‘Taxas’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: taxas

    Convidados

    Dicas para evitar armadilhas ao investir por meio de bancos

    24 de agosto de 2017

    Dicas para se planejar e ter as contas em dia

    O educador financeiro André Bona aponta quatro cuidados, bastante práticos, para ajudar esse investidor a evitar ciladas e tomar decisões corretas.

    Investimentos: o investimento ideal dependerá da realidade de vida de cada pessoa

    Para fazer o dinheiro render não basta buscar ajuda de uma corretora ou de um assessor financeiro.

    Na realidade é necessário ter muita atenção e tomar alguns cuidados ao investir por meio de bancos e corretoras de valores.

    “É preciso estar alerta para não cair em armadilhas que, em vez de levar o aplicador a obter a rentabilidade desejada, poderão fazer com que ele deixe de ganhar um rendimento maior, que seria possível em outro ativo, mais adequado ao seu perfil, ou até levar prejuízo, caso não entenda o funcionamento da aplicação realizada”, destaca Bona.

    O especialista aponta quatro cuidados, bastante práticos, para ajudar esse investidor a evitar ciladas e tomar decisões corretas para chegar ao melhor resultado em suas aplicações.

    Confira:

    1. Bancos e corretoras trabalham com comissões

    Lojas de departamentos, que trabalham com as mais variadas mercadorias, de roupas a eletrodomésticos, ganham com a lucratividade dos produtos e, dependendo da loja, os vendedores também podem ganhar comissões, que podem variar de acordo com o produto ou marca vendida ao consumidor.

    No mercado financeiro, a lógica é semelhante, embora nem sempre os investidores tenham noção disso.

    As instituições bancárias e corretoras vendem produtos, como CDBs, LCIs, LCAs, entre outros, e ganham comissões sobre a comercialização das aplicações, as quais geralmente são emitidas por bancos, no caso da renda fixa.

    Em princípio, não haveria problema nesse modelo de negócio. Mas é preciso estar alerta ao jogo de interesses que pode existir nas indicações para os clientes.

    Por exemplo, nem sempre a recomendação de compra do gerente do banco é a mais adequada para as necessidades do correntista, embora seja para o profissional, que ganha comissão ou cumpre a meta interna visando beneficiar a empresa.

    De forma semelhante, a atuação de uma corretora pode esconder interesses da própria entidade. Nesse caso, quando os analistas recomendam a compra de determinado ativo, pode ocorrer de receberem comissões sobre a venda de tal produto.

    Além disso, em eventuais ofertas de ‘taxas zero’, possivelmente estão embutidas comissões, logo, pode haver um desconto na rentabilidade sem que o cliente final tenha consciência dessa tática.

    Portanto, seja em bancos ou corretoras, o investidor deve estar atento para não assumir riscos desnecessários e não adquirir ativos que não trarão benefícios para ele.

    É importante perguntar, de forma clara e objetiva, para o gerente do banco ou assessor de investimento, de que forma e em qual percentual ele é remunerado sobre cada produto.

    2. Publicidade pode distorcer análises

    Um investimento novo, complexo, feito especialmente para os mais sofisticados, com promessa de uma grande rentabilidade, pode atrair investidores distraídos.

    Às vezes, os menos atentos ou gananciosos demais podem cair no chamado “canto da sereia”. Sem embasamento para tomar decisões e sem comparar os diferentes tipos de investimentos existentes no mercado, o investidor pode facilmente se deixar enganar por uma “embalagem” bem montada e, com isso, ter prejuízos financeiros.

    Na hora de elaborar uma carteira de ativos, é indispensável que o investidor leve em conta a razão e não a emoção.

    Por vezes, ao desejar demais determinado produto financeiro, a pessoa passa a enxergar somente os pontos que considera positivos da aplicação e, com isso, deixa de realizar um gerenciamento de risco eficiente.

    3. Cuidados ao investir sem educação financeira

    Quando se trata da gestão do dinheiro, qualquer erro pode representar prejuízos enormes. Ainda assim, não fazer nada, deixando, por exemplo, uma quantia parada na conta corrente, também pode levar a perdas devido à inflação.

    Uma saída para aumentar o patrimônio, sem deixar de lado os cuidados ao investir, é obter conhecimentos específicos por meio da educação financeira, fazendo cursos, participando de palestras e lendo notícias sobre o assunto.

    Com um nível satisfatório de conhecimento financeiro, o investidor entende, por exemplo, que não existe receita pronta quando se trata de recomendações de compra e de venda.

    Na verdade, o investimento ideal dependerá da realidade de vida de cada pessoa.

    Assim, o perfil de tolerância a risco do indivíduo, os objetivos e as necessidades dele é que irão determinar a escolha do melhor tipo de aplicação.

