‘Dívida’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: dívida

    Geral

    O melhor investimento do mundo

    9 de setembro de 2019

    Mark Cuban, Dono do time de basquete Dallas Mavericks, diz que aprendeu que o dinheiro economizado em juros é melhor do que qualquer retorno com investimentos
    Mark Cuban explains how to make a 16% guaranteed return

    O bilionário Mark Cuban compartilhou o que considera o melhor investimento que todos devem fazer:
    – Pagar o seu cartão de crédito. Pagar qualquer dívida que você tenha. Isso qualquer um pode fazer.
    Ele disse isto em entrevista ao MarketWatch.

    Cuban assumiu que teve dificuldades com as contas de seu cartão de crédito quando tinha por volta de seus 20 anos.

    Ele diz que aprendeu da maneira mais difícil que o dinheiro economizado em juros por não ter dívida é melhor do que qualquer retorno que poderia obter investindo, seja no mercado de ações ou no setor imobiliário ou em outro lugar.

    “Qualquer que seja a taxa de juros que você paga – pode ser um empréstimo para estudantes com uma taxa de juros de 7% – se você pagar esse empréstimo, estará fazendo 7% para você, e não para o banco”, disse o bilionário

    “Esse é o seu retorno imediato, que é muito mais seguro do que tentar escolher uma ação ou tentar escolher imóveis, ou o que quer que seja “, completou.

    Nas dívidas de cartão de crédito, a taxa de juros poderá ser muito maior. No Brasil, o juro médio cobrado no rotativo do cartão de crédito é de 300,3% ao ano, segundo dados do Banco Central.

    Para evitar perder dinheiro pagando juros, Cuban recomenda abandonar completamente o cartão de crédito.

    “Usar um cartão de crédito é bom se você pagar no final do mês, sem atraso nenhum. Apenas reconheça que os 18%, 20% ou 30% que você está pagando em dívida com cartão de crédito vai custar muito mais do que você poderia ganhar em qualquer outro lugar”, explicou Cuban.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Portabilidade de crédito: descubra como poupar dinheiro com seu empréstimo atual

    12 de março de 2019

    Quem toma um empréstimo muitas vezes é porque necessita de dinheiro
    imediato ou tem alguma emergência.
    Diante dessa situação, nem sempre há tempo suficiente para pesquisar por
    todas as modalidades disponíveis ou de pesquisar em mais de uma instituição
    financeira, a fim de obter a melhor proposta de crédito.

    Geralmente, os consumidores procuram os bancos em que já tem
    relacionamento. Mas é preciso ficar atento, porque mesmo com condições
    exclusivas para quem é correntista, outro banco pode ter uma oferta mais
    vantajosa.

    Mas a boa notícia é que, mesmo com um empréstimo em andamento, ou
    seja, um contrato assinado com determinado banco, ainda é possível
    economizar dinheiro com o empréstimo atual.

    E mais do que isso: em alguns casos, ainda é possível ter dinheiro, sem a
    necessidade de fazer um novo empréstimo.
    Mas como? Trocando uma dívida mais cara, por uma mais barata.
    E como isso funciona na prática?

    O que é portabilidade de crédito?

    Através da portabilidade de crédito, os consumidores podem levar a dívida
    de um banco para o outro.
    Uma das vantagens, é claro, é pagar mais barato, economizando dinheiro ao
    pagar taxas de juros mais baratas.
    De forma simplificada, com taxas de juros menores, o Custo Efetivo Total (CET),
    que é o valor total pago por um empréstimo, por exemplo, é reduzido.
    Em outras palavras, isso significa que o tomador da dívida deixará de pagar ou
    de desembolsar a mais.

    Com a portabilidade, o banco compra a dívida atual e a quita antecipadamente
    junto ao banco emissor.
    A partir dessa quitação, o banco atual emite novo contrato para o titular da
    dívida. Nessa operação, ainda é possível refinanciar a dívida, ou seja, voltar o
    contrato para o seu prazo original e ainda obter um troco como crédito.

    Quais dívidas podem ser compradas pelos bancos?

    A portabilidade de crédito se aplica a toda linha de crédito pessoal.
    Exemplos: crédito imobiliário, empréstimo consignado, financiamentos de veículos.

    A exceção é para os contratos de leasing (em que o período de permanência no
    banco original é maior, em função do bem financiado ser tido como garantia no
    caso de inadimplência).

