Empiricus: Brasil está tecnicamente quebrado

Em mais um ótimo estudo, embora bem catastrófico, a Empiricus Research, agora com nova roupagem, desde as “des”eleições de 2014, vem acertando tudo, mostra o possível calote brasileiro e algumas verdades ainda não reveladas sobre a economia brasileira.

Eles explicam de forma bem clara que o nosso país está tecnicamente quebrado e que você precisa agir para não quebrar também.

Comprove neste artigo abaixo como as suas economias, o patrimônio de sua família e até mesmo o seu emprego podem estar seriamente ameaçados:

O calote: algumas verdades (ainda) não reveladas sobre a economia brasileiraEmpiricus afirma que Brasil está tecnicamente quebrado

Até o Fim do Brasil juntos nós iremos ou não, ainda tem-se a chance de pular do barco, viver em outro país, né naum!?
🙂

There are 7 comments left Go To Comment

  1. Vilmar / Post Author
  2. Vilmar / Post Author

    A “democracia” Cubana reelege Raul Castro para mais 5 anos de ditadura!!!

    http://direitacentroesquerda.blogspot.com/2016/04/a-democracia-cubana-reelege-raul-castro.html

  3. Vilmar / Post Author
    1. Vilmar / Post Author
  4. Vilmar / Post Author

    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016
    Brasil faz Hat-Trick no rebaixamento e vai pedir música no Fantástico

    http://direitacentroesquerda.blogspot.com/2016/02/brasil-faz-hat-trick-no-rebaixamento-e.html

  5. Vilmar / Post Author

    Lopes Filho – 10h06 : Pesquisa Focus

    As expectativas para o PIB em 2016 passaram de -3,33% na semana anterior para -3,40% e de 0,59% para 0,50% em 2017. Sobre a inflação, a projeção para o IPCA neste ano subiu de 7,61% para 7,62%. Para 2017, seguiu em 6,00%. A Taxa Selic foi de 14,25% para o fim de 2016 e de 12,98% no fim de 2017, ante 13,00% na semana anterior. A taxa de câmbio recuou de R$ 4,38 na semana anterior para R$ 4,36, no fim de 2016 e, na projeção para 2017, caiu de R$ 4,30 para R$ 4,29.

    Continuam se deteriorando as projeções da Focus. Uma exceção nesta semana foi o recuo do câmbio neste ano, de R$ 4,38 para R$ 4,36. O resto, em sua maioria, veio pior. O IPCA, por exemplo, passou de 7,61% a 7,62% neste ano. Outra exceção foi a taxa Selic para 2017 recuando a 12,98%, numa crença de que o ajuste fiscal avance neste ano e no próximo.

    1. Vilmar / Post Author

      Lopes Filho – 18h05 : Fatos da Semana

      Os mercados deram uma reagida nesta segunda-feira, depois que o barril de petróleo, e outras commodities, se valorizaram diante da possibilidade de corte de produção mundial de petróleo num possível acordo entre países membros da Opep. No Brasil, influenciou também mais uma incursão da Operação Lava-jato, agora envolvendo o coordenador de campanha do PT, João Santana, numa prisão preventiva já anunciada.

      Haveria comprovação de pagamento de recursos das empreiteiras à campanha do PT em 2014, num claro indício de ligação com o Petrolão. Estaria então comprovada a tese de uso de recursos escusos na campanha. Aumentou também o cerco sobre o ex-presidente Lula, aumentando as suspeitas sobre a propriedade do sítio em Atibaia e do triplex no Guarujá e do uso de recursos das empreiteiras.

      No front econômico, repercutiu o rebaixamento do Brasil pela S&P, agora a dois degraus do grau de investimento e em perspectiva negativa. A próxima agência a rebaixar o País deve ser a Moody?s. Junto a isto, declarações do BACEN na semana passada reforçaram uma postura mais dura, não sinalizando cortes na taxa de juros neste ano, dadas as pressões inflacionárias, apesar da economia em forte desaceleração. Mesmo assim, Alexandre Tombini, presidente do BACEN, trabalha com queda da inflação em dois pontos no próximo semestre. Somado a isto, muitos no mercado acreditam haver espaço para o juro ser reduzido a partir de outubro, se tudo correr como o previsto.

      Outro fato foi o pacote fiscal de sexta-feira, anunciado por Nelson Barbosa, visando recuperar a confiança dos agentes, mas sem o devido sucesso. Claramente Barbosa tentar impor um ritmo mais gradualista nos ajustes, talvez visando não impactar tanto na economia. O pacote fiscal incluiu um contingenciamento de R$ 23 bilhões e a adoção de bandas fiscais e limite de despesas. No primeiro, a sinalização foi de que o governo poder registrar um déficit de até R$ 60 bilhões neste ano, tornando cada vez mais distante a meta fiscal perseguida de superávit de 0,5% do PIB. Comentou-se também sobre a arrecadação federal projetada neste ano, distorcida por uma projeção de crescimento do PIB de 2,9%, segundo a Fazenda. Não deve chegar a isto. A OCDE projeta -4,0%, a Focus, -3,4% e esta Consultoria 4%.

      No arsenal de indicadores, pelo IBC-Br de 2015 a retração acabou em 4,1% não sendo surpresa se mantiver este desempenho neste ano. Sobre a Focus, sem grandes novidades. Neste ano o recuo do PIB passou de 3,33% para 3,40%, o IPCA, de 7,61% para 7,62%, a taxa de câmbio, revisada de R$ 4,38 para R$ 4,36 e a taxa Selic, mantida em 14,25% neste ano, mas reduzida a 12,6% no ano que vem. Já a balança comercial, na terceira semana de fevereiro, acumula superávit de US$ 1,85 bilhão, no ano acumulando US$ 2,78 bilhões. Na Focus, as perspectivas são de um superávit de US$ 37 bilhões, com esta Consultoria prevendo US$ 30 bilhões.

      Na agenda da semana, no Brasil teremos os primeiros dados fiscais do ministro Nelson Barbosa na Fazenda, com os dados do governo central em janeiro na quinta-feira e do consolidado na sexta. São também esperados os dados de arrecadação federal em data a ser confirmada, o IPCA-15 de fevereiro e os dados do setor externo na terça-feira. Estejamos atentos também aos dados do Caged e da PME de janeiro.

      Nos EUA, atenção para o PCE de janeiro na sexta-feira, uma espécie de índice de inflação muito visto pelo Fed. O CPI de janeiro veio estável em janeiro, quando muitos esperavam taxa negativa de 0,1%. Na taxa anual, subiu 1,4% e no núcleo 2,2%. Neste contexto, voltou-se a comentar sobre a possibilidade de novas elevações da taxa de juros ainda neste ano. Outro indicador em destaque é o PIB do quarto trimestre nos EUA na sexta-feira, além do índice de Confiança do Consumidor do Conference Board nesta terça. Na Zona do Euro, na quinta-feira, o CPI de janeiro e nesta terça-feira, o PIB do quarto trimestre na Alemanha. Na China, nesta semana, em destaque o encontro dos ministros das Finanças e do BACEN, do G-20. Nelson Barbosa tentará defender suas idéias mais gradualistas.

Leave a Reply

CAPTCHA *