‘Proventos’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: proventos

    Geral

    Mais dividendos em 2016

    30 de janeiro de 2016

    Conforme um estudo que foi publicado recentemente no portal Exame, o investidor pode conferir algumas estimativas de empresas que devem pagar bons dividendos neste novo ano de recessão brasileira.

    Não custa nada conferir a lista. Segue abaixo:

    Banco do Brasil

    – Banco do Brasil (BBAS3);
    – Petrobras (PETR4);
    – Vale (VALE5);
    – Gerdau Metalúrgica (GOAU4);
    – Bradespar (BRAP4);
    – Eletrobras (ELET3);
    – Mills (MILS3);
    – Banco Banrisul (BRSR6);
    – Alupar (ALUP11);
    – Taesa (TAEE11);
    – Cesp (CESP6);
    – Direcional (DIRR3);
    – Eletrobras (ELET6);
    – Cemig (CMIG4);
    – AES Tietê (GETI4);
    – CSN (CSNA3);
    – Via Varejo (VVAR11);
    – Ecorodovias (ECOR3);
    – Vale (VALE3);
    – Copel (CPLE6);

    Leia mais:

    As ações que vão pagar mais dividendos em 2016
    As maiores fatias do bolo

    Até mais.

    Geral

    Petrobras pagará proventos em 2015?

    12 de maio de 2015

    As ações preferencias, aquelas que não tem direito a voto, PETR4, terão o provento mínimo obrigatório, para que com isto os acionistas não tenham direito a voto?
    O governo não está “cutucando onça com vara curta”?

    Confiram a matéria a seguir:

     

    9/05/15 – 13h00
    Sem pagamento de dividendos, União arrisca perder controle de voto na Petrobras
    No entendimento de advogados e de um jurista o direito das ações preferenciais passarem a ter os direitos das ordinárias sem o pagamento de dividendos é imediato no caso da Petrobras

    SÃO PAULO – A decisão da Petrobras (PETR3;PETR4) de não declarar dividendos sobre o exercício de 2014 aos acionistas detentores de ações preferenciais pode colocar em risco o controle de voto da União na estatal.

    Em abril, quando divulgou com meses de atraso seu balanço auditado do ano passado com prejuízo de 21,6 bilhões de reais, a Petrobras informou que não pagaria dividendos para preservar o caixa, apesar de ter cerca de 100 bilhões de reais em reservas de lucro.

    A Lei das Sociedades por Ações (Lei 6004/76) diz, em seu parágrafo 1º do artigo 111, que “as ações preferenciais sem direito de voto adquirirão o exercício desse direito se a companhia, pelo prazo previsto no estatuto, não superior a três exercícios consecutivos, deixar de pagar os dividendos fixos ou mínimos a que fizerem jus”. Esse direito, segundo a lei, será mantido “até o pagamento, se tais dividendos não forem cumulativos, ou até que sejam pagos os cumulativos em atraso.”

    No entendimento de advogados e de um jurista consultados pela Reuters, no caso do estatuto da empresa não especificar o prazo, como é o caso da Petrobras, esse direito seria imediato.

    “O entendimento que prevalece é o de que, nesses casos, a aquisição do direito de voto é imediata”, afirmou à Reuters o advogado Joaquim Simões Barbosa, sócio do escritório Lobo & Ibeas Advogados, à Reuters na sexta-feira.

    A Petrobras informa em seu estatuto social apenas que as ações preferenciais terão prioridade no caso de reembolso do capital e no recebimento dos dividendos, no mínimo, de 5 por cento calculado sobre a parte do capital representada por essa espécie de ações, ou de 3 por cento do valor do patrimônio líquido da ação, prevalecendo sempre o maior (http://bit.ly/1F4IFLG).

    Procurada, a Comissão de Valores Mobiliários disse que acompanha e analisa as informações envolvendo companhias abertas, mas “não comenta casos específicos em andamento, inclusive para não afetar negativamente trabalho de análise ou apuração que entenda cabíveis”.

    “A empresa não pagar o dividendo é direito dela, mas o custo disso é o direito de voto para as PNs”, reforçou o gestor de um fundo no Rio de Janeiro, que pediu para não ter o nome citado.

