Dicas para Lidar com seu dinheiro, Poupança, Fundo de Investimentos e Cartões
Convidados

Dicas para Lidar com seu dinheiro, Poupança, Fundo de Investimentos e Cartões

16 de julho de 2018

A caderneta de poupança é a opção tradicional de investimento do brasileiro comum. Nem por isso é sempre a melhor opção. A escolha de um investimento depende dos objetivos e do perfil do poupador.

Uma coisa, porém, é certa: não há mágica, é preciso economizar e postergar (adiar) o consumo. Como diz o ditado, de grão em grão, a galinha enche o papo. Os investimentos ajudam a aumentar este número de grãos que a economia vai juntando. A seguir, vamos tratar de algumas questões relacionadas a dinheiro que podem lhe interessar.

relogio-analogico-despertador-dourado

Caderneta de Poupança

As cadernetas de poupança existem no Brasil desde o Segundo Reinado. Seu surgimento aconteceu quase três décadas antes da Lei Áurea, por exemplo. Foram criadas em 1861 no decreto que estabeleceu as regras de atuação da Caixa Econômica Federal. Já naquele tempo, eram garantidas pelo governo. Foram criadas para servir de aplicação para as classes menos abastadas do Império e não aceitavam depósitos superiores a 50 mil-réis por semana.

Atualmente, uma caderneta de poupança pode ser aberta em qualquer banco (o depósito necessário para abertura varia de instituição em instituição, mas é pequeno), normalmente as pessoas optam por usar os serviços de sac para obther informações.

Entre as vantagens da poupança, está a simplicidade. Qualquer que seja o banco, a poupança será remunerada da mesma maneira, que é definida pelo governo federal e está ligada à taxa Selic de juros. Outro ponto positivo é que é fácil abrir uma conta de poupança. Além do pequeno deposito inicial, que já citamos acima, são necessários um documento de identidade com foto (por exemplo, o RG), o CPF e comprovante de residência. Por via das dúvidas, confira no site do banco em que pretende abrir a conta ou em uma agência deste quais são os documentos necessários.

A poupança também possui alta liquidez: o dinheiro pode ser retirado a qualquer momento, sem aviso prévio de acordo com as necessidades do poupador. Apenas a partir da terceira retirada no mesmo mês, o banco pode começar a aplicar tarifa sobre a movimentação do dinheiro da poupança.

Outra vantagem da poupança é que ela não está sujeita a Imposto de Renda, IOF ou taxa de administração. Além disso, em caso de que quebra da instituição financeira, o Fundo Garantidor de Crédito, fundo particular sem fins lucrativos que zela pela saúde do mercado financeiro, garante o dinheiro nas cintas de poupança da instituição até o valor de 250 mil reais por investidor. Por isso, a poupança é considerada uma opção bastante segura e conservadora.

É preciso, porém, levar em conta que os rendimentos da poupança costumam ser relativamente baixos e, em alguns momentos, chegaram a ficar abaixo da inflação. De modo geral, costuma haver uma relação inversa entre segurança e rendimentos: quanto mais protegido um investimento, menores as possibilidades de rendimento dele. Contudo, a poupança tem grande mérito como opção razoavelmente segura para economizar, proteger o patrimônio da inflação e ir aumentando-o.

Fundos de Investimento

Uma outra opção de investimento interessante são os fundos de investimento. Eles são uma opção um pouco mais complexa do que a poupança, até por causa de sua multiplicidade. Repare que falamos em fundos no plural. Há varias opções, umas mais rentáveis do que as outras.

Basicamente, um fundo de investimento reúne o dinheiro de vários poupadores, que compram cotas (a menor unidade à venda do fundo) e por isso são chamados de cotistas. O dinheiro das cotas é investido em um portfolio, um conjunto de ativos, ou seja, de investimentos.

Entre as vantagens de um fundo de investimento, está o fato de que, como os custos operacionais são divididos entre os cotistas, o custo para cada um deles é menor do que seria se estivesse investindo e arcando com os gastos sozinho.

Outra vantagem é que, por reunir os recursos de vários investidores, o fundo tem mais dinheiro do que o investidor individual e pode distribuí-lo por mais opções de investimento, diversificando mais. Isso aumenta a segurança dos investidores porque significa que, mesmo que uma classe de investimento (por exemplo, ações de estatais) na qual dinheiro tenha sido investido tenha se desvalorizado, outros investimentos feitos podem ter um desempenho que amenize ou mesmo elimine a perda. É a velha tática de não colocar todos os ovos (no caso, seu dinheiro) na mesma certa que pode ir ao chão a qualquer momento.

Outro ponto positivo dos Fundos de Investimento é que são regulados e supervisionados por organizações como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA). Isso contribui para a segurança do investidor. Além disso, os fundos são administrados por profissionais aos quais o investidor provavelmente não teria acesso de outra maneira.

Por outro lado, os fundos, desde 2016, não contam com proteção do Fundo Garantidor de Créditos em caso de quebra da instituição administradora. Porém, esta é uma questão relativamente pequena porque o dinheiro dos fundos não se mistura com o patrimônio da instituição. O que acontece em caso de quebra, portanto, é que os cotistas transferem o fundo para a administração de outra empresa.

Os fundos podem ser classificados, entre outras maneiras, pelos investimentos que fazem. Alguns investem predominantemente em ações, outros em ativos em moeda estrangeira, outros em renda fixa, etc. Outros para os chamados fundos investem em uma larga gama de ativos.

Os rendimentos variam de fundo para fundo e de época para época. Uma questão que deve ficar clara ao investidor é que rendimentos passados não são garantia de rendimentos futuros. Um fundo que investe pesadamente em ações podem render muito quando a Bolsa de Valores está “bombando” e perder dinheiro quando ela cai. Os administradores do fundo podem ter encontrado uma ótima oportunidade de investimento em um ano, mas não conseguir encontrar nada no ano seguinte.

Cartões de banco

Os cartões de banco (por exemplo, os cartões Ourocard do Banco do Brasil ou Bradesco Visa Internacional. Em caso de dúvidas contate um canal 0800 para mais informações) podem oferecer ao cliente opções de crédito, investimento e outros serviços, como internet banking, interessantes. Mas trata-se de uma faca de dois gumes, pois muitas pessoas cometem erros no uso desses recursos (por exemplo, excesso de uso de crédito) e acabam se enrascando.

Entre os bancos que fornecem serviços interessantes, podemos mencionar o Banco Pan, que oferece produtos financeiros como financiamento de veículos e empréstimo consignado além de investimentos, como poupança, CDB (um título que bancos vendem para se capitalizarem) e LCI (letras de crédito imobiliário, um tipo de investimento em imóveis).

No Comments

Leave a Reply

CAPTCHA *