‘Crédito’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: crédito

    Geral

    O melhor investimento do mundo

    9 de setembro de 2019

    Mark Cuban, Dono do time de basquete Dallas Mavericks, diz que aprendeu que o dinheiro economizado em juros é melhor do que qualquer retorno com investimentos
    Mark Cuban explains how to make a 16% guaranteed return

    O bilionário Mark Cuban compartilhou o que considera o melhor investimento que todos devem fazer:
    – Pagar o seu cartão de crédito. Pagar qualquer dívida que você tenha. Isso qualquer um pode fazer.
    Ele disse isto em entrevista ao MarketWatch.

    Cuban assumiu que teve dificuldades com as contas de seu cartão de crédito quando tinha por volta de seus 20 anos.

    Ele diz que aprendeu da maneira mais difícil que o dinheiro economizado em juros por não ter dívida é melhor do que qualquer retorno que poderia obter investindo, seja no mercado de ações ou no setor imobiliário ou em outro lugar.

    “Qualquer que seja a taxa de juros que você paga – pode ser um empréstimo para estudantes com uma taxa de juros de 7% – se você pagar esse empréstimo, estará fazendo 7% para você, e não para o banco”, disse o bilionário

    “Esse é o seu retorno imediato, que é muito mais seguro do que tentar escolher uma ação ou tentar escolher imóveis, ou o que quer que seja “, completou.

    Nas dívidas de cartão de crédito, a taxa de juros poderá ser muito maior. No Brasil, o juro médio cobrado no rotativo do cartão de crédito é de 300,3% ao ano, segundo dados do Banco Central.

    Para evitar perder dinheiro pagando juros, Cuban recomenda abandonar completamente o cartão de crédito.

    “Usar um cartão de crédito é bom se você pagar no final do mês, sem atraso nenhum. Apenas reconheça que os 18%, 20% ou 30% que você está pagando em dívida com cartão de crédito vai custar muito mais do que você poderia ganhar em qualquer outro lugar”, explicou Cuban.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    3 dicas básicas para evitar as dívidas mais caras

    1 de abril de 2019

    3 DICAS PARA FUGIR DAS DÍVIDAS MAIS CARAS

    Acredite: uma estratégia que não falha para fazer o seu dinheiro render também, é fugir das dívidas mais caras. Ou seja, você pode fazer escolhas financeiras mais inteligentes e com isso gastar menos ou até começar a poupar dinheiro.

    Descubra agora como fazer melhores escolhas quando precisar de dinheiro extra ou pagamento facilitado.

    Para evitar as dívidas mais caras, vale entender o que é preciso avaliar, além das taxas de juros.

    Um ponto que a maioria das pessoas se esquece, por exemplo, é que o que acaba encarecendo uma dívida é o conjunto de todos os seus custos. Ou seja, o Custo Efetivo Total, ou CET, é o principal fator de comparação. Assim, antes de fechar qualquer negócio, compare o CET.  Um crédito pessoal de mesmo valor pode ser mais barato ou caro, em função do seu CET.

    Na prática isso quer dizer que a velha e boa pesquisa é essencial, principalmente se você não quer entrar no vermelho.

    Confira outras dicas e cuidados necessários para não se endividar.

    1 – Use o cartão de crédito com critério

    Ter acesso fácil a crédito é sempre uma “mão na roda”, não é mesmo? Depende. Se não for bem planejado, o uso do crédito pode levar a uma dívida sem necessidade. E pior, a uma das dívidas mais caras, em função das altas taxas de juros.

    Isso significa então que você não pode utilizá-lo? Pelo contrário, você pode e deve utilizar o cartão de crédito quando precisar de dinheiro adicional ou ainda de pagamento parcelado. O cuidado está em não gastar mais do que deve (o que é, aliás, uma dica básica de qualquer planejamento financeiro).

    Portanto, crie alguns critérios para usar o cartão de crédito. Assim, você conseguirá ter mais visibilidade sobre o que está gastando e do quanto ainda tem de limite disponível, para quando precisar novamente.

    2 – Tenha cuidado com o cheque especial

    Falando em dívidas mais caras chegamos ao cheque especial, vilão do orçamento de muitas pessoas.

    Você sabia, por exemplo, que o cheque especial é dos dos maiores responsáveis, junto ao cartão de crédito, pelo alto índice de endividamento dos brasileiros? Os juros dessas duas modalidades de crédito pessoal tiveram aumento neste ano.

    Se tiver que utilizar o cheque especial, se atente ao prazo máximo para repor o dinheiro na conta-corrente. Esse prazo varia de banco a banco, no entanto, se você quer evitar dívidas mais caras, cubra novamente o seu saldo bancário dentro do prazo, para não pagar uma das taxas de juros mais altas do mercado.

    3 – Busque créditos alternativos

    Vai comprar algum eletrodoméstico? Consulte a loja sobre a opção de crediário próprio. Está pensando em financiar um veículo? Avalie outras opções de crédito que oferecem taxas de juros menores. Existem linhas de empréstimo com CET mais barato e que podem ajudar a pagar parte do valor, à vista.

    Pesquisando e comparando as opções disponíveis, você certamente irá encontrar o melhor tipo de crédito para determinado tipo de necessidade.

