‘crise financeira’ at Defenda Seu Dinheiro

Search Results for: crise financeira

    Filmes sobre a crise financeira de 2008

    8 de junho de 2018

    Não deixe de conferir também:

    Filmes obrigatórios para entender o mercado financeiro

    Para aquelas que são ligados ao mercado financeiro por profissão ou simplesmente por hobby ou interesse pelo mundos dos investimentos já assistiu algum filme que retrata a crise do subprime dos Estados Unidos que culminou no estouro da bolha imobiliária em 2008. Há uma infinidade de títulos com esse propósito e abaixo foram citados em uma lista algumas ficções e documentários para lhe ajudar a entender o que houve com a maior economia do mundo que acabou levando o mundo todo ao colapso naquela época:

    A grande aposta:

    Outro grande sucesso sobre a crise de 2008 mostra a trajetória de quatro homens que conseguiram antecipar a derrocada da economia dos Estados Unidos iniciada com o subprime. Um deles percebe a movimentação estranha e passa a apostar contra o sistema imobiliário norte-americano, gerando diversas complicações para sua carreira, uma vez que era uma manobra nunca antes bem-sucedida.
    O filme é inspirado em fatos reais e explicado como alguns investidores conseguiram prever a crise que estava por vir apostando através de derivativos contra ativos relacionados ao mercado imobiliário norte americanos. O que chama a atenção é que esses investidores não tinham nada em comum, não se conheciam, e cada um utilizou seus fundamentos para prever essa crise!

    The flaw

    O documentário tenta explicar os motivos que levaram à bolha imobiliária norte-americana que tomou proporções globais. Veja o trailer aqui.

    Trabalho interno

    O documentário conta, por meio de extensas entrevistas com políticos, economistas e jornalistas que cobriram a crise de 2008, as relações corruptas entre diversas partes da sociedade e como o mercado financeiro atuou enganando o “investidor comum”. Dirigido por Charles Ferguson e narrado por Matt Damon.

    Grande demais para quebrar

    Um dos filmes mais famosos sobre o tema, o longa é baseado no best-seller escrito por Andrew Ross Sorkin, e mostra uma olhar sobre Wall Street e Washington e como suas decisões impactaram na maior economia do mundo. O filme, dirigido pelo premiado Curtis Hanson, mistura histórias reais e fictícias para a contagem regressiva rumo ao colapso.
    Este filme é uma referência de como algumas práticas questionáveis do mercado financeiro, especialmente com questões éticas e de risco do mercado, causam consequências devastadoras.

    Wall Street – O dinheiro nunca dorme

    Um dos personagens principais, o corretor interpretado por Michael Douglas, volta à cena do mercado financeiro após uma longa temporada na prisão justamente por condutas fraudulentas no mundo dos investimentos. Ao encontrar um jovem que se mostra tão ambicioso quanto ele, e que já brilha em Wall Street, o corretor vê uma rota para voltar ao estrelato do mercado financeiro.

    Gordon Gekko no filme Wall Street - O dinheiro nunca dorme

    Os últimos dias do Lehman Brothers

    O longa metragem feito pela BBC mostra, como o próprio nome já sugere, os bastidores dos dias que antecederam a falência de um dos maiores bancos de investimentos dos Estados Unidos na época. Veja o trailer aqui.

    Margin Call – O dia antes do fim

    Uma empresa do setor financeiro, que faz alusão ao Lehman Brothers, demite 80% dos funcionários de um departamento e o chefe entrega um pendrive a um de seus ex-funcionários com um conteúdo no qual vinha trabalhando. O documento mostra que a companhia passou, há meses, do limite do risco que poderia correr e está prestes a falir. O dilema se forma: ir à derrocada sozinha ou esperar que outros membros do mercado caiam junto? Veja o trailer aqui.

    A grande virada

    Três executivos são demitidos no início da crise dos subprimes e precisam reinventar suas carreiras – e suas vidas. O longa se propõe ainda ser uma crítica ao estilo de vida extremamente consumista dos norte-americanos. Veja o trailer aqui.

