CPI da Petrobrás? CPI da Pizza?

Caso ocorresse mesmo uma CPI para vasculhar “os esqueletos dentro do armário” que acredita-se existir na Petrobrás e essa fosse feita de forma séria, sem motivação política de olho nas eleições 2014, seria algo benéfico para empresa, principalmente pelo exemplo que as punições dos culpados daria aos que ainda a gerenciam. Na nova gestão da CEO Maria da Graça Fortes há um plano de desinvestimento que além de venda de ativos também facilitou ao TCU fazer uma devassa nas contas. Foi evitado nomeações políticas à exemplo da diretoria internacional que ainda está vaga e causa irritação no PMDB, também está a busca por contratos que possam ser fraudulentos e que tirem um dinheiro importante do caixa da empresa no futuro para exploração do pré-sal, entre outros fins, ou seja, a gestão atual é totalmente contra à falcatruas de qualquer espécie. É muito séria, focada e comprometida.

Como neste país muita coisa não é séria, várias CPIs foram “pro saco” muito antes de começar devido a diversos outros interesses que não a causa da investigação em si, várias CPIs viraram “pizza”, ou seja, tiveram resultado inócuo, não tiveram culpados, o que pode se esperar para esta cogitada “CPI da Petrobrás” além de algo como este, já que falamos do mesmo país, da mesma política e dos mesmos interesses escusos de sempre?

Fica para reflexão.

Leia também:
A Petrobrás é a melhor empresa de Petróleo e Gás na BM&FBOVESPA?

Até o próximo post.

There are 29 comments left Go To Comment

  1. Roberto /

    Este deputado Luiz Sérgio puniu empresários (CORRUPTORES) e safou a cara dos políticos (CORRUPTOS), eis a cara da IMPUNIDADE que impera no Brasil,

    1. Vilmar / Post Author

      *****PIZZA NA CPI*****
      10h22: Petrobras (PETR3, R$ 9,78, +1,14%; PETR4, R$ 8,03, +1,01%)
      Entre os destaques do mercado acionário brasileiro nesta sessão, aparecem as ações da Petrobras, com ganhos superiores a 1%. No noticiário da estatal, os investidores observam o relatório final da CPI (Comissão parlamentar de Inquérito), que eximiu de responsabilidade sobre envolvimento em esquema de corrupção os ex-presidentes da companhia José Sérgio Gabrielli e Graça Foster, a presidente Dilma Rousseff (ex-presidente do conselho de administração) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Também ficaram de fora do relatório final parlamentares investigados – caso do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
      *****PIZZA NA CPI*****
      infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/4355586/petrobras-sobe-kroton-dispara-pregoes-suzano-afunda

  2. Vilmar / Post Author

    Pedidos de ingresso como Assistente do Ministério Público Federal

    Rio de Janeiro, 27 de abril de 2015 – Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras informa que protocolou em 24 de abril, pedidos de ingresso como Assistente do Ministério Público Federal nas 7 ações penais decorrentes da “Operação Lava Jato” nas quais a Companhia é vítima. Essas ações estão em curso na 13ª Vara Federal de Curitiba/PR.

    Com essa medida, a Petrobras, que vem colaborando com as Autoridades Públicas, pretende atuar de forma mais incisiva na busca da reparação do seu prejuízo, visto que a sentença penal condenatória poderá garantir à Petrobras o pagamento de indenização pelos prejuízos oriundos dos delitos.

    A Petrobras está tomando todas as medidas junto às autoridades brasileiras para reparar os danos sofridos em função dos atos ilícitos denunciados no âmbito da “Operação Lava Jato”.

  3. Vilmar / Post Author

    CPI da PETROBRAS acabou em pizza, viva, viva, nenhum político indiciado, mas o PSDB, que montou outro relatório onde apontavam políticos envolvidos nos esquemas de corrupção petroleiros, serão apresentados ao Ministério Público!!!