    Agora, se você não conseguiu fugir das dívidas mais caras e quer ajuda para regularizá-las aproveite para ler essas outras dicas.

    Como se livrar das dívidas e sair do vermelho?

    Para não entrar no superendividamento, é preciso administrar as suas dívidas. Isso quer dizer, controlar o que está em aberto, calcular os valores devidos e avaliar formas para quitá-las.

    Veja também, outras dicas que podem ajudar a se livrar das dívidas e do vermelho, mais rápido.

    1 – Troque as dívidas mais caras por uma mais barata

    Uma boa dica para economizar dinheiro, mesmo depois de já ter contratado qualquer linha de crédito, é migrar a dívida para um banco mais barato. Saiba mais sobre a Portabilidade de crédito e descubra como poupar dinheiro com seu empréstimo atual.

    Quando o banco compra a sua dívida, quita o saldo devedor na instituição anterior. Dessa forma, você pode trocar uma ou mais dívidas que são mais caras, por um novo empréstimo mais barato.

    Para ser uma opção vantajosa, no entanto, vale a pena comparar o CET do contrato atual e da nova proposta.

    2 – Renegocie suas dívidas

    Para o credor, é sempre melhor receber qualquer quantia do valor devido, do que nada. Essa é também uma boa oportunidade de conseguir condições especiais para quitação das dívidas mais caras.

    Renegociações ou até mesmo acordos podem ajudar a quitar as dívidas mais rápido. Mas antes de entrar em contato com os bancos ou instituições financeiras, priorize suas dívidas. É isso mesmo! As dívidas mais caras devem ser pagas antes.

    Lembre-se daquelas dívidas que também podem interromper o fornecimento de um serviço essencial, como energia elétrica ou água, por exemplo. Feito isso, avalie também quanto pode disponibilizar e faça sua proposta ao credor.

    3 – Crie uma reserva de emergência

    Ter uma reserva de emergência, pode evitar que você faça novas dívidas e recorra a créditos mais caros. Poupar não é fácil, mas é possível começar com pouco

    Como o próprio nome sugere, esse dinheiro extra deve ser utilizado em caso de uma emergência ou imprevistos financeiros.

    Outra recomendação é fazer a aplicação deste valor. Assim, seu dinheiro continuará rendendo até que você precise dele. Essa é uma boa tática também para que você não gaste, sem necessidade.

    Fugir das dívidas mais caras certamente irá ajudar a garantir o seu controle financeiro. Mas, se não teve como e você precisou recorrer a uma dessas opções, tente renegociá-las o quanto antes. Aprenda a defender seu dinheiro!

    Por Danielle Vieira | Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e, decidiu ajudar as pessoas através da educação financeira. Hoje faz isso atuando no marketing da bxblue, fintech acelerada pela Y Combinator e escrevendo em alguns portais.

    Convidados

    Portabilidade de crédito: descubra como poupar dinheiro com seu empréstimo atual

    12 de março de 2019

    Quem toma um empréstimo muitas vezes é porque necessita de dinheiro
    imediato ou tem alguma emergência.
    Diante dessa situação, nem sempre há tempo suficiente para pesquisar por
    todas as modalidades disponíveis ou de pesquisar em mais de uma instituição
    financeira, a fim de obter a melhor proposta de crédito.

    Geralmente, os consumidores procuram os bancos em que já tem
    relacionamento. Mas é preciso ficar atento, porque mesmo com condições
    exclusivas para quem é correntista, outro banco pode ter uma oferta mais
    vantajosa.

    Mas a boa notícia é que, mesmo com um empréstimo em andamento, ou
    seja, um contrato assinado com determinado banco, ainda é possível
    economizar dinheiro com o empréstimo atual.

    E mais do que isso: em alguns casos, ainda é possível ter dinheiro, sem a
    necessidade de fazer um novo empréstimo.
    Mas como? Trocando uma dívida mais cara, por uma mais barata.
    E como isso funciona na prática?

    O que é portabilidade de crédito?

    Através da portabilidade de crédito, os consumidores podem levar a dívida
    de um banco para o outro.
    Uma das vantagens, é claro, é pagar mais barato, economizando dinheiro ao
    pagar taxas de juros mais baratas.
    De forma simplificada, com taxas de juros menores, o Custo Efetivo Total (CET),
    que é o valor total pago por um empréstimo, por exemplo, é reduzido.
    Em outras palavras, isso significa que o tomador da dívida deixará de pagar ou
    de desembolsar a mais.

    Com a portabilidade, o banco compra a dívida atual e a quita antecipadamente
    junto ao banco emissor.
    A partir dessa quitação, o banco atual emite novo contrato para o titular da
    dívida. Nessa operação, ainda é possível refinanciar a dívida, ou seja, voltar o
    contrato para o seu prazo original e ainda obter um troco como crédito.

    Quais dívidas podem ser compradas pelos bancos?

    A portabilidade de crédito se aplica a toda linha de crédito pessoal.
    Exemplos: crédito imobiliário, empréstimo consignado, financiamentos de veículos.

    A exceção é para os contratos de leasing (em que o período de permanência no
    banco original é maior, em função do bem financiado ser tido como garantia no
    caso de inadimplência).