    De acordo com dados disponíveis no site da BM&FBovespa sobre a composição do capital da Petrobras, se todas as ações preferenciais não pertencentes à União ou a entes ligados ao governo federal como BNDES, BNDES Participações e Previ ganhassem direito a voto, o percentual alcançaria 51,23 por cento, deixando na mão desse grupo a maioria dos votos em assembleias da companhia.

    Procurada, a assessoria de imprensa da Petrobras disse que não comentaria o tema.

    Mas uma fonte próxima à empresa consultada pela Reuters disse que não há o menor risco de os preferencialistas adquirirem direito de voto.

    “O não pagamento de dividendos foi algo totalmente atípico e que não há a menor perspectiva de voltar a se repetir”, disse a fonte que pediu anonimato, argumentando que esse direito só ocorreria se a empresa apresentasse resultados consecutivos negativos por três anos.

    “E isso não tem chance nenhuma de se repetir”, disse a fonte, afirmando que o balanço do primeiro trimestre previsto para o próximo dia 15 será “superavitário” e a Petrobras vai voltar à rotina de pagamentos de dividendos normalmente. “Aí cai por terra a tese e o prognóstico de quem diz que (preferencialista) poderia requerer direito a voto.”

    Barbosa, contudo, compara a situação da Petrobras à da Eletrobras, que concedeu em abril direito de voto aos detentores de preferenciais nas próximas assembleias de acionistas, até que consiga retomar o pagamento de dividendo mínimo prioritário.

    “Ainda que possa existir uma corrente minoritária que diga diferente, a CVM já se posicionou, o próprio governo se posicionou no caso da Eletrobras…não há dúvida de que as ações PN devem ganhar direito de voto”, reforçou o advogado.

    A assembleia de acionistas da Petrobras para votar o balanço de 2014 e o não pagamento de dividendos referentes ao ano passado está marcada para o próximo dia 25 deste mês. Após a ratificação em assembleia do não pagamento de dividendos, os preferencialistas poderiam requerer poder de voto, segundo entendimento do advogado.

    Em nota a clientes, comentando o esclarecimento da estatal do segmento de energia elétrica, o UBS destacou que os estatutos da Petrobras e da Eletrobras parecem bastante similares, e questionou se a Petrobras também dará direito aos preferencialistas à exemplo da Eletrobras, que pagou dividendo abaixo do mínimo.

    “Nós gostaríamos de saber se investidores acionistas das preferenciais da Petrobras também podem obter direitos de voto nas próximas reuniões dada a decisão da direção da Petrobras de não pagar seu dividendo mínimo prioritário devido a perdas contábeis e apesar das elevadas reservas de lucros”, escreveu o UBS.

    No caso da Eletrobras, contudo, a União (incluindo outras instituições controladas pela mesma) não corre o risco de perder o controle, uma vez que ainda teria 66,57 por cento do direito de voto.
    sede da petrobras
    m.infomoney.com.br/petrobras/noticia/4032253/sem-pagamento-dividendos-uniao-arrisca-perder-controle-voto-petrobras

    Vamos ver quem ganha esta queda de braços: o governo ou o mercado?
    Façam as suas apostas.

    Até mais.

    Geral

    Luiz Barsi errou ao investir na Forja Taurus?

    8 de maio de 2015

    Será que foi um erro de percurso?

    Segue direto do túnel do tempo:

    Bilionário da Bolsa aproveita queda de Forjas Taurus para comprar mais ações
    Luiz Barsi, que tem mais de R$ 1 bilhão na Bovespa,
    mostrou que segue à risca sua “receita de sucesso” na Bolsa: comprar mais quando o mercado cai; somente hoje, as ações da Forjas Taurus caem mais de 12%
    13h10 | 31-03-2014
    logotipo da forja taurus
    SÃO PAULO – Luiz Barsi Filho, um dos maiores investidores pessoa física da Bovespa e é listado em 120° lugar no ranking de bilionários da revista Forbes em 2013, mostrou que segue à risca sua “receita de sucesso” na Bolsa: comprar mais quando o mercado cai. Em fevereiro, o investidor conhecido por fazer fortuna no mercado de ações, reforçou sua carteira com Forjas Taurus (FJTA4) e comprou mais ações, anunciando que o papel poderia ser próxima bola da vez. Hoje, as ações caem mais de 12%, sendo cotadas a R$ 1,49, depois de divulgar um prejuízo consolidado de R$ 70,2 milhões no quarto trimestre. Barsi, que já possuía posição relevante naquela época, disse que adquiriu ainda mais ações neste pregão, aproveitando a queda do papel.

