‘Dinheiro’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 13

Browsing Tag: dinheiro

    Geral

    Por que os especuladores devem ser respeitados?

    22 de fevereiro de 2013

    As pessoas devem respeitar os especuladores no mercado financeiro, pois eles correm muito mais riscos, principalmente no curto e curtíssimo prazo, em busca de maiores ganhos, e dão liquidez ao sistema para que os investidores possam entrar e sair do mercado quando quiserem. Ao se exporem mais ao risco, eles podem ficar ricos mais rápido, mas também podem falir de uma hora para outra.
    O ato de ficar atacando os especuladores por que não quer adaptar-se às regras do jogo parece ser conversa fiada para boi (bull) , urso (bear) e indecisos dormirem. Touro (bull) significa perfil comprador, e urso (bear) perfil vendedor, gíria do mercado financeiro mundial.

    Se os especuladores vendem a descoberto é por que o sistema permite, está dentro das regras do mercado. Com a venda a descoberto os movimentos de queda e alta são bem mais intensos. Quando o mercado muda de direção, os bears tem que saírem correndo atrás dos prejuízo fechando posição rapidamente, para evitar maiores prejuízos. E para isto acabam tendo que fazer compras a preço de mercado para fechar posição.

    Os investidores que adoram atacar os especuladores, até pior, mesmo os leigos, aqueles sem opinião própria sobre um assunto, os famosos “maria-vai-com-as-outras”, se esquecem que eles também são especuladores.
    E o por quê disto? Oras, todo mundo que se prepara para algo, seja um investimento, um trabalho, um curso, um planejamento, etc., está contando que no final do período planejado aquilo irá dar certo, errado ou ficará tudo como estava antes.
    Todo mundo especula o tempo todo. Afinal de contas, quando alguém sai de casa em direção à escola ou ao trabalho, ele não está especulando que vai chegar lá são e salvo, e volta também se dará da mesma forma? E ainda alguns não se preparam para possíveis imprevistos nestas atividades corriqueiras?

    Para quem não sabe o significado da palavra especulação, leia abaixo:
    s.f. Ação ou efeito de especular.
    Análise ou pesquisa teórica sem fundamentos empíricos; que se baseia, geralmente, no raciocínio abstrato.
    Economia. Transação de teor financeiro em que os lucros estão subordinados à variabilidade ou instabilidade do mercado: especulação do real.
    Pressuposição acerca de alguma coisa, sem comprovação.
    (Etm. do latim: speculatio.onis)

    Fonte: http://www.dicio.com.br/especulacao

    As pessoas podem vender e comprar aquilo que bem entender, aquilo que estiver de acordo com a estratégia delas e não o que recomendaram-na comprar ou vender.
    O investidor tem que pensar, agir e tomar decisões por conta própria, e claro, saber que é o único e exclusivo responsável pelo seu próprio sucesso ou fracasso financeiro e pessoal.
    Para um especulador tanto faz vender ou comprar bluechips, midcaps, smallcaps, “micocap”, mercado futuro, commodities ou qualquer outro tipo de ativo ou mercado. Se os ativos estiverem dentro da sua estratégia e do seu controle de risco, está tudo certo.
    Quem não entendeu algum termo técnico, consulte: Terminologia do mercado.

    Dado isto, é bom você refletir e pensar um pouco mais da próxima que for “meter o pau” nos especuladores, afinal de contas, você também é um deles, a única coisa que muda são os tipos de especulações que cada um faz na vida.

    Até o próximo post.

    Geral

    Operar gráficos e notícias vale a pena?

    22 de fevereiro de 2013

    Não seria um imenso gasto de energia e aumento de ansiedade para o trader (operador do mercado) usar gráficos e notícias ao mesmo tempo?
    Se pelo teoria Dow os gráficos descontam tudo, o movimento dos ativos, para cima ou para baixo, estarão com evidências nos gráficos, mas claro, a pessoa deve ser hábil o suficiente para ler este sinais.
    Seja a informação das notícias privilegiada(insider information), antecipada apenas por alguns favorecidos, ou de conhecimento pelo, da grande mídia, os sinais estarão lá.

