OGX: A cada dia que passa a falência está mais próxima
Geral

OGX: A cada dia que passa a falência está mais próxima

2 de abril de 2014

17 bilhões de prejuízo em 2013!!!!

 

OGX maior prejuízo entre as empresas de capital aberto desde 1986.
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/3268670/tempo-real-ogx-cai-mais-apos-prejuizo-trimestre

Leia também:

Até o próximo post.

12 Comments

  • Reply Vilmar 31 de agosto de 2015 at 11:26

    Ex-OGX anuncia interrupção de operações em campo de petróleo
    29/08/2015

    A OGPar (ex-OGX, petroleira criada por Eike Batista) informou nesta sexta-feira (28) que chegou a acordo com o estaleiro OSX para interromper a produção de petróleo no campo de Tubarão Azul no dia 31 de agosto.

    As duas empresas vinham negociando as condições para desmobilizar a plataforma FPSO OSX-1, que opera no campo, diante das dificuldades financeiras da petroleira. Segundo informações da empresa, Tubarão Azul produziu em julho uma média de 3,6 mil barris de petróleo por dia.

    Em comunicado distribuído ao mercado, a OGPar diz que a suspensão das atividades no campo garante a redução dos custos de abandono do projeto. Foi o primeiro campo da OGPar a entrar em operação, mas a expectativa de reservas foi frustrada após o início da produção.

    Com a queda no preço do petróleo, o projeto passou a dar prejuízo -no primeiro semestre deste ano, o resultado negativo foi de R$ 27,985 milhões. No comunicado, a empresa ressalta que a suspensão do projeto está sujeita à aprovação das autoridades.

    Após o fim das operações de Tubarão Azul, a OGPar manterá em sua carteira apenas um projeto em operação, Tubarão Martelo, que produziu 9,6 mil barris por dia em julho. O projeto também teve resultado negativo no primeiro semestre, de R$ 26,8 milhões. A companhia teve prejuízo de R$ 96,6 milhões no período.

    inforlero.com.br/ex-ogx-anuncia-interrupcao-de-operacoes-em-campo-de-petroleo/#sthash.k07AQwvX.dpuf

  • Reply Vilmar 24 de agosto de 2015 at 15:42

    No Brasil de Dilma, agora temos uma nova leva de falidos: OS MUNICÍPIOS !

    segunda-feira, 24 de agosto de 2015
    A falência dos munícipios brasileiros

    http://direitacentroesquerda.blogspot.com.br/2015/08/a-falencia-dos-municipios-brasileiros.html

  • Reply Vilmar 29 de abril de 2015 at 15:16

    Ações da OGX serão negociadas na Bolsa sob código ‘OGSA3’
    26/12/2014 19h09

    SÃO PAULO (Reuters) – A Óleo e Gás Participações informou nesta sexta-feira que as ações de emissão da petroleira em recuperação judicial OGX (fundada por Eike Batista) passarão a ser negociadas na BM&FBovespa sob o código “OGSA3.SA”, a partir de 29 de dezembro de 2014.

    A companhia informou ainda que a OGX obteve registro de seu programa de American Depositary Receipt (ADRs) Nível 1 junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e ao regulador dos mercados norte-americanos.

    Os American Depositary Shares (ADS) emitidos no contexto do programa de ADRs não serão listados. Cada ADS representará uma ação ordinária da OGX, informou a empresa.

    O presidente da Óleo e Gás, Paulo Narcelio, disse a jornalistas em outubro que a reestruturação da Óleo e Gás deve ser concluída até abril de 2015. Uma nova OGX reestruturada irá englobar a Óleo e Gás, atual responsável pelos ativos operacionais do grupo.

    Haverá duas empresas listadas na bolsa: OGX e Óleo e Gás, com valores distintos, que vão convergir para uma estrutura só onde a OGX vai incorporar a Óleo e Gás.

    No fim do processo de reestruturação, os credores da Óleo e Gás que concederam crédito para a empresa já em recuperação judicial terão 65 por cento da nova OGX, os credores anteriores ao processo de recuperação judicial terão outros 25 por cento.

