‘Investimentos’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 9

Browsing Tag: investimentos

    Geral

    Investir em Petrobrás, sim ou não?

    3 de março de 2013

    É bom ou ruim investir em Petrobrás? Você tem paciência para investir neste tipo de empresa?
    Há meses que a empresa tem estado muito na mídia devido a queda vertiginosa em suas cotações, por conseguinte queda no seu valor de mercado.
    Segue abaixo alguns motivos para investir na empresa confrontado com motivos para não investir.

    Motivos para investir na Petrobrás:

    • As ações estão muitos desvalorizadas, níveis de preço similares a 2008 quando ocorreu o crash das bolsas, crise subprime EUA com consequências mundiais;
    • A empresa é líder do setor no Brasil e América Latina. Uma das maiores empresas do mundo. Líder em exploração de petróleo e gás em águas profundas;
    • O pré-sal está dando certo. A produção está sempre aumentando. Mesmo em águas mais profundas a Petrobrás deve vencer estes desafios, pois já venceu desafios na exploração de petróleo no mar no passado quando ninguém acreditava que seria capaz;
    • A nova administração é mais capaz e transparente. Está sendo feito uma revisão de todos contratos da empresa;
    • A empresa conseguirá manter o seu endividamento em níveis aceitáveis para não perder o rating das agências de classificação de risco, e com isto continuar captando dinheiro a custo baixo;
    • Investir em empresas de exploração de petróleo e gás é sempre um bom negócio
      Citando o Carlos Alberto Sardenberg fazendo uma paródia ao Nelson Rockfeller:
      “O melhor negócio do mundo é uma petrolífera bem administrada; o segundo melhor, uma petrolífera mal administrada e o terceiro melhor, é a Petrobrás.”
      Confira esta reportagem que foi ao ar anos atrás no Programa do Jô no link abaixo:
      http://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?p=1181567#1181567;
    • Após as últimas quedas das ações os fundamentos da empresa ficaram mais atraentes do que nunca, seus múltiplos estão sedutores;
    • Ela tem toda a força do governo a seu favor, o qual é principal acionista e maior interessado que empresa dê certo, lucros e ajude no crescimento do país como um todo;
    • A aumento da mistura do etanol na gasolina ajudará a Petrobrás a importar menos gasolina, com isto terá menos prejuízos com importação de gasolina. Impostos do etanol serão reduzidos pelo governo.

    Motivos para não investir na Petrobrás:

    • As ações estão muitos desvalorizadas, mas nada impede que caiam mais ainda. A tendência é de queda nas cotações. A crise econômica global ainda não foi dissipada, o que pode prejudicar ainda mais o consumo de petróleo, gás e derivados;
    • A empresa é líder do setor no Brasil e América Latina, mas não garante que a situação financeira e na bolsa de valores melhorarão;
    • O câmbio alto prejudica o caixa da empresa ao ter que importar gasolina para suprir demanda interna, por não ter ainda refinarias suficientes em território nacional. A empresa não pode repassar integralmente preços internacionais ao mercado interno, devido ao controle público dos preços;
    • O potencial do pré-sal pode ser menor que o estimado. A Petrobrás ainda não tem o domínio para explorar o petróleo e gás em águas mais profundas, por exemplo, 7.000 metros de profundidade. Riscos ambientais e controle de acidentes nestas profundidades são um desafio a parte;
    • A nova administração pode ser mais capaz e transparente, mas ainda não foi refletido na confiança que o mercado possa ter na empresa, inclusive o excesso de transparência pode ser prejudicial;
    • Ainda é uma incógnita se a empresa conseguirá manter o seu endividamento em níveis aceitáveis para não perder o rating das agências de classificação de risco. A Petrobrás captou muito dinheiro no IPO de 2010 e grande parte do dinheiro não foi para o caixa da empresa, e sim para o governo, a troco de pagar antecipado o petróleo a ser explorado no pré-sal, mesmo sem garantia que isto será possível;
    • Investir em empresas de exploração de petróleo e gás não é certeza de ser sempre um bom negócio. Basta ver exemplos no Brasil, como OGX, HRT, Queiroz Galvão Exploração e Petróleo, etc…
    • Após as últimas quedas das ações os fundamentos da empresa ainda não estão atraentes;
    • O risco governo e todo seu intervencionismo continua afugentando investidores deste “case”, podem de uma hora para outra mudar o interesse para outro setor como ocorreu com o biodiesel após a descobeta do pré-sal.
    • O governo pode prejudicar a Petrobrás com esta pressa toda de por a operação de xisto para funcionar (principalmente para tocar termelétrica no centro-oeste do Brasil). Se obrigar a empresa investir forte em duas frentes, pré-sal e xisto, poderia prejudicar o caixa da empresa.

