‘Santander’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: santander

    Convidados

    7 lições de investimentos

    10 de outubro de 2017

    7 lições de investimentos do estrategista do Santander

    Uma das perguntas mais comuns quando alguém começa a investir é “qual é o melhor investimento?”. A resposta é a mesma para várias questões que envolve economia: “depende”. O melhor investimento para cada investidor depende das respostas para algumas perguntas, como quais são seus objetivos e o prazo para alcançá-los.
    Em uma das transmissões ao vivo no Facebook para a Semana Mundial do Investidor, que ocorreu entre 2 e 6 de outubro, Aquiles Mosca, presidente do Comitê de Educação de Investidores da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) e estrategista de investimentos pessoais do Santander, explicou o que você precisa saber antes de escolher onde colocar o seu dinheiro.

    Veja as sete dicas do especialista:

    1) Liste os objetivos para os seus investimentos

    Eles podem e devem ser múltiplos. Você pode querer trocar de carro, comprar um apartamento maior, criar uma reserva para seu filho estudar no exterior, ou se aposentar. Cada um desses objetivos terá um conjunto de investimentos para ajudá-lo a alcançar.

    2) Já sabe o que quer? É hora de escolher o “quando”

    É preciso definir o tempo que você tem para alcançar o objetivo. O carro novo pode ser para o fim do ano, o apartamento você comprará daqui a cinco anos, seu filho estudará fora só quando atingir a maioridade e ainda faltam 30 anos para a aposentadoria. Defina prazos para cada um dos objetivos.

    3) Entenda o quanto você suporta de risco

    Considere a sua tolerância a risco. Para buscar retornos maiores, é preciso trocar um pouco de segurança por algum risco. Você tem estômago para acompanhar as altas e baixas da bolsa de valores, por exemplo? O risco também se relaciona diretamente ao prazo. Se o horizonte for muito curto, não é recomendado incluir ativos de risco, com muita volatilidade, na carteira, pois eles trazem mais retorno no longo prazo.

    As respostas a essas três perguntas ajudam a definir quais são os melhores investimentos que levarão você a alcançar os objetivos traçados.

    4) Risco e retorno andam de mãos dadas

    Não dá para ter tudo. Segurança e previsibilidade estão necessariamente associados a retornos menores. Se você quiser mais rentabilidade, é preciso aprender a fazer essa troca: abrir mão de um pouquinho de previsibilidade, pelo menos para uma parte da carteira, para, no longo prazo, obter retornos melhores com opções mais arriscadas.

    5) É preciso ter disciplina e paciência com investimentos mais arriscados

    Não adianta ficar olhando todo dia a movimentação daqueles investimentos mais arriscados. Eles precisam de tempo para materializar o potencial de alta. Você pode se assustar com as baixas e ficar tentado a se desfazer da aplicação.

    Por isso, após definir os objetivos, o prazo e o apetite a risco, é importante traçar uma estratégia e se manter fiel a ela. Você pode, por exemplo, reservar uma parte do dinheiro para investimentos mais arriscados e outra parte para aplicações mais conservadoras.

    6) Se ações serão a sua escolha, dá para optar por uma corretora ou por fundos de ações

    Nessa hora, não tem certo e errado, mas sim o que é mais adequado para cada tipo de investidor. Se você não conhece o mercado de ações, os fundos de investimentos em ações podem ser uma boa opção. Neles, há um gestor profissional que toma decisões por você: quais as melhores ações, quais setores vale investir, qual o momento adequado para comprar e vender. Ele será remunerado por isso com a taxa de administração.

    Agora, se você é um investidor que quer ter as decisões de compra e venda nas mãos, as corretoras podem ser o melhor caminho. Elas disponibilizam relatórios, estudos e recomendações de compra e de venda e, com isso, exigem um grau de envolvimento maior.

    7) Investir em bitcoins é como investir em uma moeda, a exemplo de dólar ou libra

    Como toda moeda, o que define o valor dela é a demanda. No caso do bitcoin, as transações de compra e venda são pouco reguladas. Para investir, é importante entender os movimentos que estão por trás da demanda.

    Até mais.