    Para os especulador, principalmente de prazos mais curtos, o melhor é focar em uma ou outra estratégia, montar seu controle de risco e monitorar a operação. Tudo o mais que não seja o foco da execução da estratégia e controle de risco deve ser ignorado, pois não lhe passará de mero ruído.
    E neste imenso turbilhão de informações que temos hoje em dia com o advento da internet e telecomunicações no geral, saber o filtrar o que lhe é útil e descartar o inútil é essencial.

    Operar gráficos, notícias e gráficos com notícias juntos, os melhores resultados tendem a ser obtidos operando-os separadamente, claro, com foco em de especulação e prazos curtos.
    Operar gráficos e notícias juntos a maior probabilidade é de se atrapalhar. Um método fica como ruído do outro, e perde-se o foco.

    Leia também:

    Até o próximo post.

    Geral

    O ano novo começa agora

    18 de fevereiro de 2013

    O ano começou, o carnaval acabou, o trânsito infernal voltou, as aulas voltaram, voltamos à realidade. Conto de fadas só no final de ano, de novo!
    A festa acabou, “the party is over”, “se acabó la fiesta”.

    E chegando novo fim de ano, novas festas, novas compras, novas esperanças, novas férias, o ciclo retorna, o Brasil ficará parado por mais três meses do ano, e depois do próximo carnaval, chegará ano novo de novo, e poderemos lá dizer feliz 2014, como dizemos agora feliz 2013.

    A hora do país crescer mais, produzir, gerar mais empregos, gerar mais inovação é agora ou nunca, ou melhor, pode ficar para o ano que vem também.

    Até o próximo post.

    Geral

    Como filtrar informações – parte 4

    16 de fevereiro de 2013

    Afinal de contas o que pode levar alguém a todo o tempo fazer propaganda negativa contra uma empresa? Será motivação política? Será que nunca mais se recuperou depois de perdas monstros na empresa? Será que ficou com trauma de ter perdido muito ou todo seu dinheiro na empresa? O controle emocional foi totalmente abalado após perdas recentes ou antigas?
    Será tudo isto junto?

    E quem só fala bem de uma empresa, apenas foca nos pontos positivos, não vê nada de errado em seus números, desempenho, lucros, prejuízos, parceiros? Pode se confiar? Seria alguém que ficou mal comprado num ativo e agora faz propaganda sem parar, num claro exemplo de desespero, tentando empurrar o seu peixe para outrem?
    Será tudo isto junto?

    E quem é sempre imparcial, sempre neutro, sempre em cima do muro, nunca se posiciona, dá para se levar em conta tal tipo de opinião? Se este tal tipo nunca se envolve de fato, ele vai conhecer de fato o que fala, será isto possível?
    Será tudo isto junto?

    Enfim, são apenas questões para refletirmos na hora de filtrar as informações, seja ela de viés positivo, negativo ou neutro, que venham ou não confirmar nossas convicções. E aqui é preciso tomar muito cuidado com o viés de confirmação, ou seja, não filtrarmos apenas aquilo que queremos ler, ouvir e ver com o intuito de confirmar aquilo que supomos já ter toda certeza do mundo, e automaticamente descartar aquilo que não confirma tal convicção.

    É preciso tomar muito cuidado nas decisões relativas ao mercado financeiro onde existem muitas armadilhas e algumas logo ali, dentro de nós mesmos.

    Recomenda-se também ler:

    Até o próximo post.

    Filmes

    Dicas de filmes, documentários e vídeos – parte 1

    16 de fevereiro de 2013

    Iniciando uma série de posts para compartilharmos dicas de filmes, vídeos e documentários ligados ao mercado financeiro, bolsa de valores, investimentos, finanças pessoais, macroeconomia, contábeis, questões político-econômicas, e assuntos relacionados.