    Outro ponto importante é que, para fazer a portabilidade da dívida, é preciso
    ter, em média, de 20% a 30% do contrato atual pago.
    Para avaliar todas as condições disponíveis, é recomendado consultar o banco
    para o qual pretende transferir a dívida.

    A política de crédito de uma instituição para outra pode variar bastante. Isso
    inclui dizer que a taxa de juros assim como o CET também. Portanto, vale a pena
    pesquisar antes de fechar qualquer negócio ou de vender sua dívida para
    qualquer banco.

    Então, se você tem um contrato de empréstimo, independente do valor e do
    prazo para quitação e quer poupar dinheiro, a portabilidade de crédito pode ser
    uma alternativa.

    Deixe de pagar taxas de juros mais caras. Troque sua dívida mais cara por uma
    com juros mais baixos. Faça escolhas financeiras que podem ajudar a garantir o
    seu futuro!

    Por Danielle Vieira | Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e, decidiu ajudar as pessoas através da educação financeira. Hoje faz isso atuando no marketing da bxblue, fintech acelerada pela Y Combinator e escrevendo em alguns portais.

    bxblue

    Geral

    Como uma millenial pagou $68.600,00 de dívidas em 3 anos

    13 de junho de 2018

    Ela viveu um tempo sem nem lembrar que tinha uma dívida - e sofreu as consequências - Guen Garrido became debt free in March 2018 and celebrated by popping a large balloon filled with confetti
    Here’s how one millennial paid off $68,600 in just over 3 years

    Muitas pessoas já tiveram algum momento de muita dívida, no qual foi preciso tomar as rédeas da vida financeira para se reorganizar e não se afundar em dívidas. A jovem americana Guen Garrido passou por uma situação parecida, e conseguiu se superar. Ao ser entrevistada ao CNBC Make It, a jovem falou como quitou uma dívida de US$ 68.600, cerca de R$ 255 mil, em três anos e três meses.
    Depois de se formar em psicologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) em 2007, Guen Garrido tinha US$ 40 mil, cerca de R$ 148 mil, em dívidas estudantis. “Naquela época, era o que dava para fazer para conseguir terminar a faculdade“, explica.

    Ela considerou fazer uma faculdade menos reconhecida pelo preço, mas o fato de ter entrado na UCLA foi um grande passo, considerando que foi a primeira pessoa da minha família a ir para a faculdade. Então ela pensava: “Faça o que for preciso e quando tiver um emprego você paga a dívida”. Porém pagá-la não foi fácil quanto ela tinha imaginado.

    Ela era professora para crianças da pré-escola e ganhava apenas US$ 13 por hora, cerca de R$ 48, o que não era suficiente para pagar as contas. Então, deixou sua dívida em segundo plano. “Por um tempo, eu estava vivendo como se a minha dívida não estivesse lá. Parecia normal estar devendo muito dinheiro”, conta.

    E assim ela seguiu até 2013, quando alguns eventos da vida a fizeram enfrentar sua dívida. Depois de terminar um relacionamento de cinco anos, ela saiu do apartamento que dividia com o namorado e se viu “tendo que descobrir as coisas por conta própria”, diz. Mais tarde naquele mesmo ano, seu pai foi diagnosticado com câncer. “Essa notícia me derrubou. Foi quando percebi que não podia ajudar meu pai com o tratamento porque eu estava afundada em dívidas”, lamenta.

    Com o passar do tempo, aquela dívida da faculdade aumentou. Até o final de 2014, ela devia cerca de R$ 255 mil, graças a um financiamento de carro, alguns empréstimos pessoais e dívidas de cartão de crédito. Mas hoje ela estpa livre de dívidas.

    Como ela conseguiu a façanha?

    Buscou conhecimento

    A primeira coisa que a jovem fez foi começar a estudar sobre finanças pessoais com livros, podcasts, artigos e até vídeos no YouTube. Ela começou lendo um livro chamado “The Total Money Makeover” (Reformulação total do dinheiro), de Dave Ramsey, que a ajudou a elaborar seu plano para sair do vermelho. Mas seu recurso favorito era o YouTube. “Todo dia eu selecionava vídeos para ouvir discursos motivacionais sobre dinheiro ou qualquer coisa sobre investimentos, empréstimos e crédito”, diz. Começou a pagar a dívida no início de 2015.

    Durante os estudos ela aprendeu sobre o refinanciamento de empréstimos estudantis, uma estratégia que podia ajudá-la no momento. Ela refinanciou US$ 20 mil da sua dívida estudantil com uma empresa online de finanças pessoais especializada na modalidade, que permite diminuição de juros de uma dívida. Com isso, ela conseguiu reduzir a taxa de juros de 10% para 6%.

    Elaborou um plano

    Depois de ler o livro de Ramsey, a jovem passou a adotar o “método da bola de neve” para pagar tudo. Com essa estratégia, você prioriza seus menores débitos, independentemente da taxa de juros. Para Garrido, isso significava começar com US$ 50, cerca de R$ 180, que ela devia a loja de departamentos americana Target.

    A ideia é que ao pagar as contas mais baratas, você seja estimulado pela sensação de ver as dívidas desaparecerem. É como se estivesse rachando a bola de neve em pequenos pedaços para que aos poucos o impacto dela diminua, e isso vai ajudá-lo a ficar animado com o processo. E assim seguiu, depois de pagar as dívidas dos cartões de crédito, ela focou nos empréstimos pessoais e, finalmente, ela enfrentou sua maior dívida: o empréstimo estudantil pagando o quanto podia por mês.