  4. vilmar /

    ELEIÇÕES 2014
    08/10/2014 20h31 – Atualizado em 08/10/2014 21h07
    Dinheiro desviado da Petrobras foi para campanha em 2010, diz ex-diretor
    Advogado de doleiro acompanhou audiência de Paulo Roberto Costa.
    Alberto Youssef também falou nesta quarta-feira (8) à Justiça em Curitiba.
    g1.globo.com/pr/parana/noticia/2014/10/dinheiro-desviado-da-petrobras-foi-para-campanha-em-2010-diz-ex-diretor.html

  5. Vilmar / Post Author

    Operação Lava-Jato

    Chefe de gabinete da Petrobras em Brasília é afastado
    Barrocas caiu pela suspeita de envolvimento em uma trama para fraudar CPI no Senado

    Atualizada em 28/08/2014 | 17h3128/08/2014 | 17h31
    O chefe do escritório da Petrobras em Brasília, José Eduardo Barrocas, homem de confiança da presidente da companhia, Graça Foster, deixou o cargo. De acordo com o jornal “O Estado de S. Paulo”, Barrocas caiu por causa do seu envolvimento numa suposta trama para fraudar a CPI da Petrobras no Senado.

    Entenda as denúncias de fraude na CPI que investiga a Petrobras
    Confira as últimas notícias de Zero Hora
    Confira as notícias sobre a Operação Lava-Jato

    Ele aparece num vídeo, revelado pela revista Veja, no qual discute com dois colegas da empresa as perguntas que seriam feitas a atuais e ex-diretores da petroleira pelos membros da CPI.

    A ação seria acordada com o PT. Na gravação, Barrocas conta que enviara o “gabarito” com os questionamentos a Graça Foster. Desta forma, os depoentes teriam conhecimento prévio das perguntas que lhes seriam feitas pelos senadores da CPI.

    Barrocas, que é funcionário de carreira, foi transferido para um cargo de assistente de Graça Foster no Rio de Janeiro. Ele comandava o escritório da petroleira em Brasília desde 2012, quando Graça assumiu o comando da empresa. Antes disso, trabalhou com Graça na BR Distribuidora.

    A Polícia Federal já investiga a suposta fraude na CPI. Barrocas irá prestar depoimento em setembro. O cargo em Brasília está vago, mas é ocupado interinamente por Antonio Augusto Almeida Faria, chefe de gabinete de Graça no Rio.

    *Estadão Conteúdo

  6. Vilmar / Post Author

    CPI »
    Petrobras gastou US$ 6,5 mi com advogado, diz engenheiro

    Agência Estado
    Publicação: 30/07/2014 18:00 Atualização:
    A Petrobras pagou pelo menos US$ 6,5 milhões de honorários advocatícios no litígio que travou com a empresa belga Astra Oil por desentendimentos relacionados à compra de Pasadena. A informação foi dada na tarde desta quarta-feira, 30, à CPI mista da Petrobras pelo engenheiro José Orlando Melo Azevedo, ex-presidente da Petrobras América Inc., subsidiária da estatal brasileira nos EUA.

    Primo do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, Azevedo presidiu a subsidiária americana de 2008 a 2012 e acompanhou o processo judicial. Questionado sobre os gastos com advogados, ele não soube dizer o valor preciso. Disse que foram pagos cerca de US$ 3,5 milhões ou US$ 4 milhões ao escritório que defendeu a estatal brasileira. Outros US$ 3 milhões foram pagos aos advogados da Astra porque a Petrobras perdeu a ação.

    http://defendaseudinheiro.com.br/revista-epoca-novas-provas-de-corrupcao-na-petrobras/

  7. Vilmar /

    07/05/2014 às 05h00
    Renan contraria interesses petistas e decide instalar CPI mista

    Sob pressão da oposição e do PMDB da Câmara dos Deputados, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), decidiu instalar a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), formada por deputados e senadores, para investigar a Petrobras. Cancelou a reunião com líderes partidários para discutir o assunto e convocou sessão do Congresso para hoje, às 20h. Informou que vai pedir formalmente aos líderes que indiquem os integrantes da a CPI mista.

    valor.com.br/politica/3539000/renan-contraria-interesses-petistas-e-decide-instalar-cpi-mista#ixzz312ScuWJP

  8. Vilmar /

    Valdo Cruz, Folha de 14/4
    A era do medo

    BRASÍLIA – A valentia demonstrada em público por muitos nos últimos dias não passa de fachada. O sentimento que predomina em Brasília, salvo algumas exceções, é de temor em relação ao que pode vir por aí de uma CPI da Petrobras e, principalmente, da Polícia Federal.

    O medo só fez aumentar na última sexta-feira, depois que a PF iniciou a segunda fase da operação Lava Jato, focada em operações da petroleira. Naquele dia e no fim de semana, as conversas entre atores políticos e empresariais versavam sobre o risco de perda de controle.

