Renda extra: veja como a economia compartilhada pode te ajuda
Convidados

Renda extra: veja como a economia compartilhada pode te ajuda

13 de outubro de 2021

Renda extra: veja como a economia compartilhada pode te ajuda

A economia compartilhada pode ser o melhor meio para você gerar renda extra

Você se lembra da locadora de filmes? Inicialmente o comércio locava fitas e depois passou a locar DVDs, acompanhando a evolução da tecnologia. Com o tempo acabou se tornando obsoleto pela pirataria e, futuramente, plataformas de streaming. Mas não pense que esse tipo de negócio acabou! Ele segue firme em suas várias alternativas. 

Uma pesquisa feita em 2018 pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) mostrou que 87% dos consumidores afirmam que a economia compartilhada é positiva para a vida das pessoas.

No texto de hoje você entenderá melhor como a economia compartilhada – também chamada colaborativa – pode ser uma boa alternativa de renda extra para você.

O que é a economia compartilhada 

A ideia da economia compartilhada surge a partir da conscientização do consumo e de que não devemos buscar lucro a todo custo sem nos preocupar com o impacto social que esse comportamento causa. 

A economia compartilhada é simples: em vez de fazer a aquisição do produto ou serviço, você pode emprestar, alugar ou comprar de outra pessoa.

Uma pesquisa da consultoria PwC estima que, até 2025, a economia compartilhada deverá gerar mais de US$300 bilhões em novos negócios. 

Quais os benefícios da economia compartilhada 

A economia compartilhada tem inúmeros benefícios! Veja-as abaixo:

Inclusão financeira: a economia compartilhada gera oportunidades às classes mais pobres, que antes precisava priorizar produtos ou serviços – ou nem tinha acesso a quase nada; 

Crowdsourcing: a contribuição coletiva para solucionar problemas, especialmente da baixa renda, certamente é uma das maiores vantagens da economia compartilhada;

Movimentação na economia familiar: aqueles apetrechos que não usa mais em casa poderão se tornar renda extra e até ajudar a sair das dívidas! Você poderá investir esse dinheiro ou doar para uma instituição de caridade, por exemplo.

Cadeia de atendimento: exemplos disso são os bancos 24h, escritórios de coworking e aplicativos de entrega;

Reduzir impactos negativos no meio ambiente: você começará a alugar uma bicicleta ou um patinete, por exemplo, deixando o carro apenas para os fins de semana;

Incentivo ao consumo sustentável: isso envolve o tópico acima, mas também o consumo físico. Aqui podemos acrescentar os produtos usados, tanto na venda como na compra. Isso também vale para as plataformas de streaming, que ajudaram na queda da produção de plástico, por exemplo;

Fortalecimento de comunidades: como na captação de serviços entre freelancers, por exemplo; 

Melhora de produtos e serviços: a competitividade aumenta, fazendo com que as empresas precisem melhorar os seus produtos e serviços;  

Experiência de consumo de ponta a ponta: considerando a opção anterior, como as empresas estão competindo entre si, você terá a oportunidade de escolher a melhor de acordo com suas prioridades;

Serviços baratos e acessíveis: a ideia principal da economia compartilhada é exatamente essa! Trazer um serviço que antes era bem mais seletivo e abrange agora muito mais classes sociais; 

Trabalho profissional qualificado: com a melhora dos serviços e a competitividade, o trabalho profissional acabou ficando mais qualificado, o que, para os consumidores é excelente.

Como ela pode te ajudar a ter renda extra 

A economia compartilhada funciona baseada em benefícios mútuos. Separamos algumas opções famosas mundialmente:

Transportes e viagens 

Pesquisa do Guia Bolso mostrou que apps de transporte consomem até 10% do orçamento dos brasileiros! Ou seja, a economia compartilhada por meio dos aplicativos de transporte pode ser um excelente negócio para você.

Nos exemplos famosos de transporte temos a Uber e a 99 como alternativas ao táxi, mas também o BlaBlaCar para distâncias mais longas. 

O CNDL também mostrou que 65% dos brasileiros preferem solicitar corridas com um app ao invés de ter um carro próprio – dentre os motivos estão os altos custos com combustível, estacionamento e manutenção.

Outro meio para quem não dirige é a economia compartilhada para viagens, como Airbnb e Couchsurfing. O primeiro é o aluguel do imóvel todo (ou apenas o quarto, por exemplo), o segundo acaba sendo algo bem mais simples, mas gratuito! 

Serviços colaborativos 

Se você não dirige e nem tem um imóvel ou cômodo para alugar, pode tentar outros meios para conseguir uma renda extra, dentre eles está a DogHero. Nessa plataforma você se conectará com donos de pets que precisam deixar seus bichinhos com alguém de confiança, ou seja, você será um cuidador.    

Venda de produtos que você não usa mais 

Parece óbvio, mas não é. Sabe aquela esteira que você comprou prometendo a si mesmo que usaria diariamente? Pois bem! Está sendo usada como cabide há anos! Mas não seja por isso, se ela estiver funcionando normalmente, poderá se transformar em dinheiro para você. Como? Há muitos lugares para isso! Vamos aos mais famosos: OLX, Enjoei, Elo7, Mercado Livre, Marketplace e Shoppe.

Aluguel de produtos 

Se você não quer se desfazer de produtos que utiliza, pode então alugá-los! Dá para se fazer bastante renda extra com itens que usamos de vez em quando. Como o que? Vamos a alguns exemplos:

  • Câmera GoPro
  • Drone
  • Mala de viagem
  • Vestido de festa
  • Decoração de festa
  • Ferramentas 
  • Jogos de videogame
  • Carros diferenciados, como Fusca ou Chrysler – para casamento. 

Criatividade nas finanças 

Estamos passando pelo momento pós-pandemia, então muita coisa tem sido novidade às pessoas, especialmente no Brasil. Nos encontramos em meio a uma grande crise, então é preciso criatividade nas finanças pessoais. A começar pelo planejamento financeiro. Por ele você vai basear todos os seus gastos: o que entra e o que sai, e isso é de extrema importância.  

Baseado em tudo o que dissemos anteriormente, comece trocando as viagens de carro pelos transportes de app, assim economizará com IPVA, estacionamento, manutenção, entre outros. Vai fazer uma grande viagem? Alugue o carro.

Deixe as hospedagens caras em hotéis para trás e opte pelo Airbnb. 

Não tem com quem deixar seu pet? O hotelzinho pode pesar no bolso, então o DogHero pode te salvar.

Considerações finais 

Vimos que a economia compartilhada surgiu há décadas e veio para ficar! Sendo aprimorada a cada ano, ela está se ampliando e incluindo mais pessoas, o que é incrível. Você já consome algum serviço desse meio? Qual o seu favorito? Deixe nos comentários!

No Comments

Leave a Reply

*

code