‘Guest Post’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 13

Browsing Tag: Guest Post

    Guest Post: Gerenciador Financeiro

    27 de fevereiro de 2015

    A organização financeira é um fator determinante para quem almeja sucesso e estabilidade financeira. Apesar de ser um grande diferencial das pessoas de sucesso, a organização financeira pode ter efeito oposto quando não é praticada. A falta de um controle financeiro adequado pode se tornar o principal inimigo das suas finanças, fazendo com que você se afunde em dívidas e empréstimos, prejudicando e muito sua saúde financeira e sua vida pessoal.

    Manter um controle minucioso de todas as despesas e receitas através das velhas e conhecidas planilhas de Excel, não é tarefa fácil pra ninguém, exige paciência e muita dedicação. Para nossa sorte, hoje em dia podemos contar com a ajuda de modernos softwares e aplicativos de gestão financeira, que tornam este trabalho muito mais fácil e prazeroso.

    Dentre diversos gerenciadores financeiros online disponíveis no mercado, podemos destacar o Meu Dinheiro, que já tem mais de 70.000 usuários e que se mostram muito satisfeitos com a sua utilização, como você pode ser comprovar clicando aqui e acessando a página de depoimentos do aplicativo.

    Com o Meu Dinheiro você pode controlar todas as suas contas a pagar e a receber, controlar os gastos de cartão de crédito, definir e controlar metas de orçamento e de economia, receber notificações de vencimento das suas contas, definir metas, gerar relatórios, importar lançamentos através de extratos bancários, tudo isto de forma fácil e intuitiva, permitindo que até mesmo as pessoas que possuem pouca ou nenhuma disciplina, consigam se organizar financeiramente. Vale apena destacar que além de ser um sistema web, o Meu Dinheiro possui apps para celulares e smartphones Android e IOS(Iphone), permitindo que seus usuários registrem facilmente até mesmo aquele cafezinho do dia dia.

    E uma coisa muito importante! O aplicativo dispõem de versão básica (para controle de até duas contas  correntes e restrição de acesso a alguma funcionalidades) inteiramente grátis e preços para versões completas a partir de R$0,16/dia. Dispõem ainda de um programa de indicação onde os usuários podem ganhar até 50 dias de utilização da versão completa por cada indicação de novo usuário.

    Em um comparativo muito interessante realizado pelo blog independente Novos CFP, o Meu Dinheiro foi o grande destaque, obtendo a maior nota entre seus concorrentes, você pode verificar este comparativo clicando aqui.
    Businessman Analysing Growth With Tablet

    Então se você está procurando uma maneira fácil e rápida de manter suas contas em dia, traçando um caminho que visa realização de seus sonhos e dos seus objetivos financeiros, acesse e conheça o Meu Dinheiro, tenho certeza que você irá se surpreender.

    Link para o Meu Dinheiro: http://www.meudinheiroweb.com.br

    Agradeço a sua atenção e espero ter contribuído de alguma forma para que você tenha uma boa saúde financeira e muito sucesso pela frente.

    Grande abraço!

    O negócio agora é virtual

    11 de dezembro de 2014

    Quem é que não gosta de bater perna, olhar vitrine, poder entrar nas mais diversas lojas e escolher o que comprar?  A vontade de fazer isso atinge muita gente, mas nem sempre temos tempo ou paciência para ir às compras em lojas e shoppings.

    Fazer isso no conforto da própria casa, através das lojas virtuais, vem tornando-se cada vez mais uma alternativa tanto para os consumidores, quanto para os empreendedores, que percebem na internet uma oportunidade de criar seu próprio negócio.

    Uma empresa em um ambiente online pode dispensar o gasto com o aluguel de uma loja física, não tem hora para abrir nem fechar e ainda pode formar um público consumidor muito diverso. Apesar dessas facilidades proporcionadas pela web, os especialistas em empreendedorismo são unânimes: planejar é preciso.