    Sinal de que há muita coisa arquitetada de forma nada republicana em negócios com a estatal que, se vier a público, pode complicar a vida de muita gente tida como boa nos gabinetes da capital federal.

    Não é de hoje que o corpo técnico da estatal, aquele não se mete em relações políticas para galgar cargos, reclamava do uso político da Petrobras e dos consequentes negócios feitos por essa turma na empresa.
    Lembro de ter ouvido, de um deles, que as negociatas ganharam proporções insuportáveis. Pedi informações para levantar algumas delas. Resposta: coisa de profissional, não deixam rastros. Mas um dia a casa cai, desabafou ele. Talvez tenha chegado tal momento.

    Daí o medo que toma conta de Brasília, principalmente daqueles que, nos últimos anos, apadrinharam diretores na estatal. Daí que, em nome da sobrevivência, tudo indica que deve ser acionada a tropa de choque governista para sufocar qualquer tipo de investigação. Ainda mais em ano eleitoral.

    A politicalha diz que a presidente Dilma não havia compreendido que, mesmo livre de qualquer conexão com malfeito na estatal, seu governo corre o risco de ser uma das vítimas de uma devassa na Petrobras.
    Como explicar, por exemplo, o apoio em sua campanha de aliados que se lambuzaram na estatal. Daí que, em nome da eleição, o medo deve vencer a valentia. A conferir.
    folha.uol.com.br/colunas/valdocruz/2014/04/1440171-a-era-do-medo.shtml

  9. Vilmar /


    Pra quem quer entender um pouco o que está acontecendo no Brasil , na OGX e na Petro :

    http://ossamisakamori.blogspot.com.br/2014/04/petrobrasbtg-ii-dilma-e-graca-foster.html

    Aos poucos a sujeira vai saindo debaixo do tapete!

  10. Vilmar /

    chega de pizza!!!

    1- Petrobras teria pago R$ 31 bi a empresas suspeitas, diz Veja. A Petrobras teria pago 31,1 bilhões de reais para um conjunto de empresas suspeitas de participar da Operação Lava-Jato, que investiga sinais de corrupção nos contratos da estatal, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

    exame.abril.com.br/mercados/noticias/10-noticias-para-lidar-com-os-mercados-nesta-segunda-feira-163

  11. Vilmar /

  12. vilmar /

    08/04/2014 12h04 – Atualizado em 08/04/2014 17h23
    Oposição protocola no STF mandado por CPI exclusiva sobre Petrobras
    Oposicionistas querem evitar comissão que investigue outros temas.
    CCJ do Senado vai se manifestar nesta terça sobre abrangência da CPI.

    http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/04/oposicao-protocola-no-stf-mandado-por-cpi-exclusiva-sobre-petrobras.html

  13. Vilmar /

    CGU aprofundará investigação sobre caso envolvendo holandesa SBM e Petrobras

    SÃO PAULO, 8 Abr (Reuters) – A Controladoria-Geral da União (CGU) aprofundará as investigações feitas pela Petrobras sobre o suposto pagamento de propina a funcionários da estatal pela empresa holandesa SBM, e os primeiros resultados da apuração devem sair em 60 dias, afirmou nesta terça-feira o ministro-chefe da CGU, Jorge Hage.

    A CGU, órgão responsável por assistir a Presidência da República em assuntos relativos à defesa do patrimônio público e ao incremento da transparência da gestão, também pode abrir uma sindicância para apurar a polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

    A Petrobras abriu uma investigação interna para apurar denúncia de que a empresa de plataformas SBM pagava propina a petroleiras para conseguir firmar contratos, mas não encontrou evidências de pagamento de suborno a seus funcionários.

    “Recebemos a investigação interna da Petrobras, e é um bom ponto de partida, mas não é mais que isso. Eles tiveram limitações legais e de tempo de 45 dias”, disse Hage a jornalistas, após evento no Rio.

    “É preciso aprofundar, ampliar em todos os sentidos, inclusive até no âmbito internacional”, complementou.

    A CGU pretende ir mais a fundo nessa investigação e já está em contato com órgãos da Holanda para avançar na apuração.

    “Temos uma semana de investigação… o prazo legal de uma sindicância dessa é de 30 dias prorrogáveis por mais 30 dias, e uma investigação complexa como essa, que envolve cooperação internacional, depende de informações de fora”, afirmou o ministro-chefe da CGU.

    “Uma novidade nós teremos certamente daqui a 60 dias”, adicionou Hage.