    Ela definiu uma meta e acompanhou seu progresso

    Uma parte fundamental do plano de Garrido era estabelecer uma data final como meta para acabar com seus débitos. “Eu acho que muitas pessoas pensam que nunca serão livres de dívidas, então nem tentam sair. Mas depois que você define algumas metas para pagar, você começa a pensar: ‘Ok, eu posso fazer isso'”, explica.

    Para acompanhar seu progresso, ela criou uma planilha do Excel que não apenas permitia que ela registrasse suas receitas e despesas, mas também dizia como sua data prevista mudaria se aumentasse seus pagamentos de dívidas em um determinado valor a cada mês. “Isso me motivou a encontrar maneiras de vencer essa data”, acrescenta Garrido, que acabou pagando sua dívida nove meses antes do previsto.

    Ela acumulou uma renda extra

    Em 2015, Garrido já tinha deixado o trabalho como professora e começou uma nova fase em um emprego como analista de dados em uma universidade online e passou a ganhar mais que antes. Mas ainda não era uma renda suficiente, então ela começou a trabalhar com aplicativos de compartilhamento de caronas como o Uber.

    “Eu fiz isso praticamente cinco noites por semana. Depois que eu saía do trabalho, eu me dava um tempo para relaxar em casa e então pegava o carro e ia fazer algumas horas de Uber – inclusive cheguei a trabalhar nos fins de semana”, conta.

    Ela trabalhou com os apps de carona o ano de 2015 inteiro e conseguiu acumular US$ 10 mil na época, cerca de R$ 37 mil. Essa quantia foi direcionada quase completamente para a dívida. “Não tenha vergonha se você tiver que fazer um trabalho paralelo. Eu tive esse sentimento em um certo momento, mas valeu a pena”, comenta.

    Além disso, qualquer outra quantia que entrava em sua conta, ela usava para abater a dívida. “Eu não melhorei meu estilo de vida. Se eu tivesse um dinheiro para comprar algo de Natal, eu usava para pagar a dívida. E os impostos também – a restituição sempre ia direto para o que eu estava devendo”.

    Limitou seus gastos a US$ 300

    Além de gerar mais renda, Garrido diminuiu nos gastos. Ela começou diminuindo os preços em certos custos fixos. “Liguei para minha companhia de seguros de automóveis e negociei. Olhei para minha conta de telefone e descobri que estava em um plano antigo que custava mais do que o atual. Percebi que você precisa se atualizar sobre essas coisas e ver se há algo novo que possa lhe poupar dinheiro”, conta. Dessa maneira, ela foi reduzindo custos fixos onde viu que era possível.

    Em seguida, ela focou em reduzir as despesas do dia a dia. “Eu defini que só tinha US$ 300 por mês para fazer tudo tirando os custos fixos. Mercado, gás, sair para comer e entretenimento”, conta Garrido. Para garantir que ficasse dentro de seu orçamento, ela abriu uma conta bancária separada com apenas um cartão de débito e transferia US$ 300 para essa conta. Uma vez que ela passasse desse valor, ela não podia gastar mais até que seu próximo salário caísse.

    Enquanto Garrido estava gastando significativamente menos do que estava acostumada, não sentia que estava passando por dificuldades. Pelo contrário, via sua situação de gastar o limite que se impôs como quisesse. “Eu enxergava como espécie de dieta, que você poderia comer o que bem entendesse com uma certa quantidade de calorias”.

    Sua disciplina valeu a pena. Ao longo dos três anos e três meses, ela pagou uma média de US$ 1.800, cerca de R$ 6.600, por mês da dívida. Seu menor pagamento mensal foi de US$ 859, cerca de R$ 3.170, e o maior foi de US$ 3.418, cerca de R$ 12.600. “Esse valor mais alto foi no fim do ano, quando recebi um bônus da empresa. Usei o dinheiro e quase todo meu salário para pagar mais uma parte da dívida”, explica.

    A última parcela foi paga em março deste ano e, claro, ela fez questão de comemorar. Tirou o dia de folga do trabalho, fez uma massagem e depois comprou uma balão preto gigante e encheu de confete verde. Ela pintou a palavra “dívida” em prata e estourou o balão para festejar o fim desse ciclo difícil.

    Hoje, aos 32 anos, ela continua trabalhando como analista de dados e está oficialmente livre de dívidas, mas seus hábitos de consumo não mudaram muito. “Agora, eu me dou US $ 350 por salário para gastar”, diz ela.

    O dinheiro que era direcionado para sua dívida agora está focado em diferentes metas de poupança. Hoje, suas prioridades são: construir um fundo de emergência de US$ 10 mil e economizar para seu próximo casamento. Além disso, já pensa em metas de longo prazo, como comprar uma casa e economizar para a aposentadoria. “Mesmo que eu esteja livre da dívida, ainda há muito para se trabalhar”, diz Garrido.

    Leia também:

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    Até mais.