    4. Atenção aos mecanismos de proteção

    Bancos e corretoras são instituições passíveis de falência, portanto, é preciso ter alguns cuidados ao investir neles. Não adianta ter uma promessa de uma rentabilidade grandiosa se, na hora do resgate do valor aplicado, não houver dinheiro para sacar.

    Embora tanto os bancos como as corretoras estejam sob fiscalização de entidades governamentais, como o Banco Central do Brasil (BCB) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o próprio investidor deve ficar atento a mecanismos de proteção dos ativos.

    Quem aplica em instituições bancárias, por exemplo, pode contar com uma espécie de seguro, proporcionado pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

    Com esse fundo, há uma garantia de reembolso de até R$ 250 mil, por CPF, em caso de falência do banco. Já em relação às corretoras, o investidor deve ter cuidado para não deixar o dinheiro parado na conta existente nessa entidade — ela deve ser usada apenas para transações temporárias.

    É preciso estar consciente de que se a corretora vier a falir, mas o investidor já tiver comprado o ativo, as chances de conseguir o dinheiro de volta são maiores, dentro dos limites previamente estabelecidos para cada caso.

    Em uma situação assim, a pessoa só precisa transferir a custódia dos ativos para uma nova corretora.

    Contudo, se houver dinheiro parado em sua conta na corretora falida, há, sim, o risco de perda desses recursos.

    Parte importante dos rendimentos de uma aplicação não depende do banco ou da corretora, mas dos cuidados ao investir.

    Quando o investidor busca primeiro a educação financeira, para depois procurar investimentos que se encaixem na sua realidade e perfil, as chances de grandes retornos no longo prazo são maiores.

    Este conteúdo foi publicado originalmente no site da Arena do Pavini.

    Até o próximo post.

    Geral

    Tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro

    30 de setembro de 2016

    Existem diversas maneiras de economizar nas tarifas dos bancos e com isto evitar perder dinheiro com gastos desnecessários no dia a dia.

    Os bancos têm reajustado as taxas cobradas dos brasileiros bem acima da inflação, porém é verdade que as pessoas já possuem muitas opções para fugir de vários desses custos. Como tem ocorrido o aumento da inadimplência, os bancos brasileiros têm tentado compensar as perdas com os maus pagadores aumentando as tarifas cobradas de todos os clientes. Segundo o IBGE, as tarifas subiram em médias 11,5% nos 12 meses encerrados em julho, contra 8,7% da inflação oficial do país, medida pelo IPCA. Uma forma de o consumidor se defender é cortar algumas tarifas e taxas cobradas por alguns bancos, que, na verdade, não precisam ser pagas. Isso porque existem concorrentes desses grandes bancos que prestam o mesmo serviço com a mesma segurança, mas sem cobrar nada ou cobrando muito menos.

    Confira a abaixo alguns exemplos de tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro:

    – Taxa de custódia para Tesouro Direto:

    O Tesouro Direto tem se popularizado rapidamente no Brasil por ser um investimento que reúne elevada rentabilidade, menor risco do país e liquidez diária. Sobre a rentabilidade bruta do investimento, será necessário descontar a taxa cobrada pela BM&FBovespa (0,3%) e a taxa de custódia cobrada por algumas instituições. Os maiores bancos brasileiros cobram taxa de custódia de acordo com a tabela abaixo. Taxas do Tesouro Direto nos bancos:

    Uma taxa de 0,4% ou 0,5% ao ano pode parecer pequena, mas não é. Imagine que você vai investir R$ 100.000 no Tesouro Direto. Como no primeiro ano a taxa é cobrada no momento da compra do título, ao invés de aplicar R$ 100.000 você só vai comprar R$ 99.502,49 em títulos públicos. Na prática, você perdeu R$ 500 logo de cara.

    Acha pouco? Então vamos considerar que você comprou um título chamado Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035, que vai pagar juros médios de 12% ao ano pelos próximos 19 anos. Esses quase R$ 500 a mais que você vai economizar por ano capitalizados por essa taxa de juros vão resultar em R$ 35.349,30 a mais no seu bolso quando o título vencer.

    E aí, faz sentido jogar mais de R$ 35.000 fora? Porque saiba que você poderia ter economizado todo esse dinheiro. Hoje cinco corretoras isentam o investidor de taxa de custódia no Tesouro Direto: Clear, Easynvest, Modal, Tullett Prebon e XP Investimentos. Abrir conta nessas corretoras também é gratuito, logo, só paga isso quem gosta de rasgar dinheiro.

    E o melhor: várias corretoras também já isentam o investidor de taxa de custódia na compra de CDB, LCI e LCA. As corretoras XP, Rico, Órama, Modalmais, Geração Futuro, Easynvest e Clear não cobram essa taxa dos investidores. E CDB, LCI e LCA distribuídos pelas corretoras geralmente são extremamente mais rentáveis que as opções disponíveis nos bancos grandes.

