‘Marketing’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: marketing

    Convidados

    Cresce número de ciberataques para mineração de criptomoedas

    10 de maio de 2019
    Sucesso das criptomoedas faz com que elas sejam alvo de pessoas mal-intencionadas
    Sucesso das criptomoedas faz com que elas sejam alvo de pessoas mal-intencionadas

    2009 foi um ano especial para a economia, não por crises financeiras, mas sim pela criação do Bitcoin, primeira criptomoeda da história. A iniciativa fez sucesso e, desde então, pelo menos 4.000 outras foram criadas. Hoje, estima-se que pelo menos 1.600 estejam em atividade.

    Como elas passaram a movimentar cifras consideráveis no mercado, era de se imaginar que pudesse haver interceptações e crimes envolvendo as criptomoedas, o que infelizmente se confirmou em 2011, ano em que se encontra o primeiro registro de roubo de Bitcoins.

    A situação foi se tornando cada vez mais crítica, e os ciberataques passaram a se tornar comuns e resultar em sérios prejuízos: em 2018, ataques que visaram a mineração de criptomoedas cresceram 237% em relação ao ano de 2017!

    Vamos entender melhor como essa história se iniciou, há 8 anos, e como a situação evoluiu muito desde então.

    Quando os ciberataques de criptomoedas se iniciaram?

    Embora não se possa afirmar com certeza de que esse foi o primeiro ataque, ele é um dos primeiros de que se tem notícia e aconteceu em junho de 2011. Na época, a comunidade de Bitcoin era composta por pessoas que encontravam nele um hobby, já que seu sucesso ainda não era tão grande nos dias de hoje.

    Além disso, a mineração (nome dado ao processo que resulta na obtenção da criptomoeda) podia ser feita por qualquer pessoa que se interessasse, com o uso de um computador doméstico convencional, diferente do que ocorre hoje em dia, em que há a necessidade de investir em supermáquinas para sua realização.

    O usuário “allinvain”, que participava de um fórum de Bitcoins, havia relatado que conseguiu minerar 25.000 Bitcoins. Cada moeda valia poucos centavos em 2010, mas no início de junho de 2011, atingiu o valor de US$ 20, o que aumentou sua “ciberfortuna” para algo em torno de US$ 500.000.

    Então, no dia 13 de junho, o usuário tomou ciência do crime. Assim que ele verificou o extrato de sua conta de Bitcoins, viu que uma parte tinha sumido sem explicação. allinvain acredita que alguém acessou seu computador e roubou as criptomoedas do disco rígido, tendo-as transferido para uma conta controlada pelos hackers.

    US$ 500.000 já é um belo dinheiro, mas se as moedas não tivessem sido roubadas, equivaleriam a aproximadamente US$ 132,90 milhões pela cotação de 1º de maio de 2019, quando a criptomoeda estava avaliada em R$ 20.838,42 (ou algo em torno de US$ 5.315).

    Infelizmente, a prática começou a crescer e resultou em outros ataques consideráveis aos Bitcoins, como os seguintes, com seus respectivos valores estimados em reais, pela cotação de 1º de maio de 2019:

    • Março de 2012:703 Bitcoins (R$ 973,755 milhões) foram roubados de usuários do servidor na web Linode. Ainda no mesmo mês, a Bitcoinica sofreu um segundo ataque cibernético de 18.000 Bitcoins (R$ 375,3 milhões).
    • Setembro de 2012: a Bitcoin exchange (plataforma digital que facilita a aquisição e venda das criptomoedas) Bitfloor sofreu um ataque que envolveu 24.000 Bitcoins (R$ 500,4 milhões).
    • Fevereiro de 2014: a Mt. Gox era a maior exchange da época, até sofrer um ciberataque e ter o prejuízo de 850.000 Bitcoins (R$ 17,72 bilhões).
    • Janeiro de 2015: a exchange Bitstamp afirmou perder 19.000 Bitcoins (R$ 396,15 milhões).
    • Agosto de 2016: a exchange Bitfinex anunciou que hackers roubaram US$ 77 milhões em Bitcoins, o que trouxe um grande prejuízo à empresa.

    Apenas nos ciberataques citados acima, foram interceptados mais de 1,089 milhão de Bitcoins, valor correspondente a R$ 22,727 bilhões de acordo com a cotação de 1º de maio de 2019, número que infelizmente ainda pode crescer muito.

