‘G1’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: G1

    Convidados

    [BIT FRAUDE BREAKINGNEWS] Novas fraudes e proibições afetam mercado de criptomoedas

    5 de Fevereiro de 2018

    Exchange japonesa perde R$ 1,7 bilhão no maior roubo de criptomoedas da história

    bitcoin-falencia-piramide-derrocada-bankruptcy

    Praticamente todas as criptomoedas estão em forte queda nesta segunda-feira (5), com o Bitcoin caindo cerca de 12%, cotado a aproximadamente US$ 7,5 mil, e a Ethereum, a segunda maior em valor total de mercado, caindo 16%, a US$ 730. O mercado, que já perdeu metade do seu valor desde meados de dezembro, foi abalado por notícias de uma proibição ainda mais rigorosa na China e pela restrição da compra de criptomoedas com cartões de crédito em importantes bancos nos Estados Unidos e no Reino Unido.

    Investidores ainda foram prejudicados por fraudes nas moedas MartCoin e Monero Gold, além de um erro de programação na POWH, uma moeda criada para ser declaradamente um esquema de pirâmide, mas que mesmo assim atraiu interessados.

    Segundo uma reportagem do site “South China Morning Post” com base em informações de uma página ligada ao Banco Popular da China, o banco central chinês, autoridades chinesas pretendem bloquear as corretoras de criptomoedas estrangeiras da rede do país. A medida aumenta o rigor da proibição da compra e venda de criptomoedas na China, que já havia proibido a atividade dentro do país.

    Nos Estados Unidos, compradores de criptomoedas enfrentarão resistência dos bancos. Os bancos JPMorgan Chase, Bank of America e Citigroup, três dos quatro maiores do país, anunciaram a proibição da compra de criptomoedas com cartões de créditos emitidos por eles. Os bancos afirmam temer o risco associado com essas compras, segundo a “Bloomberg”.

    A mesma proibição foi adotada pelo Lloyds Banking Group no Reino Unido, uma instituição que engloba as marcas Lloyds Bank, Bank of Scotland, Halifax e MBNA. É o segundo maior banco do país em lucro e o terceiro em ativos.

    Falhas e fraudes

    Alguns investidores também foram prejudicados por fraudes e erros em moedas paralelas criadas por meio de “ICOs”. ICOs (“initial coin offerings”) permitem que investidores troquem moedas mais estabelecidas, como bitcoin e ethereum, por uma nova moeda, na esperança de que essa nova moeda suba de valor e gere lucro. Cada moeda justifica seu futuro valor com promessas diferentes sobre seu funcionamento. Muitas delas usam a mesma rede da Ethereum.

    Um erro de programação na moeda POWH, criada para ser um esquema de pirâmide para permitir que os participantes apostassem quando o negócio iria falir, permitiu a um golpista emitir uma grande quantidade de moedas em seu nome, inundando o mercado com novas moedas e destruindo seu valor. É possível que a fraude tenha partido dos próprios criadores da moeda ou de um hacker. A página inicial do site da POWH” foi retirada do ar.

    Uma tática semelhante foi usada propositalmente pelos criadores da Monero Gold, uma moeda que supostamente tentava ser uma nova versão da Monero, uma moeda conhecida por sua característica de sigilo e anonimato nas transferências. Os criadores da Monero Gold aparentemente usaram o mesmo erro do golpe da POWH para emitir uma quantidade gigantesca de moedas (o número tem 78 algarismos) e derrubar o mercado com a venda das mesmas. A página inicial da Monero Gold traz um “meme” antissemita com uma foto do atentado terrorista de 11 de setembro e uma captura de tela mostrando o número de moedas criado.

    Leia mais clicando neste link.

    Veja também:

    Bitcoin: queda generalizada é lição para quem se empolgou

    Até mais.

    Geral

    Vende-se Petrobras

    2 de Março de 2016

    E aí, você vai comprar?

    Depois dos sucessivos escândalos de corrupção, a maior empresa do Brasil, maior geradora de empregos diretos e indireitos, maior geradora de inovação e tecnologia, o maior orgulho dos brasileiros, até um passado não tão, tão, tão distante, colocou uma placa de VENDE-SE em seus ativos, tudo visando não quebrar.

    shrek-far-far-away

    A mais recente novidade é a Venda de Campos Terrestres, conforme Fato Relevante da Petrobras soltado hoje:

    Venda de Campos Terrestres

    Rio de Janeiro, 02 de março de 2016 – Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras, informa que sua Diretoria Executiva aprovou o início do processo de cessão dos direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural de um conjunto de campos terrestres, assim como a venda dos ativos relacionados a essas concessões.