    O ministro afirmou que a CGU já contactou a Securities and Exchange Commission (SEC, o órgão regulador dos EUA), o Ministério de Justiça dos Estados Unidos e o Ministério Público da Holanda para avançar nas investigações sobre a denúncia da SBM.

    A CGU também solicitou à SBM as apurações de sua própria investigação interna sobre o caso. A empresa holandesa afirmou, na semana passada, que a investigação interna não encontrou evidências de pagamento de suborno no Brasil.

    A Controladoria irá ainda investigar empresas intermediárias que tinham relação comercial com a empresa holandesa.

    PASADENA

    Paralelamente, a CGU acompanha a apuração interna da Petrobras sobre a polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O negócio, avaliado em 1,2 bilhão de dólares, é alvo de denúncias de superfaturamento.

    A unidade foi comprada na gestão do ex-presidente José Sergio Gabrielli. Quando a companhia decidiu realizar a compra, a presidente Dilma Rousseff era a presidente do Conselho de Administração da estatal.

    Recentemente, Dilma afirmou que deu seu aval ao negócio com base em um documento “técnica e juridicamente falho”, o que reacendeu a discussão sobre a refinaria, com a oposição pedindo a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o caso.

    A Petrobras adquiriu 50 por cento da refinaria em 2006 por 360 milhões de dólares. Mas em seguida amargou uma batalha judicial com o parceiro no projeto, a Astra, que possuía os 50 por cento restantes, e acabou sendo obrigada a desembolsar em 2012 mais 820 milhões de dólares para ficar com a totalidade da empresa.

    No mês passado, a estatal abriu uma apuração interna e tem 45 dias para finalizá-la.

    Possivelmente, a CGU vai realizar sua própria investigação sobre Pasadena, indicou o ministro-chefe da CGU.

    “Será no mesmo modelo da SBM. Em cima do relatório final da apuração da Petrobras. Se for necessário, vamos aprofundar e ampliar a investigação (sobre Pasadena)”, declarou Hage.

    As sindicâncias da CGU, dependendo das conclusões, podem acarretar processos administrativos disciplinares, que em última instância podem culminar com demissões, perda de função pública e outros.

    (Por Rodrigo Viga Gaier)

  14. Vilmar /

    Não vai ter copa
    Não vai ter cpi
    kkkkkk

    06/04/2014 às 23h31
    Dornelles recusa convite para relatoria de CPI da Petrobras

    Por Rodrigo Polito | Valor

    RIO – O senador Francisco Dornelles (PP-RJ) decidiu não aceitar o convite do presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Vital do Rêgo (PMDB-PB), para ser o relator das questões de ordem formuladas por parlamentares contra as duas propostas de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar irregularidades na Petrobras, sugeridas por governistas e oposicionistas.

    Segundo informações da assessoria de imprensa de Dornelles divulgadas neste domingo, o senador não recusou o convite, mas ponderou com o presidente da comissão que ele está debruçado nas discussões sobre a Medida Provisória 627/2013, que altera o regime de tributação dos lucros obtidos por multinacionais de origem brasileira no exterior. Ainda de acordo com a assessoria , a análise da MP demanda muita atenção do senador, por conter um elevado número de emendas, além de tratar de tributação, assunto de especialidade do parlamentar.

    Com a recusa de Dornelles, a comissão continua sem um nome definido para a relatoria da CPI da Petrobras.

    (Rodrigo Polito | Valor)
    valor.com.br/politica/3507498/dornelles-recusa-convite-para-relatoria-de-cpi-da-petrobras#ixzz2yAKneJrZ

  15. Vilmar /

    Você é a favor da CPI da Petrobras? Envie sua opinião ao Congresso
    InfoMoney disponibiliza a lista de e-mail dos deputados e senadores que vão decidir sobre a instalação ou não de uma CPI

    http://www.infomoney.com.br/petrobras/noticia/3271862/voce-favor-cpi-petrobras-envie-sua-opiniao-congresso

    1. Vilmar /

      Propina na Petrobras
      As empresas de fachada, as contas em paraísos fiscais, a lista de empreiteiras – e os indícios de corrupção que o ex-diretor Paulo Roberto Costa não conseguiu destruir antes de ser preso

      04/04/2014 22h27 – Atualizado em 04/04/2014 22h58

      http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2014/04/bpropinab-na-petrobras.html

  16. Vilmar /

    [/BeginCPI]
    Petrobras diz que comissão não encontrou evidência de propina da SBM
    segunda-feira, 31 de março de 2014 10:14 BRT

    SÃO PAULO, 31 Mar (Reuters) – A comissão interna criada pela Petrobras para averiguar denúncias de supostos pagamentos de suborno a empregados da empresa, envolvendo a empresa SBM Offshore, não encontrou evidências de pagamento de propina, disse a estatal nesta segunda-feira em anúncio pago publicado na imprensa.

