente como analista financeiro, mesmo quando o mercado de trabalho estava instável. “Espero que o meu diploma estrategicamente escolhido continue a construir uma base para uma vida de ganhos”, afirma.

    2) Evite dívidas

    Uma vez que você está fora da faculdade e no caminho para ganhar dinheiro, o próximo passo é evitar a armadilha da dívida. “Simplificando: é impossível construir riqueza se você estiver pagando dívidas todos os meses, sejam de empréstimos ou de cartão de crédito”, explica. Tentar construir riqueza pagando juros é remar contra a correnteza. “Para evitar dívidas, comprei meu carro sem empréstimo, e apesar de usar cartões de crédito para ganhar as milhas de recompensa, nunca paguei um centavo de juro”, diz.

    3) Decida se seus gastos estão realmente fazendo você feliz

    Segundo o blogueiro, você sempre deve avaliar onde você coloca seu dinheiro. Por exemplo, uma casa com vários quartos faz sua vida mais feliz, ou só dá mais trabalho para cuidar e administrar?

    “Quando se trata do que você faz com o seu dinheiro, você está calculando os benefícios potenciais, ou está apenas seguindo o que seus amigos, a sociedade e a publicidade estão dizendo para você fazer?”, questiona.

    Ele diz isso porque escolheu morar em um apartamento bem simples para economizar dinheiro. E fez o mesmo com o carro, comprou um usado para não perder dinheiro. “Eu entendi que minha viagem seria a mesma com um carro de US$ 30 mil ou US$ 13 mil, então optei por gastar menos”, afirma.

    Você precisa saber quais são os gastos que podem ser cortados e quais valem a pena investir um pouco mais – se vão trazer mais conforto ou felicidade. Ou ainda, saber quais custo devem ser cortados – mesmo que seja um esforço – para alcançar algum objetivo financeiro mais para frente.

    4) Evite um estilo de vida caro

    À medida que vamos evoluindo na carreira é fácil querer gastar mais dinheiro com você mesmo. É difcil manter a disciplina fincanceira quando você tem mais dinheiro à sua disposição.

    Mas manter um estilo de vida caro pode ser um ciclo vicioso e só atrapalha a possibilidade de construir riqueza. É importante valorizar seus gastos: qual a vantagem em levar um estilo de vida luxuoso se você não tem um fundo de emergência ou nenhum dinheiro investido?

    “Em vez disso, reconheça que sua vida já é boa o suficiente e se mantenha firme poupando dinheiro. Se você quer um futuro saudável financeiramente é preciso administrar seu dinheiro desde já”, aconselha o blogueiro.

    5) A riqueza é construída através de consistência

    Depois de nem começar, um dos erros de investimento mais comuns que as pessoas cometem é investir de forma agressiva, segundo o blogueiro. “É um erro compreensível começar assim. Nossas mentes não são projetadas para entender intuitivamente o poder do juros compostos, e aí queremos começar ganhando muito dinhero rapidamente. É preciso ter paciência e aprender a investir”, afirma.

    Como resultado, muitos investidores iniciantes acham que a única maneira de se enriquecer é assumir riscos enormes. Eles fazem apostas ousadas no mercado de ações e ficam frustrados quando perdem dinheiro.

    “Quando olho para o meu caminho até agora, fico impressionado com algo simples. Eu não ganhei dinheiro com nenhuma estratégia ousada. Nem cheguei perto. Eu não criei uma empresa extremamente lucrativa, nem enriqueci rapidamente. Eu faço investimentos mais seguros. Eu optei por consistência. Meus investimentos rendem uma quantia menor, mas não perco dinheiro”, explica.

    Veja também:

    Os passos para ganhar mais dinheiro, de acordo com um milionário autodidata

    Até mais.

    Convidados

    Por que um seguro residencial pode te ajudar a poupar dinheiro?

    11 de setembro de 2017

    seguro-residencial-ajuda-a-poupar-dinheiro

    No Brasil, quando se fala em seguro, muita gente já lembra do seguro auto. Não é de se estranhar, já que o brasileiro é apaixonado por carros e um seguro nesse caso é indispensável. O que acontece também é que a maioria das pessoas nem pensa em fazer um seguro residencial e proteger a própria casa, por acreditar que deve custar caro.