    Geral

    Consumidores que não conseguem renegociar suas dívidas com os bancos

    1 de fevereiro de 2017

    Segundo estudo do site Idec 60,8% dos consumidores não tem conseguido renegociar suas dívidas com os bancos e tal pesquisa revela que 53,6% dos entrevistados já tentaram renegociar alguma dívida, porém deste total, apenas 39,2% conseguiram obter êxito na negociação.

    divida-bomba

    O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) fez a divulgação dos resultados da pesquisa sobre as experiências dos consumidores relativo à renegociação de dívidas e 60,8% dos consumidores não conseguem renegociar suas dívidas com os bancos.
    A pesquisa ainda revela que 53,6% dos entrevistados já tentaram renegociar algum débito, mas deste total, apenas 39,2% conseguiram. As principais dívidas que os bancos não renegociam, segundo a pesquisa são: transferência de débito para outra empresa com 29,1%, novo prazo para pagamento com 27,3% dívidas cujo pagamento ainda não está atrasado com 24,2%.

    As instituições foram questionadas sobre os resultados ruins, mas não responderam de forma direta, segundo a economista do Instituto e responsável pela pesquisa, Ione Amorim. “As respostas são genéricas e contrastam com o que dizem os consumidores”, diz.

    Em pesquisas anteriores, o Idec já havia notado o estímulo e a banalização da oferta de crédito por parte dos bancos. Neste cenário, em vez de solucionar o problema, geram um novo ciclo de inadimplência. “Os frequentes acordos firmados com repactuação e alongamento da dívida, se apresenta como a única alternativa oferecida pelas instituições para solucionar o problema do endividamento”, afirma a economista.

    Com relação às políticas para o combate ao superendividamento dos clientes, todos os bancos disseram que adotam essa prática. Mas o Idec constatou durante a pesquisa que 46% dos consumidores não tiveram nenhum tipo de orientação a respeito.

    Amorim aponta que faltam iniciativas neste sentido e também alternativas para a fase seguinte, no momento em que o endividamento já está consolidado. “Para o Idec, é imprescindível discutir o assunto e, inclusive, fomentar o debate sobre uma regulação que possibilite os consumidores formas mais eficientes para o tratamento de suas dívidas junto aos bancos”, finaliza.

    O levantamento realizado entre julho e setembro de 2016, contou com a participação de 1.815 internautas, e também mapeou os critérios dos bancos no tratamento dos clientes endividados. Foram consultadas as cinco instituições financeiras mais lembradas pelos consumidores como principais credores: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e Itaú.

    Até mais.

    Geral

    Gráficos explicam por que os bancos lucram tanto

    17 de agosto de 2016

    Se você está revoltado com os juros estratosféricos, confira estes dois gráficos do estudo abaixo que explicam por que os bancos lucram tanto:

    gráfico de concentração bancária - 1

    gráfico de concentração bancária - 2

    Fonte: Banco Central do Brasil.
    Dados disponíveis em:
    https://www3.bcb.gov.br/informes/relatorios.
    * Outros contabiliza a soma dos demais bancos.

    A concentração bancária tem seus danos e não adianta reclamar do spread!
    Das 1.012 instituições financeiras que declararam que tinham pelo menos R$1 real de depósitos em março/2016, os 10 primeiros da lista, ou 1% dos bancos têm 85,8% de todos os depósitos realizados! Só os quatro primeiros da lista: Banco do Brasil, Caixa, Itaú e Bradesco tem juntos 68,7% do total. Por isso, antes de reclamar do spread abusivo, reclame da concentração bancária. Os danos da falta de concorrência são conhecidos, e extremamente danosos à economia.

    Confira mais detalhes no artigo do Terraço Econômico:

    http://www.infomoney.com.br/blogs/economia-e-politica/terraco-economico/post/5446641/concentracao-bancaria-seus-danos-nao-reclame-spread

    Até mais.

    Geral

    Esse é o melhor momento para comprar Bolsa de Valores…

    10 de maio de 2016

    …Segundo o Santander. Para os analistas Milane e Peretti do banco, as ações no Brasil estão no melhor momento em relação aos quesitos nível de preço e múltiplos baratos, além de indicadores de confiança que chegaram aos respectivos pisos.