    Ciberataques de mineração de criptomoedas crescem 237%

    De acordo com o estudo Round Up, feito pela Trend Micro, os ataques foram 237% maiores em 2018 do que em 2017. Além disso, as técnicas e práticas utilizadas estão se diversificando, o que torna mais difícil se proteger contra elas.

    Outros números chamam a atenção. De acordo com a CypherTrace, empresa especializada em cibersegurança, as perdas causadas pelo roubo de criptomoedas em exchanges e atividades similares atingiram US$ 1,2 bilhão apenas nos 4 primeiros meses de 2019, valor correspondente a 70% do prejuízo de todo o ano de 2018, que foi de US$ 1,7 bilhão.

    E se você acredita que o Bitcoin é o preferido dos hackers, está coberto de razão. De acordo com Jonathan Levin, co-fundador e diretor-chefe da Chainalysis, 95% de todos os ciberataques a criptomoedas envolvem Bitcoins.

    A iniciativa que levou à criação do Bitcoin, de ter uma moeda com sistemas de controle descentralizados, que não precisavam de sistemas bancários e das regulações presentes nas moedas físicas, é até interessante, mas isso também faz com que os ciberataques sejam ainda mais prejudiciais.

    Como é difícil responsabilizar alguém quando isso ocorre, o que muitas vezes não se aplica nem às exchanges que são hackeadas, os usuários estão passíveis a prejuízos sérios, que podem levar embora suas fortunas virtuais em um curto período de tempo.

    Se você investe em Bitcoins, é bom tomar o máximo de cuidado para não ser vítima de ataques virtuais. Assim como acontece em tudo que envolve segurança, da contratação de uma consultoria em telecom até a venda de um automóvel, é melhor prevenir do que remediar, ainda mais quando nem sempre é possível encontrar um remédio.

    Convidados

    3 Dicas para melhorar seu faturamento em 2019

    26 de dezembro de 2018

    Com o novo ano que se inicia chega também o momento de analisar os pontos positivos e negativos do trabalho realizado pela sua empresa no decorrer do último ano.

    Independente da conclusão a que você chegue após fazer sua análise, certamente o objetivo de melhorar o seu faturamento em 2019 já está claro na sua mente.

    3 Dicas para melhorar seu faturamento em 2019

    Por isso separamos 3 dicas que podem ajudar a melhorar muito os resultados do seu negócio já em 2019. Confira!

    1. Melhore o seu marketing digital
    2. É inegável que o marketing digital quando bem utilizado pode trazer excelentes resultados para empresas dos mais diversos nichos e mercados.

      Se a sua empresa ainda não utiliza nenhuma estratégia de marketing digital, ou não dedica muito tempo e atenção ao que foi colocado em prática, é o momento considerar explorar mais todos os benefícios que o marketing digital proporciona.

      Existe uma grande quantidade de conteúdo disponível gratuitamente na internet que pode te ajudar a compreender melhor o conceito por trás do marketing digital e como colocá-lo em prática.

    3. Seja mais ativo nas redes sociais
    4. O poder das redes sociais já é algo concreto e as empresas que querem melhorar seus resultados precisam marcar presença nessas plataformas.

      Ter uma fanpage da sua empresa com muitos seguidores não adianta muito se a página não for atualizada com frequência. Isso mostra aos seguidores que a sua empresa está em plena atividade, realizando novos projetos e compartilhando informações importantes sobre o seu mercado com seus seguidores.

      Essa é a melhor forma de mostrar para os novos seguidores que sua empresa possui autoridade dentro do seu mercado, item essencial para que qualquer pessoa queira se tornar cliente de uma empresa, seja ela qual for.

      Para que isso aconteça é ideal criar um calendário de publicações, com as datas e horários em que devem ser feitas as suas publicações na fanpage. O conteúdo dessas publicações deve ser feito com inteligência, de forma a responder duvidas e eliminar objeções que as pessoas possam ter sobre o seu produto ou serviço.

      Mostrar um pouco dos bastidores do negócio também é interessante, pois torna o relacionamento com os seguidores mais humano.

    5. Terceirize o marketing da sua empresa
    6. Em um primeiro momento, e dependendo do tamanho da sua empresa, é possível acumular as tarefas relacionadas ao marketing digital do negócio, mas com o tempo isso se tornará um processo extremamente cansativo, principalmente pelo simples fato de que você trabalha para que seu negócio cresça.

