‘Guest Post’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2

Browsing Tag: Guest Post

    Geral

    Como Solicitar Segunda Via de Conta Embasa Online

    20 de novembro de 2018

    Os serviços de água e esgoto são essenciais para qualquer pessoa, por isso pagar em dia é importante para manter esses serviços ativos. Mas é comum que alguns imprevistos aconteçam e ela não chegue até você ou até mesmo que você esqueça de pagar no dia. Por causa disso, tirar a 2º via Embasa pode ser a opção para que você evite multas e juros por causa do não pagamento da sua conta.

    Para saber como retirar de maneira fácil, continue lendo que vamos ensinar.

    Leia Também: 2 VIA EMBASA Consulta Pelo CPF Fácil e Rápido.

    Como cadastrar no site da Embasa

    O site da Embasa possui diversos serviços aos clientes, por meio dele é possível mudar endereço, trocar a titularidade, consultar segunda via de outras contas e até mesmo avisar quando existe um problema referente a vazamentos ou falta de abastecimento.

    Mas para ter acesso a esses serviços você precisa ter cadastro no site e caso você nunca tenha usado pode se cadastrar na hora rapidamente. Tudo o que você precisa ter é o número do CPF do titular da conta da Embasa, o número do cliente e o endereço com o número da residência.

    • Acesse embasa.ba.gov.br
    • Selecione a opção de serviços e clique em cadastrar usuário.
    • Preencha o cadastro com as informações solicitadas
    • Cadastre uma senha e pronto.

    Agora você já pode acessar todas os serviços oferecidos pelo site, inclusive pegar a 2ª via Embasa de maneira muito rápida.

    Como emitir 2 via Embasa

    A emissão da 2 via Embasa pode ser feita pelo site da empresa ou pelo aplicativo para celular. As duas maneira são muito simples e rápidas e tudo o que você precisa é de saber a sua senha cadastrada e o número do cliente.

    Para solicitar a segunda via da conta Embasa pelo site acesse www.embasa.ba.gov.br, clique em acessar área de clientes e informe o número do cliente e a senha cadastrada no site.

    Depois de logar clique em 2 via de conta e depois clique em emitir. Você pode imprimir a guia ou copiar o código de barras para pagamento. Assim você pode pagar pela internet e de maneira ainda mais rápida. A nova guia emitida já estará atualizada, inclusive com juros e multas decorrente de possíveis atrasos no vencimento.

    Emitir a guia pelo aplicativo

    O aplicativo da Embasa é uma maneira ainda mais rápida de ter uma nova guia da conta para realizar o pagamento. Além dos outros serviços que são oferecidos, tudo na palma da sua mão para ser acessado rapidamente.

    Esse app está disponível para IOS e Android e é totalmente de graça. Então você só precisa de baixar ele no seu celular e começar a usar.

    Com o aplicativo instalado faça o login e clique na opção de serviços, onde você pode acessar a todas as contas de meses anteriores e em caso de conta vencida, pode emitir a 2 via Embasa atualizada para fazer o pagamento.

    Benefícios da segunda via da conta

    Ao pegar a segunda via da conta de água e esgota da Embasa você tem muitos benefícios, pois assim consegue pegar a via atualizada e já sabe quais são os juros e multas que irá pagar depois do vencimento.

    Além disso, caso você não tenha recebido a sua conta a tempo em sua residência, pode pegar a 2 via no site e assim conseguir pagar antes do vencimento, para pode evitar multas e juros.

    Outro benefício é que pagando a sua conta da Embasa e não deixando acumular evita que seja cortado o fornecimento dos serviços. Por isso, não deixe de pagar a sua conta, mesmo que tenha esquecido alguns dias pague o mais rápido possível.

    Onde pagar segunda via

    O pagamento da segunda via da Embasa pode ser pago em qualquer instituição bancária conveniada, pelo internet banking ou app do seu banco. Você pode pagar utilizando a guia da conta ou apenas o código de barras.

    Mas é preciso ficar atento a data de vencimento para não perde-la, pois dessa maneira não é possível realizar o pagamento online, sendo necessário emitir uma outra via da conta para realizar o pagamento.

    Também é possível pagar a conta diretamente em uma agência da Empresa de Água e Esgoto da Bahia. Basta ir até a agência com a sua conta e realizar o pagamento. Caso não tenha uma nova via pode ser emitida na hora, mas lembre-se de levar o número do cliente e o número do CPF para que seja realizada a consulta dos débitos.

    Aprendeu a retirar a segunda via de conta de água da Bahia por meio da Embasa? Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário deixando a sua opinião!

    Como Solicitar Segunda Via de Conta Embasa Online

    Convidados

    Como fechar o ano no caixa azul

    9 de novembro de 2018

    Como fechar o ano de 2018 no caixa azul

    Saiba o que sua empresa deve fazer para que as contas fiquem positivas no final do ano!

    A gestão financeira está entre os principais desafios de uma empresa. De acordo com um estudo do Serasa, feito no final de 2017, ⅓ das aproximadamente 17 milhões de empresas ativas no Brasil possuem problemas financeiros, o que equivale a aproximadamente 5,66 milhões de negócios.

    Devido às dificuldades que são encaradas em sua trajetória, um dos maiores desafios é fechar o ano com saldo positivo, depois de ter encarado o mercado por 12 meses, com eventuais problemas financeiros e várias outras situações.

    Gerenciar uma empresa não é tarefa fácil, mas se você tiver as dicas certas, poderá fazer parte do grupo que superou os problemas financeiros e encerrou o ano com as contas no azul. Conheça algumas sugestões que podem lhe ajudar a alcançar esse objetivo!

    Dicas para fechar o caixa da empresa no positivo

    Siga essas sugestões práticas e veja como os lucros poderão ser maiores do que prejuízos, neste que é o cenário ideal!

    Acompanhe de perto as entradas e saídas

    Para conseguir gerenciar o caixa da sua empresa, é fundamental saber quanto dinheiro entra e quanto sai. Caso contrário, a gestão será feita no escuro, sem entender muito bem o que está acontecendo.

    Por isso, o primeiro passo é acompanhar com muita atenção e cautela a parte financeira. Deve-se saber exatamente qual é o valor que foi recebido dos clientes e qual valor será destinado às despesas corporativas.

    Esse acompanhamento pode ser feito através de programas e aplicativos de gestão financeira, essenciais para empresas de pequeno, médio e grande porte. Há várias opções no mercado, e o custo-benefício é excelente, já que a organização ficará muito mais fácil, além de reduzir a ocorrência de falhas humanas no processo.

