Exame: 5 coisas sobre dinheiro que você deveria ter aprendido na escola

5 atitudes para se tornar um investidor de sucesso

A carência deste tema na sala de aula pode ter um impacto negativo em diversas etapas da vida, principalmente para jovens que decidem viver sozinhos, mas não têm o costume de planejar o pagamento de contas básicas. Caso não tenham alguns conhecimentos básicos sobre finanças na cabeça, podem acabar cometendo erros que irão levar ao adiamento de projetos, como uma viagem de intercâmbio, um casamento ou a compra de um bem. 

Uma má decisão financeira pode ainda provocar um descontrole no orçamento e prejudicar o histórico de crédito no banco, fazendo com que a instituição financeira não libere dinheiro quando o jovem precisar adquirir uma casa ou um carro, por exemplo.

Outro erro geralmente cometido é adiar a decisão de investir e ter de aplicar muito mais recursos no futuro para obter uma boa reserva para a aposentadoria. Isso porque o estudante não tem noção do poder dos juros compostos, que incidem sobre qualquer aplicação financeira.

Veja abaixo cinco dicas básicas de finanças pessoais que você deveria ter aprendido na escola:

1) Tomar empréstimos do jeito certo

“Demonizar” o crédito e se manter afastado de qualquer dívida não é o melhor caminho para ter uma vida financeira saudável. Uma hora ou outra, você pode precisar dos recursos oferecidos pelo banco, seja porque surgiu uma emergência médica ou qualquer outro imprevisto que custe uma grande soma de dinheiro, maior do que uma eventual reserva de dinheiro acumulada ao longo dos anos.

Portanto, ao invés de se aterrorizar com taxas de juros exorbitantes cobradas, por que não pesquisar sobre quais são as modalidades que oferecem as menores taxas? Também é importante consultar quais são as instituições financeiras que cobram tarifas mais baixas em cada linha, que podem fazer diferença no Custo Efetivo do Crédito (CET). Aliás, é para o CET que você deve olhar ao escolher o melhor empréstimo.

Tomar empréstimos com o menor custo possível ajuda a pagar as parcelas em dia e criar um bom histórico de crédito, o chamado score. Quando alguém se mantém afastado de qualquer tipo de empréstimo, torna mais difícil para as instituições financeiras saber como ele irá lidar com um financiamento, caso precise. Ou seja, usar o cartão de crédito ou outro tipo de empréstimo pontualmente, quando necessário e de forma consciente, pode até ajudar a obter mais recursos no futuro.

2) Conhecer o poder dos juros compostos e investir o mais cedo que puder

Quanto mais cedo você souber que o tempo atua a favor quando se trata de investir, menos terá de poupar no futuro para projetos pessoais e, principalmente, para a aposentadoria.

Isso porque incidem, sobre qualquer aplicação financeira, juros compostos. Por conta disso, quanto mais tempo deixarmos o dinheiro aplicado, mais os juros recebidos como rendimento poderão ser reaplicados e poderemos passar a receber mais no período seguinte.

Um exemplo da chamada “mágica” dos juros compostos: se um investidor aplica 10 mil reais a uma taxa de 2% ao mês com reaplicação de juros, no primeiro mês receberá 10,2 mil reais. No segundo, os 2% irão incidir sobre os 10,2 mil reais, e se transformar em 10,4 mil reais. No terceiro mês, os juros serão calculados sobre o valor de 10,4 mil reais e o investidor passará a ter 10,6 mil reais, aproximadamente, e assim por diante.

Se deixarmos o dinheiro aplicado nessa operação, ao final de 12 meses teremos 12.682,41 reais, ou 26,82% a mais que o valor original.

Portanto, não deixe para o ano que vem uma aplicação que você pode começar hoje, ainda que com pouco dinheiro. A diferença de valor que você terá acumulado pode ser expressiva.

3) Não subestimar o efeito dos juros do cartão de crédito e no cheque especial

O cartão de crédito pode, sim, ser um aliado no orçamento mensal. Mas é necessário ter consciência de que os juros cobrados nesta modalidade podem jogar contra (e muito) caso você se acostume a ter uma fatura com valor alto e, por alguma eventualidade, não consiga pagá-la totalmente. O mesmo alerta vale para o cheque especial, que só deve ser utilizado em uma emergência.

Quem não tem disciplina não deve subestimar o efeito “bola de neve” dos juros dessas duas modalidades. Isso porque o crédito rotativo, quando ficamos sem pagar o valor total da fatura, e também o cheque especial, é cobrado por dia de uso, e geralmente está na casa de dois dígitos. Ou seja, o efeito dos juros será, certamente, altíssimo. Por exemplo, quem fica 30 dias sem pagar uma fatura ou o cheque especial de 2 mil reais que tem uma taxa de 12% ao mês terá de pagar, ao final deste período, 240 reais.

A regra básica é que o cartão de crédito e o cheque especial não servem para comprar coisas que estão fora do alcance do orçamento atual, mas, sim, auxiliar as finanças pontualmente, no caso de compras realmente necessárias em um determinado momento. É sempre melhor poupar para somente então adquirir bens.

4) Criar um orçamento pessoal

Ter um orçamento que consiga equilibrar o pagamento das contas básicas mensais, como aluguel, luz, água, telefone e internet, com eventuais compras e reservas financeiras é essencial quando se fala em lidar bem com o dinheiro.

Sem os gastos em mente, de preferência colocados no papel ou em planilhas, é bem difícil visualizar quanto da renda, de fato, pode ser utilizada a cada mês. Esse planejamento é importante principalmente no momento em que um jovem vai morar sozinho, já que não está acostumado a pagar todas as contas mensais e não sabe o quanto irão representar da sua renda.

Criar esse planejamento é essencial para conquistar objetivos financeiros. E isso não implica, necessariamente, em anotar todos os gastos mensais: basta ter uma boa noção do quanto pode ser gasto em cada segmento, como com lazer e roupas, por exemplo.

5) Entender o conceito de risco e saber qual é o seu perfil de investidor

No mundo dos investimentos, algo que deve ser bem claro para qualquer aplicador é que, quanto maior o retorno, maior o risco.

Ou seja, dificilmente há almoço grátis: aqueles investimentos que oferecem rentabilidade tentadora geralmente também oferecem um risco expressivo.

Com isso em mente, é necessário ter claro um outro conceito: qual o seu perfil de investidor, se mais conservador ou agressivo. Também faz diferença saber quais são os seus objetivos de vida para buscar o investimento mais adequado. Se o projeto for de longo prazo, pode valer a pena colocar dinheiro em ações, já que as oscilações tendem a ser menores em prazos maiores. Se o objetivo for de curto prazo, talvez seja mais coerente deixar o dinheiro rendendo em uma aplicação mais conservadora, sem correr o risco de perder tudo e inviabilizar o projeto por conta de uma oscilação pontual do rendimento.

E vale sempre lembrar: quanto mais diversificados forem os investimentos, menor o risco. Só que esse conselho vale mais para altas somas de dinheiro. Para pequenos investimentos, é melhor que a aplicação seja certeira.

Até o próximo post.

Leave a Reply

CAPTCHA *