    Motivos a favor e contra o investimento em ações da Petrobrás, assim como em outras empresas, não faltam.
    Aqui foram expostos alguns motivos conflitantes entre si para se pensar a respeito do assunto.
    A decisão final de investir ou não, será sempre sua.

    Leia também:

    Até o próximo post.

    Frases

    Frases e pensamentos – parte 2

    24 de fevereiro de 2013

    Vamos para a parte 2 desta de série de posts onde compartilharmos frases e pensamentos do mercado financeiro.

    1. Se o jogo se resumisse e estudar história, as pessoas mais ricas seriam os bibliotecários.
      Warren Buffett

    2. Quanto mais maníaco-depressivo for o comportamento do mercado, melhor para o investidor.
      Warren Buffett

    3. Wall Street ganha seu dinheiro com a atividade. Você ganha seu dinheiro com a inatividade.
      Warren Buffett

    4. Você deve investir seu dinheiro numa empresa que até um idiota consiga administrar, porque um dia um idiota o fará.
      Warren Buffett

    5. A ação não sabe que você é seu dono.
      Warren Buffett

    Até o próximo post.

    Geral

    Por que os especuladores devem ser respeitados?

    22 de fevereiro de 2013

    As pessoas devem respeitar os especuladores no mercado financeiro, pois eles correm muito mais riscos, principalmente no curto e curtíssimo prazo, em busca de maiores ganhos, e dão liquidez ao sistema para que os investidores possam entrar e sair do mercado quando quiserem. Ao se exporem mais ao risco, eles podem ficar ricos mais rápido, mas também podem falir de uma hora para outra.
    O ato de ficar atacando os especuladores por que não quer adaptar-se às regras do jogo parece ser conversa fiada para boi (bull) , urso (bear) e indecisos dormirem. Touro (bull) significa perfil comprador, e urso (bear) perfil vendedor, gíria do mercado financeiro mundial.

    Se os especuladores vendem a descoberto é por que o sistema permite, está dentro das regras do mercado. Com a venda a descoberto os movimentos de queda e alta são bem mais intensos. Quando o mercado muda de direção, os bears tem que saírem correndo atrás dos prejuízo fechando posição rapidamente, para evitar maiores prejuízos. E para isto acabam tendo que fazer compras a preço de mercado para fechar posição.

    Os investidores que adoram atacar os especuladores, até pior, mesmo os leigos, aqueles sem opinião própria sobre um assunto, os famosos “maria-vai-com-as-outras”, se esquecem que eles também são especuladores.
    E o por quê disto? Oras, todo mundo que se prepara para algo, seja um investimento, um trabalho, um curso, um planejamento, etc., está contando que no final do período planejado aquilo irá dar certo, errado ou ficará tudo como estava antes.
    Todo mundo especula o tempo todo. Afinal de contas, quando alguém sai de casa em direção à escola ou ao trabalho, ele não está especulando que vai chegar lá são e salvo, e volta também se dará da mesma forma? E ainda alguns não se preparam para possíveis imprevistos nestas atividades corriqueiras?

