‘Moeda’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: moeda

    Convidados

    Cresce número de ciberataques para mineração de criptomoedas

    10 de maio de 2019
    Sucesso das criptomoedas faz com que elas sejam alvo de pessoas mal-intencionadas
    Sucesso das criptomoedas faz com que elas sejam alvo de pessoas mal-intencionadas

    2009 foi um ano especial para a economia, não por crises financeiras, mas sim pela criação do Bitcoin, primeira criptomoeda da história. A iniciativa fez sucesso e, desde então, pelo menos 4.000 outras foram criadas. Hoje, estima-se que pelo menos 1.600 estejam em atividade.

    Como elas passaram a movimentar cifras consideráveis no mercado, era de se imaginar que pudesse haver interceptações e crimes envolvendo as criptomoedas, o que infelizmente se confirmou em 2011, ano em que se encontra o primeiro registro de roubo de Bitcoins.

    A situação foi se tornando cada vez mais crítica, e os ciberataques passaram a se tornar comuns e resultar em sérios prejuízos: em 2018, ataques que visaram a mineração de criptomoedas cresceram 237% em relação ao ano de 2017!

    Vamos entender melhor como essa história se iniciou, há 8 anos, e como a situação evoluiu muito desde então.

    Quando os ciberataques de criptomoedas se iniciaram?

    Embora não se possa afirmar com certeza de que esse foi o primeiro ataque, ele é um dos primeiros de que se tem notícia e aconteceu em junho de 2011. Na época, a comunidade de Bitcoin era composta por pessoas que encontravam nele um hobby, já que seu sucesso ainda não era tão grande nos dias de hoje.

    Além disso, a mineração (nome dado ao processo que resulta na obtenção da criptomoeda) podia ser feita por qualquer pessoa que se interessasse, com o uso de um computador doméstico convencional, diferente do que ocorre hoje em dia, em que há a necessidade de investir em supermáquinas para sua realização.

    O usuário “allinvain”, que participava de um fórum de Bitcoins, havia relatado que conseguiu minerar 25.000 Bitcoins. Cada moeda valia poucos centavos em 2010, mas no início de junho de 2011, atingiu o valor de US$ 20, o que aumentou sua “ciberfortuna” para algo em torno de US$ 500.000.

    Então, no dia 13 de junho, o usuário tomou ciência do crime. Assim que ele verificou o extrato de sua conta de Bitcoins, viu que uma parte tinha sumido sem explicação. allinvain acredita que alguém acessou seu computador e roubou as criptomoedas do disco rígido, tendo-as transferido para uma conta controlada pelos hackers.

    US$ 500.000 já é um belo dinheiro, mas se as moedas não tivessem sido roubadas, equivaleriam a aproximadamente US$ 132,90 milhões pela cotação de 1º de maio de 2019, quando a criptomoeda estava avaliada em R$ 20.838,42 (ou algo em torno de US$ 5.315).

    Infelizmente, a prática começou a crescer e resultou em outros ataques consideráveis aos Bitcoins, como os seguintes, com seus respectivos valores estimados em reais, pela cotação de 1º de maio de 2019:

    • Março de 2012:703 Bitcoins (R$ 973,755 milhões) foram roubados de usuários do servidor na web Linode. Ainda no mesmo mês, a Bitcoinica sofreu um segundo ataque cibernético de 18.000 Bitcoins (R$ 375,3 milhões).
    • Setembro de 2012: a Bitcoin exchange (plataforma digital que facilita a aquisição e venda das criptomoedas) Bitfloor sofreu um ataque que envolveu 24.000 Bitcoins (R$ 500,4 milhões).
    • Fevereiro de 2014: a Mt. Gox era a maior exchange da época, até sofrer um ciberataque e ter o prejuízo de 850.000 Bitcoins (R$ 17,72 bilhões).
    • Janeiro de 2015: a exchange Bitstamp afirmou perder 19.000 Bitcoins (R$ 396,15 milhões).
    • Agosto de 2016: a exchange Bitfinex anunciou que hackers roubaram US$ 77 milhões em Bitcoins, o que trouxe um grande prejuízo à empresa.

    Apenas nos ciberataques citados acima, foram interceptados mais de 1,089 milhão de Bitcoins, valor correspondente a R$ 22,727 bilhões de acordo com a cotação de 1º de maio de 2019, número que infelizmente ainda pode crescer muito.

    Ciberataques de mineração de criptomoedas crescem 237%

    De acordo com o estudo Round Up, feito pela Trend Micro, os ataques foram 237% maiores em 2018 do que em 2017. Além disso, as técnicas e práticas utilizadas estão se diversificando, o que torna mais difícil se proteger contra elas.

    Outros números chamam a atenção. De acordo com a CypherTrace, empresa especializada em cibersegurança, as perdas causadas pelo roubo de criptomoedas em exchanges e atividades similares atingiram US$ 1,2 bilhão apenas nos 4 primeiros meses de 2019, valor correspondente a 70% do prejuízo de todo o ano de 2018, que foi de US$ 1,7 bilhão.

    E se você acredita que o Bitcoin é o preferido dos hackers, está coberto de razão. De acordo com Jonathan Levin, co-fundador e diretor-chefe da Chainalysis, 95% de todos os ciberataques a criptomoedas envolvem Bitcoins.

    A iniciativa que levou à criação do Bitcoin, de ter uma moeda com sistemas de controle descentralizados, que não precisavam de sistemas bancários e das regulações presentes nas moedas físicas, é até interessante, mas isso também faz com que os ciberataques sejam ainda mais prejudiciais.

    Como é difícil responsabilizar alguém quando isso ocorre, o que muitas vezes não se aplica nem às exchanges que são hackeadas, os usuários estão passíveis a prejuízos sérios, que podem levar embora suas fortunas virtuais em um curto período de tempo.

