‘Toro Radar’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: Toro Radar

    Convidados

    Como investir o 13° salário: 5 opções rentáveis para aplicar seu dinheiro

    30 de novembro de 2018

    Como investir o 13° salário: 5 opções rentáveis para aplicar seu dinheiro

    Novembro e dezembro são os meses em que, normalmente, trabalhadores, aposentados e pensionistas recebem o décimo terceiro. Nesse momento, apesar de muitas pessoas esperarem esse dinheiro para quitar contas atrasadas, há quem planeja aplicar a quantia. Por isso, saber como investir o 13° salário corretamente é fundamental para ter bons resultados.

    Durante muito tempo, a poupança foi a principal escolha dos brasileiros que queriam poupar dinheiro. Entretanto, atualmente, o cenário não é favorável à caderneta, pois seu rendimento mensal por vezes não consegue acompanhar a inflação

    Além de não conseguir acompanhar a inflação, outro fator que colabora para a perda de popularidade da poupança é a acessibilidade a outros tipos de investimentos. O desenvolvimento de formas mais simples de investir em títulos de renda fixa ou variável fez com que fosse possível encontrar opções mais rentáveis para aplicar dinheiro.

    Veja 5 opções para investir o 13° salário:

    1. Tesouro Direto

    O Tesouro Direto é um programa do Governo Federal criado em 2002, com o objetivo de facilitar a compra e venda de títulos públicos pela internet e por pessoas físicas. De uma maneira bem simples, é possível dizer que este investimento é uma forma de emprestar dinheiro para o governo realizar obras de infraestrutura e depois receber a quantia no prazo combinado somada aos juros.

    Investir no Tesouro Direto é uma alternativa que atrai muitas pessoas interessadas em boa rentabilidade e segurança. Em outubro deste ano, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$2.084,8 milhões, maior número desde março de 2017.

    A segurança deste tipo de investimento é um dos seus diferenciais, segundo dados do governo, estes títulos representam menos de 1% da dívida pública. Assim, não é preciso se preocupar em não receber o dinheiro ao final do período determinado.

    2. Certificado de Depósito Bancário

    O CDB tem a mesma característica do Tesouro Direto: também pode ser entendido como um tipo de empréstimo, entretanto é destinado a bancos. As instituições financeiras usam esses títulos para financiar suas atividades e, após o período determinado, pagam aos investidores o valor acrescido dos juros.

    A garantia deste investimento fica por conta do FGC, o Fundo Garantidor de Créditos. Essa entidade garante o ressarcimento aos investidores, segundo alguns critérios, caso a empresa que emitiu o título declare falência, por exemplo

    3. Letra de Crédito Imobiliário

    Letra de Crédito Imobiliário, ou simplesmente LCI, é um tipo de título emitido por instituições financeiras com a intenção de financiar empreendimentos imobiliários. Assim como o Tesouro Direto e o CDB, a LCI é um tipo de investimento de renda fixa, ou seja, seu funcionamento acontece de forma muito parecida:

    Uma instituição financeira emite os títulos para que investidores possam comprá-los, após o período estabelecido no momento da compra, a instituição devolve o dinheiro junto com os juros acordados.

    Um dos principais diferenciais deste tipo de investimento é o incentivo do governo, que acredita que a venda destes títulos é importante para a economia do país. Dessa forma, pessoas físicas que investem em LCI são isentas do pagamento do Imposto de Renda.

    4. Letra de Crédito do Agronegócio

    Este investimento, que é conhecido como LCA, funciona de forma idêntica à LCI. A única diferença é a finalidade dos títulos, já que neste caso eles são usados para financiar atividades agropecuárias.

    Vale a pena destacar que tanto os investimentos em LCA, quanto em LCI, também são assegurados pelo FGC. Sendo assim, mesmo que aconteça algum problema com a instituição que emitiu os títulos, os investidores conseguem receber o dinheiro que foi investido.

    5. Bolsa de Valores

    Investir na Bolsa de Valores pode representar a oportunidade de buscar rendimentos melhores, comprando ou vendendo ações de empresas mundialmente conhecidas ou mesmo negociando contratos futuros de commodities.

    Como estamos falando sobre investir o 13° salário, é bom saber que esta época do ano pode ser uma boa hora para começar a investir na Bolsa. Este ano, o número de pessoas que fizeram investimentos nessa modalidade ultrapassou todos recordes, chegando à marca de 730 mil pessoas, segundo dados da própria B3.

    Antigamente, muitas pessoas tinham medo desses investimentos devido ao risco e à oscilação do mercado. Entretanto, hoje em dia há ferramentas que suavizam os riscos, apresentando as chances de perda e ganho em cada transação realizada. Além disso, é importante entender cada papel que é negociado, avaliando todas as possibilidades e variações que podem acontecer.

    Para as 5 opções apresentadas é possível investir com praticidade, por meio de plataformas online. Portanto, na hora de definir como investir o 13° salário, não é preciso mais se prender a opções que podem não ser tão rentáveis.

    Convidados

    O que você precisa para declarar o IRPF dos títulos do Tesouro Direto

    13 de setembro de 2018

    O que você precisa para declarar o IRPF dos títulos do Tesouro Direto

    Em 2018, o Imposto de Renda deve ser declarado entre os dias 1º de março e 30 de abril. O prazo já está caminhando para o fim e muitas pessoas ainda não enviaram sua declaração. O motivo muitas vezes tem relação com as dificuldades encontradas pelo contribuinte na hora de fazer a declaração, principalmente na parte de investimentos.

