‘Falência’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: falência

    Convidados

    O que fazer para quem é cliente da corretora Walpires após o BC decretar liquidação extrajudicial ?

    5 de outubro de 2018

    A liquidação da Walpires corretora foi anunciada na manhã desta sexta-feira (05/10/2018) !

    Dicas para evitar armadilhas ao investir por meio de bancos

    BC decreta liquidação extrajudicial da Walpires: o que fazer se você é cliente da corretora
    fonte de consulta: infomoney.com.br/onde-investir/acoes/noticia/7661210/bc-decreta-liquidacao-extrajudicial-da-walpires-o-que-fazer-se-voce-e-cliente-da-corretora

    Recuperação de prejuízo devido à falha de instituições financeiras

    O BC (Banco Central) decretou hoje de manhã a liquidação extrajudicial da corretora Walpires por grave situação patrimonial e de liquidez, graves violações às normas legais que disciplinam a atividade da instituição e a existência de prejuízos que sujeitam a risco anormal os seus credores.

    No site da Walpires foi escrito:

    – Informamos que, devido ao encerramento das atividades da empresa, os clientes da Walpires S.A. Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários, por transações de câmbio, custódia de valores, fundos administrados e outros serviços prestados pela mesma, deverão aguardar orientações quanto aos procedimentos a serem adotados relativamente a seus interesses, o que será notificado por intermédio do site.

    Esta corretora foi fundada em 1963 em São Paulo por Waldemar Pires, que na época atuava como preposto de corretor oficial de fundos públicos. Dois anos depois, uma nova resolução do Banco Central passou a permitir que os corretores oficiais e seus prepostos transformassem seus escritórios em Sociedades Corretoras; foi a partir daí que a Walpires começou a atuar no mercado da bolsa de valores.

    Ela não informa quanto tinha em custódia e nem o número de clientes. Se você é um deles, confira abaixo o que você deve fazer para reaver seus investimentos.

    Entre em contato com a corretora

    A B3 recomenda que, antes de tudo, o cliente entre em contato com a corretora. A Walpires informa em seu site que foram encerradas as atividades de venda de ações, operações de câmbio (compra e venda de moeda estrangeira, importação, exportação, ordem de pagamento, etc.), compra e venda de ativos, aquisição ou resgate de cotas de Fundo.
    Ela recomenda que os clientes entrem em contato pelo telefone (11) 2808-7066, pelo e-mail contato@walpires.com.br ou por correspondência endereçada para Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1309 – 9 andar, Pinheiros, São Paulo/SP – CEP 01452-002.
    Para transferência de custódia, a CVM estabelece preencha um formulário chamado STVM (Solução de Transferência de Valores Mobiliários), disponível no site das corretoras, reconhecer firma e enviar o documento digitalizado para o e-mail apontado pela Walpires. Para isso, você precisará já ter conta em uma outra corretora.

    Se tiver problemas, acione a Bolsa

    O ombudsman da B3 recebe queixas sobre os processos de negociação, custódia e liquidação das operações realizadas na Bolsa e pode atuar na mediação do problema entre o investidor e a corretora.

    Faça uma reclamação no MRP

    Se o seu problema não for resolvido de facilmente, você pode apresentar uma reclamação ao MRP (Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos), que irá analisar e julgar a situação e, em caso de procedência, ressarcir o cliente até o limite de R$ 120 mil. No entanto, o MRP tem regras específicas e, muitas vezes, o investidor não poderá contar com a cobertura.

    Uma das principais exigências para o ressarcimento do saldo da conta corrente, por exemplo, é que o valor seja proveniente de operações efetuadas na própria Bolsa, como a venda de ações ou opções. Já se o cliente fez uma TED (transferência eletrônica disponível) do seu banco para a conta da corretora e ainda não tiver utilizado o dinheiro para comprar algum papel, o mecanismo não ressarcirá o valor.

    Outra situação em que os clientes não poderão contar com a cobertura do MRP é quando o valor disponível na conta foi resultado da liquidação de aplicações como CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letras de Crédito Imobiliário), LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) ou fundos de investimento.

    A reclamação ao MRP pode ser enviada através deste link. As reclamações devem ser apresentadas até 18 meses após a data do fato que gerou o prejuízo e deve ser feita por escrito e assinada com firma reconhecida.