    Se você investe em Bitcoins, é bom tomar o máximo de cuidado para não ser vítima de ataques virtuais. Assim como acontece em tudo que envolve segurança, da contratação de uma consultoria em telecom até a venda de um automóvel, é melhor prevenir do que remediar, ainda mais quando nem sempre é possível encontrar um remédio.

    Convidados

    Especialistas finalmente quebraram o laptop do CEO da criptografia que morreu com acesso exclusivo a US $ 137 milhões. Mas o dinheiro já foi embora.

    6 de março de 2019

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Tribunal no Canadá ordena criador da Plexcoin a transferir 420 Bitcoins para Justiça canadense

    E aí, mais um golpe no mundo das fraudes coins? US$ 190 mi em criptomoedas sumiram após morte de dono de casa de câmbio.
    Quando o CEO de uma casa de câmbio no Canadá morreu, a empresa ficou devendo milhões aos seus clientes!

    Mission Impossible (DC)
    Business Insider: Experts finally cracked the laptop of the crypto CEO who died with sole access to $137 million. But the money was already gone.

    Milhões de dólares estavam faltando quando o CEO de uma bolsa de criptomoedas morreu sem compartilhar as senhas com suas contas. Investigadores recentemente quebraram seu laptop – apenas para descobrir que o dinheiro havia acabado.
    Gerald Cotten, o fundador da QuadrigaCX, foi pensado para ter acesso exclusivo aos fundos e moedas trocados nele. Após sua morte em dezembro, seus colegas disseram que cerca de US $ 137 milhões em criptomoedas pertencentes a cerca de 115.000 clientes foram mantidos offline em “armazenamento a frio” e inacessíveis.

    O caso provocou inúmeras teorias, incluindo que Cotten forjou sua própria morte e fugiu com o dinheiro. Um auditor apontado pelo tribunal, a Ernst & Young, conseguiu quebrar o laptop de Cotten e descobriu que as contas foram esvaziadas em abril, oito meses antes de sua morte, informou em um relatório na semana passada.
    “Em abril de 2018, o bitcoin remanescente nas Carteiras Identificadas de Bitcoin Frio foi transferido, trazendo os saldos para zero”, disse o relatório.

    Os investigadores disseram que encontraram outras questões também, como a de que a Quadriga manteve “livros e registros limitados” e nunca relatou seus dados financeiros.
    A Ernst & Young também informou que encontrou 14 contas de usuários ligadas a Cotten que negociaram na bolsa da Quadriga e retiraram criptomoedas para endereços não vinculados à Quadriga.
    Sobrecarregado com US $ 190 milhões em dívidas e incapaz de encontrar ou acessar o dinheiro, a Quadriga pediu proteção ao credor no final de janeiro. Um tribunal da Nova Escócia lançou nesta semana uma tábua de salvação para a companhia, concedendo uma prorrogação de 45 dias que impede que os credores entrem com ações judiciais até meados de abril.

    Kraken (bolsa norte-americana de criptomoedas que opera no Canadá, na UE, no Japão e nos EUA) está oferecendo $ 100.000 para informações sobre onde o dinheiro da Quadriga foi.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Geral

    [BIT FRAUDE BREAKINGNEWS] Ministério Público compara InDeal e Unick Forex com esquema de pirâmide da Telexfree

    20 de fevereiro de 2019

    Como evitar cair no golpe da moeda virtual

    O MPF – Ministério Público Federal – está investigando um possível esquema de pirâmides instalado em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Dentre as empresas envolvidas estão a Unick Forex e a InDeal.

    cvm-suspeita-unick-piramide-financeira

    Acusada de pirâmide, Unick Forex desafia CVM e continua com ofertas em criptomoedas

    O procurador da República Celso Tres, numa entrevista cedida na segunda-feira (18) ao programa Gaúcha, da Rádio Gaúcha, disse que a criptomoeda não ter regulação não justifica essas empresas multiplicarem esses rendimentos da noite para o dia.

    “Tivemos mês no ano passado que passou mais de R$100 milhões apenas de crédito de uma dessas empresas. (…) oferecem lá 15% de rendimento ao mês mais 5% de cada novo investidor que a pessoa levar para o sistema”.

    O Procurador afirma que a investigação começou a partir de dados levantados pela Receita Federal, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e alguns outros órgãos, que forma levados espontaneamente pelas pessoas.

    Apesar de serem alguns elementos iniciais, como afirma o próprio Procurador Federal, ele disse que tudo indica se tratar de “um caso clássico de pirâmide financeira”, como foi a Telexfree — que em 2013 foi desmantelada.

    “(…) é a famosa pirâmide na qual há um motivo qualquer para alguém oferecer um grande rendimento de dinheiro, igual já tivemos um caso internacional, inclusive, que tinha americano envolvido. Foi a Telexfree no Brasil, que era ligações telefônicas a partir de anúncios, que as pessoas pagavam e ofereciam 200% de rendimento ao ano. Então aqui no caso é a criptomoeda”.

    Leia mais clicando no link aqui.

    E você, o que pensa a respeito?
    Deixe a sua opinião.

    Até o próximo post.

    Convidados

    A evolução do dólar, o que aconteceu no mundo desde quando ele custava R$ 2

    18 de fevereiro de 2019

    A evolução do dólar, o que aconteceu no mundo desde quando ele custava R$ 2

    Pode parecer que faz muito tempo, mas a cotação do dólar esteve em R$ 2,00 em 2009!

    Quando se fala sobre a cotação do dólar atualmente, é quase imediato pensar em um valor de pelo menos R$ 3,50, e mesmo com as variações, o valor ultimamente não vem sendo muito diferente desse.

    É quase uma utopia falar sobre uma cotação do dólar a R$ 2,00 nos dias de hoje, mas era assim há 10 anos. Inclusive, em alguns pontos desse período, era possível comprar um dólar com até menos de dois reais!

