‘Débito’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: débito

    Geral

    Como uma millenial pagou $68.600,00 de dívidas em 3 anos

    13 de junho de 2018

    Ela viveu um tempo sem nem lembrar que tinha uma dívida - e sofreu as consequências - Guen Garrido became debt free in March 2018 and celebrated by popping a large balloon filled with confetti
    Here’s how one millennial paid off $68,600 in just over 3 years

    Muitas pessoas já tiveram algum momento de muita dívida, no qual foi preciso tomar as rédeas da vida financeira para se reorganizar e não se afundar em dívidas. A jovem americana Guen Garrido passou por uma situação parecida, e conseguiu se superar. Ao ser entrevistada ao CNBC Make It, a jovem falou como quitou uma dívida de US$ 68.600, cerca de R$ 255 mil, em três anos e três meses.
    Depois de se formar em psicologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) em 2007, Guen Garrido tinha US$ 40 mil, cerca de R$ 148 mil, em dívidas estudantis. “Naquela época, era o que dava para fazer para conseguir terminar a faculdade“, explica.

    Ela considerou fazer uma faculdade menos reconhecida pelo preço, mas o fato de ter entrado na UCLA foi um grande passo, considerando que foi a primeira pessoa da minha família a ir para a faculdade. Então ela pensava: “Faça o que for preciso e quando tiver um emprego você paga a dívida”. Porém pagá-la não foi fácil quanto ela tinha imaginado.

    Ela era professora para crianças da pré-escola e ganhava apenas US$ 13 por hora, cerca de R$ 48, o que não era suficiente para pagar as contas. Então, deixou sua dívida em segundo plano. “Por um tempo, eu estava vivendo como se a minha dívida não estivesse lá. Parecia normal estar devendo muito dinheiro”, conta.

    E assim ela seguiu até 2013, quando alguns eventos da vida a fizeram enfrentar sua dívida. Depois de terminar um relacionamento de cinco anos, ela saiu do apartamento que dividia com o namorado e se viu “tendo que descobrir as coisas por conta própria”, diz. Mais tarde naquele mesmo ano, seu pai foi diagnosticado com câncer. “Essa notícia me derrubou. Foi quando percebi que não podia ajudar meu pai com o tratamento porque eu estava afundada em dívidas”, lamenta.

    Com o passar do tempo, aquela dívida da faculdade aumentou. Até o final de 2014, ela devia cerca de R$ 255 mil, graças a um financiamento de carro, alguns empréstimos pessoais e dívidas de cartão de crédito. Mas hoje ela estpa livre de dívidas.

    Como ela conseguiu a façanha?

    Buscou conhecimento

    A primeira coisa que a jovem fez foi começar a estudar sobre finanças pessoais com livros, podcasts, artigos e até vídeos no YouTube. Ela começou lendo um livro chamado “The Total Money Makeover” (Reformulação total do dinheiro), de Dave Ramsey, que a ajudou a elaborar seu plano para sair do vermelho. Mas seu recurso favorito era o YouTube. “Todo dia eu selecionava vídeos para ouvir discursos motivacionais sobre dinheiro ou qualquer coisa sobre investimentos, empréstimos e crédito”, diz. Começou a pagar a dívida no início de 2015.

    Durante os estudos ela aprendeu sobre o refinanciamento de empréstimos estudantis, uma estratégia que podia ajudá-la no momento. Ela refinanciou US$ 20 mil da sua dívida estudantil com uma empresa online de finanças pessoais especializada na modalidade, que permite diminuição de juros de uma dívida. Com isso, ela conseguiu reduzir a taxa de juros de 10% para 6%.

    Elaborou um plano

    Depois de ler o livro de Ramsey, a jovem passou a adotar o “método da bola de neve” para pagar tudo. Com essa estratégia, você prioriza seus menores débitos, independentemente da taxa de juros. Para Garrido, isso significava começar com US$ 50, cerca de R$ 180, que ela devia a loja de departamentos americana Target.

    A ideia é que ao pagar as contas mais baratas, você seja estimulado pela sensação de ver as dívidas desaparecerem. É como se estivesse rachando a bola de neve em pequenos pedaços para que aos poucos o impacto dela diminua, e isso vai ajudá-lo a ficar animado com o processo. E assim seguiu, depois de pagar as dívidas dos cartões de crédito, ela focou nos empréstimos pessoais e, finalmente, ela enfrentou sua maior dívida: o empréstimo estudantil pagando o quanto podia por mês.

