Marlon Moro’s Articles at Defenda Seu Dinheiro
<h1>Archives</h1>
    Convidados

    Como usar milhas e pontos para viajar de graça

    22 de janeiro de 2019

    Fábio Vilela viajou de primeira classe para mais de 80 países e explica como você pode fazer o mesmo
    Dicas para você viajar sem erros e em segurança

    Para muitas pessoas é mais do que comum o desejo de viajar mais esteja presente em sua lista de objetivos para o ano. Levantamento feito pelo aplicativo 7waves mostra que esta é uma das 15 maiores metas dos brasileiros em 2019.

    O surgimento de hostels e novas formas de hospedagem tornaram o hábito de viajar mais acessível. No entanto, o alto custo da passagem aérea ainda impede muitas pessoas de realizarem este sonho.

    Saber como utilizar milhas e pontos para viajar de graça pode fazer toda a diferença. Fábio Vilela, que é um viajante que já voou de primeira classe para mais de 80 países utilizando o sistema de milhas e pontos dá algumas dicas:

    Por onde começar?

    Autoconhecimento é a palavra chave para aqueles que estão começando no mundo das milhas e pontos. Para Fábio, é preciso identificar qual seu perfil, sua renda, seus tipos de gasto e com qual frequência deseja viajar.

    “Os pontos são adquiridos a partir de compras com o cartão de crédito”, diz. Cada cartão é direcionado para tipos diferentes de público: alguns acumulam mais e oferecem mais vantagens durante as viagens, mas possuem anuidade mais cara, por exemplo.

    Para escolher o melhor cartão, a dica é pensar naquele que se adapta à sua rotina. Se você pretende viajar muito ao longo do ano, pode valer a pena escolher um cartão de alta renda: eles geram até 3 vezes mais pontos e você pode usufruir de seguro viagem, sala vip e outros benefícios.

    A liberdade de escolha na hora de transferir os pontos também deve ser considerada antes de escolher o melhor cartão. “Alguns bancos estabelecem uma quantidade mínima de pontos necessária para transferi-los para outros programas, e isso pode dificultar que iniciantes ou pessoas com poucos pontos troquem o benefício por passagens.”

    Escolhi meu cartão de crédito, e agora?

    Cartões de crédito acumulam pontos em programas de fidelidade. Hoje, um banco possui diversos programas, para que você não fica preso a apenas uma companhia aérea. Cada compra realizada com o cartão gera um determinado número de pontos.

    Ao viajar de avião, você acumula milhas com base na distância entre o ponto de embarque e o de destino. Depois de possuir determinada quantidade, você pode trocar tantos os pontos quanto as milhas por uma série de benefícios, como as passagens aéreas, que costumam ser a troca mais vantajosa.

    Para escolher o melhor programa de fidelidade, é importante analisar a quantidade de viagens que você pretende fazer ao longo do ano, quais serão os aeroportos de origem e o perfil dos seus gastos.

    Se o usuário mora em uma cidade em que a empresa X tem muito mais voos do que a Y, ele deve buscar concentrar seus pontos e milhas em programas da X. Assim, irá se beneficiar das vantagens com mais frequência, além de ter mais opções de rotas.

    Alguns bancos possuem cartões crédito específicos de apenas um programa de fidelidade. Nestes casos, a companhia aérea oferece vantagens exclusivas para estes clientes, como mala despachada e embarque preferencial. “Pode ser uma boa opção para pessoas que só viajam em uma determinada companhia, por exemplo.”

    Clientes de alta renda costumam comprar passagens mais caras. Neste caso, é recomendado que eles priorizem programas em que o acúmulo é baseado no valor do bilhete, por exemplo. Ele sobe de categoria mais rápido e pode usufruir mais benefícios.

    Alguns bancos oferecem possibilidade de multiplicar os pontos. Por exemplo, você paga um percentual extra da fatura do cartão e o volume de pontos que tem acumulado aumenta. É uma alternativa interessante, mas é sempre recomendado fazer o cálculo para ter certeza de que compensa.

    Qual o melhor momento para trocar?

    A maioria das companhias aéreas disponibilizam os assentos para venda com até 330 dias de antecedência da data do voo. Para quem já sabe o dia da viagem, o melhor conselho é ficar atento às promoções.

    “Geralmente, a transferência de pontos costuma ser em proporção de 1 para 1. No entanto, tanto bancos quanto companhias costumam fazer alguns programas de bonificação ao longo do ano. Você pode transferir 100 mil pontos por 180 mil, por exemplo”, aconselha Fábio.

    Os pontos normalmente possuem validade de 2 anos, então por mais que você não tenha nenhuma viagem em mente, pode valer a pena aproveitar as promoções.

    Também não há valor fixo. Uma viagem para Fortaleza que hoje custa 10 mil pontos, daqui a 2 anos pode custar bem mais. Por isso, não é recomendado considerar os programas de milhagens em seu planejamento financeiro.

    Como funciona para viagens internacionais?

    Todos os pontos viram moedas de troca. Elas podem ser utilizadas para viagens nacionais e internacionais. Caso você deseje comprar uma passagem da França para a Alemanha, e as companhias brasileiras não realizem este serviço, você deve ver de qual aliança o seu programa de fidelidade faz parte.

    A Latam, por exemplo, faz parte da OneWorld; a Avianca, da StarAlliance. Primeiro você transfere seus pontos para o programa de fidelidade de alguma destas companhias e, depois, pode trocar por passagens de qualquer empresa desta aliança.

