Vil Bro’s Articles at Defenda Seu Dinheiro
<h1>Archives</h1>
    Geral

    7 sinais de que nunca será rico

    17 de junho de 2019

    11 sinais que você terá sucesso, mesmo que não pareça

    7 sinais de que você nunca será rico - Especialista da Creditas, Otávio Machado aponta comportamentos perigosos e erros mais comuns que atrapalham sua saúde financeira

    Para quem resolver contas faz parte da vida, pessoal ou profissional, conhecimentos matemáticos estarão frescos na sua mente. Mas nem todas as profissões e rotinas diárias dependem desses cálculos.
    Tem uma matéria específica do campo matemático não é ensinada nas escolas, ou não aprofundada como deveria ser, mas é muito ativa na vida de todas as pessoas: a Educação Financeira.

    Para ajudar quem está começando a organizar as finanças o coordenador de crédito da Creditas (Otávio Machado) separou os principais sete erros te afastam da estabilidade financeira – e, no médio prazo, da riqueza. Confira:

    1. Ficar em dúvida de quando pagar à vista ou parcelado
    2. Na verdade, tudo depende das condições de pagamento. Você vai ter algum desconto pagando tudo de uma vez? De quanto? Se for maior do que as taxas de rendimento das aplicações da sua carteira de investimentos, o pagamento à vista é, sim, o mais indicado.

      “A taxa livre de risco (SELIC) está em 6,5% ao ano hoje, ela pode servir de comparação para um parcelamento em 12x, por exemplo. Se o desconto à vista for maior que 6,5% vale mais a pena pagar à vista do que parcelar em 12x”, explica Otávio.

      Caso não haja desconto ou se ele for menor do que seu dinheiro renderia aplicado, vale a pena dividir, desde que o parcelamento seja sem juros. Além disso, considere o efeito da inflação: quando você parcela sem juros, o valor pago nas últimas prestações vale menos do que no começo. Ou seja, você está economizando.

    3. Ter dinheiro apenas para pagar contas fixas – e não sobrar dinheiro para investir
    4. Normalmente, quando o salário entra, o mais comum para as pessoas é pagar os chamados gastos burocráticos, que são os que englobam contas de moradia e consumo, os gastos fixos ou de rotina, por exemplo.

      Em seguida, partimos para gastos flexíveis, os custos com tudo o que você compra, mas não precisa necessariamente, como aquela ida ao cinema ou a um restaurante que você gosta. O que configura o necessário para manter sua qualidade de vida.

      E, por fim, ficam os investimentos no futuro: aquele dinheiro que você reserva para ter um bom padrão de vida no futuro ou realizar um projeto ou objetivo importante.

      No entanto, o ideal é inverter essa lógica e colocar seus sonhos e seu futuro em primeiro lugar. Em seguida, sua qualidade de vida. E por último os gastos burocráticos. Dessa forma você tem mais flexibilidade para fazer uma mudança de vida.

    5. Não guardar dinheiro
    6. É preciso criar o hábito de guardar dinheiro antes de investir. É muito importante ter consciência de que é importante guardar e não gastar.

      Muitas pessoas querem já pensar em taxas altas de rendimento e estudar mil tipos de investimentos, quando, na verdade, teriam mais dinheiro se guardassem mais no começo ou gastassem menos.

    7. Não ter teto de gastos
    8. Se você não coloca um teto, um limite para seus gastos, facilmente perderá o controle das suas finanças.

      Tomando a dica 3 como base, há um método que você pode seguir para cuidar do seu orçamento: a regra do 50-30-20. Ao segui-la, você estabelece uma proporção mensal para cada um dos tipos de gasto: 50% para os gastos burocráticos ou fixos; 30% para os gastos flexíveis ou de qualidade de vida; 20% para os investimentos no futuro ou prioridades financeiras.

      É importante calcular a porcentagem de quanto equivale cada fatia dessa no seu orçamento mensal. E lembre-se de manter esses valores em mente, assim fica mais fácil priorizar como gastar ou, melhor, investir seu dinheiro.

    9. Achar que falar sobre investimentos é só para especialistas
    10. Para começar e aprender a investir, não tem outro jeito: você precisa procurar fontes de informação variadas. Pesquise muito: vale fazer conta em várias corretoras, explorar simuladores de investimentos e comparadores de fundos, assinar newsletters e relatórios.

      Quando começar a aplicar, também é uma boa ideia colocar um pouco do seu dinheiro em cada tipo de ação ou investimento que te interessa, para entender como funciona e qual o retorno de cada um. A melhor forma de aprender é praticando.

    11. Permanecer com o mesmo hábito financeiro durante anos
    12. Uma vida financeira saudável está muito mais relacionada aos nossos hábitos do que simplesmente a quantidade de dinheiro que temos em mãos. Logo, mudar seu comportamento e o pensamento com relação a finanças é o fundamental para a organização financeira.

      Não se afaste de seus objetivos de investimento e tenha sempre em mente que qualquer gasto desnecessário acarreta em distanciar cada vez mais independência e estabilidade financeira que você tanto deseja.

    13. Não saber quanto vale sua hora
    14. Como fazer um planejamento financeiro sem saber, de fato, quanto entra na sua conta por mês? Se você não tem noção do quanto vale seu trabalho, como poderá mensurar seus gastos?

      Use sempre esse valor como unidade de medida para as suas despesas: quantas horas você terá que trabalhar para pagar esse gasto que você deseja assumir? Ele é realmente mais importante para você?

