Os maiores erros dos analistas com a OGX: Empiricus e Inva Capital
Geral

Os maiores erros dos analistas com a OGX: Empiricus e Inva Capital

22 de outubro de 2013

Outra matéria incrível do Infomoney onde é explicado de forma muito clara os maiores erros dos analistas com a OGX, no caso, maior foco mais em Empiricus e Inva Capital.
Conforme relata Arthur Ordones, a Empiricus Research foi uma das que mais apostaram no potencial da OGX. Até o ano passado eles ainda recomendavam as ações da petrolífera, apesar da queda de 73,26% entre 15 de outubro de 2010. A Inva Capital foi a última a deixar de recomendar as ações da companhia, afinal, até junho deste ano a OGX continuava na carteira recomendada da boutique de investimentos. Vale a pena conferir:

Veja os maiores erros dos analistas com a OGX
Os analistas que mais insistiram na companhia foram os da Empiricus e os da Inva Capital
Por Arthur Ordones |9h00 | 21-10-2013

Veja também:

Até o próximo post.

9 Comments

  • Reply Vilmar 1 de Fevereiro de 2017 at 08:43

    Consultoria dona do site Antagonista recomendou ações de empresas de Eike até o fim de 2012

    Postado em 30 de janeiro de 2017 às 10:52 pm
    Segundo o InfoMoney, em matéria de 2013, a consultoria Empiricus Research, dona do site Antagonista, foi uma das que mais apostaram no potencial da OGX de Eike Batista:

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br

  • Reply Vilmar 16 de setembro de 2014 at 00:00

    Quem em sã consciência investiu nos sonhos “X” ?

    http://defendaseudinheiro.com.br/ccx-outro-caso-de-insucesso-do-grupo-ebx/

  • Reply Vilmar 23 de agosto de 2014 at 19:39

    “INDUZIR O MERCADO AO ERRO”

    CVM processa Eike por excesso de otimismo em comunicados
    Segundo a Comissão de Valores Mobiliários, o empresário e sete executivos da petroleira OGX divulgaram boletins “exageradamente otimistas” sobre os reservatórios da empresa
    otempo.com.br/capa/economia/cvm-processa-eike-por-excesso-de-otimismo-em-comunicados-1.904461

    • Reply Vilmar 3 de setembro de 2014 at 13:22

      até o pai do eike desistiu dele … alguém ainda acredita neste X??? kkkkkkkkkkkkkkk
      Pai de Eike, Eliezer Batista renuncia ao cargo de membro do conselho da OGPar – InfoMoney
      infomoney.com.br/ogxpetroleo/noticia/3555073/pai-eike-eliezer-batista-renuncia-cargo-membro-conselho-ogpar

  • Reply Vilmar 21 de julho de 2014 at 15:51

    Interessante, o Marcos Elias saiu da Empiricus, meses atrás, vejam o post abaixo:


    01
    novembro
    14:05
    Autorregulação
    Sem Marcos Elias, analistas da Empiricus acatam punição inédita da Apimec
    Angelo Pavini | Arena do Pavini

    Divulgação – BM&FBovespa

    Os sócios da Empíricus Consultoria, Rodolfo Amstalden e Roberto Altenhofen Pires Pereira, consideraram justa e não devem recorrer da decisão da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) de multá-los por relatórios com linguagem agressiva contra a Marfrig Alimentos. A decisão, divulgada ontem, foi a primeira da entidade como autorreguladora dos analistas.

    A Apimec considerou que os relatórios violaram o código de conduta da entidade pelos ataques aos executivos da empresa e pela campanha para os investidores venderem os papéis. Amstalden e Altenhofen foram multados em um valor equivalente a três vezes a taxa de registro da entidade, valor equivalente a R$ 2 mil.

    Já Marcos Elias, fundador e principal executivo da Empiricus e autor de boa parte dos polêmicos relatórios, deixou a empresa há dois meses, vendendo sua participação para os dois sócios. Punido pela Apimec com suspensão do registro de analista por 12 meses, Elias é agora sócio de uma gestora especializada em fundos com estratégia quantitativa, que usa modelos matemáticos para definir suas aplicações, a Apolo Investimentos. Totalmente focado hoje em modelos e alta frequência, Elias não quis comentar a decisão a Apimec.

    Amstalden disse que ele e Altenhofen tiveram uma ótima impressão do processo, o primeiro do tipo organizado pela Apimec como supervisora dos analistas. “Houve abertura para ouvir nossos argumentos e não apenas acatar a reclamação da Marfrig, que consideramos que foi exagerada”, disse. Ele deixa claro que não fala em nome do ex-sócio, Marcos Elias.

    Amstalden negou também que tenha ocorrido tentativa de manipulação de preços das ações para beneficiar fundos da Empiricus Gestão. “A gestora já havia sido vendida para a Gradual antes dos relatórios, não faria sentido, até porque nem volume os fundos tinham para ganhar com o movimento”, disse. Por isso, ele acha bom que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) investigue os fundos.

    Para o analista, ficou claro também que a Apimec não colocou em dúvida as críticas feitas aos balanços da empresa, mas a forma e a linguagem utilizados pela Empiricus. “Na Apimec, olharam a maneira de se expressar, como nos manifestamos, mas não os argumentos técnicos, até porque não seria papel dela”.