    Collapse

    O documentário explora as polêmicas e conspiratórias teorias do escritor Michael Rupppert, entre elas, as razões pelas quais ele acredita que os Estados Unidos se tornaram o estopim de uma crise mundial.

    Até o próximo post.

    Aluguel de puxadinho vira opção para férias na crise financeira

    20 de dezembro de 2016

    Em tempo de crise financeira aguda, as pessoas tem usado a criatividade para ter suas tão merecidas férias.
    Moradores do litoral norte de São Paulo e donos de casa na praia têm recorrido ao aluguel desses espaços para mantê-los –alguns, como Teixeira, até constroem outras casas, fazendo disso um negócio. Longe da praia e mais no meio da mata de São Sebastião, um garoto de 18 anos comprou um terreno com o dinheiro de uma herança. Construiu ali uma casinha simples, só para si. Isso foi há 20 anos. Hoje, Ivan Lopes tem 38. É caro ter casa na praia e com a crise, ficou mais difícil manter a morada. Para pagar as despesas, um morador projetou um chalé para duas pessoas que desde maio recebe hóspedes por meio do site de hospedagem Airbnb, por R$ 300 a diária –R$ 500 aos sábados.

    No Réveillon de 2015, os puxadinhos já previam uma ocupação de 80%. Agora, as reservas com antecedência representam cerca de 60% de ocupação, segundo José Carlos de Souza, secretário-executivo do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e similares do litoral norte paulista.

    Leia mais detalhes a seguir:

    Aluguel de puxadinho vira opção para férias da crise no litoral norte de SP
    casas-com-ediculas-belos-puxadinhos

    Até o próximo post.

    Férias na crise financeira

    5 de julho de 2016

    Em momentos de aguda crise financeira como a que estamos enfrentando há vários anos no Brasil, muitas pessoas se preocupam por conta das demissões e até tem medo de sair de férias, porém isto não é motivo para demissão. Não é por causa disto que o empregado deve deixar as férias de lado, com exceção de situações emergenciais: – Aqui vale um diálogo franco entre ambas às partes, se possível, adiar alguns dias.

    Quem estiver na dúvida, seria legal se manter atualizado sobre o mercado e entrar em contato com os colegas de trabalho de vez em quando, mas não passar as férias inteiras preocupado com isso.

    A crise financeira afeta as férias e neste ano, o mercado já registra uma queda de até 30% na procura por viagens.

    Confira estas dicas:

    – Se você pode e quer sair do país, saiba que ainda dá tempo. Reservas com meses de antecedência, longos parcelamentos e destinos lotados? Não é bem assim. Ao contrário de qualquer época mais abonada, tempos de crise permitem oportunidades e ofertas de última hora. Encontram-se vagas em voos, em hotéis e em pacotes de turismo. Nos passeios, sempre cabe mais um. A bem da verdade, poucas vezes se viu tanta promoção em passagens aéreas. As companhias têm ganho de escala, principalmente nos destinos mais procurados, mas em tempos de crise não preenchem todas a vagas. É aí que sua chance aparece. Para Orlando e Miami, por exemplo, raramente se veem oportunidades a preços tão atraentes. Outros destinos também aparecem nas promoções. Paris, Madrid, Lisboa… e outros. Fique atento. Basta ficar de olho, pesquisar e negociar.

    – Outra dica é sair de casa com a viagem paga. Principalmente se você pesquisou e decidiu mesmo ir para o exterior. Na prática, tanto faz levar o dinheiro que vai gastar, ou deixar o dinheiro reservado para pagar o cartão na volta. O importante é calcular o quanto está disposto a gastar, pôr etiqueta nesse dinheiro e não gastar mais do que planejou.