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    BlackRock: Dinheiro é a principal causa de estresse no Brasil

    27 de maio de 2019

    Pesquisa elaborada pela BlackRock revela ainda que 53% dos entrevistados disseram poupar para o futuro, bem abaixo da média global

    O dinheiro costuma ser a principal causa de estresse no Brasil, ainda que a população tenha uma visão positiva sobre o seu nível de bem-estar de forma geral, mas com o aumento das discussões sobre a reforma do sistema previdenciário do país, há ainda um maior foco em objetivos de curto prazo, com baixo índice de poupança para o futuro, e a maioria dos chamados millennials sequer sabe onde procurar conselhos financeiros para começar a investir.

    Estas são algumas das conclusões da sexta edição da pesquisa anual Global Investor Pulse que foi feita pela BlackRock para tentar entender a relação entre a saúde financeira das pessoas e seu bem-estar.

    Foi perguntado aos participantes da pesquisa como eles se sentem sobre seu futuro financeiro e pedimos para que eles pensassem nas barreiras e nos motivadores para investir. Eles examinaram se o dinheiro realmente pode tornar as pessoas mais felizes e pedimos a sua opinião sobre o setor financeiro e as informações e tecnologias à sua disposição.

    Dentre as principais descobertas feitas, a BlackRock revelou que o dinheiro é a principal causa de estresse no Brasil, com 58% das respostas, seguido bem de perto por trabalho (57%) e com a família em terceiro lugar (35%).

    Ainda que dinheiro e trabalho preocupem, os brasileiros mostram otimismo, ao registrarem alto nível de bem-estar (78%), superando todos os mercados globalmente (61%). “O bem-estar possui diferentes aspectos, como a saúde, segurança, família e muitas outras coisas. Diferentemente de outros povos, os brasileiros definem bem-estar como ter boa saúde mental e física e poder ajudar os outros, na frente de prioridades como atingir suas metas e se sentir seguro”, explicou o banco.

    Mesmo com o indicador geral positivo, apenas 48% dos brasileiros disseram acreditar ter uma boa saúde financeira. O resultado não é, contudo, pouco expressivo, se comparado com outros países, ao responder pela terceira posição no levantamento. O México lidera o otimismo, com 53% das pessoas considerando-se financeiramente saudáveis, seguido pela China, com 51%. A média global corresponde a 42%.

    Aposentadoria

    Em tempos de mais discussões sobre o futuro financeiro dos brasileiros, diante da tramitação da reforma da Previdência, o estudo indica que a preparação para a aposentadoria continua sendo um motivo de preocupação, ainda que a população não tenha feito sua parte.

    Prova disso é o maior foco em metas financeiras de curto prazo do que em aposentadoria, com 61% dos brasileiros colocando como objetivo ter mais dinheiro para melhorar a sua qualidade de vida. Um total de 53% dos entrevistados disse poupar hoje para o futuro, bem abaixo da média global, de 63%, e também do resultado da pesquisa brasileira de 2017 (65%).

    Segundo a BlackRock, as pessoas nem sempre estão cientes nem aproveitam os incentivos que podem ser oferecidos tanto pelo governo quanto por seus empregadores. E destaca que dados da pesquisa dos EUA em 2018 mostram que 24% dos que economizam hoje para a aposentadoria começaram por causa de uma equiparação do empregador, o que poderia ser um caminho também no Brasil.

    Más escolhas

    Mesmo admitindo preocupação com a aposentadoria, os brasileiros seguem fazendo escolhas erradas no que tange aos seus investimentos. Uma parcela de 62% ainda aplica na poupança e em outros investimentos básicos similares.

    “Os brasileiros se identificam mais com economizar do que com investir. Tanto que menos da metade investe no mercado. Muitos ainda investem em ativos reais, como imóveis, o que é visto como um meio mais seguro de aplicar o dinheiro”, afirmou a BlackRock, ressalvando que o número de brasileiros investindo em diferentes moedas e ativos aumentou quando comparado com os resultados do ano anterior.

    Geração Y

    Com um recorte na geração Y, conceito que costuma abranger pessoas nascidas do início da década de 1980 até o fim da década de 1990, o estudo mostrou que os mais jovens ainda precisam de ajuda para dar o primeiro passo no mercado financeiro. Isso porque 87% dos millennials brasileiros acreditam que sua perspectiva financeira melhoraria se começassem a investir, mas 57% não sabem onde procurar conselhos.

    Em termos globais, os principais objetivos dessa geração são ganhar mais dinheiro para melhorar sua qualidade de vida (com 53% das respostas), tirar boas férias (44%) e bancar os filhos (37%). A preocupação em garantir a manutenção do padrão de vida na aposentadoria só aparece em quarto lugar, com 33% das escolhas.

    Tecnologia como aliada

    Um dos fatores que poderá ajudar as pessoas a investirem mais é a tecnologia. A pesquisa revelou que, para 87% dos entrevistados, novas tecnologias os ajudariam a se envolver mais com investimentos. Três a cada cinco investidores recorrem a sites para obter informações. No Brasil, 16% administram seu dinheiro completamente via meios tecnológicos e mais da metade (56%) usa tecnologia e interação humana da mesma forma.

    A pesquisa da BlackRock foi feita com base nas respostas de 24.682 pessoas em 13 mercados internacionais, dos quais 1.050 entrevistados do Brasil, com idades entre 25 e 74 anos. As entrevistas foram realizadas entre julho e agosto de 2018 e, em mercados de mais baixa presença de internet, como o Brasil, as amostras tendem para um perfil mais instruído, urbano e de maior renda e riqueza do que a população em geral.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    11 sinais que você terá sucesso, mesmo que não pareça

    10 de abril de 2019

    11 sinais de que você será uma pessoa bem-sucedida - ainda que não pareça

    11 signs you’re going to be successful, even if it doesn’t feel like it

    Existem certas ações, pequenos comportamentos e outras formas de pensar, as quais podem ser indicadores de que uma pessoa alcançará o sucesso, embora nem ela mesmo acredite nisso.