    Ela definiu uma meta e acompanhou seu progresso

    Uma parte fundamental do plano de Garrido era estabelecer uma data final como meta para acabar com seus débitos. “Eu acho que muitas pessoas pensam que nunca serão livres de dívidas, então nem tentam sair. Mas depois que você define algumas metas para pagar, você começa a pensar: ‘Ok, eu posso fazer isso'”, explica.

    Para acompanhar seu progresso, ela criou uma planilha do Excel que não apenas permitia que ela registrasse suas receitas e despesas, mas também dizia como sua data prevista mudaria se aumentasse seus pagamentos de dívidas em um determinado valor a cada mês. “Isso me motivou a encontrar maneiras de vencer essa data”, acrescenta Garrido, que acabou pagando sua dívida nove meses antes do previsto.

    Ela acumulou uma renda extra

    Em 2015, Garrido já tinha deixado o trabalho como professora e começou uma nova fase em um emprego como analista de dados em uma universidade online e passou a ganhar mais que antes. Mas ainda não era uma renda suficiente, então ela começou a trabalhar com aplicativos de compartilhamento de caronas como o Uber.

    “Eu fiz isso praticamente cinco noites por semana. Depois que eu saía do trabalho, eu me dava um tempo para relaxar em casa e então pegava o carro e ia fazer algumas horas de Uber – inclusive cheguei a trabalhar nos fins de semana”, conta.

    Ela trabalhou com os apps de carona o ano de 2015 inteiro e conseguiu acumular US$ 10 mil na época, cerca de R$ 37 mil. Essa quantia foi direcionada quase completamente para a dívida. “Não tenha vergonha se você tiver que fazer um trabalho paralelo. Eu tive esse sentimento em um certo momento, mas valeu a pena”, comenta.

    Além disso, qualquer outra quantia que entrava em sua conta, ela usava para abater a dívida. “Eu não melhorei meu estilo de vida. Se eu tivesse um dinheiro para comprar algo de Natal, eu usava para pagar a dívida. E os impostos também – a restituição sempre ia direto para o que eu estava devendo”.

    Limitou seus gastos a US$ 300

    Além de gerar mais renda, Garrido diminuiu nos gastos. Ela começou diminuindo os preços em certos custos fixos. “Liguei para minha companhia de seguros de automóveis e negociei. Olhei para minha conta de telefone e descobri que estava em um plano antigo que custava mais do que o atual. Percebi que você precisa se atualizar sobre essas coisas e ver se há algo novo que possa lhe poupar dinheiro”, conta. Dessa maneira, ela foi reduzindo custos fixos onde viu que era possível.

    Em seguida, ela focou em reduzir as despesas do dia a dia. “Eu defini que só tinha US$ 300 por mês para fazer tudo tirando os custos fixos. Mercado, gás, sair para comer e entretenimento”, conta Garrido. Para garantir que ficasse dentro de seu orçamento, ela abriu uma conta bancária separada com apenas um cartão de débito e transferia US$ 300 para essa conta. Uma vez que ela passasse desse valor, ela não podia gastar mais até que seu próximo salário caísse.

    Enquanto Garrido estava gastando significativamente menos do que estava acostumada, não sentia que estava passando por dificuldades. Pelo contrário, via sua situação de gastar o limite que se impôs como quisesse. “Eu enxergava como espécie de dieta, que você poderia comer o que bem entendesse com uma certa quantidade de calorias”.

    Sua disciplina valeu a pena. Ao longo dos três anos e três meses, ela pagou uma média de US$ 1.800, cerca de R$ 6.600, por mês da dívida. Seu menor pagamento mensal foi de US$ 859, cerca de R$ 3.170, e o maior foi de US$ 3.418, cerca de R$ 12.600. “Esse valor mais alto foi no fim do ano, quando recebi um bônus da empresa. Usei o dinheiro e quase todo meu salário para pagar mais uma parte da dívida”, explica.

    A última parcela foi paga em março deste ano e, claro, ela fez questão de comemorar. Tirou o dia de folga do trabalho, fez uma massagem e depois comprou uma balão preto gigante e encheu de confete verde. Ela pintou a palavra “dívida” em prata e estourou o balão para festejar o fim desse ciclo difícil.

    Hoje, aos 32 anos, ela continua trabalhando como analista de dados e está oficialmente livre de dívidas, mas seus hábitos de consumo não mudaram muito. “Agora, eu me dou US $ 350 por salário para gastar”, diz ela.