      Quando isso acontece é muito provável que os seus esforços sejam todos direcionados a cumprir todas as demandas referentes a atividade principal do seu negócio, e assim o seu marketing acaba ficando para trás.

      Terceirizar esse trabalho para uma agência de marketing digital vai fazer com que você possa dedicar todo seu tempo as atividades principais da sua empresa, sem que seu marketing seja deixado de lado.

      Além disso, ao contratar uma agência de marketing digital você passa a contar com toda a experiência da agência para colocar em prática as melhores estratégias de marketing de acordo com o perfil e as necessidades do seu negócio.

    Conclusão

    Com essas 3 dicas é possível conseguir melhorar efetivamente os resultados do seu negócio e fazer com que 2019 seja um ano extremamente positivo para você, seus funcionários e sua empresa como um todo.

    Convidados

    Coisas que você não deve comprar antes da Black Friday

    9 de novembro de 2017

    A edição da Black Friday em 2017 acontece na última sexta-feira de novembro, dia 24

    Black Friday – Como escapar das maquiagens nos preços?

    Com expectativa de faturamento em R$ 2,5 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a edição da Black Friday em 2017 acontece na última sexta-feira de novembro, dia 24. Isso corresponde a aumento de 18% com relação ao ano passado, o que significa que os brasileiros, além da maior capacidade de consumo, estão confiantes com relação aos descontos concedidos neste período. Além da sexta-feira, que é a data original, muitas varejistas aproveitam o endosso das compras para também oferecer descontos na segunda-feira posterior, conhecida como “Cyber Monday”. Assim, problemas com grandes filas ou queda de servidores em sites podem ser evitados.

    Para melhor aproveitar as promoções, é importante selecionar previamente os produtos de interesse e pesquisar os valores atuais dos mesmos, evitando cair nos falsos descontos – apelidados de “black fraudes”. Sites especializados de monitoramento de preços, como o Busca Descontos, Buscapé ou Zoom podem ajudar nessa pesquisa. O site Black Friday De Verdade neste ano também anunciou uma lista de empresas que se comprometeram a “praticar descontos reais”. Desde 2014, a página busca verificar descontos especificamente na data.

    Além dos preços, é extremamente importante acompanhar a reputação das lojas selecionadas. Uma ferramenta muito usada nesse sentido é o Reclame Aqui, que serve como plataforma para medir a satisfação de clientes e a capacidade de cada varejista de resolver os problemas de cada pessoa lesada.

    Após verificar os descontos e as lojas, atenção a itens que podem acabar muito rapidamente pela alta procura: como algumas varejistas começam a dar descontos pontuais mesmo antes da semana do dia 25, nem sempre é boa ideia esperar para comprar peças de roupas e tênis previamente selecionados, já que os tamanhos podem esgotar em poucos minutos de promoção.

    Usando como base os maiores descontos das edições anteriores no Brasil e pesquisas realizadas ao redor do mundo, a InfoMoney separou uma lista de itens que você realmente não deve comprar nas próximas duas semanas. Veja a seguir:

    1) Eletrodomésticos

    Indispensáveis e caros, eletrodomésticos devem ser pesquisados exaustivamente antes de comprados. E a Black Friday costuma oferecer bons descontos nesses itens. Não à toa, esta foi a categoria mais buscada em 2016, com 26% da procura.

    2) Laptops

    Assim como os eletrodomésticos, computadores estão entre os itens mais vendidos das últimas edições da Black Friday. Informática e eletrônicos são dois dos itens previstos como as maiores procuras para 2017, de acordo com a ABComm.

    3) Smartphones

    Como a Black Friday costuma ocorrer após os lançamentos dos aparelhos mais recentes das grandes fabricantes, os maiores descontos são encontrados historicamente em aparelhos lançados em anos anteriores. No entanto, edições mais recentes da promoção mostraram pequenas quedas nos preços de celulares novos também.

    4) Jogos eletrônicos

    Segundo levantamento do Zoom, a categoria de games em 2016 chegou a ver descontos de mais de 75% em determinados itens. Muito buscados como presente de Natal, consoles e games costumam valer a pena na última sexta-feira de novembro.

    5) Brinquedos tradicionais

    A mesma lógica vale para brinquedos e jogos tradicionais. Na época das festas, os preços podem subir, então o ideal é pensar desde já a comprar os presentes para a família.

