Invited Poster’s Articles at Defenda Seu Dinheiro
<h1>Archives</h1>
    Convidados

    Anbima: 7 mentiras que te contam sobre investimentos

    18 de junho de 2018

    pinóquio mentira mentiroso fraude
    fonte de consulta: comoinvestir.anbima.com.br/noticia/7-mentiras-que-te-contam-sobre-investimento

    As pessoas devem conhecer frases que quase todo mundo já ouviu sobre investimentos, como por exemplo: “investimento não é pra mim”, “não tenho dinheiro para investir”. Porém muitas dessas frases repetidas quase como um mantra são mentiras. Com base nisto, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – Anbima – preparou uma lista com sete exemplos de mitos dos investimentos.

    Confira a seguir:

    É preciso ter muito dinheiro para começar a investir

    Investir está cada vez mais acessível e o mercado financeiro tem opções para diferentes bolsos. Por exemplo: a partir de R$ 30 é possível investir em títulos públicos oferecidos no Tesouro Direto. Também há fundos de investimento que permitem aplicação mínima de R$ 100. Em corretoras e distribuidoras, é possível encontrar ainda títulos de renda fixa, como CDB, LCI e LCA, por R$ 1 mil.

    Sou novo demais para começar a poupar para a aposentadoria

    Essa talvez seja uma das principais mentiras que te contam sobre investimento. A explicação é simples: quanto mais tempo você demora para começar a investir com foco na aposentadoria, maior deverá ser o valor poupado ao longo dos anos. Em outras palavras, o seu esforço de poupança aumenta se você inicia tarde.

    Especialistas em finanças pessoais são unânimes: comece cedo (quanto antes, melhor) a poupar para a aposentadoria. Ao investir, você aproveita a combinação do tempo com o poder dos chamados juros compostos, que ajudam a multiplicar o seu dinheiro durante os anos.

    Investir é muito difícil e eu não sei nada sobre isso

    Tudo bem você não ser especialista em investimentos, mas não é por causa disso que deixará de investir. Existem excelentes fontes de informação sobre o assunto, como livros, blogs, sites, e-books e cartilhas. Basta pesquisar na internet que encontrará muita informação relevante sobre os produtos financeiros.

    Uma das coisas mais importantes é conhecer seus objetivos. O que você planeja fazer com o dinheiro investido? Qual o prazo? Qual o risco que aceita correr? Pretende sacar o dinheiro daqui a quanto tempo? Essas são algumas das perguntas que ajudam a escolher os investimentos. Também pode valer a pena recorrer a um profissional especializado, como planejadores financeiros.

    Já é tarde demais para começar a investir

    Assim como nunca é cedo demais para começar a investir, também nunca é tarde para iniciar os investimentos. “Ah, mas estou velho, não vale a pena”. Sabia que o brasileiro vai viver cada vez mais? Sim, a expectativa de vida aumenta a cada ano e chegou a 75,8 anos e, com a evolução da medicina, podemos viver até 90, 100 anos. Você está preparado financeiramente para um futuro bem longo? Então, mesmo que tarde, é melhor investir alguma quantia do que chegar à velhice sem recursos. O importante é ter o hábito de investir mensalmente.

    Em renda fixa, a rentabilidade é garantida

    Apesar do nome sugerir que a rentabilidade já está determinada, os ativos de renda fixa também têm oscilações, ou seja, variam conforme os movimentos do mercado financeiro. Isso ocorre, por exemplo, com os títulos do Tesouro Direto. Diariamente, os preços dos títulos mudam. Os papéis pré-fixados podem apresentar volatilidade quando a taxa de juros sobe. Em alguns casos, o rendimento de uma aplicação de renda fixa pode ser até negativo.

    Investe lá, é rendimento garantido

    Sabe aquele amigo ou parente que te conta que investiu em um negócio bem interessante, com “rendimento garantido”? Ao ouvir algo assim, desconfie na hora. Não custa lembrar: todo investimento tem risco, ou seja, o rendimento não é 100% garantido.

    Muitas vezes, o tal do investimento que te falaram pode ser uma armadilha que vai trazer prejuízos. Portanto, pesquise, busque informações, compare as opiniões e não embarque em qualquer sugestão de investimento sem conhecer a fundo no que está aplicando.

    Se o rendimento é maior do que os juros, aplique!

    Em todo e qualquer investimento, há risco. Não existe nenhuma aplicação financeira completamente segura. Mesmo se a previsão para um investimento seja de rendimento maior do que os juros, essa projeção pode não se concretizar. Por isso, dica fundamental: pesquise com cuidado e bastante atenção os detalhes de qualquer investimento antes de começar a aplicar.

    Veja também:

    Mitos e verdades da bolha imobiliária Parte I

    Até mais.

    Convidados

    Habilidades que você precisa ter antes dos 30 anos

    11 de maio de 2018

    young professional millennial - 24 life skills every functioning adult should master before turning 30

    Claro que não existe uma receita de bolo para a vida adulta, porém algumas habilidades são nitidamente essenciais para qualquer pessoa na faixa dos 30 anos conviver em sociedade, de acordo com o Business Insider.

    Veja a seguir:

    1) Aceitar feedbacks com classe

    É difícil escutar que algo não foi feito da melhor maneira possível, mas colocar o emocional de lado e responder tranquilamente a uma crítica é importante, principalmente no ambiente de trabalho.

    2) Pedir desculpas com sinceridade

    Errar é humano, e saber pedir desculpas pelo erro é valioso. E não basta dizer da boca para fora: faça isso pessoalmente, explique os motivos do erro e demonstre que irá evitar repetir o erro em questão no futuro.