    Outro ponto importante é que, para fazer a portabilidade da dívida, é preciso
    ter, em média, de 20% a 30% do contrato atual pago.
    Para avaliar todas as condições disponíveis, é recomendado consultar o banco
    para o qual pretende transferir a dívida.

    A política de crédito de uma instituição para outra pode variar bastante. Isso
    inclui dizer que a taxa de juros assim como o CET também. Portanto, vale a pena
    pesquisar antes de fechar qualquer negócio ou de vender sua dívida para
    qualquer banco.

    Então, se você tem um contrato de empréstimo, independente do valor e do
    prazo para quitação e quer poupar dinheiro, a portabilidade de crédito pode ser
    uma alternativa.

    Deixe de pagar taxas de juros mais caras. Troque sua dívida mais cara por uma
    com juros mais baixos. Faça escolhas financeiras que podem ajudar a garantir o
    seu futuro!

    Por Danielle Vieira | Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e, decidiu ajudar as pessoas através da educação financeira. Hoje faz isso atuando no marketing da bxblue, fintech acelerada pela Y Combinator e escrevendo em alguns portais.

    bxblue

    Filmes

    Perdoai as nossas dívidas – filme 2018

    25 de julho de 2018

    O Netflix tem um novo longa-metragem italiano, Perdoai as Nossas Dívidas (Rimetti a noi i nostri debiti).

    perdoai-as-nossas-dividas-netflix

    É a história de Guido (Claudio Santamaria), um homem que está ameaçado por credores e recém-desempregado que concorda em trabalhar para um cobrador de dívidas (Marco Giallini), mas logo descobre que seu acordo com o diabo tem custos inesperados.

    Até mais.

    Geral

    Como uma millenial pagou $68.600,00 de dívidas em 3 anos

    13 de junho de 2018

    Ela viveu um tempo sem nem lembrar que tinha uma dívida - e sofreu as consequências - Guen Garrido became debt free in March 2018 and celebrated by popping a large balloon filled with confetti
    Here’s how one millennial paid off $68,600 in just over 3 years

    Muitas pessoas já tiveram algum momento de muita dívida, no qual foi preciso tomar as rédeas da vida financeira para se reorganizar e não se afundar em dívidas. A jovem americana Guen Garrido passou por uma situação parecida, e conseguiu se superar. Ao ser entrevistada ao CNBC Make It, a jovem falou como quitou uma dívida de US$ 68.600, cerca de R$ 255 mil, em três anos e três meses.
    Depois de se formar em psicologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) em 2007, Guen Garrido tinha US$ 40 mil, cerca de R$ 148 mil, em dívidas estudantis. “Naquela época, era o que dava para fazer para conseguir terminar a faculdade“, explica.

    Ela considerou fazer uma faculdade menos reconhecida pelo preço, mas o fato de ter entrado na UCLA foi um grande passo, considerando que foi a primeira pessoa da minha família a ir para a faculdade. Então ela pensava: “Faça o que for preciso e quando tiver um emprego você paga a dívida”. Porém pagá-la não foi fácil quanto ela tinha imaginado.

    Ela era professora para crianças da pré-escola e ganhava apenas US$ 13 por hora, cerca de R$ 48, o que não era suficiente para pagar as contas. Então, deixou sua dívida em segundo plano. “Por um tempo, eu estava vivendo como se a minha dívida não estivesse lá. Parecia normal estar devendo muito dinheiro”, conta.

    E assim ela seguiu até 2013, quando alguns eventos da vida a fizeram enfrentar sua dívida. Depois de terminar um relacionamento de cinco anos, ela saiu do apartamento que dividia com o namorado e se viu “tendo que descobrir as coisas por conta própria”, diz. Mais tarde naquele mesmo ano, seu pai foi diagnosticado com câncer. “Essa notícia me derrubou. Foi quando percebi que não podia ajudar meu pai com o tratamento porque eu estava afundada em dívidas”, lamenta.

    Com o passar do tempo, aquela dívida da faculdade aumentou. Até o final de 2014, ela devia cerca de R$ 255 mil, graças a um financiamento de carro, alguns empréstimos pessoais e dívidas de cartão de crédito. Mas hoje ela estpa livre de dívidas.

    Como ela conseguiu a façanha?