    “Continuo comprando ações da Forjas Taurus. Ainda hoje comprei um bom lote já que o papel caiu. E como é sabido, eu compro exatamente quando uma ação cai”, disse Barsi via email ao InfoMoney.
    Segundo ele, o prejuízo divulgado pela empresa já era esperado, pois os acertos ajustados nos exercícios de 2012 e 2013 buscaram eliminar todos os esqueletos que a empresa possuía em sua estrutura econômica financeira. Para Barsi, após a divulgação desses resultados, a estrutura operacional, administrativa, econômica e financeira da empresa devem caminhar sob um ótica mais autentica e transparente.

    Além disso, a teleconferência deve esclarecer pontos positivos que podem ocorrer daqui para frente e isso deverá fazer com que o papel volte a ser alvo de compradores, o que pode reconduzir a sua cotação a uma posição de valorização, complementou.

    A Forjas Taurus viu sua receita líquida cair 20,4% entre outubro e dezembro, para R$ 156,1 milhões enquanto que, no ano, houve aumento de 15,2% da receita, para R$ 807,3 milhões. O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado no trimestre foi negativo em R$ 12,6 milhões, revertendo assim um Ebitda positivo de R$ 11,6 milhões no quarto trimestre de 2012. Em 2013, o Ebitda atingiu R$ 100 milhões.
    Por que Barsi acredita na alta de Forjas Taurus?

    Em fevereiro, Barsi citava sete fatores que poderiam beneficiar os papéis. Para ele, a ação poderia ser capaz de ter seu preço elevado dos R$ 1,65, logo que começasse a apresentar os resultados da sua reestruturação.
    Ele citava ainda o atual desconto do papel, que é negociado abaixo do seu valor patrimonial: a relação preço da ação pelo patrimônio da empresa está em 0,72 vezes, “bastante atrativo para uma empresa que distribui dividendos regulares”. O investidor disse ainda que “com a saída de seu principal acionista da diretoria, é de se esperar que o fluxo de dividendos possa apresentar um intervalo menor entre as distribuições”.
    infomoney.com.br/forjastaurus/noticia/3264003/bilionario-bolsa-aproveita-queda-forjas-taurus-para-comprar-mais-acoes

    A última dica dele que saiu no Infomoney foi de Cemig. Alguém seguiu esta dica também?
    No final das contas, os gurus também erram? Você segue os gurus, mas com STOP LOSS ligado?
    Aliás, quanto tempo é necessário na bolsa brasileira para mensurar um erro, dado que não somos um país de primeiro mundo e nem temos bolsas do porte de EUA, Europa e Japão?
    Conta aqui no defensor a sua estratégia em investimentos de alto risco, como a bolsa de valores.

    Leia também:

    Um dos maiores investidores da Bovespa, Luiz Barsi volta a apostar na Cemig
    http://www.infomoney.com.br/blogs/infomoney-recomenda/post/3981485/dos-maiores-investidores-bovespa-luiz-barsi-volta-apostar-cemig

    Até o próximo post.

    Geral

    Faltou energia: Obrigado Eletropaulo !

    16 de fevereiro de 2014

    A Eletropaulo que um dia já foi a queridinha de dividendos da bolsa de valores brasileira, caiu 50% em 2013, sendo que possui dívidas elevadas e pressões da Justiça e da Aneel. A empresa paulista de energia passou a ser um dos patinhos feios do setor elétrico.