    Então, com todos os dados disponíveis, será possível analisar a atual situação financeira da empresa e, a partir daí, planejar os próximos passos.

    Antecipe os recebíveis

    Se todas as empresas recebessem imediatamente por seus produtos ou serviços, quase não haveria problemas de fluxo de caixa. Porém, não é assim que as coisas funcionam no mercado, e a verdade é que o valor dos pagamentos pode demorar um bom tempo para ser recebido.

    O resultado é uma reação em cadeia: como a empresa ainda não recebeu o pagamento de seus clientes, ela tem que cobrir esses custos, muitas vezes com a ajuda de financiamentos e empréstimos, cujos juros resultam em despesas ainda mais altas.

    Mesmo que não seja possível antecipar todos os pagamentos, isso pode ser feito em certos casos. Algumas estratégias são as seguintes:

    • Ofereça uma porcentagem de desconto para pagamentos antecipados;
    • Livre-se do estoque de todos os produtos antigos e desatualizados, o que evita prejuízos e, de quebra, injeta no caixa um valor que não era esperado;
    • Disponibilize novas formas de pagamento, como cartão de crédito. Vale a pena perder uma porcentagem do valor com as taxas, mas ter a certeza de que aquele valor será recebido.

    Trabalhe com capital de giro

    De acordo com a pesquisa “Demografia das Empresas”, divulgada no final de 2017 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 60% das empresas brasileiras encerram suas atividades depois de 5 anos. Boa parte delas e enquadra nesta situação devido à falta do capital de giro.

    Em outras palavras, capital de giro é o dinheiro que a empresa precisa ter para quitar todas as suas despesas e se manter em funcionamento até que receba seu pagamento, como nas vendas e prestações de serviço a prazo, por exemplo.

    Como vimos na dica anterior, antecipar os recebíveis nem sempre é possível, mas a empresa deve estar preparada para arcar com suas despesas. Assim, caso aconteça algum inconveniente, ela ainda consegue manter as atividades.

    Além dos recebíveis, quando a empresa precisa de matéria-prima e produtos para abastecer seu estoque, eles podem ser considerados como prejuízo até o momento em que forem vendidos, e é preciso ter dinheiro para fazer essa compra.

    É imprescindível ter um planejamento financeiro bem equilibrado para que o capital de giro esteja disponível quando necessário. Assim, não será preciso recorrer sempre aos bancos e financeiras, o que já alivia bastante as contas.

    Construa cenários positivos e negativos para o futuro

    É impossível saber exatamente como serão os próximos meses da sua empresa. Assim como eles podem ser um sucesso estrondoso, também podem guardar um forte prejuízo, e o melhor a se fazer é estar preparado para as duas situações.

    Isso se chama construção de cenários e é uma das etapas do plano de negócios, que deve existir em todas as empresas, seja qual for seu porte ou segmento. Nele, deve-se planejar como será feita a gestão em caso de grandes lucros ou de grandes prejuízos.

    Ainda que seja algo hipotético, essa etapa é importante para pensar o que deve ser feito caso aquilo efetivamente aconteça. No cenário negativo, deve-se planejar de onde o dinheiro pode ser retirado, quais custos podem ser cortados e quais iniciativas podem ser adotadas.

    Por outro lado, no cenário positivo, pode-se pensar o que será feito com aquele dinheiro inesperado, como investimentos em novos colaboradores e equipamentos ou a separação de fundos para estar preparado para possíveis prejuízos futuros.

    O bom de construir esses cenários é a possibilidade de pensar com mais racionalidade. Afinal de contas, seja em situações muito positivas ou muito negativas, a emoção estará presente e pode levar à tomada de uma decisão que não seja a melhor.

    Comece o novo ano com o faturamento positivo!

    Cada uma dessas dicas pode ajudar a manter o caixa no azul e, assim, permitir que o desenvolvimento econômico da empresa ocorra de forma natural e gradativa. Os resultados tendem a ser benéficos já a curto prazo e ainda mais a médio e longo prazo.

    É importante ressaltar que nunca é tarde demais para melhorar a gestão da sua empresa. Seja uma startup ou uma companhia já estabelecida no mercado, sempre há espaço para melhorias e implementações.

    Siga cada uma dessas dicas e acompanhe os resultados da sua empresa. Com capital de giro, construção de cenários, antecipação de recebíveis e gestão de contas, o ano se iniciará com máxima organização e uma saúde financeira de ferro!

    Convidados

    Entenda o poder dos ETFs

    27 de outubro de 2018

    Entenda o poder dos ETFs

    Sobrou aquele dinheiro no final do mês e não sabe no que investir? Entenda o que são as ETFs e como elas podem trazer ótimas rentabilidades a longo prazo, associadas a um baixo custo e um menor risco.

    Muitas pessoas tem a intenção de investir em ações, mas não tem tempo e conhecimento necessário. Dessa maneira, as ETFs podem ajudar muitos investidores a iniciarem um investimento com menor custo, mais diversificação, flexibilidade e transparência.

    ETF é a sigla em inglês para Exchange Traded Funds, fundos negociados em bolsa, traduzido para o português. Negociado de forma semelhante a uma ação, tais fundos replicam índices de ativos, como o Ibovespa Fundo de Índice (BOVA11), por exemplo. Ao passo que um o Ibovespa como índice, funciona como um termômetro do mercado acionário do Brasil e mede, por meio de um sistema de pontos baseado em reais, o desempenho médio de uma carteira teórica das ações mais representativas e negociadas em Bolsa, um ETF não será nada muito diferente. Os fundos de índices (ETFs) seguem algum índice que mede o mercado acionário, podendo ser um índice famoso como o Ibovespa e S&P 500 ou índices mais específicos, como os de empresas que pagam altos dividendos, de empresas com alto nível de governança corporativa, e de empresas com baixo valor de mercado (small caps) e vários outros.

    No Brasil, o primeiro ETF foi criado em 2004, e hoje há por volta de 15 ETFs listados em bolsa. Já nos Estados Unidos, com um mercado de capitais muito mais aquecido que o nosso, o país conta com mais de 2 mil fundos de índices listados e 2 trilhões de dólares alocados nesses fundos desde 1993. Apesar do enxuto mercado de ações no Brasil, os papéis brasileiros são cada vez mais demandados, visto que a recente queda das taxas juros, tornam investimentos em renda fixa menos atrativos do ponto de vista da rentabilidade quando comparado as ações. Entretanto, encontrar o equilíbrio entre custos, oportunidades, rentabilidade e riscos não é tarefa fácil, mas isso não significa que uma pessoa comum não possa investir em ações e ganhar dinheiro. Na realidade, ao investir em uma ETF, você está investindo em um pacote de ações que aquele fundo de índice representa. A diferença é que investindo em uma única ação, seu risco é muito maior do que em uma cesta de ações.