    Posso transferir meus pontos para outra pessoa?

    No Brasil, não é permitido transferir os pontos e milhas do cartão de crédito do banco diretamente para outro CPF. É necessário fazer a transferência primeiro para o seu programa de fidelidade e, depois, emitir a passagem no nome de outra pessoa.

    Alguns programas de fidelidade têm a opção transferir, dar e doar milhas para outros passageiros. É o caso da Smiles, programa de milhagem da Gol Linhas Aéreas. Através dele, você pode doar suas milhas e pontos para qualquer outra pessoa que tenha uma conta Smiles e um CPF válido.

    No entanto, é cobrada uma taxa a cada milha transferida, por isso, a transação pode nem sempre ser vantajosa.

    O que mais preciso saber?

    Fábio Vilela aconselha tentar buscar por destinos alternativos e poucos explorados na hora de comprar as passagens. “Geralmente estes voos possuem mais assentos disponíveis. Em destinos mais concorridos, como Orlando, Miami e Nova York, a companhia faz muita receita e os lugares ficam quase escassos.”

    Para aumentar suas chances de conseguir uma passagem, Fábio recomenda realizar a compra com bastante antecedência, ter flexibilidade para viajar fora de alta temporada e programar viagens sozinho, assim só será necessário comprar um assento no vôo, e não lugares para toda a família.

    E você, o que pensa a respeito deste tema? Deixa a sua opinião.

    Até mais.

    Geral

    Quais são as alternativas à Poupança da Caixa?

    11 de janeiro de 2019

    Quanto rende a Poupança da Caixa?

    xxx

    Então, mas e aí, quais são as alternativas à segurança da Poupança da Caixa?

    O nosso país possui bons produtos de renda fixa que podem substituir muito bem a caderneta de poupança. Tanto o CDB quanto o Tesouro Direto, para começar, são ótimas aplicações para quem está começando no mundo dos investimentos.

    O Tesouro Direto é um produto muito democrático e popular. O investidor pode começar com o Tesouro Selic, que é mais conservador, não tem volatilidade, isto quer dizer, o investidor não corre risco de perder parte do dinheiro que aplicou.

    Em qualquer situação a rentabilidade do Tesouro Selic tem batido a poupança, tanto com a Selic em alta ou em baixa. E este título ainda tem um nível de segurança maior por fazer parte do governo federal.

    O CDB é outra aplicação bem mais rentável e que pode oferecer liquidez diária, porém só invista naqueles que paguem ao menos 100% do CDI. Neste caso, segurança é a mesma da caderneta, já que as duas aplicações são garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito(FGC).

    Para investir nestes produtos o ideal é que a pessoa tenha conta em um banco ou corretora de valores. No caso, muitas corretoras oferecem aplicações de vários emissores diferentes, com rentabilidades bem mais atrativas do que aquela que você encontra nos bancos de varejo.

    Veja também:

    5 Mentiras Sobre Investir Na Poupança

    E você, o que pensa a respeito deste tema? Deixa a sua opinião.

    Até mais.

    Convidados

    Renda no aluguel de imoveis é um bom negócio?

    9 de agosto de 2018

    renda-de-aluguel-e-bom-negocio

    Renda no aluguel de imoveis é um bom negócio?

    Você com certeza já deve ter ouvido alguem próximo ou até mesmo da sua família dizer sobre aluguel de imóveis, mas sera que esse é um bom investimento atualmente?

    O ativo imobiliário é considerado pela sua solidez no mercado, mas de uns anos para cá, de acordo com a grande variação de preço, modificou-se um pouco a visão do mercado sobre ele.

    Primeiramente pelo fato de que ele não tem liquidez imediata, caso você precise vender seu imóvel rapidamente terá que adequar ao valor de mercado, que muitas vezez significa vender abaixo do valor normal.

    Isso é comum, e vemos muito disto em carros quando as pessoas estão endividadas e tem que “queimar” seu bem para obter dinheiro e muitas concessionárias se beneficiam desta forma.

    Há uns anos atrás a rentabilidade dos alugueis giravam em torno de 1%, 1.1%, 1,2%  que eram um excelente negócio. Considerando esta variação de ganho mensal, valia bastante o investimento no imóvel para obter renda com ele. A demanda estava controlada e os valores dentro do mercado.

    Porém, com o mercado muito aquecido em meados de 2011 os preços subiram descontroladamente e a demanda não acompanhou a oferta. Desta forma, vemos que nos últimos anos muitas pessoas estão vendendo ou alugando imóveis e, como tem uma oferta alta, naturalmente os valores cai e a rentabilidade também.

    Hoje em dia a media recebida de rendimento pelos proprietaries de aluguel é de 0.5%, e isto é até menor que o rendimento da poupança.

    Por este motive o mercado imobiliário esteve desacelerado estes últimos anos, mas a tendência é que o ritmo de lançamentos volte a crescer ainda neste ano de 2018 e o mercado recupere a sua estabilidade e rentabilidade natural.

    Marlon Moro é diretor da Etic Imóveis, imobiliária sediada na Mooca e acha que o mercado deve tomar um novo rumo após as eleições: “Este ano passa por um ritmo lento devido à diversos feriados, copa do mundo e eleições. Isto acabou atrapalhando os fatores econômicos. À partir do momento que forem definidas as diretrizes econômicas do país, a economia deve voltar a crescer e, com isto definido, volta o poder de compra e investimento da população”