    6) Passagens e pacotes de viagens

    Sites renomados de passagens aéreas e pacotes de viagens fazem boas promoções na data – e costumam aumentar consideravelmente os preços logo depois da Black Friday. Se tiver intenção de viajar e disponibilidade de datas, pode valer a pena segurar essa compra.

    7) Televisores

    Os descontos em aparelhos de TV tendem a ser expressivos na Black Friday. Para 2018, por outro lado, eventos como a Copa do Mundo e as eleições podem fazer com que os preços subam nas lojas com a demanda mais alta.
    fonte de consulta: infomoney.com.br/minhas-financas/consumo/noticia/7062532/coisas-que-voce-nao-deve-comprar-antes-black-friday

    Até mais.

    Convidados

    Coisas invisíveis que fazem você gastar dinheiro sem perceber

    18 de setembro de 2017

    Inflação do estilo de vida

    As pessoas mandam menos no próprio cérebro do que imagina-se quando toma decisões financeiras – e a economia comportamental está aí para provar –, mas é a busca pela racionalidade que o torna mais satisfeito com suas escolhas de consumo. Conhecer como o seu cérebro funciona pode fazer com que você use melhor o dinheiro a seu favor.

    Para driblá-lo, o segredo é investir em tempo para planejar as compras e a rotina financeira. A seguir, especialistas explicam dez mecanismos invisíveis que fazem você gastar mais sem perceber.

    dinheiro

    Você manda menos no seu cérebro do que imagina. Aprenda a controlá-lo para tomar decisões financeiras melhores!

    1 – Um produto pior na prateleira

    Se há somente duas opções de produto à venda – uma pior e mais barata e outra melhor e mais cara –, é mais provável que você escolha a mais em conta. No entanto, se há três alternativas na prateleira – uma pior, uma média e uma melhor –,  você tende a escolher a intermediária.

    “Inserir uma opção piorada nos faz alterar nossas opções de compra. É uma distração que nos faz gastar mais na opção intermediária”, explica o pesquisador Renato Azevedo, professor do curso de Introdução à Economia Comportamental da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

    2 – Muitas opções de produtos

    Quando há muitas opções parecidas de um mesmo produto, fica mais difícil comparar preços. Você tende a pagar mais pelo produto que se diferencia nos detalhes, como o mais colorido ou o que está na altura dos olhos, e a consumir sem refletir.

    “Nosso cérebro tem muita dificuldade de processar decisões complexas. Buscamos soluções mais simples, como comprar o primeiro item que aparece. Porém, soluções menos complexas não são boas decisões”, explica a especialista em economia do consumo Cristina Helena Pinto de Mello, professora do mestrado profissional em comportamento do consumidor e pró-reitora de pesquisa acadêmica da ESPM.

    Por outro lado, muitas opções também podem fazer você comprar menos. “Você fica confuso e não leva nada porque não sabe qual escolher”, explica a psicanalista Vera Rita de Mello Ferreira, doutora em psicologia econômica e professora da B3 Educação.

    3 – Um produto que você já comprou outra vez

    Você tende a basear suas decisões de compras com base em decisões que você já tomou no passado. Assim, está mais disposto a pagar mais caro por um produto pela conveniência da decisão anterior.

    4 – Número altos na sua vida

    Um estudo clássico da economia comportamental realizado pelos pesquisadores norte-americanos Dan Ariely, George Lowenstein e Drazen Prelec, publicado pela Universidade de Oxford em 2003, mostrou que você é influenciado até mesmo por números aleatórios.

    “Pagamos mais por produtos quando estamos acostumados a pensar em números altos, comparados com números baixos”, explica Azevedo. Números altos podem ser desde o seu RG ou CPF até a sua renda média ou a das pessoas à sua volta, por exemplo.

    Esse fenômeno se chama ancoragem. “Você inconscientemente tem relações de valores que o levam a tomar uma decisão”, explica Cristina Helena.

    5 – Decisões de outras pessoas

    É mais provável que você escolha um restaurante mais caro que tem fila de espera do que um estabelecimento mais barato que está vazio. É o chamado “efeito manada”. Outro exemplo é quando você paga pela inscrição e pelo kit de uma corrida de rua, em vez de correr sozinho, pela motivação de se unir a outras pessoas.

    “O ser humano é um animal social. Aprendemos na infância pelo exemplo e, em qualquer situação, olhamos em volta para ver o que os outros fazem”, diz Vera Rita. Isso significa que andar com pessoas que gastam muito vai fazer com que você poupe menos, e vice-versa.