    – O dinheiro está reservado? Ótimo. Uma boa forma de decidir se leva o dinheiro em espécie ou se dá preferência ao cartão é observar o custo de IOF. Desde 03/05/2016 ficou mais caro comprar moeda estrangeira, é fato. O IOF subiu de 0,38% para 1,1%. Ou seja, comprar moeda estrangeira ficou 189% mais caro. Mas ainda é a opção mais vantajosa perante outras formas de pagamento, como cartão de crédito, débito ou cartão pré-pago, sujeitas a 6,38% de IOF. Ter o cartão à mão, livre, pode alimentar a tentação de gastar mais do que você planejou… e mesmo tendo reservado dinheiro para a fatura, em tempos de instabilidade política e econômica há o risco de uma oscilação cambial repentina pegar você desprevenido na volta do passeio. Lembre-se, quem saiu de férias em julho de 2015 e usou cartão de crédito internacional, acabou amargando uma viagem 15% mais cara em agosto quando a fatura chegou. Mas nem tudo são vantagens em se levar dinheiro vivo. É mais arriscado. O dinheiro de plástico é mais seguro, pode ser cancelado em caso de perda ou roubo, e despesas não reconhecidas podem até ser suspensas. Pense na melhor combinação para você e sua família – dinheiro, cartão, ou um pouco de cada. E siga em frente.

    – Se comprar um pacote, entenda que itens estão incluídos. Lembre-se de calcular os gastos extras, caso haja itens importantes fora do pacote, como traslados, passeios, café da manhã, bebidas e outras refeições, principalmente para as modalidades all inclusive.

    Mais detalhes veja a seguir:

    10 Dicas para organizar suas férias em tempos de crise
    vale-viagem

    Veja também:

    Como viajar de forma econômica

    Até mais.

    Airbnb para gerar renda extra na crise financeira

    30 de março de 2016

    No país da foice, martelo e estrela(se apagando), o povo encontrou mais uma alternativa para escapar dos efeitos da forte recessão que assola o país há alguns anos. Os brasileiros que possuem imóveis parcialmente ou totalmente vagos durante parte do ano buscaram a plataforma do Airbnb para obter renda extra com a locação temporária de casas, apartamentos ou quartos ao longo do último ano de 2015, conforme entrevista ao portal Exame de Leonardo Tristão, presidente da empresa americana para o mercado brasileiro.

    Airbnb

    Ainda segundo dados da empresa, o crescimento nos últimos 12 meses no país foi de 109% na comparação ano sobre ano. O Airbnb começou as operações no Brasil em 2012. O presidente Tristão também ressalta que o número de hóspedes brasileiros na Copa de Mundo da Fifa, em 2014, foi pequeno em relação ao total, 6%, enquanto 120 mil estrangeiros utilizaram o app para encontrar um lugar para ficar ao acompanhar as partidas de futebol pelo país. Ele informa que mudaram a estratégia ao focar nos brasileiros e no mercado doméstico. Isto fez com que o número subisse para 53% no total de reservas de brasileiros no final do ano de 2015. O brasileiro começou a descobrir o Airbnb.

    As pessoas costumam usar a plataforma da empresa para buscar locais mais populares. Entre os 5 destinos mais comuns, as praias paulistas aparecem três vezes. A lista é a seguinte, em ordem de popularidade: Rio de Janeiro, Ilhabela (SP), São Sebastião (SP), Florianópolis e Guarujá (SP). Tristão relatou que o viajante se voltou para o mercado doméstico, em função da desvalorização do real, fato que ajudou bastante o crescimento de usuários da plataforma no país. Como existem muitos anúncios Brasil afora, nos 27 Estados, foi possível democratizar um pouco o turismo. As pessoas conseguem se hospedar em qualquer ponto do país com um orçamento que cabe no bolso.

    Para atender à demanda alta de reservas para os Jogos Olímpicos do Rio 2016, o presidente do Airbnb para o Brasil informou que não será necessária uma adequação tecnológica da plataforma digital, porém a empresa terá um escritório provisório na cidade.

    Para garantir a qualidade do serviço, haver confiança tanto de quem aluga quanto de quem se hospeda em uma acomodação usando o Airbnb, a empresa aposta em um sistema de avaliação bilateral, assim como faz o serviço de caronas pagas Uber.

    De acordo com o presidente da empresa, a reputação do hóspede pode afetar a capacidade dele de conseguir reservas. Se ele causou problemas em uma casa, o anfitrião pode não aceitá-lo. O mesmo vale para o anfitrião. A base do serviço é a reputação, porque ela gera confiança.