    Os outros 10 por cento serão divididos entre os acionistas pré-recuperação, sendo cerca de 5 por cento para Eike Batista.

    A recuperação judicial, com início em outubro de 2013, terá que ser concluída em dois anos, até outubro de 2015.

    (Por Luciana Bruno)

    aposto que vão adiar de novo hein

  • Reply Vilmar 15 de abril de 2015 at 18:50

    OGPar precisa devolver plataformas para sobreviver, diz presidente

    De acordo com Paulo Narcélio, que comanda a petroleira, acordo com os donos das plataformas em operação em Tubarão Azul e Tubarão Martelo é a única opção para a empresa não ir à falência

    MARIANA SALLOWICZ – O Estado de S.Paulo

    RIO – Após fechar novo acordo na semana passada com os credores que injetaram recursos na companhia em meio à recuperação judicial, a OGPar (ex-OGX), petroleira fundada por Eike Batista, tem pela frente um desafio, do qual depende a continuidade das suas atividades. A afirmação é do próprio presidente da empresa, Paulo Narcélio.

    Segundo o executivo, a empresa precisa fechar com urgência a negociação com os donos dos direitos de aluguel das plataformas em operação nos dois únicos campos em que produz, Tubarão Azul e Tubarão Martelo, ambas na Bacia de Campos. A ideia é devolvê-las e, assim, reduzir custos.

    As conversas já começaram com os donos dos direitos da OSX-1, em Tubarão Azul, mas, no caso da OSX-3, de Tubarão Martelo, os donos estão brigando na Justiça com a petroleira (leia a matéria ao lado).

    Caso o acerto não seja fechado, o executivo diz que a falência é uma opção, apesar de a companhia “estar batalhando para evitá-la”. “Perseguimos o cenário necessário para salvar a companhia, que é ter sucesso na negociação com os donos das plataformas OSX-1 e OSX-3. É a única opção que nos daria a garantia hoje de não irmos à falência”, afirmou Narcélio.

    A OSX, também fundada por Eike e em recuperação judicial, cedeu os direitos creditórios do arrendamento das plataformas para seus credores. Um grupo, com credores noruegueses e instituições financeiras, é responsável pela OSX-1 e outro, bondholders liderados pela Nordic Trustee, pela OSX-3.

    Petróleo. Diante da forte queda da cotação do petróleo desde o ano passado, o plano da companhia é devolver as plataformas, interromper a produção e encontrar uma solução mais barata para a operação de Tubarão Martelo até meados de 2016.

    “Isso implicaria em termos uma FPSO (navio-plataforma) mais barata”, afirmou o presidente da OGPar. “Após encontrarmos a plataforma, vamos manter a produção até quando for economicamente viável. Já estamos procurando outros fornecedores”, explicou.

    A produção em Tubarão Azul, no entanto, deve ser interrompida, o que já era previsto desde o ano passado. O custo é elevado porque as plataformas foram superdimensionadas para a produção dos campos e, com a queda do petróleo, tornaram as operações inviáveis.

    Ao mesmo tempo em que é penalizada pela crise, a empresa quer aproveitar o momento para negociar com fornecedores uma plataforma para Tubarão Martelo. O executivo não informa qual o valor que empresa quer pagar, mas atualmente são US$ 130 mil por dia.

    O valor foi reduzido no final do ano passado por decisão liminar na Justiça, antes eram US$ 250 mil diários.

    Negociação. No caso dos credores da OSX-1, em Tubarão Azul, a negociação neste momento gira em torno de valores, afirma Narcélio. “A nossa proposta é que eles levem a embarcação e prestem garantias de abandono para a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). A forma de fazer a devolução está sendo discutida”, disse. No dia 24, executivos da petroleira se reúnem em Londres com esses credores da OSX para dar prosseguimento às conversas.

    A preocupação gira em torno da plataforma que está em Tubarão Martelo, a OSX-3. “Nossa proposta é muito clara: devolvemos a plataforma, podemos transferir temporariamente a gestão do campo para eles, que pagam todos os custos de abandono”, detalhou o executivo.