    De fato, a declaração do Imposto de Renda não é a tarefa mais fácil do mundo. Ela é muito rica em detalhes e precisa ser feita de forma muito minuciosa, mas isso não quer dizer que ela seja impossível de ser feita. Com tranquilidade e organização tudo dá certo.

    Se você investiu em títulos do Tesouro Direto em 2017, é a sua hora de declarar ao governo todas as compras e vendas de títulos e também quais foram seus rendimentos.

    Para isso, você vai ver nesse post o que é preciso para declarar o Tesouro Direto no Imposto de Renda.

    Descontos do Imposto de Renda nos investimentos

    Em investimentos em renda fixa como Tesouro Direto, o Imposto de Renda é descontado automaticamente pela corretora no momento do resgate. A tributação segue uma tabela regressiva que determina que quanto maior o tempo em que o dinheiro ficar aplicado, menor é a alíquota que será descontada.

    • Investimento de até 180 dias – Alíquota de 22,5%
    • Investimento 181 a 360 dias – Alíquota de 20,0%
    • Investimento de 361 a 720 dias – Alíquota de 17,5%
    • Investimento acima de 720 dias – Alíquota de 15,0%

    Os investimentos em Tesouro Direto devem ser declarados no sistema da Receita Federal na aba Bens e Direitos e seus rendimentos na seção Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva / Definitiva.

    1.  Informe de rendimentos

    Para declarar seus investimentos em títulos do Tesouro Direto, você vai precisar ter em mãos o informe de rendimentos. Você terá acesso a esse documento através do internet banking do banco ou na sua conta em uma corretora de valores.

    No informe, estarão listadas todas as suas compras e vendas de títulos e também o detalhamento dos juros recebidos de títulos como Tesouro IPCA (antigo NTN-B) que paga juros semestralmente. Nesse caso, o imposto é retido na fonte.

    2. Títulos negociados

    Em sua declaração, você vai precisar discriminar quais títulos do Tesouro Direto você negociou no ano base que, neste caso, é 2017.

    Os títulos deverão ser declarados na aba de Bens e Direitos, utilizando o código 45 – Aplicações de renda fixa – CDB, RDB e outros. Você vai precisar descrever o tipo de papel e a quantidade que comprou, a data que você adquiriu o título e a corretora ou banco que intermediou a operação.

    3. Rendimentos

    Você também vai precisar declarar os rendimentos dos seus títulos. Para isso, basta usar a aba “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva” e o código 06 – Rendimento de aplicações financeiras.

    Você precisará preencher nesta aba se foi você ou algum dependente que fez o investimento, ou até mesmo se foi os dois.

    Aqui você vai precisar do CNPJ da instituição que intermediou a aquisição dos títulos, seja um banco ou uma corretora. Essa informação será solicitada no campo: “CNPJ da fonte pagadora”.

    Verifique como o banco ou a corretora especificou no informe os seus rendimentos. Geralmente, elas colocam o valor bruto e o valor retido de imposto. Se estiver discriminado desta forma, você deve calcular a diferença entre os dois para chegar ao valor líquido para declarar seus rendimentos.

    Atente-se ao prazo

    Não se esqueça que o prazo para envio da declaração do Imposto de Renda 2018 termina na segunda-feira, 30 de abril. Quem não fizer o envio dentro do prazo estará sujeito a multa que varia entre R$164,74, no mínimo, e 20% do valor do imposto devido.

    Quem tem direito à restituição do Imposto e enviar a declaração no começo do prazo poderá ser ressarcido primeiro, então envie sua declaração o quanto antes. Além disso, deixar para a última hora pode ser muito arriscado. Há o risco de ter algum imprevisto e ficar sem declarar o imposto ou até mesmo preencher os campos com pressa e mandar alguma informação errada.

    A declaração deve ser enviada através de um sistema disponível para download no site da Receita Federal. Com tempo e tranquilidade, você conseguirá declarar seu Imposto de Renda e todos os seus investimentos de maneira correta e ficar tranquilo por estar em dia com a Receita

    Convidados

    Como saber quanto vale um Bitcoin?

    16 de março de 2018

    quanto-vale-um-bitcoin

    Nos últimos tempos, os olhos do mercado se voltaram para o mercado de Bitcoins. Grande parte da sua popularidade se deve à valorização que a moeda virtual apresentou desde seu surgimento. No começo de tudo, um Bitcoin valia apenas alguns centavos de dólar. Com o passar do tempo, seu valor oscilou muito e uma moeda chegou a valer quase 20 mil dólares.

    O crescimento exponencial dos Bitcoins chamou a atenção do mercado. Por isso, muitas pessoas estão se interessando em conhecer um pouco melhor seu funcionamento. Com tantas oscilações, como saber quanto vale um Bitcoin? É o que você vai descobrir logo mais.

    Oscilações do mercado

    Como você provavelmente já sabe, a moeda virtual não é muito estável. Em apenas uma dia, a cotação do Bitcoin pode oscilar muito. Isso acontece devido à especulação do mercado, avanços em sua tecnologia ou escândalos envolvendo a moeda.

    Se você realmente se interessa pelo mercado de Bitcoins, precisará acompanhar a cotação todos os dias. Especialistas afirmam que a criptomoeda pode oscilar até 20% em um intervalo de 24 horas. Isso significa que de um dia para o outro, a diferença da cotação pode ser de milhares de reais para cima ou para baixo. E isso significa que um movimento perdido pode custar caro demais.

    O valor de um Bitcoin

    Investimentos tradicionais do mercado financeiro possuem gráficos que ajudam o investidor a acompanhar as oscilações, com Bitcoins não é diferente. Existem plataformas gráficas que auxiliam investidores e profissionais a acompanhar o preço da moeda, avaliar o histórico de altas e quedas e tentar identificar um padrão de comportamento.

