‘Selic’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: selic

    Convidados

    Taxa Selic pode ser reduzida para 7% ao ano

    5 de dezembro de 2017

    Happy businesswoman holding piggy bank against white background

    Na próxima quarta-feira, dia 06 de dezembro, será realizada a última reunião de 2017 do Copom (Comitê de Política Monetária). A expectativa do mercado é que a Taxa Selic tenha uma redução em 0,5 ponto percentual, marcando um novo piso histórico.

    Atualmente, a taxa básica de juros da economia está valendo 7,50%. Mas, se for confirmada a redução, ela vai passar para 7,0%.

    A Taxa Selic interfere diretamente nos rendimentos da poupança. Para entender melhor sobre sua rentabilidade, é preciso conhecer a regra utilizada para o cálculo:

    • 0,5% ao mês mais Taxa Referencial – caso a Taxa Selic seja superior a 8,5%.
    • ​70% da Taxa Selic mais Taxa Referencial – caso a meta da taxa seja igual ou menor que 8,5%.

    Com a queda da Selic, a poupança não oferece boa rentabilidade e isso faz com que o dinheiro perca potencial de compra. De certo modo, é como se o dinheiro estivesse perdendo valor em vez de se valorizar enquanto está aplicado.

    Por isso, muitos investidores têm buscado novos caminhos para investir dinheiro. Algumas das alternativas são os investimentos de Renda Fixa. Essa categoria abrange aplicações podem ser emitidas por instituições financeiras, como empresas de financiamento, bancos ou até mesmo o governo.

    Quando o investidor aplica dinheiro em Renda Fixa, seria como emprestar dinheiro para essas instituições, que por sua vez utilizam o dinheiro para financiar suas atividades. Em troca, na data combinada, o investidor recebe de volta o valor investido, acrescido dos juros.

    Investir em Renda Fixa além de muito fácil , também conta com a mesma segurança da poupança: o Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Isto é, supondo que o banco que emitiu o título quebre, o investidor tem a garantia de receber seu dinheiro de volta, respeitando o limite de R$250 mil por CPF e por instituição financeira.

    Por oferecer grande diversidade, o investidor pode escolher entre os títulos disponíveis aqueles que tenham mais a ver com seu perfil e objetivos. Além disso, pode combinar várias modalidades em sua carteira de investimentos com o objetivo de aumentar a segurança e as chances de sucesso.

    Conheça agora alguns dos títulos de Renda Fixa mais populares entres os brasileiros que estão à procura de novas possibilidades de investimento:

    CDB

    A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário e se refere a aplicações emitidas por bancos para captar recursos a fim de, entre outras coisas, melhorar suas estruturas e conceder empréstimos para seus clientes.

    Este investimento é protegido pelo FGC. Além disso, existem 3 tipos de títulos: prefixado, pós-fixado e híbridos.

    • Prefixado: nestes títulos, o valor a ser resgatado ao final do investimento é estabelecido no momento da compra.
    • Pós-Fixado: este tipo de título possui sua remuneração atrelada a um indexador da economia, que em muitos casos é o CDI.
    • Híbrido: estes títulos possuem um percentual fixo somado à variação de um indexador econômico.

    Tesouro Direto

    O Tesouro Direto é uma aplicação financeira de Renda Fixa bastante conhecida devido à sua alta liquidez e segurança. Isto quer dizer que, se preciso for, é possível resgatar o dinheiro aplicado a qualquer momento.

    Além disso, este título é bastante acessível pois aceita investimentos a partir de R$30. No entanto, é preciso ficar atento pois não são todos os títulos que podem ser adquiridos por este valor.

    LCI e LCA

    A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são investimentos em Renda Fixa isentos de Imposto de Renda e protegidos pelo FGC. A rentabilidade de uma Letra de Crédito possui características muito parecidas com o CDB, podendo ser prefixada, pós-fixada ou híbrida.

    Essas são apenas algumas opções possíveis para quem deseja fugir da poupança e ter melhores resultados. Existe uma variedade de investimentos com rendimentos mais interessantes que a caderneta, basta pesquisar e buscar aqueles que melhor se encaixam ao perfil e objetivos do investidor.

    Portanto, antes de começar os investimentos, é fundamental que se entenda sobre as opções disponíveis no mercado para poder fazer escolhas mais acertadas.

    Convidados

    5 motivos para tirar o seu dinheiro da poupança

    19 de outubro de 2017

    Vela a pena conferir 5 motivos para tirar o seu dinheiro da poupança e 5 aplicações financeiras que rendem mais, pois o tradicional investimento do país já não é mais tão vantajoso como era até um passado não tão distante…

    5 motivos para tirar o seu dinheiro da poupança e 5 aplicações financeiras que rendem mais

    A poupança sempre foi o investimento mais tradicional da população brasileira. Sempre foi a forma mais utilizada pelos investidores conservadores para poupar dinheiro, concentrando a maior parte do patrimônio do país. Considerada um investimento seguro e de longo prazo, a caderneta de poupança já não rende mais como antes, e está fazendo com que muitos investidores migrem para aplicações alternativas.
    Com base nisto, Daniel Zamboni, assessor de investimentos na Br Investe, elencou cinco motivos de que é hora de tirar o seu dinheiro da poupança, apontando ainda cinco opções de investimentos que oferecem rentabilidades maiores.