    3) Gerir o tempo com sabedoria

    A todo momento, o ser humano está balanceando vida pessoal e profissional. Quem não sabe fazer gestão de tempo perde esse equilíbrio e pode sofrer inúmeras consequências.

    4) Usar atalhos de teclado

    Boa parte do tempo no trabalho é gasto em um computador. Otimizar esse tempo ao máximo evita estresse e melhora o desempenho de qualquer profissional.

    5) Dizer “não” respeitosamente

    A maioria das pessoas evita dizer “não” para não desapontar os outros ou não criar inimizades. Isso é extremamente nocivo em diversas frentes. Ao mesmo tempo, é importante deixar claros os motivos da negativa – e sempre respeitar o interlocutor.

    6) Agir com empatia

    Todos temos problemas. Reconhecer os dos outros é vital para uma convivência harmoniosa.

    7) Usar linguagem corporal

    Comunicação falada e escrita devem ser aliadas da linguagem corporal em interações humanas. Isso pode tornar qualquer pessoa mais amigável e facilitar relacionamentos profissionais e pessoais.

    8) Fazer amigos em diversos ambientes

    Conviver com apenas um tipo de pessoa pode acabar com suas possibilidades de fazer networking e crescer profissionalmente. Por isso, é essencial saber conversar sobre assuntos variados em ambientes diversos.

    9) Costurar

    Nunca se sabe quando será preciso fazer pequenos reparos em roupas.

    10) Falar um segundo idioma

    Além de exercitar o cérebro, falar múltiplos idiomas cria novas formas de vivenciar experiências, dizem especialistas.

    11) Manter um orçamento

    Muitas pessoas têm dificuldades com planilhas, autocontrole e planejamento no geral. Passar dos 30 anos sem saber cuidar das finanças é a receita do apocalipse financeiro – mesmo para quem ganha dinheiro.

    12) Saber o básico em edição de fotografias

    Cada vez mais, o mercado só valoriza quem sabe se vender. A imagem é a primeira coisa a ser notada em qualquer interação virtual.

    13) Passar tempo só

    Adultos precisam se conhecer, e nada melhor que passar um tempo sem outras pessoas para isso.

    14) Falar em público

    Por mais que nem todas as pessoas participem de palestras em palcos para milhares de pessoas, é praticamente inevitável passar por um momento de falar em público ao longo da carreira. Quanto antes o medo for embora, melhor.

    15) Cozinhar o básico

    Além de ser mais barato e, muitas vezes, mais saudável, cozinhas eventualmente pode ser necessário para impressionar pessoas – em diversas situações.

    16) Apertar a mão de um contato

    Um bom aperto de mão é a primeira impressão entre profissionais. E isso é o que fica.

    17) Acordar na hora

    Atrasos podem ser engraçados ou inofensivos no colégio e faculdade, mas passam a ser inadmissíveis em determinado momento da vida profissional.

    18) Pedir ajuda

    É totalmente contraproducente passar horas ou dias tentando resolver um problema quando outra pessoa que sabe resolve-lo está sentada na mesa ao lado.

    19) Vestir-se para uma entrevista de emprego

    Perder oportunidades pela sua aparência pode parecer absurdo – mas acontece. Pesquise o ambiente e vista-se de acordo.

    20) Fazer backup

    Todos os seus arquivos devem ser duplicados. Sempre. Isso evita tragédias.
    Aprenda a investir antes dos 30 anos.
    fonte de consulta: 24 life skills every functioning adult should master before turning 30

    Até mais.

    Convidados

    Dicas para você alcançar a independência financeira e se aposentar mais cedo

    16 de abril de 2018

    Aposentados: Entre muitas coisas que é preciso fazer para alcançar esse feito, investir é a principal

    Se aposentar antes do previsto é o sonho de muita gente, porém para conseguir parar de trabalhar é preciso alcançar a independência financeira, e esse é o maior desafio.
    A assessora de investimentos da Praisce Capital, Fernanda Alves, diz que qualquer pessoa pode se aposentar mais cedo do que o esperado, desde que tome algumas atitudes importantes. Para ajudar você a começar a pensar na aposentadoria e conseguir atingir a independência financeira, Alves afirma que um começo é fazer uso da escala “GPI: ganhar, poupar e investir”.

    Na prática, quanto mais você aplicar essas três coisas na sua vida, mais rápido você chegará à independência financeira. Mas claro que apenas “fazer isso” como orientação é um pouco vago e não fornece um caminho claro para a aposentadoria.

    Você precisará determinar o nível de comprometimento que você pode dar a cada uma das três etapas (ganhar, poupar, investir) e, em seguida, elaborar um plano para trabalhá-las.

    A assessora sugeriu algumas dicas para acelerar seu processo de aposentadoria. Confira:

    Desenvolva sua carreira para ganhar dinheiro

    Aumentar sua renda é um dos pontos mais importantes para conseguir acumular mais dinheiro no longo prazo. “Procure se especializar no que faz profissionalmente. Invista em cursos, participações em eventos, expandir sua rede de relacionamentos, leitura de bons livros que te ajudem a ter uma visão profissional mais holística”, sugere a assessora.

    Segundo ela, investir em conhecimentos que se aplicam ao seu dia a dia profissional tem retornos garantidos. Para se aposentar antes do previsto você deve concentrar seus esforços também no crescimento profissional. Ser um profissional qualificado e de sucesso possibilita ganhos relevantes, o que facilita muito o planejamento financeiro. Até porque, se você conseguir ser promovido, por exemplo, é naturalmente mais fácil economizar.