    Para Narcélio, esses credores da OSX “não perceberam ainda que, se provocarem a falência da companhia, podem perder” a embarcação. “Não estão muito colaborativos. O barco vai ficar como garantia para o abandono”, afirmou o executivo.

    Saída. Com a previsão de interromper a produção de Tubarão Martelo e Tubarão Azul, na bacia de Campos, a OGPar planeja se manter em atividade com valores que tem a receber pela venda de ativos até ter receita com o bloco BS-4, nos campos Atlanta e Oliva, na Bacia de Santos, do qual tem 40% de participação. A extração do primeiro óleo está prevista para o segundo trimestre de 2016.

    A empresa também negocia a venda de outros ativos, num total de cerca de US$ 30 milhões. “Temos recebíveis, da venda da participação da Parnaíba Gás Natural (PGN) e recursos da venda dos ativos da Colômbia, que juntos devem permitir a sobrevivência da companhia até o primeiro óleo do BS-4”, disse o presidente da companhia, Paulo Narcélio. A previsão é que R$ 210,6 milhões da PGN entrem no caixa até setembro.

    O executivo reafirmou que o futuro da companhia é o BS-4, no qual é parceira da Queiroz Galvão Exploração e Produção (operadora e dona de 30%) e da Barra Energia (30%). “Vai representar, a partir do ano que vem, o recomeço enquanto companhia capaz de atrair investimentos e voltar a crescer. Hoje, o ritmo é de encolhimento, de adequação à nova realidade do petróleo.” A empresa, diz ele, está em dia com pagamentos dos investimentos para início da produção do BS-4. Narcélio diz também que a empresa está colocando à venda participações em blocos exploratórios. “São fatias em quatro blocos, dois na bacia do Ceará e dois na margem Potiguar. E temos alguns equipamentos em estoque.”

    “O que temos feito é preservar caixa e nos financiar com fornecedores da operação, que são barcos de apoio, fornecedores de óleo diesel. Não pagamos a fatura do mês”, diz. Apesar disso, Narcélio evita falar em atraso. “Prefiro dizer que estamos nos financiando. Não são valores significativos e pretendemos colocar isso em dia até agosto.”
    [quote=”Dream Vortex”]Depois do calote na OSX e nos credores do empréstimo DIP, o calote agora é nas embarcações de apoio e até no diesel. PIADA COMPLETA:

    “O que temos feito é preservar caixa e nos financiar com fornecedores da operação, que são barcos de apoio, fornecedores de óleo diesel. Não pagamos a fatura do mês”, diz. Apesar disso, Narcélio evita falar em atraso. “Prefiro dizer que estamos nos financiando. Não são valores significativos e pretendemos colocar isso em dia até agosto.”[/quote]
    fonte:
    http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,ogpar-precisa-devolver-plataformas-para-sobreviver-diz-presidente-imp-,1669999

  • Reply Vilmar 23 de fevereiro de 2015 at 15:42

    23.02.2015
    Dilma diz que Petrobras e OGX, de Eike, podem ganhar com parcerias

    A presidente Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira que a OGX, empresa de petróleo e gás do empresário Eike Batista, e a Petrobras podem ganhar com parcerias.

    “Ambas podem ganhar muito com uma parceira entre elas. Estou certa que a OGX tem uma grande contribuição na produção de petróleo ‘offshore’ [alto-mar] no Brasil”, afirmou a presidente em discurso durante evento que marcou simbolicamente a extração do primeiro óleo da OGX, efetivada no início do ano.

    “A Petrobras já provou isso ao abrir os caminhos do pré-sal. Nós temos hoje a possibilidade, pela quantidade de recursos que temos nessa área, de contar com a participação tanto da OGX como de empresas privadas internacionais”, disse a presidente.

    “Espero que as parcerias feitas pela EBX e a OGX e os diferente segmentos do país sejam as mais produtivas possíveis”, acrescentou.

