[BIT FRAUDE BREAKINGNEWS] Novas fraudes e proibições afetam mercado de criptomoedas
Convidados

[BIT FRAUDE BREAKINGNEWS] Novas fraudes e proibições afetam mercado de criptomoedas

5 de fevereiro de 2018

Exchange japonesa perde R$ 1,7 bilhão no maior roubo de criptomoedas da história

bitcoin-falencia-piramide-derrocada-bankruptcy

Praticamente todas as criptomoedas estão em forte queda nesta segunda-feira (5), com o Bitcoin caindo cerca de 12%, cotado a aproximadamente US$ 7,5 mil, e a Ethereum, a segunda maior em valor total de mercado, caindo 16%, a US$ 730. O mercado, que já perdeu metade do seu valor desde meados de dezembro, foi abalado por notícias de uma proibição ainda mais rigorosa na China e pela restrição da compra de criptomoedas com cartões de crédito em importantes bancos nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Investidores ainda foram prejudicados por fraudes nas moedas MartCoin e Monero Gold, além de um erro de programação na POWH, uma moeda criada para ser declaradamente um esquema de pirâmide, mas que mesmo assim atraiu interessados.

Segundo uma reportagem do site “South China Morning Post” com base em informações de uma página ligada ao Banco Popular da China, o banco central chinês, autoridades chinesas pretendem bloquear as corretoras de criptomoedas estrangeiras da rede do país. A medida aumenta o rigor da proibição da compra e venda de criptomoedas na China, que já havia proibido a atividade dentro do país.

Nos Estados Unidos, compradores de criptomoedas enfrentarão resistência dos bancos. Os bancos JPMorgan Chase, Bank of America e Citigroup, três dos quatro maiores do país, anunciaram a proibição da compra de criptomoedas com cartões de créditos emitidos por eles. Os bancos afirmam temer o risco associado com essas compras, segundo a “Bloomberg”.

A mesma proibição foi adotada pelo Lloyds Banking Group no Reino Unido, uma instituição que engloba as marcas Lloyds Bank, Bank of Scotland, Halifax e MBNA. É o segundo maior banco do país em lucro e o terceiro em ativos.

Falhas e fraudes

Alguns investidores também foram prejudicados por fraudes e erros em moedas paralelas criadas por meio de “ICOs”. ICOs (“initial coin offerings”) permitem que investidores troquem moedas mais estabelecidas, como bitcoin e ethereum, por uma nova moeda, na esperança de que essa nova moeda suba de valor e gere lucro. Cada moeda justifica seu futuro valor com promessas diferentes sobre seu funcionamento. Muitas delas usam a mesma rede da Ethereum.

Um erro de programação na moeda POWH, criada para ser um esquema de pirâmide para permitir que os participantes apostassem quando o negócio iria falir, permitiu a um golpista emitir uma grande quantidade de moedas em seu nome, inundando o mercado com novas moedas e destruindo seu valor. É possível que a fraude tenha partido dos próprios criadores da moeda ou de um hacker. A página inicial do site da POWH” foi retirada do ar.

Uma tática semelhante foi usada propositalmente pelos criadores da Monero Gold, uma moeda que supostamente tentava ser uma nova versão da Monero, uma moeda conhecida por sua característica de sigilo e anonimato nas transferências. Os criadores da Monero Gold aparentemente usaram o mesmo erro do golpe da POWH para emitir uma quantidade gigantesca de moedas (o número tem 78 algarismos) e derrubar o mercado com a venda das mesmas. A página inicial da Monero Gold traz um “meme” antissemita com uma foto do atentado terrorista de 11 de setembro e uma captura de tela mostrando o número de moedas criado.

Leia mais clicando neste link.

Veja também:

Bitcoin: queda generalizada é lição para quem se empolgou

Até mais.

5 Comments

  • Reply Vil Bro 4 de maio de 2018 at 15:47

    04 MAI, 2018 08H46 – ATUALIZADA EM 14H37
    Banco Central decreta liquidação extrajudicial do Banco Neon
    Irregularidades encontradas não estão relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos

    Banco Neon

    O Banco Central decretou nesta sexta-feira (4) a liquidação extrajudicial do Banco Neon, entidade com sede em Belo Horizonte. “A supervisão do Banco Central constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição”, informa a instituição, em comunicado que também consta no site do banco.
    O Banco Neon é uma instituição financeira de pequeno porte, autorizada a operar como banco comercial, e detém 0,0038% dos ativos do sistema bancário. Há apenas uma agência, localizada em Belo Horizonte.

    “O Banco Central está adotando todas as medidas cabíveis para apurar as responsabilidades, em observância às suas competências legais de supervisão do sistema financeiro. Nos termos da lei, ficam indisponíveis os bens dos controladores e dos ex-administradores da instituição”, informa o BC.

    O Banco Central destaca que as irregularidades encontradas no Banco Neon não estão relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos, objeto de acordo operacional com a empresa Neon Pagamentos para estruturação de plataforma de banco digital integrada com a gestão de contas de pagamento.

    O Neon adotará as providências necessárias para o levantamento dos saldos dos cartões pré-pagos para a devida restituição aos clientes, e também os valores relativos às coberturas do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), “com a celeridade possível”.

    “Os demais credores serão informados pelo liquidante a respeito das providências para habilitação de seus créditos”, explica o BC.

    3 problemas básicos – e graves
    O InfoMoney entrou em contato com uma fonte próxima para entender as irregularidades cometidas pela instituição. As informações obtidas apontam três problemas básicos no Neon: deficiência patrimonial, descumprimento de regras de combate à lavagem de dinheiro e irregularidades “graves” com o dinheiro dos correntistas.