    Para quem não sabe o significado da palavra especulação, leia abaixo:
    s.f. Ação ou efeito de especular.
    Análise ou pesquisa teórica sem fundamentos empíricos; que se baseia, geralmente, no raciocínio abstrato.
    Economia. Transação de teor financeiro em que os lucros estão subordinados à variabilidade ou instabilidade do mercado: especulação do real.
    Pressuposição acerca de alguma coisa, sem comprovação.
    (Etm. do latim: speculatio.onis)

    Fonte: http://www.dicio.com.br/especulacao

    As pessoas podem vender e comprar aquilo que bem entender, aquilo que estiver de acordo com a estratégia delas e não o que recomendaram-na comprar ou vender.
    O investidor tem que pensar, agir e tomar decisões por conta própria, e claro, saber que é o único e exclusivo responsável pelo seu próprio sucesso ou fracasso financeiro e pessoal.
    Para um especulador tanto faz vender ou comprar bluechips, midcaps, smallcaps, “micocap”, mercado futuro, commodities ou qualquer outro tipo de ativo ou mercado. Se os ativos estiverem dentro da sua estratégia e do seu controle de risco, está tudo certo.
    Quem não entendeu algum termo técnico, consulte: Terminologia do mercado.

    Dado isto, é bom você refletir e pensar um pouco mais da próxima que for “meter o pau” nos especuladores, afinal de contas, você também é um deles, a única coisa que muda são os tipos de especulações que cada um faz na vida.

    Até o próximo post.

    Frases

    Frases e pensamentos – parte 1

    20 de fevereiro de 2013

    Iniciando uma série de posts para compartilharmos frases e pensamentos do mercado financeiro.

    1. O sucesso nos investimentos não tem correlação com o QI, desde que seu seja maior que 125. Se tiver uma inteligência mediana, o que precisa é de disciplina para controlar os impulsos que fazem com que as outras pessoas tenham problemas nos investimentos.
      Warren Buffett

    2. Não precisamos ser mais espertos que os outros; precisamos ser mais disciplinados do que os outros.
      Warren Buffett

    3. Tenha medo quando os outros são gananciosos e seja ganancioso enquanto os outros estão com medo.
      Warren Buffett

    4. Você deve investir seu dinheiro numa empresa que até um idiota consiga administrar, porque um dia um idiota o fará.
      Warren Buffett

    5. Por maior que seja o talento ou esforço, algumas coisas exigem tempo: não dá para produzir um bebê em um mês engravidando nove mulheres.
      Warren Buffett

    Até o próximo post.

    Geral

    A Vale é muito melhor que a Petrobrás?

    12 de fevereiro de 2013

    O que vemos muito no mercado, já virou até clichê, é a frase pronta “A Vale é muito melhor que a Petrobrás”, ponto final e acabou. E isto será mesmo verdade?

    Muito do que alegam é que a Vale tem uma distriibuição de dividendos mair do que Petrobrás, ou seja, gera mais valor para o acionista, mas muitas vezes, e atualmente, estão em patamares muito próximo. Outra alegação é o fato da ingerência política ser maior na Petrobrás do que na Vale, e dado isto nos deparamos no final do governo Lula e começo do governo Dilma com troca de presidente da Vale por forte ingerência do governo na empresa, além de vermos o governo sempre interferindo na questão do valor dos royalties pago pela Vale nos minérios, que vira e mexe está na iminência de ser maior a taxa, ou ser taxada de forma mais injusta, com o governo mudando as regras do “game” no meio do jogo, algo que os investidores “adoram de paixão”.
    Outros muitos falam das perspectivas futuras para Vale serem melhores do que para Petrobrás, mas ao se olhar para o futuro, e para o presente, se esquecem de ver qual a empresa que está com maior desconto atualmente, e que se for para ser visionário com o futuro, ambas teriam muito o que explorar, muito a crescer, muito a lucrar, com o governo ali, tanto para ajudar, como para atrapalhar, dependendo do bom humor os políticos eleitos pelos brasileiros, risco este, difícil de controlar, por que o povo vota em que ele quiser, e maioria pouca se importa com o futuro das empresas brasileiras e do capitalismo em si.
    Ainda existem outros que falam dos fundamentos da Vale serem muito melhores do que os da Petrobrás, e um grande parte destes que falam dos fundamentos, mal sabem do que falam, pois sabem lhufas de Análise Fundamentalista, e se olharem mais afundo, poderão enxergar que isto já está precificado atualmente na diferença brutal de cotação entre ambas, onde anos atrás era ínfima.