    Buscou conhecimento

    A primeira coisa que a jovem fez foi começar a estudar sobre finanças pessoais com livros, podcasts, artigos e até vídeos no YouTube. Ela começou lendo um livro chamado “The Total Money Makeover” (Reformulação total do dinheiro), de Dave Ramsey, que a ajudou a elaborar seu plano para sair do vermelho. Mas seu recurso favorito era o YouTube. “Todo dia eu selecionava vídeos para ouvir discursos motivacionais sobre dinheiro ou qualquer coisa sobre investimentos, empréstimos e crédito”, diz. Começou a pagar a dívida no início de 2015.

    Durante os estudos ela aprendeu sobre o refinanciamento de empréstimos estudantis, uma estratégia que podia ajudá-la no momento. Ela refinanciou US$ 20 mil da sua dívida estudantil com uma empresa online de finanças pessoais especializada na modalidade, que permite diminuição de juros de uma dívida. Com isso, ela conseguiu reduzir a taxa de juros de 10% para 6%.

    Elaborou um plano

    Depois de ler o livro de Ramsey, a jovem passou a adotar o “método da bola de neve” para pagar tudo. Com essa estratégia, você prioriza seus menores débitos, independentemente da taxa de juros. Para Garrido, isso significava começar com US$ 50, cerca de R$ 180, que ela devia a loja de departamentos americana Target.

    A ideia é que ao pagar as contas mais baratas, você seja estimulado pela sensação de ver as dívidas desaparecerem. É como se estivesse rachando a bola de neve em pequenos pedaços para que aos poucos o impacto dela diminua, e isso vai ajudá-lo a ficar animado com o processo. E assim seguiu, depois de pagar as dívidas dos cartões de crédito, ela focou nos empréstimos pessoais e, finalmente, ela enfrentou sua maior dívida: o empréstimo estudantil pagando o quanto podia por mês.

    Ela definiu uma meta e acompanhou seu progresso

    Uma parte fundamental do plano de Garrido era estabelecer uma data final como meta para acabar com seus débitos. “Eu acho que muitas pessoas pensam que nunca serão livres de dívidas, então nem tentam sair. Mas depois que você define algumas metas para pagar, você começa a pensar: ‘Ok, eu posso fazer isso'”, explica.

    Para acompanhar seu progresso, ela criou uma planilha do Excel que não apenas permitia que ela registrasse suas receitas e despesas, mas também dizia como sua data prevista mudaria se aumentasse seus pagamentos de dívidas em um determinado valor a cada mês. “Isso me motivou a encontrar maneiras de vencer essa data”, acrescenta Garrido, que acabou pagando sua dívida nove meses antes do previsto.

    Ela acumulou uma renda extra

    Em 2015, Garrido já tinha deixado o trabalho como professora e começou uma nova fase em um emprego como analista de dados em uma universidade online e passou a ganhar mais que antes. Mas ainda não era uma renda suficiente, então ela começou a trabalhar com aplicativos de compartilhamento de caronas como o Uber.

    “Eu fiz isso praticamente cinco noites por semana. Depois que eu saía do trabalho, eu me dava um tempo para relaxar em casa e então pegava o carro e ia fazer algumas horas de Uber – inclusive cheguei a trabalhar nos fins de semana”, conta.

    Ela trabalhou com os apps de carona o ano de 2015 inteiro e conseguiu acumular US$ 10 mil na época, cerca de R$ 37 mil. Essa quantia foi direcionada quase completamente para a dívida. “Não tenha vergonha se você tiver que fazer um trabalho paralelo. Eu tive esse sentimento em um certo momento, mas valeu a pena”, comenta.

    Além disso, qualquer outra quantia que entrava em sua conta, ela usava para abater a dívida. “Eu não melhorei meu estilo de vida. Se eu tivesse um dinheiro para comprar algo de Natal, eu usava para pagar a dívida. E os impostos também – a restituição sempre ia direto para o que eu estava devendo”.

    Limitou seus gastos a US$ 300

    Além de gerar mais renda, Garrido diminuiu nos gastos. Ela começou diminuindo os preços em certos custos fixos. “Liguei para minha companhia de seguros de automóveis e negociei. Olhei para minha conta de telefone e descobri que estava em um plano antigo que custava mais do que o atual. Percebi que você precisa se atualizar sobre essas coisas e ver se há algo novo que possa lhe poupar dinheiro”, conta. Dessa maneira, ela foi reduzindo custos fixos onde viu que era possível.

    Em seguida, ela focou em reduzir as despesas do dia a dia. “Eu defini que só tinha US$ 300 por mês para fazer tudo tirando os custos fixos. Mercado, gás, sair para comer e entretenimento”, conta Garrido. Para garantir que ficasse dentro de seu orçamento, ela abriu uma conta bancária separada com apenas um cartão de débito e transferia US$ 300 para essa conta. Uma vez que ela passasse desse valor, ela não podia gastar mais até que seu próximo salário caísse.