    Digamos que você compre ações de uma única companhia. As ações dessa companhia podem trazer ótimos resultados caso a ação suba, péssimos caso a ação caia, ou até te fazer perder tudo caso a empresa vá a falência. Entretanto, ao investir em um ETF, você não está posicionado somente em um papel, mas sim em vários, o que certamente causará um impacto menor no seu bolso caso o preço do papel dessa empresa desvalorize. Então qual seria a diferença entre comprar várias ações de diferentes companhias e um ETF? Repare que para pequenos e médios investidores, o custo de oportunidade de analisar diversas empresas e julgar quais são promissoras ou não é enorme, sem contar os custos com corretagem ao comprar e vender cada ação.

    Além das ETFs, outra forma coerente para pequenos e médios investidores diversificarem sua carteira é por meio dos fundos de investimento em ações. De fato, os fundos de ações como qualquer outro, vão possuir um gestor, que com auxílio de uma equipe, tentará buscar as melhores oportunidades sempre tentando superar determinado índice de mercado, como o Ibovespa na maioria dos casos. Ao passo oposto, um gestor de um fundo de índice atua de forma passiva, não tentando superar algum índice, mas sim seguindo a carteira a qual aquele índice representa.

    Apesar da gestão ativa de um fundo de ações parecer mais vantajoso, é valido ressaltar que muitas vezes a taxa de administração é bem mais alta do que de um ETF, onde o gestor não necessariamente necessita ter uma equipe de ponta trabalhando dia e noite para encontrar as melhores oportunidades possíveis. Em paralelo a isso, uma gestão ativa renomada pode inferir em um alto nível de investimento mínimo inicial, podendo passar de R$ 1 milhão, em que dificilmente o investidor poderá resgatar a qualquer momento e com a mesma liquidez em que se compra e vende um ETF.

    Dessa maneira, muitas pessoas se deparam com o seguinte trade-off: investir em ETFs com baixo custo e ter resultados medíocres ou em um fundo de ações com performance acima da média? Não há uma resposta exata para isso, mas estudos sugerem que em uma unidade temporal de longo prazo, o mercado ganha na maioria das vezes, e os que saem mais prejudicados são os investidores menores.

    Outra vantagem comum aos ETFs é o fato de os Dividendos serem reinvestidos automaticamente. Para quem não sabe, os dividendos nada mais são do que determinada fatia de lucro que uma empresa de capital aberto obteve, que é repassada aos seus acionistas. Desse modo, pelo fato dos ETFs reinvestirem seus dividendos de forma totalmente automática, o investidor não tem que pagar uma nova corretagem para reinvestir ou deixar aquele dinheiro parado em conta. Além disso, o auto investimento do dividendo inibe a falsa sensação que muitos investidores têm de que o preço de uma ação cai após pagamento de dividendos.

    Contudo, embora se pinte um quadro otimista dos ETFs ultimamente, nem tudo são flores. Investir em um ETF também requer um certo nível de conhecimento e esforço. Muitas pessoas investem sem nem entender como o índice de determinado ETF é montado. Compreender como são incluídas ou removidas determinadas empresas do índice não é uma tarefa muito simples, e que não deve ser deixada de lado. Em conjunto com isso, a questão da tributação também pode ser vista como uma desvantagem, dependendo do caso. No Brasil, a incidência do Imposto de Renda nas ETFs chega a 15% sobre os ganhos e quando as compras e vendas das cotas ocorrem no mesmo dia, a incidência do IR chega a 20% sobre as valorizações. A diferença reside nas vendas até R$ 20 mil no período de um mês, da qual a negociação individual de ações está liberada do pagamento e o ETF, não.

    Em suma, os ETFs trazem características muito interessantes na renda variável. Se o investidor deseja alocar seus ativos, baseando-se em uma estratégia de mais longo prazo, com ampla diversificação e baixo custo, o ETF pode ser uma boa alternativa aos fundos de ações. De forma oposta, se determinado investidor quer ousar bater o mercado, apresentar resultados esplendidos em um curto/médio prazo ou viver de dividendos, os ETFs podem não ser a melhor opção. De forma geral, não existe “o melhor” investimento quando se trata de alocar recursos, já que o mesmo varia muito em função de diferentes cenários e perfis de investidor. No final, o bom investimento é aquele em que o investidor se sente mais seguro e consegue ter uma boa noite de sono.

    Convidados

    6 pontos para entender como funciona a cotação do dólar

    26 de outubro de 2018

    Pontos para entender como funciona a cotação do dólar
    Entender as causas da oscilação da moeda é mais fácil do que você imagina

    Quem acompanha, ainda que pouco, as notícias do Brasil e do mundo, sabe que o dólar ora está com o preço lá em cima, ora com o preço lá embaixo.

    Mas, o que provoca essas oscilações da moeda? É sobre isso que trata este artigo. Se você quer entender um pouco mais sobre o assunto, continue lendo.

    1. Como funciona o mercado de câmbio

    Antes de mais nada é preciso entender o que a taxa de câmbio significa. Existe uma definição que diz “Câmbio é a referência em valor da moeda nacional com relação à moeda estrangeira”.

    Ou seja, quando a moeda estrangeira utilizada como referência, no caso o dólar, sobe, significa que a moeda nacional, o real, perdeu valor em relação ao dólar. E na situação inversa é a mesma coisa, quando a taxa do dólar cai, significa que o real ganhou valor em relação ao dólar.

    A taxa de câmbio é alterada diariamente de acordo com várias questões, incluindo a situação econômica de cada país. Exemplo disso é o período eleitoral. Aqui no Brasil é de praxe que durante as eleições o real ganhe e perca valor do dia para noite como resposta às pesquisas eleitorais.

    2. Dólar comercial

    Quando falamos em dólar é preciso primeiro explicar qual das duas cotações está sendo mencionada. São elas: dólar comercial e dólar turismo, classificadas de acordo com a natureza da operação em que estão envolvidas.

    O dólar comercial representa a cotação utilizada exclusivamente em operações na Bolsa de Valores e transações feitas no exterior entre empresas e pelo governo. Aqui a taxa tende a ser mais barata devido ao alto da valor das operações nas quais está envolvido.

    3. Dólar turismo

    É a cotação que rege as transações feitas em viagens no exterior, e também no pagamento da fatura do cartão de crédito utilizado para as comprinhas fora do país.