    A companhia tem aplicativos para smartphones com sistemas Android e iOS, além de um site:
    https://www.airbnb.com.br

    Para quem gosta de viajar de forma econômica, vale a pena também conferir:

    Os melhores cartões de crédito para acumular milhas

    Programas de milhas: vale a pena participar?

    Até o próximo post.

    Alocação de ativos na crise financeira

    19 de agosto de 2015

    É possível ler muita coisa sobre diversificação de carteiras e alocação de ativos internet afora, porém pouco se fala sobre o caráter prático desta aplicação.
    Com o intuito de trazer este conhecimento prático, a HC Investimentos divulga sua carteira pessoal de investimento. Ela pode ser acessada (gratuitamente) através destes links abaixo:
    http://hcinvestimentos.com/alocacao-de-ativos
    http://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=12955

    A filosofia de investimentos tem como pilar principal a Alocação de Ativos, adotando uma carteira diversificada para enfrentar qualquer cenário. Já que não é possível prever o futuro, se faz necessário diversificar a carteira, visando minimizar o risco, assim como tentar maximizar o retorno. Palavras fáceis de serem ditas, mas são difíceis de se colocarem em prática.

    Veja também a página da carteira de investimentos que tem como objetivo ser uma referência pública da importância da alocação de ativos. Nela você encontrará o resultado (e análise) de diversas carteiras de investimentos:
    http://hcinvestimentos.com/carteira-de-investimentos

    Não se esqueça:
    – Alocação de ativos é a melhor estratégia de investimentos para o longo prazo, seja você um investidor iniciante ou experiente.
    É a melhor forma de sobreviver com ou sem crise financeira!

    Leia também:

    Exemplo de alocação de ativos na prática
    Exemplo de alocação de ativos na prática

    Fonte: fiquericojovem.com

    Até o próximo post.

    Sobreviver na crise financeira

    24 de julho de 2015

    Em meio à crise financeira criada pelo nosso “desgoverno”, existem alguns passos para sobreviver em tempo de crise financeira. O Brasil tem sido abalado por sucessivas crises, afetados em parte pela crise econômica mundial e em outra parte, bem mais relevante, pela incompetência doméstica. Abaixo apresenta-se dicas que podem ajudá-lo a sobreviver em tempos difíceis, financeiramente falando:

    – Não gastar mais do que ganha:
    Normalmente este é o problema de muitas pessoas, as quais levadas por diversas situações acabam por gastar mais do que recebem, fato que acaba gerando um endividamento e se não for controlado, acaba atingindo proporções alarmantes.

    – Inovar:
    Nos momentos de crise ou dificuldades financeiras as pessoas costumam ficar mais criativas. O Albert Eistein dizia que “No meio da dificuldade encontra-se a oportunidade”, então vale a pena refletir o que sabe-se fazer bem, desta forma poderá de fato tirar proveito da situação adversa. Observe o que te cerca e identifique a oportunidade e escolha a momento certo para tomar uma atitude.

    – Identificar onde e como gasta a sua renda:
    Muitas vezes as pessoas dizem “não sei onde vai parar o meu dinheiro”. O uso do dinheiro eletrônico(cartões de crédito, cartões de débito, transferências bancárias, etc.) podem acabar gerando uma falta de controle nos gastos, fato que pode levar muitos ao endividamento.

    Para quem não tem muito controle, seria melhor usar dinheiro vivo ao invés do dinheiro eletrônico e se usar cartões, prefira o cartão de débito.
    Procure identificar os seus gastos e refletir se tais despesas fazem parte das suas despesas prioritárias e da sua família.

    – Listar as despesas e priorize as mais urgentes:
    Muita vezes as pessoas caem na discussão entre o que é prioritário e o que é urgente, afinal de contas, existem coisas que são urgentes, mas nem todas são prioritárias e assim por diante.
    Se faz necessário, de acordo com as suas necessidades, identificar aquelas mais importantes, sobretudo alimentação, saúde e educação.