    Enquanto Garrido estava gastando significativamente menos do que estava acostumada, não sentia que estava passando por dificuldades. Pelo contrário, via sua situação de gastar o limite que se impôs como quisesse. “Eu enxergava como espécie de dieta, que você poderia comer o que bem entendesse com uma certa quantidade de calorias”.

    Sua disciplina valeu a pena. Ao longo dos três anos e três meses, ela pagou uma média de US$ 1.800, cerca de R$ 6.600, por mês da dívida. Seu menor pagamento mensal foi de US$ 859, cerca de R$ 3.170, e o maior foi de US$ 3.418, cerca de R$ 12.600. “Esse valor mais alto foi no fim do ano, quando recebi um bônus da empresa. Usei o dinheiro e quase todo meu salário para pagar mais uma parte da dívida”, explica.

    A última parcela foi paga em março deste ano e, claro, ela fez questão de comemorar. Tirou o dia de folga do trabalho, fez uma massagem e depois comprou uma balão preto gigante e encheu de confete verde. Ela pintou a palavra “dívida” em prata e estourou o balão para festejar o fim desse ciclo difícil.

    Hoje, aos 32 anos, ela continua trabalhando como analista de dados e está oficialmente livre de dívidas, mas seus hábitos de consumo não mudaram muito. “Agora, eu me dou US $ 350 por salário para gastar”, diz ela.

    O dinheiro que era direcionado para sua dívida agora está focado em diferentes metas de poupança. Hoje, suas prioridades são: construir um fundo de emergência de US$ 10 mil e economizar para seu próximo casamento. Além disso, já pensa em metas de longo prazo, como comprar uma casa e economizar para a aposentadoria. “Mesmo que eu esteja livre da dívida, ainda há muito para se trabalhar”, diz Garrido.

    Leia também:

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    Até mais.

    Geral

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    26 de abril de 2018

    Bobby Hoyt era basicamente a foto de millenium recém-saído da faculdade. Ele realmente não tinha aprendido nada sobre finanças pessoais, tinha um diploma brilhante e tinha quase US$ 40.000 em dívidas de empréstimos estudantis que ele não tinha ideia do que fazer.
    Inicialmente, o plano era fazer os pagamentos mínimos, como todo mundo fazia. Felizmente, ouviu um empresário de sucesso que conheceu através da família de minha esposa. Sua mensagem? Pague sua dívida o mais rápido que puder.

    Eu paguei US $ 40.000 de empréstimos estudantis em um ano e meio com o salário de um professor: aqui estão 5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    “Aceitei esse conselho e corri com ele. Eu mantive minhas despesas de moradia o mais baixo possível alugando um quarto dos pais da minha esposa, continuei dirigindo meu carro velho da faculdade em vez de comprar o novo que eu realmente queria, e literalmente fiz os maiores pagamentos que podia a cada duas semanas salário de ensino”, diz Hoyt.

    Depois de 18 meses, pagou os empréstimos estudantis. Começou o blog MillennialMoneyMan.com como uma forma de ajudar outras pessoas que estavam lidando com dívidas de empréstimos estudantis, e um pouco mais de um ano e meio atrás eu parei meu trabalho para perseguir a minha empresa on-line em tempo integral.

    Hoyt conta que a paixão tornou-se tentando ajudar os jovens a se motivarem com suas finanças logo no início. Desde que deixou o emprego como professora, ouviu centenas de histórias de horror sobre dívidas de leitores que querem encontrar uma maneira de progredir.

    Aqui abaixo estão cinco coisas que qualquer um que queira se tornar livre de dívidas deve fazer:

    1 – Pare de se importar com o que as outras pessoas pensam

    Isso é absolutamente fundamental. Se você está pensando em assumir suas dívidas de forma agressiva, há uma boa chance de você ter que tomar algumas decisões desconfortáveis ​​que não são populares. Para mim, obviamente, estava escolhendo alugar um quarto dos pais da minha esposa ou usar os mesmos equipamentos para trabalhar regularmente. Eu ainda tenho “mamãe e papai” jabs de haters muito depois que saímos.
    Aqui está a parte importante: seus detratores não importam nada. Todo mundo tem um caminho diferente na vida, e eu nunca vou julgar alguém por como eles escolhem atacar suas dívidas. Mude-se com a sua família (certifique-se de contribuir de alguma forma), alugue quartos em sua casa, continue dirigindo aquele carro de baixa qualidade ou espere para sair com seus amigos, se necessário. Enquanto você estiver trabalhando para atingir seus objetivos, sinta-se bem com o que está fazendo. As opiniões externas nunca devem influenciar suas decisões financeiras.

