‘Empréstimos’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: empréstimos

    Convidados

    Golpes em nome da Receita Federal para você fugir

    16 de julho de 2018

    Corretora de câmbio é alvo de investigação de lavagem de dinheiro e crimes financeiros

    Susto: Golpistas querem obter dados cadastrais e financeiros dos contribuintes

    Constantemente a RF, Receita Federal, faz alertas sobre golpes aplicados em seu nome para obter dados cadastrais e financeiros. Com a marca oficial da Receita, os e-mails ou cartas podem parecer convincentes. Com base nisto, vale ressaltar que o fisco não manda e-mails sem sua autorização, nem envia cartas pelos Correios pedindo que você acesse sites ou deposite dinheiro. Para se proteger, conheça a seguir alguns dos principais golpes aplicados em nome da Receita Federal:

    Cartas para regularizar dados cadastrais

    A Receita Federal alerta para um golpe de regularização de dados cadastrais por correspondência.

    O contribuinte recebe em casa uma carta com a marca da Receita, que contém um site para acessar e atualizar os dados bancários. Ao acessar esse site, o contribuinte está sujeito a vírus e códigos maliciosos que podem roubar seus dados pessoais, bancários e fiscais.

    Se você receber essa correspondência, a Receita orienta destruir a carta e jamais acessar o site indicado. O único site da Receita para fazer consultas, baixar programas ou alterar informações junto ao fisco é o idg.receita.fazenda.gov.br.

    Além disso, você só deve informar seus dados bancários na declaração do Imposto de Renda ou alterá-los por meio do extrato da Dirpf no portal e-CAC.

    Cartas que cobram IOF de tomadores de empréstimos

    Outro golpe aplicado em nome da Receita é uma carta falsa enviada a quem tomou ou está negociando um empréstimo. A correspondência exige o pagamento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para desbloquear o valor emprestado.

    Na carta, atribuída ao auditor-fiscal da Receita, há dados bancários para depósito, além de uma assinatura falsa.

    A Receita informa que não fornece dados bancários para recolher tributos federais via depósito ou transferência. A cobrança e o recolhimento do IOF são efetuados pela instituição que conceder o crédito.

    Para identificar que a correspondência é falsa, o fisco recomenda ficar atento a erros de português, informações confusas ou incorretas e orientações desencontradas.

    E-mails falsos – inclusive para avisar sobre erros no Imposto de Renda

    A Receita Federal alerta para e-mails falsos em nome da instituição, com mensagens que tentam obter ilegalmente informações cadastrais e financeiras. Algumas avisam sobre possíveis erros na declaração do Imposto de Renda ou cobram débitos que não existem.

    Com timbres oficiais da Receita, os e-mails misturam instruções verdadeiras e falsas e contêm links que são a porta de entrada para vírus e códigos maliciosos no computador.

    A Receita esclarece que não envia mensagens via e-mail sem a autorização do contribuinte, nem autoriza terceiros a enviarem mensagens em seu nome. Sua única forma de comunicação eletrônica é por meio do portal e-CAC.

    Se você receber uma dessas mensagens, a Receita aconselha não abrir arquivos anexados, normalmente programas que podem causar danos ao computador ou capturar informações confidenciais. O fisco também recomenda não clicar em links e excluir imediatamente a mensagem.

    Até mais.

    Convidados

    Empréstimos em Bancos ou Online? Saiba as diferenças

    2 de maio de 2017

    Hoje o Brasil ainda vive uma crise muito grande, nunca houve um percentual tão grande de empresas fechadas graças a nossa economia atual, somente em 2015 foram 1,8 milhões de empresas fechadas, de todos os tipos e setores.

    Milhões de brasileiros ficaram sem empregos e sem renda fixa, alguns ainda tentam sobreviver matando um leão por dia, mas sobrevivendo. Outros recorrem a empréstimos em cima de empréstimos para sobreviver, muitos nem sequer olham para a taxa de juros ou fazem algum estudo para o pagamento destes empréstimos, e acabam indo a falência, cedo ou tarde.