    6 – Venda casada

    Quando você precisa informar que não quer determinado produto ou serviço extra ao adquirido e a venda casada é automática, você tende a aceitá-la. É mais fácil do que marcar que você não quer o segundo item.

    É o que acontece, por exemplo, quando você contrata um seguro atrelado a uma conta sem perceber, ou quando contrata sem querer os canais extras da televisão por assinatura. Essa prática é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é comum.

    “Você prefere pagar do que encarar a burocracia para cancelar. A oferta não é transparente e induz a gastar mais”, explica Azevedo.

    7 – Cartão de crédito

    Cartão de crédito ou fichas em um cassino, por exemplo, não são exatamente invisíveis, mas você gasta mais quando não visualiza o dinheiro em espécie.

    “Todos nós somos dotados de um mecanismo automático de aversão à perda. Quando você vê a perda, tende a parar de comprar”, diz Cristina Helena. No caso do cartão, ela recomenda colar lembretes no plástico ou instalar aplicativos que alertam sobre os gastos no celular.

    8 – Preço por R$ 1,99 em vez de R$ 2

    A forma como a informação sobre um produto é apresentada faz toda a diferença nos seus gastos. A dura verdade é que você gosta de se enganar, como todo consumidor.

    “Um e pouco parece melhor do que dois. Você gasta mais quando tem a ilusão de que é pouco. O marketing não é o único vilão, pois queremos ser iludidos”, explica Vera Rita.

    9 – Estresse emocional

    Não é indicado sair para fazer compras quando você está muito cansado ou estressado. “Com qualquer tipo de pressão que possa gerar um esgotamento psíquico que impede você de dar o seu melhor, especialmente quando lida com dinheiro”, diz Vera Rita.

    Da mesma forma, não é recomendado vender coisas quando você está triste, pois é provável que você coloque o preço lá embaixo. “Sua única motivação nessas horas é mudar o estado de espírito, seja comprando algo novo ou se livrando de algo que você já tem”, explica a psicanalista.

    10 – Tumulto na loja

    Se a loja está muito cheia,  você tende a não pensar e a gastar mais do que pode, sem comparar preços. O mesmo efeito acontece quando você está com pressa.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/10-coisas-invisiveis-que-fazem-voce-gastar-mais-sem-perceber

    Leia também:

    Inflação Pessoal

    Até o próximo post.

    Convidados

    Exame: A pirâmide do marketing em rede

    3 de agosto de 2017

    Pirâmide do marketing em rede

    Questão para reflexão: Hinode é pirâmide financeira?

    Em épocas de desemprego em massa os vendedores de cursos mirabolantes para ficar rico da noite para o dia pipocam na internet! A vida ensina a aprender mesmo com quem não se tenha simpatia. A eles se dá assim alguma utilidade para terem cruzado o seu caminho. E foi de um destes que ouve-se a frase: “o problema do mundo de hoje é que está começando a faltar bobo pra tanto malandro”. No que diz respeito ao tão falado “marketing de rede”, mais uma das milhares roupagens dadas à tradicional “pirâmide”, a frase é perfeita.

    Cuidado com pirâmide financeira Mandala da Prosperidade

    Basta abrir seu facebook e as propagandas começarão: “Descubra como eu ganhei milhões sem sair de casa trabalhando somente duas horas por dia”, “Conquiste milhões de seguidores e potencialize o seu negócio”, “Os segredos do marketing de rede revelados como nunca antes”, e por ai vai. Todos se propondo a mostrar algo diferente, revelador, bombástico, que irá tornar sua jornada até os milhões rápida e certa. Na prática, todos absolutamente iguais, uma repetição de uma formuleta criada em cima dos princípios de psicologia social tão bem descritos nos livros de Robert Cialdini.

    Depois de fazer os cursos, gastarem milhares de reais, e darem com os burros n’água, as pessoas percebem que só existe uma opção para recuperar o dinheiro que perderam nos tais cursos. Reforçar sua crença em seus gurus-carrascos-charlatões de estimação e tornarem-se também vendedores de fórmulas milagrosas (este também um fenômeno muito bem explicado por outro gênio da psicologia social, Elliot Aronson). Da noite pro dia viram “coaches”, “mentores” ou professores de “marketing de rede”. E a brincadeira toda vira ser dar um curso para bobos que vão se tornar professores de bobos que por sua vez ensinarão a fórmula milagrosa a outros… bobos.