    Veja a seguir:

    1) Inflação

    Segundo Zamboni, os ganhos na caderneta de poupança podem ser enganosos. “O que realmente importa na hora de aplicar é o ganho real, ou seja, a parcela da rentabilidade que ultrapassa a inflação, garantindo nosso poder de compra ao longo do tempo”. O assessor explica que nos últimos três anos, enquanto o ganho nominal da poupança está em 7,85% ao ano, o ganho real foi de apenas 0,77% a.a.

    2) Nova regra

    Com a queda da taxa Selic para patamares inferiores a 8,5% ao ano, Zamboni explica que entra em vigor a nova regra da poupança: o investimento passa agora a render 70% da taxa Selic + taxa Referencial (TR), contra 0,5% ao mês + TR calculado anteriormente. Em outras palavras, considerando a Selic atual, o rendimento caiu de 6,27% a.a. para 5,78% a.a., reduzindo a rentabilidade do poupador.

    3) Só rende no aniversário

    Com relação à carência, o assessor explica que, ao contrário de outras opções de investimento, a poupança não remunera diariamente, ou seja, para ter direito ao rendimento da poupança é preciso que o poupador espere a data exata dos depósitos nos meses seguintes. “Muitas pessoas não se atentam às datas de aniversário de seus depósitos na poupança, sendo que vários aplicadores nem sabem o que isso significa”, diz.

    Desta forma, se o investidor fizer uma aplicação no dia 10 de outubro, o rendimento ocorrerá somente no dia 10 de novembro, e se o resgate for feito no dia 9, o retorno será zero.

    4) Fundo Garantidor de Crédito (FGC)

    Criado para proteger o sistema financeiro contra possíveis problemas de insolvência, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) ressarce o capital dos investidores até o limite de R$ 250 mil por instituição e por CPF. Apesar da poupança contar com a segurança do FGC, Daniel afirma que há outras opções, como CDBs, LCIs, LCAs, LCs, que apresentam a mesma proteção, mas são “expressivamente mais rentáveis”.

    5) Rentabilidade

    O baixo retorno comparado a aplicações semelhantes é um dos principais motivos que levam os poupadores a migrarem para outros investimentos. Por mais que a diferença pareça pequena, em um primeiro momento, ao longo dos anos ela cresce exponencialmente. “Há um tempo atrás assessorei um casal que estava relutante em sair da poupança por julgar que a diferença no rendimento era pequena, mas após colocarmos tudo na ponta do lápis, o diferencial na rentabilidade era capaz de levá-los à Europa”, conta.

    Confira, abaixo, 5 aplicações alternativas à poupança que rendem mais:

    1) CDB (Certificado de Depósito Bancário)

    Coberto pelo FGC, os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) conseguem apresentar performance superior mesmo descontando o Imposto de Renda. Daniel explica que a aplicação possui liquidez diária ou só no vencimento, este último conta atualmente com opções de vencimento em 3 anos que pagam até 117% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

    2) LC (Letra de Câmbio)

    Também cobertas pelo FGC, as Letras de Câmbio (LCs) são cobertas pelo FGC e, assim como os CDBs, conseguem apresentar performance superior mesmo descontando o Imposto de Renda.

    3) LCI e LCA

    As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) são cobertas pelo FGC, possuem isenção de Imposto de Renda para pessoa física e 90 dias de carência por lei, ou seja, se você aplicar hoje precisa esperar 90 dias para resgatar o dinheiro. “São aplicações muito procuradas por pessoas que querem aplicar por até um ano, que nesse caso estão pagando até 95% do CDI, em contraste com os 70% da poupança”, diz.

    4) Tesouro Selic

    Garantido pelo próprio Tesouro Nacional sem limites de valor, o Tesouro Selic consegue apresentar performance superior, mesmo descontando o Imposto de Renda. Além disso, apresenta liquidez diária (D+1) e paga atualmente, 100% da Selic.

    5) Fundos Multimercados Conservadores

    Embora não possuam cobertura do FGV, costumam aplicar em ativos conservadores, como os títulos públicos. “Há uma diversidade muito grande no mercado, possibilitando adequação ao perfil de cada investidor no que se refere à rentabilidade e liquidez”, afirma Daniel.

    Até mais.

    Geral

    Investimentos seguros para bater a poupança em 2017

    4 de janeiro de 2017

    Embora hajam diversas projeções para queda da Selic em 2017 devido a forte retração econômica e forte queda da inflação em 2016, especialistas em investimentos continuam indicando a renda fixa para 2017. Veja quais são as melhores opções a seguir.