    Antes, descubra se sua reclamação é válida. O MRP só faz ressarcimentos em casos de:

    – inexecução ou execução infiel de ordens;
    – uso inadequado de números e valores mobiliários ou outros ativos, inclusive em relação a operações de financiamento ou de empréstimo;
    – entrega ao investidor de valores mobiliários ou outros ativos ilegítimos ou de circulação restrita;
    – inautenticidade de endosso em valores mobiliários ou outros ativos ou ilegitimidade de procuração ou documento necessário à sua transferência;
    – encerramento das atividades.

    Inclua as seguintes informações e documentos:

    – nome da instituição, bem como de eventuais administradores, empregados ou prepostos, que tenham causado o prejuízo reclamado;
    – descrição precisa do fato que gerou o prejuízo (indicar datas, horários, ativos envolvidos, etc);
    – valor de prejuízo sofrido (limitado a R$120 mil por ocorrência);
    – opção de recebimento dos recursos: dinheiro ou ativos (não é possível pedir ambas);
    – cópia autenticada do documento de identidade;
    – cópia autenticada do CPF;
    – cópia autenticada do comprovante de endereço;
    – se for o caso, procuração com firma reconhecida.

    Para acelerar o processo de ressarcimento (quando for o caso), o MRP sugere que, no momento da apresentação da reclamação já seja incluso comprovante atualizado de titularidade de conta corrente indicada pelo investidor para depósito do valor de ressarcimento, como cópia de cheque, cabeçalho do extrato, cópia de cartão de débito ou declaração bancária assinada pelo Banco.

    Boa sorte a todos os prejudicados por esta falência!

    Até o próximo post.

    Convidados

    Maximus Digital fecha e deixa 50 mil pessoas no prejuízo

    20 de fevereiro de 2018

    Foi a crônica de uma morte anunciada, parafraseando o livro de Gabriel Garcia Marquez. A empresa de fomento mercantil, ou factoring, Maximus Digital, que havia assumido os negócios da Alcateia Investimentos e seus 50 mil investidores, anunciou hoje que está desfazendo o negócio e encerrando as atividades.

    Em comunicado em seu site, a Maximus diz que gastou R$ 4,5 milhões de seu capital próprio para sustentar a operação, mas “em virtude do descumprimento das cláusulas contratuais por parte da Alcateia Investimentos”, a única alternativa viável foi processar a Alcateia e encerrar as atividades. A empresa não informou qual o valor total devido aos investidores.

    É o fim de uma novela que começou há dois anos, e que entrou no radar da CVM em abril do ano passado, quando a autarquia divulgou um alerta ao mercado

    A Maximus, cuja sede seria em Belo Horizonte, diz ainda que, “a fim de manter a transparência e a lisura que sempre marcaram a conduta desta instituição”, informava o número da ação de rescisão contra a Alcateia, na 3ª Vara Cível do Foro Regional de Santana, em São Paulo, sob número 1003566-10 2018.8.26.0001. E que todas as demais ações serão informadas aos investidores que ainda têm saldo a receber.

    A Máximus diz ainda que, “como demonstração de boa fé”, deixou à disposição do Poder Judiciário “imóvel constituído de 50 lotes, avaliados em R$ 90.000,00 cada, no Estado de Minas Gerais, em fase de averbação”. A nota não diz em que cidade estão os lotes, que teriam um valor estimado de R$ 4,5 milhões pelo que afirma a empresa.

    A nota termina pedindo “escusas” a todos que “acreditaram em nosso projeto”, e que “infelizmente sem o repasse dos fundos provenientes da carteira de clientes originários da Alcateia Investimentos é inviável a manutenção das atividades”.

    Investidores já vinham há cerca de um mês reclamando em redes sociais da dificuldade em receber os valores aplicados e o descumprimento de promessas de pagamento. Alguns visitaram a sede da Maximus em Belo Horizonte, mas foram informados que ninguém aparecia por lá há algumas semanas. Os gerentes responsáveis pelas contas deixaram de atender os telefonemas e e-mails e a Maximus parou de responder às reclamações no site Reclame Aqui. Era um sinal do fim do jogo.