    Geral

    Proteste: Os melhores cartões para acumular milhas

    26 de janeiro de 2018

    Levantamento da Proteste mostra quais cartões de crédito ligados a programas de milhagem permitem que o usuário acumule mais milhas

    Os melhores cartões de crédito para acumular milhas

    Levantamento da associação de consumidores Proteste para a EXAME mostra quais são os melhores cartões de crédito para acumular milhas. As informações são baseadas nos dados da calculadora de milhas, disponível no site da associação.

    A pesquisa incluiu somente os chamados cartões co-branded, como o TAM Itaucard, Smiles Banco do Brasil, entre outros. Esses cartões são criados por meio de uma parceria entre os programas de milhagem com os bancos. Nestes plásticos, todas as compras são convertidas automaticamente em milhas na empresa parceira. Os cartões de crédito tradicionais foram listados em outra matéria.

    O sistema de milhas é uma métrica usada pelos programas de fidelidade de companhias aéreas que equivale à distância percorrida entre duas cidades. Ou seja, se o número de milhas for suficiente para completá-la, o cliente pode resgatar uma passagem aérea para este trecho.

    Lançado na semana passada, o cartão TudoAzul Itaucard 2.0 Platinum Mastercard/Visa aparece no topo da lista ao permitir o acúmulo de 2,6 pontos por dólar gasto, no qual a pontuação só é válida se a compra de passagens aéreas for feita na Azul. Caso compras comuns sejam feitas no cartão, a pontuação cai para 2,2 milhas a cada dólar gasto.

    Em segundo lugar do ranking, fica o Multiplus Itaucard 2.0 Mastercard Black, que permite o acúmulo de até 2,5 pontos.

    A anuidade cobrada no TudoAzul Itaucard 2.0 Platinum Mastercard/Visa é 534 reais e a renda mínima exigida é de 5 mil reais. No Multiplus Itaucard 2.0 Mastercard Black, a anuidade cobrada é de 1.200 reais e a renda mínima exigida é de 15 mil reais.

    Apesar de o Smiles Visa permitir o acúmulo de até 2,5 pontos por dólar gasto, essa pontuação máxima não foi incluída no ranking porque é destinada apenas aos usuários que fazem parte do clube Smiles. Ou seja: pagam um valor adicional para ter acesso a uma maior pontuação. Como essa característica dificulta a comparação com os outros cartões que não cobram essa bonificação, foi considerada apenas a pontuação válida para clientes que não participam do clube.

    A pesquisa da Proteste considerou 36 cartões co-branded (com duas marcas atreladas ao cartão), mas como três cartões TudoAzul Itaucard pontuam de duas formas diferentes (na compra de passagens aéreas da Azul e em compras comuns), cada um foi listado duas vezes na pesquisa totalizando 36 cartões.

    Na tabela a seguir estão quais são os cartões que garantem as maiores pontuações, de acordo com o levantamento da Proteste:

    tabela proteste de cartões de crédito para acumular milhas

    Vantagens e desvantagens

    A vantagem dos cartões co-branded em relação aos cartões tradicionais oferecidos pelos bancos é que, como as compras feitas no cartão são convertidas automaticamente em milhas, não é necessário seguir regras estipuladas pelo banco para transferir a pontuação para os programas das companhias aéreas e nem esperar alguns dias até que as milhas possam ser utilizadas.

    Entre as desvantagens dos plásticos, está o valor da anuidade, maior do que a dos cartões tradicionais.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/os-melhores-cartoes-para-acumular-milhas-segundo-a-proteste-2

    Outro ponto negativo é que o usuário é obrigado a pontuar em apenas um programa de milhagem, o que o deixa refém das promoções e preços praticados pela empresa. Por conta disso, esses cartões costumam ter uma taxa de conversão de pontos para milhas maior do que os plásticos tradicionais para atrair usuários.

    Além da taxa de conversão, os cartões podem ter formas de acelerar o acúmulo de pontos no programa de milhagens ao qual estão relacionados, bem como descontos na compra de pontos do programa.

    Renata Pedro, coordenadora do estudo da Proteste aponta que os cartões co-branded valem a pena se o usuário já costuma viajar pela empresa e consegue afirmar que há um bom custo-benefício nos preços praticados pela companhia aérea.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como escolher o melhor crédito para si

    1 de junho de 2017

    Esta pergunta é uma das coisas que você se deve fazer quando pensa realmente em recorrer a qualquer tipo de crédito ou empréstimo, quer seja ele pessoal, pelo cartão, para uma viagem, o que seja…

    Isto porque você vai estar a gastar dinheiro que não é seu e isso tem um preço, o qual por vezes pode ser bem maior do que você esperava apenas porque não fez bem as contas ou não fez as contas de todo.

    E é por esses e outros motivos que agora lhe vamos explicar como escolher o melhor crédito para si e para a sua carteira.

    Pronto? Vamos lá ver isso então.

    Como escolher o melhor crédito para si

     

    Precisa Mesmo de um Crédito?

    Antes de tudo, você deve saber esta resposta.

    Por vezes um empréstimo é apenas a maneira mais “fácil” e rápida de ter dinheiro e você acaba caindo no erro e fazer algo que nem precisava.

    É preferível você ficar com pouco dinheiro, mas conseguir gastar naquilo que quer ou precisa sem recorrer a dinheiro emprestado porque esse dinheiro vai ser mais caro.