    Quanto a atenção e cobertura das empresas brasileiras e internacionais, é igual para ambas, muita gente no Brasil e no mundo tem interesse em nossas duas maiores vedetes da bolsa de valores brasileira, Vale e Petrobrás, e tanto investidores e especuladores estão antenados em ambas, há muitos e muitos anos a fio.

    Não podemos nos esquecer que os 2 últimos governos, as suas alas mais radicais à esquerda até hoje não engoliram a privatização da Vale a preço de banana no governo anterior, dado isto, o risco da Vale ser reestatizada com esta turma atual no poder, que não tem hora para acabar, é algo para se pensar e ficar bem ligado nos noticiários.

    Afinal de contas, quem não olha apenas para especulação de curto prazo, mas olha para horizontes mais longos, com mais paciência, sendo mais imparcial, menos enviesado, sem usar opinião pronta de outrem, que nem ao menos sabe validar, terá mesmo toda certeza do mundo que a Vale é mesmo tão melhor que a Petrobrás?

    Uma frase popular que serve muito para o propósito deste texto é: “O pau que bate em Chico, também bate em Francisco”.

    Até o próximo post.

    Geral

    Por que a Petrobrás agiu certo ao cortar dividendos?

    6 de fevereiro de 2013

    Eu estive conversando com outro colega investidor hoje na hora do almoço, Afonso, e lendo esta matéria do valor econômico “Petrobras reduz dividendos para reforçar caixa e poder investir”, concluo que a Petrobrás está certa em pagar menos dividendos, dado o montante de investimentos que precisa fazer nos próximos anos para a exploração do petróleo na camada do pré-sal ser economicamente viável.

    Eu reproduzo abaixo o link para matéria e comentário do colega investidor.

    Petrobras reduz dividendos para reforçar caixa e poder investir
    Por Karla Spotorno e Fernando Torres | De São Paulo

    http://www.valor.com.br/empresas/2996972/petrobras-reduz-dividendos-para-reforcar-caixa-e-poder-investir#ixzz2K8Afu5BO

    Ou:
    http://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?p=1861658#1861658

    Comentários do colega investidor citado acima:



    Numa empresa que detém condições de crescer, não é desejável que ela pague dividendos, embora seja totalmente desejável que ela tenha lucro.
    Por que isso?
    Porque se a empresa tem como reinvestir seu lucro e crescer é muito mais rentável para o investidor no longo prazo.

    No caso da Petrobras, se eu recebendo os dividendos terei muito trabalho para rentabilizá-los acima da inflação, afinal, com a queda dos juros a RF não compensa mais. Só me sobra comprar ações novamente, mas assim terei custos com corretagens. Dessa forma, é muito melhor que o lucro não seja distribuído.

    Outro ponto, de que adianta ela distribuir os dividendos e depois ter de recorrer ao mercado de dívida pagando juros muito mais caros do que os acionistas conseguem em aplicações triviais do mercado. Ao acionista é com certeza mais interessante o autofinanciamento da atividade.

    Quando julgamos a “geração de caixa” de uma empresa devemos ver o quanto de lucros ela gera e não o quanto de dividendos ela paga. Sim porque ao menos que o acionista em questão seja um “rentista” vivendo de seus investimentos você deve estar na maioria que está buscando aumentar o patrimônio. Assim ao não distribuir os dividendos a empresa esta multiplicando o seu patrimônio pela margem dela. Não se esqueça que essa multiplicação funciona como juros compostos cuja taxa é o retorno sobre o capital dado pela empresa.