    É o fim de uma novela que começou há dois anos, e que entrou no radar da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em abril do ano passado, quando a autarquia divulgou um alerta ao mercado sobre a Alcateia Investimentos, que se autodenominava um grupo de investimentos e prometia rendimentos de 0,01% a 2% ao dia. Na ocasião, a Alcateia foi assunto de reportagem do portal Arena do Pavini, chamando a atenção para os absurdos do esquema.

    Os ganhos, segundo o site da Alcateia, eram obtidos em investimentos “day trade” (nome dado a operações iniciadas e encerradas no mesmo dia) diversificados, em mercados tão distintos como ações, opções, Forex (moedas no exterior, atividade não permitida pela CVM), criptomoedas (Bitcoins), ações estrangeiras e outros não especificados. Se cumprida apenas em parte a promessa da Alcateia, com um ganho médio de 1% ao dia, o investidor teria um retorno de 22% em um mês de 20 dias úteis, ou 987% ao ano, em um momento em que os juros estavam em 11,25% ao ano. Ou seja, o equivalente a 25 anos de aplicação. Tudo isso sem risco de perdas, graças a um robô que antecipava os movimentos de todos os mercados, e ainda por cima sem tarifas ou taxas.

    A CVM alertou o mercado pela Deliberação CVM 766 que o Grupo de Investimentos Alcateia e seu sócio Regis Cristiano Leite não estavam autorizados a exercer a atividade de administração de carteiras e distribuição de valores mobiliários por não possuírem autorização do órgão regulador. Apesar dos alertas e da multa diária de R$ 5 mil, a empresa continuou captando investidores com aplicação a partir de R$ 99,00. Até uma bailarina do Domingão do Faustão, Tainá Grando, chegou a aparecer fazendo propaganda da Alcateia, afirmando que a aplicação “rendia 10 vezes mais que a poupança”, sem tarifas ou taxas.

    O esquema tinha gerentes responsáveis pelas contas, os Lobos Alfa, que incentivavam os investidores a trazer novos participantes para a Alcatéia e assim ganhar uma “comissão”, num claro movimento de pirâmide financeira. Havia o “lobo pai”, que era estimulado a trazer outros parentes, ou lobinhos, incluindo filhos, netos e bisnetos (a partir da quarta geração, a filiação à matilha já era proibida).

    A empresa não divulgava onde o dinheiro era aplicado, nem em que mercados operava, nem as corretoras ou bancos onde tinha operações, alegando “sigilo”. O mesmo sigilo era usado para não informar onde ficava a sede da empresa, como convém a todo bom covil de lobos, bem como não divulgava seu telefone de contato, mas dizia que em breve estaria inaugurando uma sede em Porto Alegre. O único meio de contato era por meio dos Lobos Alfa, que agora estão desaparecidos.

    Como era de se esperar, o esquema começou a desmoronar no fim do ano passado, com atrasos nos pagamentos dos resgates à medida que a captura de novos “lobinhos” se tornava mais difícil. Foi então que, surpreendentemente, em outubro do ano passado, surgiu a Máximus Digital, uma empresa de factoring, ou seja, compra de faturamento, e que também ofertava irregularmente aplicações ao público com lastro em fomento mercantil.

    Em um comunicado conjunto, a Alcateia anunciou que estava transferindo seus clientes para a Maximus Digital e esta informou que a migração de sistema de clientes terminaria em 30 de outubro deste ano. “O que significa dizer que os saques estarão indisponíveis de 24/10/2017, terça-feira, a partir das 15h, com retomada programada para dia 01/11/2017, quarta-feira, às 15h”, dizia o comunicado, que celebrava a união e era assinado pelo presidente da Alcateia, Regis Cristiano Leite, e pelo Chief Executive Officer (CEO) da Máximus, Luiz Fernando Correa. Já na ocasião, vários investidores começaram a reclamar de dificuldades em acessar suas contas e do não pagamento de resgates.

    De lá para cá, a Maximus fez vários esforços para tentar captar novos investidores e ampliar as aplicações dos atuais, com sorteios e promoções. Mas, já em 17 de dezembro, divulgou um comunicado informando que enfrentava dificuldades, pois a empresa responsável pelos pagamentos da Alcateia, a Pagbem Pagamentos, não teria dado conta de processar os saques, que saltaram de 200 a 500 por dia para 2.500.