    Crie um orçamento pensando na aposentadoria

    Criar um orçamento para conseguir alcançar a independência financeira é essencial. A primeira coisa que você precisa é saber qual valor mensal você precisará na aposentadoria. “Estime valores com planos de saúde, moradia, alimentação, transporte, viagens, lazer, entre outros. É necessário ter um controle minucioso dos gastos atuais para poder mensurar os gastos futuros. O ideal é elevar ou preservar o padrão de vida, e não diminuí-lo no momento da aposentadoria”, explica Alves.

    Faça análise desse orçamento para economizar

    “Conheci uma frase no início da carreira que diz: ‘tudo o que se mede, se melhora’. E para as finanças pessoais não é diferente. Você só saberá o que é supérfluo e desnecessário em seus gastos, se conhecer detalhadamente seu orçamento pessoal”, explica a assessora.

    A máxima que deve ser considerada é “gastar menos do que se ganha.” Mas cada investidor deve encontrar o seu próprio modelo de economizar. Ela sugere que você crie uma planilha de gastos e atualize-a semanalmente. “É prazeroso ter a visão global das suas finanças e poder gerenciá-la”, diz. Além disso, ela ressalta que o dinheiro deve trabalhar para você. Se você não quer se organizar com planilhas, existem muitos aplicativos que fazem essa organização financeira automaticamente. Não há desculpa para não se organizar.

    Não acumule dívidas

    Esse item parece óbvio, dentro do contexto de alcançar a independência financeira, mas nem sempre é fácil de aplicar. Durante todo esse processo, a dívida será um problema absoluto. É normal que eventualmente você já comece o processo de aposentadoria antecipada com alguma dívida – que afetará seus números -, mas a ideia é que você consiga quitar esses débitos e não faça mais dívidas.

    Tente gastar menos com carros, cartões de crédito, compras por impulso, procure deixar de pagar aluguel e não se deixe levar pela necessidade constante do melhor e mais moderno smartphone ou qualquer outro gadget. É preciso se esforçar, abrir mão de algumas coisas para conseguir poupar dinheiro.

    Sempre use seu orçamento para manter tudo em ordem, e monitorar a saúde da sua vida financeira. Para conseguir investir você precisa ter dinheiro, e se não gastar dentro de seus meios e se endividar definitivamente vai atrasar sua data de aposentadoria.

    Invista

    Quando você conseguir juntar uma quantia, comece a investir. A assessora de investimentos sugere uma aplicação principal de longo prazo onde você pode investir para impulsionar seu processo de aposentadoria antecipada.

    É o Tesouro IPCA com vencimentos longos. “Esse título te garante um juro real por muito tempo. É preciso garantir a rentabilidade das suas aplicações não apenas para a fase de acumulação, mas também posterior à aposentadoria. Pois a renda do investidor dependerá do rendimento de suas aplicações pós-aposentadoria”.

    A assessora elaborou duas simulações para você entender a impotância de colocar seu dinheiro na aplicação mais apropriada.

    Pessoa A):

    tem 35 anos e saldo inicial zero (ou seja vai começar a juntar dinheiro agora). Tem perfil conservador e por isso optou sozinho por investir mensalmente R$ 2.000 na poupança. Aos 65 anos ele terá acumulado aproximadamente R$ 1.550.000 (considerando taxa referencial + 70% da Selic de 6,5%).

    Pessoa B):

    também tem 35 anos e saldo inicial zero. Investiu mensalmente R$ 2.000 no Tesouro IPCA + 2050. Aos 65 anos essa pessoa terá acumulado aproximadamente R$ 2.420.000 (considerando IPCA de 3,5% + 4,9% remuneração do NTNB 2050 – 15% de Imposto de Renda), ou seja, quase R$ 900 mil a mais do que quem investir na poupança.

    Os cálculos acima não servem como garantia de rentabilidade futura. “Mas a simulação serve como um bom parâmetro para ilustrar o impacto da assessoria financeira e escolha de investimentos corretos para o bem estar financeiro na aposentadoria”, explica a assessora. Ela explicou ainda que usou o ganho nominal porque na poupança e nas outras opções de investimento não tem como prever qual será o ganho real. “A vantagem de indicar NTNB de longo prazo para aposentadoria é que com ela é possível saber exatamente qual será o ganho real”, diz.

    “É crucial cuidar bem dos seus investimentos e conte com a ajuda de especialistas independentes para revisar sua carteira constantemente”, orienta.

    De acordo com ela, é preciso monitorar suas aplicações “ainda mais agora com juros básico a 1 dígito. Por isso o tempo em que era possível deixar o dinheiro aplicado nas confortáveis e tradicionais aplicações bancárias ficou para trás. Para preservar e rentabilizar o seu dinheiro é preciso sair da zona de conforto e quebrar alguns mitos que impedem a construção de riqueza e a multiplicação de patrimônio”, sugere a assessora.

    Vale lembrar que não há uma regra sobre em quanto tempo você deve se aposentar antecipadamente, cada pessoa consegue se adaptar e ajustar seu orçamento dentro de um período, cada um tem seu tempo. Mas é claro que se você conseguir se organizar dentro dessas dicas as chances de alcançar seu objetivo mais rápido aumenta.
    fonte de consulta: infomoney.com.br/minhas-financas/aposentadoria/noticia/7368673/dicas-para-voce-alcancar-independencia-financeira-aposentar-mais-cedo

    Leia também:

    Coisas que millennials devem começar a fazer hoje para se aposentar mais cedo

    Até o próximo post.

    Convidados

    Aprenda o que é forex

    17 de fevereiro de 2018

    Forex, é conhecido por ser um mercado descentralizado onde se comercializa moedas de nações, ou seja, se vende e se compra moedas de nacionalidades diferentes.

    Outra informação muito interessante sobre o mercado de forex é o fato de ser o mercado mais líquido de todos, ou seja, comum volume de transações diárias maior que qualquer outro, na base dos 5 trilhões por dia em transações.