    Nesse ponto, o sócio da Empiricus lembrou que a consultoria entrou com ação contra a Marfrig na CVM alegando que a empresa cometeu irregularidades nos balanços. “Esperamos agora o andamento do processo”, disse ele, que destacou que a empresa teve de corrigir um dos itens das demonstrações financeiras por ordem do regulador.

    Sem vincular a medida à reclamação feita pela Empiricus, Amstalden observou que a CVM fez a Marfrig reclassificar no balanço as debêntures conversíveis vendidas ao BNDES como dívida, e não como patrimônio, como vinha fazendo. “Apesar de serem conversíveis, ou seja, podem virar ações da empresa, elas pagam juros periódicos, o que as torna um instrumento mais de dívida”, lembra.

    O total de debêntures conversíveis chega a R$ 2,5 bilhões e o BNDES deve converter uma parte agora, aproveitando a oferta de ações que a Marfrig fará em breve. “Será vantagem, pois a debênture no vencimento, em 2015, permitiria a conversão em ações por um preço de R$ 24,50, e hoje a oferta deve sair perto do preço de mercado, de R$ 10,00”, afirmou.

    Perguntado se a Empiricus manterá o discurso agressivo dos tempos de Marcos Elias, Amstalden disse que a empresa ficou conhecida no mercado pela carta redigida pelo ex-sócio contra a Marfrig, mas destacou que ela “não é uma amostra do nosso trabalho”. “Somos a oitava empresa em número de registros de relatórios na Apimec, cobrimos mais de cem empresas, mas, como independentes de bancos e corretoras, privilegiamos o senso crítico, sem ferir as regras de conduta”, afirmou. “Nossa linguagem continuará bem sóbria, como é em geral, e não como foi em casos específicos”, destacou. A Empiricus tem hoje oito funcionários, entre analistas e assistentes, e nove corretoras como clientes.

    arenadopavini.com.br/artigos/arenas-das-empresas/sem-marcos-elias-analistas-da-empiricus-acatam-punicao-inedita-da-apimec

    • Reply Vilmar 22 de setembro de 2014 at 00:08

      ELEIÇÕES 2014
      O que está por trás da campanha da Empiricus?
      Campanha da consultoria Empiricus que invadiu a internet nos últimos dias através do Google Adwords apresenta algumas questões: “Como se proteger se Dilma ganhar?”, ou “E se Aécio Neves vencer?”
      pragmatismopolitico.com.br/2014/05/o-que-esta-por-tras-da-campanha-da-empiricus.html

  • Reply Vilmar 20 de julho de 2014 at 21:26

    No Brasil, Varig e OGX já foram alvo de ‘abutres’
    oglobo.globo.com/economia/no-brasil-varig-ogx-ja-foram-alvo-de-abutres-13316877
    deveriam é ser alvo de investigação da polícia federal, falcatruas da pesada ahahahhhhh

    • Reply Vilmar 24 de julho de 2014 at 07:25

      macaco x ahahaah, isto aqui é rumo ao pó rsrsr…ANP aprova planos de avaliação da OGPar para 5 poços
      A reguladora também estabeleceu os prazos para as próximas etapas do processo exploratório dos blocos

      http://chegadeperderdinheiro.com.br/ogx-so-da-prejuizo/
      exame.abril.com.br/negocios/noticias/anp-aprova-planos-de-avaliacao-da-ogpar-para-5-pocos

  • Reply Vilmar 29 de outubro de 2013 at 14:59

    O que acontece com as opções de venda da OGX em caso de recuperação judicial?
    Analista Clodoir Vieira responde a pergunta de leitor do InfoMoney
    11h56 | 28-10-2013

    Pergunta do leitor:
    Em caso de um eventual pedido de recuperação judicial da OGX, imediatamente as negociação com suas ações serão suspensas assim como suas opções, além da exclusão do índice Bovespa.
    A minha dúvida é como ficariam as opções de venda da mesma? E se a suspensão for por um prazo superior ao vencimento da série? A bolsa arbitrará um preço para essas opções? Como fica o detentor dessas opções de venda?

    Resposta do analista Clodoir Vieira*
    1) O negócios serão suspensos assim que o emissor apresentar a recuperação judicial ou extrajudicial.
    2) As opções também serão suspensas, assim como o pedido de exercício.
    2.1) Haverá um leilão destinado exclusivamente para encerramento de posição, a Bolsa arbitrará o preço de encerramento das posições de opções.
    2.2) Nas séries que poderão ser exercidas durante o período de suspensão, a bolsa utilizará o preço resultante do procedimento especial de leilão como referência para exercício da opção.
    3) Empréstimos / Aluguel: caso não aja como devolver as ações, a bolsa determinará a liquidação financeira da operação utilizando o preço resultante de leilão. Caso aja impeditivo judicial para a realização de procedimento especial de leilão, a bolsa arbitrará o preço a ser utilizado na liquidação financeira da operação.
    * Clodoir Vieira é analista (CNPI) e consultor de investimentos da Compliance
    infomoney.com.br/onde-investir/acoes/noticia/3026582/que-acontece-com-opcoes-venda-ogx-caso-recuperacao-judicial

  • Leave a Reply

    CAPTCHA *