    A comissão “concluiu que, baseada nos trabalhos realizados e restrita a sua competência regulamentar, não encontrou fatos ou documentos que evidenciem pagamento de propina a empregados da Petrobras”, disse a companhia na nota.

    A auditoria havia sido criada em fevereiro.

    A empresa de plataformas SBM é investigada por suposto pagamentos de suborno para obter contratos em países em que mantém negócios.

    A Petrobras acrescentou que foram prestados esclarecimentos à Controladoria-Geral da União e ao Ministério Público Federal, que receberão, junto com o Tribunal de Contas da União, o relatório final da comissão interna de apuração.

    (Por Gustavo Bonato)
    br.reuters.com/article/businessNews/idBRSPEA2U01V20140331
    [/EndCPI]
    kkkkkkkkkkk

  17. Vilmar /

    12h51 : Petrobras abre comissão para investigar compra da Pasadena

    SÃO PAULO, 26 Mar (Reuters) – A Petrobras abriu uma comissão de apuração interna para investigar os detalhes da polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, disse a presidente da estatal, Maria das Graças Foster, em entrevista publicada nesta quarta-feira no jornal O Globo.

    A Petrobras confirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, a abertura da comissão.

    “Temos até 45 dias para poder nos manifestar a uma série de processos que já estávamos em avaliação de forma administrativa. Eu já vinha tratando disso, pois sou a diretora da área internacional e fiz várias mudanças na busca de melhorias”, disse a executiva, segundo a publicação.

    Os problemas com o negócio em Pasadena são investigados há vários anos, mas ganharam novo contorno na semana passada depois que a presidente Dilma Rousseff, que presidia o Conselho de Administração da estatal na época da aprovação da compra, afirmou que a operação se baseou em um resumo executivo “técnica e juridicamente falho”, preparado na época pelo então diretor da área internacional da companhia.

    Em 2006, a estatal comprou 50 por cento da refinaria no Texas, Estados Unidos, por 360 milhões de dólares, sendo 170 milhões de dólares referentes à compra de estoque de óleo, mas, em seguida, amargou uma batalha judicial com o parceiro no projeto, a Astra, e acabou desembolsando um total de 1,2 bilhão de dólares para adquirir a refinaria integralmente.

    “Essa comissão não foi aberta motivada se a cláusula devia ou não estar no resumo executivo. Entendo que a demanda do conselho de administração é correta e justa e precisa ter informações… E o que precisa ser investigado é investigado nessa empresa”, disse Graça Foster, na entrevista.

    A executiva disse que descobriu na segunda-feira a existência de um Comitê de proprietários de Pasadena no qual ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa –preso pela Polícia Federal sob acusação de envolvimento num esquema de lavagem de dinheiro– era representante da Petrobras.

    “Esse comitê era acima do board. Depois que entramos em processo arbitral esse comitê deixou de existir”, afirmou Graça Foster.

  18. Vilmar /

    11h07- 247 Brasil
    Após Pasadena, Petrobras Biocombustíveis será investigada no Rio Grande do Sul

    Em meio às polêmicas envolvendo a Petrobras, o TCU deve abrir ainda nesta semana uma auditoria para analisar a associação da Petrobras Biocombustíveis com a BSBios, de Passo Fundo
    Rio Grande do Sul 247 – Em meio às polêmicas envolvendo a Petrobras (PETR3;PETR4) pela compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), o Tribunal de Contas da União (TCU) deve abrir ainda nesta semana uma auditoria para analisar a associação da Petrobras Biocombustíveis com a BSBios, de Passo Fundo (RS). Segundo o deputado Luís Carlos Heinze (PP), houve superfaturamento em dois negócios envolvendo o braço da estatal e a empresa gaúcha.

    As suspeitas estão relacionadas à compra de uma usina de biodiesel no município de Marialva (PR) pela BSbios. A empresa havia comprado o empreendimento por R$ 37 milhões em maio de 2009 e, seis meses depois, a Petrobras Biocombustíveis desembolsou R$ 55 milhões para adquirir metade do negócio no Paraná. Em julho de 2011, a estatal gastou R$ 200 milhões para ficar com a metade das instalações da BSBios, em Passo Fundo. Ou seja, a Petrobras Biocombustíveis teve uma despesa de R$ 255 milhões para adquirir metade dos dois empreendimentos.