    A boa notícia é que o preço de um seguro residencial não é calculado do mesmo jeito que um seguro auto, por isso sai bem mais em conta. Separamos algumas dicas sobre seguro de casa e por que você pode economizar uma grana investindo em um. Olha só:

    1 – Você recebe uma indenização em caso de roubo, furto ou acidentes

    O primeiro motivo que faz do seguro residencial um ótimo investimento é que se acontecer alguma coisa com sua casa ou com alguns dos seus bens, você conta com uma ajuda para cobrir o prejuízo.

    Existem coberturas para roubo e furto, incêndios, vendavais, queda de raios e muito mais. Assim, se alguém entrar na sua casa e levar alguma coisa ou até se a sua televisão queimar durante uma tempestade, você pode acionar o seguro e receber o valor dos itens de volta.

    2 – Você conta com assistências e economiza com mão de obra

    Quando você contrata um seguro residencial, geralmente tem alguns serviços à sua disposição, como encanador, eletricista, chaveiro e vidraceiro. Isso quer dizer que, em uma emergência, você pode acionar o seguro e o profissional vai até sua casa. Assim, você poupa o custo da mão de obra que, se contratado de forma avulsa, poderia sair bem salgado.

    Alguns seguros ainda oferecem assistências para facilitar o dia a dia, como troca de telhas, limpeza de caixa d’água, organização de móveis, revisão elétrica, instalação de olho mágico e muito mais. Isso pode significar uma grande economia de tempo e dinheiro, além de garantir a sua segurança e da sua família.

    3 – Você define o valor que deseja segurar

    Na hora de contratar o seguro da sua casa ou do seu apartamento, você é quem declara qual o valor máximo que vai receber pelas coberturas. Assim você tem um controle maior sobre quanto vai pagar pelo seguro.

    Com essas dicas, dá pra ver que vale a pena proteger sua casa, né? Mas é importante lembrar que, se você deseja investir em um seguro residencial, é preciso pesquisar bastante até encontrar o pacote ideal para as suas necessidades. Assim você paga só o necessário e não fica na mão.

    Convidados

    Quanto poupar por mês para aposentar milionário?

    29 de agosto de 2017

    A quantia pode ser inferior a R$ 300 se a pessoa começar desde cedo.

    Quanto poupar por mês para aposentar milionário?

    Ter uma conta milionária é, sem dúvida, o sonho de muitas pessoas. Seja para viver de renda e largar o emprego, viajar ou só curtir a vida. Melhor ainda seria se aposentar com uma conta bancária dessas, principalmente por se tratar de um período em que as pessoas já trabalharam e querem descansar em grande estilo. A pergunta, porém, é como fazer para conseguir isso?

    Segundo matéria do Infomoney dá para saber quanto e onde aplicar para atingir esta meta, isto é, quanto mais tempo a pessoa tiver até a data da aposentadoria, menos ela terá que poupar por mês – graças à ajuda dos juros compostos. Para isso foi elaborado uma tabela com os prazos de 45, 25 e 15 anos até a aposentadoria, a economia mensal necessária para alcançar o milhão e a taxa real de 7% a.a. e de 5% a.a.

    Além disso, por ser impossível prever a inflação daqui a 45 anos, foi calculado os valores de forma que o poder de compra seja mantido, ou seja, desconsiderando os efeitos da inflação. Desta forma, os valores da tabela consideram somente a taxa de retorno real, ou seja, o cenário em que R$ 1 milhão daqui a 45, 25 ou 15 anos equivale ao mesmo R$ 1 milhão de hoje.

    De acordo com a tabela, uma pessoa que ainda tem muito tempo para se aposentar (45 anos), pode economizar uma quantia mínima de R$ 280 ao aplicar em investimentos com taxa real de 7% a.a. Por outro lado, o valor mensal sobe para R$ 3.200 quando a pessoa só tem 15 anos até a aposentadoria. Já no meio termo, ou seja, com 25 anos até a aposentadoria, o valor é de R$ 1.250.

    Com relação às melhores aplicações para atingir R$ 1 milhão, Zamboni recomenda títulos do Tesouro Direto que atualmente pagam o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) mais 5% ao ano, como é o caso do “Tesouro IPCA+ com juros semestrais e vencimento em 2035” (antiga NTN-B), que neste momento paga uma taxa de 5,12% a.a.- valor que varia diariamente. Tais títulos são garantidos pelo Tesouro Nacional e preservam o poder de compra, pois pagam a inflação (IPCA) acrescida de uma taxa real.