    Vejam este dado de alguns anos atrás:

    – DY: 23,6% – Depois da Eletropaulo, a segunda colocada no quesito dividendos atualmente (20/09/2011) é a Light (LIGT3) com DY de 13,51%.
    Fonte: http://www.ricoporacaso.com/2011/09/analise-eletropaulo-elpl4.html
    DY = Dividend Yield, que nada mais é do que o dividendo pago por ação dividido pelo preço da ação. É o rendimento gerado para o dono da ação pelo pagamento de dividendos.

    Um ponto muito fora da curva foi no passado, distribuiu proventos demais, fato que beneficiou apenas os acionistas, principalmente os grandes, em detrimento das cidades do estado de São Paulo que careceram e carecem ainda de muito investimento na área de energia elétrica nas regiões exploradas pela Eletropaulo.

    As gestões do estado de São Paulo, assim como da cidade de São Paulo, uma das cidades que mais consomem energia elétrica no país, pouco fizeram para melhorar este setor durante estes 20 anos que se passaram desde as privatizações(concessões, nome bonitinho que os “socialistas” gostam de usar) começaram.

    Dado este monte de coisas, após mais um dia de blackout em São Paulo/SP, fiação maioria ainda não foi enterrada, embora devessem devido ao contrato feito, mais árvores caírem, mais transformadores explodirem, eu venho agradecer a Eletropaulo:

    – Obrigado Eletropaulo por mais um banho gelado e mais 14 lances de escada, pelo menos as cachorras ficam em forma.

    Veja também:

     

    Até o próximo post.

    Geral

    Aposentadoria e o rei dos dividendos

    3 de outubro de 2013

    Segundo o rei dos dividendos na BM&FBOVESPA, Luiz Barsi, qualquer um pode ficar rico com ações e se aposentar com elas. Tem um velho ditado que diz: se você comprou uma ação certa, a melhor hora de vendê-la é nunca.
    Ele recebe milhões de reais em dividendos pagos pelas empresas onde investe, sendo que tem um patrimônio de algo por volta de mais de R$ 1 bilhão na bolsa de valores brasileira. A receita dele é comprar papéis baratos, negociados abaixo do valor patrimonial e esperar, mas no começo será preciso ter paciência para que a empresa comece a apresentar resultados melhores e disciplina para aplicar capital todos os meses na bolsa de valores. Então chegará o momento em que apenas o reinvestimento dos dividendos recebidos será o necessário para que o investidor enriqueça e fique aposentado e/ou com independência financeira com tranquilidade.

    É preciso saber como escolher as melhores ações para se aposentar com dividendos. Especialistas deste mercado afirmam que a estratégia pode ser muito boa para quem souber fazer a escolha correta de boas ações.
    Ter uma aposentadoria e criar um patrimônio que possibilite viver apenas da renda gerada pelos dividendos é o grande sonho da maioria dos investidores, porém a dúvida de como escolher as melhores ações de dividendos paira sobre a cabeça de muitos deles. Essa dúvida procura ser respondida na reportagem que foi ao ar ontem(02/10/2013 11:51), matéria de Leonardo Pires Uller. Vale muito a pena conferir:
    Como escolher as melhores ações para se aposentar com dividendos

    Leia também:

    1. Luiz Barsi: O Rei dos dividendos na BM&FBOVESPA
    2. A armadilha do dia “EX” proventos (dividendos e JCP)
    3. Viver de renda e independência financeira
    4. Previdência privada vale a pena?
    5. Como escolher uma corretora de valores?
    6. Como eu faço para investir na bolsa de valores?
    7. Como e por que diversificar os investimentos?
    8. Como fazer o controle de risco
    9. Controle de risco: tipos de stop

    Até o próximo post.

    Geral

    O que são ações Small Caps?

    24 de junho de 2013

    Para quem nunca ouviu falar das ações small caps, deve ler com atenção:
    – Quem investe na bolsa de valores, ou mesmo quem apenas acompanha, já deve ter notado que as ações de empresas grandes, como Petrobras (PETR4) e Vale (VALE5) costumam ser escolhas comuns entre os investidores e especuladores. Afinal de contas são empresas grandes, financeiramente estáveis e robustas, o que faz com que seja menor o risco de uma queda muito grande nos preços de suas ações, mas a probabilidade de um rápido e alto ganho também é remota.
    E quanto as empresas pequenas?
    No lado oposto das grandes empresas (Large Caps) estão as pequenas do mercado, as empresas Small Caps.
    Estas empresas podem ter um futuro brilhante pela frente: com alto crescimento e ótimo retorno aos seus acionistas. Desta forma, investir em suas ações seria uma boa estratégia se for aliado a muito potencial de crescimento, o que daria muito espaço para se ganhar bastante dinheiro.