    Outro lado
    O presidente da BSBios, Erasmo Battistella, diz que a diferença de valores é consequência da situação da usina paranaense em 2009. Segundo ele, quando a holandesa Agrence adquiriu a unidade, naquele ano, as obras estavam paralisadas há um ano e meio e a construção não tinha chegado à metade, causando prejuízos ao investidor, o que explica, na avaliação dele, o aumento do valor da compra. “O negócio passou por todas as instâncias e auditorias externas da Petrobras. Estamos trabalhando normalmente, e todas as informações que nos forem pedidas vamos prestar”, acrescenta Battistella.

    Conforme o jornal gaúcho Zero Hora, o presidente da Petrobras Biocombustíveis na época, Miguel Rossetto, atual ministro do Desenvolvimento Agrário, participou em dezembro de uma audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara Federal e disse que a compra das usinas foi motivada por critérios técnicos.

    Ainda segundo ele, que não foi localizado pelo jornal, ambos os negócios tinham como objetivo fazer a estatal ocupar espaço na Região Sul em decorrência da grande concentração de agricultores familiares e da grande produção de soja.
    m.infomoney.com.br/petrobras/noticia/3254272/apos-pasadena-petrobras-biocombustiveis-sera-investigada-rio-grande-sul

  19. Vilmar /

    CPI DA PIZZA JÁ, RSRSRSRRS:

    22/03/2014 às 13h09 1
    Aécio nega isolamento na oposição pela abertura de CPI da Petrobras
    Por André Guilherme Vieira | Valor

    CAMPOS DO JORDÃO (SP) – Aécio Neves, pré-candidato do PSDB à presidência da República, senador e presidente nacional do partido, negou neste sábado, 22, que esteja isolado na defesa de abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. “Eu conversei com o presidente Fernando Henrique. Na verdade ele apoia também essa decisão. O que ele disse é que quer investigações, seja pela Ministério Público, seja pela procuradoria, seja pela CPI. Eu conversei com ele, que está absolutamente afinado conosco”, disse o senador, que visita a cidade de Campos do Jordão (SP).

    Fernando Henrique Cardoso já havia declarado que uma CPI sobre a Petrobras levaria a uma partidarização da discussão. “Acho que o momento não é o mais propício. Não sou favorável a partidarizar.”

    No final da manhã de hoje, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) avaliou a CPI como desnecessária. ” Se tiver uma boa investigação nem precisa de CPI”, afirmou Alckmin.

    Aécio, por sua vez, disse ter convencido Alckmin sobre a necessidade da CPI. “Conversei com ele e ponderei que é uma posição majoritária do partido e ele concordou com essa posição.”

    Aécio Neves e Geraldo Alckmin participam, neste sábado, do 58º Congresso Estadual de Municípios que acontece em Campos do Jordão, a 170 km de São Paulo.
    valor

  20. Vilmar /

    Poder – O comissariado destruidor – 19/03/2014

    Quando a doutora Dilma assumiu a Presidência, uma ação da Petrobras valia R$ 29. Hoje ela vale R$ 12,60. Somando-se a perda de valor de mercado da Petrobras à da Eletrobras, chega-se a cerca de US$ 100 bilhões. Isso significa que a gestão da doutora comeu um ervanário equivalente à fortuna do homem mais rico do mundo (Bill Gates, com US$ 76 bilhões), mais a do homem mais rico do Brasil (Jorge Paulo Lemann, com US$ 19,7 bilhões). Noutra conta, a perda do valor de mercado das duas empresas de energia equivale à fortuna dos dez maiores bilionários brasileiros.

    Se o governo da doutora Dilma deve ser avaliado pela sua capacidade executiva, o comissariado petista contrapõe ao conceito de "destruição criadora" do capitalismo a novidade da destruição destruidora. No caso do preço dos combustíveis, de quebra, aleijou o mercado de produção de álcool.