    2 – Faça da sua dívida a prioridade

    Um truque que usei para facilitar minha dívida foi colocá-lo no topo da minha lista financeira. A primeira coisa que fiz a cada duas semanas, quando meu contracheque caiu na minha conta, foi o pagamento do meu empréstimo. Livrar-se desse dinheiro imediatamente tirou a minha capacidade de desperdiçá-lo ao sair para comer ou comprar qualquer coisa nova que todo mundo tivesse.

    3 – Não tente acompanhar seus colegas

    Muitas pessoas ficam presas tentando acompanhar os Joneses. Uma das coisas mais difíceis sobre pagar meus empréstimos foi assistir todos os meus amigos me passarem. Se era um novo carro incrível ou a casa que eles estavam construindo. Eu senti que não era tão bem sucedido quanto eles.
    Avançando alguns anos, e a maioria dos meus colegas que financiaram suas vidas estão absolutamente arrependidos. Fomos condicionados a manter contato com nossos colegas durante toda a vida por meio de notas e esportes na escola primária. Se você puder evitar competir com seus amigos em compras altamente financiadas, você fará muito melhor a longo prazo.

    4 – Comece uma confusão lateral

    O surgimento da internet tem sido, obviamente, um fator de mudança, mas nem todos com acesso estão tirando vantagem disso. Para qualquer um dos meus leitores que me perguntar como eles podem aumentar sua renda para ajudar com suas dívidas, a minha resposta é sempre a mesma: começar a empurrar.

    Existem inúmeras maneiras de começar um negócio on-line e não precisam ser complicadas nem caras. Eu vi de tudo, de lenços de tricô e vendê-los no Etsy, para encontrar itens em vendas de garagem e vendê-los no eBay. Se a sua primeira estratégia não funcionar, continue tentando outra coisa até encontrar uma maneira eficaz de suplementar sua renda.

    5 – Verifique sua mentalidade

    Fora de tudo nesta lista, sua mentalidade em relação a dívida e sucesso é facilmente o mais importante. Há, obviamente, uma tonelada de histórias por aí de pessoas como eu que pagaram seus empréstimos muito rapidamente usando várias técnicas. Se a sua primeira reação é pensar que essas histórias são impossíveis, uma farsa ou apenas pura sorte – você já perdeu.
    As pessoas que normalmente têm sucesso com a dívida olham para essas histórias e tentam encontrar estratégias em vez de um projeto. Não há “um tamanho para todos”, abordagem rápida para sair da dívida. Toma decisões impopulares, aproveitando e criando oportunidades, e toneladas de sacrifícios pessoais para começar.
    fonte de consulta: businessinsider.com/i-paid-off-40000-of-student-loans-on-a-teachers-salary-2016-10

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como limpar o nome quando a empresa credora não existe mais?

    23 de julho de 2017

    Ter o nome incluso no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) é uma situação complicada, pois você fica impossibilitado de fazer qualquer tipo de transação financeira que precise de crédito, tais como: financiamento,  cartão de crédito, crediário e em alguns casos pode até gerar problemas na hora de procurar um novo emprego.

    empresa-fechada

    Quem esta com o nome sujo, obviamente que limpa-lo de alguma forma e na maioria das vezes a melhor opção é entrar em contato com a empresa credora e tentar negociar a divida, seja ela a vista ou parcela.

    Mas e quando a empresa que gerou o registro no SPC deixou de existir ou faliu?

    Neste caso, o consumidor deve entrar em contato com o órgão responsável por administrar a base de dados onde seu CPF está registrado (SPC, Serasa, SCPC e CNDL) e solicitar as informações da empresa que gerou o pedido de cadastro do seu documento.

    Segundo o Código de Defesa do Consumido – artigo 43, as empresas de proteção ao crédito são obrigadas a entregar ao consumidor, as informações da empresa que gerou o pedido de registro.

    Com as informações em mãos, o indivíduo deve tentar localizar a empresa, podendo solicitar na junta comercial da cidade onde a empresa esta ou estava registrada, o endereço, nome do proprietário e contatos do mesmo.

