‘Valor’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: Valor

    Convidados

    Significado do diamante, origem e curiosidades sobre a pedra

    16 de agosto de 2018

    sobre-o-diamante

    Vamos falar neste texto do nome e do significado do diamante, uma pedra louvada por sua resistência, sua beleza e seu valor. O nome diamante vem de uma palavra do grego antigo que significa “inquebrável”, “indomado”, fruto da junção do termo de negação “a”, presente em palavras como “átomo” (aquilo que não pode ser dividido), e “damáō”, que quer dizer “eu domo”, “eu domino”.

    Significado do diamante, origem e curiosidades

    Na Índia, onde também foram usados como ícones religiosos, eles são conhecidos há vários milênios.  Entre os primeiros usos dos diamantes, estava seu papel como ferramenta. Na chamada escala Mohs, ele é o material natural mais duro. Por isso, ele pode ser usado para trabalhar outros materiais.

    O diamante e o carvão são formas alotrópicas do carbono, ou seja, são substâncias diferentes formadas apenas por átomos de um mesmo elemento químico, no caso, o carbono. O nome desse fenômeno é alotropia. Oxigênio e ozônio, por exemplo, são formas alotrópicas do elemento químico oxigênio. De modo geral, os diamantes são muito condutores térmicos (de calor) muito bons e bons isolantes elétricos (embora alguns tipos de diamantes azuis, que são os diamantes que contêm traços de boro, sejam semicondutores).

    Entre os usos mais comuns dos diamantes em nosso tempo, podem ser mencionados seus papéis como elementos de instrumentos de corte usados para cortar substâncias duras e gemas (pedras preciosas) para adorno.

    Entre os fatores usados para avaliar o preço de um diamante usado como gema, estão seu peso, o modo como foi lapidado e sua cor (geralmente, quanto mais claro, melhor).

    O fato de o diamante ser menos essencial do que a água, mas ser mais caro do que ela, que é essencial à vida humana, exemplificou para os economistas as qualidades não-intuitivas da ideia de valor econômico. Este paradoxo é conhecido como paradoxo da água e do diamante. Entre os economistas que o investigaram esta questão, estava Adam Smith, o fundador da economia tal qual a conhecemos hoje.

    Crenças sobre o diamante

    Ao longo da história, foram surgindo crenças sobre o diamante, muitas vezes contraditórias umas em relação às outras. Na Europa, houve quem defendesse que o diamante podia ser um antídoto para venenos enquanto houve quem defendesse que ele próprio é muito venenoso. Houve quem defendesse que ele cura a insanidade e doenças como males da bexiga. Outros defenderam que um diamante (recebido como um presente, não comprado) que ficasse em contato com a pele de seu dono seria um bom talismã. eu sempre li muito sobre significados de pedras preciosas, e cada vez me surpreendo mais com o que aprendo.

    O diamante é uma pedra super resistente

    Por sua resistência e dureza, sua pequena reatividade e sua capacidade de marcar outros minerais (riscando-os) sem por eles ser marcado, o diamante costuma servir como símbolo da bravura, da invencibilidade, do caráter e da fidelidade. Por causa de sua beleza e claridade, ele também é considerado um símbolo da inocência, da pureza. Não é à toa que o adjetivo “adamantino” (“aquilo que é como o diamante”) é usado para descrever algo que é valioso, puro ou perfeito.

    Curiosidade em relação ao diamante

    Uma curiosidade: diferente do que a maioria das pessoas pensa, a esmagadora maioria dos diamantes não é formada por carvão sob pressão. A origem mais comum deles é de rochas de carbonatos, sais inorgâicos do íon carbonato. A maior parte dos diamantes têm entre 1 bilhão e 3 bilhões de anos. Não é à toa que dizem que os diamantes são para sempre.

    Enfim, neste artigo falamos sobre o nome e o significado do diamante, o significado dele e das ideias que se desenvolveram sobre essa bela pedra preciosa. Esperamos ter tirado as dúvidas existentes sobre este interessante assunto e explicado de forma clara o que são diamantes, quais suas utilidades e por que razão eles são tão apreciados.

    Leia também:

    Investimentos Alternativos

    Geral

    Bitcoin não é uma moeda: Comprei um molho de tomate com bitcoin, e paguei R$ 26 de taxas

    21 de dezembro de 2017

    Livro – Crash!: Uma Breve História da Economia – Da Grécia Antiga ao Século XXI

    Hélder Rosalino, Administrador do banco central de Portugal, o Banco de Portugal (BdP), falou recentemente à publicação portuguesa ECO sobre bitcoin, criptomoedas, blockchain e Fintech em geral. Para Rosalino, é importante que as pessoas saibam que “uma criptomoeda não é uma moeda” para o banco central de Portugal.

    Para ele, uma moeda precisa tanto valor de reserva quanto a capacidade de ser usada como crédito. Por Rosalino, quando um banco central emite moeda, está criando um passivo no balanço que precisa ser pago. Ele afirmou:

    – Uma moeda, para ser classificada como tal, precisa de ter duas características fundamentais: A primeira é ter associada a si a ideia de reserva de valor, depois, sobre aquela moeda tem de haver um direito de crédito”, enfatiza Hélder Rosalino. Ou seja, “Quando um banco central cria uma moeda, cria um passivo no seu balanço que tem de ser pago. Se, um dia, todos fossem entregar essa moeda nos seus bancos e, depois, no banco central, ela teria de ser paga, e o passivo seria eliminado”.

    Leia mais a seguir:

    Bitcoin Não é uma Moeda, Diz Administrador do BC Português

    Outro caso bem curioso foi que a EXAME saiu às compras com bitcoins no bolso e descobriu que há mais entre uma transação e outra do que aproximar dois celulares. O Bitcoin foi projetado para facilitar as trocas entre duas pessoas, desta forma pagar algo com bitcoin não deveria ser mais difícil do que usar um cartão de crédito.

    As pessoas tendem a definir o bitcoin como uma moeda virtual, mas esse conceito é, de certa forma, disputado.

    Projetado para ser uma forma de dinheiro que facilitaria as trocas entre duas pessoas, pagar algo com bitcoin não deveria ser mais difícil do que usar um cartão de crédito.

    Com cem reais no bolso (mais ou menos), ou melhor dizendo na carteira, fui às ruas para tentar gastar 0,001592 bitcoins — que valiam exatos 93,43 reais na tarde de sexta-feira, 15 de dezembro — e tentar descobrir se é realmente fácil ( e barato) pagar com bitcoin.

    Para antecipar as conclusões: fácil até é; barato, de jeito nenhum. E essas questões são decisivas para entender o bitcoin, suas potencialidades, e seu futuro.

    Na teoria econômica são três as funções da moeda: unidade de contagem, reserva de valor e meio de pagamento.

    Sabemos que o bitcoin tem uma função como reserva de valor, afinal as pessoas investem nele, usam para fazer transferências internacionais, ou para carregar valores entre países.

    Mas o bitcoin não funciona como unidade de contagem, muito por causa da extrema volatilidade da moeda.

    Mas, afinal de contas, o bitcoin, que funciona para comprar uma série de coisas, de drogas no submundo da internet até apartamentos na empreiteira Tecnisa ou shows da dupla sertaneja João Bosco e Vinícius, é um bom meio de pagamento?

    Leia mais a seguir:

    Comprei um molho de tomate com bitcoin, e paguei R$ 26 de taxas

    Até mais.