Escolhendo um seguro de carro de forma consciente

mao-carro-vermelho

Comprou um carro e quer ter mais tranquilidade ao andar com ele ou estacionar em lugares arriscados? Esse com certeza é o desejo de quase todos os motoristas, porém para conseguir isso é preciso contar com um seguro auto, uma vez que depender apenas da segurança pública no Brasil pode não garantir bons resultados.

Mas na hora de escolher o seguro, muita gente acaba ficando na dúvida do que ele precisa ter, como contratar, entre outras questões. E essas dúvidas podem fazer com o que era para trazer tranquilidade se torne dor de cabeça, por isso veja algumas coisas que precisam ser levadas em consideração na hora da escolha para você contratar o melhor seguro auto por um preço justo.

1 – Pesquise sempre

Essa dica, por mais que pareça “batida”, ainda é muito útil. Não adianta contratar a primeira opção que aparecer na sua frente, até porque o arrependimento pode bater depois. Por isso, pesquise em pelo menos três empresas diferentes para que se possa começar a escolher.

Essa pesquisa pode ser feita indo até as seguradoras, por meio de corretores ou por sites especializados. Não importa a forma, mas sim poder ter diversas opções para escolher e poder comparar.

2 – Analise as suas necessidades

Se você vai comprar um seguro, deve saber do que precisa, então veja quais serão as coberturas que precisa. Algumas pessoas acabam optando apenas por um seguro contra roubos e furtos, outras já preferem acrescentar também colisões e outras querem todas as existentes.

Nesse caso não é uma questão de querer, mas sim do que irá precisar. Roubos, furtos e colisões normalmente são os itens que mais preocupam os motoristas e, por isso, muitas seguradoras as colocam como básicas, então pense com cuidado se precisará de mais alguma além delas.

casal-carros-amarelo-azul

3 – Estude as condições de pagamento

O preço é um fator preocupante porque acaba pesando no orçamento e por isso merece mais atenção. As seguradoras costumam apresentar um valor, porém esses muitas vezes podem ser reduzidos um pouco com alguma conversa e negociação. Nunca aceite de cara a primeira proposta apresentada.

Outro ponto é como esse valor será pago porque pagar o valor do prêmio à vista pode garantir um desconto maior do que parcelando. Se tiver condições de pagar de uma única vez e o desconto for bom, invista nessa opção, mas se esse não for o caso, tente reduzir o número de parcelas para garantir um desconto. Normalmente, quanto menor o número de parcelas, o desconto aumenta e, em alguns casos, pode-se conseguir o mesmo valor que se pagaria à vista.

4 – Leia a apólice

Por mais que o corretor tenha passado todas as informações sobre o seguro, é importante ler se a apólice realmente está descrevendo todas elas. Isso porque o “boca a boca” não tem nenhuma validade legal. Somente a apólice poderá garantir seus diretos e assegurar as coberturas para o veículo. Então leia com atenção e, se for o caso, peça para levar para casa e ler com calma. Só assine depois de estar tudo certo.

Com mais atenção você consegue contratar um bom seguro e pagar um preço justo fazendo a melhor contratação.

There are 3 comments left Go To Comment

  1. Vilmar /

    Caos automotivo: vendas já recuaram 36% frente o ano passado – InfoMoney

    Os empresários devem baixar ainda mais as margens de lucros, demitir mais, espremer ainda mais os fornecedores e aumentar a eficiência dos empregados e prestadores que continuarem na cadeia de produção ou vamos só comprar carro chinês, quiçá japonês e coreano!

    Indústria automotiva sendo sucateada, obrigado PT!!!

  2. Douglas /

    Raramente um seguro tem algo que você não irá precisar. O que o seguro tem são coisas que você ACHA que não vai precisar. Esse é o mal do seguro. As pessoas só pensam em roubo e colisão porque nunca sabem o resto da história. Mas na hora que precisa de usar o seguro, ai quer tudo: guincho, carro reserva, táxi, danos a terceiros. Na hora de comprar o seguro, pensar só no preço pode causar prejuízos grandes. As seguradoras já sabem disso e a cobertura de roubo e colisão já é responsável por 85% do valor do seguro. Retirar outras coisas que pensa ser luxo, como guincho, táxi e terceiros, reduz muito pouco o preço do seguro.

    A responsabilidade civil é uma das coisas mais negligenciadas e umas das coberturas mais baratas e mais necessárias. Hoje o INSS e o SUS está processando motoristas que matam e/ou causam danos a outras pessoas. Exemplo:
    http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2013/12/motorista-que-causar-acidente-com-morte-pode-ter-que-pagar-pensao.html

    Agora quem acha que isso pode acontecer consigo mesmo? Ninguém. Todo mundo é excelente motorista, o problema é só o roubo. Economizar 100 reais numa cobertura de 500 mil de danos corporais e achar que está defendendo o dinheiro é um enorme equivoco. Está é pondo em risco o próprio patrimônio.

    Ou ponto, não tem desconto em pagar a vista. As seguradoras padronizam o parcelamento sem juros, e não é Casas Bahia, é sem juros mesmo. A maioria em 4x sem juros, outras em 6x sem juros. Se você consegue um desconto a vista é porque o corretor está com pressa de receber a comissão, mas o desconto é mínimo. Nenhuma seguradora muda o preço ao selecionar a opção a vista. Eu até queria que fosse assim, pois facilita muito o gerenciamento dos pagamentos se a pessoa paga a vista. Mas não é assim.

    Fonte: sou corretor de seguros

    1. Vilmar /

      Boa observação.
      Grato por participar.

Leave a Reply

CAPTCHA *