    Vamos entender melhor o que aconteceu com a cotação do dólar de 2009 até os dias de hoje, além dos acontecimentos que marcaram o mundo neste relativamente breve, mas significativo período.

    Qual foi a cotação média do dólar desde 2009?

    Ela assumiu valores que chamam muito a atenção. No dia 15 de fevereiro de 2019, a cotação do dólar comercial para venda estava em R$ 3,72, mas e se nós dissermos que o valor já foi menor que a metade disso em 2010 e 2011?

    Pois é, não faz tanto tempo assim, mas é estranho pensar em uma cotação tão baixa do dólar em relação ao real. Vamos analisar qual foi a cotação média do dólar comercial para venda de 2009 até 2018:

    • 2009: R$ 2,00
    • 2010: R$ 1,76
    • 2011: R$ 1,68
    • 2012: R$ 1,96
    • 2013: R$ 2,16
    • 2014: R$ 2,35
    • 2015: R$ 3,33
    • 2016: R$ 3,49
    • 2017: R$ 3,19
    • 2018: R$ 3,65

    Ao analisar que essas foram as cotações médias, subentende-se que houve extremos para mais e para menos a cada ano, mas é possível perceber que os valores flutuaram muito, especialmente de 2011 em diante.

    Em 01/07/2011, por exemplo, a cotação estava em R$ 1,558, menor valor desde janeiro de 1999. Já em 13/09/2018, por sua vez, ele atingiu o maior valor da história em seu fechamento: R$ 4,19, uma diferença de incríveis 268,9% em relação aos dois extremos.

    Para fins de comparação, desconsiderando as taxas das casas de câmbio, uma pessoa com R$ 10 mil conseguiria comprar USD 6.418,48 no dia 1º de julho de 2011 e USD 2.386,63 em 13 de setembro de 2018, tamanha foi essa variação.

    Ao levar em consideração os valores médios analisados anteriormente, os extremos também chamam a atenção. Entre 2011 (R$ 1,68) e 2018 (R$ 3,65), a variação foi de 217,3%.

    O que aconteceu no mundo de lá para cá?

    Pois bem, a flutuação das cotações do dólar em relação ao real variaram bastante, mas muita coisa também aconteceu no mundo de 2009 para cá. Vamos ver alguns dos fatos mais marcantes:

    • 15 de janeiro de 2009: ocorre o US Airways Flight 1549, que resultou na queda de um avião Airbus A320 no Rio Hudson. Havia 150 passageiros e 5 tripulantes, e todos sobreviveram. O episódio ficou conhecido como “Miracle on the Hudson” (milagre no Hudson).
    • 20 de janeiro de 2009: Barack Obama assume a presidência dos Estados Unidos e se torna o primeiro afro-americano a ocupar o cargo.
    • 10 de dezembro de 2009: Avatar, superprodução de James Cameron, começou a ser transmitido nos cinemas de Londres. O faturamento foi de, aproximadamente, USD 2,788 bilhões.

     