    “Apesar dos cortes na Selic, vamos continuar com juros altos. A inflação, que já caiu, deve ceder ainda mais no próximo ano, por isso o juro real segue interessante”, disse o consultor financeiro André Massaro a Exame.

    Dicas de especialista para passar 2017 no azul

    O Comitê de Política Monetária do Banco Central – Copom – reduziu a Selic no fim de novembro em 0,25 ponto percentual, para 13,75% ao ano. Foi o segundo corte consecutivo na taxa, que em outubro já havia sido ajustada de 14,25% para 14% ao ano, no primeiro corte em mais de quatro anos. Segundo o Boletim Focus do Banco Central, o mercado espera que os juros terminem 2017 em 10,50% ao ano.

    “A queda de juros pode diminuir um pouco o rendimento de títulos pós-fixados ligados ao CDI e Selic, mas para a renda fixa deixar de ser um bom investimento falta mundo. Enquanto tivermos uma taxa de juros de dois dígitos, podemos nos considerar um ponto fora da curva no mundo. O investidor que tem recursos disponíveis para investir tem que aproveitar isso, e sair da poupança”, falou o Massaro ao portal Exame.

    Confira abaixo algumas aplicações para quem busca rendimentos superiores à poupança e não deseja correr riscos grandes:

    Títulos públicos

    A opção mais segura de investimento para você fugir da poupança é o Tesouro Direto —plataforma online do governo federal para compra e venda de títulos públicos.

    A aplicação mínima inicial é de 30 reais e qualquer um pode investir, basta procurar um banco ou uma corretora para intermediar a negociação e escolher o título público que melhor se encaixa no seu objetivo.

    Em um cenário de queda da Selic, especialistas recomendam que você aplique em títulos prefixados. Eles não acompanham a taxa básica de juros ou a inflação, como outras opções de títulos, mas, sim, uma taxa determinada antes da aplicação.

    É importante destacar que você só vai ser remunerado por essa taxa prefixada se levar o título até o vencimento. Se decidir vender o papel antes do prazo, a rentabilidade pode variar.

    Isso porque existe uma relação inversa entre o preço do título e a taxa de juro. Ou seja, quando a Selic cai, o preço dos prefixados sobe. Por isso eles são uma aposta para 2017.

    “A inflação cedendo abre espaço para que o Banco Central reduza ainda mais a Selic no próximo ano, o que beneficia tanto os investidores de títulos prefixados quando os detentores de títulos atrelados ao IPCA”, diz Samuel Torres, analista da Spinelli Corretora.

    Ao aplicar no Tesouro Direto, você precisa ficar atento com as taxas cobradas pelas instituições financeiras autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Algumas delas isentam o investidor do pagamento, mas outras chegam a cobrar até 2% ao ano, o que compromete os ganhos.

    Além da taxa, você também deve considerar que a aplicação em títulos públicos sofre tributação de Imposto de Renda. Sobre os resgates em até 180 dias incide uma alíquota de 22,5%; de 181 dias a 360 dias o imposto cai para 20%; de 361 a 720 dias vai para 17,5%; e acima de 721 dias é aplicada a menor alíquota, de 15%.

    CDBs e LCs

    Ao comprar um CDB, o investidor empresta dinheiro para a instituição financeira e recebe uma remuneração por isso. O banco empresta o dinheiro a outros clientes e, para garantir lucro, paga uma taxa menor ao investidor do que a que cobra para emprestar aos tomadores de crédito.

    O mais comum é que os CDBs sejam pós-fixados e atrelados ao CDI, o que significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, que fica bem próxima à Selic. É possível encontrar CDBs no mercado que pagam 100% ou mais do CDI, mas provavelmente o valor investido terá que ser maior para isso.

    “O retorno do CDI deve diminuir em 2017 por causa da Selic menor, mas ainda assim os CDBs continuam sendo uma boa opção ao pequeno investidor. O fato de a inflação recuar também ajuda as pessoas a perder menos poder de compra”, afirma Eduardo Levy, estrategista da Rio Bravo Investimentos.

    É importante destacar que a segurança dos CDBs é a mesma da poupança, já que ambos são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) até 250 mil reais —limite válido por instituição e por CPF.

    Você também tem a opção de investir em uma LC (Letra de Câmbio). Apesar do nome, ela não tem nada a ver com uma operação de dólar. Na verdade, as LCs são “primas dos CDBs”, a diferença é que os CDBs são emitidos por bancos e as LCs por financeiras.

    Tanto os CDBs quanto as LCs têm desconto de Imposto de Renda. A regra é a mesma que a dos títulos públicos para ambos os produtos financeiros: quanto mais tempo você demorar para fazer o resgate, menor será a alíquota de IR cobrada.

    LCIs e LCAs

    A LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) é o título emitido pelos bancos para financiar participantes da cadeia do agronegócio, enquanto a LCI (Letra de Crédito Imobiliário) é um título emitido pelos bancos para obtenção de recursos destinados a financiamentos do setor imobiliário.