    Geralmente você pode escolher entre pagar com a cotação do dia da compra ou de acordo com a taxa de câmbio vigente na data de fechamento da fatura, basta verificar a possibilidade na operadora do seu cartão.

    Não pense que ao ver na TV que a cotação do dólar caiu e que por isso você vai economizar enquanto estiver tirando férias em Orlando. A cotação anunciada nos veículos de comunicação diz respeito ao dólar comercial, na maioria das vezes.

    Fique de olho antes de tirar conclusões precipitadas!

    4. O que provoca a queda do dólar?

    Em linhas gerais, quanto maior a disponibilidade do dólar no Brasil, ou seja, quanto maior a sua oferta por aqui, menor será a sua cotação. Para ilustrar isso, pense em uma loja de roupas.

    No inverno, a busca por biquínis e roupas de verão cai, certo? O estoque da loja fica com muita peça em estoque devido a baixa demanda. Ou seja, há muita disponibilidade e pouca procura, o que leva a queda no preço desses produtos.

    Com o dólar funciona basicamente da mesma forma. Quanto mais o Brasil exporta seus produtos para países estrangeiros, maior a entrada de dólares em território nacional, o que provoca a queda na demanda e na cotação da moeda em relação ao real.

    5. O que provoca o aumento do dólar?

    Em contrapartida, quando a circulação do dólar diminui no país, maior a demanda pela moeda. Quanto maior a demanda, maior será a sua taxa cambial em relação à moeda brasileira que, nesse caso, perde o seu valor.

    Ainda usando o exemplo da loja de roupas, a busca por casacos e blusas de frio aumenta no inverno, certo? Portanto, o estoque da loja tende a sofrer redução, diminuindo a disponibilidade. Ou seja, a oferta de casacos e blusas de frio na loja também cai, o que leva ao aumento de preço.

    Quanto maior o número de importações feitas pelo Brasil, maior também a demanda de dólares para pagar essas transações. Isso é chamado de déficit comercial e é uma das causas de aumento do dólar em relação ao real.

    6. Risco país

    Como o próprio termo sugere, o Risco País é um índice que classifica a estabilidade econômica das nações. Quanto mais instável um país está, maior o risco que esse Estado oferece a aqueles que investem dinheiro por lá. Isso, é claro, afasta investidores.

    O contrário funciona da mesma forma, quanto maior a estabilidade e solidez oferecida por determinado país, mais ele atrai investidores.

    Essas duas situações também são causa de aumento e diminuição do dólar. Pois, como dito, a oscilação da moeda acontece de acordo com a relação oferta e demanda. Portanto, quanto mais investidores apostando no país, maior a disponibilidade da moeda em território nacional.

    Do contrário, quanto maior o risco oferecido pelo país, menos dólar circulando no país e, com isso, mais alta a taxa de câmbio da moeda em relação ao real.

    A dica para você que tem interesse no assunto é: não deixe de comprar dólar durante a baixa, ainda que de forma fracionada. Gente que fica sempre a espera da cotação perfeita acaba perdendo boas oportunidades de fazer o dinheiro render.

    Convidados

    Maneiras de ganhar dinheiro extra na internet

    26 de outubro de 2018

    Saiba quais as oportunidades de ganhar dinheiro que a internet oferece nas suas horas vagas
    Aplicativos para ganhar um dinheiro extra

    A internet não é mais apenas uma ferramenta para conectar as pessoas, levar informação ou entretenimento, pois hoje em dia existe nela um grande leque de maneiras de se ganhar um dinheiro extra.
    Com a demanda por diferentes serviços e produtos crescendo cada vez mais forte e firme, as oportunidades de fazer uma renda extra através dela também aumentam. Abaixo seguem algumas das possibilidades mais comuns de se ganhar dinheiro na internet:

    Monte sua empresa online

    Muitas empresas reconhecidas começaram como startups, com baixos investimentos e que tiveram rápido crescimento. E muitas delas na internet. As empresas que se iniciam online começam como startups e, se sua ideia for inovadora, a chance de faturar milhões é grande.

    Para fazer seu negócio dar certo, você pode usar softwares que gerenciam as vendas, ou até mesmo ter uma equipe para isso, caso seja uma empresa de comércio virtual. Invista sempre em publicidade, principalmente nas redes sociais, e tenha certeza de que seu negócio possui um diferencial que vai atrair potenciais clientes. A tendência é de que a procura por serviços e produtos se concentre na internet cada vez mais, aumentando as chances de seu negócio dar certo.

    Google Adsense

    Um dos sistemas da gigante, o Google Adsense disponibiliza alguns links patrocinados no layout de seu site, geralmente nas laterais e no topo. O dinheiro é calculado a partir do número de cliques que os visitantes de seu blog dão nos anúncios do Google.

    Para utilizar o Adsense, é preciso fazer o cadastro no site e então adicionar os blocos de anúncio em seu site. O valor recebido por cada clique pode variar de centavos até alguns reais. Mas fique esperto: a única maneira de passar a ganhar dinheiro com o Adsense é tendo alguns visitantes fixos em seu site. Caso contrário, os anúncios apenas ocupam espaço em seu layout.

    Crie um vlog no Youtube

    É uma maneira um pouco mais versátil do que um blog: da mesma maneira, você pode falar sobre o assunto que quiser, as diferenças são que o faz forma de vídeo e os assuntos podem ser mais variados.

    Ainda assim, é importante manter um estilo em seus vídeos ou algum fator que faça com que os visitantes continuem voltando para seu canal – e é nessa hora que entra a sua criatividade.

    O YouTube também disponibiliza anúncios para os seus usuários que possuam mais de uma média de 30 mil visualizações em seus vídeos, que funcionará de maneira similar ao Google Adsense (a diferença é que neste caso os anúncios são do próprio YouTube).

    Se você já tem um blog, é interessante manter um canal de vídeos no YouTube como extensão do mesmo. Além dos anúncios do Adsense, você pode lucrar com os dos vídeos. Também é uma maneira de mostrar maior comprometimento e seriedade com o blog.

    Alguns canais do site acabam ficando tão conhecidos que os donos passam a fazer publicidade de certas marcas em seus vídeos e passam a ganhar ainda mais credibilidade – além de dinheiro, claro.

    Criando um blog

    O conteúdo de um blog é seu componente mais importante – e o mais divertido. Você pode escrever sobre o assunto que quiser, seja sobre um hobby seu, sobre entretenimento ou até sobre sua vida pessoal, contanto que ele cative o público.