    • 6 de maio de 2010: ocorre o “2010 Flash Crash”, quebra trilionária nas bolsas de valores norte-americanas que começou às 14:32 e durou por volta de 36 minutos. O evento é considerado como um dos mais turbulentos do mercado financeiro dos Estados Unidos.
    • 25 de julho de 2010: documentos confidenciais do governo dos Estados Unidos são compartilhados pelo WikiLeaks, o que causa um forte impacto mundial.
    • 29 de abril de 2011: aproximadamente dois bilhões de pessoas assistem ao casamento real do Príncipe William e de Catherine Middleton, ocorrido na Abadia de Westminster.
    • 7 de maio de 2012: Vladimir Putin é eleito o presidente da Rússia.
    • 30 e 31 de julho de 2012: ocorre a maior queda de energia da história, deixando 620 milhões de pessoas sem energia na Índia.
    • 6 de agosto de 2012: a sonda Curiosity, do Mars Science Laboratory, pousa com sucesso em Marte.
    • 6 de novembro de 2012: Barack Obama é reeleito presidente dos Estados Unidos.
    • 28 de fevereiro de 2013: o Papa Bento XVI renuncia o cargo eclesiástico, dizendo que sua idade avançada já não o permitia mais exercer sua função de maneira adequada. Ele é o primeiro a renunciar desde Gregório XII, em 1415, e o primeiro a fazê-lo voluntariamente desde Celestino V, em 1294.
    • 13 de março de 2013: o Papa Francisco é eleito o 266º papa da história, tornando-se o primeiro papa jesuíta, o primeiro das Américas e o primeiro do Hemisfério Sul.
    • 31 de maio de 2013: o tornado El Reno atinge a de mesmo nome, em Oklahoma, Estados Unidos, com 4,2 km de diâmetro e velocidades máximas de 484 km/h. Ele foi considerado o maior tornado já registrado no mundo até então.
    • 8 de julho de 2014: ocorre a partida Brasil x Alemanha, no estádio do Mineirão, vencida por 7 a 1 pelos alemães. O episódio é um dos mais icônicos da história do futebol mundial.
    • 29 de abril de 2015: A Organização das Nações Unidas (OMS) declara que a rubéola foi erradicada das Américas.
    • 11 e 12 de maio de 2015: a versão O do quadro Les Femmes d’Alger, de Pablo Picasso, é vendida por USD 179,3 milhões em um leilão em Christie’s, Nova York. Já a escultura L’Homme au doigt, de Alberto Giacometti, é vendida por USD 141,3 milhões, estabelecendo os recordes de vendas para um quadro e uma escultura, respectivamente.
    • 10 de setembro de 2015: cientistas descobrem o Homo naledi, uma espécie até então desconhecida do gênero Homo (humanos modernos), na África do Sul.
    • 11 de setembro de 2015: a Rainha Elizabeth II, tendo ocupado o trono por 63 anos e 217 dias, torna-se a monarca britânica com o reinado mais longo da história e a chefe de Estado com mais tempo de serviço do mundo, superando a Rainha Victoria, que reinou por 63 anos e 216 dias até seu falecimento, em 1901.
    • 14 de setembro de 2015: ocorre a primeira detecção de ondas gravitacionais da história no Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory (LIGO), nos Estados Unidos. O fato só foi anunciado em 11 de fevereiro de 2016.
    • 28 de setembro de 2015: a National Aeronautics and Space Administration (NASA) anuncia que encontrou água líquida em Marte.
    • 30 de novembro de 2015: a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015 (COP 21) acontece em Paris, França, com a participação de líderes de 147 países.
    • 22 de dezembro de 2015: a SpaceX pousa um foguete não-tripulado Falcon-9, o primeiro foguete reutilizável a entrar na órbita terrestre e retornar com sucesso.
    • 23 de junho de 2016: o Reino Unido vota em um referendo para deixar a União Europeia.
    • 6 de julho de 2016: é lançado o aplicativo Pokémon Go, quebrando vários recordes mundiais em termos de vendas e receita.
    • 5 a 21 de agosto de 2016: acontecem as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a primeira vez na história em um país da América do Sul.
    • 28 de setembro de 2016: os níveis globais de CO2 excedem 400 partes por milhão (ppm) em uma época do ano normalmente associada a níveis mínimos. Acredita-se que esse índice tenha sido o mais alto já visto na história da humanidade.
    • 8 de novembro de 2016: Donald Trump é eleito o novo presidente dos Estados Unidos.
    • 12 de maio de 2017: computadores ao redor de todo o mundo são atingidos por um ciberataque de ramsomware, que afeta pelo menos 150 países.
    • 15 de novembro de 2017: uma pintura de Leonardo da Vinci, Salvator Mundi, é vendida por USD 450 milhões na Christie’s, em Nova York, um novo preço recorde para qualquer obra de arte no mundo.
    • 14 de dezembro de 2017: a Walt Disney anuncia que vai adquirir a maioria da 21st Century Fox, incluindo o estúdio de filmes 20th Century Fox, por USD 66 bilhões.
    • 19 de maio de 2018: o casamento do Príncipe Harry com Meghan Markle acontece no Castelo de Windsor, com uma audiência estimada de 1,9 bilhão de pessoas.
    • 10 de julho de 2018: 12 garotos e seu técnico de futebol são resgatados de uma caverna alagada na Tailândia, depois de ficarem presos no local por 18 dias.
    • 25 de julho de 2018: cientistas relatam a presença de um lago subglacial em Marte, 1,5 km abaixo da calota de gelo polar do sul e que se estende por aproximadamente 20 km. Esse foi o primeiro corpo de água conhecido no planeta.
    • 26 de julho de 2018: o preço das ações do Facebook cai quase 20% depois que a empresa alertou os investidores que o crescimento de usuários diminuiu depois do escândalo de vazamento de dados. Mais de USD 109 bilhões foram eliminados de seu valor de mercado, resultando no maior prejuízo em um único dia da história.
    • 2 de agosto de 2018: a Apple tornou-se a primeira empresa pública a atingir uma capitalização de mercado de USD 1 trilhão.

    Pesquise bem antes de comprar dólares!

    Muita coisa aconteceu desde quando a cotação estava em R$ 2, mas ainda que essa seja uma realidade distante atualmente, isso não quer dizer que você não tenha que pesquisar antes de comprar, pelo contrário.

    Cada casa de câmbio possui a sua cotação, e fazer uma pesquisa rápida pode te fazer economizar uma boa quantia e, assim, valorizar ainda mais o seu dinheiro. Além disso, também é bom acompanhar as movimentações do mercado de câmbio para saber qual é o melhor momento.

    Não é possível saber se a cotação do dólar atingirá aquele patamar novamente, mas seja quando for, pesquise com cuidado antes de comprar dólar e garanta a melhor cotação possível!

    Convidados

    Tudo que você precisa saber sobre investimento em moeda estrangeira

    28 de janeiro de 2019

    Descubra por onde começar se quiser ganhar dinheiro com a flutuação cambial

    Todos os dias você sai para trabalhar de manhã e volta após escurecer mas, ainda assim, você sente que o seu dinheiro não está rendendo como deveria? Ou já se viu cancelando planos de viagens e adiando a compra do carro dos seus sonhos por medo de ter que se privar de alguns luxos durante o pagamento?

    Aqui vai uma boa notícia: ao final deste artigo há boas chances de você se tornar um investidor do mercado de moedas estrangeiras. Existe muita gente ganhando altas quantias de dinheiro com isso e você vai entender como. Para isso, continue lendo.

    Investimento em moeda estrangeira: como funciona?

    Antes de mais nada, é importante que você entenda exatamente porque o câmbio oscila todos os dias. Basicamente quanto maior a inflação no país, mais desvalorizada será a moeda.

    Atualmente, o dólar está alto para nós, brasileiros, pois a inflação por aqui está mais alta em comparação ao mesmo índice americano. De acordo com dados de novembro de 2018, enquanto aqui a marca alcança 4,046%, nos Estados Unidos não passa de 2,5%.

    No momento em que o dólar e o euro passam a valer mais em comparação ao real, enquanto os brasileiros em geral sofrem prejuízo, aqueles que investem em moeda estrangeira ficam mais ricos.

    Por onde começar?

    Antes de mais nada é preciso definir qual é o seu perfil investidor. A partir daí será mais fácil para você decidir qual é o investimento ideal e trabalhar em cima disso. Atualmente, existem 3 definições:

    • Perfil Conservador: quem tem o perfil conservador busca, sobretudo, segurança em seus investimentos. Por isso, esse perfil dá preferência para investimentos de baixo risco, ainda que isso implique uma menor rentabilidade.
    • Perfil Moderado: assim como o perfil conservador, aqueles que são moderados buscam segurança e, na maioria dos casos, investimentos mais “pé no chão”. No entanto, esse tipo de investidor também gosta de se expor, aos poucos, para obter maior rentabilidade.