    É bem sugestivo elaborar um lista semanal de compras de modo a evitar desperdícios e assim obter um aproveitamento melhor da sua renda.

    – Livrar-se do consumismo:
    Todo mundo deve ter algum parente, amigo, colega ou conhecido que tenha centenas de pares de sapatos e/ou roupas que não usam. Apesar disto, eles continuam comprando.

    Infelizmente, o consumismo e a influência da publicidade torna muitas pessoas em consumidores compulsivos, acabando por não distinguir quais bens ou serviços são mais importantes.
    O melhor seria identificar as coisas essenciais e as que não forem, revendê-las ou doar para quem precisa. Desta forma poderia identificar o tanto de supérfluo que possui ao observar que você tem muito mais do que precisa, logo não tem a menor necessidade de continuar consumindo de forma compulsiva.

    – Poupar sempre que possível:
    Toda vez que a sua situação financeira permitir, recomenda-se fazer uma caixa em face a futuras situações emergenciais.
    E, claro, se houver disponibilidade financeira, você fazer aplicações de maneira a rentabilizar o seu capital.

    Fonte de consulta:
    administradores.com.br/mobile/artigos/cotidiano/6-passos-para-sobreviver-em-tempo-de-crise-financeira/87185

    Veja também:

    Até o próximo post.

    Administração financeira: 7 dicas para se manter longe do vermelho

    21 de julho de 2020

    Administração financeira: 7 dicas para se manter longe do vermelho

    Descubra como a educação financeira pode te ajudar a ter uma relação saudável com dinheiro

    Os tempos de crise só evidenciam o quanto deveríamos ter tomado mais cuidado com assunto pertinentes da nossa vida financeira quando tudo estava ao menos estável. Em 2020, o brasileiro tem tido muito tempo para pensar sobre isso, já que a pandemia que o mundo enfrenta teve um grande impacto sobre a economia.

    Segundo um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o endividamento das famílias brasileiras na pandemia já é maior do que na crise de 2014. Em junho de 2020 esse número alcançou novo recorde histórico: 67,1%.

    Isso quer dizer que mais da metade das famílias brasileiras têm contas em aberto no cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal ou prestação de carro e seguro.

    Claro, o contexto em que vivemos tem influência nesses números, mas como falamos no início desse texto, é preciso estar preparado para os tempos difíceis. Mas, como fazer isso? A resposta é: cuidando da sua saúde financeira.

    Manter uma vida organizada não é nenhum bicho de sete cabeças, mas para conseguir isso é preciso entender melhor sobre finanças. Descubra abaixo sete dicas que vão te ajudar a ter uma nova visão sobre o assunto:

    1 – Entenda seu orçamento 

    Como administrar bem o seu dinheiro se você não tem o mínimo controle sobre o que entra e o que sai da sua conta bancária? A primeira dica para sair do vermelho é entender por que você está nele.

    Muitas pessoas usam planilhas para auxiliar nesse momento de mapeamento, você pode inclusive fazer uma de acordo com as suas necessidades.

    Inclua salário, despesas fixas, despesas variáveis, lazer, e até dívidas.

    2 – Aprenda a controlar seus gastos

    Com a sua planilha organizada, vamos ao segundo passo: controle de gastos. Sabendo quanto são os seus ganhos, você consegue ter um maior controle de onde vai o seu dinheiro.

    É muito comum para as pessoas que gostam muito de gastar não gostem de olhar seus saldos, mas saiba que esse é um medo a ser superado. Para que você tenha um uso consciente do seu dinheiro, precisa saber quanto ainda sobra na conta, não é?

    3 – Corte o que é dispensável 

    Quando você colocar todos os gastos à vista e aprender a controlar seus gastos, vai poder ver com mais clareza onde não precisa gastar dinheiro. Comece tentando diminuir os pacotes que você já tem contratado, por exemplo: tv a cabo, internet, plano de celular.

    Se isso ainda não for suficiente para enquadrar seu orçamento, vamos ter que partir para algumas mudanças mais drásticas como eliminar dos seus gastos o que não é essencial para a sua vida (nem que seja por apenas alguns meses).