    A principal vantagem dessas duas aplicações é a isenção de Imposto de Renda. Já as desvantagens são os aportes iniciais maiores e os prazos mais longos. Até existem algumas poucas opções de LCIs e LCAs com aplicação mínima mais baixa, mas é preciso garimpar as opções. Veja como escolher entre CDB, LCI e LCA.

    A remuneração das LCIs e LCAs, assim como a do CDB, pode variar muito de acordo com a estratégia de cada banco. Ambas pagam um percentual do CDI. Por isso, é importante pesquisar entre diferentes bancos as taxas oferecidas e comparar as rentabilidades dos CDBs, LCIs e LCAs para checar qual título oferece o maior rendimento.

    Lembre-se de que, ao comparar o rendimento das LCAs e LCIs com o de um CDB, é importante descontar o Imposto de Renda cobrado no CDB. Por mais que o percentual do CDI pago pelo CDB seja superior ao de LCIs e LCAs, com o desconto do imposto, sua rentabilidade líquida pode ser menor.

    Além disso, sempre vale buscar esse tipo de investimento em bancos médios ou em corretoras independentes, já que bancos grandes costumam oferecer remunerações muito inferiores.

    porquinhos da poupança cofrinhos de porquinhos
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/5-investimentos-seguros-para-bater-a-poupanca-em-2017

    Até mais e bons investimentos em 2017!!!

    Convidados

    Investimentos em ascensão: Tesouro Direto bate recorde de inscritos

    27 de outubro de 2016

    No Brasil, com a instabilidade da economia, certos investimentos mais tradicionais, como a poupança, estão perdendo lugar. Isso se dá, em parte, porque a rentabilidade não está compensando para quem investe. Além disso, as pessoas estão se informando mais acerca de outras possibilidades de onde investir dinheiro e perdendo o medo de conhecer novas opções.

    Portanto, com o declínio da caderneta, outros tipos de investimento estão em ascensão, chamando cada vez mais atenção com seus benefícios. Muitos deles, inclusive, são tão seguros quanto a poupança, com a vantagem de serem mais rentáveis.

    O Tesouro Direto é uma dessas modalidades de investimentos que vem apresentando um crescimento expressivo no Brasil. Em junho de 2016, o número de novos investidores cadastrados bateu recorde, ultrapassando a marca de 66 mil apenas naquele mês.

    Com isso, o primeiro semestre do ano fechou com um total de registros de mais de 834 mil. Isso equivale a um aumento de 60% desde 2015, além de ter havido um aumento de 86,7% na quantidade de investidores ativos.

    O que é o Tesouro Direto?

    O Tesouro Direto é uma categoria de investimentos criada pelo Governo Federal brasileiro. A modalidade foi uma alternativa para a gestão conseguir captar investimentos a fim de financiar as suas próprias atividades. Portanto, quando se compra um papel do tesouro, ele funciona um empréstimo ao governo, que devolverá o valor posteriormente, somado às taxas de correção.

    Os títulos do tesouro são apresentados em três modalidades:

    • Pós-fixados

    O rendimento acompanha a taxa Selic e sua rentabilidade depende da queda ou fortalecimento da taxa.

    • Prefixados

    Os títulos prefixados possibilitam que o investidor saiba qual será a rentabilidade da aplicação no momento em que ela é feita.

    • Híbridos

    Os títulos Híbridos misturam os pós-fixados e os prefixados. Enquanto parte da rentabilidade acompanha algum índice, tal qual o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) ou o IGPM, o restante é prefixado.

    Benefícios de comprar papéis do Tesouro

    Os papéis desses títulos públicos oferecem uma excelente liquidez, uma vez que se pode vendê-los a qualquer momento e ganhar o valor correspondente à data da venda, mesmo se o vencimento ainda for demorar 15 anos para acontecer. Atualmente, 10,4% dos títulos vencem em até um ano, sendo a maior parte, de 58,4%, aplicada em títulos com vencimento de 1 a 5 anos.

    Além disso, o valor mínimo exigido é baixo, de R$30,00, e demonstra facilidade de acesso também quanto à forma de contratação. Esses títulos podem ser adquiridos através do site oficial do Tesouro Nacional, elevando a ideia de como ganhar dinheiro na internet a um novo patamar. Portanto, investidores menores estão se aproveitando dessa acessibilidade, o que pode ser comprovado considerando que número de vendas de até R$ 5.000 correspondeu a 71,9% das transações em Junho de 2016.

    Em relação à segurança do investimento as chances de inadimplência do emissor podem ser consideradas quase nulas, uma vez que esse emissor é o Governo Federal. Portanto, a modalidade é considerado uma das mais seguras disponíveis no mercado financeiro atualmente.

    A modalidade se fortalece

    Comparando o desenvolvimento da popularidade do tesouro em 2016 com os anos passados, é nítido o crescimento de interesse da população. Em relação a Junho de 2015, houve um aumento de 78,7% no estoque do tesouro, que representa uma soma de R$ 18,3 bilhões. Isso mostra um avanço significativo em apenas um ano.