    Suponha que a companhia escolhida não corresponda às expectativas de crescimento? E se as ações caírem drasticamente?
    Nesse caso você perderia dinheiro…
    Para evitar que isso aconteça, compensa entender melhor os riscos associados à uma ação Small Cap antes de realizar seu investimento ou mesmo especulação.

    Veja os riscos inerentes a tal tipo de investimento no artigo abaixo:
    5 Riscos das Ações Small Caps

    Confira também:

    Até o próximo post.

    Livraria

    Luiz Barsi: O Rei dos dividendos na BM&FBOVESPA

    19 de abril de 2013

    Ótima matéria da revista Infomoney edição 43 sobre um dos maiores investidores pessoa física da bolsa brasileira: Luiz Barsi.
    A sua estratégia consiste basicamente em compra constantes de ações em um período que pode ser mensal, por exemplo, visando sempre empresas que sejam lucrativas, tenham um fluxo de caixa constante e de preferência negociadas abaixo do VPA(valor patrimonial).
    Vale a pena conferir a revista ou mesmo ler no link abaixo que agora já publicada no portal Infomoney:

    Para bilionário da Bovespa, qualquer um pode ficar rico com ações – InfoMoney
    http://www.infomoney.com.br/onde-investir/acoes/noticia/2778098/para-bilionario-bovespa-qualquer-pode-ficar-rico-com-acoes

    Revista Infomoney edição 43
    PERSONAGEM DE MERCADO
    O Rei dos dividendos
    Luiz Barsi ficou milionário investindo na Bolsa, mas continua andando de metrô pela cidade de São Paulo.

    Até o próximo post.

    Geral

    Vale a pena investir em Fundos de Investimento Imobiliário (FII)?

    13 de março de 2013

    Com o mercado de ações brasileiro está em momento ruim há alguns anos houve uma corrida para outros tipos de investimentos, entre eles o FII.
    A maioria dos IPO(Initial Public Offer, Oferta Inicial de Ação) nos últimos anos tem sido neste mercado de FII, tamanho foi o interesse do mercado na busca deste tipo de investimento.
    O que vem a ser este mercado? Ainda compensa investir no mesmo? Quais os riscos? Paga-se imposto? Paga-se taxas? Tem liquidez?
    prédio de fundo de investimento imobiliário
    Estes fundos FII são formados como se fossem “condomínios fechados” e divididos em cotas que, uma vez adquiridas, não podem ser resgatadas.
    O patrimônio de um fundo imobiliário pode ter em sua composição imóveis comerciais, rurais ou urbanos, residenciais, construídos ou em construção, para posterior alienação, locação ou arrendamento.

    Para quem compra um FII e recebe proventos por isto não terá incidência de imposto de renda. Agora se houver ganho de capital na venda do FII haverá incidência de imposto de 20% para qualquer valor. Não existe isenção de imposto de renda neste mercado.

    Para comprar um título neste mercado será necessário ter conta numa corretora de valores ou banco que permita a compra.
    Após o registro da Oferta autorizada pela CVM, as cotas de FII são ofertadas por instituições intermediárias, possuindo Contrato de Distribuição e Prospecto.
    A subscrição das cotas (reserva para a compra) normalmente é feita através dos termos do Pedido de Reserva ou do Boletim de Subscrição , onde deverão estar especificadas as condições da subscrição e integralização (efetivo pagamento das cotas) da operação.
    É imprescindível que o investidor consulte o Regulamento para conhecer exatamente quais as taxas que serão cobradas pelo Fundo, como por exemplo, a taxa de administração.
    Após a oferta inicial, as cotas dos Fundos podem ser compradas no mercado secundário, será cobrada taxa de corretagem e a liquidação será em D+3 (dial atual + 3 dias a frente).