    Parte desses indicadores são “estar aberto ao fracasso”, “ter tempo para aprender” e até “perseguir paixões”.

    Tendo isto como base em pesquisas e em opiniões de especialistas, o portal de finanças Business Insider fez uma lista que contém uma série de sinais de que uma pessoa está seguindo o caminho do sucesso, ainda que isso não esteja relacionado a dinheiro ou fama, e sim ao desenvolvimento de grandes ideias e realização pessoal.

    Veja a seguir:

    1. Ter em mente o tipo de vida que se deseja
    2. Nathaniel Koloc, ex-CEO da ReWork, em entrevista ao Harvard Business Review, disse que é necessário se perguntar mais “que vida eu quero?” e menos “que trabalho eu quero?”.

      Claro que a concepção de vida perfeita muda conforme os anos passam, mas é importante sempre ter em mente qual o “ideal” buscado e não aceitar algum emprego ou oportunidade exclusivamente pelos benefícios oferecidos no curto prazo.

    3. Saber utilizar seus pontos fortes
    4. Os pontos fortes de uma pessoa são compostos pelas coisas em que ela é excepcionalmente boa fazendo. Saber utilizar essas habilidades é fundamental para o sucesso.

      Segundo o escritor Eric Barker, quanto maior a frequência que uma pessoa utiliza seus pontos fortes, mais ela é feliz, respeitada e realizada em seu trabalho.

    5. Sempre procurar uma forma melhor de fazer as coisas
    6. Em entrevista ao Business Insider, que foi CEO da Apple e presidente da PepsiCo antes de abrir uma empresa de investimentos, John Sculley, disse que ele sempre se pergunta o porquê de estar fazendo as coisas “dessa determinada maneira”.

      Para ele, sucesso tem a ver com vontade de resolver um problema de forma que nunca foi resolvido antes.

      De acordo com Scott Galloway, professor da Universidade de Nova York, ser resistente à mudança pode prejudicar a carreira de uma pessoa e impedir o progresso de grandes empresas.

    7. Estar aberto ao fracasso
    8. De acordo com o professor Scott Galloway, Apple, Google, Facebook e Amazon, quatro gigantes da tecnologia, abrem espaço para fracassos e falhas ocasionais, contanto que isso signifique que estão tentando algo novo.

      Para ser bem-sucedido, é necessário se dar a chance de errar. O professor diz que “se de vez em quando você não acha que sua vida profissional e sua carreira estão acabando, então você não está se esforçando o suficiente”.

    9. Estar disposto a assumir riscos calculados
    10. Todas as pessoas de sucesso assumiram pelo menos algum risco em sua carreira. Jeff Bezos, por exemplo, disse em entrevista que fundar a Amazon foi muito arriscado.

      “Mas eu sabia que, quando eu tivesse 80 anos, não me arrependeria de ter tentado participar dessa coisa chamada Internet. Eu sabia que mesmo se eu falhasse, não me arrependeria. Só se pode arrepender de nunca ter tentado.”

      Hoje, Bezos é a pessoa mais rica do mundo.

    11. Ser gentil com as pessoas, mesmo que elas não sejam seus superiores
    12. Joanna Coles, executiva Hearst Corporation, descreveu a importância de cultivar bons relacionamentos com amigos e colegas.

      Segundo ela, “a única coisa que eu sempre tento dizer aos jovens que estão iniciando é que o grupo de colegas é realmente a influência mais importante na vida, porque é com eles que você vai subir e descer.”

      Ela acrescenta que sempre conseguiu trabalho através de laços de amizade, porque “algum amigo possuía algum amigo que conhecia alguém”.

    13. Possuir uma mente de iniciante
    14. A capacidade de enxergar o mundo como quem não sabe nada sobre ele é uma grande vantagem nos negócios. Steve Jobs, criador da Apple, era um grande defensor desta prática.

      Segundo o colunista do The Wall Street Journal Jeff Yang, uma mente de principiante faz com que as pessoas pensem em novas soluções para antigos problemas difíceis.

    15. Separar todos os dias um tempo para aprender
    16. Uma prática comum entre as pessoas de sucesso é separar diariamente uma parte do tempo para ler, pesquisar, e aprender coisas que ampliem seus horizontes.

      Beth Comstock, ex-vice-presidente da General Electric, recomenda que 10% de cada dia de trabalho seja dedicado a estas atividades. Em entrevista ao LinkedIn, ele disse que gasta esta parcela de seu tempo assistindo a palestras TEDs, estudando, conversando com pessoas e indo a eventos.

    17. Ser autoconsciente
    18. De acordo com a psicóloga organizacional Tasha Eurich, a maioria das pessoas não sabe como os outros realmente as veem. Aqueles que têm uma visão mais clara e precisa de como o mundo os enxerga, tendem a conquistar mais sucesso.

      Ela recomenda que todos deveriam possuir uma ou duas pessoas que atuem como “críticos amorosos”, sendo honestos e fazendo críticas construtivas que impulsionam o desenvolvimento de cada um.

    19. Ter auto-compaixão
    20. A autocompaixão é composta por três pilares: engajamento em um diálogo interno positivo, entendimento de que todos comentem erros e consciência de quais são seus pensamentos e sentimentos, sem sucumbir a eles.

      Emma Seppala, diretora científica do Centro para Pesquisa e Educação de Compaixão e Altruísmo de Stanford, recomenda uma estratégia para praticar a autocompaixão: tratar a si mesmo como se fosse um colega ou amigo que falhou.