    No comparativo mês a mês, os resultados também têm sido surpreendentes. Entre Abril e Junho de 2016, houve um aumento de 3,5% no estoque do tesouro, correspondente à mais de R$ 31 bilhões.

    Portanto, a previsão é que esse crescimento continue. Além de oferecer uma rentabilidade maior do que investimentos como a poupança, que estão em queda, os papéis do tesouro oferecem muita segurança ao investidor.

    Também pode oferecer dupla rentabilidade, já que os títulos públicos servem como margem de garantia para operar na Bolsa de Valores. A modalidade, portanto, é excelente para quem quer aproveitar o capital da melhor forma, sem abrir mão da simplicidade e bons resultados.

    Para saber mais sobre o incrível crescimento do Tesouro Direto, confira um infográfico com os melhores investimentos de 2016!

    tesouro-direto-toro-radar

    Geral

    Vale a pena trocar a Poupança pelo Tesouro Direto?

    7 de maio de 2016

    Para quem ainda não conhece, recomenda-se ler: Como investir no Tesouro Direto?. Aqueles que já conhecem, fica a pergunta se compensa realmente trocar a poupança pelo tesouro direto. Quando uma pessoa faz um teste com o gerente do banco ou em um site de finanças e verifica que seu perfil de investimentos ficou definido como conservador, pode pensar que isto implica em deixar o seu dinheiro rendendo na poupança, porém para a maioria dos especialistas em investimentos, este é o último lugar onde você deveria deixar seu dinheiro guardado.

    Veja esta simulação:

    – Um investidor resolveu colocar um dinheiro na poupança há 1 ano atrás. O objetivo era não gastar esse dinheiro e deixar o mesmo rendendo. Só que ao colocar esses R$ 1.000,00 na poupança, considerando a taxa deste período de 1 ano em 7,7%, ele ganhou R$ 77. Na verdade, a conta não é tão simples assim. Pode-se ver nos jornais que a inflação anual está em torno de 9,5%, ou seja, maior que o rendimento da poupança. Desta forma, no fim das contas, os R$ 1000 se transformariam em apenas R$ 983.

    – Imagine agora que o mesmo investidor tivesse alocado os mesmos R$ 1.000,00 no Tesouro Selic, por exemplo, o resultado seria positivo. O mesmo valor colocado no Tesouro, descontando a inflação do período e o imposto de renda, o montante seria de R$ 1033,20.

    Logo, se um investidor tem perfil conservador, isto significa escolher investimentos disponíveis que trazem rendimentos maiores que a poupança e que ao mesmo tempo ofereçam baixo risco. Para quem nunca ouviu falar sobre Tesouro Direto, ele é um programa de venda de títulos públicos do Tesouro Brasileiro para pessoas físicas, como eu e você. Se ainda restar duvidas, veja também:

    Como Investir no Tesouro Direto? Vale a Pena Realmente?

    Tesouro Direto: Títulos Públicos Sem Segredos

    Estes títulos públicos são instrumentos financeiros de renda fixa emitidos pelo governo federal. O objetivo do governo é obter dinheiro de qualquer pessoa ou empresa para financiar suas despesas, isto quer dizer que você “empresta dinheiro” ao governo e ele te devolve este montante depois de um tempo com um adicional de pagamento de juros, que é o seu retorno do investimento. Os títulos do Tesouro Direto têm uma data de vencimento, que é a data em que o Tesouro Nacional quita suas obrigações financeiras com os investidores. É o dia do resgate do valor do título. Mas isso não quer dizer que você não possa sacar seu dinheiro antes. Sim, você pode. E sabemos que o país está em uma situação bastante complicada, mas ainda indicamos o Tesouro.

    Veja abaixo as modalidades vendidas pelo Tesouro Nacional:

    Tabela de oferta de títulos do Tesouro Direto

    Apesar de ser uma opção de investimento muito segura, o Tesouro Direto tem outras vantagens:

    – O rendimento do investimento é bom. Como o Brasil tem atualmente uma alta taxa básica de juros (Selic) e também uma alta inflação, os títulos do Tesouro que acompanham Selic e inflação pagam bem;

    – Desde 2015 o Tesouro passou a ter liquidez diária, ou seja, você pode vender no mesmo dia em que decidir fazê-lo;

    – O Tesouro Direto permite programar o investimento, o que ajuda na disciplina para investir. Em contato com o banco ou com a corretora, você pode programar uma espécie de “débito automático”, ou “aplicação automática”;

    – É bem fácil de aplicar e você pode fazê-lo por conta própria. Você precisa apenas ter uma conta em um banco ou em uma corretora para começar;

    – O site oficial do Tesouro Direto é bastante claro e explica detalhes sobre seu funcionamento. Você pode olhar os títulos atualmente disponíveis para compra, como o Tesouro IPCA+ (que antes se chamava NTN-B) ou o Tesouro Selic (que antes se chamava LFT). Não se assuste com os preços de compra, que superam os R$ 500. É possível comprar apenas uma fração dos títulos;
    criandoriqueza.com.br/lp/tesouro-direto_lp01/?key=b32ba18d-4956-4cee-971c-ed1b957eb308

    Não deixe de conferir:

    Quero investir, mas não tenho tempo, o que eu faço?