    Tome isso como uma atitude temporária até que você consiga melhorar a sua vida financeira.

    4 – Renegocie suas dívidas 

    Caso você perceba que as dívidas que você adquiriu estejam começando a apertar o seu orçamento, não deixe que isso vire uma bola de neve. Tome a frente da situação e renegocie o que precisar com as instituições financeiras correspondentes.

    Uma vez que seu orçamento entrar na linha, é a hora de colocar suas dívidas na linha. Converse com o banco e chegue a um valor que consegue pagar, mas lembre-se: ao renegociar uma dívida você precisa arcar com aquela responsabilidade.

    Assumir um novo valor que você ainda não pode pagar só vai piorar sua situação.

    5 – Venda itens que não precisa mais para ter uma renda extra

    O brasileiro tem alguns problemas com o desapego, mas em países como os Estados Unidos, por exemplo, é muito comum caminhar pelos condomínios e se deparar com os famosos Garage sale, que são itens à venda que os moradores da casa não querem mais.

    Com os imóveis cada vez menores, as pessoas acabam ficando sem espaço para novas aquisições e você pode resolver isso colocando itens que não usa mais à venda. A internet hoje possibilita que essa transação seja segura e fácil em sites como OLX, Enjoei ou até o Marketplace do Facebook.

    Esse dinheiro extra pode ser investido e multiplicado, o que pode dar uma turbinada no seu orçamento. Esse dinheiro também pode ir para a sua reserva de emergência, item essencial para quem quer estar sempre pronto quando o assunto é dinheiro.

    6 – Aprenda a investir seu dinheiro

    Uma das maneiras mais inteligentes de preservar o seu dinheiro e fazê-lo trabalhar por você é aprender a investir. Primeiro defina o seu perfil de investidor:

    • Conservador – não gosta de riscos e prefere rentabilidades regulares e às vezes pequenas, mas em longo prazo;

    • Moderador –  prefere correr um pouco mais de riscos em troca de retornos maiores e mais rápidos;

    • Agressivo –  corre altos riscos, de forma controlada, em troca de ganhos muito maiores em menos tempo.

    Depois de traçar o seu perfil, encontre os investimentos que se encaixam nele. Deixar o seu dinheiro parado na poupança é tão ruim quanto deixá-lo guardado debaixo do colchão, como as pessoas faziam antigamente.

    Isso porque a inflação é o pior inimigo do dinheiro parado: com o passar do tempo, o dinheiro desvaloriza e se ele não rende ao menos conforme a inflação, mais do que ganhar dinheiro você perde esse dinheiro.

    7 –  Invista na educação financeira

    Invista também seu tempo no seu aprendizado. Aposte em cursos online com certificado sobre temas que te ajudem a cuidar melhor do seu dinheiro, como finanças pessoais, administração contábil, entre outros.

    Você pode fazer tudo isso online, em videoaulas com materiais exclusivos. O cuidado com o orçamento familiar deve existir sempre, mesmo quando não temos um alto poder aquisitivo.

    Quanto mais organizado você for, melhor vai viver e mais preparado vai estar para lidar com as adversidades que aparecerem.

    Gostou das dicas? Comece a colocar tudo em prática e prepare-se para ter uma vida financeira mais saudável.

     

    Conheça 10 profissões em alta mesmo na crise

    24 de junho de 2020

    Conheça 10 profissões em alta mesmo na crise

    A pandemia causada pelo Covid-19 parou o mundo e é responsável por uma grande crise financeira mundial. Além nos números de mortes que crescem diariamente, a economia de todos os países está em colapso.

    Muitos profissionais tiveram seus salários reduzidos e outros até perderam seus empregos, pois a maioria dos setores considerados não essenciais estão com as portas fechadas.

    Então como escolher uma profissão promissora nesse momento?

    Como solução para a resposta, preparamos tópicos com as profissões que já vem se desenvolvendo a um tempo e em crescimento mesmo em meio ao período que nos encontramos.

    A seguir conheça as 10 profissões que estão em alta mesmo na crise.