    21. Demonstrar gratidão
    22. O CEO da Campbell’s Soup, Doug Conant, considera a gratidão uma estratégia de liderança fundamental. Ao longo de sua carreira na empresa, ele enviou mais de 30.000 notas de agradecimento manuscritas para seus funcionários e clientes.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    Bilionários como Warren Buffett e Elon Musk provam se você não tem tempo para essas 6 pequenas coisas todos os dias, você nunca será bem sucedido

    8 de março de 2019

    Presidente da Alibaba alerta sobre bolha do bitcoin

    Bill Gates
    Self-made billionaires like Warren Buffett and Elon Musk prove if you don’t make time for these 6 little things every day, you’ll never be successful

    Todos devem saber de cor e salteado que o sucesso não vem fácil e certamente não acontece do dia para a noite, mas há pequenos hábitos que você pode fazer todos os dias para atingir seus objetivos profissionais.
    Alguns dos nomes de mais sucesso no mundo, como Warren Buffett, Oprah Winfrey, Mark Zuckerberg, entre outros consideram o sucesso um trabalho constante.

    O site CNBC fez uma lista de alguns destes hábitos para quem quiser praticar todos os dias e quem sabe ter sucesso na vida. São hábitos que essas pessoas que atingiram o sucesso têm em comum e alguns foram essenciais para atingir tal feito.

    1. Ler um livro que não esteja diretamente relacionado à sua carreira
    2. A leitura é uma das maneiras mais fáceis de experimentar a vida de outra perspectiva e desenvolver a empatia necessária para ser um líder eficaz. Mas é importante expandir seus conhecimentos além dos que você já possui.

      O CEO da Tesla, Elon Musk, por exemplo, inclui obras de ficção científica e biografias em sua lista de leitura. “Fui criado por livros. Livros e depois meus pais”, disse.

    3. Saia da zona de conforto
    4. Desenvolver a coragem de fazer algo fora de sua zona de conforto é um sinal de que você está evoluindo. Caso contrário, não irá muito longe.

      Se você odeia falar em público, seja o primeiro a falar na sua próxima reunião de equipe. Mesmo que fique nervoso a ponto de começar a transpirar, se arrisque. Com o tempo vai ficar mais fácil.

      Mark Zuckerberg passou anos aprendendo mandarim. Ele enfrentou várias dificuldades, mas hoje pode apresentar uma reunião neste idioma. Medo e crescimento não podem existir no mesmo espaço. Um precisa sair para que o outro possa entrar.

    5. Faça exercícios físicos
    6. Em seu estudo de cinco anos sobre pessoas ricas, o autor Tom Corley descobriu que o exercício era algo que todos eles tinham em comum. “Aqueles que têm o hábito de se exercitar têm muitas vantagens competitivas sobre aqueles que não o fazem”, afirma. Essas vantagens incluem maior QI, força de vontade, confiança e até 20% mais energia.

      Uma série de bilionários, incluindo Oprah Winfrey, Sheryl Sanberg e Richard Branson, incorporam exercícios em suas rotinas diárias. A pesquisa descobriu que pequenas quantidades de exercícios todos os dias podem ajudar significativamente a prolongar sua vida.

    7. Retribua favores
    8. As pessoas realmente bem-sucedidas entendem a importância de retribuir, especialmente para quem precisa. Em 2010, Bill e Melinda Gates e Warren Buffett começaram o Giving Pledge, uma iniciativa em que indivíduos e famílias ricas mais doaram boa parte de suas fortunas para causas como a redução da pobreza e a saúde global.

      Mas não precisa ser uma quantia enorme de dinheiro. Pode ser tão simples quanto oferecer ajuda a um colega sobrecarregado de trabalho ou a uma pessoa idosa com suas sacolas de compras. Se você está muito ocupado para devolver ou retribuir um favor, então você está ocupado demais para ter sucesso.

    9. Mantenha sua motivação pessoal
    10. Michael Jordan disse uma vez: “Eu jogo para vencer, seja durante os treinos ou em um jogo real”. O jogador de basquete profissional passou de um time do ensino médio para a NBA e criou uma das marcas esportivas mais valiosas da história.

      Deixar de perdoar e manter ressentimentos pode prejudicá-lo, mas reconhecer sua concorrência e os que duvidam de você (e também os que odeiam) podem ser poderosas formas de motivação. Ter consciência do que lhe motiva, estimula que faça tudo o possível para ter sucesso e provar que estão errados.

    11. Separe um tempo para andar e pensar
    12. Todos sabem que todos nós gastamos muito tempo em nossos smartphones. Mas muitos de nós não conseguem se desligar dos aparelhos, sair, andar e apenas pensar.

      Um estudo da Associação Americana de Psicologia descobriu que caminhadas ao ar livre podem aumentar a criatividade e melhorar as habilidades de resolução de problemas. “Deve ser benéfico incorporar caminhadas no dia a dia para a geração de novas ideias”, escreveram os pesquisadores.

      Mark Zuckerberg, Richard Branson, Sundar Pichai (CEO do Google) e Jeff Weiner (CEO do LinkedIn) também adoram fazer reuniões andando, pois ajuda a criar novos conceitos. “Acho que é uma maneira muito mais rápida de chegar aos negócios, tomar uma decisão e selar o acordo. Além disso, é uma ótima maneira de se exercitar um pouco e manter o foco em um dia agitado”, afirmou Branson.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    [BIT FRAUDE BREAKINGNEWS] Ministério Público compara InDeal e Unick Forex com esquema de pirâmide da Telexfree

    20 de fevereiro de 2019

    Como evitar cair no golpe da moeda virtual

    O MPF – Ministério Público Federal – está investigando um possível esquema de pirâmides instalado em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Dentre as empresas envolvidas estão a Unick Forex e a InDeal.

    cvm-suspeita-unick-piramide-financeira

    Acusada de pirâmide, Unick Forex desafia CVM e continua com ofertas em criptomoedas

    O procurador da República Celso Tres, numa entrevista cedida na segunda-feira (18) ao programa Gaúcha, da Rádio Gaúcha, disse que a criptomoeda não ter regulação não justifica essas empresas multiplicarem esses rendimentos da noite para o dia.