    É o número de visitantes que vai atrair anunciantes, os principais responsáveis por tornar seu blog uma fonte de renda. Um cuidado importante é para não perder o foco do seu blog e mantê-lo no propósito inicial. Ou seja: trate apenas de um nicho específico. Não deixe de pensar em um layout atrativo e que também corresponda ao assunto do blog, além de atualiza-lo constantemente e ter textos bem escritos.

    Conforme seu blog for crescendo e conseguir estabelecer uma média de visitantes, ele está pronto para outra ferramenta da internet que é rentável, os anúncios.

    Seja freelancer de criação de conteúdo de web

    Conteúdo de redes sociais é uma ferramenta importante de relacionamento com o cliente e divulgação para as marcas e empresas, que na maioria das vezes preferem contratar um freelancer para fazer este trabalho.

    Levando jeito para escrita e sabendo o que os clientes ou consumidores querem ver na página da marca são algumas das aptidões necessárias para as funções, que podem ser feitas até mesmo de casa.

    Montar uma loja virtual

    A internet é uma das maneiras favoritas de se fazer compras atualmente. Muitas empresas, inclusive, lucram mais com sua loja online do que com as físicas.

    Montar uma loja online é mais fácil do que parece; ela demanda apenas um estoque de produtos, um site e saber administrá-la. Caso contrário, a loja pode acabar te trazendo mais prejuízos do que lucro.

    Escolha o modo de pagamento mais conveniente para você (e para os consumidores), uma forma de entrega e invista em uma divulgação pesada de sua loja, seja nas redes sociais, criando parcerias com blogs e sites, fazendo promoções, etc. É uma das maneiras mais bem sucedidas de se ganhar dinheiro na internet.

    Venda em sites de compra e venda

    eBay, OLX e MercadoLivre são sites que possuem grande procura de produtos; eles permitem que você venda todos os tipos de produtos, desde imóveis até roupas, e a melhor parte é que não cobram grande parte do seu lucro pelos seus anúncios.

    A tática para vender nesses sites é apostar em algum produto que seja difícil de encontrar em qualquer loja e que você possa vender por um preço maior do que é vendido, para, assim, sair no lucro. Ou então, vender algum produto que está à venda em diversas lojas e lugares e vendê-lo por um preço menor e em grandes quantidades.

    Compre itens com desconto e venda mais caro

    Geralmente, o preço de produtos a venda na internet é menor – e é isso que motiva muitas pessoas a procurar e compra-los. Há várias formas de comprar e vender produtos com desconto: sites de leilão, importação de produtos do exterior, etc…

    Se você comprou algum produto com desconto, uma boa ideia é revendê-lo por um preço um pouco maior, mas ainda menor do que o geralmente encontrado. Seja vendendo em sua própria loja online ou anunciando nos sites do item anterior, investir nessa ideia em grande quantidade e em longo prazo pode trazer um lucro maior do que você imagina.

    Vendendo fotos

    Se você leva jeito para fotografia e gosta de fazê-lo, pode vender suas fotos para sites como Fotolia, Dreamstime e iStockPhoto.

    Eles possuem programas de parceria que pagam pelas fotos de sua autoria uma porcentagem do valor total da fotografia. O iStockPhoto paga comissões entre 15% e 45%, enquanto o Fotolia paga entre 20% e 65%, dependendo de alguns critérios e requisitos.

    Ter uma boa câmera para fotografar pode ser um investimento mais caro, mas que pode ter um retorno maior com a venda das fotos.

    Aposte no sistema de afiliados

    O programa de afiliados funciona quando o afiliado indica um visitante para o site de um comerciante e, se o visitante realiza a compra, o afiliado recebe uma comissão em sua conta como pagamento pela indicação (que deu certo). Através de um software instalado no carrinho de compras é feito o rastreamento que calcula a comissão a ser recebida e gera relatórios da compra.

    As de participar do programa é que você ter mais de um parceiro comercial, além de precisar apenas de um site – novamente, com boas visitas – para divulgar o link que redireciona para o site do comerciante. Gigantes do e-commerce como Amazon, Booking, Americanas.com e centenas de outras empresas (de dezenas de segmentos) já trabalham assim.

    Você pode escolher parceiros comerciais que tenham a ver com o assunto de seu blog e aumentar ainda mais as chances das compras serem feitas.

    Até o próximo post

    Convidados

    Como diminuir os custos do condomínio

    22 de outubro de 2018

    Em tempos de crise é difícil encontrar quem não esteja interessado em economizar dinheiro. Mensalmente, você provavelmente paga contas de água, luz, telefone, aluguel e condomínio. Esse último é um investimento para manter e melhorar as dependências do empreendimento a fim de não desvalorizá-lo. Contudo, é possível diminuir o quanto você paga de taxa condominial com ações simples e que não vão fazer com que o imóvel perca o seu valor.

    Antes de lhe explicar como diminuir os gastos do condomínio, é preciso compreender para onde vai o dinheiro arrecadado mensalmente. De modo geral, ele é dividido da seguinte maneira:

    • 45% com despesas de folha de pagamento, como salários e encargos;
    • 30% com consumo de água, luz, gás e telefone;
    • 15% em contratos de manutenção, elevadores, bombas e seguros;
    • 10% em despesas administrativas, bancárias, fundos de reserva e pequenos reparos.

    O primeiro passo para reduzir os custos, é conhecer e compreender quais são os itens em que mais se gasta dinheiro. Caso o condomínio esteja com um gasto muito alto em determinado item, verifique se não há alguma irregularidade, como vazamento ou cobrança indevida. Mesmo com as cobranças feitas de modo correto, é possível fazer reduções no orçamento, ajustando recursos humanos, consumo de energia elétrica, reduzindo o gasto de água, realizando manutenções preventivas.

    Redução de água e energia elétrica

    Antes de qualquer coisa, o síndico deve educar os moradores a consumirem água e luz de maneira consciente. Ele pode disseminar dicas com boas práticas de utilização de água e energia elétrica. Com isso, há economia de dinheiro e ainda ajuda o planeta.

    Além disso, no caso de energia elétrica, opte por lâmpadas de led. Elas reduzem em até 80% o consumo. E instale sensores de presença nos corredores e elevadores. Dessa forma as lâmpadas só acendem quando for necessário.

    Em relação ao consumo de água, escolha os hidrômetros individuais. Muitos moradores só passam a economizar de fato quando isso reflete diretamente no seu bolso.