    A transações entre moedas é feita mesmo sem a denominação, de FOREX, como o quando se viaja entre países e se troca seu dinheiro pela moeda local, para poder usa no país.

    Toda a questão do mercado de FOREX se baseia na variação de moedas, por exemplo com um determinado da sua moeda nacional, você pode comprar na segunda-feira 1,20 euros, e na terça 1,25 e assim por diante.

    Ou seja, os ativistas no mercado de FOREX, procuram por uma margem de lucro em suas transações entre moedas.

    Algumas agências para você começar

    Uma boa agencia é muito necessário para começar a atuar no mercado de forex.

    E como o mercado de forex não é regulado no Brasil, é necessário que você use uma corretora internacional que forneça o sérvio de forex para você.

    Algumas delas são:

    Pepperstone: Uma corretora muito moderna, situada na Austrália, ótima para começar.

    FxPro: Uma corretora muito bem situada no mundo, que oferece serviços personalizados para seus clientes.

    IC Markets: Spreads extremamente competitivos, também situada na Austrália.

    A alavancagem do mercado de forex
    alavancagem-forex

    A alavancagem desse mercado é uma das principais dúvidas de novos investidores, afinal uma alavancagem tão rápida, provoca dúvidas em qualquer pessoa.

    Porém, assim como a alavancagem em um investimento funciona para cima, ela também funciona para baixo.

    Ou seja, você pode ter um ganho exponencial muito rápido, mas também pode ter uma perda muito grande rapidamente.

    O que faz o mercado de forex muito competitivo e com certeza de risco.

    Convidados

    Shark Tank: Grandes empresários e apresentadores compartilham suas visões sobre o mercado de criptomoedas

    15 de fevereiro de 2018

    The Shark Tank investors share their top advice on bitcoin

    O programa Shark Tank reúne alguns dos maiores nomes do empreendedorismo para ajudar pessoas que acreditam ter ideias inovadoras e que valem o investimento. São grandes executivos que muitas pessoas gostam de ouvir por conta das trajetórias de sucesso deles, muitas vezes ganhando dinheiro com coisas que ninguém acreditava.

    Diante de um cenário onde o Bitcoin tomou conta das discussões financeiras, dos debates sobre bolha ou investimento do século, o que será que pensam estes empresários de sucesso?

    A CNBC Make It conversou com 6 dos apresentadores das 9 temporadas do “Shark Tank” americano para ver o que eles estão pensando sobre o mercado de criptomoedas. Confira abaixo o que eles disseram:

    Kevin O’Leary

    O executivo afirma que existe um grande problema entre os investidores de bitcoin: “estou certo de que 99% das pessoas que possuem bitcoin não entendem como isso funciona”. “Isso sempre é um coquetel para o desastre”, disse ele.

    Segundo ele, é preciso entender que o bitcoin é um ativo, e não uma moeda, o que leva a grandes variações de valor e torna mais difícil usá-lo como um meio de pagamento.

    Barbara Corcoran

    Para ela, o bitcoin é interessante, mas não parece algo prático. “Eu acho que bitcoin e outras criptos menores são muito complicadas para o uso geral”, disse ela. “Eu acho que o bitcoin – os outros desaparecerão – é interessante assistir e pode chegar a um valor de US$ 60.000 se instituições suficientemente ricas investirem”, explicou.

    Robert Herjavec

    Já ele tem perspectivas otimistas para a moeda digital. “Para mim, é a onda do futuro”, disse Herjavec. “Daqui 25 anos haverá alguma forma de criptomoeda que usaremos para pagar por via eletrônica, e o conceito de dinheiro desaparecerá um dia”, explicou. “Vai ter benefícios enormes para a humanidade, em todos os tipos de transações”, completou.

    Porém, por enquanto, ele não está investindo pessoalmente, por razões éticas. “Criptomoeda é a escolha de financiamento de transações para hackers”, disse. “E, como somos bons, não consigo ficar atrás disso. Se não houvessem criptomoedas, muitos dos grandes hackers não existiriam”.

    Richard Branson

    O fundador da Virgin disse que já investiu em bitcoin alguns anos atrás. “Eu coloquei um pouco de dinheiro em bitcoin porque gosto de aprender sobre as coisas, e acho que se bitcoin é o único – acho que haverá uma moeda global”, disse Branson para a CNBC em 2014.

    Naquele ano, ele anunciou à CNBC que sua companhia de vôo espacial comercial Virgin Galactic aceitou um pagamento em bitcoin de um comissário de bordo no Havaí para um assento em uma viagem ao espaço. Em 2014, Branson disse à Bloomberg sobre o bitcoin: “Eu acho que está funcionando. Haverá outras moedas como essa, talvez ainda melhor, mas, entretanto, há uma grande indústria em torno do bitcoin”.

    Daymond John

    “Você deve começar a aprender sobre isso agora”, disse John, dizendo que ele possui investimentos em bitcoin e ethereum. “Digamos que você deseja investir em criptomoedas ou med-tech ou imóveis. Cada um desses terá uma grande quantidade de coisas que você precisa saber. Se você não está investindo em si mesmo [e aprendendo], posso te vender tudo o que eu quero em moedas digitais ou medtech”.

    Mark Cuban

    Em dezembro, Cuban disse que este mercado ainda é “uma aposta”. “Poderia ir para US$ 15.000 ou zero e talvez ambos no mesmo dia”, disse ele na época. Mesmo assim, ele já declarou que comprou bitcoins e investe em empresas focadas em mercados de criptomoedas e blockchain.