    E como todos sabem, junto da tecnologia dos últimos anos, vieram novas maneiras de se fazer empréstimos sem tanta burocracia ou com juros competitivos, estou aqui para mostrar as principais diferenças entre fazer um empréstimo em um banco convencional e em uma empresa de empréstimos totalmente online.

    Empréstimo Online é Seguro?

    Essa é a maior dúvida de todos, onde muitos evitam acionar empréstimos online pelo fato de não conhecerem tão bem este tipo de serviço. Mas se pesquisado cuidadosamente, poderemos ver que existem muitas empresas confiáveis que fazem empréstimos online. Se a empresa está vinculada a alguma matéria de imprensa confiável e tem seus dados como CNPJ em dia no Banco Central, não há motivos para desconfiança.

    Quais as Vantagens do Empréstimo Pessoal Online?

    Como empresas de empréstimo online não possuem agências ou muitos estabelecimentos físicos, o custo da operação cai, e muito, e essa é a maior vantagem que uma empresa online pode lhe oferecer, uma grande diferença nos juros. Além de toda praticidade e agilidade na hora de fazer um empréstimo.

    Comparação de Juros em Bancos e Online

    Neste site confiro os empréstimos online (que você poderá ver abaixo):

    Empresa Juros
    Lendico 2,40%
    Creditas 1,99%
    Meu Crédito 4%
    Trigg 1,77%
    FinanZero 9,90%

    Fonte: CoolFinance

    Empresa Juros
    Banco do Brasil 5,85%
    Bradesco 6,67%
    Caixa Econômica 6%
    Itaú 6,43%
    Safra 5,90%

    Fonte: ProconSP

    Comparando as tabelas, fica claro a diferença de no valor dos juros a serem pagos mensalmente.

    Imagine que eu preciso de um empréstimo de R$ 10.000. Se eu fizesse empréstimo pelo Banco do Brasil ao final de 12 meses pagaria por mês R$ 7.020 somente de juros, aproximadamente 70% a mais do que peguei emprestado. Se eu fizesse a mesma coisa pelo Lendico o valor total de juros ao longo de 12 meses seria de R$ 2.880. Deu para notar a diferença.

    Agora só cabe a você se planejar corretamente e ver quanto o seu bolso consegue pagar e em quanto tempo. Não esqueça: quanto mais rápido fizer o pagamento total, menor o valor ficará.

    empréstimos

    Convidados

    Fintechs: a revolução dos empréstimos no Brasil

    3 de março de 2017

    Fintech é um termo originário da junção de finanças com tecnologia. Sendo assim, fintech passou a ser toda empresa que oferece serviços financeiros que se diferenciam pelas facilidades oferecidas pela tecnologia através da internet.

    São startups que criam inovações na área, oferecendo opções de conta corrente, cartões de débito e crédito, empréstimos pessoais e corporativos, pagamentos, investimentos, seguros, entre outros. As fintechs transformaram-se é uma forma mais rápida, barata e transparente de lidar com o dinheiro.

    Se nos basearmos especificamente no caso da obtenção de crédito online, perceberemos que existem alguns diferenciais em relação ao mesmo serviço oferecido pelas instituições bancárias tradicionais. E esse será o assunto a ser discutido a seguir.

    Fintechs: a revolução dos empréstimos no Brasil

    Fintechs: a diferença de crédito online em relação aos bancos

    Com base nas fintechs, podemos destacar a praticidade e a agilidade de se conseguir um crédito sem nem precisar sair de casa, utilizando apenas seu computador. Essa facilidade de resolver essa questão pode vir acompanhada ainda de juros mais baixos.

    Parece bom demais para ser verdade? Pois saibam que a evolução do mercado, ditada pela internet, tem se desenhado totalmente a nosso favor. E vem colocando os tradicionais bancos em uma situação de necessidade de mudança para acompanharem esse novo cenário.