    O dinheiro que era direcionado para sua dívida agora está focado em diferentes metas de poupança. Hoje, suas prioridades são: construir um fundo de emergência de US$ 10 mil e economizar para seu próximo casamento. Além disso, já pensa em metas de longo prazo, como comprar uma casa e economizar para a aposentadoria. “Mesmo que eu esteja livre da dívida, ainda há muito para se trabalhar”, diz Garrido.

    Leia também:

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    Até mais.

    Geral

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    26 de abril de 2018

    Bobby Hoyt era basicamente a foto de millenium recém-saído da faculdade. Ele realmente não tinha aprendido nada sobre finanças pessoais, tinha um diploma brilhante e tinha quase US$ 40.000 em dívidas de empréstimos estudantis que ele não tinha ideia do que fazer.
    Inicialmente, o plano era fazer os pagamentos mínimos, como todo mundo fazia. Felizmente, ouviu um empresário de sucesso que conheceu através da família de minha esposa. Sua mensagem? Pague sua dívida o mais rápido que puder.

    Eu paguei US $ 40.000 de empréstimos estudantis em um ano e meio com o salário de um professor: aqui estão 5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    “Aceitei esse conselho e corri com ele. Eu mantive minhas despesas de moradia o mais baixo possível alugando um quarto dos pais da minha esposa, continuei dirigindo meu carro velho da faculdade em vez de comprar o novo que eu realmente queria, e literalmente fiz os maiores pagamentos que podia a cada duas semanas salário de ensino”, diz Hoyt.

    Depois de 18 meses, pagou os empréstimos estudantis. Começou o blog MillennialMoneyMan.com como uma forma de ajudar outras pessoas que estavam lidando com dívidas de empréstimos estudantis, e um pouco mais de um ano e meio atrás eu parei meu trabalho para perseguir a minha empresa on-line em tempo integral.

    Hoyt conta que a paixão tornou-se tentando ajudar os jovens a se motivarem com suas finanças logo no início. Desde que deixou o emprego como professora, ouviu centenas de histórias de horror sobre dívidas de leitores que querem encontrar uma maneira de progredir.

    Aqui abaixo estão cinco coisas que qualquer um que queira se tornar livre de dívidas deve fazer:

    1 – Pare de se importar com o que as outras pessoas pensam

    Isso é absolutamente fundamental. Se você está pensando em assumir suas dívidas de forma agressiva, há uma boa chance de você ter que tomar algumas decisões desconfortáveis ​​que não são populares. Para mim, obviamente, estava escolhendo alugar um quarto dos pais da minha esposa ou usar os mesmos equipamentos para trabalhar regularmente. Eu ainda tenho “mamãe e papai” jabs de haters muito depois que saímos.
    Aqui está a parte importante: seus detratores não importam nada. Todo mundo tem um caminho diferente na vida, e eu nunca vou julgar alguém por como eles escolhem atacar suas dívidas. Mude-se com a sua família (certifique-se de contribuir de alguma forma), alugue quartos em sua casa, continue dirigindo aquele carro de baixa qualidade ou espere para sair com seus amigos, se necessário. Enquanto você estiver trabalhando para atingir seus objetivos, sinta-se bem com o que está fazendo. As opiniões externas nunca devem influenciar suas decisões financeiras.

    2 – Faça da sua dívida a prioridade

    Um truque que usei para facilitar minha dívida foi colocá-lo no topo da minha lista financeira. A primeira coisa que fiz a cada duas semanas, quando meu contracheque caiu na minha conta, foi o pagamento do meu empréstimo. Livrar-se desse dinheiro imediatamente tirou a minha capacidade de desperdiçá-lo ao sair para comer ou comprar qualquer coisa nova que todo mundo tivesse.

    3 – Não tente acompanhar seus colegas

    Muitas pessoas ficam presas tentando acompanhar os Joneses. Uma das coisas mais difíceis sobre pagar meus empréstimos foi assistir todos os meus amigos me passarem. Se era um novo carro incrível ou a casa que eles estavam construindo. Eu senti que não era tão bem sucedido quanto eles.
    Avançando alguns anos, e a maioria dos meus colegas que financiaram suas vidas estão absolutamente arrependidos. Fomos condicionados a manter contato com nossos colegas durante toda a vida por meio de notas e esportes na escola primária. Se você puder evitar competir com seus amigos em compras altamente financiadas, você fará muito melhor a longo prazo.