    Para quem aceita um pouco menos de segurança, mas ainda assim quer uma aplicação em renda fixa, o assessor recomenda debêntures de infraestrutura emitidas por algumas empresas de energia, que chegam a pagar taxas entre 6% a.a. e 7% a.a. e são isentas de Imposto de Renda. Este tipo de título tem mais risco de crédito do que o Tesouro Direto, por isso, é importante avaliar a qualidade da empresa antes de comprá-lo.

    Já para quem pode abrir mão um pouco mais da segurança em troca de uma maior rentabilidade, Zamboni indica a exposição ao mercado de renda variável ou aos fundos multimercados.

    Veja abaixo as tabelas elaboradas:

    Prazo até R$ 1 milhão (anos) Economia mensal Taxa Real (a.a.)
    45 R$ 280 7%
    25 R$ 1.250 7%
    15 R$ 3.200 7%
    45 R$ 500 5%
    25 R$ 1.700 5%
    15 R$ 3.750 5%
    Geral

    Business Insider: Como um homem que tinha US$ 2 na conta ficou milionário em 5 anos

    2 de junho de 2017

    O blog Business Insider contou um belo “causo” de um um homem que tinha US$ 2 na conta ficou milionário em 5 anos. Hoje em dia ele está na casa dos 32 anos e tem aproximadamente US$ 1,35 milhão, cerca de R$ 4,5 milhões.

    Grant Sabatier 32 years old
    How a 31-year-old coder turned his side gig into a full-time business and banked $1 million in 5 years

    Após se formar na Universidade em 2007, Grant Sabatier não pensava em seu futuro e estava desempregado. Em um momento difícil no mercado de trabalho americano à beira da recessão, Sabatier teve que se esforçar e contou com a sorte ao encontrar um emprego no setor de de call center de uma empresa.
    O salário cobria todas as suas despesas e ainda sobrava um dinheiro para guardar no fim do mês. No entanto, ele cometeu um grande erro: não guardou um centavo. “Eu gastei tudo”, lamenta. “Eu tive uma oportunidade de guardar quando eu tinha 22 anos, mas escolhi não pensar nisso e viver a vida”, contou ao Business Insider.

    Após sair desse trabalho, ficou uns dois anos mudando de emprego sem parar e passou a viver com seus pais. Mas ele decidiu mudar de postura quando um dia verificou sua conta bancária e seu saldo era um pouco mais de US$ 2,26, cerca de R$ 7. Ele definiu então que poupar dinheiro seria sua prioridade.

    Esse foi o momento em que viu que precisava se firmar em um emprego e começar a juntar dinheiro para sua aposentadoria e seu futuro. “A sensação era de falta de controle”, diz Sabatier. “Eu nunca quis sentir isso de novo”, complementa.

    Aos 25 anos, ele mergulhou no campo de marketing digital para ter uma renda extra e estudou através de tutoriais online gratuitos como o Google AdWords e WordPress (plataforma que auxilia a montar sites). Definiu então uma meta ousada: queria alcançar a independência financeira aos 30 anos.

    E conseguiu. Cinco anos depois, Sabatier tinha US$ 1 milhão no banco, cerca de R$ 3,3 milhões. Hoje, aos 32 anos, ele tem cerca de US$ 1,35 milhão, cerca de R$ 4,5 milhões. Ao site ele revelou alguns métodos que usou para conseguir alcançar essa façanha tão jovem:

    Faça um planejamento

    O foco de Sabatier era juntar dinheiro para sua aposentadoria e para tanto era preciso ter um planejamento. “Você não pode simplesmente reservar um montante arbitrário em uma conta por mês e esperar que funcione, sem monitorar sua vida financeira”, afirma.

    Ele estimou que suas despesas anuais seriam US$ 50 mil e descobriu que precisaria economizar 25 vezes essa soma, o que dava US$ 1,25 milhão, para viver apenas com o dinheiro da aposentadoria. Ele então calculou que precisaria economizar US$ 50 por dia, considerando um rendimento de 5% ao ano para ter US$ 1,25 milhão. Ele começou a colocar em prática o planejamento aliado a investimentos. E atingiu esse objetivo financeiro dentro de 5 anos, como pretendia.

    Reduza as despesas mensais

    Como foi ficando mais comprometido com os seus objetivos, o empreendedor reduziu os custos de habitação mensal para que ele pudesse economizar ainda mais.