    Para o empresário, Petrobras e OGX se aproximaram desde a posse da nova presidente da estatal, Maria das Graças Foster, amiga pessoal de Dilma.

    “É natural que dois grandes [Petrobras e OGX] se ajudem. Já devia ser assim e será assim a partir de hoje. Depois da posse da Graça, houve uma mudança dramática nesse convívio, mais harmônico. Nós podemos nos ajudar, por que não?”, disse Eike a jornalistas, após a cerimônia.

    Ele afirmou que uma das parcerias em análise entre as duas companhias seria uma troca de gás natural. A OGX possui reservas na bacia de Santos, mas precisa utilizar o insumo em seu complexo industrial de Açu, que fica no nordeste do Rio de Janeiro.

    “Nós receberíamos gás da Petrobras aqui, via Cabiúnas, e entregaríamos gás em Santos, economizando gasodutos”, declarou ele.

    Eike disse também que uma parceria com a Petrobras na área de refino poderá ser estudada, mas declarou que não há nada definido sobre a questão.

    O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, avaliou mais cedo nesta quinta-feira em evento no Rio que seria possível a Petrobras fechar parceria com empresas do conglomerado EBX, de Eike, inclusive para a expansão do parque de refino da estatal no país.

    “Essa parceria é perfeitamente possível não apenas com ele, com empresários brasileiros ou com empresários internacionais. Não temos nada contra o capital”, afirmou ele ao ser questionado sobre o assunto.
    assecre.org.br/noticias/dilma-diz-que-petrobras-e-ogx-de-eike-podem-ganhar-com-parcerias/306.html

  • Reply Vilmar 14 de agosto de 2014 at 20:05

    Petroleira de Eike lucra R$ 303 milhões no trimestre
    SAMANTHA LIMA
    DO RIO

    14/08/2014 19h24

    A venda de petróleo e a valorização do câmbio levaram a Óleo e Gás Participações, ex-OGX, petroleira de Eike Batista em recuperação judicial, a lucro de R$ 303,4 milhões no segundo trimestre de 2014, ante prejuízo de R$ 4,7 bilhões em igual período de 2013, quando a empresa estava no auge da crise.

    Nos primeiros seis meses do ano, o lucro acumulado pela OGPar foi de R$ 516,4 milhões, frente a prejuízo de R$ 5,6 bilhões.

    De acordo com relatório divulgado pela empresa, o resultado decorre da receita de R$ 513 milhões com a venda de 2,4 milhões de barris de petróleo de dois campos, Tubarão Martelo e Azul, na Bacia de Campos.

    Como comparação, esse volume equivale à produção total de petróleo da Petrobras em um dia.

    A OGPar também relatou ter obtido ganho de R$ 760 milhões, efeito da valorização do real frente ao dólar, de quase 10% no período, em sua dívida em dólar.

    Segundo os administradores, a empresa também obteve resultado positivo com a redução de 43% nas despesas gerais e administrativas, resultante da reestruturação necessária para adequar a petroleira ao esforço de
    recuperação financeira.

    A OGPar teve seu plano de recuperação judicial aprovado por 81% dos credores presentes a assembleia realizada em junho e homologada pela Justiça uma semana depois.

    O plano foi desenhado para tirar a petroleira de Eike da difícil situação financeira em que mergulhou depois de pesados investimentos para explorar e produzir petróleo em poços que depois se revelaram muito aquém das projeções inicialmente realizadas.

    Ao longo da recuperação judicial, credores se tornarão os novos donos da empresa. Eike perderá o controle da companhia e ficará com menos de 10% de seu capital.