    “Tivemos mês no ano passado que passou mais de R$100 milhões apenas de crédito de uma dessas empresas. (…) oferecem lá 15% de rendimento ao mês mais 5% de cada novo investidor que a pessoa levar para o sistema”.

    O Procurador afirma que a investigação começou a partir de dados levantados pela Receita Federal, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e alguns outros órgãos, que forma levados espontaneamente pelas pessoas.

    Apesar de serem alguns elementos iniciais, como afirma o próprio Procurador Federal, ele disse que tudo indica se tratar de “um caso clássico de pirâmide financeira”, como foi a Telexfree — que em 2013 foi desmantelada.

    “(…) é a famosa pirâmide na qual há um motivo qualquer para alguém oferecer um grande rendimento de dinheiro, igual já tivemos um caso internacional, inclusive, que tinha americano envolvido. Foi a Telexfree no Brasil, que era ligações telefônicas a partir de anúncios, que as pessoas pagavam e ofereciam 200% de rendimento ao ano. Então aqui no caso é a criptomoeda”.

    Leia mais clicando no link aqui.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    7 investimentos em que você não precisa dividir o rendimento com o imposto

    15 de fevereiro de 2019

    Miau imposto de renda - Opções são interessantes para o investidor que quer encontrar aplicações rentáveis e seguras, principalmente quando consideramos aquelas dentro do leque de renda fixa

    Quanto rende a Poupança da Caixa?

    No Brasil ainda existem várias pessoas que investem na caderneta de poupança da Caixa e justificam a aplicação por conta da facilidade e da isenção do Imposto de Renda. Na verdade, o que boa parte desses poupadores esquece é que existem aplicações bem mais rentáveis que a caderneta que também são isentas de imposto.

    Por exemplo, temos o caso de produtos como CRIs (Certificados de Recebíveis do Imobiliários), CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio), LCIs (Letras de Crédito Imobiliário), LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) e das debêntures incentivadas. Praticamente todas essas aplicações rendem mais que a poupança. Isso porque a caderneta paga atualmente apenas 70% da Selic (que está em 6,5% a.a.) + TR (Taxa Referencial – que tem sido igual a zero nos últimos meses).

    A poupança deverá render por volta de 4,5% neste ano, o que é pífio. Não chega a nem 0,4% ao mês se acreditarmos que os juros ficarão em 6,5% ao longo de 2019!

    Logo a seguir são listados 7 investimentos que são isentos de Imposto de Renda e que são opções melhores do que a poupança:

    1. LCI
    2. As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) são uma modalidade de investimento de renda fixa lastreada em créditos do setor imobiliário.

      Isenta de Imposto de Renda, a LCI exige resgate no vencimento e conta com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos para até R$ 250 mil por CPF e instituição financeira. Para mais informações, acesse o site do FGC.

    3. LCA
    4. As Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) também são investimentos de renda fixa. A diferença para a LCI é que ao invés do banco utilizar os recursos captados para o segmento imobiliário, ele os utiliza para o agronegócio.

      Assim como a LCI, a LCA possui a cobertura do FGC para até R$ 250 mil por CPF e instituição financeira. Além disso, são aplicações de médio e longo prazo, então o investidor precisa estar disposto a levar os títulos até a data de vencimento.

    5. CRI
    6. Os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) são lastreados em imóveis e emitidos por companhias securitizadoras. Isento de Imposto de Renda, o CRI precisa ser resgatado na data de vencimento.

      É importante lembrar que o CRI não conta com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), portanto é preciso se atentar ao rating. “É muito comum que o CRI venha com uma garantia real; muitas vezes é lastreado pelo próprio imóvel, ou seja, o emissor dá o imóvel como garantia”, lembra Daniel Zamboni, assessor de investimentos na Br Investe.

      A remuneração, por sua vez, pode ser indexada ao CDI, a índices de inflação ou ser prefixada. Vale citar que muitos dos CRIs só estão disponíveis para investidores qualificados, ou seja, aqueles com patrimônio investido acima de R$ 1 milhão.

    7. CRA
    8. Também na ponta dos Certificados de Recebíveis, temos o do Agronegócio (CRA), que é lastreado em recebíveis originados de negócios entre produtores rurais e suas cooperativas.

      Assim como os CRIs, os papéis não contam com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) e precisam ser resgatados na data de vencimento. Além disso, são investimentos de risco moderado com vencimentos de médio e longo prazo, normalmente a partir de 3 anos.

    9. Debêntures incentivadas
    10. As debêntures são títulos de dívida emitidos por empresas (de capital aberto ou não) que têm como objetivo captar recursos para o financiamento de projetos.

      No caso das debêntures incentivadas, estas são emitidas por empresas para executar obras ou serviços de infraestrutura no país, como estradas e aeroportos. Por causa disso, o governo federal optou por isentar a cobrança do IR.

      O rendimento desses ativos pode acontecer de três formas diferentes: pós-fixado (CDI ou IPCA), prefixado ou híbrido (mesclando as duas modalidades de rendimento).

    11. Renda dos fundos imobiliários
    12. Os fundos de investimentos imobiliários (FIIs) são fundos compostos por investimentos do setor imobiliário. Dessa forma, podem ter lajes corporativas, hospitais, shopping centers, prédios comerciais e residenciais, etc.

      Além de contar com a expertise de um gestor para administrar e selecionar os ativos, o investidor de FIIs também possui mais liquidez com o fundo do que com um imóvel, tem maior rentabilidade, diversifica seu portfólio e possui custos inferiores de compra e venda, visto que o investidor está adquirindo pequenas partes de imóveis.