    Só é desejável que uma empresa distribua dividendos se o custo da dívida dela for inferior ao “custo de oportunidade” que o investidor utiliza para avaliar seus próprios investimentos.
    É claro que se você não acredita nos investimentos que a empresa vai realizar, você não poderia estar comprado em suas ações, muito menos preocupado com os dividendos distribuidos.


    Até o próximo post.

    Geral

    Como fazer o controle de risco

    4 de fevereiro de 2013

    Quando se vê o assunto estratégia no mercado financeiro muitas vezes surge o assunto controle de risco. E aí vem a pergunta: como controlar os riscos que corremos nos nossos investimentos?

    Basicamente para se controlar o risco tem-se que fazer uma diversificação de ativos, ou seja, manter uma carteira onde existam produtos com características de risco diferente, protegendo o seu capital, ao mesmo tempo que exponha-te a obter maior retorno financeiro ao longo dos anos.

    E nesta diversificação de ativos,  o montante de capital onde será possível diversificar será diferente para cada pessoa , para os de pequeno capital , desde que não seja para fim de laboratório, testes, backtesting, a melhor opção seria  ficar num tipo de aplicação apenas, para evitar que custos com taxas lhes tomem parte da rentabilidade e a diversificação tenhaefeito inócuo.

    O investidor poderá dosar este risco tento ativos de maior relação risco x retorno curto num percentual menor da carteira, e ir dosando, passando pelos ativos de relação risco x retorno médio, até chegar nos de relação risco x retorno baixo, estes mais voltados para longo prazo.

    Na diversificação da carteira poderá se ter ativos de renda fixa, renda variável, imóveis, ouro, etc., e ainda em cada item destes também é possível diversificar  controlando o risco de cada parte da composição da carteira.

    Em renda fixa pode-se ter ativos com alta liquidez e baixa rentabilidade, aquele dinheiro para emergências como a poupança, ativos com menor liquidez, porém rentabilidade melhor, e necessidade de prazos maiores de aplicação como certificado de depósito bancário (CDB), tesouro direto, letra de crédito imobiliário (LCI), letra de crédito agrícola (LCA), etc., sem esquecer que alguns deles incidem taxas, impostos e em outros não, logo, deverá levar em conta sempre a rentabilidade líquida de cada um.

    Em renda variável pode-se dosar em ativos de baixo risco, empresas lucrativas, boas pagadoras de proventos, lucro previsível conforme visão de mercado, claro, crescimento constante, isto mais para o médio e longo prazo, à empresas mais especulativas, mais expostas a rumores e oscilações de curto prazo, as quais podem te dar uma rentabilidade exorbitante, assim como fazer todo seu capital alocado para tal virar pó (zerar). E aqui, se vocês abusar da exposição ao risco, isto é, como exemplo, fazer alavacangem, para cada R$ 1,00 investido estava exposto a ganhar ou perder R$ 5,00,No caso de prejuízo, você fica devendo 5 vezes mais, se for um caso de perda total, você ainda terá que realizar outros ativos para saldar a dívida.
    E nesta diversificação para controlar o risco na renda variável, o investidor poderá dividir os ativos entre ações e fundos de investimento imobiliáirio (FII), por exemplo.

    Se o investimento for em imóveis, para controlar o risco, alguém poderia ter imóveis em regiões mais expostas a crescimento, onde ainda vai chegar mais progresso, isto é, tem-se toda uma expectativa e indícios que apontem para isto, a imóveis de regiões mais estáveis, onde o progresso já chegou, e a valorização do imóvel será menor, e neste caso, estaria mais de olho no valor possível para se alugar o imóvel após sua aquisição.
    E ao diversificar em imóveis, visando controlar o risco deste tipo de investimento, seria interessante se expor parte em imóveis residencias, outra em comercias e/ou mistos.

    E em cada composição de carteira para controle do risco existirão muitas possibilidades de combinação para se obter a relação de risco x retorno desejada. Aqui apenas foram citados alguns exemplos para despertar um maior interesse de estudo para o assunto.

    Leia também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Como e por que diversificar os investimentos?