    Profissionais do mercado realizam uma análise observando os gráficos buscando indicadores padrões para desenhar cenários em que a cotação do ativo é estatisticamente possível. Essa avaliação é chamada de análise gráfica ou técnica.

    Esse tipo de observação é muito comum na Bolsa de Valores, mas não é algo simples de ser feito. É preciso dominar os métodos de análise e é nesse momento que a experiência faz toda a diferença. Você também pode aprender a identificar padrões e analisar os gráficos, mas isso não acontece de um dia para o outro. É preciso se dedicar bastante até conseguir desenvolver essa habilidade.

    Ainda assim, por ser um mercado ainda muito novo e com oscilações exponenciais, a análise técnica pode não funcionar com a mesma eficácia em ativos como os Bitcoins.

    Se você quiser apenas consultar quanto vale um Bitcoin em real, você pode acessar um gráfico ou conversor online, existem vários do tipo pela internet. Inserir quantos Bitcoins você pretende converter em reais, ou vice-versa, e o conversor te entregará a conta pronta.

    Busque aprendizado sempre

    Bitcoins ganharam muitos admiradores e também muitos detratores. Para decidir se você deve ou não comprar a moeda, o segredo está em estudar este mercado a fundo. Muitos investidores empolgados com os ganhos passados enxergam nos Bitcoins uma grande possibilidade de enriquecer.

    Contudo, é preciso ter cuidado. A criptomoeda já se valorizou muito e ninguém pode garantir seu destino daqui para frente. Lembre-se sempre: rentabilidade passada não garante rentabilidade futura. Não é porque os Bitcoins cresceram tanto no passado que é certo que eles vão continuar seguindo o mesmo ritmo.

    Sempre tome muito cuidado com todas as informações que você recebe. Sempre filtre-as com sabedoria. Se depois de estudar o mercado de Bitcoins, seu sistema, as formas de compra e qual a segurança ele pode oferecer, você achar que vale a pena entrar nesse mercado, vá em frente. Só não siga a onda e coloque seu dinheiro onde você não conhece. Defenda sempre o seu dinheiro.

    Convidados

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    5 de janeiro de 2018

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    Com a chegada do novo ano, muitos investidores buscam pelas melhores aplicações financeiras que poderão proporcionar boa rentabilidade e excelentes retornos.

    Para ajudar você, caro leitor, reunimos neste texto os melhores investimentos 2018 e esperamos que conquiste resultados ainda maiores que os obtidos no ano anterior.

    Investimentos na Renda Variável

    Como é de se esperar, a Bolsa de Valores tem grande potencial para continuar sendo a opção mais atrativa para 2018. Muitos analistas acreditam que os investidores, com diferentes perfis e objetivos, conseguirão usufruir das excelentes oportunidades no mercado de renda variável.

    Mesmo o perfil mais conservador quanto o perfil extremamente arrojado, poderão encontrar grandes oportunidades na Bolsa. Por isso mesmo, para identificar o melhor investimento para você, é preciso conhecer seu perfil.

    É possível encontrar algumas especulações do mercado de ações com chamadas sensacionalistas, fazendo com que os investidores iniciantes se encantem com os resultados e cenários irreais.

    Portanto, dê preferência para as análises estruturadas e as estratégias sólidas. Desta forma, ficará mais fácil identificar as melhores opções de investimento de 2018 devido à visão clara sobre este mercado.

    Investimentos na Renda Fixa

    Outra aposta para 2018 são as aplicações em Renda Fixa. A grande maioria desses papéis estão atrelados a três indicadores: à Selic, ao CDI e à inflação.

    • Taxa Selic: após os cortes da taxa de juros básica da economia brasileira, muitos investimentos tiveram alteração significativa em seus rendimentos.
    • CDI: como esta taxa também acompanha a movimentação da Selic, então também teve uma redução na rentabilidade.
    • Inflação: em 2017, ocorreu um melhor controle da inflação se comparado ao ano anterior.

    Muitos títulos que utilizam algum desses indicadores tiveram a rentabilidade geral menor do que em períodos anteriores. Porém, mesmo que estejam entregam resultado abaixo do passado, eles continuam apresentando um bom desempenho.

    Em 2018, o títulos que merecem maior atenção são os do Tesouro Direto. Esta é uma aplicação financeira bastante conhecida devido à sua alta liquidez e segurança.

    Existem 3 tipos de títulos: Tesouro IPCA, que acompanha os movimentos do indicador IPCA, Tesouro Selic, que acompanha a rentabilidade da taxa Selic, e o Tesouro Prefixado, que nos últimos entregou retornos bem interessantes.

    Além do Tesouro Direto, você pode ficar atento com os outros títulos de Renda Fixa:

    • CDB
    • LCI
    • LCA
    • Letras de Câmbio

    Investimentos no exterior

    Em 2017, a Bolsa de Valores norte-americana apresentou tendência de alta para investimentos a longo prazo. O principal índice do mercado de capitais dos EUA, o S&P 500, teve um grande desempenho, marcando topos históricos e demonstrando que este movimento pode se manter.

    Também existe uma grande chance de aparecer boas oportunidades em 2018 que envolvam o dólar e outros índices norte-americanos.

    O que demanda atenção é a elevação da taxa de juros dos EUA. No curto prazo, esse movimento gera um fluxo de saída de capital estrangeiro do nosso país, ocasionando uma pressão compradora no dólar e, consequentemente, sua alta.

    Agora que você conheceu algumas possibilidades de investimentos 2018, não deixe de verificar qual título se encaixa melhor ao seu perfil e objetivos. Aproveite também para entender melhor cada uma das opções de investimentos e como funciona o mercado financeiro para tirar o melhor proveito dele neste novo ano.