    1. A Fraude(Rogue Trader)

      Filme bem interessante que narra a  vida de um jovem que trabalhando para um grande instituição financeira da Inglaterra, porém alocado em Cingapura, correndo mais riscos do que deveria, sem o controle de risco adequado, exagerou na dose da alavancagem e fraudes. Dado todo este cenário, ele consegue a proeza de quebrar a instituição operando no mercado futuro.
      Baseado em fatos reais da vida de Nick Leeson.

      Rogue Trader: A Fraude - Uma História Real

      Sinopse:
      Ewan McGregor (Cova Rasa, Transpotting, Star Wars – Episódio I) mais uma vez interpreta um personagem marcante. Desta vez, na história de um homem jovem e ambicioso que se rende aos riscos e acaba levando à falência uma das mais antigas e bem sucedidas instituições financeiras da Inglaterra. Quando é enviado a Singapura, pelo tradicional Barings Bank, tudo que Nick Leeson quer, como negociador de mercado futuro, é a chance de fazer dinheiro com ações. Porém, enquanto os dirigentes do Barings Bank comemoram os lucros conquistados para o banco pelo rapaz, Nick começa desviar enormes quantias de dinheiro para cobrir as perdas de suas próprias apostas financeiras. Com dívidas comparáveis ao seu desespero, Nick decide arriscar tudo numa jogada definitiva para burlar o sistema e recuperar todo o dinheiro que já perdeu.

      Gênero: Ação
      Ano: 1999
      Duração: 101 minutos
      País: Estados Unidos
      Elenco: Ator Personagem
      Ewan McGregor Nick Leeson
      Anna Friel Lisa Leeson
      Yves Beneyton Pierre Beaumarchais
      Betsy Brantley Brenda Granger
      Caroline Langrishe Ash Lewis
      Nigel Lindsay Ron Baker
      Tim McInnerny Tony Hawes
      Irene Ng Bonnie Lee
      Lee Ross Danny Argyropoulos
      Simon Shepherd Peter Norris
      John Standing Peter Baring
      Pip Torrens Simon Jones
      Tom Wu George Seow
      Daniel York Henry Tan
      Fonte: http://www.cinemaniaweb.com/filmes/filme-3188.html
      O site acima está fora do ar.

    2. Wall Street – Poder e Cobiça

      Filme excelente, bom demais, é antigo, mas temática muito atual, totalmente ligado ao mercado financeiro, bolsa de valores e insider trading (uso de informação privilegiada para atuar no mercado financeiro).
      Lembrando que a prática de insider trading é totalmente condenável no mercado financeiro pelos órgãos reguladores do mercado mobiliário tanto nos EUA, Brasil e mundo afora.

      Sinopse:
      Nessa visão envolvente dos bastidores do mundo empresarial em 1980, um jovem e ambicioso corretor (Sheen) é atraído pelo mundo ilegal e altamente lucrativo da espionagem empresarial ao ser seduzido pelo poder, status e magia financeira da lenda de Wall Street, Gordon Gekko (Douglas). Mas ele logo descobre que a riqueza adquirida da noite para o dia tem um preço muito alto. Daryl Hannah e Martin Sheen co-estrelam essa história de impressionante
      visão moral sobre o sonho americano que deu errado.

      Título Original: Wall Street
      Gênero: Drama
      País/Ano: USA / 1987
      Duração: 125 Minutos
      Atores: Michael Douglas , Martin Sheen, Charlie Sheen, Daryl Hannah
      Diretores: Oliver Stone
      Roteiristas: Stanley Weiser, Oliver Stone
      Fonte: http://www.movieguide.com.br/filme.view.php?id_filme=120
      O site acima está fora do ar.