    – Taxa de custódia da Bovespa

    Além das taxas do Tesouro Direto, quem investe em ações e opções pelo banco e pela maioria das corretoras também paga taxa de custódia mensal. Veja quanto cobram os grandes bancos pelo serviço. Taxa de custódia de ações nos bancos:
    Essa é outra taxa que só paga quem quer. A XP Investimentos e a Clear Corretora dão isenção de taxa de custódia para todos os clientes que possuem ações ou opções na carteira. Quem compra ações por essas corretoras só vai pagar taxa de corretagem e emolumentos à Bolsa – mas desses custos não há como fugir porque eles são cobrados por todas as instituições.

    – Tarifas de conta corrente:

    No primeiro semestre de 2016, as mensalidades dos pacotes de serviços de conta corrente subiram em média 12% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Banco Central. Há alguns anos BB e a Caixa cobravam menos que os bancos privados por esses serviços, mas agora praticamente já não há mais diferença para concorrentes como o Bradesco e o Itaú. O BB, por exemplo, elevou o valor de seu pacote mensal padrão em 24% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado, segundo estudo do JPMorgan. Já a Caixa fez um reajuste de 23%. A tabela abaixo mostra claramente a agressividade dos bancos públicos no reajuste. Aumento de tarifas de conta corrente:

    O custo médio das tarifas é de R$ 21,77 para pacote mensal de conta corrente, R$ 8,43 para DOC ou TED, R$ 2,26 para extrato e R$ 2,01 para saque, segundo o JPMorgan. As tarifas de conta corrente correspondem a 20% de toda as taxas cobradas pelos bancos brasileiros.

    A receita dos bancos com tarifas cresce fortemente todos os anos por causa do aumento do número de clientes, maior uso de serviços por esses clientes e maiores restrições para isenções de tarifas.

    Mas a verdade é que só paga tarifas bancárias quem quer. O Itaú e o Bradesco oferecem a conta digital, que é totalmente isenta de tarifas para pessoas físicas se você não usar serviços na agência nem emitir cheques. Então se você resolver todos os seus problemas pela internet, pelo telefone ou nos caixas eletrônicos, não pagará tarifas mensais, nem para fazer TED ou DOC, nem para consultar saldos e extratos, etc.

    – Taxa de administração dos fundos

    Os três maiores bancos brasileiros (Banco do Brasil, Itaú e Bradesco) controlam 55% do dinheiro investido em fundos no país. Quem investe nesses fundos geralmente paga taxa de administração e, em alguns casos, taxas de performance. A receita gerada por essas taxas é relevante para os bancos. Segundo um estudo do JPMorgan, no Banco do Brasil os fundos respondem por 17,6% de todas as tarifas cobradas. Já no Bradesco esse percentual é de 10,5%, enquanto no Itaú chega a 11,2%.

    A maior parte do dinheiro dos brasileiros está concentrada em fundos DI e de renda fixa. Segundo a Anbima (a associação de bancos e fundos de investimento), a taxa média cobrada nos fundos de renda fixa caiu de 1,36% ao ano em 2010 para 1,07% no ano passado.

    Mas há fundos especialmente caros. O Bradesco Referenciado DI Hiperfundo, por exemplo, cobra 3,9% de taxa de administração ao ano, tem um patrimônio de R$ 4,7 bilhões e atrai dezenas de milhares de clientes. O fundo sorteia prêmios aos cotistas, mas os que não têm a sorte de ganhar nada perdem muito dinheiro.

    Não há fundos de renda fixa sem taxas de administração, mas gestoras que não estão atreladas a grandes bancos costumam cobrar bem menos. Os clientes podem conseguir percentuais bem baixos, a partir de 0,15% ou 0,30% ao ano.

    Na XP Investimentos, por exemplo, é possível investir no fundo Sul América Exclusive FI Referenciado DI pagando uma taxa de administração de 0,15% ao ano – para aplicações iniciais a partir de R$ 50.000. Já se você só tem R$ 25.000 par investir, pode escolher o fundo BTG Pactual IPCA FI Renda Fixa, que cobra 0,25% ao ano. Enfim, só investe em fundo de renda fixa de grande banco quem gosta de queimar dinheiro.

    Vale lembrar que os fundos de renda fixa dos grandes bancos não possuem uma gestão muito ativa, ou seja, geralmente o gestor do fundo compra sempre a mesma cesta de papéis, independente do cenário econômico. Então não há grandes diferenças entre um fundo e outro – o que fará você ganhar mais ou menos dinheiro é a taxa que você consegue.