    Nesta altura do campeonato, alguns dos “malandros” de plantão que leem o artigo estão se coçando na cadeira prontos para rebater: “Ele fala sem saber! Não conhece o meu caso! Eu consegui realmente ganhar dinheiro com o marketing em rede!”. É verdade, existem os casos dos que ganham dinheiro fazendo isso lá do topo da pirâmide, e alguns raríssimos que ganham aplicando em seus negócios. Como existem os que melhoram seus negócios mudando uma letra do nome da empresa, fazendo estudos energéticos do escritório com parapsicólogos ou colorindo as paredes das salas utilizando a cromoterapia. A verdade é que mesmo sem fazer nada um percentual das coisas que vão mal passa a ir bem e isto se chama estatística. Mérito dos malandros do marketing em rede que sabem se utilizar dela para convencer seus bobos-alunos.

    As pessoas estão começando a acordar. O dinheiro livre para cursos está cada vez mais escasso e as informações sobre seus resultados mais disseminadas, fazendo com que cada vez menos estejam caindo no conto do vigário de enriquecer rapidamente ou multiplicar os negócios de suas empresas em semanas através de formulas e cursos milagrosos. Ainda sobrarão malandros, é claro, mas serão menos em quantidade. Afinal, foi Einstein que dizia que só existem duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana. Einstein, porém, fazia sempre uma ressalva que em relação à primeira não tinha certeza…

    Querem fazer um curso para mudar suas vidas? Busquem algo que aplicarão em vocês mesmo e não algo que ensinarão aos outros. Algo como uma reeducação alimentar, um maior conhecimento técnico de sua profissão ou mesmo um curso que te ensine uma profissão nova. Desde que a profissão não seja a de “enganador de bobos”.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/blog/eduardo-moreira/a-piramide-do-marketing-em-rede

    D9 e MinerWorld: suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como reduzir os custos de marketing digital

    1 de agosto de 2017

    Muitas das chamadas táticas de marketing usam enormes custos do orçamento de uma empresa, mas uma boa notícia é possível diminuir os custos de marketing digitalcom outras táticas.

    Você está dedicando recurso suficiente à sua campanha de marketing digital? Percebemos que considerar mudar seu orçamento para incorporar mais recursos e atenção ao aumento do marketing digital podeajudar a crescer e alcançar objetivos.

    Só porque funcionou no passado não significa que funcionará também no futuro, se for o caso, seus clientes e sua concorrência se inclinam para o mundo online por suas informações e recursos.

    Se você pode considerar a relocação de alguns reais para os esforços de marketing, os números de custos de marketing digitalpodem diminuir e mesmo assim continuar a trazer resultados.

    Maneiras de diminuir os custos de marketing digital

    • Perspectiva do cliente

    O marketing é caro e os erros são caros, por isso evitar essas falhas com informações sobre segmentos de clientes, necessidades e outros pode ajudar a trazer resultados.

    Você pode colocar toda a sua inteligência do cliente em um banco de dados ou software de automação de marketing que pode ser atualizado facilmente e usado à jusante.

    Acompanhe, investigue e colete informações de clientes para orientar as decisões de marketing que sua empresa toma a cada período.

    estrategias-de-marketing

    • Divulgar publicidade para a Internet

    A publicidade geralmente é o maior item de linha em um orçamento de marketing. Refeche uma parte deste orçamento para um site melhorado com otimização de mecanismo de pesquisa (SEO), blogs e mídias sociais.

    A maioria das decisões de compra começa ou termina com um mecanismo de pesquisa e ao menos que seu site seja classificado como o melhor dos resultados de pesquisa, toda a publicidade no mundo não ajudará. E sim, você precisa de um site amigável para dispositivos móveis.

    • Substitua imprimir com eletrônico

    As impressões não estão mortas, mas é um custo altoque pode ser reduzido. Ative versões em PDF de catálogos e folhetos e reduza as impressões. Substitua a cara mala direta (impressão e custos de envio sempre maiores) com campanhas de e-mail relativamente baratas.

    • De outro significado ao conteúdo

    O conteúdo ainda é o rei, mas não precisa custar tão alto como você pensa, e para reduzir os custos de marketing digital você pode usar o mesmo conteúdo em diferentes formatos.