    Por isso, quem é moderado tende a ter uma postura de diversificar na hora de investir em vez de “colocar todos os ovos em uma única cesta”.

    • Perfil Arrojado: já o grupo que se identifica com o perfil arrojado busca primeiro os investimentos de alto risco pois sabe da alta rentabilidade que eles podem gerar.

    Quais são os investimentos em moeda estrangeira?

    Agora que você já sabe o que provoca oscilação do câmbio e pôde identificar o seu perfil investidor, é hora de conhecer alguns dos principais investimentos em moeda estrangeira.

    • Papel moeda: a compra de papel moeda é o mais tradicional dos investimentos em moeda estrangeira. A ideia aqui é comprar euro ou outra moeda em uma das distribuidoras autorizadas pelo Banco Central e vender quando houver alta no câmbio.
    • Fundos cambiais: indicado para investidores de perfil moderado e arrojado, nesse tipo de investimento o objetivo é preservar o investidor da alta do câmbio, o que o torna indicado também para quem quer evitar prejuízos em uma eventual viagem internacional.

    Por isso, ao menos 80% dos ativos está relacionado a moedas estrangeiras como o dólar e o euro. Os 20% restantes em renda fixa prefixada ou indexada à SELIC ou CDI, o que o torna um pouco mais seguro.

    • Fundo multimercado: apesar de estar listado aqui, esse tipo de investimento não é exclusivamente em moedas estrangeiras, pois no fundo multimercado o gestor tem total liberdade trabalhar diferentes ativos: papéis de renda fixa, ações de empresas, moedas (como dólar), derivativos e investimentos no exterior.
    • Derivativos: nesse tipo de investimento a rentabilidade está diretamente atrelada à cotação da moeda. Quanto mais o dólar subir, maior será o retorno sobre o valor investido.

    É fundamental estudar todos os tipos de investimento

    Investir com sabedoria exige conhecimento. O investimento em moedas estrangeiras é considerado de alto risco e, portanto, não é recomendado para pessoas inexperientes.

    Pesquise as opções disponíveis, crie uma conta em uma corretora de investimentos e tire todas as suas dúvidas antes de começar.

    No mercado de investimentos, cada título ou produto disponível possui vantagens e desvantagens: valor mínimo, liquidez, aportes mensais, imposto de renda na retirada etc. O que torna determinado investimento melhor ou pior é o alinhamento com as suas possibilidades e objetivos.

    Tenha os seus limites e metas bem definidos

    De forma alguma você deve investir todos os seus ativos, sobretudo em investimentos de alto risco como as moedas estrangeiras. Por isso, depois de entender o seu perfil investidor e estudar a respeito desse mercado, defina certos limites para todas as suas transações.

    É importante que o valor não saia de uma reserva de emergência e nem comprometa outros compromissos financeiros que você já tem. Na opinião de alguns especialistas, o número de ativos investidos em câmbio não pode ultrapassar 10%.

    Outro limite que deve ser definido é o de perdas. É comum que o câmbio, depois de uma sequência de altas, acabe caindo. Como já foi dito, há tendências mas não há certezas quando o assunto é a flutuação cambial.

    Portanto, caso você esteja perdendo mais do que 9 ou 10%, talvez seja hora de vender os seus ativos de moeda estrangeira. Tendo uma margem nesse sentido evita prejuízos irreversíveis em seu patrimônio.

    Agora que você já sabe de tudo isso, que tal começar a traçar um novo rumo para a sua situação financeira daqui para frente? Aproveite o início do ano e o clima de resoluções para enriquecer as suas reservas. Comprar euro pode ser um bom começo.

    Referências:

    https://verios.com.br/blog/fundo-multimercado-o-que-e/

    https://blog.genialinvestimentos.com.br/fundos-cambiais/

    https://www.euqueroinvestir.com/como-saber-meu-perfil-de-investidor/

    http://g1.globo.com/economia/inflacao-causas/platb

    https://www.infomoney.com.br/onde-investir/fundos-de-investimento/noticia/7463178/brasil-modo-panico-veja-fundos-cambiais-para-aproveitar-dolar

    cambio-dolar-real

    Convidados

    6 pontos para entender como funciona a cotação do dólar

    26 de outubro de 2018

    Pontos para entender como funciona a cotação do dólar
    Entender as causas da oscilação da moeda é mais fácil do que você imagina

    Quem acompanha, ainda que pouco, as notícias do Brasil e do mundo, sabe que o dólar ora está com o preço lá em cima, ora com o preço lá embaixo.

    Mas, o que provoca essas oscilações da moeda? É sobre isso que trata este artigo. Se você quer entender um pouco mais sobre o assunto, continue lendo.

    1. Como funciona o mercado de câmbio

    Antes de mais nada é preciso entender o que a taxa de câmbio significa. Existe uma definição que diz “Câmbio é a referência em valor da moeda nacional com relação à moeda estrangeira”.

    Ou seja, quando a moeda estrangeira utilizada como referência, no caso o dólar, sobe, significa que a moeda nacional, o real, perdeu valor em relação ao dólar. E na situação inversa é a mesma coisa, quando a taxa do dólar cai, significa que o real ganhou valor em relação ao dólar.

    A taxa de câmbio é alterada diariamente de acordo com várias questões, incluindo a situação econômica de cada país. Exemplo disso é o período eleitoral. Aqui no Brasil é de praxe que durante as eleições o real ganhe e perca valor do dia para noite como resposta às pesquisas eleitorais.

    2. Dólar comercial

    Quando falamos em dólar é preciso primeiro explicar qual das duas cotações está sendo mencionada. São elas: dólar comercial e dólar turismo, classificadas de acordo com a natureza da operação em que estão envolvidas.