    1.  Programação

    O home office está em alta, assim como o uso constante das ferramentas digitais, por isso, ser programador é bem promissor em tempos de crise.

    Isso porque este profissional, que possui domínio de diferentes linguagens de programação, pode vir a ser um dos responsáveis em fazer um sistema rodar, sem parar, sem deixar as pessoas na mão, como por exemplo um sistema utilizado em bancos, ou até mesmo em aplicativos que você precisa usar diariamente.

    2.  Web designer

    O web designer é mais uma profissão que permanece em alta mesmo na crise, afinal é o profissional responsável por criar sites e deixá-los com melhor aspecto visual.

    Com a popularização da internet, a concorrência online está cada vez maior. Então, para se destacar na área, muitas empresas investem nesses profissionais a fim de alcançar novos públicos e ampliar seus negócios.

    3. Social Media

    Para enfrentar a crise, muitos profissionais e empresas estão investindo em diversas técnicas de marketing digital. E aproveitar as redes sociais para divulgar produtos e serviços está cada vez mais popular.

    O Social Media é o gestor de redes sociais, ou seja, o responsável pelo funcionamento e atualização de uma ou diversas redes sociais.

    Com muitas empresas ampliando seus horizontes através da divulgação online, essa é uma profissão que permanece em alta mesmo na crise.

    4.  Assistente técnico em celulares, tablets e notebooks

    Com muitas empresas adotando o sistema home office, os celulares, tablets, notebooks e PCs se tornaram as principais ferramentas de trabalho.

    É certo que tudo o que é usado constantemente precisa de manutenção e por isso os técnicos responsáveis por consertar esses aparelhos também estão em alta nesse momento de crise.

    5.  Instalador de energia solar

    Ficar em casa 24 horas, que antes parecia algo relaxante, acabou se tornando motivo de preocupação, pois todos em casa geram alguns gastos extras. Isso porque o uso de aparelhos eletrônicos para o trabalho e lazer aumenta os gastos com energia.

    Por isso, algumas pessoas optam por utilizar a energia solar como forma de economizar com gastos em contas de luz. E com o aumento pela procura dos serviços, o instalador de energia solar está se tornando uma das profissões em alta mesmo na crise.

    6.  Revendedor de produtos importados

    A venda de produtos importados pode ser altamente lucrativa mesmo na crise, principalmente se você investir em uma loja virtual.

    Com a facilidade da internet é possível fazer todo o processo online e enfrentar a crise lucrando com a venda de importados online.

    7. Profissionais da saúde

    Como são os profissionais que estão na linha de frente no combate à pandemia, os profissionais da saúde estão em mais que em alta no momento. O mundo parou para aplaudi-los e a valorização destes profissionais aumentou.

    Então, se você gosta da área de enfermagem, medicina, entre outros, esse é o momento para investir na área.

    8. Biotecnologia

    Durante a crise, o mundo todo está voltado para a descoberta de uma vacina eficaz contra o Covid-19, por isso a área de Biotecnologia está super em alta.

    Além disso, esse profissional pode atuar em indústrias, encontrando soluções mais rentáveis para a criação, transformação e conservação de produtos alimentícios, farmacêuticos e cosméticos.

    9. Agronegócio

    As profissões na área do Agronegócio permanecem em alta mesmo na crise, pois essa é uma das áreas essenciais que não pode parar. Afinal, é preciso atender as altas demandas da população que continua precisando de alimentos diariamente.

    Entretanto, é preciso de profissionais especializados para driblar os efeitos negativos da crise. Por isso, os bons profissionais da área estão se destacando nesse momento.

    10. Logística

    Para enfrentar a crise é preciso usar todas as estratégias possíveis e o profissional de logísticas é o responsável por estratégias que reduzam os gastos e aumentem os lucros.

    Em outras palavras, ele vai eliminar aquilo que gera gastos extras e oferecer um produto ou serviço exemplar com o menor custo.

    Por isso, concluísse que essa é mais uma área que está em alta nesse período de crise.

    E essas foram as profissões mais promissoras do momento.