    Cobrança de inadimplentes

    Inadimplência é um dos principais problemas da gestão de condomínios. O síndico deve evitá-la ao máximo, mas quando ela se tornar inevitável, agilize as cobranças. Lembre-se de que os prazos para a quitação das dívidas foram reduzidos com o novo CPC. E esteja sempre alerta para que o condomínio não sofra com a chamada inadimplência crônica e acabe prejudicando muito os demais moradores.

    Recursos humanos

    Como mostramos anteriormente, os funcionários são a maior fonte de custos do condomínio. Por isso, esteja sempre atento aos gastos relativo aos recursos humanos para que não haja gastos desnecessários. Fique alerta também às horas extras que você está pagando. Em muitos casos é possível, e até mesmo necessário, uma nova contratação.

    Manutenções preventivas

    Faz parte das tarefas do síndico a realização de manutenções preventivas. Ou seja, revisar estruturas e sistemas do condomínio a fim de evitar panes e obras emergenciais. Sim, manutenções programadas custam dinheiro. Ao primeiro olhar parecem um gasto desnecessário. Porém, esse custo será muito maior caso o sistema estrague e seja necessário uma manutenção emergencial.

    Uma dica é fazer um checklist com todos os itens que necessitam de manutenção preventiva.

    Gestão participativa

    Organizar as contas, planejar os gastos e avaliar os seus processos administrativos podem ajudar e muito! Assim, você tem conhecimento sobre tudo o que está acontecendo e consegue fazer ajustes o mais rápido possível sempre que necessário. Outra dica é convidar os moradores a participarem mais ativamente das decisões do condomínio. Além de eles perceberem a importância do assunto, é possível que surja alguma ideia que você não havia pensado em relação a gestão financeira do condomínio, como algo para diminuir os custos ou então para gerar receita.

    Para que o síndico consiga estar atento a estes pontos apresentados e, principalmente, consiga ouvir e atender às demandas dos moradores, ele pode apostar em um sistema para gestão de condomínios, como o TownSq. Utilizando o TownSq, ele divulga avisos e informativos sobre os gastos do condomínio de modo mais simples e rápido. Os moradores podem acessar os documentos do condomínio e abrir chamados para a administração de onde e quando quiserem, utilizando um smartphone. Uma vez que ele facilita os processos de gestão do condomínio, o TownSq acaba por reduzir os custos investidos na resolução de problemas e atividades do dia a dia do síndico.

    porquinho-moedas-condominio

    Convidados

    Passo a passo para realizar uma análise de contas telefônicas

    15 de outubro de 2018

    mesa-escritorio-notebook-maos

    Aprenda todos os procedimentos necessários para analisar a fundo as informações de uma conta de telefonia

    As faturas de telefonia são despesas fixas presentes em praticamente todas as empresas, já que são fundamentais para sua subsistência, devido à importância do contato com clientes, potenciais clientes, parceiros, fornecedores e colaboradores.

    Por estarem presentes todos os meses, independentemente da quantidade de vendas ou serviços oferecidos, ela nem sempre é estudada a fundo para concluir se foi cobrada adequadamente ou não, o que pode causar sérios problemas financeiros.

    De acordo com uma pesquisa da Oxford Economics, em uma empresa com 500 funcionários, na média, os custos com telefonia móvel são de US$ 1.817 por um contrato de 2 anos, o que representa uma despesa de US$ 908,50 por ano e de US$ 75,71 por mês por funcionário, sem contar as linhas fixas.

    Isso mostra que as contas de telefonia possuem uma importância bem grande no orçamento e que, consequentemente, deve-se saber como analisar as faturas em busca de erros. Por isso, é essencial entender como proceder quando estiver diante dessa situação!

    Como analisar uma conta de telefonia?

    O processo possui alguns detalhes e minúcias, mas ao se atentar a todos eles, sua empresa será capaz de identificar se a cobrança das operadoras de telefonia foi feita da maneira correta e, com isso, até conseguir economizar uma boa quantia.

    1 – Analise as condições dos planos contratados

    O primeiro passo é saber o que o plano contratado para cada linha de telefonia oferece. Com isso, será possível saber se há cobranças adicionais ou se elas estão dentro do esperado.

    É importante se lembrar que cada linha telefônica pode ter um plano diferente. Por isso, é de suma importância analisar cada plano individualmente para não ter informações incorretas.

    2 – Analise as cobranças da fatura

    Depois de saber o que cada plano oferece, você deve analisar as faturas em busca de cobranças adicionais, que podem ser feitas quando os usuários ultrapassam o limite de ligações ou o consumo de internet móvel.

    Para isso, deve-se saber o que querem dizer as informações da fatura. Geralmente, aparece o nome do plano com o seu valor em seguida, que deve ser o mesmo acordado no momento da contratação (com exceção dos reajustes anuais do IGP-M [Índice Geral de Preços do Mercado]).

    Tudo o que exceder esse valor deve ser discriminado na fatura, como a contratação de planos de internet adicionais e minutos que tenham excedido o total do plano, com seus respectivos valores logo em seguida.

    3 – Confira a cobrança de linhas canceladas

    A escalabilidade telefônica nas empresas é uma constante, já que é preciso acrescentar e remover linhas de acordo com a necessidade, como em períodos sazonais ou quando o mercado está desacelerado.

    Porém, por erros de sistema, pode ser que algumas dessas linhas canceladas continuem sendo consideradas pela operadora de telefonia, o que acarreterá em uma cobrança indevida.

    Para evitar que sua empresa seja prejudicada por isso, a análise das faturas deve ser feita com muito cuidado, em cada uma das linhas contratadas. Compare o número de linhas utilizado atualmente com o que aparece na fatura e veja se os valores batem ou não.

    4 – Reúna todos os dados possíveis

    Ao encontrar irregularidades, a primeira ideia que vem à mente é entrar em contato com a operadora de telefonia e reclamar sobre a cobrança indevida. Porém, é de praxe que elas se defendam deste argumento, principalmente se não houver provas.

    Logo, antes de ligar para a operadora de telefonia, você deve reunir todos os dados possíveis para conseguir fundamentar sua reclamação. Tenha o contrato em mãos, o número de protocolo dos atendimentos para o acréscimo e a redução de linhas e outras evidências que possam ajudar.

    Dessa forma, não se tratará de uma reclamação apenas verbal, mas sim documentada, o que aumenta muito as chances de sucesso.

    5 – Entre em contato com a operadora de telefonia

    Agora que você tem informações em mãos, contate a operadora, explique o que aconteceu e tente negociar a melhor maneira possível de ser restituído pelo valor cobrado indevidamente, já que esse é um direito da sua empresa.