    “Pois bem, a Pagbem Pagamentos não honrou o compromisso de liquidação dos clientes e começou uma bola de neve”, disse a Máximus em comunicado. A empresa se queixava ainda que vários clientes estavam reclamando em redes sociais “por valores irrisórios, como se a Maximus Digital não possuísse capacidade de liquidar tais solicitações.”

    Junto com as explicações para não pagar os resgates, a Maximus divulgou um novo sistema de remuneração, substituindo o ganho de até 2% ao dia por uma “atualização monetária de 1% sob (sic) o valor de todas as solicitações de saque pendentes no sistema em atraso”, sem informar a periodicidade da taxa. Além disso, ofereceu aos investidores da Alcateia a opção de se associar a Máximus, com um ganho de 0,01% ao dia composto, equivalentes ao “dobro do que uma caderneta de poupança alcança”.

    As reclamações de dificuldades em resgatar os recursos aumentaram em sites como o Reclame Aqui e nas redes sociais e grupos começaram a ser formados para acionar a Maximus na Justiça. Agora, restará aos 50 mil investidores tentar recuperar ao menos parte do dinheiro investido por meio de ações judiciais. Mas com poucas chances de sucesso.
    fonte de consulta: Arena do Pavini.

    Convidados

    Como escolher o melhor crédito para si

    1 de junho de 2017

    Esta pergunta é uma das coisas que você se deve fazer quando pensa realmente em recorrer a qualquer tipo de crédito ou empréstimo, quer seja ele pessoal, pelo cartão, para uma viagem, o que seja…

    Isto porque você vai estar a gastar dinheiro que não é seu e isso tem um preço, o qual por vezes pode ser bem maior do que você esperava apenas porque não fez bem as contas ou não fez as contas de todo.

    E é por esses e outros motivos que agora lhe vamos explicar como escolher o melhor crédito para si e para a sua carteira.

    Pronto? Vamos lá ver isso então.

    Como escolher o melhor crédito para si

     

    Precisa Mesmo de um Crédito?

    Antes de tudo, você deve saber esta resposta.

    Por vezes um empréstimo é apenas a maneira mais “fácil” e rápida de ter dinheiro e você acaba caindo no erro e fazer algo que nem precisava.

    É preferível você ficar com pouco dinheiro, mas conseguir gastar naquilo que quer ou precisa sem recorrer a dinheiro emprestado porque esse dinheiro vai ser mais caro.

    Pense se não pode fazer algum tipo de poupança, arrumar uma grana extra em algum lugar e caso todas as hipóteses não tenham resultado, aí sim pense no crédito.

    Tenha Atenção á TAEG Cobrada

    Essencialmente, este é o custo anual do seu crédito, o qual engloba várias coisas tais como:

    • Custos do crédito
    • Juros
    • Comissões
    • Impostos
    • Seguros
    • Comissões

    Veja quais são as taxas de TAEG cobradas por cada instituição e então tome a melhor decisão para a sua carteira de forma a não ficar com um crédito demasiado caro.

    [DICA]

    Cartões de crédito normalmente sempre ficam mais caros, pode tomar de exemplo o cartão Losango, sendo que as taxas de TAEG podem chegar até aos 20% em alguns deles, enquanto se fizer por um banco, como no Itaú, ai já só lhe seria cobrado uns 4%.

    A rapidez e facilidade paga-se. Quando você é alguém que dá poucas garantias e quer o dinheiro para amanhã, as taxas a pagar ficam bem altas.

    Faça Sempre Simulações

    Apesar do Banco X poder estar a anunciar que faz créditos com x taxa de TAEG não quer dizer que seja a que lhe vai ser cobrada.

    Na grande maioria dos casos estas taxas são analisadas caso a caso e irão depender do valor que você pedir, do tempo que irá parcelar, das suas condições financeiras, se está empregado, etc…

    É por isso que lhe dizemos para fazer simulações. Estas sim são gratuitas e podem acabar por lhe fazer poupar centenas ou mesmo milhares de reais em taxas no final do seu empréstimo.

    E então, já ficou a saber como escolher o melhor crédito para si ou até se precisa mesmo de um?

    Deixe a resposta nos comentários junto com alguma dúvida ou sugestão com que tenha ficado após ler o artigo.

    Geral

    Como fica o cliente com recuperação judicial da incorporadora PDG ?

