‘Imóveis’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 5

Browsing Tag: imóveis

    Geral

    Pague menos Imposto de Renda

    14 de abril de 2013

    Bela matéria de capa da revista Infomoney sobre imposto de renda em sua última edição:

    Edição 43
    CAPA
    Pague menos IR

    Guia completo para pagar menos imposto de renda na sua declaração de IRPF.

    Até o próximo post.

    Geral

    Profetas do mercado financeiro

    26 de março de 2013

    Afinal de contas o que ganham estes profetas do caos, profetas do apocalipse, profetas da bolha imobiliária e outras profecias?
    Eles querem criar um sentimento de pânico na marra onde não existe pânico?
    Eles querem comprar barato na marra?
    Eles querem assustar as pessoas?
    Eles querem espalhar o pânico e comprar barato de qualquer jeito? Pensam que as pessoas não tem cérebro e não podem avaliar por conta própria?

    O mais engraçado é que como muitas vezes não acertam suas previsões, diria que maioria das vezes não acertam, eles somem do pedaço, e/ou aumentam o prazo “para acontecer a profecia”!

    Os profetas da euforia são parecidos. Eles querem vender caro e ficam pregando mil maravilhas, escondendo tudo que tiver de ruim.

    Existem profetas de profissão e profetas de hobby, mas todos querem pregar e comover, sempre!!!

    Por estas e por outras que recomenda-se ao usar informações de qualquer fonte para tomada de decisão, saber filtrá-las, caso contrário, serão apenas mero ruído para quem usá-las!

    Recomenda-se também ler:

    Até o próximo post.

    Geral

    Vale a pena investir em Fundos de Investimento Imobiliário (FII)?

    13 de março de 2013

    Com o mercado de ações brasileiro está em momento ruim há alguns anos houve uma corrida para outros tipos de investimentos, entre eles o FII.
    A maioria dos IPO(Initial Public Offer, Oferta Inicial de Ação) nos últimos anos tem sido neste mercado de FII, tamanho foi o interesse do mercado na busca deste tipo de investimento.
    O que vem a ser este mercado? Ainda compensa investir no mesmo? Quais os riscos? Paga-se imposto? Paga-se taxas? Tem liquidez?
    prédio de fundo de investimento imobiliário
    Estes fundos FII são formados como se fossem “condomínios fechados” e divididos em cotas que, uma vez adquiridas, não podem ser resgatadas.
    O patrimônio de um fundo imobiliário pode ter em sua composição imóveis comerciais, rurais ou urbanos, residenciais, construídos ou em construção, para posterior alienação, locação ou arrendamento.

    Para quem compra um FII e recebe proventos por isto não terá incidência de imposto de renda. Agora se houver ganho de capital na venda do FII haverá incidência de imposto de 20% para qualquer valor. Não existe isenção de imposto de renda neste mercado.

    Para comprar um título neste mercado será necessário ter conta numa corretora de valores ou banco que permita a compra.
    Após o registro da Oferta autorizada pela CVM, as cotas de FII são ofertadas por instituições intermediárias, possuindo Contrato de Distribuição e Prospecto.
    A subscrição das cotas (reserva para a compra) normalmente é feita através dos termos do Pedido de Reserva ou do Boletim de Subscrição , onde deverão estar especificadas as condições da subscrição e integralização (efetivo pagamento das cotas) da operação.
    É imprescindível que o investidor consulte o Regulamento para conhecer exatamente quais as taxas que serão cobradas pelo Fundo, como por exemplo, a taxa de administração.
    Após a oferta inicial, as cotas dos Fundos podem ser compradas no mercado secundário, será cobrada taxa de corretagem e a liquidação será em D+3 (dial atual + 3 dias a frente).

    O risco é que a taxa de vacância de um condomínio alugado seja alta e o fundo não consiga entregar a rentabilidade proposta por um tempo. E claro, um fundo de investimento imobiliário também pode vir a falência.

    Hoje em dia devido a maior procura por FII, maior número de IPOs, chegada dos especuladores com o aumento da popularidade, a liquidez neste mercado tem sido bem maior.