    Mudou-se de um “apartamento muito elegante” em Chicago, que custava cerca de US$ 1.500 por mês para um apartamento bem menor que custava US$ 800 por mês. “Isso significou que US$ 700 a mais foram para a minha conta de investimento”, diz ele.

    Algumas pessoas economizam vendendo o carro e de eliminando os custos mensais como seguro e combustível. Outros trocam de casa como ele fez. O importante é encontrar forma de reduzir as despesas, de acordo com Sabatier.

    Encontre maneiras de ganhar mais dinheiro para investir

    Juntar US$ 1 milhão em 5 anos exige um esforço e Sabatier sabia disso. Por isso ele foi atrás de uma segunda renda para complementar seu trabalho. Ele viu que o marketing digital era um campo em crescimento, então começou a assistir vídeos gratuitos e tutoriais sobre o assunto. Ele usou o conhecimento que ganhou para conseguir um emprego com uma agência de marketing digital em Chicago, ganhando US$ 50 mil por ano e deixou seu emprego antigo.

    Em seguida, ele encontrou uma maneira de ganhar ainda mais criando sites para escritórios de advocacia. No começo, ele começou a cobrar US$ 500 por site, mas dentro de alguns meses ele já estava faturando muito mais do que isso por site. Colocou 100% dessa renda adicional na conta da aposentadoria.

    Sabatier hoje dirige seus próprios negócios e um blog, onde da dicas de finanças pessoais. “Você tem que construir habilidades em vez de apenas ter um emprego. E a partir delas você transforma portas abertas em oportunidades de ganhar dinheiro”, afirma.

    Guardar dinheiro deve ser um objetivo diário

    Um dos hábitos mais importantes que Sabatier desenvolveu foi fazer com que seu objetivo fosse atingível. Quando Sabatier decidiu poupar mais de US$ 1 milhão para a aposentadoria, o número era tão grande que parecia fora de alcance. Ele começou poupando apenas US$ 5 por dia e foi aumentando suas contribuições ao longo do tempo. Como ele queria alcançar seu objetivo o mais rápido possível, não parou enquanto não começou a depositar US$ 50 por dia. “Quando você guarda por um mês, já vira um hábito. E ao checar sua conta diariamente vendo que cada vez mais está entrando mais dinheiro, você quer guardar mais e mais”, explica.

    Até o próximo post.

    Geral

    Pesquisa Anbima: Existem 5 jeitos de lidar com dinheiro

    11 de maio de 2017

    O mote principal da pesquisa conduzida pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais) foi entender a trajetória das pessoas para compreender suas relações com o universo financeiro.

    Este estudo foi feito com mais de 400 pessoas em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife ao longo de quatro meses, sendo que identificou os cinco perfis mais comuns que explicam o relacionamento dos indivíduos com o dinheiro. Do total de pesquisados, 25 pessoas foram acompanhadas durante um dia inteiro para entender sua vida e suas relações. O mote principal foi entender a trajetória das pessoas para depois compreender suas relações com o universo financeiro.

    homem-no-financeiro

    “O relacionamento com dinheiro é apenas mais um desdobramento da vida das pessoas. Para saber porque poupamos pouco, temos que entender quem somos”, afirma Aquiles Mosca, presidente do Comitê de Educação de Investidores da Anbima.
    Os cinco perfis aparecem em todas as classes sociais.

    Veja abaixo cada um deles:

    Despreocupado

    São pessoas com especial prazer na fluidez dos acontecimentos da vida e nas possibilidades que ela pode trazer. Sua personalidade é muito ligada aos estímulos externos e às pessoas que o cercam. Isso faz com que o despreocupado não se planeje nem se comprometa muito seriamente com nada, pois exigiria um foco e um horizonte mais estreito – para conseguir algo seria necessário abrir mão de outras coisas.

    Por outro lado, as pessoas desse perfil são muito competentes em aproveitar as oportunidades que aparecem à sua frente. Não está atento ao que acontece com seu dinheiro e isso fatalmente será um problema na sua vida. Porém, quando está em situação difícil o despreocupado não se desespera: sempre dá um jeito de superar um desfalque financeiro, por exemplo, conseguindo algum dinheiro emprestado ou doado. A relação do despreocupado com o dinheiro é fugaz – assim como ele entra, sai.