    O empresário dá uma dica para quem quiser investir nisso: só coloque um dinheiro que você não tem medo de perder. “Se você é um verdadeiro aventureiro e quer realmente jogar o ‘Hail Mary’, você pode colocar 10% [de suas economias] em bitcoin ou ethereum”, disse Cuban. “Mas, se você fizer isso, tem que fingir que já perdeu seu dinheiro”.
    fonte de consulta: The Shark Tank investors share their top advice on bitcoin

    Até o próximo post.

    Convidados

    Bolha imobiliária: ascensão e a queda do mercado imobiliário brasileiro em 10 anos

    12 de janeiro de 2018

    Desenhando a bolha imobiliária brasileira

    Imóvel na planta - O que explica as oscilações do mercado imobiliário em 10 anos de monitoramento nos preços não tem nada a ver com bolha

    Entre 2008 e 2012, período cujo início é paralelo ao colapso das hipotecas subprime nos Estados Unidos, o mercado imobiliário brasileiro pareceu imune à crise do país norte-americano e viu um ciclo impressionante de valorização em seus preços de venda. Uma pessoa que adquiriu imóvel no final de 2007 o acompanhou valorizar ao menos 79,4% nos 4 anos até 2012. Quem esperou até o fim de 2014 para vender provavelmente conseguiu prêmio de 112,86% no valor, com base em dados do Índice Fipezap.

    Impulsionada por fatores como o acesso facilitado ao crédito imobiliário, aumento da renda, redução nas taxas de juros e otimismo causado pela boa fase na economia em geral, essa valorização marcou um período virtuoso, mas chegou a um limite. A partir de 2015, a crise econômica fincou pé nesse mercado, que acabou sendo um dos mais atingidos pela recessão. Naquele ano, a valorização dos preços de imóveis foi de apenas 1,32% em termos nominais – o que significou queda real de 8,48% (descontada a inflação do período). Os dois anos seguintes, ainda na crise, apresentaram variação de 0,57%, e 2017 representou o primeiro ano na série histórica que o indicador apresentou queda nominal, caindo 0,53% na comparação com 2016. Isso foi reflexo de fatores como alto desemprego, aumento da inflação e queda no PIB (Produto Interno Bruto).

    Houve bolha?

    Para especialistas, apesar da mudança acentuada de rumo, não é possível afirmar que houve uma bolha imobiliária no Brasil. Caio Bianchi, Diretor de Inteligência de Mercado do Zap, acredita que é “especulação da internet” usar esse termo em referência à reação do mercado à crise econômica brasileira. Diferentemente de uma euforia sem embasamento, o início do círculo virtuoso brasileiro poderia ser previsto e se deu partir do momento que as pessoas passaram a ter mais acesso a crédito.

    Isso ocorreu, explica Bianchi, principalmente como resultado da regulamentação da alienação fiduciária, que incentivou um financiamento a longo prazo com juros baixos. A lei que regulamenta essa questão data de 20 de novembro de 1997, mas uma alteração de 2004 permitiu que “operações de comercialização de imóveis, com pagamento parcelado, de arrendamento mercantil de imóveis e de financiamento imobiliário em geral” pudessem “ser pactuadas nas mesmas condições permitidas para as entidades autorizadas a operar no SFI”. Na prática, as instituições ganharam a opção de usar o próprio imóvel como garantia em caso de inadimplência do tomador de empréstimo – naturalmente, ficou mais seguro oferecê-lo.

    Com o acesso ao crédito, uma altíssima demanda reprimida no mercado deu as caras – o que se traduziu em liquidez e aumento nos preços. Contribuiu para isso o lançamento do Minha Casa Minha vida, que, em 2009, inaugurou um movimento de procura até então inédito. Nessa época, as empreiteiras construíam sem parar praticamente só para atender a uma população aparentemente insaciável por novos imóveis.

    Uma consequência foi a “empolgação” das grandes empresas da indústria imobiliária. Entre 2006 e 2011, a bolsa de valores registrou 20 IPOs e 16 Follow-ons de empresas do setor de Construção Civil, reflexo do otimismo desse mercado.

    O problema é que na vida real não existe demanda eterna, e o aumento da oferta se chocou com uma redução íngreme da procura durante o que viria a ser a maior recessão da história do Brasil até então. “Mas tanto não era bolha que, mesmo neste cenário, observamos queda bastante comportada nos preços. As variações se mantiveram nominalmente positivas até 2016”, ressalta o Diretor do Zap. “O que vimos nos anos anteriores à crise não era uma bolha, e sim efeito da melhora na economia”, resume.

    Aluguel

    Durante a mesma crise, a contração nos preços dos alugueis foi consideravelmente maior que a de venda. Isso ocorreu, segundo a análise do Zap, porque a correção nessa frente ocorreu nos próprios preços, diferentemente da venda, que viu a demanda como principal atingida.

    “Como o financiamento facilita a compra, o momento de prosperidade econômica se refletiu muito na venda de imóveis. Existem também fatores não totalmente racionais para a aquisição, o chamado sonho da casa própria”, explica Bianchi. Por essa mesma razão, ele acredita que os valores de aluguéis são, comparativamente, mais líquidos. Isso potencialmente explica a variação grande na valorização dos preços em 2009, justamente o ano inicial do Minha Casa Minha Vida.

    fipe-zap-locacoes

    E 2018?

    Ainda existe “excesso” nas construções que não foram ocupadas durante a crise, mas essa oferta não deve significar que o movimento decadente continuará para o ano que acaba de começar. Quase unanimemente, o mercado espera retomada relativamente fraca nos preços e estabilidade para os próximos meses, tanto em aluguel quanto em compra.

    Segundo estimativas da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), o financiamento imobiliário com recursos originados nas cadernetas de poupança deve crescer 15% em 2018, avanço que deverá se concentrar nos empréstimos destinados à compra de moradias, enquanto o crédito para a construção de novos empreendimentos tende a continuar lento.