    Pense se não pode fazer algum tipo de poupança, arrumar uma grana extra em algum lugar e caso todas as hipóteses não tenham resultado, aí sim pense no crédito.

    Tenha Atenção á TAEG Cobrada

    Essencialmente, este é o custo anual do seu crédito, o qual engloba várias coisas tais como:

    • Custos do crédito
    • Juros
    • Comissões
    • Impostos
    • Seguros
    • Comissões

    Veja quais são as taxas de TAEG cobradas por cada instituição e então tome a melhor decisão para a sua carteira de forma a não ficar com um crédito demasiado caro.

    [DICA]

    Cartões de crédito normalmente sempre ficam mais caros, pode tomar de exemplo o cartão Losango, sendo que as taxas de TAEG podem chegar até aos 20% em alguns deles, enquanto se fizer por um banco, como no Itaú, ai já só lhe seria cobrado uns 4%.

    A rapidez e facilidade paga-se. Quando você é alguém que dá poucas garantias e quer o dinheiro para amanhã, as taxas a pagar ficam bem altas.

    Faça Sempre Simulações

    Apesar do Banco X poder estar a anunciar que faz créditos com x taxa de TAEG não quer dizer que seja a que lhe vai ser cobrada.

    Na grande maioria dos casos estas taxas são analisadas caso a caso e irão depender do valor que você pedir, do tempo que irá parcelar, das suas condições financeiras, se está empregado, etc…

    É por isso que lhe dizemos para fazer simulações. Estas sim são gratuitas e podem acabar por lhe fazer poupar centenas ou mesmo milhares de reais em taxas no final do seu empréstimo.

    E então, já ficou a saber como escolher o melhor crédito para si ou até se precisa mesmo de um?

    Deixe a resposta nos comentários junto com alguma dúvida ou sugestão com que tenha ficado após ler o artigo.

    Convidados

    Empréstimos em Bancos ou Online? Saiba as diferenças

    2 de maio de 2017

    Hoje o Brasil ainda vive uma crise muito grande, nunca houve um percentual tão grande de empresas fechadas graças a nossa economia atual, somente em 2015 foram 1,8 milhões de empresas fechadas, de todos os tipos e setores.

    Milhões de brasileiros ficaram sem empregos e sem renda fixa, alguns ainda tentam sobreviver matando um leão por dia, mas sobrevivendo. Outros recorrem a empréstimos em cima de empréstimos para sobreviver, muitos nem sequer olham para a taxa de juros ou fazem algum estudo para o pagamento destes empréstimos, e acabam indo a falência, cedo ou tarde.

    E como todos sabem, junto da tecnologia dos últimos anos, vieram novas maneiras de se fazer empréstimos sem tanta burocracia ou com juros competitivos, estou aqui para mostrar as principais diferenças entre fazer um empréstimo em um banco convencional e em uma empresa de empréstimos totalmente online.

    Empréstimo Online é Seguro?

    Essa é a maior dúvida de todos, onde muitos evitam acionar empréstimos online pelo fato de não conhecerem tão bem este tipo de serviço. Mas se pesquisado cuidadosamente, poderemos ver que existem muitas empresas confiáveis que fazem empréstimos online. Se a empresa está vinculada a alguma matéria de imprensa confiável e tem seus dados como CNPJ em dia no Banco Central, não há motivos para desconfiança.

    Quais as Vantagens do Empréstimo Pessoal Online?

    Como empresas de empréstimo online não possuem agências ou muitos estabelecimentos físicos, o custo da operação cai, e muito, e essa é a maior vantagem que uma empresa online pode lhe oferecer, uma grande diferença nos juros. Além de toda praticidade e agilidade na hora de fazer um empréstimo.

    Comparação de Juros em Bancos e Online

    Neste site confiro os empréstimos online (que você poderá ver abaixo):

    Empresa Juros
    Lendico 2,40%
    Creditas 1,99%
    Meu Crédito 4%
    Trigg 1,77%
    FinanZero 9,90%

    Fonte: CoolFinance

    Empresa Juros
    Banco do Brasil 5,85%
    Bradesco 6,67%
    Caixa Econômica 6%
    Itaú 6,43%
    Safra 5,90%

    Fonte: ProconSP

    Comparando as tabelas, fica claro a diferença de no valor dos juros a serem pagos mensalmente.

    Imagine que eu preciso de um empréstimo de R$ 10.000. Se eu fizesse empréstimo pelo Banco do Brasil ao final de 12 meses pagaria por mês R$ 7.020 somente de juros, aproximadamente 70% a mais do que peguei emprestado. Se eu fizesse a mesma coisa pelo Lendico o valor total de juros ao longo de 12 meses seria de R$ 2.880. Deu para notar a diferença.

    Agora só cabe a você se planejar corretamente e ver quanto o seu bolso consegue pagar e em quanto tempo. Não esqueça: quanto mais rápido fizer o pagamento total, menor o valor ficará.

    empréstimos

    Convidados

    Como realizar a consulta do CPF pelo nome para liberação de crédito?

    22 de março de 2017

    O CPF é o documento mais importante e mais utilizado pelos cidadãos brasileiros, em todo e qualquer cadastro e transação financeira é necessário a utilização de seu número e sua apresentação.