    Geral

    Por que o Sofisa Direto é o melhor CDB?

    1 de março de 2016

    O braço online do banco Sofisa, vulgo Sofisa Direto, possui uma forma simples e ágil para abertura de conta, transferência (envio e saque) de dinheiro, boas taxas, plataforma estável, bom atendimento, além de entregar tudo aquilo que se propõe com clareza e segurança. Além do produto mais comum, CDB pagando 100% do CDI, eles também costuma oferecer outros instrumentos financeiros, os quais ainda o governo não cobra imposto, como LCI e LCA.

    CDB Sofisa Direto

    Para saber se no seu caso será melhor o CDB, LCI ou LCA, será preciso calcular o lucro líquido do seu investimento, conforme o prazo que você pretende deixar aplicado o dinheiro, ou seja, o CDB tem a tabela regressiva de Imposto de Renda, porém dependendo da situação, ele ainda pode ter rentabilidade mais atrativa do que o LCI e LCA que são isentos de IR.

    Veja também:

    CDB Direto ou Sofisa Direto, qual é o melhor?

    Até o próximo post.

    Geral

    Quanto rende a Poupança da Caixa?

    27 de fevereiro de 2016

    A Poupança da CEF é um dos instrumentos financeiros mais conhecido por todos os brasileiros. Afinal de contas, quanto rende a aplicação mais tradicional do Brasil? O dinheiro guardado na Poupança Caixa​ é remunerado a uma taxa de juros de 0,5% ao mês, onde aplica-se sobre os valores atualizados a Taxa Referencial (TR). Tais rendimentos são creditados todo mês conforme o dia-limite(“aniversário”). Vale ressaltar que neste tipo de aplicação não incide Imposto de Renda.

    Se você lembrou que temos uma inflação há vários anos num porcentual maior que a remuneração da poupança, com certeza irá conferir:

    5 Bons Motivos para você sair da poupança e não perder dinheiro

    Veja também:

    Entenda como funciona o rendimento da poupança
    As dicas para você usar a poupança da melhor forma

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como sua família investe? Veja como identificar o perfil de cada um

    30 de novembro de 2015

    A família brasileira ganhou um novo perfil nos últimos tempos , ou melhor, rompeu com muitos perfis e padrões e ganhou novos integrantes, os avós são mais participativos e dispostos. A mulher está fora de casa durante todo o dia, mas  a casa não está fora dela, bem como ela contribui em torno de 40% com a renda familiar, segundo pesquisa do IBGE de outubro de 2014.

    O homem não é mais o único provedor da renda familiar e em diversos casos, os casais optam por não ter filhos. Muita coisa mudou, mas as despesas e gastos ficaram e estão cada vez maiores. Planejamento financeiro é importante, assim como educação financeira. Mas é preciso ir além e buscar formas de ampliar o rendimento sem contrair dívidas e de maneira bem estruturada. Com isso o orçamento consegue aquela folga, os sonhos em stand-by podem ser realizados e bens adquiridos.

    Quando todos os membros da família contribuem de alguma forma com a renda e possuem hábitos saudáveis quanto ao próprio capital se torna mais fácil a prosperidade individual e coletiva da família.

    NA CASA DA MÁRCIA É ASSIM. E COMO ANDA SEU PLANEJAMENTO?
    na-casa-da-marcia

    Cada família tem suas dificuldades, alegrias e seu orçamento. Conheça a família da Márcia e quais as dicas para que eles prosperem com as finanças.

    Márcia (A mãe) – Márcia é decoradora e tem 35 anos de idade. Ela se divide entre seus projetos e a pequena loja de doces que comanda ao lado da irmã, Cristina. A loja é pequena mas auxilia na complementação da renda. As irmãs ainda não pensaram em uma forma de tornar o empreendimento escalável e replicável. Ana sempre se preocupou com o futuro dos dois filhos, Artur (10 anos) e Bárbara (6 anos). Há anos têm guardado dinheiro para os estudos dos filhos e outras despesas relacionadas a eles. E faz tempo que ela espera a tão sonhada viagem para a Europa, que ainda não coube no orçamento depois do nascimento da caçula Bárbara.

    Carlos (O pai) – Carlos tem 38 anos e é bem competitivo. Há dez anos ele trabalha como gerente comercial em uma seguradora. Carlos já abriu pequenos negócios que não deram certo, mas ele nunca desanimou e sempre está atrás de uma novidade, alguma nova oportunidade que pareça lucrativa. Gosta de proporcionar conforto à mulher e aos filhos, bem como sonha em trocar o carro, que não acomoda toda a família como antes dos pequenos nascerem. Carlos tem vontade de investir na Bolsa de Valores mas sem experiência, prefere não arriscar.