    Duvida? Então veja os resultados. O Bradesco Hiperfundo, que tem taxa de 3,9% ao ano, rendeu 9,75% nos últimos 12 meses. Já o fundo da SulAmérica rendeu 13,92%. Ou seja, se você tivesse migrado R$ 100.000 que estavam no Hiperfundo Bradesco para o produto da SulAmércia há 12 meses teria ganhando R$ 4.170 a mais até hoje. É caro participar desses sorteios do Bradesco, não é mesmo?

    – Anuidade do cartão de crédito:

    Outro custo que pesa no bolso de muita gente é a anuidade do cartão de crédito. Alguns cartões chegam a cobrar anuidades de R$ 1.200. É lógico que em troca de uma anuidade tão alta há alguns benefícios: programas de milhagem turbinados, acesso a salas VIP de aeroportos, seguros, etc. Mas a verdade é que se você não quiser pagar nada disso, não precisa.

    O Nubank é um cartão sem anuidade que atende muito bem quem tem uma renda não tão alta. O cartão é um Mastercard Gold com zero de anuidade e tarifas. Para contratá-lo, basta baixar o app do Nubank para iPhone e Android e fazer a requisição do cartão. O limite mensal de crédito pode ser alterado pelo próprio cliente no app. Um SMS informa o cliente a cada compra, o que aumenta a segurança. E o app tem uma planilha de controle financeiro acoplada.

    Os juros do crédito rotativo para quem parcelava o pagamento da fatura costumavam ser de 7,75% ao mês, mas, agora, alguns clientes pagam mais. O ponto fraco é que não há programas de fidelidade nem acúmulo de milhas. Mas para quem tem uma renda de até R$ 5.000 por mês e não gasta muito nem acumula muitas milhas, o cartão pode ser bem interessante. O único inconveniente é que há uma fila de interessados pelo cartão – e você pode ter de esperar um pouco para receber o seu.
    infomoney.com.br/blogs/investimentos/infomoney-recomenda/post/5596997/tarifas-bancarias-que-paga-quem-gosta-rasgar-dinheiro
    Criança rasgando dinheiro

    Leia também:

    Como economizar nas tarifas dos bancos

    Filmes

    Vídeo: Saiba os prós e os contra da restituição antecipada do IR

    4 de abril de 2013

    Ótimo vídeo exibido nos especiais de imposto de renda do JN(Jornal Nacional, Rede Globo) onde é mostrado de forma clara as vantagens e desvantagens de se antecipar a restituição via empréstimo nos bancos.

    O especialista explica que só vale a pena se a pessoa tiver uma dívida mais cara que queira trocar por uma mais barata que será esta antecipação da restituição do imposto de renda, o empréstimo.

    E não pode se esquecer do risco: pegou dinheiro emprestado do banco, vai ter que pagar. Se tiver algum “galho” no recebimento da restituição, não vir o valor total que esperava ou cair na malha fina, por exemplo, vai ter que começar a pagar o empréstimo de qualquer forma no prazo estipulado pelo banco e quanto mais demorar para pagar, mais juros ficará devendo.

    Assistam:
    http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-nacional/v/saiba-os-pros-e-os-contra-da-restituicao-antecipada-do-ir/2492870

    Até o próximo post.

    Geral

    Como economizar nas tarifas dos bancos

    3 de abril de 2013

    São dicas simples para evitar encargos que passam despercebidos na conta bancária ao longo dos anos.
    Prestar atenção às tarifas bancárias é um bom começo. Dito isto porque muitos correntistas e usuários de serviços financeiros no geral acabam ignorando os encargos debitados em suas contas, ainda que as cobranças sejam feitas de maneira indevida.

    Para se livrar de custos de TED, DOC, tarifa de manutenção de conta corrente, etc., pode-se abrir uma destas contas correntes operadas via internet ou caixa eletrônico sem pagar taxas, as famosas “icontas” (contas digitais). O banco Itáu tem este tipo de conta, assim como o Banco do Brasil, e não sei se todos grandes bancos também possuem. O Banco Sofisa tem esta modalidade de conta na internet, porém apenas para investimentos, o Sofisa Direto. Eu já usei/uso tanto os serviços gratuitos do Itaú, como do Sofisa e do Santander, também com interface na internet e nos caixas eletrônicos, cartão de crédito livre de taxas, contanto que gaste algum valor por mês, o Santander Free.

    Para corretora de valores é a mesma coisa, buscar aquela de menor custo e maior benefício. Nada de ficar pagando por serviços que você nem usa. No Brasil se cobra caro demais para se rotear uma simples ordem de compra ou venda para a bolsa de valores, um absurdo, aliás, neste país vários serviços e produtos estão mais caros do que em muito outros lugares do mundo.

    Recomenda-se fazer uma avaliação semestral ou anual dos serviços bancários e financeiros para pesquisar o melhor custo benefício para si próprio.

    Leia também:

    Como economizar com tarifas bancárias

    Até o próximo post.