    24 de fevereiro de 2017

    As Ações da PDG e a bolha imobiliária

    Se você é um daqueles compradores de imóveis em tempos de bolha imobiliária no Brasil e por acaso a sua construtora foi a PDG, talvez você tenha bons motivos para se preocupar. O mesmo vale para os acionistas da empresa (PDGR3 está listada na BM&FBOVESPA).

    A PDG Realty entrou nesta quarta-feira, 22/02/2017, com um pedido de recuperação judicial, alegando dívidas de cerca de R$ 7,7 bilhões. Do ponto de vista do consumidor que tem contratos relativos a empreendimentos da incorporadora, isso significa, no geral, um sentimento de incerteza, explica Marcelo Tapai, especialista em direito imobiliário e sócio da Tapai Advogados. Basicamente, a notícia não é boa: agora, “não tem o que fazer além de esperar, e aquilo que for decidido vai ser imposto”.

    Como funciona a Recuperação Judicial?

    São 512 Sociedades de Propósito Específico (SPEs), responsáveis pelos diferentes empreendimentos, definirá individualmente sobre a conclusão das obras, referentes a cada projeto imobiliário, conforme manda a lei. Caso sejam analisadas de maneira independente, a situação financeira de cada uma delas deverá ser analisada judicialmente. Em outra interpretação, todas podem ser vistas como um mesmo negócio que deve ser gerido de forma única. Para comparação, a primeira recuperação judicial do mercado imobiliário, referente à Viver, lidou com apenas 64 dessas Sociedades.

    Há dois cenários possíveis agora para a PDG como um todo: a recuperação pode ser aceita com a posterior criação de um plano financeiro para viabilizar os negócios; ou pode acabar sendo decretada a falência.

    pdg-realty-recuperacao-judicial

    De acordo com Tapai, a primeira opção é mais provável, até mesmo por conta do fator social envolvido. “Eu imagino, tenho a convicção de que, até por uma questão social e pelo número gigante de envolvidos, se o plano tiver uma proposta razoável, o juiz vai se sensibilizar com isso e vai permitir que a empresa tenha uma segunda chance”, explicou o advogado ao InfoMoney.

    Para ele, é uma situação judicial que deve levar em conta muitos fatores além do dinheiro. “Para o PDG, para os bancos credores, isso é só um negócio que não deu certo”, diz. “Para um comprador, é muito mais do que dinheiro. É um sonho de uma vida inteira. Isso é capaz de desagregar uma família, gerar desespero, é muito mais grave do que um contrato”, lamentou Tapai.

    Nada a fazer

    A partir do pedido de recuperação, “ninguém recebe nada” nos primeiros meses. Uma vez aceito um possível plano de recuperação, é só a partir dele que será possível saber como ficam os empreendimentos começados e, consequentemente, os contratos firmados com compradores. Nesse caso, será nomeado um administrador judicial com a missão de reunir-se com os credores, pessoas físicas e jurídicas, e dar prosseguimento aos negócios.

    “Em tese, aceita a recuperação judicial, os compradores vão receber as construções. O que com certeza vai haver é atraso, mais ou menos dependendo do andamento atual da obra”, ensinou o advogado.

    Individualmente, cada cliente não terá poder jurídico algum para pedir dinheiro de volta, nem em caso de recuperação, nem em caso de falência.

    “Se o cliente tiver um crédito com a PDG, ele não vai poder penhorar nem entrar na justiça para reaver esse dinheiro. Na situação atual, a PDG não pode pagar ninguém de forma individualizada”, explica o advogado. “Isso vai ter que ir para um plano geral dos credores e, nesse contexto, o comprador é o último da fila”, esclarece.

    A dica de Tapai para os consumidores cujos empreendimentos estão em estado avançado, perto da finalização, é manter o contrato para ter em mãos ao menos uma garantia física, no caso, o próprio imóvel. “Ele tem o direito real de propriedade desse imóvel. Mesmo que o receba inacabado, haverá algo que resguarde parte do dinheiro investido”, explica.A PDG já disse, em nota, que pretende continuar com as obras e entrega-las a quem pagar em dia.