    O dólar comercial representa a cotação utilizada exclusivamente em operações na Bolsa de Valores e transações feitas no exterior entre empresas e pelo governo. Aqui a taxa tende a ser mais barata devido ao alto da valor das operações nas quais está envolvido.

    3. Dólar turismo

    É a cotação que rege as transações feitas em viagens no exterior, e também no pagamento da fatura do cartão de crédito utilizado para as comprinhas fora do país.

    Geralmente você pode escolher entre pagar com a cotação do dia da compra ou de acordo com a taxa de câmbio vigente na data de fechamento da fatura, basta verificar a possibilidade na operadora do seu cartão.

    Não pense que ao ver na TV que a cotação do dólar caiu e que por isso você vai economizar enquanto estiver tirando férias em Orlando. A cotação anunciada nos veículos de comunicação diz respeito ao dólar comercial, na maioria das vezes.

    Fique de olho antes de tirar conclusões precipitadas!

    4. O que provoca a queda do dólar?

    Em linhas gerais, quanto maior a disponibilidade do dólar no Brasil, ou seja, quanto maior a sua oferta por aqui, menor será a sua cotação. Para ilustrar isso, pense em uma loja de roupas.

    No inverno, a busca por biquínis e roupas de verão cai, certo? O estoque da loja fica com muita peça em estoque devido a baixa demanda. Ou seja, há muita disponibilidade e pouca procura, o que leva a queda no preço desses produtos.

    Com o dólar funciona basicamente da mesma forma. Quanto mais o Brasil exporta seus produtos para países estrangeiros, maior a entrada de dólares em território nacional, o que provoca a queda na demanda e na cotação da moeda em relação ao real.

    5. O que provoca o aumento do dólar?

    Em contrapartida, quando a circulação do dólar diminui no país, maior a demanda pela moeda. Quanto maior a demanda, maior será a sua taxa cambial em relação à moeda brasileira que, nesse caso, perde o seu valor.

    Ainda usando o exemplo da loja de roupas, a busca por casacos e blusas de frio aumenta no inverno, certo? Portanto, o estoque da loja tende a sofrer redução, diminuindo a disponibilidade. Ou seja, a oferta de casacos e blusas de frio na loja também cai, o que leva ao aumento de preço.

    Quanto maior o número de importações feitas pelo Brasil, maior também a demanda de dólares para pagar essas transações. Isso é chamado de déficit comercial e é uma das causas de aumento do dólar em relação ao real.

    6. Risco país

    Como o próprio termo sugere, o Risco País é um índice que classifica a estabilidade econômica das nações. Quanto mais instável um país está, maior o risco que esse Estado oferece a aqueles que investem dinheiro por lá. Isso, é claro, afasta investidores.

    O contrário funciona da mesma forma, quanto maior a estabilidade e solidez oferecida por determinado país, mais ele atrai investidores.

    Essas duas situações também são causa de aumento e diminuição do dólar. Pois, como dito, a oscilação da moeda acontece de acordo com a relação oferta e demanda. Portanto, quanto mais investidores apostando no país, maior a disponibilidade da moeda em território nacional.

    Do contrário, quanto maior o risco oferecido pelo país, menos dólar circulando no país e, com isso, mais alta a taxa de câmbio da moeda em relação ao real.

    A dica para você que tem interesse no assunto é: não deixe de comprar dólar durante a baixa, ainda que de forma fracionada. Gente que fica sempre a espera da cotação perfeita acaba perdendo boas oportunidades de fazer o dinheiro render.

    Convidados

    Tudo o que você precisa saber sobre a criptomoeda Bitcoin

    6 de junho de 2018

    A criptomoeda Bitcoin surgiu em 2008, mas se popularizou em 2017 após uma supervalorização. Agora gera discussão sobre seu futuro e se o investimento vale a pena.

    A chamada moeda virtual não possui nenhum órgão regulamentador. Isso quer dizer que não é emitida por nenhum país. Ela é gerada por meio da mineração e quando computadores conseguem resolver problemas matemáticos ela é criada.

    Por não ter um órgão que a fiscalize acaba gerando muita discórdia. Enquanto alguns acham que não passa de moda, outros acreditam que as criptomoedas, como o Bitcoin, podem ser o futuro das transações financeiras.

    A questão é que existem pontos positivos e negativos acerca dela. Veja quais são eles.

    Bitcoin verde igual uma criptonita

    Pontos positivos da criptomoedaBitcoin

    • Taxas de transação baixas: como não existem terceiros intermediando essa moeda é possível conseguir excelentes taxas, inclusive, para a realização de micropagamentos.
    • Estimula a invocação tecnológica: são pacotes de dados que permitem não apenas transferir a criptomoeda, mas outros itens. A sua tecnologia já está sendo adotada por muitas empresas para outras negociações.
    • Estimula a criação de diferentes formas de pagamento: não é apenas a tecnologia do Bitcoin que vem impulsionando o mercado. A criptomoeda tem feito com que instituições financeiras criem novas soluções de pagamento para atender aos consumidores que são adeptos à tecnologia e suas facilidades.
    • Permite que locais com dificuldade de acesso ao sistema financeiro tenham moedas para negociação: é possível realizar transações apenas com o uso de um smartphone, até mesmo nas regiões mais remotas onde há falta de moeda ou bancos.
    • Pode ser adquirida facilmente: não é preciso apresentar nenhum tipo de documento ou passar por burocracias para ter Bitcoins. Basta ter acesso à internet para comprar e vender a criptomoeda livremente.
    • Diferentes locais aceitam pagamento em Bitcoins: hoje é possível comprar quase tudo usando o Bitcoin, uma vez que essa se tornou mais uma forma de pagamento para muitos sites e até mesmo estabelecimentos físicos.
    • É uma moeda universal: não é preciso usar o câmbio para converter o Bitcoin em nenhum país do mundo, essa é uma moeda aceita em todos os países e com valor único. Ela pode facilitar a vida dos viajantes que a cada momento estão em um local e não querem se preocupar com troca de dinheiro.