    Na maior parte das vezes, isso não acontecerá com o primeiro atendente com que você conversar, já que eles tendem a ter informações limitadas pelo sistema. Para conseguir solucionar seu problema, é provável que tenha que falar com funcionários que estejam em uma posição hierárquica mais alta.

    Isso pode levar um pouco de tempo, mas é fundamental para conseguir solucionar os problemas de cobrança. Quando conseguir conversar com alguém que possa resolver a solicitação, exponha todos os dados que tiver e aguarde pela resposta da empresa.

    Além disso, aproveite a situação para negociar planos que se encaixem melhor nas necessidades dos colaboradores da sua empresa. Assim, é possível cortar custos sem interferir nos serviços disponíveis.

    Existe uma maneira mais simples de analisar as contas telefônicas?

    Sim. Esse passo a passo explica o procedimento feito manualmente, onde as faturas precisam ser analisadas uma por uma, assim como o levantamento das informações e o contato com a operadora, mas é possível facilitar o trabalho.

    Para isso, é fundamental contar com uma empresa de telecom especializada, que seja capaz de oferecer um tarifador telefônico que se adeque às necessidades do seu negócio.

    Com um tarifador telefônico, todas as linhas serão analisadas automaticamente. Cada ligação terá todos os seus detalhes monitorados, como quem efetuou a ligação, de qual setor é aquele colaborador, qual número a recebeu e quanto tempo ela durou, entre outros.

    Assim, será muito mais simples confrontar o que aparece na conta de telefonia, já que o tarifador trará as informações necessárias para agilizar o serviço. Inclusive, o sistema de tarifação também pode analisar automaticamente as faturas e contratos e apontar eventuais divergências.

    As empresas de telecom também podem ajudar com a contestação de eventuais valores cobrados indevidamente. As chances de solução do problema tendem a ser muito maiores, já que o contato será feito por profissionais capacitados e que já lidaram várias vezes com esse tipo de situação.

    Para que a análise das contas telefônicas seja mais rápida, prática e segura e que as cobranças sejam feitas de acordo com o que realmente foi gasto, conte com um sistema de tarifação telefônica eficiente e contrate um bom serviço de auditoria de contas. Dessa forma, a gestão de telecom da sua empresa será impecável!

    Convidados

    Investimento: confira porque o ramo da beleza será um grande setor de investimento em 2019

    11 de outubro de 2018

    Um dos ramos de investimento que promete trazer muito retorno para quem estiver disposto a investir é o ramo da beleza, isso porque, segundo pesquisas o Brasil é o terceiro país do mundo com o melhor mercado em relação a beleza e esses números tendem a aumentar ainda mais no ano de 2019.

    Mesmo com um momento de instabilidade econômica foi comprovado que as pessoas não deixam de manter seus cuidados com a aparência e, ao contrário do que muitos imaginam, estão cada vez mais procurando por especialista que possam elevar sua autoestima.

    Centros de ajuda ao emagrecimento, profissionais em ​transplante capilar​, centros estéticos e biomédicos são exemplos de áreas que houve uma procura significativa durante todo o primeiro semestre de 2018, a procura ainda tende a aumentar e se você está pensando em investir em uma dessas áreas ou em qualquer outra do setor de beleza é importante que leve em consideração alguns detalhes, como:

    1- Descubra se é um setor que te atrai

    É um setor que poderá lhe render um bom dinheiro? Sim, mas para que você tenha sucesso nesse setor é necessário que você tenha afinidade com o mesmo. Assim como em tantos outros ramos para se ter sucesso no setor de beleza é preciso que você se identifique e goste de fazer o que faz, por isso, antes de qualquer coisa pense se isso é realmente algo que lhe atrai.

    2- Fique atento as novidades

    O setor de beleza é um ramo que se aperfeiçoa a cada dia, por isso, é importante que você esteja sempre atualizado para que seu investimento esteja seguro. Empresas de beleza tem como vantagem um percentual baixo de mortalidade, sendo assim, vale a pena buscar cada vez mais conhecimentos dentro do ramo.

    3- Trate bem seus clientes

    Um bom atendimento é um dos primeiros passos para conquistar clientes e fidelizá-los, passe sempre confiança em você e em seus produtos para que todos vejam sua marca como referência. Caso precise, invista em um curso de oratória que irá te ajudar a conversar melhor com cada pessoa.

    Existem centenas de possibilidades para se investir no ramo da beleza, qualquer uma delas, desde que você esteja bem preparado, gerará bons lucros e um bom retorno em relação ao investimento inicial. Se para esse primeiro momento você não estiver pronto para montar uma empresa própria você poderá optar por uma rede de franquias. As redes de franquias são lojas pequenas que levam o nome de uma grandes lojas, formando assim toda uma rede e gerando mais oportunidades sem que seja preciso um investimento tão grande.

    Agora que você já sabe o quão lucrativo o ramo da beleza pode ser é hora de pensar e planejar detalhes sobre  seu investimento. Lembre-se, não existe investimento certo ou errado desde que você faça algo que você goste.

    investimento-beleza

    Convidados

    Poupar dinheiro: entenda a importância que poupar dinheiro tem sobre sua vida

    10 de outubro de 2018

    poupar-dinheiro-porquinho-moedas

    Desde muito pequenos aprendemos o quão importante é poupar dinheiro, seja ele destinado para a compra de um presente no final do ano ou para uma futura graduação. Esse aprendizado é algo de suma importância e que será essencial para o futuro daquele que está poupando, afinal, quanto mais cedo se começa a poupar mais bem preparado para o futuro se estará.

    Quando se deixa a prática de poupar de lado é difícil fazer planos ou se livrar de acontecimentos emergenciais como, por exemplo, a mudança de um emprego ou a necessidade de viajar para um cidade distante. É nesse momento que uma bola de neve se forma, onde dívidas, empréstimos e um nome sujo acaba sendo o resultado final.

    Considerando o cenário econômico em que estamos vivendo e o fato de que ninguém quer como resultado os acontecimentos citados anteriormente, poupar dinheiro se torna algo importante e que não se pode deixar para depois. É de se esperar que você fique um pouco perdido no começo e se pergunte por onde começar, por isso, é importante que você tenha em mente, principalmente, o por que guardar dinheiro.

    VANTAGENS DE GUARDAR DINHEIRO

    O hábito de guardar dinheiro se trata de muito mais do que apenas economizar, significa, principalmente, ter uma segurança e evitar o gasto irresponsáveis em outras coisas. Quando você perde o hábito de poupar acaba gastando mais do que ganha e, com isso, sua liberdade financeira acaba se perdendo, já quando esse hábito se torna frequente aquisições se tornam seguras e sonhos se tornam reais como, por exemplo, aquela cirurgia de abdômen que você tanto pesquisa ou aquela viagem para o exterior que você sempre programa mas nunca consegue realizar.