    Por inúmeros motivos pessoas tentam pesquisar o CPF de alguém somente pelo nome e sobrenome, mas será que mesmo com toda a tecnologia que temos em nossas mãos isso é possível?

    consulta-cpf

    O cadastro de pessoas físicas (CPF ou CPF-MF) é o registro mantido pela Receita Federal do Brasil no qual podem se inscrever, uma única vez, quaisquer pessoas naturais, independentemente de idade ou nacionalidade, inclusive falecidas. Cada inscrito é unicamente identificado por um número de inscrição no CPF de 11 dígitos decimais. Esses números jamais mudam senão por decisão judicial ou administrativa.

    Na verdade, é quase impossível consultar CPF apenas, portando um nome e sobrenome, já que o Brasil possui infinitos nomes idênticos e o que os diferenciam é justamente o número do Cadastro de Pessoa Física.

    Mas isso é possível se você for uma pessoa jurídica, dono de uma empresa e portador de um CNPJ, ou possuir uma solicitação judicial, pois apenas para a finalidade de cobrança, investigação e análise de crédito a consulta do CPF pelo nome é liberado. Em caso de solicitação judicial o juiz precisa liberar, após a liberação uma única pessoa poderá ir até uma unidade de atendimento da Receita Federal com o documento de representação para conseguir obter o número.

    Toda essa burocracia ocorre por conta das pessoas más intencionadas e da importância do CPF, com o número de um Cadastro de Pessoa Física muitas pessoas comentem crimes e fraudes.

    Existem vários sites que disponibilizam esse tipo de serviço para pessoas jurídicas, mas todos são pagos. Fuja dos sites que prometem descobrir o CPF somente com o nome da pessoa, pois isso é uma grande mentira e eles provavelmente só estão tentando roubar seu dinheiro ou algum dado pessoal.

    Já para quem deseja consultar os dados de uma pessoa com seu número de CPF é possível, no próprio site da Receita Federal gratuitamente.

    Digitando os dois dados requeridos (CPF e código de verificação), basta clicar em consultar e outra tela irá aparecer. Nela constará o comprovante de situação cadastral do CPF, com o número do documento, nome da pessoa, situação cadastral (regular ou irregular) além do digito verificador e outras informações. Essa consulta também pode ser feita pelo telefone, basta ligar para a Receita Federal no número 146 e tirar todas as suas dúvidas.

    Outra dica importante é cuidar do próprio CPF, não colocar seu número em sites suspeitos, passar o número para desconhecidos e emprestar o documento para terceiros. Em caso de perda ou roubo, é necessário registrar um Boletim de Ocorrência imediatamente, nesse caso é importante registrar também no banco de dados do Serasa.

    Convidados

    Fintechs: a revolução dos empréstimos no Brasil

    3 de março de 2017

    Fintech é um termo originário da junção de finanças com tecnologia. Sendo assim, fintech passou a ser toda empresa que oferece serviços financeiros que se diferenciam pelas facilidades oferecidas pela tecnologia através da internet.

    São startups que criam inovações na área, oferecendo opções de conta corrente, cartões de débito e crédito, empréstimos pessoais e corporativos, pagamentos, investimentos, seguros, entre outros. As fintechs transformaram-se é uma forma mais rápida, barata e transparente de lidar com o dinheiro.

    Se nos basearmos especificamente no caso da obtenção de crédito online, perceberemos que existem alguns diferenciais em relação ao mesmo serviço oferecido pelas instituições bancárias tradicionais. E esse será o assunto a ser discutido a seguir.

    Fintechs: a revolução dos empréstimos no Brasil

    Fintechs: a diferença de crédito online em relação aos bancos

    Com base nas fintechs, podemos destacar a praticidade e a agilidade de se conseguir um crédito sem nem precisar sair de casa, utilizando apenas seu computador. Essa facilidade de resolver essa questão pode vir acompanhada ainda de juros mais baixos.

    Parece bom demais para ser verdade? Pois saibam que a evolução do mercado, ditada pela internet, tem se desenhado totalmente a nosso favor. E vem colocando os tradicionais bancos em uma situação de necessidade de mudança para acompanharem esse novo cenário.

    Vejamos alguns exemplos mais comuns do crédito online:

    Cartão de crédito

    Hoje já podemos solicitar um cartão de crédito online sem estarmos ligados a banco algum. É o caso do Nubank, a fintech brasileira de maior sucesso do momento. Você pode solicitar um cartão de crédito Nubank e escolher o limite que gostaria de possuir. E sem cobrança de anuidade ou tarifas.

    Todo o processo de solicitação é feito pelo seu smartphone. Depois de aprovado, você receberá seu cartão em casa e acompanhará toda sua movimentação através de um aplicativo. Assim que um compra for efetuada, o aplicativo te avisará o valor e o local onde o cartão foi utilizado. O cliente poderá acompanhar toda fatura a qualquer momento.

    O aplicativo te avisará quando deverá pagar a fatura, assim como os valores já programados para as seguintes. O Nubank te enviará, ainda, um email com o extrato e o boleto da fatura a vencer. Quer mais? A taxa de juros cobrada está abaixo do mercado.

    O Nubank tem seu lucro através de uma taxa chamada interchange. A cada compra realizada com o cartão, de bandeira Mastercard, o lojista paga uma taxa de cerca de 5%. Parte dessa taxa é revertida ao Nubank. Sem contar que a empresa possui uma estrutura enxuta e mais barata.