    Camaleão

    É aquele que aceita as coisas como são, adapta-se ao mundo em vez de fazer sua vontade vencer. Muitas vezes sente-se oprimido pelas dificuldades e pelas poucas oportunidades que chegam até ele, mas segue levando a vida. Ao aceitar as situações sem muito ânimo de modificá-las, tem como consolo saber que, apesar das dificuldades, ele consegue realizar aquelas coisas que são realmente importantes para ele.

    O segredo do camaleão para viver relativamente bem com pouco é ter a sua realização pessoal naquilo que é mais cotidiano, natural, e que exige pouco esforço financeiro. Costuma valorizar os prazeres simples: se tem o suficiente para um chopp com os amigos no final de semana, está tudo bem.

    Entre esses prazeres estão também as coisas mais intangíveis, pouco relacionadas com dinheiro: festas em casa com amigos, atividades ligadas a experiências físicas e/ou intelectuais. Nunca tem dinheiro para qualquer necessidade ou desejo extra, mas ele lida bem com os limites e, em vez de contorná-los, simplesmente adapta-se a eles.

    O dinheiro é algo bastante fugaz na sua vida, passa por ele rapidamente e logo é destinado a pagamentos de dívidas. Mas ele é criterioso: para ele todo dinheiro é dinheiro e o pouco rende “muito” na sua mão.

    Construtor

    O mais disciplinado dos perfis, o construtor gosta de ter sempre o controle da situação. Não se arrisca, prefere se sentir seguro em todas as situações. Ele desenvolve uma relação interessante com os limites que encontra pela vida, não se intimidando nunca por eles. Mas isso não significa que ele chega a desafiá-los; simplesmente batalha muito para realizar o que quer e acaba conseguindo, mas sempre pouco a pouco, com parcimônia.

    Costuma ter humildade e a persistência envolvida em suas realizações é o que confere valor a elas. Conquistar algo sem esforço não está nos seus planos, pois nesse caso ele seria privado de grande parte do prazer da conquista. Portanto, para o construtor, o esforço é parte intrínseca do valor do dinheiro, algo que imprime ainda mais importância à soma acumulada.

    O construtor tem muito orgulho de sua capacidade de organização e acaba sendo aquele a quem todos recorrem financeiramente. As pessoas com esse perfil dispensam grandes estratégias e ferramentas financeiras, pois cuidam do dinheiro dia após dia, em pequenas quantidades, mas de forma consistente.

    Sonhador

    Como o nome já diz, é movido por sonhos. Ele é impulsionado por uma grande força narcísica: uma ideia ou um plano que ele pensou e que acredita que lhe trará reconhecimento de todos à sua volta quando realizado. Tem uma mente inquieta, está sempre pensando em uma nova oportunidade de investir em algo, empreender, e é muito ligado nas oportunidades.

    Para este perfil o significado e o prazer proporcionado pelas coisas que faz – investimentos em negócios ou em si mesmo, como cursos, aquisições, etc – são muito importantes. Seus sonhos são sempre construídos em cima de valores e fortes crenças pessoais e por isso o sonhador é resiliente – mesmo quando seus planos não saem como esperado ele permanece orgulhoso, otimista e acreditando no futuro.

    O excesso de confiança no sonhador alimenta a ideia de que o universo conspira a seu favor, fazendo com que ele se comporte impulsivamente e “se jogue”. Para ele “qualquer quantia não é dinheiro” e muitas vezes perde oportunidade de construir uma poupança por acreditar que é inútil se preocupar com os pequenos valores que circulam no dia a dia.

    Planejador

    São pessoas pragmáticas, que vivem plenamente na realidade e sabem lidar bem com ela, o que faz deles indivíduos muito competentes no que se propõe a realizar. O planejador não se assusta nem se irrita com limitações, muito pelo contrário. Movido por desafios, consegue realizar o que deseja, apesar das limitações impostas pela vida, contornando ou ultrapassando aquilo que encontra pelo caminho.

    Ele é muito seguro de sua capacidade de organização e realização e confia na sua alta racionalidade. As metas são fundamentais para este perfil. O planejador costuma estipular para si mesmo objetivos a serem cumpridos em um tempo determinado e frequentemente isso o estimula a seguir em frente e crescer.