    Santander lista as 7 melhores ações e diz:

    Algo que todos os analistas costumam fazer é projetar fluxos no futuro. O retorno passado não é garantia do futuro, porém os gráficos apresentados em análise do Santander mostram um passado bem eloquente quando falamos de rupturas políticas e o fato é que a história muitas vezes se repete. Os analistas do banco basicamente exortam seus clientes a fugir do medo que acompanha situações de profundo tensionamento social como agora e a começar a comprar ações.

    Por que ir contra o mercado? O próprio Warren Buffet, citado no relatório, é um entusiasta das crises como oportunidades para fazer investimentos de maior risco, porém se isso não for o suficiente para convencer o investidor mais tímido, o gráfico acima mostra o que acontece com o Ibovespa, nosso principal benchmark de ações, em momentos como o que vivemos hoje. Basicamente, a Bolsa iniciou grandes e expressivos ciclos de alta em cada ruptura política como o golpe de 1964, a redemocratização de 1984 e o impeachment de Fernando Collor.

    Ao olhar para um horizonte temporal mais longo, também é impressionante como aumenta o ritmo de crescimento da atividade econômica brasileira a cada grande crise política. Isto vem desde os tempos da República do Café-com-Leite, ou seja, antes da Revolução de 1930, que colocou Getúlio Vargas no poder.

    Veja todas as ações indicadas com suas respectivas análises no link a seguir:

    Santander lista as 7 melhores ações e diz: “esse é o melhor momento para comprar Bolsa”

    Cabe salientar que o investidor deve ser capaz de montar a própria estratégia, avaliar os riscos das indicações e verificar se vale ou não a pena o investimento.

    Até mais.

    Geral

    Os melhores cartões de crédito para acumular milhas

    26 de fevereiro de 2016

    Fique sabendo quais são os melhores e os piores cartões de crédito para acumular pontos e emitir passagens com milhas aéreas segundo um levantamento da associação de consumidores Proteste, que foi feito a pedido de Exame.

    A lista contempla 63 produtos oferecidos por 7 bancos: Itaú, Banco do Brasil, Bradesco, Santander, HSBC, Caixa e Citi:

    Cartões de crédito e viagem

    Não deixe de conferir também:

    Melhores Cartões de Crédito para acumular milhas e viajar

    Programas de milhas: vale a pena participar?

    Geral

    Exame: Quando vale a pena abandonar seu plano de previdência

    6 de setembro de 2013

    Ótimo artigo para que você saiba como avaliar se você pode ganhar mais ao sair do seu plano de previdência.
    Vale a pena conferir na Exame:
    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/aposentadoria/noticias/quando-vale-a-pena-abandonar-seu-plano-de-previdencia
    moedas

    Sucesso na decisão de cada um.

    Leia também:

     

    Até o próximo post.

    Filmes

    Money as Debit(Dinheiro como Dívida)

    24 de julho de 2013

    Excelente vídeo, vale muito a pena conferir!
    Se trata de um interessante vídeo didático sobre a origem do dinheiro.
    Assista e entenda como funciona o dinheiro, os bancos, empréstimos, crises e crédito:

    Até o próximo post.

    Geral

    Previdência privada vale a pena?

    2 de maio de 2013

    O cidadão que pensa investir em um plano de previdência privada para garantir uma aposentadoria tranquila, já deve ter ouvido falar de duas siglas bastante comuns: PGBL e VGBL.
    PGBL quer dizer Plano Gerador de Benefício Livre e VGBL significa Vida Gerador de Benefício Livre. Ambos são planos previdenciários que permitem que você acumule recursos por um prazo contratado, sendo que neste período, o dinheiro depositado vai sendo investido e rentabilizado pela seguradora que você escolheu.
    Em ambos planos o contratante passa por duas fases:
    – Período de investimento: ocorre quando estamos trabalhando e/ou gerando renda. Esta é a fase onde se forma o patrimônio.
    – Período de benefício: ocorre a partir da idade que você escolhe para começar a desfrutar do dinheiro acumulado durante anos de trabalho. A maneira de recebimento dos recursos você escolherá, sendo possível resgatar o patrimônio acumulado e/ou contratar um tipo de benefício (renda) para começar a receber mensalmente da empresa seguradora.

    Deve-se ressaltar que tanto o período de investimento como o período de benefício não precisam ser contratados com a mesma seguradora. Assim, uma vez encerrado o período de investimento, o participante fica livre pra contratar uma renda na instituição que tiver escolhido.