    Antônio (O avô) – Antônio, de 69 anos mora com o casal e com as crianças. Ele é aposentado e tem um depósito de material de construção que pretende fechar em breve, depois que começou a comprar e vender ações. O avô de Artur e Bárbara vive discutindo com o filho, depois que decidiu ir além da poupança e ampliar os rendimentos. Durante os anos, ele foi muito econômico e se  precaveu com um bom capital que ganhou com o depósito e o aluguel do antigo apartamento que morava com Ângela, sua falecida esposa.

    PERFIS DE INVESTIMENTO: DESCUBRA QUAL O SEU E DA SUA FAMÍLIA
    perfis-de-investimento

    PERFIL CONSERVADOR

    Como Márcia sempre foi mais econômica e conservadora decidiu procurar opções de investimento que lhe dessem maior segurança e, ao mesmo tempo, proporcionassem um bom rendimento para o dinheiro que guardou para os filhos e para a sua tão sonhada viagem. Dessa forma, ela dividiu o seu capital em algumas partes e a partir de cada objetivo optou por um investimento diferente.

    Para a educação dos filhos optou por uma opção de investimento do CDB, que possui maior prazo de carência e lhe ofereceria maior rentabilidade. Neste investimento ela deixaria o seu capital aplicado por 5 anos e no final desse tempo iria retirar o capital com dinheiro suficiente para pagar o ensino dos filhos.

    Para a sua viagem Márcia optou pelo título público (Tesouro direto – LFT) – um investimento que proporciona liquidez diária, ou seja, ela pode resgatar o capital investido a qualquer momento, sem que haja grande prejuízo a sua rentabilidade. Outro benefício do LFT é ter sua rentabilidade atrelada à taxa SELIC. Assim, mesmo com a alta taxa de juros, ela pode ter bons lucros.

    PERFIL MODERADO

    Como Carlos sempre está atrás de uma novidade e de oportunidades de rentabilizar o seu dinheiro, ficou extremamente curioso ao saber por um colega de trabalho que existia um portal na internet que fornecia aos clientes diversas oportunidades de investimento no mercado financeiro. Como teve experiências negativas com antigos negócios, ele optou por diversificar seus investimentos pelas operações de longo prazo com parte do seu capital e a outra parte, aplicou em títulos de renda fixa – LCI (que é isento de imposto de renda) e CDB (que pode ser utilizado como margem de garantia na Bolsa de Valores, onde ele começou a realizar  pequenas operações de curto prazo). Carlos vai aproveitar os pequenos investimentos na Bolsa para trocar o carro da família, já que as possibilidades de ganho são altas e valeria a pena correr o risco do investimento.

    PERFIL AGRESSIVO

    Quem diria, o mais velho seria o investidor mais agressivo. Antônio contrariou as recomendações do filho e resolveu ir além da poupança e investir na Bolsa de Valores. Como ele ganhou maior tempo para outras atividades, desde que aposentou, encontrou no mercado financeiro uma excelente oportunidade de rentabilizar o dinheiro acumulado durante a vida. Ele realiza investimentos tanto em ações, quanto no Mercado Futuro através de day-trade e curto prazo.

    Idade não interfere, ou define se será feito um bom ou mau investimento, o que define é o quão paciente, persistente e disciplinado você será. Defina o capital a ser investido, o prazo de investimento, conheça suas limitações e escolha o melhor investimento para o seu perfil. Assim, você e sua família terão sucesso com as finanças.

    Renata Cota – Equipe Toro Radar

    Convidados

    Melhores investimentos, melhores rendimentos

    4 de novembro de 2015

    O cenário econômico em que o Brasil se encontra tende a gerar insegurança e resistência por parte dos brasileiros às possibilidades e oportunidades positivas da nossa economia. O rebaixamento do Brasil pela Fitch, a alta taxa de juros e inflação, bem como a instabilidade política do país realmente interfere na saúde da economia brasileira mas ainda assim o cenário pode ser muito mais positivo e atrativo para investimentos do que possamos imaginar.

    Entre as diversas possibilidades de usar o cenário econômico a seu favor, temos a aplicação em títulos do tesouro nacional, híbridos como a (NTN-B) onde o investidor recebe uma taxa de juros pré fixada juntamente com a inflação no período (permitindo com que você mantenha o seu poder de compra e ainda rentabilize o seu capital) e os títulos pós fixados (LFT) que têm seus rendimentos atrelados a taxa básica de juros.

    juros-altos-inflacao

    A bolsa de valores está barata e conta com mais de cem empresas com valor menor do que seu valor patrimonial líquido. E ao contrário do que muitos dizem ou pensam esse é o momento certo de ganhar muito dinheiro com a Bolsa de Valores, isso, claro, se colocarmos como norteadores para o sucesso: ter disciplina, persistência e estratégia. Aprender a investir na Bolsa de Valores é a oportunidade de ampliar os rendimentos mesmo com a incerteza atrelada a economia do país.