    29 de janeiro de 2013

    O principal motivo para se diversificar os investimentos é diluir os riscos que se tem em suas diversas aplicações financeiras, quanto maior o seu montante de dinheiro aplicado, maior dever ser esta diversificação.

    A maioria dos riscos é possível mitigar com a diversificação, porém o risco sistêmico, aquele que afeta tudo e todos, e maioria das vezes, inesperado, este é o mais difícil de se proteger.

    O risco sistêmico advém das interligações e interdependência entre os agentes de um sistema ou mercado, onde a insolvência ou falência de uma única entidade ou grupo de entidades pode provocar falências em cadeia, o que implicaria em levar o sistema inteiro ou o mercado como um todo à falência.

    O risco do capital próprio investido na empresa reflete o risco sistêmico ou de mercado, que pode ser dividido em risco do negócio (associado à gestão de exploração da empresa) e risco financeiro (ligado à estrutura financeira).

    Outros tipos de risco, apenas de forma resumida, para se alertar do que deve se proteger na hora de diversificar os investimento:

    – Risco não sistêmico ou específico: é aquele que envolve uma empresa específica e, às vezes, os seus concorrentes mais correlatos. Este é um tipo de risco que pode ser reduzido através da diversificação de investimentos. Uma empresa que siga uma estratégia de diversificação vai expurgando aos poucos o risco específico dos seus negócios, ficando, em última análise, sujeita apenas ao risco de mercado;

    – Risco de crédito: se refere à possível incapacidade de uma instituição financeira responsável pela emissão de títulos de valores mobiliários honrar os compromissos assumidos com investidores. O default (calote) pode ser causado por problemas financeiros oriundos de má gestão, obrigações contratuais que não foram cumpridas pela contraparte, dificuldades com planos econômicos, entre outros.

    – Risco de negócio: define-se como a incerteza inerente às estimativas do resultado operacional, isto é, o resultado antes de impostos e encargos financeiros (EBTDA). O risco de negócio varia de uma empresa para outra, além de variar ao longo do tempo. Ele depende de fatores como: instabilidade da procura, volatilidade do preço, etc…

    Para diversificar os investimentos será necessário aportar um percentual em cada tipo de aplicação, seja renda fixa, renda variável, imóveis, etc.. E se tiver muito capital, a diversificação será maior, para assim mitigar ainda mais os seus riscos. Tendo pouco capital, a diversificação excessiva não será tão eficiente, pois parte do pouco capital investido perderá rentabilidade no pagamento de taxas, o que para o pequeno investidor não compensa.

    O site a seguir, para quem interessar em ver um exemplo prático de diversificação com percentuais, tipos de aplicação e tudo mais, basta acessar Como Diversificar Investimentos Corretamente.

    No mais é isto, espero que gostem e aproveitem as informações aqui prestadas de alguma forma.

    Até o próximo post.

    Geral

    Qual o melhor investimento?

    29 de janeiro de 2013

    Quantas vezes você já se perguntou qual o melhor investimento para mim ou qual o melhor investimento para minha família?

    Claro, que para se chegar nesta resposta, além de ter que responder umas tantas outras perguntas para si próprio, e para quem decidirá por qual investimento optar, será necessário responder muito mais outras perguntas, e antes mesmo de respondê-las, o que se faz muito importante, é ter feito a lição de casa para que sempre sobre dinheiro para investir, nunca se gastar tudo o que se tem e mais um pouco, e sempre estar no vermelho, o que nada mais, nada menos, seria estar alavacancado sempre, mês após mês, alguns até anos após anos, até quebrar de vez, e perder tudo que se tem, em casos extremos, lógico.

    Dado que você poupou, poupa e poupará sempre, sobrou dinheiro, não ficou no vermelho, nem você e nem sua família, vamos as perguntas que você deve se fazer para decidir qual investimento optar:

    1) Qual o prazo que você quer investir?

    Se o prazo for médio, ou mesmo curto, não deve correr muito risco, evitar aplicações de renda variável, e muito menos operações alavancadas, aqueles onde cada real aportado vale por exemplo cinco reais, ou seja, vai se ganhar em cima de cinco, mas perder em cima de cinco.