    Vejamos alguns exemplos mais comuns do crédito online:

    Cartão de crédito

    Hoje já podemos solicitar um cartão de crédito online sem estarmos ligados a banco algum. É o caso do Nubank, a fintech brasileira de maior sucesso do momento. Você pode solicitar um cartão de crédito Nubank e escolher o limite que gostaria de possuir. E sem cobrança de anuidade ou tarifas.

    Todo o processo de solicitação é feito pelo seu smartphone. Depois de aprovado, você receberá seu cartão em casa e acompanhará toda sua movimentação através de um aplicativo. Assim que um compra for efetuada, o aplicativo te avisará o valor e o local onde o cartão foi utilizado. O cliente poderá acompanhar toda fatura a qualquer momento.

    O aplicativo te avisará quando deverá pagar a fatura, assim como os valores já programados para as seguintes. O Nubank te enviará, ainda, um email com o extrato e o boleto da fatura a vencer. Quer mais? A taxa de juros cobrada está abaixo do mercado.

    O Nubank tem seu lucro através de uma taxa chamada interchange. A cada compra realizada com o cartão, de bandeira Mastercard, o lojista paga uma taxa de cerca de 5%. Parte dessa taxa é revertida ao Nubank. Sem contar que a empresa possui uma estrutura enxuta e mais barata.

    Empréstimo Pessoal

    Após a chegada das fintechs, solicitar um empréstimo pessoal através da internet virou realidade. Todo o processo, que inclui simulação, análise de crédito e a assinatura do contrato, podem ser feitos online e com respostas na hora. E sem a necessidade de ter algo para colocar em garantia.

    Além da economia de tempo, de não precisar conversar com o gerente de um banco e sem a necessidade de assinar toda aquela papelada, os juros de sites de empréstimo online costumam oferecer ainda taxas de juros mais baixas que das instituições bancárias.

    Sites como o Geru, Lendico e JustBank oferecem juros baixos, mas não aceitam negativados. Já o Simplic e o Moneyman aceitam negativados, mas possuem juros altos e costumam emprestar pequenos valores.

    Empresas como a Juros Baixos, por exemplo, atuam como comparadores de empréstimos, auxiliando na missão de achar o empréstimos mais barato entre as fintechs de crédito online e os bancos.

    Empréstimo para autônomo

    As fintechs chegaram para ajudar também os autônomos que tem dificuldade de conseguir um empréstimo bancário. Elas conectam pessoas físicas dispostas a emprestarem valores para terceiros em troca de pagamento com juros em um modelo conhecido como peer-to-peer (de igual para igual).

    As taxas de juros costumam ser mais baixas pela menor presença de intermediários. A startup Biva foi uma das primeiras a oferecer essa alternativa no Brasil. A Nexoos é outra plataforma desse segmento.

    Como a Biva não é um banco, todas as transações são realizadas através de instituições financeiras parceiras, entre elas a Sorocred, autorizadas pelo Banco Central a realizar esse tipo de atividade.

    O empreendedor costuma pagar taxas mensais de 1,5% a 4% com a possibilidade de pagar em até 24 meses o empréstimo (de R$2 mil a R$50 mil). E os investidores tem retorno de até 25% ao ano. E a taxa de inadimplência é menor também. Mais um ponto positivo para os investidores.

    Cuidado com os golpes

    Golpes também existem nesse ramo. Empresas que solicitam depósitos adiantados, taxas de cartório ou qualquer outra taxa adiantada estão aplicando um golpe. Esse expediente contradiz com a proposta das fintechs de que o cliente nunca vai pagar algo adiantado.

    Outro cuidado é não dar suas informações pessoais para empresas fraudulentas. Não aceite ofertas de empréstimo de sites falsos. Há cibercriminosos atrás destas informações para futuros golpes financeiros.

    A dica é pesquisar bastante antes de fechar um contrato. Verifique se o endereço do site é real, se a empresa possui um CNPJ válido e se ela está vinculada a algum banco no Banco Central. Pesquise, também, sua reputação em sites especializados.