    O patrimônio do Neon está negativo em R$ 28 milhões. As irregularidades graves envolvem a aplicação de dinheiro dos clientes em uma empresa não-financeira que pertence a sócios do Neon, a Pottencial Consultoria e Assessoria. A operação era colocada como um empréstimo bancário e, depois, o dinheiro era devolvido aos clientes.

    Funcionamento dos serviços
    A assessoria de imprensa do Banco Neon informou que tanto o site quanto o aplicativo estão fora do ar, mas os clientes podem continuar usando o cartão de crédito e débito normalmente por se tratarem de “empresas distintas”. Segundo o Banco Central, cerca de 1 mil pessoas têm conta no Neon.

    Posicionamento da Neon Pagamentos
    A Neon Pagamentos esclarece, em nota enviada ao InfoMoney, que é uma pessoa jurídica distinta do Banco Neon, com sócios e administradores independentes. Dessa forma, o anúncio de encerramento das atividades do Banco não interfere na administração da Neon Pagamentos, que inclusive recebeu aporte recente de fundos de venture capital.

    “A Neon Pagamentos ressalta que os recursos depositados em contas de pagamentos dos clientes encontram-se disponíveis para saque e compras por meio de cartão de débito e não serão afetados pela liquidação extrajudicial do Banco Neon”, informa a empresa.

    Em 2016, a Neon Pagamentos e o Banco Neon firmaram um acordo operacional com o objetivo de oferecer contas de pagamento e serviços financeiros relacionados ao mercado. Assim, alguns dos serviços financeiros intermediados por meio do Banco Neon estão temporariamente indisponíveis, como pagamento de boletos, envio e recebimento de transferências, utilização do cartão de crédito, resgate de CDBs (Certificados de Depósitos Bancário) e recarga de celular.

    A empresa afirma que já toma providências para contar com novo banco liquidante para regularizar a prestação de seus serviços.

    Anúncio de investimentos na véspera
    A Neon Pagamentos anunciou na quinta-feira (2) uma rodada de investimentos no valor de R$ 72 milhões – o maior na história do país até agora dentro da categoria Série A – rodada após o “seed”, normalmente com altos valores de aporte, voltada à melhoria o produto e aumento da base de clientes em troca de participação acionária.

    Pedro Conrade, CEO e fundador da companhia, contou ao InfoMoney que o recurso aporte seria voltado principalmente à contratação de pessoal na área de tecnologia. De 2016 até agora, o número de funcionários Neon saltou de 8 para 190.
    http://www.infomoney.com.br/negocios/grandes-empresas/noticia/7406276/banco-central-decreta-liquidacao-extrajudicial-banco-neon

  • Reply Vil Bro 7 de fevereiro de 2018 at 14:49

    “Malucos do Bitcoin” irão segurar a criptomoeda até ela quebrar e valer zero, diz Roubini
    “Uma queda para US$ 5 mil parece altamente provável, a menos que as gangues de manipulação de criptografia comecem a bombear ou lavar o mercado de novo”, afirmou o Dr. Doom

    Nas últimas semanas, o economista Nouriel Roubini – também conhecido como “Dr. Doom” por suas previsões apocalípticas – elevou o tom contra as criptomoedas e deu diversas entrevistas falando sobre como estes ativos irão desabar, chegando a chamar o bitcoin de “mãe de todas as bolhas”. Agora, diante da derrocada dos preços, ele falou que chegou a hora do fim das moedas digitais.
    Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

    “O Bitcoin caiu agora para US$ 6.100. E falta apenas um dia para a audiência nos EUA sobre cryptoscams. Portanto, uma queda para US$ 5 mil parece altamente provável, a menos que as gangues de manipulação de criptografia comecem a bombear ou lavar o mercado de novo. Então, aos malucos do HODL: estejam prontos para uma perda de 75% dos picos recentes”, escreveu ele em seu Twitter.

    “Os malucos do HODL manterão seus derretidos Bitcoins até valerem ZERO enquanto os golpistas e as baleias correm”, continuou o economista usando o termo HODL, termo muito usado no mercado de criptomoedas para quem “segura” os ativos, sem vendê-los. Nesta terça-feira (6) o presidente da Comissão de Futuros de Commodities, Christopher Giancarlo, e o presidente da SEC, Jay Clayton, irão falar em audiência pública sobre criptomoedas.

    O “Dr. Doom” também disse que os investidores usarão a “lavagem de negócios” para sustentar os preços das moedas. Esta “lavagem” no mundo das criptomoedas envolve alguém comprando e vendendo sua própria ordem para manipular os mercados. Roubini questiona se as autoridades irão examinar essa prática, que está cada vez maior.

    Na tarde desta terça, o Bitcoin mostrava um pequeno alívio, recuando cerca de 8% e voltando a encostar na marca de US$ 7 mil, após chegar a negociar abaixo de US$ 6 mil mais cedo. Outras moedas como o Ethereum, Ripple e o Bitcoin Cash também caem aproximadamente 10%.
    infomoney.com.br/mercados/bitcoin/noticia/7254754/malucos-bitcoin-irao-segurar-criptomoeda-ate-ela-quebrar-valer-zero

  • Reply Bitcoin pirâmide tecnológica falindo!!!! 6 de fevereiro de 2018 at 09:22

    Apenas atualizando a cotação:

    BITCOIN
    -18,01% R$ 20.950

    :))))

  • Deixe uma resposta para Vil Bro Cancel Reply

    CAPTCHA *