    Enfim, é apenas um resumo para quem quiser iniciar os estudos neste mercado. E para se chegar à conclusão se ainda vale ou não a pena investir neste mercado você deverá fazer uma análise profunda do mercado, dos FII em específico que deseja investir, montar sua estratégia e controle de risco, e só então decidir por fazer a alocação neste investimento.

    Recomenda-se ler também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Existe bolha imobiliária … ou não?

    18 de fevereiro de 2013

    Usando como mote para o tema do post a lógica do narrador esportivo Cléber Machado da Rede Globo, em um dos seus famosos bordões, onde faz uma análise, e no final conclui com “ou não”, o que deixa tudo que foi falado em “cima do muro”.

    Afinal de contas, existe bolha imobiliária em nosso país ou não?

    Este é um assunto bem chato de se discutir, pois muitos levam para o lado emocional, querem ganhar a discussão na marra, destruir os argumentos alheios com falácias e bravatas. Muito estão “estourando nossa bolha imobiliária” há 3 anos ou mais, após o último grande boom imobiliário que tivemos ocorrido depois de anos de estagnação no mercado imobiliário.

    O que os “anti-bolha imobiliária” tem a favor?
    Pode-se enumerar:

    • O crédito imobiliário no Brasil é muito baixo em relação ao PIB;
    • O nível de emprego no Brasil está em níveis recordes, o oposto de um cenário de bolha imobiliária, onde o desemprego é que bate recordes;
    • Excesso de valorização não é implicação de bolha imobiliária, do contrário, qualquer produto que valorizasse seria com certeza uma nova bolha, sem levar em conta outros fatores;
    • O Brasil ainda tem muita carência de moradias;
    • O Brasil ainda tem também muito estoque de terrenos e área úteis para construção, mesmo em grandes centros urbanos é possível encontrá-las;
    • Se preciso, importarão mão-de-obra para todas fases todas etapas de um empreendimento na construção civil. Logo, não se preocupam com falta de mão-de-obra.
    • O quadro no Brasil não tem hada haver com crise imobiliária dos EUA e Espanha ocorridos na história recente;
    • Supõe que o mercado pode estagnar, ter o valor dos imóveis corroídos pela inflação ao longo dos anos, mas cair drasticamente, dado o quadro acima, provavelmente não deve ocorrer.
      Talvez bolhas imobiliárias locais, como as que podem ocorrer após um grande boom imobiliário numa região onde haja a construção de uma grande usina hidrelétrica, onde não tinha nada ou muito pouco de construções, e a busca desenfreada por moradia pode levar a uma excessiva valorização. Após a construção terminada, muitos irão embora da região, e aí sim, os valores caíram drasticamente, pois não haveria mais aquele frenesi por busca de imóveis.
      Fenômeno parecido acontece com locais onde há exploração de ouro e pedras preciosas.
      Ambos são fenômenos locais, pontuais, e não afetariam o mercado imobiliário nacional.

    O que os “pró-bolha imobiliária” tem a favor?
    Enumera-se:

    • Os imóveis valorizaram demais nos últimos anos. Está insustentável a continuidade da valorização;
    • As pessoas não conseguirão pagar as prestações, principalmente as classes mais baixas da população, que contraíram crédito imobiliário para pagar em vários anos. Simples conjectura, também chamada de futurologia.
      Alegam que muita gente comprou imóvel financiado;
    • Falta de mão-de-obra;
    • Falta de terrenos nos grandes centros;
    • Excesso de lançamentos;
    • Algumas construtoras já quebraram. Se esqueceram que este é um processo normal ao longo dos anos, faz parte do capitalismo, empresas quebrarem e outras tomarem o seu lugar, é um ciclo natural.

    Existem mais argumentos para ambas as partes, porém, só saberemos se houve ou não estouro de bolha imobiliária no Brasil depois que ela ocorreu, no presente não é possível saber, apenas temos conjecturas.