    Concomitantemente, a queda na taxa básica de juros (Selic), que fechou 2017 em 7% ao ano, deve ser, aos poucos, repassada ao consumidor que toma crédito imobiliário, o que também incentiva a compra. A somatória desses dois fatores é o suficiente para iniciar o equilíbrio no mercado, mas não para revolucionar a movimentação dos preços.

    Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o terceiro trimestre de 2017 contou com o lançamento de 15.593 unidades residenciais verticais. Uma queda de 12,2% com relação ao segundo trimestre de 2017, mas um aumento de 4,1% com relação ao terceiro trimestre de 2016, considerando o total geral. As vendas no terceiro trimestre totalizaram 21.074 unidades residenciais, uma queda aproximada de 7,4% em relação ao trimestre anterior.

    Considerando esses dados, nota-se que a queda em lançamentos acompanhou redução das vendas. “No entanto, o cenário é de recuperação do mercado, pois tanto os lançamentos quanto as vendas cresceram em relação ao mesmo período do ano anterior”, escreveu a entidade em relatório.

    Para Bianchi, uma quebra nesse fluxo de equilíbrio ocorreria apenas caso houvesse “movimentos abruptos na economia como um todo”. Referenciando as eleições de outubro, o executivo confia que, independentemente do candidato vencedor, a política econômica provavelmente não será radicalmente modificada: “a maioria dos economistas aposta que será mantida a política atual”, pondera.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como a maioria dos milionários de hoje ficou rica?

    10 de janeiro de 2018

    Novas pesquisas mostram que a maioria dos milionários atuais é composta por self-made men (uma pessoa que se fez por conta própria pelo esforço e pela qualidade) que não nasceram em berços de ouro.

    Um estudo feito pela Fidelity Investments em agosto deste ano descobriu que 86% dos milionários de hoje não se consideravam ricos quando eram crianças e adolescentes. No geral, a pesquisa revelou que os atuais milionários têm, em média, 61 anos de idade e ativos de US$ 3 milhões.

    Como a maioria dos milionários de hoje ficou rica?

    Enquanto quase três quartos dos milionários afirmaram que já se sentem ricos, há aqueles que disseram que precisariam de uma média de US$ 5 milhões de ativos para começarem a se sentir rico.

    Sanjiv Mirchandani, um dos presidentes da Fidelity Investments afirma que “os milionários de hoje são multidimensionais e para compreendê-los realmente, é necessário olhar não só para suas perspectivas, mas também para o seu caminho para a riqueza e seus objetivos financeiros para o futuro”.

    Entre os milionários self-made men, o estudo revelou que suas principais fontes de ativos incluem investimentos de capital e participação nos lucros de empresas de outros. Aqueles que nasceram ricos foram mais propensos a citar a herança, o empreendedorismo e a valorização do investimento imobiliário como fonte de ativos.

    Quando se trata de estratégias de investimento, os self-made men são mais propensos a investimentos em ações, enquanto aqueles que nasceram ricos geralmente citam mais os investimentos imobiliários.

    Se você tem interesse em começar sua trajetória de sucesso, mas ainda não sabe como, uma boa maneira contratar consultores de empresas e investimentos para fazer o seu atual negócio crescer e aprender a também ganhar uma renda passiva.

    A pesquisa mostra que, ao considerar seu futuro financeiro, 30% dos milionários de hoje afirmaram que estariam preocupados em preservar suas riquezas, enquanto 20% estariam focados em aumentar sua fortuna.

    O estudo deste ano descobriu que a perspectiva dos milionários sobre o futuro ambiente financeiro continua a melhorar, com o otimismo atingindo o nível mais alto desde o início das pesquisas, em 2006.

    Michael R. Durbin, outro presidente da Fidelity Investments revela que “uma tendência se manteve verdadeira ao longo da vida deste estudo: a perspectiva do investidor milionário tem sido consistentemente pragmática sobre as atuais condições do mercado e generalizada sobre uma recuperação futura. Em muitas maneiras, o que os milionários têm pensado e fazendo pode ser um forte indicador das tendências financeiras”.

    Uma vez que essa tendência é o interesse atual dos milionários no mercado de ações, os milionários pesquisados classificaram as ações domésticas individuais como seu maior investimento adicionado no ano passado, seguido de certificados de contas de depósito, fundos negociados em bolsa de ações, títulos domésticos individuais e fundos mútuos nacionais.

    O estudo da Fidelity foi baseado em pesquisas feitas com mais de 1.000 milionários.

    Convidados

    Pesquisa: principal meta dos brasileiros para 2018 é juntar dinheiro

    8 de janeiro de 2018

    a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito, organizar as contas da casa e aumentar a renda fazendo trabalhos extras

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    Os brasileiros chegaram ao fim de 2017 com a sensação de que o auge da recessão mais grave enfrentada pelo país já ficou para trás. Diante disso, mais da metade dos brasileiros (54%) está mais otimista com o cenário econômico deste ano e 58% acreditam que a sua vida financeira também será melhor, segundo pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).
    Entre as principais metas financeiras dos brasileiros para este ano estão juntar dinheiro (45%) e sair do vermelho (27%). Porém, em uma nota que vai de 1 a 10, onde 1 é muito ruim e 10 é muito bom, a expectativa para a economia brasileira para 2018 é de 5,7 e a da vida financeira pessoal é de 6,7.

    Entre os que acham que a situação da economia vai piorar (13%), as principais consequências serão ter de evitar gastos com coisas desnecessárias para guardar dinheiro (54%), comprar menos (45%) e ficará mais difícil de economizar e fazer reserva financeira (41%). Já 19% acreditam que o cenário econômico em 2018 será igual a 2017.