    Há empresas como a Polaroid, por exemplo, que vão à ruína porque vivem de uma tecnologia caduca. Outras cometem erros de concepção, como as aventuras amazônicas da Fordlândia e do Jari. É o jogo jogado. A perda de valor da Petrobras e da Eletrobras está fora dessas categorias. Acusar a doutora Graça Foster pelos maus números da Petrobras seria uma injustiça. A desgraça derivou de uma decisão de política econômica, mas responsabilizar o ministro da Fazenda, Guido Mantega, pelo que acontece nessa área seria caso de atribuição indevida.

    O que agrava o episódio é que tanto a Petrobras como a Eletrobras atolaram por causa de uma decisão politicamente oportunista e economicamente leviana. Tratava-se de vender energia a preços baixos para acomodar o índice do custo de vida, segurando a popularidade do governo. O truque é velho. Mesmo quando deu resultados políticos imediatos, sempre acabou em desastres para a economia.

    Vem aí a campanha eleitoral e o governo irá à luta buscando a reeleição de Dilma Rousseff com duas plataformas: a da qualidade de sua gerência e os avanços sociais que dela derivaram. Numa área em que os governos petistas produziram o êxito do Prouni, o ministro da Educação Fernando Haddad criou o novo Enem em 2009. Prometia a realização de dois exames por ano. Nada, mas continuou prometendo. Em 2012 a doutora Dilma anunciou: "No ano que vem [serão] duas edições". Nada. Apesar de ela ter dito isso, o ministro Aloizio Mercadante e seu sucessor, José Henrique Paim, descartaram a segunda prova, que daria à garotada uma segunda chance de disputar a vaga na universidade. (Nos Estados Unidos, o equivalente ao Enem oferece sete datas a cada ano.) O novo presidente do Inep, organismo encarregado de aplicar o exame, dá a seguinte explicação: "É impossível se fazer dois Enens’ por ano com esse Enem. O crescimento [de inscritos] foi de tal ordem que a logística se impôs".

    É um caso simples de gerência. Quem disse que ia fazer dois exames foi o governo. As dificuldades logísticas não explicam coisa nenhuma, porque elas já estavam aí em 2009 e, desde então, o Brasil não incorporou ao seu território a península da Crimeia.

    O que há no governo é mais do que má gerencia. É uma fé infinita na empulhação, ofendendo a inteligência alheia.

    folha.uol.com.br/fsp/poder/157082-o-comissariado-destruidor.shtml

  21. Vilmar /

    Christian Cayre ‏@chrinvestor 3 h
    Propina e superfaturamento na Petrobras serão investigados. Será que finalmente saberemos pra onde vai o dinheiro do acionista? #PETR4

  22. Vilmar /

    Governo admite necessidade de rever conteúdo local
    Por Enfoque em quinta-feira, 19 de dezembro de 2013 – 08:07

    O secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Marco Antônio Martins, admitiu ontem (18) que o governo federal terá que rever “integralmente” os percentuais de exigência de índices de conteúdo local nos equipamentos para a exploração de petróleo e gás nos campos envolvidos na cessão onerosa (cedidos à Petrobras como forma de capitalizar a estatal) da área do pré-sal da Bacia de Santos.

    A revisão está prevista em contrato para ocorrer no próximo ano, quando da assinatura definitiva do acordo a ser firmado a partir do momento em que a Petrobras declarar a comercialidade de todos os seis campos da cessão onerosa.

    Martins lembrou que o contrato da cessão onerosa foi assinado em 2010, época em que a atividade de exploração e produção de petróleo e gás natural ainda não era tão intensa na região do pré-sal e não se conhecia, em profundidade, as especificidades que seriam exigidas para o desenvolvimento dos trabalhos na região.

    “O contrato de cessão onerosa definiu em 2010 os pontos que estariam envolvidos no acordo, como volume de petróleo, percentual mínimo de conteúdo local. Como na época em que nós fechamos o contrato, o nível de atividade de exploração e produção na área do pré-sal era muito pequeno, nós não sabíamos das especificidades do fluído produzido de petróleo e gás e se essas especificidades demandariam produtos especiais ou não”, declarou.

    O secretário de Petróleo e Gás disse que o governo e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) tinham, quando da assinatura do contrato, plena convicção de que com o início dos trabalhos esse percentual poderia ser mudado substancialmente.

    A partir de sucessivos encontros com vários setores do mercado, o governo chegou à necessidade de mudanças. “É por isso que o contrato de sessão onerosa deverá ser integralmente revisto. E isto acontecerá porque o contrato foi assinado e o patamar de conteúdo local foi estabelecido em um momento em que não conhecíamos as necessidades e as especifidades do pré-sal”, disse.