    A diferença principal entre PGBL e VGBL está na tributação. No PGBL você pode deduzir o valor de suas contribuições da sua base de cálculo do IR(Imposto de Renda) , com limite de 12% de sua renda bruta anual.
    Desta forma você poderá reduzir o valor do imposto a pagar ou aumentar sua restituição de IR. Fazendo uma suposição de que um contribuinte tenha um rendimento anual bruto no valor de R$ 100 mil, no PGBL, ele poderá declarar no imposto de renda R$ 88 mil.
    O imposto restante sobre os R$ 12 mil aplicados em PGBL só será pago no resgate deste dinheiro, porém preste atenção no fato de que este benefício fiscal só é vantajoso para quem faz a declaração do IR completa e são tributados na fonte.
    Aos que fazem declaração simplicada ou não é tributado na fonte, como autônomos, o VGBL parece ser o mais viável, pois este plano é indicado para quem pretende diversificar os investimentos ou quem pensa em aplicar mais de 12% de sua renda bruta em previdência.
    O motivo é que num VGBL, a tributação acontece apenas sobre o ganho de capital.

    Baseada no que pesquisei até hoje em alguns bancos, sites, revistas, etc., julgo pessoalmente não valer a pena investir em previdência privada. Exceto no caso em que a empresa para qual se trabalhe pague pelo menos uns 50% da previdência privada, fora isto, o IR e as taxas tornam este investimento inviável. Prefiro até poupança à previdência privada. Pior mesmo só título de capitalização.
    assobio

    Enfim, o investidor deverá fazer as próprias contas, pesquisas e tirar as conclusões sobre a viabilidade da previdência privada para si. Também é recomendado pesquisar, estudar e simular antes de fazer a diversificação de investimentos por conta própria para alcançar a tão sonhada tranquilidade na aposentadoria/independência financeira, claro, sem esquecer para quem é beneficiário, que a Previdência Pública não deve ser descartada, jamais!

    Sucesso na decisão de cada um.

    previdencia-social-x-previdencia-privada

    Leia também:

     

    Até o próximo post.

    Geral

    Vale a pena investir em IPO(Initial Public Offering)?

    11 de abril de 2013

    Um IPO (sigla em inglês que significa Oferta Publica de Ações) nada mais é do que a primeira oferta de ações realizada por uma empresa que está abrindo o capital na bolsa de valores. As empresas que entram na bolsa geralmente são desconhecidas do grande público. Elas realizam a abertura de capital para conseguir mais dinheiro para investir no seu negócio.

    O mega investidor brasileiro, o bilionário Lirio Parisotto, diz em seu primeiro mandamento dos já famosos 10 mandamentos: “Não perca tempo com Ofertas Publicas de Ações”. Este é um conselho na minha visão muito importante. No transcorrer deste post vamos tentar explicar um pouco mais sobre o que são os IPOs e porque deve-se ter atenção redobrada ao investir neles.

    A conta é difícil de fechar no IPO, uma vez que quando é bom para o acionista é ruim para o controlador e vice-versa. O acionista quer pagar o menor preço possível pela maior fatia possível da empresa. O controlador quer vender pelo maior preço possível a menor fatia possível da empresa. É como se fosse um cabo de guerra onde para que um lado ganhe não poderá haver equilíbrio.
    Geralmente é mais fácil o controlador vender uma fatia da sua empresa em momentos de euforia do mercado, pois os investidores ficam menos aversos ao risco e avaliam de forma mais superficial os ativos onde alocarão capital. Neste caso acabam pagando mais por menos. Em momento de pânico do mercado, falta de interesse do mercado por bolsa de valores, etc., os controladores tem maior dificuldade em precificar o valor dos ativos a serem vendidos em ofertas primárias, pois a aversão ao risco é maior e os investidores são mais criteriosos para alocar capital.

    IPO, como qualquer investimento na bolsa de valores e na renda variável, trata-se de uma operação de risco, pois como a empresa está estreando na bolsa muitas dúvidas pairam no ar. Assim sendo os IPOs no geral são operações de alto risco. Este grande risco está ligado principalmente ao preço no qual as ações estão sendo ofertadas inicialmente. O preço inicial é conseguido através de um estudo realizado pelo banco (ou bancos) contratado(s) para organizar a oferta pública de ações. Após diversos estudos, chega-se a um preço que teoricamente representa o valor ideal do papel numa operação conhecida como bookbulding.