    Como medida para superar os problemas decorrentes da crise econômica em 2018, a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito (26%), organizar as contas da casa (25%) e aumentar a renda fazendo trabalhos extras (22%).

    De acordo com o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, a insegurança de parte significativa dos brasileiros é resultado de uma combinação de fatores.

    “De um lado, o cenário de incerteza em relação a eleição presidencial que se aproxima, com alto grau de imprevisibilidade e que também afeta a percepção do mercado; do outro, a lentidão do país para superar os obstáculos que impedem a retomada da atividade econômica, situação agravada pelos níveis de desemprego ainda elevados”, afirma Pellizzaro.

    “Fica a impressão de que a qualquer momento é possível ter de enfrentar uma demissão, por exemplo. Isso só vai mudar a médio prazo, à medida que as pessoas forem sentindo a melhora dos indicadores econômicos no dia a dia”, acrescenta.

    Em 2018, apesar dos problemas econômicos do país, 38% não gostariam de abrir mão de fazer uma reserva financeira, 29% não querem abrir mão dos planos de celular e internet e 23% do plano de saúde. Segundo os entrevistados, os principais fatores que podem influenciar o aumento do seu consumo neste ano são os preços dos produtos (47%), as promoções (40%) e a melhora na economia (32%).

    Ainda pensando na vida financeira, 44% dos brasileiros pretendem fazer alguma reserva, 14% querem financiar uma casa própria e 12% pretendem financiar um automóvel.

    Entre os principais temores para 2018 estão possíveis problemas de saúde (40%), ser vítima de violência ou assalto (32%) e não conseguir pagar as dívidas (31%).

    A corrupção foi lembrada, sendo para 86% dos brasileiros, o problema mais importante do País a ser resolvido em 2018, seguida pela crise econômica (61%), a violência (58%), saúde (47%), educação (41%), e o desemprego (37%).

    Até o próximo post.

    Convidados

    As 10 criptomoedas que mais subiram em 2017

    2 de janeiro de 2018

    Lista deixa de fora o Bitcoin, que saltou 1.300%, mas ficou apenas com a 14ª posição entre as maiores altas do ano passado

    O ano de 2017 chegou ao fim marcado pelo ano em que as criptomoedas dominara” o mundo. Se no início do ano poucas pessoas sabiam do assunto – ou se interessavam por ele -, a partir do segundo semestre o Bitcoin e seu pares passaram a dominar o noticiário e hoje é quase impossível encontrar alguém que nunca ouviu falar nestes ativos, porém se a alta de 1.300% do Bitcoin já chama bastante atenção, fica ainda mais surpreendente saber que a maior criptomoeda do mundo não ficou nem entre as dez melhores do ano passado. O posto de melhor moeda digital de 2017 foi tomado pelo Ripple, que surpreendeu na reta final do ano e superou o Ethereum como a segunda maior em valor de mercado.

    Apesar disso, para quem está começando a investir agora, ainda é uma boa opção começar pelo Bitcoin, por ser um ativo mais “maduro”, com maior número de investidores. A tendência é realmente que a criptomoeda tenha uma valorização menor que seu pares, até por conta do seu alto valor unitário, atualmente na casa de US$ 14 mil, enquanto o Ripple, por exemplo, vale hoje US$ 2,45.

    Confira o desempenho das criptomoedas que mais subiram em 2017:

    Criptomoeda Variação em 2017
    Ripple 36.018%
    NEM 29.842%
    Ardor 16.809%
    Stellar 14.441%
    Dash 9.265%
    Ethereum 9.162%
    Golem 8.434%
    Binance Coin 8.061%
    Litecoin 5.046%
    OmiseGO 3.315%

    Com uma alta de 1.318% ao término do ano passado, o Bitcoin ficou apenas com a 14ª posição entre as criptomoedas com melhor desempenho. Das dez melhores de 2017, metade estão também entre as dez moedas digitais mais valiosas do mundo.

    Porém, quando exluídos os ICOs (Oferta Inicial de Moeda, na sigla em inglês) realizados no ano passado, a lista muda bastante e o Bitcoin passa a ocupar a 8ª posição, seguida pelo Bitcoin Cash, moeda surgida da divisão da moeda “original”.

    No ano passado, os ICOs levantaram mais de US$ 3,7 bilhões em fundos, segundo dados do Coin Schedule, com um “boom” de ofertas feitas depois do meio do ano. A maioria destes projetos foram lançados nos últimos meses de 2017.

    Confira como fica o rankins sem os ICOs:

    Criptomoeda Variação em 2017
    Ripple 36.018%
    NEM 29.842%
    Stellar 14.441%
    Dash 9.265%
    Ethereum 9.162%
    Litecoin 5.046%
    Cardano 2.782%
    Bitcoin 1.318%
    Bitcoin Cash 513%
    IOTA 501%

    Até o próximo post.

    Convidados

    Maus hábitos financeiros para eliminar em 2018

    28 de dezembro de 2017

    Um passo a passo para começar 2018 com mais dinheiro

    Para ter mais realizações em 2018, é importante eliminar alguns hábitos que tendem a levar ao descontrole, endividamento e inadimplência

    O período de festas de fim de ano é marcado por, além das comidas e encontros familiares, revisão de realizações passadas e listas de resoluções para o ano que se inicia. Mas não basta deixar os tópicos no papel. Para ter mais realizações, menos dívidas e uma vida financeira mais organizada e tranquila em 2018, é importante eliminar alguns hábitos que tendem a levar ao descontrole, endividamento e inadimplência.
    Reinaldo Domingos, doutor e mestre em educação financeira e presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) fez uma lista com 10 maus hábitos financeiros que você deve eliminar em 2018 para organizar suas finanças e separar uma parte da renda para investimentos. Veja:

    1) Falta de planejamento

    As pessoas não sabem para onde vai seu dinheiro, não possuem controle. As pessoas não se dão conta que o descontrole financeiro não acontece nos grandes gastos, mas sim nos pequenos. Para evitar que isso ocorra, o correto é o preenchimento de uma caderneta diária de todos os gastos e realizar uma planilha mensal por três meses, conhecendo os seus verdadeiros números.