    Como? Blog um resumo com uma página de registro para download, anuncie com uma versão, postagem social, criar um vídeo correspondente, apresentar aos clientes e prospectar por e-mail, criar uma página de destino do site, desenvolver uma pesquisa sobre o assunto, Criar um infográfico, hospedar um webcast.

    Use um ERP de confiança

    6-motivos-para-usar-erp

    Para reduzir os custos de marketing digital você pode começar a trabalhar com um sistema de gestão empresarial totalmente online, e se surpreender com o quão útil à abordagem de um sistema ERP online correta pode criara maneira comcresce todo o seu negócio.

    Com um sistema de gestão empresarial você pode acompanhar os diversos recursos da sua empresa, analisar todo o comportamento do seu consumidor, gerenciar o fluxo de informação em vários departamentos, maximizar todo o seu tempo com controle financeiro, controle de estoque, cadastros, emissão de notas fiscais eletrônicas, boletos, relatórios e muito mais.

    Dessa maneira você também pode visualizar toda a informação de seus clientes de acordo com determinados segmentos informativos como sexo, idade, região e interesse e adaptar suas campanhas online de acordo com o público alvo específico.

    Você também pode analisar a entrada e saída de produtos e acompanhar todo o processo de vendas e lucros de suas campanhas e abordagens de marketing digital.

    Conseguindo por fim ter tudo que é preciso para saber onde investir com precisão, coletando informações que vão aumentar sua produtividade e reduzir os custos de marketing digital.

    Dessa forma o Conteúdo e Cia acredita que com a gestão empresarial correta, você pode aumentar seus lucros e conseguir diminuir os seus custos no final de cada mês, e por isso acha que a Gestão Click deve ser o lugar exato para começar.

    investir em marketing digital

    Filmes, Geral

    YouTube tem novas regras que dificultam monetização de vídeos

    10 de abril de 2017

    Qual o melhor programa de associados para o seu site?

    youtube-é-criticado-por-mudar-as-regras-para-anuncios

    Tal medida, segundo a empresa, visa proteger os criadores de conteúdo, além de desencorajar artistas de fraude.
    Foram-se 10 anos permitindo que qualquer um ganhasse dinheiro com vídeos publicados, por meio do Partner Program, o YouTube anunciou que mudará suas políticas de anunciante e que canais com menos de 10 mil visualizações desde sua criação, não poderão mais monetizar com a plataforma.

    As mudanças vieram após o aparecimento de uma série de anúncios de grandes empresas em vídeos considerados ofensivos e censuráveis, e fez com que mais de 250 marcas congelassem suas campanhas de anúncios do Google, que é dono no YouTube. A medida visa proteger os criadores de conteúdo, assim como desencoraja artistas de fraude e publicadores que violam as regras de seu programa de monetização.

    No novo formato, quando um criador atingir o número estipulado em seu canal, o YouTube irá revisar o conteúdo para verificar se este encontra-se adequado com os requerimentos necessários, para depois, começar a gerar dinheiro. A companhia acredita ainda, que o impacto da medida será pequeno em seus criados em ascensão, e afirma que qualquer ganho gerado por pequenos publicadores até o momento não será afetado.

    “Em algumas semanas iremos incluir também um processo de revisão para os novos criadores que se candidatarem ao YouTube Partner Program. Depois que o criador atingir 10 mil visualizações em seu canal, nós revisaremos suas atividades de acordo com nossas políticas. Se tudo estiver certo, vamos adicionar o canal ao programa e começaremos a oferecer anúncios em seu conteúdo. Juntas, essas regras irão ajudar a direcionar anúncios somente para os criadores que estão seguindo as regras”, escreveu a companhia em seu blog.

    Formas de ganhar dinheiro online

    Até mais.

    Geral

    Cuidado com pirâmide financeira Mandala da Prosperidade

    19 de dezembro de 2016

    Como não cair em uma pirâmide financeira

    Tomem muito cuidado, o esquema de pirâmide financeira de nome “Mandala da Prosperidade” está a cada dia ganhando mais adeptos, principalmente no estado do Rio Grande do Norte. O esquema está chamando a atenção das autoridades que já começaram a investigar através do Ministério Público potiguar.