    Após 5 anos de forte valorização seguidos, de 2005 a 2010, e passado mais 3 anos, já estamos em 2013, ninguém viu a bolha imobiliária estourar, ninguém viu o percentual de crédito imobiliário subir a níveis estratosféricos em relação ao PIB.
    O crédito imobiliário segue aquecido, com juros baixo e população com nível de emprego altíssimo, como nunca na história deste país, como diria o nosso saudoso ex-presidente Luís Ignácio Lula da Silva.

    E para quem gosta de um bom bate-boca sobre o assunto, discussão em alto nível, opiniões diversas no transcorrer dos anos pode ler o tópico de imóveis no fórum Infomoney.

    E para quem deseja ler apenas argumentos pró-bolha imobiliária, ela existe, ela está aí a pleno curso e vai estourar com toda certeza do mundo, ou seja, é um site enviesado para isto, acesse BOLHA IMOBILIÁRIA NO BRASIL.

    Enfim, fica a gosto do freguês, o que pensar, o que concluir e como se precaver para um cenário ou outro que julgue mais provável com base em suas próprias convicções.

    Até o próximo post.

    Geral

    Viver de renda e independência financeira

    2 de fevereiro de 2013

    Afinal de contas para ter independência financeira é preciso viver de renda, apenas ter dinheiro aplicado em diversos ou poucos ativos que rendam o suficiente para você ficar na praia o dia inteiro ou qualquer lugar de sua preferência fazendo só aquilo que você gosta?

    A independência financeira não necessariamente vai se passar pelo completo ócio ou busca do prazer infinito gastando tudo que se poupou pelo vida ou parte dela. Ela deve ser conquistada com paciência, estratégia, disciplina, foco, talento, entre outras coisas mais.
    Não se faz necessário “chutar o balde”, largar tudo, mandar o emprego atual para alto, e se aventurar em algo que você talvez nem domine tanto como a sua atual profissão ou outro tipo de ocupação que seja.
    Muitas pessoas largam tudo, sem o devido planejamento, na emoção, se precipitam, e como não dominam para onde estão indo, como por exemplo, tentar viver de especulação no mercado mobiliário (bolsa de valores, títulos, etc…), mercado imobiliário, carros, enfim, seja o que for, podem se dar muito mal e acabarem quebrando, tendo que lidar o fracasso financeiro e muitas vezes voltar para a profissão antiga, cheio de dívidas e o que é pior, talvez defasado e com cargo inferior em status e remuneração que o anterior.

    Temos diversos casos de pessoas que conseguiram a independência financeira, e vivem de renda entre outras atividades mais prazerosas e lucrativas para suas vidas. Podemos ver um exemplo disto na reportagem Veja histórias de 6 investidores que vivem do mercado e saiba como chegar lá.

    Muitas vezes será melhor continuar na profissão onde se está, acumular patrimônio o máximo que puder, claro, dentro do aceitável para você, família e afins, e contar uma aposentaria no futuro, pública e/ou privada, deixando a profissão hobby, empreendimento hobby, coisas do tipo, para se divertir, ganhar dinheiro, ser mais útil, enfim, algo que lhe seja mais prazeroso no futuro, claro, se isto for suportável para você. Para quem não for, correr os riscos de se desfazer de tudo que se tem atualmente para se conseguir o sonho da independência financeira costuma ser o mais viável, já que para os mesmos, a vida é agora, o amanhã é incerto, e no longo prazo a única certeza que temos é que todos estaremos mortos.

    Viver de renda é completamente possível, porém se faz necessário acumular patrimônio como uma carteira de ações, renda fixa, imóveis, ouro etc., como os investidores citados na reportagem logo acima fizeram. Não se pode confundir o dinheiro da acumulação de patrimônio com o dinheiro para pagas as contas, aquele usado no dia a dia, é preciso separar muito bem, assim como um empresário tem que saber separar o que é lucro do seu capital de giro, nunca misturar alhos com bugalhos, esta é a chave.

    Como sempre diz o Maurício Hissa (Bastter) “ser trader é coisa séria, quem não sabe brincar, não deve descer para play”, parafraseando.
    Um bom vídeo sobre o assunto acumulação de patrimônio e independência financeira pode ser visto a seguir:

    A Filosofia Bastter de Acumular Patrimônio

    Até o próximo post.