    Convidados

    Taxa Selic pode ser reduzida para 7% ao ano

    5 de dezembro de 2017

    Happy businesswoman holding piggy bank against white background

    Na próxima quarta-feira, dia 06 de dezembro, será realizada a última reunião de 2017 do Copom (Comitê de Política Monetária). A expectativa do mercado é que a Taxa Selic tenha uma redução em 0,5 ponto percentual, marcando um novo piso histórico.

    Atualmente, a taxa básica de juros da economia está valendo 7,50%. Mas, se for confirmada a redução, ela vai passar para 7,0%.

    A Taxa Selic interfere diretamente nos rendimentos da poupança. Para entender melhor sobre sua rentabilidade, é preciso conhecer a regra utilizada para o cálculo:

    • 0,5% ao mês mais Taxa Referencial – caso a Taxa Selic seja superior a 8,5%.
    • ​70% da Taxa Selic mais Taxa Referencial – caso a meta da taxa seja igual ou menor que 8,5%.

    Com a queda da Selic, a poupança não oferece boa rentabilidade e isso faz com que o dinheiro perca potencial de compra. De certo modo, é como se o dinheiro estivesse perdendo valor em vez de se valorizar enquanto está aplicado.

    Por isso, muitos investidores têm buscado novos caminhos para investir dinheiro. Algumas das alternativas são os investimentos de Renda Fixa. Essa categoria abrange aplicações podem ser emitidas por instituições financeiras, como empresas de financiamento, bancos ou até mesmo o governo.

    Quando o investidor aplica dinheiro em Renda Fixa, seria como emprestar dinheiro para essas instituições, que por sua vez utilizam o dinheiro para financiar suas atividades. Em troca, na data combinada, o investidor recebe de volta o valor investido, acrescido dos juros.

    Investir em Renda Fixa além de muito fácil , também conta com a mesma segurança da poupança: o Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Isto é, supondo que o banco que emitiu o título quebre, o investidor tem a garantia de receber seu dinheiro de volta, respeitando o limite de R$250 mil por CPF e por instituição financeira.

    Por oferecer grande diversidade, o investidor pode escolher entre os títulos disponíveis aqueles que tenham mais a ver com seu perfil e objetivos. Além disso, pode combinar várias modalidades em sua carteira de investimentos com o objetivo de aumentar a segurança e as chances de sucesso.

    Conheça agora alguns dos títulos de Renda Fixa mais populares entres os brasileiros que estão à procura de novas possibilidades de investimento:

    CDB

    A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário e se refere a aplicações emitidas por bancos para captar recursos a fim de, entre outras coisas, melhorar suas estruturas e conceder empréstimos para seus clientes.

    Este investimento é protegido pelo FGC. Além disso, existem 3 tipos de títulos: prefixado, pós-fixado e híbridos.

    • Prefixado: nestes títulos, o valor a ser resgatado ao final do investimento é estabelecido no momento da compra.
    • Pós-Fixado: este tipo de título possui sua remuneração atrelada a um indexador da economia, que em muitos casos é o CDI.
    • Híbrido: estes títulos possuem um percentual fixo somado à variação de um indexador econômico.

    Tesouro Direto

    O Tesouro Direto é uma aplicação financeira de Renda Fixa bastante conhecida devido à sua alta liquidez e segurança. Isto quer dizer que, se preciso for, é possível resgatar o dinheiro aplicado a qualquer momento.

    Além disso, este título é bastante acessível pois aceita investimentos a partir de R$30. No entanto, é preciso ficar atento pois não são todos os títulos que podem ser adquiridos por este valor.

    LCI e LCA

    A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são investimentos em Renda Fixa isentos de Imposto de Renda e protegidos pelo FGC. A rentabilidade de uma Letra de Crédito possui características muito parecidas com o CDB, podendo ser prefixada, pós-fixada ou híbrida.

    Essas são apenas algumas opções possíveis para quem deseja fugir da poupança e ter melhores resultados. Existe uma variedade de investimentos com rendimentos mais interessantes que a caderneta, basta pesquisar e buscar aqueles que melhor se encaixam ao perfil e objetivos do investidor.

    Portanto, antes de começar os investimentos, é fundamental que se entenda sobre as opções disponíveis no mercado para poder fazer escolhas mais acertadas.

    Convidados

    Qual a diferença entre LCI e LCA?

    13 de novembro de 2017

    As duas siglas LCI e LCA estão muito presentes no mundo dos investimentos e provavelmente você já ouviu falar delas. Além de todas as vantagens, elas são muito conhecidas por serem isentas de uma tributação que está sempre no radar dos investidores: o Imposto de Renda.

    Quando se fala em renda fixa, as LCIs LCAs muitas vezes aparecem juntas. Mas, você sabe o que elas significam? Sabe que tipo de investimento é esse e como eles ajudam a movimentar a economia?

    Para te ajudar a sanar essas e outras dúvidas, leia esse post até o fim e entenda de uma vez por todas a diferença entre LCI e LCA.

    O que é LCI?

    A sigla LCI significa Letra de Crédito Imobiliário. Esta modalidade funciona de maneira muito semelhante a outros investimentos em renda fixa. É uma espécie de empréstimo que o investidor faz à instituição financeira e recebe de volta o valor corrigido depois de determinado período. Enquanto isso, a instituição pode oferecer financiamentos para o setor imobiliário.

    É possível dizer que a Letra de Crédito Imobiliário tem risco relativamente baixo. A instituição tem a responsabilidade de te ressarcir o dinheiro. Caso ela declare falência, você não fica na mão pois pode contar com a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O órgão garante investimentos de até R$250 mil por instituição e por CPF.