    Empréstimo Pessoal

    Após a chegada das fintechs, solicitar um empréstimo pessoal através da internet virou realidade. Todo o processo, que inclui simulação, análise de crédito e a assinatura do contrato, podem ser feitos online e com respostas na hora. E sem a necessidade de ter algo para colocar em garantia.

    Além da economia de tempo, de não precisar conversar com o gerente de um banco e sem a necessidade de assinar toda aquela papelada, os juros de sites de empréstimo online costumam oferecer ainda taxas de juros mais baixas que das instituições bancárias.

    Sites como o Geru, Lendico e JustBank oferecem juros baixos, mas não aceitam negativados. Já o Simplic e o Moneyman aceitam negativados, mas possuem juros altos e costumam emprestar pequenos valores.

    Empresas como a Juros Baixos, por exemplo, atuam como comparadores de empréstimos, auxiliando na missão de achar o empréstimos mais barato entre as fintechs de crédito online e os bancos.

    Empréstimo para autônomo

    As fintechs chegaram para ajudar também os autônomos que tem dificuldade de conseguir um empréstimo bancário. Elas conectam pessoas físicas dispostas a emprestarem valores para terceiros em troca de pagamento com juros em um modelo conhecido como peer-to-peer (de igual para igual).

    As taxas de juros costumam ser mais baixas pela menor presença de intermediários. A startup Biva foi uma das primeiras a oferecer essa alternativa no Brasil. A Nexoos é outra plataforma desse segmento.

    Como a Biva não é um banco, todas as transações são realizadas através de instituições financeiras parceiras, entre elas a Sorocred, autorizadas pelo Banco Central a realizar esse tipo de atividade.

    O empreendedor costuma pagar taxas mensais de 1,5% a 4% com a possibilidade de pagar em até 24 meses o empréstimo (de R$2 mil a R$50 mil). E os investidores tem retorno de até 25% ao ano. E a taxa de inadimplência é menor também. Mais um ponto positivo para os investidores.

    Cuidado com os golpes

    Golpes também existem nesse ramo. Empresas que solicitam depósitos adiantados, taxas de cartório ou qualquer outra taxa adiantada estão aplicando um golpe. Esse expediente contradiz com a proposta das fintechs de que o cliente nunca vai pagar algo adiantado.

    Outro cuidado é não dar suas informações pessoais para empresas fraudulentas. Não aceite ofertas de empréstimo de sites falsos. Há cibercriminosos atrás destas informações para futuros golpes financeiros.

    A dica é pesquisar bastante antes de fechar um contrato. Verifique se o endereço do site é real, se a empresa possui um CNPJ válido e se ela está vinculada a algum banco no Banco Central. Pesquise, também, sua reputação em sites especializados.

    Além disso, não se esqueça de comparar as taxas de juros antes de pegar um empréstimo.

    Caso você já tenha utilizado algum desses serviços, deixe aqui seus comentários contando sobre os resultados obtidos. Você ficou satisfeito com o serviço de alguma fintech?

    Geral

    FGTS inativo: saiba como consultar seu saldo de 4 formas

    9 de fevereiro de 2017

    sacar-fgts-inativo

    Perguntas e respostas sobre o saque do FGTS inativo

    Há rumores no mercado que os saques de contas inativas do FGTS poderão ser realizados a partir do dia 10 de março, em calendário a ser divulgado provavelmente no dia 14 de fevereiro. Provavelmente a ordem de saque seja relacionada à data de aniversário do contribuinte, embora a CEF afirme ainda estar discutindo o formato da fila.

    Para que você possa consultar o saldo disponível em uma conta inativa, isto é, com afastamento até 31 de dezembro de 2015, a instituição disponibiliza 4 formas: site, aplicativo, internet banking e agências físicas. Veja abaixo como obter acesso a cada um deles:

    1) Site
    Munido de número do PIS e de uma senha para o site da Caixa, o beneficiário deve entrar neste endereço http://www.caixa.gov.br/beneficios-trabalhador/fgts/Paginas/default.aspx e consultar o saldo. O número está disponível na carteira de trabalho. Caso não tenha cadastro, é necessário criar um no menu cadastrar senha do mesmo endereço eletrônico.

    2) Aplicativo FGTS
    O app FGTS Trabalhador permite a consulta do saldo, atualização de endereço e localização de pontos de atendimento próximos pelo celular.

    Caso queira usar esse formato de consulta, o trabalhador deve baixar o aplicativo na Google Play Store ou na Apple Store e inserir o número do PIS.

    3) Internet Banking
    Clientes Caixa podem acessar o saldo também pelo Internet Banking. Basta acessá-lo com a senha bancária de internet, acessar a opção Serviço ao Cidadão e verificar o extrato.

    4) Agência Caixa
    Também é possível buscar uma agência do banco através do site http://www.caixa.gov.br/atendimento/Paginas/default.aspx#encontre e comparecer pessoalmente, com o NIS, para consultar o saldo disponível.
    fonte de consulta: infomoney.com.br/minhas-financas/credito/noticia/6112328/saque-fgts-inativo-saiba-como-consultar-seu-saldo-formas

    Até mais.