    É na precificação que mora o maior perigo de entrar no IPO, pois ele pode sair bem caro.
    Um caso onde o IPO saiu bem caro foi o do Facebook que foi altamente coberto pela mídia e ficou com ativo bem alto na precificação. Algum tempo após este IPO, as ações do Facebook caíram sem parar, tendo uma grande desvalorização e grande pressão sobre os controladores por parte dos novos acionistas que entraram nesta oferta inicial.
    Quem não entrou nesta oferta apenas para especular fazendo flipping ou flipagem(aportuguesado, que nada mais é do que fazer a reserva para o IPO e vender na estreia dos papéis na bolsa de valores) se deu muito mal!
    É algo bem complicado para o investidor alocar capital em um ativo ainda sem história na bolsa de valores.

    A verdade é que o investidor que compra ações em IPO ajuda a patrocinar esta operação e corre sérios riscos. Lógico que nem todos os IPOs dão errado. A empresa Arezzo teve suas ações lançadas em 2011 se valorizaram cerca de 30% até abril de 2012.
    E existem outros casos de insucesso e sucesso de IPOs tanto no Brasil como em outros países mundo afora.

    É possível ganhar dinheiro e até ficar rico com IPO, desde que se escolha a ação fazendo a correta mensuração de risco decidindo-se por uma estratégia de especulação ou investimento. E tomar muito cuidado com alavancagem, ou seja, entrar em um IPO fazendo reserva com um valor muito além daquilo que você realmente dispõe líquido para alocar na operação. Sabe-se que não é nada fácil mensuar o risco de uma ação que esteja estreiando na bolsa. Impossível não, mas como foi descrito acima, no geral temos uma empresa desconhecida com um futuro não previsível. Sendo assim nos IPOs você tem uma grande chance ganhar muito dinheiro assim como de perder tudo que alocou na aplicação. Se tiver dúvida, não exite, fique de fora da oferta inicial, assim como de todo e qualquer investimento.
    Investir e/ou especular em empresas com histórico de resultados e com o preço justo teoricamente determinado pelo mercado costuma ser mais seguro do que entrar na loteria das ofertas públicas de ações.

    Procure ter a maior segurança possível nas suas decisões de investimento por que no final das contas o responsável pelo seu êxito será você mesmo.
    Sucesso nas suas escolhas.

    Até o próximo post.

    Geral

    Como economizar nas tarifas dos bancos

    3 de abril de 2013

    São dicas simples para evitar encargos que passam despercebidos na conta bancária ao longo dos anos.
    Prestar atenção às tarifas bancárias é um bom começo. Dito isto porque muitos correntistas e usuários de serviços financeiros no geral acabam ignorando os encargos debitados em suas contas, ainda que as cobranças sejam feitas de maneira indevida.

    Para se livrar de custos de TED, DOC, tarifa de manutenção de conta corrente, etc., pode-se abrir uma destas contas correntes operadas via internet ou caixa eletrônico sem pagar taxas, as famosas “icontas” (contas digitais). O banco Itáu tem este tipo de conta, assim como o Banco do Brasil, e não sei se todos grandes bancos também possuem. O Banco Sofisa tem esta modalidade de conta na internet, porém apenas para investimentos, o Sofisa Direto. Eu já usei/uso tanto os serviços gratuitos do Itaú, como do Sofisa e do Santander, também com interface na internet e nos caixas eletrônicos, cartão de crédito livre de taxas, contanto que gaste algum valor por mês, o Santander Free.

    Para corretora de valores é a mesma coisa, buscar aquela de menor custo e maior benefício. Nada de ficar pagando por serviços que você nem usa. No Brasil se cobra caro demais para se rotear uma simples ordem de compra ou venda para a bolsa de valores, um absurdo, aliás, neste país vários serviços e produtos estão mais caros do que em muito outros lugares do mundo.

    Recomenda-se fazer uma avaliação semestral ou anual dos serviços bancários e financeiros para pesquisar o melhor custo benefício para si próprio.

    Leia também:

    Como economizar com tarifas bancárias

    Até o próximo post.