    Uma característica que faz brilhar os olhos dos investidores, é que as LCIs são isentas de Imposto de Renda. O benefício fiscal é cedido pelo governo com o intuito de incentivar os investimentos no setor que é tão importante para a economia do país. A vantagem da isenção não se limita às LCIs, pois também se estende às LCAs.

    Investimentos em LCA

    As Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) são investimentos muito semelhantes às LCIs que também não sofrem dedução de IR. A diferença entre as duas é que os recursos das LCAs são utilizados para financiar atividades relacionadas ao agronegócio, como a produção agrícola, compra de máquinas e insumos.

    Da mesma forma que as LCIs, o investidor empresta dinheiro a uma instituição a financeira, pública ou privada, por determinado período e depois o recebe de volta acrescido de juros. Enquanto estiver investido, esse dinheiro poderá ser usado para oferecer financiamentos e crédito nas compras a prazo de produtos rurais.

    Dessa forma, investir nas Letras de Crédito do Agronegócio traz benefícios em vários âmbitos. O produtor consegue realizar suas atividades, as instituições lucram com as transações e o investidor recebe uma remuneração sobre seu capital.

    As LCAs, assim como as LCIs, também são asseguradas pelo FGC, o que contribui para a segurança do investimento.

    A grande diferença entre os dois tipos de Letra de Crédito está basicamente no setor que elas ajudam a financiar: agronegócio e setor imobiliário, ambos, muito importantes para a economia do país.

    O fator que vai te ajudar a decidir entre elas, tem a ver com o rendimento que o investimento vai te proporcionar, ou seja, quanto você vai ganhar ao final do período da aplicação.

    Mesmo com a grande vantagem de serem isentas de Imposto de Renda, antes de fazer qualquer investimento, seja em LCI ou LCA, é importante que avaliar as taxas oferecidas e as oportunidades disponíveis no mercado. Pode ser que você encontre outros tipos de investimentos que, mesmo sendo tributados, podem oferecer rentabilidades bem mais atraentes.

    Por isso, é sempre bom pesquisar bastante e colocar as contas na ponta do lápis. Dessa forma, você poderá fazer investimentos inteligentes que te ajudarão a potencializar seus rendimentos.

    qual-a-diferenca-entre-lci-e-lca

    Convidados

    5 atitudes para se tornar um investidor de sucesso

    27 de setembro de 2017

    Quem nunca ouviu falar de Bill Gates ou de Jorge Paulo Lemann provavelmente não vive neste planeta. Estes são dois nomes fortes no empreendedorismo e que até hoje inspiram pessoas mundo afora.

    Além de serem ótimos nos negócios, os dois empresários têm outra característica em comum: são investidores. Bill Gates costuma investir em novas empresas do ramo da tecnologia e também de cunho social. Lemann, por sua vez, é sócio de grandes empresas do ramo de alimentos e bebidas.

    Você pode estar imaginando que é difícil chegar ao patamar que eles chegaram. Mas saiba que, mesmo se não conseguir se tornar famoso em diversos países, você pode aprender muito com estes e vários outros investidores bem-sucedidos.

    Quer saber como valorizar ainda mais o capital que tem aplicado? Veja a seguir 5 atitudes importantes para se tornar um investidor de sucesso.

    1) Continue aprendendo

    Ninguém nasce sabendo. Mark Zuckerberg, por exemplo, não poderia imaginar que chegaria onde chegou. É claro que, para se tornar um dos homens mais ricos do mundo, ele traçou objetivos e se manteve focado até atingi-los.

    Mas para chegar lá ele precisou aprender bastante. Essa é a primeira dica: aprender e continuar aprendendo. A humildade de reconhecer que é possível absorver constantemente novas ideias e conceitos é essencial para ter sucesso nos investimentos.

    Além de entender como o mercado funciona, você precisa se manter informado sobre o que ocorre no Brasil e no mundo. Novidades podem surgir e você deve estar sempre a par do que está acontecendo.

     2) Seja disciplinado

    Quando falamos de investimentos, outra atitude fundamental é manter as emoções no lugar. É compreensível que perder dinheiro é uma situação ruim, mas é melhor abrir mão de algumas dezenas do que perder tudo de uma vez, concorda?

    Por isso, não faça nada por impulso. Pare, pense e defina uma estratégia de investimentos. Além do seu perfil e seus objetivos, essa estratégia também deve abranger métodos para proteger seu dinheiro.

    Dessa forma, caso algo não vá de acordo com as suas expectativas, esses métodos poderão minimizar as perdas. A disciplina, nesse caso, é prioridade. Afinal, você só conseguirá atingir a meta que delimitou se manter o foco e não fugir do plano traçado.

    3) Não abra mão da segurança

    Como falamos agora pouco, a segurança do seu capital deve ser levada à sério. Existem investimentos que oferecem riscos maiores, como é o caso da Bolsa de Valores. No entanto, quem já investe há um bom tempo neste mercado conhece boas técnicas para suavizar as possíveis perdas.

    Para evitar cair em armadilhas, a orientação é fazer bom uso de métodos e ferramentas, como o stop loss e o manejo de risco. Você vai ver que sua atitude será fundamental para decidir se sua perda será menor, ou seja, mais fácil de ser revertida, ou se seu capital irá reduzir drasticamente devido a uma irresponsabilidade.

    Outra dica importante sobre esse tópico: é muito importante aprender com os erros. Quando se é iniciante, principalmente, é compreensível falhar. O que não é positivo é cometer sempre os mesmo erros.