    Além disso, não se esqueça de comparar as taxas de juros antes de pegar um empréstimo.

    Caso você já tenha utilizado algum desses serviços, deixe aqui seus comentários contando sobre os resultados obtidos. Você ficou satisfeito com o serviço de alguma fintech?

    Geral

    Investir através de cooperativa de crédito?

    13 de novembro de 2014

    Que tal investir através de uma cooperativa de crédito ganhando 100% da taxa básica de juros da economia, SELIC, e ainda quando precisar, ter disponível empréstimos com valores bem menores que os praticados pela maioria das instituições financeiras como bancos, por exemplo?

    Sim, isto é possível.

    Ainda mais agora que temos o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), que nada mais é do que uma forma de igualar as condições de competitividade com os bancos comerciais, protegendo depositantes e investidores dos bancos cooperativos e das cooperativas de crédito, além de contribuir com a manutenção da estabilidade do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), ampliando a credibilidade do sistema, conforme pode ser lido no site fgcoop.coop.br.
    logomarca da fgcoop
    Para quem não sabe o que é uma cooperativa de crédito, leia a seguir esta FAQ retirada do próprio site do Banco Central (BC):

    1. O que é uma cooperativa de crédito?
    A cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada por uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente, com forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, sem fins lucrativos, constituída para prestar serviços a seus associados.

    O objetivo da constituição de uma cooperativa de crédito é prestar serviços financeiros de modo mais simples e vantajoso aos seus associados, possibilitando o acesso ao crédito e outros produtos financeiros (aplicações, investimentos, empréstimos, financiamentos, recebimento de contas, seguros, etc.).

    2. As cooperativas de crédito só podem ser formadas por empregados de empresas?
    Não. As cooperativas também podem ser formadas por pessoas de uma determinada profissão ou atividade; agricultores; pequenos e microempresários e microempreendedores. Além disso, existem cooperativas de crédito de livre admissão de associados, nas quais coexistem grupos de associados de diversas origens e atividades econômicas.

    3. Quais são as vantagens da constituição de uma cooperativa de crédito?
    As vantagens são:

    – A cooperativa pode ser dirigida e controlada pelos próprios associados;
    – A assembleia de associados é quem decide sobre o planejamento operacional da cooperativa;
    – A aplicação dos recursos de poupança é direcionada aos cooperados, contribuindo para o desenvolvimento do grupo e, também, para o desenvolvimento social do ambiente onde vivem;
    – O atendimento é personalizado;
    – O crédito pode ser concedido em prazos e condições mais adequados às características dos associados;
    – Os associados podem se beneficiar com o retorno de eventuais sobras ou excedentes.

    4. A cooperativa de crédito pode fornecer talão de cheque?
    Sim. O fornecimento de até dez folhas de cheques por mês é considerado serviço essencial a pessoas naturais que mantenham conta de depósito à vista na instituição e pode ser oferecido, desde que o correntista reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, de acordo com a regulamentação em vigor e as condições pactuadas. Conforme estabelece a Resolução CMN 3.919, de 2010, a instituição não poderá cobrar tarifas pela prestação desse serviço.

    5. Posso obter um empréstimo em uma cooperativa de crédito?
    Sim. As cooperativas de crédito podem oferecer praticamente todos os serviços e produtos financeiros disponibilizados pelos bancos, desde que os clientes sejam seus associados. Para ser associado é necessária a integralização de uma cota do capital da cooperativa.

    6. Um associado de cooperativa de crédito que perdeu o vínculo empregatício pode permanecer na cooperativa?
    Não, se ele for associado de uma cooperativa que congregue somente funcionários de uma empresa ou grupo de empresas. Caso seja associado de uma cooperativa cujo vínculo não seja o empregador ou de uma cooperativa de livre admissão, não há necessidade de se desligar da cooperativa.

    A Lei 5.764, de 1971, em seu artigo 35 exige a exclusão de associados que deixem de atender aos requisitos estatutários de ingresso ou permanência na cooperativa. Assim, a administração da cooperativa está obrigada a providenciar a sua exclusão, nos termos legais.