    PASSOS QUE TE AJUDARÁ A ECONOMIZAR DINHEIRO

    Ter um bom planejamento financeiro é a chave para economizar dinheiro, pois, é ele que te ajudará a cumprir seus compromissos financeiros e alcançar suas metas econômicas. Quando você se compromete a economizar uma porcentagem de sua renda além da força de vontade você precisará ter foco para que seu plano seja honrado e para que sua poupança renda o tanto esperado.

    Firmar um compromisso com você mesmo é outro passo importante para uma boa economia e, quando essa economia é percebida em realizações, o desejo de alcançar objetivos maiores é despertado e, é nessa hora que você poderá aumentar a sua porcentagem de economia por mês, dobrando sua poupança e tendo um resultado final ainda maior.

    Planilhas e anotações poderão ser úteis na hora de determinar o que foi gasto e determinar o que será guardado, mesmo os pequenos gastos devem ser considerados e anotados para que no final sua meta e seu planejamento seja cumprido.

    A saúde financeira, querendo ou não, é o principal fator para que cada pessoa tenha uma vida satisfatória e repleta de realizações. Economizar, poupar e se planejar significa em outras palavras liberdade para ser quem você quiser e viver como desejar.

    Convidados

    O que é e como investir em Fundos Imobiliários

    24 de setembro de 2018

    Como investir em FII

    Muita gente pensa que investir no mercado imobiliário se limita a comprar imóveis, o que não é verdade. Existem diversas formas de investir nesse setor e uma delas é através dos Fundos Imobiliários. Eles possibilitam o acesso de muitas pessoas ao ramo e ajudam a movimentar esse importante setor da economia do país.

    Para entender melhor o que são fundos imobiliários, veja abaixo uma definição simples de como funciona esse investimento. Além disso, você vai conferir alguns passos para começar a investir em FIIs e entender que esse tipo de investimento é muito mais acessível do que se imagina.

    O que são Fundos Imobiliários?

    Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) são condomínios de investidores administrados por instituições financeiras e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Assim como outros fundos, alguns investidores se juntam para aplicar seus recursos em uma finalidade específica.

    No caso dos FIIs, os recursos são utilizados em empreendimentos imobiliários como hospitais, shoppings, prédios comerciais e até mesmo títulos de investimento imobiliário como a LCI (Letra de Crédito Imobiliário).

    Nos investimentos em FIIs você compra cotas do fundo, que podem envolver um imóvel físico e pode lucrar com o recebimento de aluguéis, por exemplo.

    4 passos para começar a investir

    Para investir em Fundos Imobiliários é preciso basicamente ter conta em uma corretora de valores e capital disponível para investir. O valor mínimo das cotas costuma ser acessível. É possível encontrar bons fundos em que o valor mínimo fique entre R$90,00 e R$2.000,00.

    Como você pôde ver, não é preciso ter muito dinheiro para investir no mercado imobiliário. E para começar, basta seguir os seguintes passos:

    1. Abra conta em uma corretora de valores

    Você deve estar se perguntando: é preciso ter conta em corretora para investir em FIIs? Sim! As cotas de Fundos Imobiliários são negociadas na Bolsa de Valores e por isso é necessário ter conta em uma instituição que faça a intermediação das negociações.

    Você poderá comprar e vender suas cotas através da plataforma da corretora. Por isso, é importante escolher uma instituição segura, que ofereça bom atendimento e agilidade nas operações. Investir através de uma boa corretora pode tornar a sua experiência com os investimentos muito melhor.

    2. Escolha o Fundo onde quer investir

    Depois de escolher uma boa corretora, é hora de decidir em qual FII você vai investir. Fazer uma boa escolha é muito importante, por isso esse passo merece atenção.

    Muitas pessoas cometem o erro de escolher o Fundo apenas por sua rentabilidade, isso é importante, mas não é tudo. Também é preciso analisar os dados históricos do fundo e a qualidade da administração. Afinal, além de rentável ele precisa ser seguro.

    No que diz respeito à rentabilidade, uma forma de identificar se o Fundo é interessante ou não, é dividindo o valor dos aluguéis pelo valor das cotas do fundo. Se no fim das contas o rendimento for superior aos oferecidos por investimentos de renda fixa, isso quer dizer que vale a pena comprar cotas desse Fundo.

    3. Envie a ordem de compra para a corretora

    Como você já viu nesse post, a compra e venda de cotas é realizada através da corretora de valores. Por isso, depois de abrir a conta e escolher onde vai investir, o próximo passo é fazer login e enviar a ordem de compra, assim como acontece no Mercado de Ações.

    Você vai precisar preencher os seguintes dados:

    • O código de negociação do fundo escolhido.
    • A quantidade de cotas que você deseja comprar.
    • O preço que você está disposto a pagar por cada cota.

    Se houver alguém disposto a vender as cotas no preço que você se disponibilizou a pagar, o negócio é realizado e você será o mais novo cotista do fundo.

    4. Acompanhe o desempenho do fundo

    Depois de se tornar cotista, você começará a receber periodicamente os lucros gerados pelo fundo. Mas não pense que suas tarefas terminam por aqui. É muito importante que você acompanhe de perto o desempenho do fundo para evitar surpresas, principalmente as desagradáveis.

    Vale a pena investir em FIIs?

    Investir em Fundos Imobiliários vale a pena em um cenário de baixa na taxa de juros. Quanto menor a taxa Selic, taxa básica de juros brasileira, melhor tende a ser a performance desse tipo de fundo. Isso porque seu desempenho geralmente é inversamente proporcional ao crescimento da Selic.

    No cenário inverso, quando há alta na taxa básica de juros, muitos investimentos em renda fixa costumam a ser mais atrativos, por possuírem sua rentabilidade atrelada à Selic, além de oferecerem menos riscos que os Fundos Imobiliários.

    Investir em FIIs também vale a pena quando o investidor pretende proteger seu capital da inflação, já que eles geralmente são atualizados por indicadores de preços como o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) e o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que medem a inflação.

    Viu como investir em Fundos Imobiliários pode ser mais simples e acessível do que você imaginava? Eles podem ser uma boa opção para seus investimentos dentro dos cenários descritos acima.

    Agora que você já conhece um pouco mais sobre os FIIs, poderá avaliar se eles são uma boa opção para compor sua carteira. Lembrando-se, é claro, que os investimentos ideais para você são aqueles que estão de acordo com o seu perfil de investidor.