    4 – Comece uma confusão lateral

    O surgimento da internet tem sido, obviamente, um fator de mudança, mas nem todos com acesso estão tirando vantagem disso. Para qualquer um dos meus leitores que me perguntar como eles podem aumentar sua renda para ajudar com suas dívidas, a minha resposta é sempre a mesma: começar a empurrar.

    Existem inúmeras maneiras de começar um negócio on-line e não precisam ser complicadas nem caras. Eu vi de tudo, de lenços de tricô e vendê-los no Etsy, para encontrar itens em vendas de garagem e vendê-los no eBay. Se a sua primeira estratégia não funcionar, continue tentando outra coisa até encontrar uma maneira eficaz de suplementar sua renda.

    5 – Verifique sua mentalidade

    Fora de tudo nesta lista, sua mentalidade em relação a dívida e sucesso é facilmente o mais importante. Há, obviamente, uma tonelada de histórias por aí de pessoas como eu que pagaram seus empréstimos muito rapidamente usando várias técnicas. Se a sua primeira reação é pensar que essas histórias são impossíveis, uma farsa ou apenas pura sorte – você já perdeu.
    As pessoas que normalmente têm sucesso com a dívida olham para essas histórias e tentam encontrar estratégias em vez de um projeto. Não há “um tamanho para todos”, abordagem rápida para sair da dívida. Toma decisões impopulares, aproveitando e criando oportunidades, e toneladas de sacrifícios pessoais para começar.
    fonte de consulta: businessinsider.com/i-paid-off-40000-of-student-loans-on-a-teachers-salary-2016-10

    Até o próximo post.

    Geral

    Veja 5 coisas que você deveria comprar com cartão de crédito

    16 de dezembro de 2016

    Em algumas situações, pode ser mais inteligente usar o crédito do que o débito. O cartão de crédito pode ser aliado do bolso, se usado com inteligência.

    Após as 12 medidas econômicas anunciadas pelo governo Temer nesta quinta-feira passada muitos ficaram com dúvidas se ainda vai valer a pena pagar com cartão de crédito ou se valerá mais a pena pagar tudo que for possível com dinheiro, a despeito do problema de segurança de ficar andando com muito dinheiro vivo para cima e para baixo nas cidades por onde vivem. Se cartão de crédito fosse tão ruim assim, o famoso vilão das finanças, por que todo mundo usa? Apesar dessa ferramenta exigir muito cuidado, se usada com sabedoria, ela pode ajudar a manter o bolso saudável. Em bora em certas ocasiões, pode ser mais inteligente usar o crédito do que o débito. A seguir, são listados 5 itens para comprar com cartão de crédito e aproveitar o lado positivo desse instrumento financeiro:

    1) Compras online
    Ao fazer qualquer tipo de compra online e pagar com cartão de crédito, você tem o respaldo do banco se acontecer qualquer tipo fraude, diferente do pagamento com boleto bancário, que não oferece nenhum tipo de proteção. Além disso, você consegue cancelar a compra de forma mais rápida.

    Os dois tipos de fraude mais comuns em compras com cartão de crédito são a não entrega do produto e a clonagem do cartão, como explica Tom Canabarro, co-fundador da empresa Konduto, que trabalha na prevenção de fraudes online. Nessas duas situações, o banco se responsabiliza por resolver o problema e estornar o valor.

    É recomendável, inclusive, desconfiar de sites que só aceitam pagamento por boleto bancário. “Qualquer outro meio de pagamento hoje é mais inseguro que o cartão de crédito. Os bancos têm aperfeiçoado muito suas tecnologias de segurança”, explica Marcos Nunes, diretor geral de segurança digital para a América Latina da empresa UL.

    2) Eletrônicos e eletrodomésticos

    Vale a pena comprar produtos que têm garantia, como eletrônicos e eletrodomésticos, no cartão de crédito, como recomenda o diretor executivo da Associação Brasileira das Sociedades de Microcrédito (ABSCM), Rubens de Andrade Neto. Vários cartões oferecem um tempo de garantia adicional, em parceria com a marca do produto.

    Além disso, o cartão é uma ótima ferramenta de crédito para usar em emergências, quando sua geladeira quebrar, por exemplo. Nesse caso, parcelar pode ajudar a manter o resto do seu orçamento em dia, desde que você se organize para pagar as parcelas e não gaste desenfreadamente, como aconselha a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawawti.