    Caso o plano não seja aprovado ou falhe, os compradores terão autonomia para definir o que fazer com cada empreendimento. Quando houver patrimônio de afetação, por consenso ou maioria, eles poderão decidir se contratam outra incorporadora para finalizar projetos inacabados ou se buscam um comprador para a estrutura.
    fonte de consulta: infomoney.com.br/imoveis/noticia/6166784/pdg-como-fica-cliente-com-recuperacao-judicial-incorporadora

    Geral

    Lições de empreendedor que enfrentou a crise e continuou lucrando

    10 de novembro de 2016

    Os indicadores econômicos seguem apresentando um aumento no número de pedidos de falência e recuperações judiciais nos últimos anos! A crise financeira pela qual o país se encontra há vários anos não traz tranquilidade para os empreendedores, principalmente para aqueles que estão começando. Vários deles começaram um novo negócio na “Era Lula/Dilma” quando a economia estava em um patamar positivo, porém ninguém imaginava que tantas reviravoltas iriam acontecer em um período tão curto de tempo.

    lideranca-na-empresa-7-licoes-essenciais-para-um-bom-empreendedor

    As consequências da recessão são desanimadoras. Foram registrados 1.611 casos de falências e recuperações judiciais em 2014, de acordo com o Serasa Experian. Em 2015 foram 1.783 requerimentos, e até setembro deste ano a realidade é ainda pior: mais de 1.400 companhias já fecharam. As micro e pequenas empresas são as mais atingidas pela crise, de acordo com o Serasa.

    Celso Fortes é empreendedor e para enfrentar a crise mudou a estratégia da sua agência digital a fim de manter as contas no azul. Ele abriu mão de alguns planos e teve de ser mais flexível, mas manteve a empresa lucrando. Assim, ele elencou algumas práticas que ele usou que podem ajudar você e sua empresa a passar pela crise sem grande prejuízos financeiros. Veja algumas dicas a seguir:

    Mexa-se: Saiba para onde deseja ir. Em tempos críticos o empreendedor não pode se perder no desespero e no isolamento. É necessário abrir os horizontes, trocar ideias com os profissionais da empresa e dar chances para projetos antigos ou inusitados.

    Reúna a equipe: Atualize sua equipe sobre a real situação da companhia. São tempos difíceis, não adianta colocar pressionar os funcionários mais ainda. Seja claro com a equipe, exponha a situação do mercado e divida com eles a responsabilidade de alcançar novos patamares. Delegue as funções básicas e foque apenas naquilo que é primordial porque é o que manterá você mais animado e inspirado a crescer.

    Dedique-se: O empreendedor é a melhor representação do próprio negócio. Então não se acomode com o mau momento. Aprimorar esta postura é uma forma de aumentar a eficiência em reuniões e em eventos. Estar bem antenado com o que acontece com a empresa é fundamental para se manter atualizado e preparado para o que der e vier. Os funcionários sentem a animação e são influenciados pelo seu estado de espírito positivo.

    Faça networking: Todo contato é uma maneira de “vender” os serviços. Logicamente existem limites, mas pense como suas atividades são importantes e podem ser úteis para as pessoas. Além disso, essa é uma boa forma de obter feedbacks espontâneos e analisar se o seu convívio social é realmente útil para o estilo de vida empreendedor. “Não tenha medo de selecionar com quem você vai conviver, já que para ter sucesso é preciso aprender a selecionar com quem você vai gastar o seu tempo”, afirma Fortes.

    Desapegue: Não adianta ficar em cima do projeto a todo instante. Esse “apego” pode só atrapalhar. Planeje o trabalho com profissionais sérios e saiba confiar nas próprias escolhas. Não tenha vergonha de alterar os planos, caso algo dê errado no caminho, essa flexibilidade durante uma crise é importante. Se uma estratégia não der certo, encontre outra e continue seguindo em frente.

    infomoney.com.br/negocios/noticia/5722319/licoes-empreendedor-que-enfrentou-crise-continuou-lucrando

    Até mais.

    Geral

    Oi afundou na bolsa após pedido de recuperação judicial

    21 de junho de 2016

    Confira o mico que hoje despencou forte na BM&FBOVESPA, são 79 minutos de espera antes da “explosão” de R$ 10,6 bilhões da Oi! O mercado de renda variável brasileiro viveu um pouco mais de uma hora de de tensão nesta terça-feira (21) marcada pela repercussão do pedido de recuperação judicial da Oi (OIBR3; OIBR4). Os papéis da companhia ficaram “congelados” mais 19 minutos em leilão de abertura na bolsa.