    Ele esclareceu que a necessidade desta revisão não tem relação com o nível de demanda. “Até tem um pouco de demanda, sim, mas tem muito mais relação com as especificidades do pré-sal que nós então desconhecíamos e, por isso, não estavam contemplados nas rodadas convencionais”.
    bussoladoinvestidor.com.br/noticias/governo_admite_necessidade_de_rever_conteudo_local-54433,1.html

  23. Vilmar /

    Deputado briga por CPI de Eike; “em um país sério, ele estaria preso”, diz
    Ainda é necessário que o presidente da Assembleia publique o requerimento com as assinaturas para que a CPI saia do papel

    14h50 | 16-12-2013

    SÃO PAULO – Paulo Ramos, deputado estadual pelo PSOL no Rio de Janeiro, cobra a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) para investigar os efeitos da derrocada do grupo EBX no governo carioca. 25 assinaturas já foram coletadas para a realização da CPI – acima do necessário – mas o pedido ainda não foi acatado por Paulo Mello (PMDB), presidente da câmara.
    Mello é do mesmo partido que Sérgio Cabral, um dos principais aliados políticos de Eike Batista. “Todos sabemos da força política que envolve Eike Batista, e seus comprometimentos. Ou ele foi suficientemente inteligente para enganar até os governantes, ou, na hipótese que não me parece inverossímil, conseguiu a cumplicidade daqueles que não tiveram cautela com o seu grande golpe. Em um país sério, ele já estaria preso”, disse Ramos em uma audiência pública na sede da Alerj.

    Ainda é necessário que o presidente da Assembleia publique o requerimento com as assinaturas para que a CPI saia do papel. Nessa segunda, Ramos convocou uma audiência para discutir os impactos econômicos e chamou Adriano Mezzomo, representante da Unax (União dos Acionistas Minoritários do Grupo EBX).

    Foram convidados também o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), CVM (Comissão de Valores Mobiliários), ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), MPF (Ministério Público Federal) e Angra Partners, que está atuando na reestruturação do grupo. Porém, nenhum desses grupos mandou representantes à audiência.
    infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/3105112/deputado-briga-por-cpi-eike-pais-serio-ele-estaria-preso

  24. Vilmar /

    Petrobras não vê sinal de reajuste de combustíveis
    A estatal busca convencer o governo, seu controlador, de um aumento nos preços dos derivados de forma a reduzir a defasagem entre os preços internacionais
    18h58 | 11-09-2013

    RIO DE JANEIRO – A presidente-executiva da Petrobras (PETR3, PETR4), Maria das Graças Foster, afirmou nesta quarta-feira que não há sinal de que a empresa promoverá reajuste de combustíveis.

    A estatal busca convencer o governo, seu controlador, de um aumento nos preços dos derivados de forma a reduzir a defasagem entre os preços internacionais – que ganharam mais força com a alta dólar – e os valores praticados no mercado interno por suas refinarias.

    “Não tem, não tem sinalização”, disse Graça Foster, ao ser indagada sobre a iminência de um reajuste.O prejuízo da Petrobras com importações bilionárias tem sido alvo de forte preocupação de analistas de mercado (Reuters)

    Questionada sobre a possibilidade de a estatal ficar sem aumentar o preço de gasolina e diesel até o fim deste ano, ela desconversou, afirmando que “faz parte da rotina cuidar da Petrobras”.
    Com o crescimento acelerado da demanda por gasolina no Brasil nos últimos anos devido à expansão da frota de automóveis, a Petrobras passou de exportadora a importadora de gasolina. E as importações de petróleo também cresceram, para alimentar as refinarias que têm produzido em níveis cada vez mais perto de sua capacidade máxima, beirando 100 por cento de utilização.
    O prejuízo da Petrobras com importações bilionárias tem sido alvo de forte preocupação de analistas de mercado.
    infomoney.com.br/petrobras/noticia/2958030/petrobras-nao-sinal-reajuste-combustiveis Mico Cool

  25. Afonso /

    Eu acho que a apuração dos fatos é ótimo para a empresa, mas não há necessidade de CPI o TCU pelas notícias já esta investigando.
    Os congressistas tem mais o que fazer no legislativo que são as reformas tão necessárias em vez de ficar aparecendo nos “circos” televisivos das CPIs.

    1. Vilmar /

      Bacana, estou de acordo, e obrigado pela ajuda na confecção do post.
      Abraço.

Leave a Reply

CAPTCHA *