      Outra vantagem é que ao contrário do que acontece com o aluguel recebido de um imóvel, a renda recebida de FIIs é isenta de Imposto de Renda para pessoa física.

    13. Venda de ações
    14. A isenção de Imposto de Renda também é possível para os lucros obtidos na bolsa. É preciso ter em mente, porém, que para isso há um limite de venda de até R$ 20 mil em ações no mês. Nessa conta são consideradas todas as ordens de venda executadas entre o primeiro e o último dia do mês.

      Além disso, a isenção só é válida para lucros de operações normais, ou seja, quando a compra e a venda do ativo ocorrem em datas diferentes. Em outras palavras, a isenção não é válida para operações day-trade.

    E qual a cobrança de IR em ativos de renda fixa que não são isentos?

    O Imposto de Renda que incide sobre a rentabilidade das aplicações de renda fixa como CDB (Certificado de Depósito Bancário) e Tesouro Direto segue as seguintes alíquotas:

    Período Alíquota
    Até 180 dias 22,5%
    De 181 a 360 dias 20%
    De 361 a 720 dias 17,5%
    Acima de 720 dias 15%

    O investidor precisa estar ciente também que há incidência de IOF se houver resgate do título antes do prazo de 30 dias.

    É importante lembrar que dependendo do retorno que o CDB oferece ele pode ser mais vantajoso do que uma aplicação isenta de Imposto de Renda.

    Para calcular qual opção é mais vantajosa, existe uma fórmula simples:

    ((% CDI do CDB) x (1- (alíquota do IR/100)))

    Em outras palavras, se o objetivo é investir R$ 2 mil para resgatar daqui 365 dias e as opções são um CDB que paga 100% do CDI e uma LCI que paga 85% do CDI, o cálculo fica o seguinte:

    ((100) x (1- (17,5/100))) = 82,5%

    Isso mostra que, para o prazo de 365 dias, a LCI é mais vantajosa. Fazendo o cálculo para os diferentes resgates e com mesma rentabilidade do CDB (100% CDI), temos a LCI mais vantajosa em todos os casos. Acima de 720 dias, porém, as aplicações ficam equilibradas.

    Período CDB 100% do CDI LCI 85% do CDI
    Até 180 dias 77,5% 85%
    De 181 a 360 dias 80% 85%
    De 361 a 720 dias 82,5% 85%
    Acima de 720 dias 85% 85%
    Por outro lado, se o CDB oferecer uma rentabilidade superior, como 110% do CDI, por exemplo, o produto passa a ser mais atrativo do que todos os cenários, mesmo com a isenção de IR das Letras de Crédito Imobiliário. Veja:

    Período CDB 110% do CDI LCI 85% do CDI
    Até 180 dias 85,25% 85%
    De 181 a 360 dias 88% 85%
    De 361 a 720 dias 90,75 85%
    Acima de 720 dias 93,5% 85%

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    Melhores aplicações para quem quer ter renda periódica

    13 de fevereiro de 2019

    Fundos imobiliários, ações que distribuem dividendos e juros sobre capital próprio  títulos do Tesouro Direto que pagam juros semestrais são boas opções; conheça cada uma delas

    Muitas pessoas não querem deixar o dinheiro na Poupança da Caixa e para elas existe opções onde uma renda seja creditada na conta de tempos em tempos. Pode ser mensal, semestral ou ter alguma outra periodicidade – o importante é que o rendimento fique disponível para ser utilizado.

    Algumas aplicações com essa característica são os Fundos de Investimento Imobiliário, as ações que distribuem dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) e os títulos do Tesouro Direto que pagam juros semestrais.

    Olhe a seguir as principais características de cada uma delas:

    1. Fundos de Investimento Imobiliário (FII)
    2. Estes fundos geralmente são donos de grandes empreendimentos comerciais como lajes corporativas, shoppings centers, hospitais, agências bancárias ou galpões logísticos. Quase todo dinheiro que os gestores recebem alugando esses imóveis são repassados aos cotistas – pela regra, os fundos são obrigados a distribuir 95% da renda.

      Por isso, esse tipo de aplicação costuma ser a mais indicada para quem precisa de renda todo mês e com alguma previsibilidade. O fundo imobiliário é o investimento mais efetivo para quem vai precisar do dinheiro de forma programada. Se você precisa de um complemento na renda mensal para pagar contas, por exemplo, este é o produto mais efetivo!

      Uma das grandes vantagens do fundo imobiliário é que a renda proveniente da aplicação é isenta de Imposto de Renda para os investidores pessoa física. Portanto, todo valor é creditado na conta sem nenhum tipo de desconto, diferente do Tesouro Direto que paga juros semestrais – neste caso, o investidor recebe o rendimento com o desconto de IR.

      É importante lembrar que apesar de terem uma distribuição periódica de renda, os FII’s não são uma aplicação de renda fixa. Isso porque suas cotas são negociadas na bolsa e mudam de preço diariamente, assim como uma ação.

    3. Ações que pagam dividendos ou JCP
    4. Outra aplicação muito procurada por quem quer ter uma renda periódica são as ações que pagam bons dividendos ou juros sobre capital próprio. Neste caso, porém, a previsibilidade é menor do que nos fundos imobiliários, já que não existe uma periodicidade definida.

      É bem interessante quando a pessoa precisa apenas de um bônus na sua renda, mas não conta com isso mensalmente para suprir suas necessidades. No caso dos dividendos, a renda também é isenta de Imposto de Renda. Já no JCP há cobrança de IR do investidor.

      As empresas que mais pagam dividendos aos investidores são aquelas que têm uma forte geração de caixa e muitas vezes estão no setor de utilities (energia, água, gás). O setor de concessão de rodovias também costuma ter boas pagadoras, entretanto o investidor precisa ter perfil para investir. São ações que costumam ter menos volatilidade, mas ainda assim é renda variável. Então é importante investir pensando no longo prazo!