    Veja a reação em imagens ao pedido de recuperação judicial da Oi:

    – Gráfico de 5 minutos da OI PN:

    Os 79 minutos de espera antes da

    – Gráfico de 5 minutos do BB:

    BBAS3 despenca na bolsa de valores
    infomoney.com.br/oi/noticia/5198867/minutos-espera-antes-explosao-bilhoes-bolsa-hoje
    O fim está próximo…

    R.I.P. Oi

    Geral

    Quer acabar falido?

    19 de maio de 2016

    Confira atitudes muito comuns que acabam com a sua vida financeira como o descontrole com gastos e maus investimentos, os quais são o cerne dos principais problemas financeiros de muitas pessoas.

    Tomar conta das finanças pessoais é super importante para buscar os objetivos de longo prazo, como comprar uma casa, fazer uma faculdade ou se preparar para a aposentadoria, por exemplo. No entando, muitas pessoas não fazem isso. Vejam quais são os erros mais comuns que podem prejudicar o planejamento financeiro de qualquer um:

    – Não manter as contas sob planejamento:

    “Se você não tem uma organização de suas receitas e despesas ao longo do mês, assim como a categorização de cada uma dificilmente irá ter sucesso em sua vida financeira. O motivo é simples, você não sabe para onde seu dinheiro está indo. Se você não sabe, não consegue identificar itens do orçamento que estão ‘sangrando’ com suas finanças e dificilmente conseguiria ajustá-lo”, relata Aldo Pessagno, sócio da Manhattan Investimentos.

    – Usar o cartão de crédito sem critério:

    “Sem dúvida os cartões de crédito são uma ótima alternativa de pagamento, quando usados com inteligência. O problema é que se você não tiver disciplina, poderá entrar numa bola de neve que será bem difícil de sair, pois estará pagando um dos juros mais altos do mercado, é comum ver taxas de mais de 420% ao ano, além de pagar uma bela anuidade na maioria das vezes. É um grande erro fazer apenas o pagamento mínimo da fatura”, comenta Aderson Gegler, assessor de investimentos da Moinhos Investimentos.

    – Achar que a poupança é um bom investimento:

    “Todo brasileiro sabe que a caderneta de poupança é um investimento seguro. E pelo nosso histórico recente, as pessoas ficam com medo de procurar investimentos mais rentáveis devido a medos adquiridos. A razão que faz da poupança um investimento seguro é o FGC, o Fundo Garantidor de Crédito, que também faz outros investimentos muito mais rentáveis, tão seguros quanto. A poupança tem perdido sistematicamente para a inflação nos últimos meses. Isto quer dizer que a cada mês que passa, o poupador não conseguiria mais comprar a mesma coisa que compraria no mês anterior com o dinheiro lá investido”, atesta Aderson Gegler.

    – Poupar só quando sobra dinheiro:

    Um erro muito comum das pessoas na hora de lidar com suas finanças é poupar seu dinheiro só quando sobra algum no final do mês. Carollyne Mariano, sócia da Atlas Invest, explica que é importante que a reserva mensal seja descontada do salário antes dos gastos mensais. Dessa forma, com a poupança já garantida, a pessoa não fica tentada a usar esse dinheiro em outros gastos que não são necessários.

    – Investir mal:
    Além da poupança, que é um investimento com baixa rentabilidade em relação a outras aplicações financeiras, outro erro muito comum dos investidores é não diversificar suas aplicações. “Deixar todos os ovos na mesma cesta é muito nocivo, especialmente ao longo d tempo”, comenta Carollyne Mariano.

    – Manter aplicações enquanto está endividado no cartão ou cheque especial:

    “É muito comum as pessoas manterem aplicações em investimentos como a poupança, concomitantemente com dívidas no cheque especial e cartão de crédito. Ou seja, são mantidos investimentos que rendem 8% ao ano, enquanto suas dividas estão gerando juros de 450% ao ano. Em suma, quem faz isso está tomando emprestado um dinheiro a 450% ao ano para aplicar a 8%. Como essa conta vai fechar?”, questiona Aldo Pessagno.