    A organização Enveador revelou em pesquisa recente que seis em cada dez brasileiros pretendem abrir uma empresa nos próximos cinco anos. De todos esses novos empresários, boa parte deverá apostar nas lojas virtuais, pelo menos para dar início ao seu negócio. O problema é que a falta de planejamento faz com que 60% das lojas virtuais abertas no Brasil fechem antes de completar um ano.

    Se você faz parte dessa geração de futuros empreendedores e não quer fazer parte da estatística dos negócios que não dão certo, saiba que alguns passos devem ser seguidos. É preciso planejar como o projeto irá se desenvolver, analisar as plataformas oferecidas pelo mercado, definir um orçamento e até mesmo pensar questões de logística, como por exemplo, onde serão armazenados os produtos de sua loja e como será feita a entrega.

    Outro passo que o Sebrae, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas,  considera de suma importância é divulgar seu negócio.  O Publicaqui.com é um site que oferece esse serviço de divulgação de produtos e lojas virtuais gratuitamente. Não ter esse gasto para tornar sua loja conhecida entre os internautas já é um ótimo ponto para quem está começando.

    logotipo publicaqui.com

    Essas são algumas dicas para quem planeja abrir seu negócio virtual. A internet propicia um ambiente ideal para novos empreendedores, com índices de investimento mais baixos que as lojas físicas e com ferramentas próprias que ajudam a impulsionar sua empresa. Crie uma nova proposta de empreendimento, planeje seu negócio e calcule gastos. Você também pode encontrar cursos e cartilhas online que irão te ajudar nessa nova empreitada.

    Nova seção: Convidados

    29 de novembro de 2014

    Hoje está inaugurando uma nova seção aqui no BLOG: é a seção Convidados.

    Profissionais de diversas áreas, sempre ligadas aos assuntos publicados neste BLOG, trarão novidades, dicas, bate-papo e o que mais for de muito interessante.
    Os conteúdos serão publicados sempre que existirem blogueiros interessados!

    E o post que inaugura a seção, com honras e pompas, é este aqui mesmo, rsrsrsrs. Acontece que já existem alguns “guest posts”(posts de convidados) publicados no Defenda seu dinheiro, mas só agora pintou a ideia de organizar em uma seção separada.
    Não deixe de ler, curtir e compartilhar. Está muito bom!

    Sejam muito bem-vindos.

    Até mais.

    Marketing com Guest Post

    17 de outubro de 2014

    Guest Post ainda continua sendo uma forma válida de se conseguir fazer marketing na internet, contudo é preciso tomar alguns cuidados para que em vez de se estar praticando Guest Post não se estar praticando Guest Spam. Antes de tudo, para quem não sabe, Guest Post significa Postagem Convidada, ou seja, o Guest Post caracteriza-se quando você publica um artigo de autoria de outra pessoa que foi convidada para escrever para seu blog.

    O Guest Post para SEO é uma faca de dois gumes, pois tanto pode prejudicar como pode colaborar para a otimização de seu site. O que diferencia uma boa prática de Guest Post das ruins são alguns pontos que citarei no decorrer deste artigo.

    Como Criar Guest posts com prudência

    Quando você vai criar um Guest Post você deve levar em consideração os seguintes pontos:

    Nichos dos Sites

    Jamais escreva para sites com nichos distintos do seu. Se o objetivo é conseguir um backlink, para que ele tenha algum poder, o site onde o post é publicado precisa ser do mesmo nicho ou ao menos de nichos relacionados. Por exemplo, se o seu site é sobre ganhar dinheiro na internet, você pode publicar guest posts em sites que falam sobre economia, otimização de sites (SEO), investimentos, a arte de blogar, etc, mas jamais em sites que falam sobre emagrecimento, saúde, maquiagem, etc.

    Quantidade de Links Externos

    Um artigo contendo inúmeros links externos pode ser considerado uma prática de spam. Então, sempre que for criar guest posts coloque no máximo 2 links externos. Além disso, colocar muitos links externos pode fazer o dono do site recusar a publicação do seu artigo, por entender que você está apenas fazendo campanha de si próprio ou de seu site.