      Também é preciso ficar atento com possíveis mudanças na regulação. No passado aquela “canetada” que prejudicou a distribuição de dividendos da empresas de energia elétrica, por exemplo. Elas eram consideradas ótimas pagadoras e foram diretamente afetadas com as mudanças.

      Em 2013, a então presidente Dilma Rousseff mudou a legislação do setor elétrico, o que impactou diretamente o resultado das companhias e, consequentemente, a distribuição de dividendos aos investidores.

    5. Tesouro Direto com juros semestrais
    6. Existem atualmente dois títulos no Tesouro Direto que pagam renda semestral: o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 e o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2029.

      Neste caso, como o próprio nome diz, a renda é creditada na conta do cliente a cada seis meses. Segundo o assessor, esta é uma boa opção para quem quer previsibilidade da renda, já que o valor é sempre igual e o investidor fica sabendo na hora que faz a aplicação.

      As vantagens que tem são a renda não ter oscilação e o investidor ter a liquidez do Tesouro Direto.

      Além disso, esta é uma boa opção para quem está começando a investir, já que o produto está acessível para investidores com poucos recursos: a aplicação inicial do Tesouro Prefixado que paga juros semestrais e vence em 2029 era de R$ 32 em 11/02/2019, por exemplo.

      Se faz necessário atentar-se para um ponto: este tipo de aplicação tem volatilidade no preço do título. Então quem comprar hoje e resolver vender antes do vencimento pode até ter perdas. Por isso, o ideal é manter sempre até o vencimento, e neste caso, não há risco de perder dinheiro e o investidor receberá os juros a cada semestre.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    Cartão de crédito: 4 erros no uso que podem destruir suas finanças

    25 de janeiro de 2019

    Cuidado com cartão de crédito

    Aproximadamente 8 em 10 brasileiros devem no cartão de crédito, conforme pesquisa da Comissão Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.
    Independentemente da renda, o plástico representa a maior dívida das famílias brasileiras, e 84% dos brasileiros não sabem quanto pagam de juros no rotativo cartão, segundo pesquisa da plataforma de crédito online Just.

    Dispor de crédito para compras é cômodo para o consumidor. Mas a falta de conhecimento de muitos usuários sobre o funcionamento do produto pode ser perigosa no hora de fazer compras. Hoje, segundo dados do SPC Brasil e da CNDL, uma em cada cinco pessoas que utilizam o cartão de crédito consideram a forma de pagamento como extensão da própria renda.

    César Caselani, especialista em finanças e professor da Escola de Administração de Empresas da Faculdade Getúlio Vargas (FGV EAESP) aponta quais os maiores erros de quem utiliza o cartão de crédito e o que pode ser feito para evitá-los.

    1. Não pagar o valor total da fatura
    2. Existe a opção de fazer qualquer pagamento entre o total e o mínimo da fatura (que representa 15% do valor). Neste caso, o consumidor entra no crédito rotativo, que tem um dos maiores juros do mercado, chegando a quase 800% ao ano.

      Se um consumidor passar meses sem pagar o valor total da fatura, os juros acumulam e ele pode sofrer processos, ter o nome no SPC, não conseguir fazer novas compras parceladas e nem tomar empréstimos. “Isso atrapalha toda a vida financeira da pessoa. Futuramente, ela pode precisar de dinheiro para uma emergência muito mais importante que o consumo compulsivo.”

    3. Consumir mais que o salário
    4. É comum o consumidor não ter noção de quanto dinheiro vivo é movimentado ao utilizar o cartão de crédito. Por isso, ele considera o limite do cartão como “extensão” de sua renda mensal. Quando percebe, está com uma dívida que não consegue pagar.

      Isso também acontece em compras parceladas. A falta de planejamento faz com que o consumidor compre sem ter condições de bancar as próximas parcelas.

    5. Não calcular o câmbio
    6. Gastar com o cartão de crédito no exterior envolve planejamento. O valor da taxa de câmbio, se não calculado na hora da compra, pode fazer com que a fatura seja bem maior do que o esperado.

    7. Usar o crédito para fazer saques
    8. É fundamental evitar ao máximo tomar dinheiro vivo emprestado via cartão de crédito, porque as taxas de cobrança são estratosféricas, diz o especialista.

    Como parar de cometer estes erros

    Para César Caselani, é necessária uma mudança “no perfil psicológico do consumidor”. Muitas pessoas se jogam às compras e aproveitam qualquer anúncio de promoção ou desconto, seja ele real ou não.

    Em primeiro lugar, o professor aconselha ponderar mais, pensar com mais racionalidade antes de comprar, utilizar o cartão de forma inteligente e controlada.

    É comum, inclusive, que na hora de realizar as compras o consumidor dispense a segunda via. Isso é dificulta muito o controle financeiro e faz com que “comprar se torne um esporte.”

    Caselani também orienta que se tente ao máximo concentrar todos os gastos em apenas um banco. “Pessoas se tornam ainda mais descontroladas quando usam vários cartões”, opina. Além disso, quanto maior o número de cartões do consumidor, maior a anuidade. Com um cartão só é possível negociar descontos com o banco ou mesmo não pagar anuidade.

    “Grandes problemas financeiros afetam também outras áreas da vida: o casamento, a relação familiar. Planejar melhor os gastos evita conflitos por causa de dinheiro e deixa a vida muito mais prazerosa”.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    NatGeo Films: Jogada de Gênio

    29 de dezembro de 2018

    Ótimo filme sobre trapaças e falta de ética no mundo empresarial.

    Jogada de Gênio - filme 2008 - Flash of Genius

    Baseado em fatos reais.