  • Reply Vilmar 11 de julho de 2014 at 17:24

    EIKE ACABA COM A BOLSA BRAZUCA!!! LUZZERSS-X FUJIRAMMM:
    BOVESPA 11-07-2014 | 16h24
    Viúvos da OGX? Bovespa já perdeu 72,9 mil investidores pessoa física em 13 meses
    Só no primeiro semestre deste ano, cerca de 28 mil CPFs deixaram a Bovespa; a maior queda do número ocorreu no mês de abril

    eike batista
    infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/3451051/viuvos-ogx-bovespa-perdeu-mil-investidores-pessoa-fisica-meses

    • Reply Vilmar 11 de julho de 2014 at 23:15

      kkkkkkkkkkkkkkkk

      Com a OGX não tem erro: tem sempre uma trolha nova. rsrsrsrsrs


      Fato Relevante – Alienação de Ativos na Colômbia –
      Rio de Janeiro, 11 de julho de 2014 – A Óleo e Gás Participações S.A. – Em Recuperação Judicial (“Companhia” ou “OGpar”) (Bovespa: OGXP3; OTC: OGXPY.PK), informa ao mercado que a agência regulatória do setor de petróleo e gás da Colômbia (“Agencia Nacional de Hidrocarburos” ou “ANH”) não aprovou a proposta de alienação dos ativos da OGX localizados na Colômbia (“Proposta”), nas bacias de Cesar Rancheria “CR-2”, “CR-3” e “CR-4” e Vale Inferior do Magdalena “VIM-5”, e “VIM-19” (“Ativos”), cuja oferta havia sido objeto do Fato Relevante de 25 de abril de 2014. Como consequência, a ANH cancelou os contratos de avaliação técnica relativos aos blocos da Bacia de Cesar Ranchería, bem como executou as cartas de crédito (“Standby Letters”) oferecidas como garantia e expedidas pelo banco garantidor no valor de aproximadamente US$24 milhões. O indeferimento pela ANH está ligado à alocação dos investimentos referentes aos compromissos exploratórios previstos na Proposta.
      Os blocos localizados na área de Cesar Rancheria apresentam dificuldades em executar quaisquer trabalhos exploratórios, por ser uma área caracterizada por complexidades socioambientais, incluindo a presença de comunidades indígenas e áreas de proteção ambiental. Além disso, a análise econômica da área revelou um perfil risco versus retorno inadequado. Por esta razão a companhia decidiu não contestar a decisão da agência sobre o cancelamento dos contratos, mas estuda medidas para reduzir outras penalidades eventualmente aplicáveis.
      Cabe informar, entretanto, que a OGX e a Ofertante assinaram na data de 10 de julho de 2014 novo acordo no montante global de US$30 milhões, com o objetivo de apresentarem nova proposta à ANH referente à transferência e alienação dos Ativos Remanescentes localizados no Vale Inferior do Magdalena, sob os contratos “VIM-5”, e “VIM-19” (“Ativos Remanescentes”).
      Por fim, informamos que a OGX está tomando as medidas cabíveis de maneira a evitar que a execução das garantias pela ANH tenham efeito sob seu patrimônio e para que seja analisada a nova proposta referente à transferência e alienação dos Ativos Remanescentes ou de parte dos mesmos.
      Os acionistas e o mercado serão prontamente informados acerca da evolução das negociações e demais eventos relevantes relacionados ao objeto da presente divulgação.


      Grande explosão esplêndida, hein? bagualzinho.

      @infomoney: Ex-OGX agita a noite com queda na produção, venda de ativos negada e novo acordo

      http://t.co/9kK23nlmcB

  • Reply Vilmar 2 de julho de 2014 at 23:34

    Eike recorre contra bloqueio de bens decretado pela Justiça

    O Globo – 2.7.2014

    Defesa do empresário questiona competência do juiz para determinar congelamento de R$ 122 milhões

    RIO – O empresário Eike Batista apelou da decisão da Justiça Federal de bloquear seus bens. O recurso chegou ao Tribunal Regional Federal da Segunda Região na última segunda-feira e ainda não foi distribuído, segundo fontes. No documento, a defesa de Eike questiona a competência do juiz Flávio Roberto de Souza, da 3ª Vara Criminal da Justiça Federal do Rio, para determinar o bloqueio.

    Eike teve R$ 122 milhões bloqueados em sua conta corrente em 6 de maio deste ano, em atendimento a uma medida cautelar formulada pelo Ministério Público Federal (MPF), que investiga o empresário por manipulação de preço e uso de informação privilegiada em venda de ações da antiga OGX, petroleira de Eike rebatizada de OGPar. O montante corresponde ao lucro de Eike obtido em duas operações de venda feitas em 2013.