    Tamanho do Artigo

    Um bom guest post deve possuir em média 600 palavras. Um texto muito curto pode prejudicar o SEO do guest post e além disso pode parecer muito amador para o dono do site publicá-lo. Então sempre aconselho a escrever artigos com no mínimo 500 palavras. Neste ponto também é importante não utilizar-se de muitos rodeios, procure preencher as 500 palavras do post sendo o mais objetivo e direto ao ponto possível.

    Erros de Gramática

    Ninguém é tão perfeito a ponto de não cometer nenhum erro de gramática ou de concordância nos textos em que escreve. Mas é sempre aconselhável ler e reler o que foi escrito, e caso encontre algum erro, corrija-o imediatamente. Um grande erro das pessoas que escrevem para outros blogs é não ler o que foi escrito. Um texto repleto de erros hediondos só vai fazer o seu guest post ser negado e rejeitado pelo dono do site. É preciso entender que todo mantenedor de sites possui uma certa responsabilidade para com seus leitores, e publicar textos visivelmente amadores só prejudicará a reputação dele e do seu site. Então, se você quer que seu artigo como convidado seja realmente publicado, evite ao máximo cometer erros hediondos de gramática e concordância.

    Originalidade

    Se você pretende criar um único artigo e replicá-lo em diversos sites, pode perder suas esperanças. Sites de real respeito jamais publicarão artigos repetitivos, pois isto é prejudicial para SEO. Se você quer ter textos seus publicados em vários sites, para cada site escreva um novo artigo, original, e relativo ao nicho do site. O Google e demais buscadores e indexadores identificam facilmente textos repetitivos, e dentre eles, apenas um ganhará o crétido e os benefícios da originalidade. Então, de que adianta ter vários textos inócuos que não irão agregar nenhum valor (pois eles não possuem valor para o Google) para o seu site e nem para o site em que foi ele publicado?

    Qualidade do Conteúdo

    Um dos fatores mais importantes quando se escreve algo é a qualidade do conteúdo. Ou seja, o conteúdo é realmente útil, informativo, curioso, ou apenas “mais do mesmo”? Sempre que for escrever um guest post para um site, faça uma breve pesquisa dos artigos já publicados nele e procure escrever sobre algo que realmente venha a agregar valor ao site. Escreva algo que seja relevante para os leitores do blog ou site que irá publicar o seu artigo. Nada é pior do que conteúdos irrelevantes ou que não trazem nenhuma informação nova para os leitores. Há um ditado que diz que o conteúdo é rei, e para guest posts isto continua sendo uma verdade.

    Legibilidade do texto

    Procure dividir o texto em trechos, use títulos e subtítulos e destaque seções colocando-as em negrito. Isto facilita a leitura e o entendimento para o leitor. Neste quesito outro ponto importante é evitar o uso demasiado de termos técnicos. Por outro lado, utilizar gírias a torto e a direito no texto também não é uma boa ideia. O ideal mesmo é escrever conforme o nível do site para o qual você escreve. Se você está escrevendo para um blog pessoal não haverá problema em utilizar-se de gírias e linguajar mais despojado, já se estiver escrevendo para um site de uma empresa (blog ou não) o mais certo é escrever sem muito coloquialismo.

    Conclusão

    Levando em consideração as dicas citadas neste artigo você conseguirá escrever guest posts de forma mais prudente, que agradará tanto os motores de busca e indexação como também os donos de sites e blogs. Uma das principais razões para donos de sites recusarem guest posts submetidos a eles é que o texto trata-se na verdade de uma propaganda de um produto ou serviço. Se você quer apenas divulgar um produto ou serviço o mais indicado é um artigo patrocinado e não um guest post.

    Por fim, a última dica é não abusar de guest posts. O surgimento repentino de vários links de volta para seu blog ou site pode fazer a bandeirinha de “Spam Identificado” do algoritmo de qualificação e indexação de sites ser erguida e com isto o seu site pode ser penalizado pelo Google.