    Adicionalmente, de acordo com o inciso III do artigo 21 da referida Lei, deve constar no estatuto social da cooperativa a forma de devolução do capital ao associado que se desliga.

    7. Uma pessoa jurídica pode participar de uma cooperativa de crédito?
    Sim. As pessoas jurídicas podem figurar como associadas nas cooperativas de crédito, desde que sejam observadas as regras de admissão específicas para cada tipo de cooperativa, com relação à origem e atividade econômica.

    8. As cooperativas de crédito podem admitir entes públicos como cooperados?
    Não. Conforme determina o artigo 4º, parágrafo único, da Lei Complementar 130, de 2009, não serão admitidos no quadro social da sociedade cooperativa de crédito a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios bem como suas respectivas autarquias, fundações e empresas estatais dependentes.
    bcb.gov.br/?COOPERATIVASFAQ

    Enfim, para quem não sabia, serve no mínimo para conhecimento.

    Convidados

    Guest Post: O que saber para pegar um empréstimo pessoal?

    20 de outubro de 2014

    O que você deve saber na hora de pegar um empréstimo pessoal

    Momentos de aperto financeiro são, geralmente, inesperados. Quando o carro dá problema, você ou algum familiar precisa realizar uma intervenção médica de emergência, um aumento no preço dos materiais de construção da casa “embargou” a obra, sempre são situações que nos pegam desprevenidos – nós e nossos bolsos.

    Nessas horas, muitas pessoas recorrem aos bancos para pegar um empréstimo pessoal. No entanto, diante do caráter de emergência dessas situações, nem sempre quem está pegando o dinheiro emprestado toma as cautelas necessárias e acaba entrando em uma verdadeira espiral de dívidas, com juros altíssimos e parcelas que não consegue pagar.
    empréstimo consignado
    Por isso, o Defenda Seu Dinheiro preparou um “miniguia” com o que você deve saber antes de pegar um empréstimo pessoal:

    1 – O Custo Efetivo Total (CET)

    O Custo Efetivo Total é a melhor forma de você medir o impacto financeiro que o empréstimo irá causar no seu orçamento no longo prazo. Tenha em mente que você sempre terá que pagar um valor maior do que você pegou emprestado, e o CET lhe fornece essa informação, calculando todos os juros, taxas e tarifas cobradas pela instituição financeira no momento da celebração do contrato. Além disso, é possível que outros serviços sejam embutidos no contrato – como um seguro, por exemplo – que podem passar desapercebidos, mas que certamente estarão presentes no Custo Efetivo Total.

    2 – As parcelas do consignado não podem exceder 30% do seu salário

    Uma das principais vantagens do empréstimo consignado é que as parcelas são descontadas diretamente do seu contracheque, permitindo que a instituição financeira ofereça juros e taxas menores. No entanto, é preciso ficar atento: por lei, as parcelas do empréstimo consignado não podem ultrapassar 30% dos seus rendimentos mensais. Se você se deparar com um contrato de consignado cujas parcelas excedam esse limite, você estará firmando um compromisso ilegal com uma instituição de má-fé. Tome cuidado!

    É importante ressaltar, também, que como o empréstimo será descontado diretamente no seu contracheque, você deve verificar se a instituição financeira que está oferecendo o empréstimo possui convênio com o seu empregador e, sempre que puder, evite fazer negócio com instituições desconhecidas ou com condições favoráveis demais – quando a esmola é demais, o santo desconfia.

    3 – Você pode rever os termos do contrato na Justiça

    É absolutamente fundamental que você leia e esteja ciente de todos os termos do contrato antes de assiná-lo, mas se porventura você agir imprudentemente e não fazê-lo, é possível pleitear na Justiça, posteriormente, a revisão desse contrato – mas apenas se esse contrato contiver cláusulas abusivas, que violem o Código de Defesa do Consumidor. No entanto, tenha em mente que, ao assinar o contrato, você está manifestando sua concordância com os termos ali presentes, então não espere que um juiz vá simplesmente eximi-lo de pagar as parcelas restantes do seu empréstimo.