    Em casos de falência, deve-se entrar com uma ação em consignação com pagamento junto ao Juizado Especial Cível. Sendo necessário provar que não foi possível localizar a empresa credora.

    O juiz responsável pelo processo irá determinar que o devedor faça o pagamento da dívida em juízo, emitindo uma autorização que obriga as empresas de proteção ao crédito a retirarem o CPF do individuo da sua lista de inadimplentes.

    Após receber a ordem do juiz, o consumidor deve dirigir-se a empresa SPC, Serasa ou SCPC para solicitar a exclusão do seu CPF na lista de devedores.

    Este artigo é uma colaboração do editor Wendson, autor no blog www.consultasspc.com

    Convidados

    Como escolher o melhor crédito para si

    1 de junho de 2017

    Esta pergunta é uma das coisas que você se deve fazer quando pensa realmente em recorrer a qualquer tipo de crédito ou empréstimo, quer seja ele pessoal, pelo cartão, para uma viagem, o que seja…

    Isto porque você vai estar a gastar dinheiro que não é seu e isso tem um preço, o qual por vezes pode ser bem maior do que você esperava apenas porque não fez bem as contas ou não fez as contas de todo.

    E é por esses e outros motivos que agora lhe vamos explicar como escolher o melhor crédito para si e para a sua carteira.

    Pronto? Vamos lá ver isso então.

    Como escolher o melhor crédito para si

     

    Precisa Mesmo de um Crédito?

    Antes de tudo, você deve saber esta resposta.

    Por vezes um empréstimo é apenas a maneira mais “fácil” e rápida de ter dinheiro e você acaba caindo no erro e fazer algo que nem precisava.

    É preferível você ficar com pouco dinheiro, mas conseguir gastar naquilo que quer ou precisa sem recorrer a dinheiro emprestado porque esse dinheiro vai ser mais caro.

    Pense se não pode fazer algum tipo de poupança, arrumar uma grana extra em algum lugar e caso todas as hipóteses não tenham resultado, aí sim pense no crédito.

    Tenha Atenção á TAEG Cobrada

    Essencialmente, este é o custo anual do seu crédito, o qual engloba várias coisas tais como:

    • Custos do crédito
    • Juros
    • Comissões
    • Impostos
    • Seguros
    • Comissões

    Veja quais são as taxas de TAEG cobradas por cada instituição e então tome a melhor decisão para a sua carteira de forma a não ficar com um crédito demasiado caro.

    [DICA]

    Cartões de crédito normalmente sempre ficam mais caros, pode tomar de exemplo o cartão Losango, sendo que as taxas de TAEG podem chegar até aos 20% em alguns deles, enquanto se fizer por um banco, como no Itaú, ai já só lhe seria cobrado uns 4%.

    A rapidez e facilidade paga-se. Quando você é alguém que dá poucas garantias e quer o dinheiro para amanhã, as taxas a pagar ficam bem altas.

    Faça Sempre Simulações

    Apesar do Banco X poder estar a anunciar que faz créditos com x taxa de TAEG não quer dizer que seja a que lhe vai ser cobrada.

    Na grande maioria dos casos estas taxas são analisadas caso a caso e irão depender do valor que você pedir, do tempo que irá parcelar, das suas condições financeiras, se está empregado, etc…

    É por isso que lhe dizemos para fazer simulações. Estas sim são gratuitas e podem acabar por lhe fazer poupar centenas ou mesmo milhares de reais em taxas no final do seu empréstimo.

    E então, já ficou a saber como escolher o melhor crédito para si ou até se precisa mesmo de um?

    Deixe a resposta nos comentários junto com alguma dúvida ou sugestão com que tenha ficado após ler o artigo.

    Convidados

    Empréstimos em Bancos ou Online? Saiba as diferenças

    2 de maio de 2017

    Hoje o Brasil ainda vive uma crise muito grande, nunca houve um percentual tão grande de empresas fechadas graças a nossa economia atual, somente em 2015 foram 1,8 milhões de empresas fechadas, de todos os tipos e setores.

    Milhões de brasileiros ficaram sem empregos e sem renda fixa, alguns ainda tentam sobreviver matando um leão por dia, mas sobrevivendo. Outros recorrem a empréstimos em cima de empréstimos para sobreviver, muitos nem sequer olham para a taxa de juros ou fazem algum estudo para o pagamento destes empréstimos, e acabam indo a falência, cedo ou tarde.