    Guest Post: Cupons de descontos e cash back

    12 de agosto de 2014

    Cupons de descontos e “cash back”: nova realidade do e-commerce brasileiro
    por Israel Salmen*

    Uma pessoa se dirige ao caixa de uma loja ou de um supermercado com recortes de jornal e os entrega ao vendedor. Cena comum nos Estados Unidos, esses são os famosos “cupons de descontos” encontrados em veículos de comunicação, como jornais e revistas, que oferecem descontos no ato da compra.

    Os cupons de descontos vêm se fortalecendo no Brasil, por meio do comércio on-line, aliás, nicho importante para o varejo. A expectativa é que, em 2014, o segmento alcance até 50 milhões de usuários ativos (e-bit). Outra novidade para aumentar as vendas é a devolução de parte do dinheiro gasto – ou “cash back” –, que também tem atraído a atenção dos consumidores.

    Nesses modelos, lojistas e consumidores ganham. O dinheiro de volta é uma estratégia para fidelizar o cliente porque ele saberá exatamente o quanto irá receber e economizar, sem que seja necessário acumular ou trocar pontos.

    Já os varejistas investem nessas ferramentas por alguns motivos, um deles é poder participar de uma “grande vitrine virtual” e, com isso, elevar o tráfego de acessos de sua loja online. A possibilidade para as empresas manterem o grande volume de vendas é determinar o valor mínimo para ativar o desconto.

    Evidentemente que, ao utilizar os cupons e notar a economia, os usuários tendem a retornar a esses sites para efetuar novas compras. É fácil encontrar depoimentos de clientes afirmando que não comprariam se não existissem esses códigos promocionais. A satisfação gerada pela economia e a segurança em utilizar o desconto, de certa forma, reforça a fidelização dos consumidores em suas lojas preferidas.

    Por isso, os empresários têm que ver a Internet como grande aliado das vendas. Os hábitos dos consumidores podem ser acompanhados e, com isso em mãos, é possível traçar estratégias para atingir o maior número de pessoas e oferecer boas oportunidades, como economia e melhores produtos. O e-commerce brasileiro não é uma “bolha”, mas sim uma realidade importante, notando-se o aumento no consumo e a satisfação dos clientes, principalmente quando eles economizam.

    * Israel Salmen, economista formado pela UFMG e fundador do Meliuz.com.br, plataforma de cupons de descontos e dinheiro de volta.

    Até o próximo post.

    Guest Post: Softwares Financeiros

    9 de agosto de 2014

    Encontramos no mercado atual muitas empresas que ainda utilizam planilhas do Excel para realizar todo controle financeiro, mas, o que poucas sabem, é que existem ótimos softwares e com preço bastante acessível para empresas de pequeno a grande porte. Além de facilitarem o trabalho, são bem mais completos e seguros.

    Planilhas do Excel precisam ser criadas do zero, suas linhas, fórmulas, é preciso separar contas a pagar de contas a receber, previsão de receitas, fluxo de caixa, e todas as outras funções, enquanto através dos softwares podemos ter todas as funções ligadas uma à outra, são muito mais simples de controlar e manusear, além de facilitarem o trabalho, o que é muito importante para uma empresa.

    Imagem de calculadora

    A maioria dos softwares são pagos, porém, encontramos também alguns que são gratuitos ou possuem versão trial por 30 dias para que o usuário possa aprovar ou não seu uso. Vale a pena pensar em investir, com eles é possível além de uma organização melhor, trazer ótimos resultados.

    Conforme as necessidades da empresa,  os softwares podem ser mais sofisticados e com funções mais avançadas. O que podemos concluir é que cada vez mais as empresas necessitam de um bom planejamento, e através dos softwares, você consegue obter informações que muitas vezes não são possíveis em planilhas do Excel, como despesas de cartão de crédito que podem ser controladas de perto, gerando relatórios mês a mês com as alterações mais relevantes que ocorreram, facilitando as análises para os próximos meses.

    Post por Cenize

    Até o próximo post.