    Esta iniciativa, que faz parte do Plano de Desinvestimento da Petrobras, será realizada através de processo competitivo.

    Fatos julgados relevantes sobre este tema serão tempestivamente comunicados ao mercado.

    Então, você acionista ou futuro acionista, também conhecido como shareholder, vai vender ou comprar Petrobras (PETR4, PETR3) ?

    O DefendaSeuDinheiro deseja todo o sucesso na sua decisão, incluso aquele que escolheu investir o FGTS nos ativos da empresa…cry - choro - chororo

    Até mais.

    Convidados

    Grau de investimento menor: o que fazer?

    11 de setembro de 2015

    Olá leitores!

    Primeiramente queria agradecer ao blog Defenda seu Dinheiro pela oportunidade de escrever aqui. Quanto mais pessoas ajudarem através da educação financeira, melhor.

    seta_grau_investimento

    Vamos comentar uma notícia bem recente e que pode mudar a visão que as pessoas tem do Brasil.
    Em setembro de 2015 recebemos a notícia de que o Brasil teve sua nota de classificação rebaixada, devido a turbulências na gestão político-econômica do país. Entretanto, muitos podem estar na dúvida sobre o que isso significa e se há algo que possa ser feito.
    Primeiramente vamos abordar:

    1. Sua definição
    2. Agências de Risco
    3. A Nota e o Histórico no Brasil
    4. As Agências são Confiáveis?
    5. O que fazer?

    1) DEFINIÇÃO DE GRAU DE INVESTIMENTO

    O grau de investimento é uma nota concedida pelas agências de risco do Brasil e do mundo, que indicam sua capacidade de pagamento de dívidas perante a investidores internacionais.
    Seria uma espécie de recomendação que vai de bom pagador até o caloteiro. Tem se tornado um tipo de norte para os investidores e instituições financeiras quando é decidido onde colocar o dinheiro e qual a taxa de juros estabelecida.
    Desta forma, quanto mais seguro um país ou uma empresa for considerado por uma agência, mais dinheiro recebe a custos menores.
    Entre os diversos indicadores, são abordados as reservas internacionais, a solidez da economia, a estabilidade ou instabilidade política, liberdade de imprensa, distribuição de renda, entre outros fatores.
    Sua nota, chamada de rating é calculada, como pode ser visto na tabela abaixo.
    rating

    2) AS AGÊNCIAS DE RISCO

    ag_risco

    Conforte já foi mencionado em um post e no meu livro digital sobre o CDB (clique aqui e aqui), as agências de risco são instituições que qualificam determinados produtos financeiros (tanto de empresas, como de governos ou países),e atribuem notas e os classificam de acordo com o espectro relacionado a seu histórico de pagador.
    Podemos citar as maiores e mais conhecidas no mundo todo, que são:

    1. Standard & Poor´s
    2. Moody´s
    3. Fitch

    Tanto grandes quanto pequenos investidores utilizam essas agências como forma de avaliar certos investimentos e se valem ou não a pena de acordo com seu aval.
    Em tempos de crises, o grau de investimento geralmente tende a abaixar e sua confiança tende a diminuir, o que faz com que investidores não coloque seu dinheiro em um determinado país.

    Geralmente bancos maiores possuem nota de risco mais alta, ou seja, são estáveis e apresentam maior garantia de solvência e credibilidade perante aos investidores nacionais e internacionais
    Entretanto, devido a sua solidez, suas taxas de juros não serão tão vantajosas, afinal quanto menor o risco menor o retorno.
     Em contra-partida os bancos menos expressivos cujo risco de quebra é mais elevado (ou sua nota de risco é mais baixa) ofertarão taxas maiores como forma de compensas a sua falta de estabilidade.
    Até que ponto você trocaria segurança por mais retornos?
    Creio que essa seja uma pergunta bastante individual e cuja resposta vai depender do quão informado você está a respeito de cada banco em questão