    3. O Primeiro Milhão (Boiler Room)

      Bom filme. Mais um exemplo claro de ambição. Mostra um pouco os bastidores do trabalho em uma corretora de valores

      Sinopse:
      Seth Davis (Giovanni Ribisi) é um jovem trambiqueiro que montou um pequeno cassino em seu apartamento e possui dois sonhos na vida: ganhar seu primeiro milhão de dólares e conquistar o respeito do pai, um importante juiz federal. Para isso, ele tenta deixar de lado sua vida ilegal e sai em busca de um emprego de verdade.
      Consegue uma vaga numa empresa que promete transformar seus empregados em milionários. Mas a felicidade dura pouco, pois logo Seth descobre que existe algo de errado na empresa.

      Informações Técnicas
      Título no Brasil: O Primeiro Milhão
      Título Original: Boiler Room
      País de Origem: EUA
      Gênero: Drama
      Tempo de Duração: 119 minutos
      Ano de Lançamento: 2000
      Site Oficial: http://www.boilermovie.com
      Estúdio/Distribuidora: New Line Cinema / Team Todd
      Direção: Ben Younger
      Fonte: http://www.interfilmes.com/filme_14245_O.Primeiro.Milhao-(Boiler.Room).html

    Filmes

    Vídeo documentário: PROPAGANDA

    16 de fevereiro de 2013

    Este documentário é muito rico e faz abordagem bem afundo e macro do assunto PROPAGANDA.
    Demonstra claramente como ela é usada pelas empresas, governos, políticos, igrejas, nas guerras, na música e arte em geral, são muitas visões sobre o tema.
    Pode-se ver claramente que ontem, hoje e sempre, PROPAGANDA é a alma do negócio.

    O post do vídeo foi sugestão do colega investidor Fábio.
    O áudio é em inglês. Eu procurei com áudio ou legenda em português, mas não encontrei. É possível ativar as legendas em inglês.

    A propaganda é profundamente desmistificada neste documentário.

    Assista o vídeo PROPAGANDA | FULL ENGLISH VERSION (2012) agora:

    Até o próximo post.

    Geral

    Por que muitos não investem nas empresas do Grupo EBX?

    14 de fevereiro de 2013

    O empresário do referido grupo chegou com grande estardalhaço na bolsa de valores em meados de 2008, ainda no final da última fase áurea dos IPOs na BM&FBOVESPA, arrecabando bilhões, prometendo muito a prazos não tão longos assim.
    Eike Batista abriu o capital da OGX (OGXP3, empresa de exploração de petróle e gás), com o passar do tempo foram vindo outros IPOs a partir do zero, ou cisão de outras empresas já existentes na EBX. Tem empresa que até já fechou o capital, e outras que tiveram ou estão com estudos para ser fechado o capital.

    O marketing sempre foi o forte do empresário, demonstrar que tem muito dinheiro e patrimônio, sempre foi mote para atrair mais capital para suas empresas, passando a ideia que se ele ganhou, quem investir em suas empresas também ganhará, o famoso “toque de midas”. Todo este marketing virou motivo de muita piada relativo a ser um vendedor de sonhos, palestrante de power point até vendedor de maquetes.
    Acontece que o mercado não perdoa, o mercado quer resultados, e suas empresas pré-operacionais, mesmo após virarem operacionais, tem deixado muito a desejar, tomando-se por base que o seu principal controlador vendeu no lançamento das ações em bolsa de valores. Algumas destas empresas ainda são pré-operacionais hoje em dia.

    Todos sabem das dificuldades das empresas startups, todos os percalços que tem no caminho, toda dificuldade de se obter capital a custo aceitável para que tenha longevidade e lucros ao longo dos anos com eficiência naquilo que se propõe a produzir, porém este empresário bilionário vendeu algo que não era isto. Foi vendido que tais startups dariam certo, e isto aconteceria em prazo menor que o usual para tais tipos de empresas, usando de todo seu charme marqueteiro, e o mercado acreditou nisto ou fingiu acreditar enquanto muitos lucravam com tais especulações.