    2) Comprar por impulso

    Algumas perguntas devem ser feitas antes de fazer uma compra, como: estou comprando por necessidade real ou movido(a) por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? Se não comprar isso hoje, o que acontecerá? Tenho dinheiro para comprar à vista? Se comprar a prazo, terei o valor das parcelas? O acúmulo de parcelas colocará em risco a realização dos sonhos que priorizei com a família? Também é importante pesquisar o melhor preço em pelo menos três lojas diferentes, entre físicas e virtuais, para pagar menos e conseguir descontos.

    3) Ter o hábito de parcelar

    Este é um hábito cultural do brasileiro, por isso, ao agir dessa maneira, as pessoas não percebem que estão se endividando. Para piorar, muitas vezes, o consumidor se esquece de colocar esses valores no orçamento, o que pode comprometer seriamente as finanças. Caso seja fundamental parcelar, deverá constar no orçamento mensal da pessoa, que sempre que receber seus rendimentos separará parte do valor para pagar essa dívida. Também é interessante ter uma poupança paralela, para que, em caso de imprevistos, tenha como arcar com esses valores.

    4) Pagar sem questionar

    Todo produto ou serviço é cobrado com larga margem de lucro, portanto, é sempre válido pedir descontos, especialmente se estiver pagando à vista. Muitos têm vergonha ou receio, mas negociar valores deve se tornar um hábito em 2018, pois é preciso aprender a valorizar o dinheiro. É importante também sempre rever os pacotes que contrata, como de TV a cabo, internet e planos de celular, pois é comum que haja itens pagos que não são utilizados. É interessante estar sempre de olho na concorrência, pois muitas vezes há pacotes mais completos e mais baratos.

    5) Abusar do crédito fácil

    Buscar ferramentas de crédito fácil, como empréstimos, crediários, financiamentos, limite do cheque especial e pagar o mínimo de cartão de crédito são formas comuns de endividamento. O mercado oferece milhares de produtos de fácil acesso, contudo, os juros cobrados são abusivos e fazem com que a inadimplência se torne alta. A solução é evitar esses meios, buscando se educar financeiramente e mudando o comportamento errôneo em relação a lida com o dinheiro. No caso de cartão de crédito, o ideal é ter só um e, em caso de descontrole, até mesmo eliminar. Também é interessante não ter limite de cheque especial.

    6) Não pensar no futuro

    Muitos não têm o hábito de se preparar para o futuro mas, especialmente agora com as mudanças na aposentadoria pelo INSS, é importante rever essa atitude. O primeiro passo é pensar no padrão de vida que deseja ter após se aposentar, lembrando que mesmo tendo trabalhado a vida toda com carteira assinada, contribuindo para o INSS, a quantia recebida dificilmente será suficiente. Muitos brasileiros se aposentam e precisam continuar trabalhando ou dependem da ajuda financeira de parentes. Lembre que o quanto antes você pensar em seu futuro, mais fácil será para poupar dinheiro e atingir a quantia desejada.

    7) Só poupar se sobrar

    Muitos brasileiros não conseguem poupar dinheiro porque deixam para fazer isso apenas se sobrar no final do mês. Portanto, em 2018, é imprescindível começar a praticar um orçamento financeiro diferente, que priorize os sonhos e não as despesas. Ao invés de fazer Ganhos (-) Gastos = Lucro/Prejuízo, faça Ganhos (-) Sonhos (-) Gastos. Dessa forma, a poupança para os sonhos será a prioridade e os gastos serão readequados, mudando o padrão de vida em beneficio da conquista dos sonhos da família. Apesar de ser muito importante, a realização dos sonhos tende a ser deixada em segundo plano; isso precisa mudar, começando pelas atitudes. Não adianta agir da mesma maneira sempre, esperando ter um ano diferente.

    8) Não sonhar

    Não ter planos para o futuro e, consequentemente, poupanças para conquistá-los, leva ao consumismo de forma pouco pensada. Vejo que a grande maioria abandonou o hábito de sonhar. Para sair deste problema, é recomendável fazer um exercício simples: refletir sobre o que se quer em curto prazo (nos próximos doze meses), no médio (entre um e dez anos) e no longo prazo (a partir de dez anos). Tendo isso estabelecido, deve cotar os valores e destinar parte de seu dinheiro para esse fim. Com os sonhos sempre em mente, será muito mais difícil cair nas armadilhas do consumismo e do crédito fácil.

    9) Buscar status social

    Acreditar que consumir é importante para ser aceito socialmente faz com que as pessoas comprem sem ter condições. Isso porque acreditam que possuir alguma coisa é o que fará a diferença para os outros, e não o que ela realmente é. O consumo dessa maneira irá apenas suprir a dificuldade de relacionamento interpessoal. A solução para esta questão é ter objetivos claros e perceber que é muito mais importante ter conteúdo do que ter produto.

    10) Sucumbir ao marketing e à publicidade

    Estar suscetível às ações de marketing e publicidade faz com que as pessoas comprem o que não precisam ou mesmo não têm condições. Isso acontece diariamente por falta de orientação. O caminho para evitar esse problema é buscar conscientização para abandonar o hábito de comprar por impulso, especialmente quando estiver com as emoções alteradas, triste, com baixa autoestima ou com bastante empolgação.

    Até o próximo post.