    E como todos sabem, junto da tecnologia dos últimos anos, vieram novas maneiras de se fazer empréstimos sem tanta burocracia ou com juros competitivos, estou aqui para mostrar as principais diferenças entre fazer um empréstimo em um banco convencional e em uma empresa de empréstimos totalmente online.

    Empréstimo Online é Seguro?

    Essa é a maior dúvida de todos, onde muitos evitam acionar empréstimos online pelo fato de não conhecerem tão bem este tipo de serviço. Mas se pesquisado cuidadosamente, poderemos ver que existem muitas empresas confiáveis que fazem empréstimos online. Se a empresa está vinculada a alguma matéria de imprensa confiável e tem seus dados como CNPJ em dia no Banco Central, não há motivos para desconfiança.

    Quais as Vantagens do Empréstimo Pessoal Online?

    Como empresas de empréstimo online não possuem agências ou muitos estabelecimentos físicos, o custo da operação cai, e muito, e essa é a maior vantagem que uma empresa online pode lhe oferecer, uma grande diferença nos juros. Além de toda praticidade e agilidade na hora de fazer um empréstimo.

    Comparação de Juros em Bancos e Online

    Neste site confiro os empréstimos online (que você poderá ver abaixo):

    Empresa Juros
    Lendico 2,40%
    Creditas 1,99%
    Meu Crédito 4%
    Trigg 1,77%
    FinanZero 9,90%

    Fonte: CoolFinance

    Empresa Juros
    Banco do Brasil 5,85%
    Bradesco 6,67%
    Caixa Econômica 6%
    Itaú 6,43%
    Safra 5,90%

    Fonte: ProconSP

    Comparando as tabelas, fica claro a diferença de no valor dos juros a serem pagos mensalmente.

    Imagine que eu preciso de um empréstimo de R$ 10.000. Se eu fizesse empréstimo pelo Banco do Brasil ao final de 12 meses pagaria por mês R$ 7.020 somente de juros, aproximadamente 70% a mais do que peguei emprestado. Se eu fizesse a mesma coisa pelo Lendico o valor total de juros ao longo de 12 meses seria de R$ 2.880. Deu para notar a diferença.

    Agora só cabe a você se planejar corretamente e ver quanto o seu bolso consegue pagar e em quanto tempo. Não esqueça: quanto mais rápido fizer o pagamento total, menor o valor ficará.

    empréstimos

    Convidados

    Comprar imóvel à vista ou financiar e deixar o dinheiro render?

    7 de março de 2017

    Compensa comprar imóvel à vista ou financiar e deixar o dinheiro render?

    Comprar imóvel em tempos de bolha imobiliária???

    Especialistas apontam que financiar para locar não vale a pena, mas qual a forma mais vantajosa de adquirir um imóvel?

    Comprar um imóvel à vista, com desconto, é sempre uma vantagem em relação ao financiamento? Depende da rentabilidade de seus investimentos. No momento atual, provavelmente o desconto para a compra à vista é a melhor opção.
    Para conseguir que os rendimentos de uma aplicação compensem as taxas de financiamento de um imóvel, é preciso cuidado e precisão nos cálculos realizados.

    “Se estivermos pensando em comprar um imóvel de 500 mil à vista, levando em consideração a taxa de desconto do mercado imobiliário atualmente, o ideal seria conseguir um desconto de 20% a 30% do valor do imóvel”, explica o entrevistado. Isso para garantir que sobrasse dinheiro para pagar as taxas, iniciar a decoração inicial e realizar algum investimento para reservas futuras.
    Considerando um mercado imobiliário que veio de um período de recessão e começa a se recuperar só agora, esse desconto é provável ao menos durante este semestre.

    No caso de um financiamento, dependendo da renda familiar dos compradores, a Caixa Econômica Federal está trabalhando com taxas Balcão de 8,85% ao ano mais Taxa Referencial (TR), conforme simulado pela tarifa Balcão Pró-Cotista.

    Dentro do exemplo do imóvel de R$ 500 mil, a entrada seria de 100 mil e o financiamento de 400 mil, com parcelas iniciais em torno de R$ 4000 mensais.

    “Sabemos que ao final do financiamento pagaríamos o dobro do valor do imóvel. Logo, teríamos que encontrar aplicações financeiras que rendessem bem mais que o valor da taxa de financiamento”, explica o Agente de Investimentos.