    Os anos se passaram, há um bom tempo que a lua-de-mel de Eike Batista com o mercado tem estado abalada, o mercado tem cobrado fortemente os resultados prometidos para empresas do grupo EBX. Sabe-se que tem grandes players junto com o empresário em suas empresas e projetos, mas os grandes também erram, errar é inerente ao ser humano, assim como acertar.
    Como diz o ditado, “errar é humano, permanecer no erro é burrice”, ou este outro “insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.

    De nenhuma forma pretende-se recomendar compra, manutenção ou venda de ativos, deste ou de qualquer outro grupo, jamais, o objetivo não é este. Cada um deve tomar suas próprias decisões com base em suas próprias análises.
    Enfim, aqui são apenas questões para reflexão levando em conta o que foi prometido há quase 5 anos atrás, e o que foi entregue até agora, e o que pode ser entregado ainda no futuro, de acordo com as expectativas e paciência de cada investidor, seja ele pequeno, médio ou grande.

    Recomenda-se ler também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Como escolher uma corretora de valores?

    13 de fevereiro de 2013

    A primeira coisa a se fazer é determinar qual o seu perfil de risco, qual o seu horizonte de investimento, quanto de comodidade você quer, qual o prazo, e dado isto buscar o melhor custo benefício para si.

    Se for escolher comodidade o melhor talvez seja escolher a própria corretora do banco onde é correntista, embora pague um pouco mais, tenha menos opções de serviços, irá se sentir bem por ter tudo centrado em um só local e contar com o apoio do seu gerente em todo este processo.

    Quem for precisar de mais serviços, mais opções de ferramentas, um suporte, assessor, consultoria, cursos de forma mais presente, com certeza a melhor escolha será buscar corretoras independentes, sempre de olho no melhor custo benefício, ou seja, ver o que você precisa de fato para investir ou especular na bolsa valores, em outra modalidade de renda variável ou renda fixa, e claro, não ter preguiça de pesquisar, comparar, testar, usar aqueles famosos dias, às vezes até semanas de “test-drive” e aí chegar na conclusão de qual será a sua melhor escolha.

    Outro ponto para se atentar, principalmente para quem escolhe as menores corretoras, aquelas com precinho mais camarada, serviços mais simples, é ver como está a saúde financeira da empresa onde você for alocar o seu dinheiro para operar no mercado financeiro. Procure dar uma olhada nos balanços e não se esquecer que dinheiro parado na conta da corretora o BM&FBOVESPA MRP vai ressarcir no máximo R$ 70.000,00 em caso de quebra da corretora.
    O dinheiro que está alocado em ativos na bolsa de valores brasileira são garantidos a você pela custódia na CBLC.
    Este mesmo processo também é aconselhado para as médias e grandes corretoras e bancos, com diz o ditado, precaução e canja de galinha não fazem mal para ninguém.

    Como pode se ver, a escolha de uma corretora de valores é algo bem criterioso, e deve ser feito com paciência e foco.

    Veja também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Qual o melhor programa de associados para o seu site?

    11 de fevereiro de 2013

    Afinal de contas qual o melhor programa de associados para o seu site, blog ou vídeo?
    Qual o melhor programa de afiliados para o seu site?
    Qual a melhor forma de gerar renda para o seu site?

    Todas essas perguntas esperam somente uma resposta: qual a solução mais rentável para seu site.
    Não importa se o mesmo é pessoal, blog, portal, e-commerce, vídeos, etc., falamos aqui daquela geração de renda passiva com banners, textos, popups, etc..

    Existem muitos tipos de programas de afiliados diferentes para se obter esse tipo de renda com anúncios em seu site. Alguns pagam por clique simples, outros por clique duplo, outros por cadastro, outros por exibição, outros por aquisição, relacionados aos anúncios em seu site.
    É preciso testar vários deles para ver qual gera maior receita e menos incômodo para os visitantes do seu site. Pesquisar antes de fazer os testes também é recomendável. Certos sites darão mais problemas para obter o pagamento que outros, alguns tem um pagamento mais justo que outros.