    Independentemente de sua classe social, o planejador é, em geral, alguém muito bem-sucedido em seu negócio, investimento ou trabalho. Quando sua renda é maior ele tende a saber mais sobre mercado financeiro e utiliza esses serviços para fazer o seu dinheiro crescer.

    Até mais.

    Convidados

    Segredos para juntar uma bolada

    22 de fevereiro de 2017

    Emmie Martin: I didn't let my savings goals hold me back from enjoying life in New York City.

    A americana Emmie Martin montou uma estratégia de economia muito eficaz e consegue se manter apenas com metade de sua renda. Ela guarda 50% da renda todo mês e revelou os segredos para juntar uma bolada no artigo do Business Insider intitulado I saved 50% of my income for a month — here’s my best tip for saving money

    A Emmie Martin, jornalista, fez um plano financeiro no fim do ano passado e guardou 50% da sua renda mensal para aposentadoria. Para tal feito, ela teve que readequar seus custos mensais e montar um orçamento o com restante da sua renda mensal.
    No 1º mês em que colocou o plano em prática, depois a contabilização do aluguel e todos os gastos fixos do mês, sobraram US$ 140 por semana para gastar com comida, diversão e outros, contou Martin ao site Business Insider.

    Entretando, a jornalista, que mora em Nova York, tinha uma viagem marcada e precisava economizar ainda mais neste primeiro mês de teste. Conforme a mesma relatou, a ideia era viajar sem se preocupar com o orçamento. “Então decidi que iria guardar o máximo de dinheiro possível até a data da viagem”, relatou.

    A estratégia mais eficaz que ela usou durante esse período foi simples e direta: ela se organizou com uma lista. Nela, Martin colocava todos os itens que queria comprar desde produtos de higiene, até sapatos ou uma bolsa nova e até itens de supermercado e esperava alguns dias. Esse período era usado para ela avaliar se realmente precisava do produto ou era algo que poderia ficar para depois.

    “Algumas compras realmente são necessárias: quando acaba seu xampu ou sabonete, por exemplo, você indiscutivelmente terá que comprar mais um. Porém percebi, por outro lado, que existem coisas que não são necessidades e que compras de coisas assim podem ser adiadas, como roupas de marca novas e bolsas”, explica Martin.

    Considerando esse plano de ação, a jornalista que trabalha com finanças pessoais elencou dicas para economizar baseado no que aprendeu nesse período. Confira:

    Avalie o verdadeiro valor de cada compra

    Martin conta que criar uma “lista de compra” não só mostrou quais produtos eram completamente desnecessários, mas também ajudou a diferenciar quais itens mereciam o investimento de dinheiro e quais ela poderia viver sem.

    “Por exemplo, quando o outono chegou, minha lista começou a transbordar com itens da estação, de um novo casaco a decorações do meu apartamento. Embora nenhum dos itens era verdadeiramente necessário, eu reconheci que eu não me arrependeria de investir em um casaco novo, mas poderia ignorar novas decorações. Sem dar um tempo para avaliar sobre a decisão, teria sido fácil comprar ambos”, explica.

    Elimine os itens comprados por impulso

    Ela explica que é muito fácil comprar coisas por impulso. Quando você passeia em lojas de departamento e se depara com uma promoção, por exemplo, muitas vezes acaba comprando no “calor do momento”, com medo de perder uma ótima “oportunidade”. O problema é que em grande parte das vezes estes itens não são realmente necessários e gastamos um dinheiro que poderia estar sendo destinado para coisas mais úteis.

    Por isso, uma dica que Martin dá é “nunca entrar em uma loja sem rumo”, ou seja, sempre entre com uma lista em mãos ou tendo em mente o que vai comprar. “Assim, a compra é mais rápida e eficiente”.

    Em vez de vaguear nos corredores após buscas aleatórias, vá diretamente no que precisa de forma objetiva. “Depois que adotei esse novo plano financeiro, nunca mais saí de uma loja na dúvida se tinha ou não que ter pego um esmalte novo polonês ou uma faca específica para cortar abacates, porque eu sei que não preciso de coisas assim”, conta.

    Escrever listas e ficar revendo os itens pode parecer uma tarefa estranha quando você só precisa comprar uma pasta de dente no supermercado. “Mas quando você é forçado a monitorar para onde seu dinheiro está indo, ele transforma cada uso do cartão de débito ou crédito um momento de reflexão para avaliar se é mesmo necessário adquirir o item”, explica Martin.

    Até o próximo post.