    – Achar que é cedo demais para pensar em aposentadoria:

    “Ninguém acredita que a aposentadoria do INSS sozinha seja capaz de manter o padrão de vida que se tinha antes. É um assunto muito sério e achar que podemos pensar nisso há dez ou quinze anos antes da data planejada é um erro grave que pode comprometer a tranquilidade da família no momento que o aposentado mais precisará dela. Você já deve ter ouvido falar que o fator tempo é importantíssimo na rentabilidade dos investimentos e isso é justamente por causa dos juros compostos”, alerta Aderson.


    infomoney.com.br/onde-investir/renda-fixa/noticia/4991478/quer-acabar-falido-veja-atitudes-muito-comuns-que-detonam-sua

    Veja também:

    Como lidar com o fracasso financeiro

    Até mais.

    Geral

    Oi completa 18 anos com dívida de R$ 54,9 bilhões

    11 de abril de 2016

    Ótima matéria de O Globo, intitulada Era uma vez uma supertele: Oi chega à maioridade em crise, a qual descreve de forma bem sucinta a história da empresa desde quando era um patinho feio no Sistema Telebrás até virar um dos gigantes das telecomunicações nacionais, porém ao custo de uma das maiores dívidas corporativas no Brasil. Faz 18 anos quando ocorreu a privatização do setor de telecomunicações onde a Oi, nascida da antiga Telerj e considerada uma das piores prestadoras de serviços de telefonia do país nos anos 1990, chega à maioridade deixando para trás o sonho de se tornar a supertele idealizada pelo governo em meio a um endividamento bruto de R$ 54,9 bilhões. Para continuar crescendo, a empresa corre. Tem o objetivo, diz uma fonte envolvida nas discussões no artigo citado abaixo, concluir até o fim deste ano uma negociação privada ou extrajudicial com os credores. No pior cenário, se não tiver êxito, pode recorrer a uma recuperação judicial. O dia a dia das negociações vem sendo informado à Brasília.

    Após diversas fusões e aquisições, tudo a custo de muita dívida, o gigante de telecom tupiniquim não decolou.

    O apoio do governo veio por meio de empréstimos dos bancos públicos, hoje donos de 13% a 14% da dívida total, principalmente o BNDES, que é hoje responsável por 6% da dívida. Não faltou apoio do banco de fomento: de 1998 a 2014, os desembolsos para a companhia somaram quase R$ 19 bilhões, cerca de 55% do que foi emprestado às companhias do setor. Foi pelas mãos do BNDES, e com o apoio dos fundos de pensão das estatais, que a união entre Oi e BrT foi viabilizada, dando início à supertele, com atuação nacional. A meta era ousada: fazer da nova Oi a líder nos países de língua portuguesa.

    No fim das contas, o prejuízo ficará com o contribuinte, só para variar, o maior sócio do governo e suas empresas…

    Leia mais a seguir:

    Era uma vez uma supertele: Oi chega à maioridade em crise
    Oi é o mico das telecomunicações

    Oi: Brasil Telecom, Telemar e Portugal Telecom, das fusões ao pó?

    Eletropaulo, Sabesp, Tim, Oi… A privatização foi boa para você?

    Até mais.

    Geral

    A Petrobras não iria falir?

    3 de setembro de 2014

    Muitos profetas de araque quando da última queda forte das ações da Petrobras, denúncias, CPIs, empresa tomando conta dos noticiários Brasil afora com a chegada da eleição, afirmavam com toda convicção que a Petrobras iria falir. Justificativas eram a cessão onerosa, o regime de partilha, a PPSA, a Petrobras era do povo e não dos acionistas, a empresa seria apenas usada a serviço do governo e não daria lucra, que o pré-sal não daria certo, entre outras abobrinhas.

    Aí eu peço aos profetas que me expliquem isto:

    Produção de petróleo e gás natural no Brasil é recorde em julho
    http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2014-09/producao-de-petroleo-e-gas-natural-no-brasil-atinge-recorde-em-julho

    Eu também peço que expliquem:

    Gráfico Petrobras Bull Market - setembro 2014
    Gráfico Petrobras Bull Market – setembro 2014

    Vejam outros posts sobre a Petrobras nos links a seguir:

    Até mais ver!

    Geral

    OGX: A cada dia que passa a falência está mais próxima

    2 de abril de 2014

    17 bilhões de prejuízo em 2013!!!!

     

    OGX maior prejuízo entre as empresas de capital aberto desde 1986.
    http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/3268670/tempo-real-ogx-cai-mais-apos-prejuizo-trimestre

    Leia também:

    Até o próximo post.