    Ele tomou como exemplo produtos financeiros que sigam o CDI, hoje com rendimento em torno de 13% ao ano, mas passando por movimento de queda – a estimativa é de 10% ao ano no fim de 2017. “Numa aplicação que seguisse 100% CDI e com liquidez, conseguiríamos por ano, uma rentabilidade média de 40 mil reais por ano. Não pagaria na totalidade nosso financiamento anual”, alerta.

    Um investimento conservador, portanto, “já não conseguiria ser tão mais vantajoso e renderia bem próximo ao valor das taxas de financiamento”.

    A alternativa ideal seria um retorno do CDI (aplicação conservadora) entre 5% a 7% a mais que o valor da taxa de financiamento, pois “com o rendimento adquirido anualmente, as parcelas seriam pagas e o comprador ganharia com a valorização do imóvel e do seu capital investido no longo prazo”.

    Portanto, a conclusão de Brown é que no momento atual o ideal para um perfil conservador de investidor seria realmente comprar um imóvel à vista com desconto considerável. “Com a eminente queda dos juros e da inflação, preferiria, caso conseguisse um excelente desconto no pagamento à vista, adquirir um imóvel à vista”, explica.

    “Senão, outra alternativa é ser mais arrojado na sua carteira de investimentos, em virtude da mudança de cenário que se desenha, e junto com seu assessor de investimentos possa fazer com que o capital investido consiga, através de seu rendimento, pagar as parcelas do financiamento adquirido”, acrescenta.

    Locação

    Tudo isso é considerado para uma compra com intenção de ocupar o imóvel. Adquirir uma unidade imobiliária com a intenção de receber renda de aluguel, Brown crava, não vale a pena. “Temos essa certeza”, diz, isso “em virtude do baixo yield dos aluguéis residenciais (0,4% ao mês em média) e do alto custo do financiamento” – apontado no item financiamento (8,85% ao ano + TR).
    infomoney.com.br/onde-investir/noticia/6148226/compensa-comprar-imovel-vista-financiar-deixar-dinheiro-render

    Até mais.

    Geral

    Consumidores que não conseguem renegociar suas dívidas com os bancos

    1 de fevereiro de 2017

    Segundo estudo do site Idec 60,8% dos consumidores não tem conseguido renegociar suas dívidas com os bancos e tal pesquisa revela que 53,6% dos entrevistados já tentaram renegociar alguma dívida, porém deste total, apenas 39,2% conseguiram obter êxito na negociação.

    divida-bomba

    O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) fez a divulgação dos resultados da pesquisa sobre as experiências dos consumidores relativo à renegociação de dívidas e 60,8% dos consumidores não conseguem renegociar suas dívidas com os bancos.
    A pesquisa ainda revela que 53,6% dos entrevistados já tentaram renegociar algum débito, mas deste total, apenas 39,2% conseguiram. As principais dívidas que os bancos não renegociam, segundo a pesquisa são: transferência de débito para outra empresa com 29,1%, novo prazo para pagamento com 27,3% dívidas cujo pagamento ainda não está atrasado com 24,2%.

    As instituições foram questionadas sobre os resultados ruins, mas não responderam de forma direta, segundo a economista do Instituto e responsável pela pesquisa, Ione Amorim. “As respostas são genéricas e contrastam com o que dizem os consumidores”, diz.

    Em pesquisas anteriores, o Idec já havia notado o estímulo e a banalização da oferta de crédito por parte dos bancos. Neste cenário, em vez de solucionar o problema, geram um novo ciclo de inadimplência. “Os frequentes acordos firmados com repactuação e alongamento da dívida, se apresenta como a única alternativa oferecida pelas instituições para solucionar o problema do endividamento”, afirma a economista.

    Com relação às políticas para o combate ao superendividamento dos clientes, todos os bancos disseram que adotam essa prática. Mas o Idec constatou durante a pesquisa que 46% dos consumidores não tiveram nenhum tipo de orientação a respeito.

    Amorim aponta que faltam iniciativas neste sentido e também alternativas para a fase seguinte, no momento em que o endividamento já está consolidado. “Para o Idec, é imprescindível discutir o assunto e, inclusive, fomentar o debate sobre uma regulação que possibilite os consumidores formas mais eficientes para o tratamento de suas dívidas junto aos bancos”, finaliza.

    O levantamento realizado entre julho e setembro de 2016, contou com a participação de 1.815 internautas, e também mapeou os critérios dos bancos no tratamento dos clientes endividados. Foram consultadas as cinco instituições financeiras mais lembradas pelos consumidores como principais credores: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e Itaú.

    Até mais.