    Recomendo os artigos abaixo, eles trazem um bom levantamento sobre os programas de afiliados existentes, os tipos de anúncios, formas de pagamentos, quais são os mais honestos, etc., tudo calcado em experiências pessoais dos usuários destes serviços.

    Top 10 programas de afiliados

    Até o próximo post.

    Geral

    Como fazer o controle de risco

    4 de fevereiro de 2013

    Quando se vê o assunto estratégia no mercado financeiro muitas vezes surge o assunto controle de risco. E aí vem a pergunta: como controlar os riscos que corremos nos nossos investimentos?

    Basicamente para se controlar o risco tem-se que fazer uma diversificação de ativos, ou seja, manter uma carteira onde existam produtos com características de risco diferente, protegendo o seu capital, ao mesmo tempo que exponha-te a obter maior retorno financeiro ao longo dos anos.

    E nesta diversificação de ativos,  o montante de capital onde será possível diversificar será diferente para cada pessoa , para os de pequeno capital , desde que não seja para fim de laboratório, testes, backtesting, a melhor opção seria  ficar num tipo de aplicação apenas, para evitar que custos com taxas lhes tomem parte da rentabilidade e a diversificação tenhaefeito inócuo.

    O investidor poderá dosar este risco tento ativos de maior relação risco x retorno curto num percentual menor da carteira, e ir dosando, passando pelos ativos de relação risco x retorno médio, até chegar nos de relação risco x retorno baixo, estes mais voltados para longo prazo.

    Na diversificação da carteira poderá se ter ativos de renda fixa, renda variável, imóveis, ouro, etc., e ainda em cada item destes também é possível diversificar  controlando o risco de cada parte da composição da carteira.

    Em renda fixa pode-se ter ativos com alta liquidez e baixa rentabilidade, aquele dinheiro para emergências como a poupança, ativos com menor liquidez, porém rentabilidade melhor, e necessidade de prazos maiores de aplicação como certificado de depósito bancário (CDB), tesouro direto, letra de crédito imobiliário (LCI), letra de crédito agrícola (LCA), etc., sem esquecer que alguns deles incidem taxas, impostos e em outros não, logo, deverá levar em conta sempre a rentabilidade líquida de cada um.

    Em renda variável pode-se dosar em ativos de baixo risco, empresas lucrativas, boas pagadoras de proventos, lucro previsível conforme visão de mercado, claro, crescimento constante, isto mais para o médio e longo prazo, à empresas mais especulativas, mais expostas a rumores e oscilações de curto prazo, as quais podem te dar uma rentabilidade exorbitante, assim como fazer todo seu capital alocado para tal virar pó (zerar). E aqui, se vocês abusar da exposição ao risco, isto é, como exemplo, fazer alavacangem, para cada R$ 1,00 investido estava exposto a ganhar ou perder R$ 5,00,No caso de prejuízo, você fica devendo 5 vezes mais, se for um caso de perda total, você ainda terá que realizar outros ativos para saldar a dívida.
    E nesta diversificação para controlar o risco na renda variável, o investidor poderá dividir os ativos entre ações e fundos de investimento imobiliáirio (FII), por exemplo.

    Se o investimento for em imóveis, para controlar o risco, alguém poderia ter imóveis em regiões mais expostas a crescimento, onde ainda vai chegar mais progresso, isto é, tem-se toda uma expectativa e indícios que apontem para isto, a imóveis de regiões mais estáveis, onde o progresso já chegou, e a valorização do imóvel será menor, e neste caso, estaria mais de olho no valor possível para se alugar o imóvel após sua aquisição.
    E ao diversificar em imóveis, visando controlar o risco deste tipo de investimento, seria interessante se expor parte em imóveis residencias, outra em comercias e/ou mistos.

    E em cada composição de carteira para controle do risco existirão muitas possibilidades de combinação para se obter a relação de risco x retorno desejada. Aqui apenas foram citados alguns exemplos para despertar um maior interesse de estudo para o assunto.

    Leia também:

    Até o próximo post.