    3) A NOTA E O HISTÓRICO DO BRASIL

    histórico
    Observando a imagem acima vemos, que não há uma estabilidade nas notas. O país dificilmente teve uma política de contas bem definidas e uma economia sólida.
    A constante burocracia aliada e sempre intervenção estatal, torna qualquer tipo de criação de riqueza insustentável.
    Você leitor, já tentou abrir uma empresa aqui no Brasil?
    Então você sabe muito bem do que estou falando.
    Para piorar, os impostos sempre aumentam como uma forma de arrecadação, prejudicando o seu bolso cada vez mais.
    Recentemente a nota do Brasil que era BBB- caiu para BB+, o que significa que algumas mudanças são necessárias. Não me surpreenderia se cobrassem do brasileiro com mais impostos.
    Em um dos meus posts sobre a manifestação ocorrida mais cedo neste ano, uma das suas reinvindicações seria a redução de gastos públicos, bonitamente chamando de austeridade.
    Em outras palavras, seria como reduzir as contas para que caibam dentro do seu orçamento.
    Para quem é pai de família, isso acaba sendo bem compreensivo. Como você pode ter uma vida tranquila se está passando por apertos o tempo todo?
    Os problemas enfrentados pelo país possuem origens políticas, que usam e abusam do dinheiro público para sustentam investimentos duvidosos e populistas, principalmente quando em épocas de eleições.
    Novamente, pagaremos com o nosso dinheiro a festa irresponsável dos nossos representantes.

    4) ELAS SÃO CONFIÁVEIS?

    confiavel
    A polêmica  em torno das agências de classificação de risco está no fato de os seus clientes que também são responsáveis pelo seu faturamento serem os bancos e outras empresas.
    Para que sua nota seja avaliada é necessário que você pague a instituição. Dependendo do critério de quem paga, a classificação pode manter-se em sigilo, geralmente quando a nota fique aquém das espectativas
    Se for do interesse das requisitantes que a nota venha a público, é necessário uma autorização formal. Todavia, essa nota pode subir (upgrade) ou descer (downgrade)
     Para que a classificação se torne pública, a empresa contratante deve autorizar formalmente a publicação.
    Não vamos esquecer também que elas foram co-responsáveis pela crise americana de 2008. Para quem perdeu a explicação completa, vamos resumir dizendo que o que ocorreu nos EUA foram um quebra sistêmica onde vários bancos americanos e mundiais quebraram devido a ativos cujo lastro estava em hipotecas.
    Seria como você, sendo um inquilino, pagasse o aluguel para o banco e o detetor do título hipotecário ganhasse uma rentabilidade em cima desse valor.
    As crise, oriunda dos títulos, tiveram incentivo das agências de risco, que deram nota máxima aos mesmos.
    E olha o que aconteceu com essas mesmas agências esse ano.
    punição
    Volto a minha pergunta anterior!
    Elas são confiáveis?
    Acredito que devemos buscar todas as informações, desde as mais óbvias até as mais absurdas aos olhos nus. Devemos sempre buscar fontes alternativas e não oficiais para desenvolvermos uma opinião mais aguçada.
    O que devemos fazendo então?

    5) O QUE FAZER?

    passos
    Choices Dilemma
    Acredito que essa seja uma dúvida bastante comum, dado que a confiança no Brasil irá cair perante aos outros países do mundo. Entretanto, para o público leigo e que está começando a investir, só existem 3 tipos de preocupações.
    1. Trabalhar
    2. Gastar menos do que ganha
    3. Estudar sobre os investimentos
    Você pode estar se perguntando….
    “Mas isso eu já faço!”
    Exatamente, nada muda para você leitor. Procure se preocupar com aquilo que está ao seu alcance e que você tenha total controle.
    Problemas político-econômicos não podem ser resolvidos por nós, então a única solução que podemos encontrar sempre foi a mesma: reduzir nossos gastos e deslumbrar uma vida de independência financeira, que é o propósito deste blog.
    Notícias como acima mais atrapalham do que ajudam, apesar de sua boa intenção informática. Temos a impressão que precisamos tomar alguma atitude agora antes que seja tarde demais.
    Não se preocupe leitor e continue o que está fazendo e mantenha-se fiel a sua estratégia independentemente das matérias veiculadas na mídia. Normalmente elas possuem uma carga de terrorismo e medo, o que nada ajuda.
    Diminuia seus gastos supérfluos, trabalhe e busque informações de qualidade sobre o que fazer quando tiver uma boa quantia em mãos. Não tem nota de risco que possa medir o seu grau de disciplina e determinação.
    Você, leitor, é a único com quem tem que se preocupar!
    Espero que tenha gostado.
    Não esqueça de comentar aqui no post dizendo o que você acha desse rebaixamento e o que influencia diretamente na sua vida.
    Abraços e bons investimentos.
    assinatura

    http://www.odinheirista.com.br

    Até o próximo post.