    Outra vantagem é que o cartão dá 40 dias para pagar o produto, o que pode facilitar se tiver um gasto repentino e ainda não recebeu o salário do mês. “Se usado com maturidade, o cartão de crédito é uma ótima ferramenta financeira”, orienta Marcela.

    3) Seguros

    Vários cartões de crédito têm parcerias com seguradoras. Assim, basta usar o cartão e você está protegido por um seguro de vida, de viagem ou de carro, ao alugar um veículo.

    Essa pode ser uma forma interessante de estar protegido e economizar com o custo dos seguros, como recomenda o diretor executivo da ABSCM, Rubens de Andrade Neto.

    Algumas seguradoras também têm cartões de crédito próprio, que dão desconto na contratação ou renovação do seguro e até reduzem o valor do franquia. No entanto, tenha cuidado para não ter cartões demais e esquecer de pagar alguma fatura.

    4) Reserva de hospedagem e aluguel de carro

    É muito comum que hotéis e locadores de veículos exijam um depósito antecipado para realizar a reserva, de valor alto. No entanto, se você fornecer os dados do cartão de crédito antecipadamente, o pagamento pode ser efetuado só depois da utilização do serviço, com mais tempo para se organizar.

    5) Passagens aéreas

    As milhas acumuladas no cartão de crédito podem ser uma ótima alternativa para escapar dos preços altos das passagens aéreas e viajar sem gastar uma fortuna na alta temporada.

    O site Melhores Destinos tem uma lista atualizada de quais são os melhores cartões de crédito para ganhar milhas aéreas, considerando a quantidade de pontos recebida por compras, a taxa de anuidade e o prazo para os pontos expirarem, além de outros benefícios.

    Também é cada vez mais comum os programas de fidelidade realizarem promoções com os cartões. Funciona assim: se você transferir uma quantidade mínima de pontos do cartão de crédito para o programa, na data estipulada, você ganha um bônus de entre 30% e 100%. Veja essas e outras dicas para acumular mais milhas no cartão e viajar de graça.

    Assim como em viagens pagas com dinheiro, há uma enorme variação no custo das passagens por milhas. Não deixe de reservar um tempo para pesquisar.

    EXAME - SEU DINHEIRO - 5 coisas que você deveria comprar com cartão de crédito
    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/5-coisas-que-voce-deveria-comprar-com-cartao-de-credito

    Até mais.

    Geral

    Pagar no cartão de débito ou no cartão de crédito?

    26 de outubro de 2014

    Qual a diferença entre pagar no débito ou no crédito?

    Para quem não tem controle nas finanças pessoais o cartão de débito é melhor remédio, desde que você não tenha limite de cheque especial na conta.
    Para quem tem disciplina, quer acumular pontos nos programas de fidelidade, milhagem, etc., o cartão de crédito é uma ótima pedida.

    O cartão de crédito é uma ferramenta do tipo “compre já, pague depois” (“quando puder…”) e um cartão de débito é uma ferramenta do tipo “compre já, pague já”(sai na hora o dinheiro da sua conta corrente. Ambos os cartões têm funções importantes em seu plano de controle financeiro.

    Um cartão de débito tem ligação com sua conta corrente. Se você usar um cartão de débito, o dinheiro é subtraído automaticamente da sua conta. Por outro lado, um cartão de crédito é um empréstimo garantido que uma instituição financeira fornece a você. Se você um usuário de cartão de crédito você pretende reembolsar o valor em uma data pré-definida, de preferência sem juros, ou seja, sem usar o famigerado crédito rotativo, aquele que pode criar uma bola de neve, principalmente se você pagar somente o mínimo todo mês. Não se esqueçam que os bancos cobram juros sobre juros. Para fugir deste monte de juros, após estourar todo sua capacidade de pagamento da dívida, só fazendo acordos extra-judiciais ou judiciais.

    Com um cartão de débito, você pode fazer compras em muitos pontos comerciais sem ter de levar dinheiro em espécie ou se lembrar do seu talão de cheques. Apenas se faz necessário apresentar seu cartão de débito em qualquer lugar que tenha convênio com o seu cartão onde seja exibido o logotipo do mesmo e digitar sua senha da conta corrente. Com o uso do débito, o valor da compra será deduzido imediatamente de sua conta corrente

    Leia:

    É melhor pagar com cartão de crédito ou débito?
    http://www.creditooudebito.com.br/melhor-pagar-credito-debito/
    carteira com cartão de crédito e cartão de débito

    Veja também:

    Até o próximo post.