    Quando o assunto é segurança, enganar-se novamente pelo mesmo motivo pode custar caro para o seu bolso. Por isso, conheça a fundo cada investimento que for fazer e lance mão de boas estratégias para proteger seu dinheiro.

    4) Vá além da teoria

    Você não se torna um médico apenas lendo livros focados em tratamentos para diversas doenças. Nem abrirá uma oficina mecânica somente após ver vídeos online ensinando como trocar um pneu. A teoria é importante, mas só funcionará 100% aliada à prática.

    No universo dos investimentos, a ideia é a mesma. Você só se tornará um bom investidor se souber investir na prática. Sabe a máxima: “só se aprende fazendo”? Ela é bastante verdadeira.

    Como dissemos logo ali em cima, aprender a dinâmica do mercado é muito relevante. No entanto, esse conhecimento não será de muita utilidade se você não souber usá-lo a favor das suas finanças.

    Dominar a teoria é, de fato, um passo muito importante rumo a uma vida financeira mais saudável. Contudo, também é imprescindível colocar tudo que aprendeu e continua aprendendo em prática. Você só saberá onde e qual o melhor momento para investir se praticar e adquirir experiência.

    5) Não tenha vergonha de pedir ajuda

    Quando você está começando algo novo ou já tem certa experiência, mas surgiu uma dúvida, é importante saber a quem recorrer. Se você sente uma dor, procura logo um médico. Ou se seu computador para de funcionar, você logo chama a assistência técnica.

    Por que, então, não utilizar os conhecimentos de quem entende de investimentos quando precisa tomar uma decisão financeira importante? Não estamos dizendo que você deve depender de um profissional para dar cada passo, mas contar com o auxílio de uma pessoa qualificada em momentos decisivos pode fazer muita diferença.

    Por isso, não tenha vergonha de pedir ajuda a um especialista no mercado. E o mais importante: confie em quem sabe de fato o que está fazendo. Seguir as dicas de um primo ou amigo que não tem anos de experiência no mercado financeiro pode custar mais caro do que imagina.

    Já deu para perceber que não importa se você vai investir 100 mil reais ou 5 mil reais, não é? As atitudes que listamos neste artigo são comuns a bons investidores de diferentes perfis e bolsos.

    Portanto, reavalie como você tem investido até então e comece a aprimorar suas ações para se tornar também um investidor de sucesso.

    investidor-de-sucesso

    Convidados

    7 fatores a considerar para escolher a melhor corretora de investimento

    10 de agosto de 2017

    escolher-melhor-corretora-de-investimentos

    Quem está começando a investir pode se sentir um pouco confuso com tantas informações para absorver de uma só vez. Quando estamos aprendendo algo novo, independente do assunto, essa sensação é normal.

    Na busca por aplicações rentáveis para valorizar o próprio dinheiro, muitos investidores se vêem em dúvida sobre como começar. Um dos primeiros passos é escolher quem fará a ponte entre o capital e os investimentos.

    Para preencher esse lugar, o investidor pode escolher uma corretora de investimento. Contudo, com opções cada vez mais numerosas no mercado, esse processo de escolha pode não parecer algo tão simples.

    Na hora da tomada de decisão, é importante avaliar quesitos como:

    • Preço justo
    • Qualidade no atendimento
    • Segurança
    • Tecnologia de ponta

    As melhores corretoras de investimento oferecem essas e várias outras vantagens. Uma dica valiosa é buscar uma instituição que se adequa às necessidades do investidor.

    Por exemplo, se o desejo é investir no Tesouro Direto, uma corretora que dá isenção da taxa de custódia será muito mais vantajosa do que uma que tem taxa de corretagem mais em conta para operações de Day Trade.

    Para deixar ainda mais claro, veja abaixo alguns critérios que vale a pena considerar antes de tomar uma decisão:

    Segurança

    Quando o assunto é dinheiro, a segurança deve vir em primeiro lugar. Por isso mesmo, a  corretora escolhida deve oferecer segurança em alto nível para os investimentos.

    Para evitar dor de cabeça no futuro, é muito importante buscar instituições idôneas. Uma boa forma de encontrar corretoras que preenchem este requisito é escolher entre aquelas que são reconhecidas no mercado, regulamentadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e certificadas por órgãos competentes.

    Praticidade

    Hoje em dia, a tecnologia é uma aliada do investidor. Muitas corretoras oferecem plataformas que aliam tecnologia e praticidade. Assim, é possível acessar investimentos através do computador e realizar transações sem precisar sair de casa. Outra vantagem que muitas possuem são aplicativos para smartphone, que permitem que o investidor acompanhe seus investimentos onde quer que esteja.

    Diversidade

    Quando se fala em corretoras de valores, um ponto que as deixa à frente dos bancos são as diversas opções que elas oferecem. Por não precisar colocar seus próprios serviços em primeiro plano, as corretoras podem proporcionar uma gama maior de investimentos.

    Essa diversidade é mais importante do que muitos imaginam. Isso porque a orientação de especialistas é não alocar todo o capital em um mesmo investimento. A melhor saída é dividir o valor em modalidades diferentes, para aumentar as chances de sucesso e diminuir os riscos. Assim sendo, quanto mais opções houver, melhor será a possibilidade de diversificação.

    Agilidade

    Quem investe na Bolsa de Valores sabe a importância de agir no momento certo. Atualmente, as corretoras de valores possuem plataformas que permitem que se faça investimentos com apenas alguns cliques. Essa agilidade poderá ser um diferencial entre os investidores bem-sucedidos e aqueles que perderam as melhores oportunidades.

    Qualidade

    No momento em que precisar de suporte ou tiver algum problema, é muito importante que o atendimento seja exemplar. Muitas pessoas já viveram situações em que, antes de se tornarem clientes foram bem atendidas, e depois se sentiram ignoradas por uma empresa.