    4 – Cada banco é um banco

    As diferenças entre os juros praticados e as taxas cobradas podem variar inacreditavelmente de um banco para outro. Por isso, é interessante fazer uma pesquisa com algumas das instituições financeiras de sua confiança – se você tiver um bom relacionamento com o gerente de alguma, melhor ainda – para tomar ciência dos termos e condições dos empréstimos oferecidos. Assim, você terá certeza de que estará pegando um empréstimo com boas condições que não vão te “enforcar”.

    Por Marcos  Chaves, colaborador do site de Finanças Empréstimo Consignado.

    Geral

    Globo Repórter: Mapa da dívida brasileira

    31 de agosto de 2014

    Ótimo programa que foi ao ar ontem pela Rede Globo que fala sobre o nosso povo estar muito endividado e como se livrar das dívidas.

    Alguns temas que abordaram:

    – MAPA DA DÍVIDA BRASILEIRA
    Financiamento imobiliário exige planejamento para ser um bom negócio

    – PALMAS
    Capital mais jovem do país tem 92% das famílias pagando contas em dia

    – APRENDIZADO
    ‘Príncipe’ ajuda advogada a se organizar e sair de uma dívida de R$ 70 mil

    – FLORIANÓPOLIS
    Capital com maior renda tem famílias entre as mais endividadas do Brasil

    – REDUZINDO GASTOS
    Aracaju reduz inadimplência pela metade em dois anos (TV Globo)

    Brasileiros em apuros com cartão aprendem a pensar antes de gastar (TV Globo)

    – LIÇÕES ECONÔMICAS
    Fortaleza é a capital com a menor dívida média do Brasil (TV Globo)

    Universidade ensina funcionários a organizar orçamento na aposentadoria (TV Globo)

    Confiram, são vários vídeos/reportagens, mas vale a pena, pois são vários exemplo e lições para os endividados brasileiros no nosso atual “des”governo!

    Veja também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Como sair da inadimplência e começar 2014 no azul?

    26 de novembro de 2013

    Para quem quer sair do vermelho de 2013 e começar 2014 no azul deve saber que para isto será necessário fazer um bom planejamento financeiro. O caminho para sair da inadimplência é ter um planejamento financeiro de qualidade e bem definido para o próximo ano, conforme podemos observar em matéria publicada hoje no portal Infomoney “Quer começar 2014 no azul? Saiba fazer um bom planejamento financeiro”.

    Saiu uma pesquisa recente a qual demonstra que mais de 50% dos consumidores inadimplentes no país declararam estar “muito” endividados. Vejam algumas dicas para quem deseja começar 2014 no azul:

    1. Defina seus objetivos;
    2. Estabeleça um plano;
    3. Faça as contas;
    4. Siga o planejado.

    É tão importante quanto fazer planejamento bem feito é seguir o que foi planejado, sendo assim é imprescindível que pense nos seus objetivos antes de fazer compras de forma impulsiva impulso. Recomenda-se fazer o uso de planilhas para controlar a relação ganhos/despesas mensais, atualizando os valores diariamente. Ainda conforme a reportagem: “Um planejamento como este ajuda você a usar melhor seu dinheiro.”

    Para ler a matéria completa, confira o link a seguir:

    Quer começar 2014 no azul? Saiba fazer um bom planejamento financeiro
    Para sair da inadimplência, o caminho é ter um planejamento financeiro bem definido para o próximo ano, apontou a Boa Vista Serviços
    8h00 | 26-11-2013

    Leia também:

    Até o próximo post.

    Filmes

    Money as Debit(Dinheiro como Dívida)

    24 de julho de 2013

    Excelente vídeo, vale muito a pena conferir!
    Se trata de um interessante vídeo didático sobre a origem do dinheiro.
    Assista e entenda como funciona o dinheiro, os bancos, empréstimos, crises e crédito:

    Até o próximo post.