    Sinopse

    O professor universitário e inventor Robert Kearns desenvolve um limpador de para-brisas intermitente, e ele acredita que sua mulher, seus filhos e ele não precisarão mais se preocupar com dinheiro pelo resto da vida. Apesar da invenção ser um sucesso entre as grandes montadoras em Detroit nos anos 1960, Robert é forçado a sair de cena. Então, ele entra na justiça contra a indústria de automóveis.

    Direção: Marc Abraham.

    Até mais.

    Geral

    Como Viver de Renda Fixa: 5 piores aplicações financeiras para 2019

    12 de dezembro de 2018
    Investidor precisa estar atento a questões como altas taxas de administração, baixa rentabilidade ou simplesmente por ganhos que podem ser engolidos pela inflação

    Ao programa Como Viver de Renda Fixa mais recente, Roberto Indech que é o analista chefe da Rico Investimentos, demonstrou 5 aplicações de investimentos que ele considera uma furada para o próximo ano, seja pelas altas taxas de administração, baixa rentabilidade ou simplesmente pelos ganhos líquidos não serem acima pela inflação.

    Ainda que os juros nominais estejam bem baixos (a Selic está em 6,5% ao ano – menor taxa histórica) – a taxa de juro real (descontada a inflação) ainda é muito alta no país, o que mantém a renda fixa como uma boa opção para os investidores, em especial os mais conservadores.

    Há diversas as aplicações, que variam de fundos de renda fixa a títulos públicos, CDBs, LCAs, LCIs, CRIs, CRAs, debêntures etc, porém se faz necessário tomar cuidado com algumas “ciladas”, ou seja, opções que até parecem interessantes, mas que no fundo podem ser uma cilada para o seu bolso.

    Antes de investir, lembre-se que é fundamental organizar uma carteira de investimentos diversificada e voltada para o seu perfil de investidor, alinhando risco a prazo e objetivos.

    FGTS

    Indech explica que o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) possui um rendimento de 3% ao ano + TR (taxa referencial). “O brasileiro é prejudicado por não ter mobilidade com esses recursos. Além disso, a rentabilidade é muito ruim, abaixo da inflação anual”, diz.

    O analista conta que nos últimos 20 anos, apenas 2017, teve IPCA abaixo de 3%, em 2,95%. Nos demais, os ganhos do FGTS perderam para o IPCA. Para este ano, a expectativa é que a inflação feche entre 3,6% e 3,8%.

    Poupança

    A queridinha dos brasileiros, a poupança, é considerada um dos piores investimentos, principalmente por render 70% da taxa Selic mais o valor da TR, e menos que a inflação.

    Atualmente, o rendimento da caderneta está em 0,37% ao mês (por conta da taxa de juros estar estável em 6,5% a.a.). Para os próximos meses, é estimado que ela continue com a mesma rentabilidade, visto que o mercado espera a manutenção da Selic pelo menos no primeiro semestre de 2019.

    Segundo Indech, em 2018 o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deve fechar em 4,6%, enquanto em 2019 deve cair para 4,4% ou 4,5% – caso a Selic se mantenha.

    Para se ter uma ideia, se o investidor tivesse comprado um CDB com rentabilidade de 115% do CDI e vencimento de 1 ano, teria ganho 7,5% (bruto) – 3 p.p. acima da poupança.

    CDBs com rentabilidade de até 85% do CDI

    Indech explica que os CDBs (Certificados de Depósito Bancário) são ótimos investimentos, mas que o investidor precisa se atentar às rentabilidades oferecidas. Segundo ele, CDBs que pagam entre 70 e 85% do CDI são péssimas escolhas; o recomendado é buscar acima de 100% do CDI.

    Em plataformas de corretoras de investimentos independentes, por exemplo, é possível encontrar opções que pagam até 118% do CDI. É o caso da Rico, que além disso não cobra NADA para você investir em renda fixa – clique aqui e abra uma conta gratuita!

    Fundos de renda fixa com altas taxas de administração

    Os fundos de renda fixa são uma opção interessante para quem quer acessar bons investimentos em renda fixa com a ajuda da expertise de um gestor. É preciso, porém, ficar atento às taxas de administração cobradas.

    Considerando que a taxa Selic está em 6,5% ao ano, se o fundo cobra uma taxa de 3% a.a., o investidor já começa o ano com a aplicação rendendo apenas 3,5%. Além disso, com a inflação em 4% ao ano, o dinheiro aplicado vai render menos que a inflação. “Para ter uma boa rentabilidade, o fundo de renda fixa precisa ter uma taxa de administração de 0,5% ao ano ou menor”, diz.

    Fundos de previdência privada com taxas excessivas

    O investidor precisa ficar atento também aos fundos de previdência que cobram taxas altas e excessivas, como taxas de administração, de carregamento, de entrada, de saída etc. “São informações muito importantes para a rentabilidade de suas aplicações financeiras, não só para 2019, mas para toda a sua vida de investidor”, diz.

    Indech traz ainda alguns dados que ilustram a indústria de fundos de previdência no país. Ele explica que dois dos maiores fundos de renda fixa do mercado em termos de previdência cobram taxas de 1,25% e 1,5% para uma gestão passiva, ou seja, em que os gestores não buscam ativos mais rentáveis ou oportunidades que possam agregar à rentabilidade da carteira.

    Além disso, esses dois fundos têm juntos, um patrimônio de R$ 92 bilhões e oferecem um rendimento de 90% do CDI. Em outras palavras, o brasileiro está perdendo uma série de oportunidades por deixar o dinheiro parado em fundos que rendem pouco e que não são ativos e flexíveis às mudanças econômicas.

    E você, o que pensa a respeito deste tema? Deixa a sua opinião.

    Até mais.