    Para evitar esse tipo de problema, uma dica interessante é testar o serviço de atendimento ao cliente de diversas corretoras. Ou seja, entrar em contato pelos diversos meios disponíveis e fazer perguntas sobre o investimento de interesse. Dessa forma, será possível ver na prática como será o atendimento, caso se torne um cliente.

    Facilidade

    Como foi falado anteriormente, ter poder reação é muito importante no universo dos investimentos. Por isso mesmo, um fator a ser analisado é a facilidade oferecida pelas corretoras. Uma delas pode ser, por exemplo, um serviço que analisa o mercado e identifica as melhores oportunidades para o investidor. Dessa forma, ele terá mais tempo para aproveitar tudo de bom que o mercado tem disponível.

    Preço

    Na hora de decidir também é importante fazer a seguinte pergunta: “o valor que a corretora cobra é justo pelo que ela oferece?”. Esse questionamento é importante porque a proposta não deve ser buscar a instituição mais barata do mercado. E sim, aquela que oferece serviços de alta qualidade por um preço justo.

    Esses são alguns dos fatores relevantes que se deve analisar na hora de escolher entre as melhores corretoras de investimento. Existem outras características que podem ser examinadas também. O mais importante de tudo é que essa escolha deve estar amparada pelo questionamento principal: “O que essa corretora pode me oferecer?”.

    Depois de encontrar a instituição mais adequada para ajudar a alcançar seus objetivos financeiros, o investidor pode finalmente abrir sua conta e começar a investir para ver seu dinheiro rendendo de verdade.

    Convidados

    Como funcionam os Fundos de Investimento?

    26 de junho de 2017

    O mercado de investimentos oferece um leque de oportunidades bastante diverso. No entanto, a oferta de tantas opções pode causar dúvidas na mente do investidor. Afinal, onde investir dinheiro? Para tomar boas decisões na hora de escolher um tipo de aplicação é muito importante conhecer as modalidades disponíveis no mercado. Neste post, você vai entender como funciona mais uma modalidade: os fundos de investimento.

    O que são fundos de investimentos

    O que são fundos de investimento?

    O Fundo de Investimento é um tipo de aplicação onde algumas pessoas, chamadas de cotistas, se reúnem no intuito de obter lucro através da compra e venda de valores mobiliários, de cotas de outros fundos ou de bens imobiliários, seja no Brasil ou em outro país. Os cotistas pagam uma pessoa que se torna responsável por cuidar do dinheiro investido, também conhecido como gestor.

    Este gestor do fundo é um profissional responsável por controlar os riscos da carteira e gerar rentabilidade. É de sua responsabilidade acompanhar os recursos do fundo e o cenário em que ele está inserido. Ele também tem autonomia para tomar decisões que sempre devem ser pautadas em regras previamente estabelecidas.

    Uma forma interessante que ajuda a entender o funcionamento desses Fundos é compará-los a um condomínio. O dono da cota pode ser representado pelo condômino, que paga o síndico para administrar e coordenar as atividades do condomínio. O Fundo de Investimento, assim como um condomínio, também possui regras de funcionamento que devem ser aplicadas a todos os cotistas.

    Também existem outras pessoas envolvidas em um fundo de investimento. Como o administrador, que constitui o Fundo e é responsável pela parte legal junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e defende o direito dos cotistas.

    Além do distribuidor que vende as cotas, o auditor independente que realiza auditorias e avalia a escrituração contábil, e o custodiante, que é quem “guarda” os ativos e é responsável por enviar suas informações aos gestores e administradores.

    Tipos de Fundos de Investimento

    A CVM divide essa modalidade de investimento de acordo com a composição de sua carteira, da seguinte maneira:

    • Curto prazo

    Nos Fundos de curto prazo, o investidor aplica seu capital em títulos públicos federais ou privados de curto prazo e baixo risco de crédito. É uma modalidade mais conservadora porque suas cotas são menos sensíveis às oscilações das taxas de juros, devido ao curto prazo dos seus títulos.

    • Referenciados

    Os fundos referenciados acompanham a variação de um indicador de desempenho. O indicador pode ser um índice de mercado ou uma taxa de juros, por exemplo. Entre os fundos referenciados, o mais popular é o chamado Fundo DI, que acompanha a variação diária das taxas de juros no mercado interbancário.

    • Ações

    Nos fundos de ações, 67% do patrimônio devem ser alocados em ações que sejam admitidas à negociação em mercado de bolsa, balcão organizado ou em ativos relacionados.

    O fator de risco que envolve esta modalidade, está relacionado à variação de preço das ações que compõem a carteira. O restante dos recursos pode ser investido em outros ativos financeiros.

    Este tipo de fundo é mais compatível com objetivos de longo prazo, que suporte uma maior exposição a riscos em troca de maiores expectativas de rentabilidade.

    • Renda fixa

    O principal fator de risco dos fundos de renda fixa são as variações da taxa de juros ou índices de preço. Nesta modalidade, 80% dos recursos devem ser aplicados em ativos de renda fixa. Um exemplo é o Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC), também conhecido como Fundo de Recebíveis.

    • Cambiais

    Neste caso, o principal fator de risco é a variação no preço da moeda estrangeira. No mínimo 80% do patrimônio deve ser investido em ativos que sejam relacionados, direta ou indiretamente (via derivativos), a esses fatores de risco. Os Fundos Cambiais de Dólar, que acompanham as variações da cotação da moeda norte-americana é a opção mais popular deste tipo de fundo.