    Em 18 páginas, os advogados do escritório Bergher & Mattos, que defendem o empresário neste caso, alegam que a medida cautelar solicitada pela Procuradoria é ancorada na investigação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que trata de violações às regras que regem o mercado de capitais (lei 6.385/76). A 3ª Vara Criminal, enfatizam os advogados, é especializada em crimes contra o sistema financeiro nacional (lei 7.492/86) e ocultação de bens, ou seja, lavagem de dinheiro (lei 9.613/98) e, por isso, não seria o foro adequado para o pedido de bloqueio.

    A investigação do MPF originou um inquérito paralelo na Polícia Federal (PF), que investiga Eike por manipulação de mercado, uso de informação privilegiada e lavagem de dinheiro, crimes que se enquadram nas leis acima. Se considerado culpado pelas três infrações, o empresário poderia pegar mais de 20 anos de prisão.

    Até agora as investigações no MPF e na PF têm andado lentamente, o que tem provocado estranhamento em quem acompanha o caso. Esperava-se que a polêmica envolvendo um empresário do peso de Eike resultasse no oferecimento de denúncia ou no arquivamento da investigação pela Procuradoria em cerca de um mês, o que até agora não foi feito.

    Já passaram quase dois meses desde que as medidas cautelares — além do bloqueio de bens, foram quebrados os sigilos fiscal, bancário e de internet de Eike — foram concedidas pelo juiz Flávio Roberto de Souza.

    O recurso contra o bloqueio de bens foi protocolado em 9 de maio, mas as razões da apelação só foram apresentadas à Justiça em 21 de maio. Em geral, os motivos da apelação são entregues junto com o recurso ou poucos dias depois. Além disso, os advogados de Eike não pediram qualquer audiência com o juiz, prática comum entre os advogados, que tentam convencer os magistrados de seus argumentos.

    O escritório Bergher & Mattos foi procurado, mas até agora não retornou a ligação.
    oglobo

  • Reply Vilmar 8 de maio de 2014 at 14:52

    é roçaaaaaaa-x !!

    08/05/2014 | 13:09 – Atualizado em: 08/05/2014 | 13:09
    MPF pede bloqueio de bens de Eike Batista

    Inquérito investiga se empresário cometeu crimes contra o mercado de capitais

    O Ministério Público Federal pediu à Justiça Federal o bloqueio de bens do empresário Eike Batista. O órgão já havia aberto inquérito para investigar se o empresário cometeu crimes contra o mercado de capitais.

    O MPF é apoiado pela Policia Federal (PF)do Rio de Janeiro, que também instaurou inqúerito de investigação contra o empresário desde o dia 17 de abril.

    O processo corre sob sigilo na 3ª Vara Criminal da Justiça Federal no Rio de Janeiro. O Tribunal Federal da 2ª Região não confirma se o pedido já foi acatado.

    Segundo fonte ouvida pelo iG, que não quis se identificar, Eike ainda tem cerca de R$ 100 milhões de patrimônio líquido, em espécie, aplicado em dois bancos.

    Procurado, a assessoria do grupo EBX informa, em nota, que ele, até o momento, “só teve notícia informal de uma decisão da 3ª vara federal, não havendo recebido qualquer comunicado judicial a esse respeito”.

    Depois de tomar conhecimento do processo em que foi proferida a decisão, a EBX informa que Eike tomará as providências cabíveis.
    brasileconomico.ig.com.br/negocios/2014-05-08/mpf-pede-bloqueio-de-bens-de-eike-batista.html

    • Reply VILMAR 17 de novembro de 2014 at 22:12

      Justiça nega habeas corpus e Eike vai a banco dos réus amanhã às 14h
      infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/3700373/justica-nega-habeas-corpus-eike-vai-banco-dos-reus-amanha

    Leave a Reply

    CAPTCHA *