    Neste caso, seria melhor optar por aplicações de baixo / médio risco, como a boa e velha poupança, LCI (Letras de Crédito Imobiliário), Fundos de Renda Fixa com baixa taxa de administração ou até mesmo Tesouro Direto.

    Agora se ao fazer suas contas, descontar os custos que vai ter com tal aplicação e verificar que a rentabilidade ficou maior do que na poupança, por exemplo, então valerá a pena pagar por tais custos.

    A nossa taxa de juros está bem baixa nos últimos tempos, atualmente SELIC 7,25% com tendência de queda, logo deve-se prestar muito mais atenção nos custos dos investimentos, que são as taxas cobradas pelas instituições financeiras e impostos cobrados pelos governos. Isto faz uma tremenda diferença na hora da escolha do investimento.

    Se o prazo para investir for longo, vários anos, e você suportar correr mais riscos, não ter medo de perder, em troca de rentabilidade maior, aplicações como Renda variável (bolsa de valores e afins), Fundos Multimercados, FII (Fundos de Investimentos Imobiliários) ou até mesmo arriscar mais ainda, se conhecendo o que se faz, claro, ou pagar para alguém que conheça, seja um especialista autonônomo ou um área de um banco de investimentos, por exemplo, poderia investir/especular em mercado futuro, mercado de commodities, mercado a termo, enfim, mercado de derivativos, onde irá se deparar com risco de perdas elevadas para tentar obter ganhos elevados.

    2) Quanto você quer investir?

    Se for pouco dinheiro, não se esqueça, que custos da aplicação comerão boa parte do seu retorno, tanto na renda fixa como variável.

    Neste caso é imprescindível que sejam aplicações onde não se tenha custos, alguns exemplos foram citadas no item 1), exceto, claro, que mesmo pagando por tais custos, você ganhe mais do que nas aplicações que não cobram, sendo assim, você vai ter que fazer contas, ir para o excel, para calculadora, para o caderno, para a prancheta, para o “papel de pão” (rascunho), para onde de quiser, mas vai ter que calcular, anotar e chegar nas suas conclusões.

    É bom evitar ficar fazendo contas só de cabeça, pois elas são enganosas.

    3) Você vai ficar sem dormir se perder este dinheiro investido?

    Se perder o dinheiro investido vai fazer você perder o seu sono, vai te trazer problemas financeiros familiares? Se sim, você deve correr o menor risco possível.

    Caso não vá te fazer falta, você aceita perder, em troca de ganhar mais do que aplicações mais convencionais de baixo risco, então, você pode aceitar aplicações de médio e alto risco, como as citada no final do item 1).

    No final das contas, o investimento ideal será aquele que está de acordo com o prazo que você quer investir, de acordo com o prazo que você pode investir, com suas preferências pessoais e conhecimento da mecânica do mercado em suas diversas nuances e do tanto de risco que você suporta correr, dado tudo isto, será o ponto onde você vai montar sua estratégia de investimentos, seja no curto, médio ou longo prazo, nunca se esquecendo que o objetivo ao longo dos anos é fazer o patrimônio sempre crescer, e sempre poupar ciência do que se pretende fazer com dinheiro no futuro, tudo que se lê e recomenda é que o dinheiro não deve ser um fim, mas sim um meio.

    Embora existam pessoas que para elas o dinheiro é fim, a adrenalina do “game”, ganhar mais e mais dinheiro, acumular mais patrimônio no transcorrer dos anos, a faça sorrir, a faça viver bem, a faça viver satisfeita.

    Como diz o ditado, “cada cabeça, uma sentença”.

    E para quem quer poupar, ou continuar poupando, vale uma frase do livro Pai Rico Pai, Pobre Robert Kiyosaki e Sharon Lechter (2004):

    “Crie bons hábitos, especialmente na área financeira. Pague a você mesmo (em economias ou investimentos), antes de fazer qualquer outra coisa com seu dinheiro.”

    Até o próximo post.