‘REAL’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: REAL

    Convidados

    6 pontos para entender como funciona a cotação do dólar

    26 de outubro de 2018

    Pontos para entender como funciona a cotação do dólar
    Entender as causas da oscilação da moeda é mais fácil do que você imagina

    Quem acompanha, ainda que pouco, as notícias do Brasil e do mundo, sabe que o dólar ora está com o preço lá em cima, ora com o preço lá embaixo.

    Mas, o que provoca essas oscilações da moeda? É sobre isso que trata este artigo. Se você quer entender um pouco mais sobre o assunto, continue lendo.

    1. Como funciona o mercado de câmbio

    Antes de mais nada é preciso entender o que a taxa de câmbio significa. Existe uma definição que diz “Câmbio é a referência em valor da moeda nacional com relação à moeda estrangeira”.

    Ou seja, quando a moeda estrangeira utilizada como referência, no caso o dólar, sobe, significa que a moeda nacional, o real, perdeu valor em relação ao dólar. E na situação inversa é a mesma coisa, quando a taxa do dólar cai, significa que o real ganhou valor em relação ao dólar.

    A taxa de câmbio é alterada diariamente de acordo com várias questões, incluindo a situação econômica de cada país. Exemplo disso é o período eleitoral. Aqui no Brasil é de praxe que durante as eleições o real ganhe e perca valor do dia para noite como resposta às pesquisas eleitorais.

    2. Dólar comercial

    Quando falamos em dólar é preciso primeiro explicar qual das duas cotações está sendo mencionada. São elas: dólar comercial e dólar turismo, classificadas de acordo com a natureza da operação em que estão envolvidas.

    O dólar comercial representa a cotação utilizada exclusivamente em operações na Bolsa de Valores e transações feitas no exterior entre empresas e pelo governo. Aqui a taxa tende a ser mais barata devido ao alto da valor das operações nas quais está envolvido.

    3. Dólar turismo

    É a cotação que rege as transações feitas em viagens no exterior, e também no pagamento da fatura do cartão de crédito utilizado para as comprinhas fora do país.

    Geralmente você pode escolher entre pagar com a cotação do dia da compra ou de acordo com a taxa de câmbio vigente na data de fechamento da fatura, basta verificar a possibilidade na operadora do seu cartão.

    Não pense que ao ver na TV que a cotação do dólar caiu e que por isso você vai economizar enquanto estiver tirando férias em Orlando. A cotação anunciada nos veículos de comunicação diz respeito ao dólar comercial, na maioria das vezes.

    Fique de olho antes de tirar conclusões precipitadas!

    4. O que provoca a queda do dólar?

    Em linhas gerais, quanto maior a disponibilidade do dólar no Brasil, ou seja, quanto maior a sua oferta por aqui, menor será a sua cotação. Para ilustrar isso, pense em uma loja de roupas.

    No inverno, a busca por biquínis e roupas de verão cai, certo? O estoque da loja fica com muita peça em estoque devido a baixa demanda. Ou seja, há muita disponibilidade e pouca procura, o que leva a queda no preço desses produtos.

    Com o dólar funciona basicamente da mesma forma. Quanto mais o Brasil exporta seus produtos para países estrangeiros, maior a entrada de dólares em território nacional, o que provoca a queda na demanda e na cotação da moeda em relação ao real.

    5. O que provoca o aumento do dólar?

    Em contrapartida, quando a circulação do dólar diminui no país, maior a demanda pela moeda. Quanto maior a demanda, maior será a sua taxa cambial em relação à moeda brasileira que, nesse caso, perde o seu valor.

    Ainda usando o exemplo da loja de roupas, a busca por casacos e blusas de frio aumenta no inverno, certo? Portanto, o estoque da loja tende a sofrer redução, diminuindo a disponibilidade. Ou seja, a oferta de casacos e blusas de frio na loja também cai, o que leva ao aumento de preço.

    Quanto maior o número de importações feitas pelo Brasil, maior também a demanda de dólares para pagar essas transações. Isso é chamado de déficit comercial e é uma das causas de aumento do dólar em relação ao real.

    6. Risco país

    Como o próprio termo sugere, o Risco País é um índice que classifica a estabilidade econômica das nações. Quanto mais instável um país está, maior o risco que esse Estado oferece a aqueles que investem dinheiro por lá. Isso, é claro, afasta investidores.

    O contrário funciona da mesma forma, quanto maior a estabilidade e solidez oferecida por determinado país, mais ele atrai investidores.

    Essas duas situações também são causa de aumento e diminuição do dólar. Pois, como dito, a oscilação da moeda acontece de acordo com a relação oferta e demanda. Portanto, quanto mais investidores apostando no país, maior a disponibilidade da moeda em território nacional.

    Do contrário, quanto maior o risco oferecido pelo país, menos dólar circulando no país e, com isso, mais alta a taxa de câmbio da moeda em relação ao real.

    A dica para você que tem interesse no assunto é: não deixe de comprar dólar durante a baixa, ainda que de forma fracionada. Gente que fica sempre a espera da cotação perfeita acaba perdendo boas oportunidades de fazer o dinheiro render.

    Geral

    Michel fortalece o Real: Dólar desaba e fecha em R$3,36, menor nível em quase 1 ano

    8 de junho de 2016

    Além do interino ser muito mais político e competente do que a deposta, parece que o mesmo também tem sorte, forte característica daquele que se dizia o cara.

    Hoje o dólar despencou mais de mais de 2% e encerrou o dia abaixo de R$ 3,40 pela primeira vez em quase um ano nesta quarta-feira. A moeda americana recuou 2,29%, a R$ 3,3697 na venda, menor nível de fechamento desde 29 de julho de 2015 (R$ 3,3293) e acumula queda de 6,72 em junho/2016. Este ano o dólar já perdeu 14,65 por cento.

    O dólar futuro cedia cerca de 2,15% no fim da tarde.

    Dólar desaba e fecha em R$3,36, menor nível em quase 1 ano
    exame.abril.com.br/mercados/noticias/dolar-desaba-e-fecha-em-r-3-36-menor-nivel-em-quase-1-ano

    Até o próximo post.

    Geral

    Plano real 20 anos: Renda Fixa bate Bolsa de Valores por longa margem

    30 de junho de 2014

    O Plano Real posto em prática pelo ex-presidente FHC, o qual controlou a hiperinflação do nosso país, completa 20 anos nesta segunda-feira (30/06/2014). É bem interessante o fato de que entre 30 de junho de 1994 e 26 de junho de 2014 o CDI valorizou 631,7%, enquanto o Ibovespa rendeu 221,11%. A Economatica fez o cálculo do retorno das principais aplicações ajustadas pela inflação medida pelo IPCA até 31 de maio de 2014 e de acordo com estes cálculos, a renda fixa rendeu quase o triplo do que o mercado de renda variável. Ao passo que a poupança deu de retorno 103,2% e o ouro 69,03%. O Dólar Ptax Venda foi a única aplicação que deu um retorno real negativo nos últimos 20 anos ao desvalorizar 51,97%.

    A Selic ficou muito alta nos primeiros anos de Plano Real, fato que acabou tornando a renda fica imbatível. Provavelmente isto não deverá se repetir nos próximos 20 anos apesar de todos os problemas com o atual governo, atualmente temos uma economia estabilizada e um risco país muito menor do que na época de lançamento do plano salvador da economia brasileira.

    Veja também:

    Até o próximo post.