    Pontos negativos da criptomoedaBitcoin

    • Valor volátil: o preço é definido de acordo com a oferta e demanda e, por isso, pode sofrer grandes oscilações em um curto espaço de tempo. Da mesma forma que é possível ganhar muito dinheiro da noite para o dia, o oposto também pode ocorrer.
    • Todo risco é do comprador: no Brasil existe o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) que ampara investidores caso a instituição em que o dinheiro está investido quebre, evitando a perda de dinheiro. Entretanto, com as criptomoedas não existe isso. Assim qualquer risco será única e exclusivamente de quem a adquiriu.
    • Facilita atos ilegais: as transações são anônimas e qualquer pessoa pode usar o Bitcoin sem se identificar, o que acaba facilitando transações de drogas, tráfico de pessoas, lavagem de dinheiro e outros.
    • Não há punições para fraudes: sem órgão regulamentador não existe quem fiscalize o Bitcoin, por isso se ocorrer qualquer tipo de fraude ou abusos nas transações os infratores sairão impunes.
    • Ameaça de hacker: por ser uma moeda virtual, isso significa que todas as informações estão armazenadas na rede e podem ser invadidas e alteradas por hacker. Dessa forma é possível que uma pessoa tenha os seus Bitcoins roubados e a conta invadida.

    Mesmo sabendo desses pontos ainda não é possível prever se a criptomoeda Bitcoin é apenas algo passageiro ou se é o futuro dos pagamentos e moeda de troca. Será preciso aguardar para se ter uma resposta mais concreta.

    Por: xBinOp

    Geral

    Co-fundador Ethereum: Criptomoedas podem cair para quase zero a qualquer momento

    19 de fevereiro de 2018

    As moedas digitais podem estar seguindo rumo ao pó: “Se você está tentando descobrir onde armazenar suas economias de vida, os ativos tradicionais ainda são a sua aposta mais segura”, disse Vitalik Buterin, co-fundador do Ethereum.

    Bitcoin deveria ser morto por reguladores, diz ex-presidente da SEC

    Vitalik Buterin usou suas redes sociais para fazer um grande alerta para seus seguidores: cuidado na hora de investir, porque as criptomoedas podem cair para quase zero a qualquer momento. Umas das moedas digitais que mais subiu no ano passado, o Ethereum passou por uma das correções mais fortes neste início de 2018, mas mantendo o posto de segunda maior do mercado.

    “Lembre-se: criptomoedas ainda são uma classe de ativos nova e hiper-voláteis, e podem cair para quase zero a qualquer momento. Não coloque mais dinheiro do que você pode perder”, disse o programador russo-canadense no último sábado (17). “Se você está tentando descobrir onde armazenar suas economias de vida, os ativos tradicionais ainda são a sua aposta mais segura”, disse ele.

    Buterin é uma das figuras mais populares no Twitter para golpistas que tentam usar as redes sociais para fazerem ofertas falsas envolvendo criptomoedas. Essas contas muitas vezes pedem aos usuários que enviem uma quantidade de moedas em troca de um grande retorno financeiro. O co-fundador Ethereum também aproveitou o fim de semana para alertar os usuários.

    Esquema de pirâmide com Bitcoin rouba US$ 115 milhões de mais de 10 mil investidores

    O alerta feito por ele não é novidade, mas mesmo assim todos os dias surgem histórias de pessoas que perderam tudo com moedas digitais porque investiram mais do que deviam. No Twitter, após ele postar a mensagem, muitas pessoas reclamaram que ele estava criando pânico sem precisar, enquanto outras disseram que esta fala não é novidade. De qualquer forma, é sempre bom ter esse alerta de Buterin em mente.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Shark Tank: Grandes empresários e apresentadores compartilham suas visões sobre o mercado de criptomoedas

    15 de fevereiro de 2018

    The Shark Tank investors share their top advice on bitcoin

    O programa Shark Tank reúne alguns dos maiores nomes do empreendedorismo para ajudar pessoas que acreditam ter ideias inovadoras e que valem o investimento. São grandes executivos que muitas pessoas gostam de ouvir por conta das trajetórias de sucesso deles, muitas vezes ganhando dinheiro com coisas que ninguém acreditava.

    Diante de um cenário onde o Bitcoin tomou conta das discussões financeiras, dos debates sobre bolha ou investimento do século, o que será que pensam estes empresários de sucesso?

    A CNBC Make It conversou com 6 dos apresentadores das 9 temporadas do “Shark Tank” americano para ver o que eles estão pensando sobre o mercado de criptomoedas. Confira abaixo o que eles disseram:

    Kevin O’Leary

    O executivo afirma que existe um grande problema entre os investidores de bitcoin: “estou certo de que 99% das pessoas que possuem bitcoin não entendem como isso funciona”. “Isso sempre é um coquetel para o desastre”, disse ele.

    Segundo ele, é preciso entender que o bitcoin é um ativo, e não uma moeda, o que leva a grandes variações de valor e torna mais difícil usá-lo como um meio de pagamento.

    Barbara Corcoran

    Para ela, o bitcoin é interessante, mas não parece algo prático. “Eu acho que bitcoin e outras criptos menores são muito complicadas para o uso geral”, disse ela. “Eu acho que o bitcoin – os outros desaparecerão – é interessante assistir e pode chegar a um valor de US$ 60.000 se instituições suficientemente ricas investirem”, explicou.