    • Multimercado

    Nos fundos de multimercado, a política de investimento envolve diversos fatores de risco, podendo investir em ativos de diferentes mercados, como renda fixa, câmbio e ações. Além de utilizar derivativos tanto para alavancagem, quanto para proteção da carteira. São indicados para o investidor que tem mais tolerância a riscos para obter uma rentabilidade mais elevada.

    Alguns fundos de investimento disponíveis no mercado como os Fundos de Investimento Imobiliário (FII), Fundos de Investimento em Participações (FI) e os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC e FIDC-NP), que já foi citado acima, possuem regras específicas e são chamados de fundos de investimentos estruturados.

    Quem pretende investir em nesta modalidade deve, antes de tudo, procurar o máximo de informações a respeito de suas normas. Procure ler documentos que são elaborados e divulgados pelo administrador, como o regulamento, o prospecto e a lâmina de informações essenciais. Dessa forma, você poderá entender se o fundo vai de acordo com seus objetivos e expectativas.

    Bons investimentos são aqueles que vão de encontro ao seu perfil e aos prazos em que você está disposto a deixar o capital aplicado. Aprenda a tomar boas decisões na hora de realizar suas aplicações e, se preciso for, peça ajuda a profissionais especializados.

    Convidados

    5 erros de quem está começando a aplicar na Bolsa de Valores

    22 de maio de 2017

    Cometer erros especialmente quando ainda somos iniciantes no universo dos investimentos é bastante comum. Quando erramos, existem dois caminhos possíveis: aprender com o equívoco e evitar cometê-lo novamente ou persistir no erro.

    Quando o assunto é cuidar do seu dinheiro, insistir em algo que não traz uma resposta positiva não deve ser algo recorrente. Mais do que evitar errar, é preciso ter a humildade necessária para admitir esses erros. E, na Bolsa de Valores, essa premissa é ainda mais importante.

    Mesmo os investidores mais famosos, como Warren Buffett, já assumiram que cometeram enganos na hora de aplicar dinheiro na Bolsa. Entre os fatores que mais provocam falhas dos investidores no Mercado de Ações estão a falta de disciplina, a inexperiência e o excesso de confiança.

    Muitos já sabem que um deslize, por menor que pareça, pode ser o começo de um grande desastre. Por isso mesmo, confira agora os 5 erros mais comuns cometidos por investidores iniciantes.

    1. Não saber qual seu perfil de investimento

    Antes de começar a aprender como aplicar dinheiro na Bolsa de Valores, é importante saber qual seu perfil de investidor. Isso significa que você deve conversar com um profissional da área ou fazer um teste para saber quais tipos de investimentos se encaixam ao seu perfil.

    Se, por exemplo, você é mais conservador e não pretende resgatar o valor aplicado em pouco tempo, investir no longo prazo pode ser uma boa opção. Agora, você pode ser mais arrojado e estar disposto a investir em modalidades mais arriscadas para ter mais rentabilidade.

    2. Não ter uma estratégia bem definida

    Se você precisa ir a um lugar que nunca foi antes, a melhor ideia é olhar um mapa ou, nos dias de hoje, pedir ajuda a um aplicativo de localização. Afinal, sabendo onde você quer chegar, é mais difícil se perder.

    Por isso mesmo, traçar um plano estratégico é tão importante para um investidor. Coloque no papel quais são seus objetivos e quando pretende alcançá-los. Esse será o ponto de partida para você definir a estratégia mais adequada para seus investimentos.

    3. Não buscar apoio profissional

    Na hora de colocar a mão na massa e iniciar os investimentos, podem surgir diversas dúvidas sobre como e onde investir. Existe uma grande quantidade de informação sendo compartilhada na internet, mas nem tudo que se lê por aí tem qualidade.

    Por isso mesmo, se tiver algum questionamento ou sentir insegurança em tomar uma decisão por conta própria, o melhor a se fazer é solicitar auxílio a um profissional experiente. Não há demérito em contar com o suporte de uma pessoa que tem anos de experiência no mercado. Esse conhecimento, inclusive, pode ser um grande diferencial para que você consiga ter sucesso em suas aplicações.

    4. Não ter as emoções sob controle

    Outra situação para ficar de olho e não correr o risco de colocar tudo a perder é seu emocional. Em meio à dinâmica da Bolsa de Valores, pode ser muito difícil segurar o impulso de comprar ou vender uma ação que não está de acordo com seu planejamento estratégico.

    Até mesmo quem tem uma trajetória bem-sucedida investindo em ações, como George Soros, já admitiu ter cometido esse erro. A euforia e o desespero são emoções poderosas que podem te levar a tomar uma atitude totalmente impulsiva. Por isso mesmo, evidenciamos a importância de definir uma boa estratégia de investimento.

    5. Não fazer uso de ferramentas importantes

    Você já tentou fazer algo sem ter o instrumento necessário? Assim como construir uma casa ou consertar um carro, sem as ferramentas essenciais, realizar um bom trabalho torna-se impossível. Nas atividades referentes ao universo dos investimentos, como aplicar na Bolsa, é fundamental lançar mão das ferramentas corretas e usá-las da melhor maneira possível.

    Por isso mesmo, a análise fundamentalista, para examinar a perspectiva de uma ação no longo prazo, a análise técnica, para identificar as melhores oportunidades no curto prazo e o stop loss, para evitar perdas excessivas, são alguns recursos que você pode e deve usufruir.

    Agora que já sabe quais são os erros mais comuns dos investidores iniciantes, fica mais fácil aprender como aplicar dinheiro na Bolsa com mais segurança e eficácia. Faça desses erros um aprendizado constante para trilhar um caminho de sucesso nos investimentos.

    Stock trading monitor (black and white)