    TAXA SELIC e as oportunidades de lucro

    Entre as possibilidades de ganho com a crise, a Taxa Selic – taxa é utilizada pelos bancos e por instituições financeiras como referência para concessão de empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras – está com uma crescente de juros que pode significar uma grande oportunidade de investimento. Torna-se interessante para quem quer investir, escolher uma aplicação que acompanhe a taxa Selic.

    No mercado há diversos produtos de investimento que estão relacionados a Taxa Selic: LCI pós fixado, LCA pós fixado e os títulos do Tesouro Nacional (Tesouro SELIC-LFT) e CDB. Os dois últimos possuem características únicas e que podem tornar os rendimentos mais atrativos e rentáveis. Essas aplicações também podem ser utilizadas como Margem de Garantia para operações como Day trade e Mercado futuro.

    O tesouro SELIC é um título de rentabilidade atrelada a taxa de juros. Duas características tornam o investimento ainda mais interessante: ele permite que você tenha liquidez diária, desta forma sua rentabilidade não é prejudicada caso queira retirar o seu capital da aplicação e como sua tributação é conhecida evita possíveis surpresas ou mudanças. O CDB pós-fixado tem características similares ao Tesouro SELIC, como a liquidez diária e o conhecimento antecipado da tributação.

    Tesouro Nacional e CDB versus LCI e LCA

    As letras de crédito imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) também estão atreladas à Taxa SELIC mas são menos interessantes que o Tesouro SELIC e o CDB. Isso ocorre porque ambas as aplicações não possuem liquidez diária e há rumores de que em breve podem ser tributadas, o que iria interferir diretamente na rentabilidade da aplicação. Tanto a LCI quanto a LCA não podem ser usadas como margem de garantia para investir na Bolsa de valores, diferente do CDB e do Tesouro. A grande vantagem das Letras de Crédito está na não incidência do imposto de renda.

    E quais os melhores investimentos para 2016?

    Renda fixa e Renda Variável

    A rentabilidade está vinculada a um índice de mercado que pode ser SELIC ou CDB. Para aqueles que possuem receio de investir em operações de risco é um dos investimentos mais seguros. No próximo ano a renda fixa pós-fixada será uma boa alternativa para quem busca maiores recursos de liquidez e alocação de médio e longo prazo. Para os investimentos de 2016. .LCI, LCA, Tesouro Pós Fixado, Letras de câmbio, Tesouro IPCA e Debêntures Incentivadas são boas opções encontradas ainda em investimentos de renda fixa. Quanto à renda variável, investimentos de longo prazo, day-trade, e outras operações podem ser garantia de sucesso de investimento. para o próximo ano, bem como uma forma inteligente de driblar a crise, como já havia sido abordado no post do dia 28 de outubro. Conhecer as operações, entender qual é o seu perfil de investidor, criar uma boa estratégia e planejamento são essenciais para a saúde financeira do seu bolso.

    Equipe Toro Radar
    www.tororadar.com.br

    Convidados, Geral

    A bolha imobiliária no Brasil e a economia

    3 de novembro de 2015

    Revisitarei documento anterior sobre o assunto, que foi  publicado em julho/2013,atualizando. A versão anterior tem link ao final, no item “referências”, acesse para conferir o que já era previsto desde então.

    Post 45 imagem 1 - resultados das construtoras até 2011Post 45 imagem 2 - empregos até 2011Post 45 imagem 3 - crédito imobiliário até 2011Post 45 imagem 4 - preços de imóveis renda aluguel e INCC até 2011Post 45 imagem 5 - rentabilidade do aluguel até 2011Post 45 imagem 6 - vendas estoques lançamentos e distratosPost 45 imagem 7 - prejuízo 2012 e endividamento 2015 das construtorasPost 45 imagem 8 - preço aluguel INCC e renda até 2015Post 45 imagem 9 - reduções de preços de imóveisPost 45 imagem 10 - desemprego até 2015Post 45 imagem 11 - dívida das famílias com o sistema financeiroPost 45 imagem 12 - inadimplência geral das famílias SERASAPost 45 imagem 13 - inflaçãoPost 45 imagem 14 - despesas das famíliasPost 45 imagem 15 - crédito imobiliário a partir de 2011Post 45 imagem 16 - tendência 2015 2016 parte 1Post 45 imagem 17 - tendência 2015 2016 parte 2Post 45 imagem 18 - tendência 2015 2016 parte 3

     

    Refêrencias:

    Tópico anterior, de julho/2013, que falava sobre mercado imobiliário e economia: http://defendaseudinheiro.com.br/artigo-quarto-erro-do-mercado-imobiliario

    As 12 construtoras utilizadas como referência neste tópico são: Cyrela, PDG, MRV, Tecnisa, Rossi, Helbor, Trisul, Even, EzTec, Brookfield, Gafisa e Viver.

    Demais referências foram todas mencionadas no decorrer do tópico.

    Até o próximo tópico!