    O promotor Leonardo Cartaxo confirmou na última quarta-feira (14) o encaminhamento das apurações ao MP, o que deverá ocorrer também nos outros estados do país. Na opinião de Leonardo o esquema é sim uma pirâmide financeira. “Pelo que se tem informação, é pirâmide e é crime contra a ordem econômica”, resumiu o promotor.
    http://www.1news.com.br/noticia/2263/nellysson-silva/noticias/mandala-da-prosperidade-envolvidos-poderao-ser-punidos-entenda

    Para quem não sabe, o esquema Mandala da Prosperidade é um sistema que funciona em grupos do WhatsApp, que promete ganhos de até R$800,00 com investimento de apenas R$100,00.
    http://www.1news.com.br/noticia/2033/nellysson-silva/noticias/conheca-mandala-a-piramide-financeira-que-virou-febre-na-internet
    Cuidado com golpe Mandala da Prosperidade

    Fujam do golpe!!!

    Geral

    Falácias usadas por esquemas de pirâmide financeira

    8 de dezembro de 2016

    Há vários anos a internet nacional vem sendo bombardeada por uma gigantesca enxurrada de esquemas fraudulentos de pirâmides financeiras disfarçadas de Marketing Multinível ou MMN. Um número imenso de incautos estão sendo enganados e passam a acreditar que poderão ganhar muito dinheiro de forma rápida e fácil por essas “empresas”. Na verdade, algumas pessoas realmente estão ganhando muito dinheiro com esses esquemas, porém esses ganhos são sempre provenientes das perdas de milhares de outras pessoas, por isso esse tipo de esquema é considerado crime contra a economia popular previsto no artigo 2º, inciso IX da Lei 1.521/1951.

    Como não cair em uma pirâmide financeira

    Todos os esquemas de pirâmide, sem exceção, mais cedo ou mais tarde acabam de um desses 2 modos:

    – Fechado pela justiça.

    – Entram em colapso por não haver mais pessoas para injetarem dinheiro.

    De todo jeito, várias pessoas acabam sendo prejudicadas. Devido a isto são esquemas fraudulentos e anti-éticos. Muitas pessoas entram nesses esquemas por ingenuidade: acreditam mesmo que são formas honestas de ganhar dinheiro. Outras sabem exatamente no que estão se metendo, mas mesmo assim participam e convidam muitos outros. Essas últimas são pessoas gananciosas, egoístas e inescrupulosas, que só pensam no seu próprio lucro, não se importando nem um pouco com a desgraça alheia. Quantas vezes eu vi muitas dessas pessoas afirmando aqui mesmo neste blog em seus comentários: “estou nesse ‘negócio’, já recuperei meu dinheiro, se falir agora eu já estou no lucro”. Em outras palavras: “os outros que se ***** [danem], eu ganhando dinheiro é o que importa!”

    Para tentar convencer outras pessoas a entrar em um esquema de pirâmide, os pilantras usam várias falácias ou sofismas que são raciocinios enganosos elaborados para induzir outras pessoas ao erro.

    Temas abordados no estudo abaixo:

    1. “É uma empresa legalmente constituída com sede própria e CNPJ”

    2. “Não é pirâmide porque tem um produto sendo comercializado”

    3. “Essa empresa está pagando todo mundo direitinho!”

    4. “A empresa faz anúncios na TV”

    5. “Um jornalista/apresentador/ator/artista famoso promove esta empresa”

    6. “Temos advogados/promotores/policiais/etc participando deste negócio”

    7. “Essa empresa fez parceria comercial com TAIS grandes empresas”

    8. “Milhares de pessoas estão participando”

    9. “Essa empresa recolhe todos os impostos”

    No artigo do blog dinheiroganhar.net, pode ser lido e analisado 9 falácias que os participantes de esquemas de pirâmides costumam usar para tentar convencer outras pessoas a entrar no “negócio”. Essas afirmações são feitas como se provassem que o esquema é um ótimo negócio, mas isso está bem longe da verdade:

    9 FALÁCIAS USADAS POR ESQUEMAS DE PIRÂMIDE FINANCEIRA
    pilantras

    Até mais.

    Geral

    Black Friday: mais um ano de enganação no Brasil?

    26 de novembro de 2014

    Fiquem atentos, pois existem no mínimo 40 lojas virtuais que você deve evitar nesta Black Friday, conforme a InfoMoney demonstra sites não recomendados pelo ReclameAqui. Confira quais são eles e se proteja nesta próxima sexta-feira:
    http://www.infomoney.com.br/minhas-financas/consumo/noticia/3713302/lojas-virtuais-que-voce-deve-evitar-nesta-black-friday

    Leia também:

    Até mais ver.