    Robert Herjavec

    Já ele tem perspectivas otimistas para a moeda digital. “Para mim, é a onda do futuro”, disse Herjavec. “Daqui 25 anos haverá alguma forma de criptomoeda que usaremos para pagar por via eletrônica, e o conceito de dinheiro desaparecerá um dia”, explicou. “Vai ter benefícios enormes para a humanidade, em todos os tipos de transações”, completou.

    Porém, por enquanto, ele não está investindo pessoalmente, por razões éticas. “Criptomoeda é a escolha de financiamento de transações para hackers”, disse. “E, como somos bons, não consigo ficar atrás disso. Se não houvessem criptomoedas, muitos dos grandes hackers não existiriam”.

    Richard Branson

    O fundador da Virgin disse que já investiu em bitcoin alguns anos atrás. “Eu coloquei um pouco de dinheiro em bitcoin porque gosto de aprender sobre as coisas, e acho que se bitcoin é o único – acho que haverá uma moeda global”, disse Branson para a CNBC em 2014.

    Naquele ano, ele anunciou à CNBC que sua companhia de vôo espacial comercial Virgin Galactic aceitou um pagamento em bitcoin de um comissário de bordo no Havaí para um assento em uma viagem ao espaço. Em 2014, Branson disse à Bloomberg sobre o bitcoin: “Eu acho que está funcionando. Haverá outras moedas como essa, talvez ainda melhor, mas, entretanto, há uma grande indústria em torno do bitcoin”.

    Daymond John

    “Você deve começar a aprender sobre isso agora”, disse John, dizendo que ele possui investimentos em bitcoin e ethereum. “Digamos que você deseja investir em criptomoedas ou med-tech ou imóveis. Cada um desses terá uma grande quantidade de coisas que você precisa saber. Se você não está investindo em si mesmo [e aprendendo], posso te vender tudo o que eu quero em moedas digitais ou medtech”.

    Mark Cuban

    Em dezembro, Cuban disse que este mercado ainda é “uma aposta”. “Poderia ir para US$ 15.000 ou zero e talvez ambos no mesmo dia”, disse ele na época. Mesmo assim, ele já declarou que comprou bitcoins e investe em empresas focadas em mercados de criptomoedas e blockchain.

    O empresário dá uma dica para quem quiser investir nisso: só coloque um dinheiro que você não tem medo de perder. “Se você é um verdadeiro aventureiro e quer realmente jogar o ‘Hail Mary’, você pode colocar 10% [de suas economias] em bitcoin ou ethereum”, disse Cuban. “Mas, se você fizer isso, tem que fingir que já perdeu seu dinheiro”.
    fonte de consulta: The Shark Tank investors share their top advice on bitcoin

    Até o próximo post.

    Geral

    Bitcoin não é uma moeda: Comprei um molho de tomate com bitcoin, e paguei R$ 26 de taxas

    21 de dezembro de 2017

    Livro – Crash!: Uma Breve História da Economia – Da Grécia Antiga ao Século XXI

    Hélder Rosalino, Administrador do banco central de Portugal, o Banco de Portugal (BdP), falou recentemente à publicação portuguesa ECO sobre bitcoin, criptomoedas, blockchain e Fintech em geral. Para Rosalino, é importante que as pessoas saibam que “uma criptomoeda não é uma moeda” para o banco central de Portugal.

    Para ele, uma moeda precisa tanto valor de reserva quanto a capacidade de ser usada como crédito. Por Rosalino, quando um banco central emite moeda, está criando um passivo no balanço que precisa ser pago. Ele afirmou:

    – Uma moeda, para ser classificada como tal, precisa de ter duas características fundamentais: A primeira é ter associada a si a ideia de reserva de valor, depois, sobre aquela moeda tem de haver um direito de crédito”, enfatiza Hélder Rosalino. Ou seja, “Quando um banco central cria uma moeda, cria um passivo no seu balanço que tem de ser pago. Se, um dia, todos fossem entregar essa moeda nos seus bancos e, depois, no banco central, ela teria de ser paga, e o passivo seria eliminado”.

    Leia mais a seguir:

    Bitcoin Não é uma Moeda, Diz Administrador do BC Português

    Outro caso bem curioso foi que a EXAME saiu às compras com bitcoins no bolso e descobriu que há mais entre uma transação e outra do que aproximar dois celulares. O Bitcoin foi projetado para facilitar as trocas entre duas pessoas, desta forma pagar algo com bitcoin não deveria ser mais difícil do que usar um cartão de crédito.

    As pessoas tendem a definir o bitcoin como uma moeda virtual, mas esse conceito é, de certa forma, disputado.

    Projetado para ser uma forma de dinheiro que facilitaria as trocas entre duas pessoas, pagar algo com bitcoin não deveria ser mais difícil do que usar um cartão de crédito.

    Com cem reais no bolso (mais ou menos), ou melhor dizendo na carteira, fui às ruas para tentar gastar 0,001592 bitcoins — que valiam exatos 93,43 reais na tarde de sexta-feira, 15 de dezembro — e tentar descobrir se é realmente fácil ( e barato) pagar com bitcoin.

    Para antecipar as conclusões: fácil até é; barato, de jeito nenhum. E essas questões são decisivas para entender o bitcoin, suas potencialidades, e seu futuro.

    Na teoria econômica são três as funções da moeda: unidade de contagem, reserva de valor e meio de pagamento.

    Sabemos que o bitcoin tem uma função como reserva de valor, afinal as pessoas investem nele, usam para fazer transferências internacionais, ou para carregar valores entre países.

    Mas o bitcoin não funciona como unidade de contagem, muito por causa da extrema volatilidade da moeda.

    Mas, afinal de contas, o bitcoin, que funciona para comprar uma série de coisas, de drogas no submundo da internet até apartamentos na empreiteira Tecnisa ou shows da dupla sertaneja João Bosco e Vinícius, é um bom meio de pagamento?

    Leia mais a seguir:

    Comprei um molho de tomate com bitcoin, e paguei R$ 26 de taxas

    Até mais.