    O risco é que a taxa de vacância de um condomínio alugado seja alta e o fundo não consiga entregar a rentabilidade proposta por um tempo. E claro, um fundo de investimento imobiliário também pode vir a falência.

    Hoje em dia devido a maior procura por FII, maior número de IPOs, chegada dos especuladores com o aumento da popularidade, a liquidez neste mercado tem sido bem maior.

    Enfim, é apenas um resumo para quem quiser iniciar os estudos neste mercado. E para se chegar à conclusão se ainda vale ou não a pena investir neste mercado você deverá fazer uma análise profunda do mercado, dos FII em específico que deseja investir, montar sua estratégia e controle de risco, e só então decidir por fazer a alocação neste investimento.

    Recomenda-se ler também:

    Até o próximo post.

    Geral

    Investir em Petrobrás, sim ou não?

    3 de março de 2013

    É bom ou ruim investir em Petrobrás? Você tem paciência para investir neste tipo de empresa?
    Há meses que a empresa tem estado muito na mídia devido a queda vertiginosa em suas cotações, por conseguinte queda no seu valor de mercado.
    Segue abaixo alguns motivos para investir na empresa confrontado com motivos para não investir.

    Motivos para investir na Petrobrás:

    • As ações estão muitos desvalorizadas, níveis de preço similares a 2008 quando ocorreu o crash das bolsas, crise subprime EUA com consequências mundiais;
    • A empresa é líder do setor no Brasil e América Latina. Uma das maiores empresas do mundo. Líder em exploração de petróleo e gás em águas profundas;
    • O pré-sal está dando certo. A produção está sempre aumentando. Mesmo em águas mais profundas a Petrobrás deve vencer estes desafios, pois já venceu desafios na exploração de petróleo no mar no passado quando ninguém acreditava que seria capaz;
    • A nova administração é mais capaz e transparente. Está sendo feito uma revisão de todos contratos da empresa;
    • A empresa conseguirá manter o seu endividamento em níveis aceitáveis para não perder o rating das agências de classificação de risco, e com isto continuar captando dinheiro a custo baixo;
    • Investir em empresas de exploração de petróleo e gás é sempre um bom negócio
      Citando o Carlos Alberto Sardenberg fazendo uma paródia ao Nelson Rockfeller:
      “O melhor negócio do mundo é uma petrolífera bem administrada; o segundo melhor, uma petrolífera mal administrada e o terceiro melhor, é a Petrobrás.”
      Confira esta reportagem que foi ao ar anos atrás no Programa do Jô no link abaixo:
      http://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?p=1181567#1181567;
    • Após as últimas quedas das ações os fundamentos da empresa ficaram mais atraentes do que nunca, seus múltiplos estão sedutores;
    • Ela tem toda a força do governo a seu favor, o qual é principal acionista e maior interessado que empresa dê certo, lucros e ajude no crescimento do país como um todo;
    • A aumento da mistura do etanol na gasolina ajudará a Petrobrás a importar menos gasolina, com isto terá menos prejuízos com importação de gasolina. Impostos do etanol serão reduzidos pelo governo.

    Motivos para não investir na Petrobrás:

    • As ações estão muitos desvalorizadas, mas nada impede que caiam mais ainda. A tendência é de queda nas cotações. A crise econômica global ainda não foi dissipada, o que pode prejudicar ainda mais o consumo de petróleo, gás e derivados;
    • A empresa é líder do setor no Brasil e América Latina, mas não garante que a situação financeira e na bolsa de valores melhorarão;
    • O câmbio alto prejudica o caixa da empresa ao ter que importar gasolina para suprir demanda interna, por não ter ainda refinarias suficientes em território nacional. A empresa não pode repassar integralmente preços internacionais ao mercado interno, devido ao controle público dos preços;
    • O potencial do pré-sal pode ser menor que o estimado. A Petrobrás ainda não tem o domínio para explorar o petróleo e gás em águas mais profundas, por exemplo, 7.000 metros de profundidade. Riscos ambientais e controle de acidentes nestas profundidades são um desafio a parte;
    • A nova administração pode ser mais capaz e transparente, mas ainda não foi refletido na confiança que o mercado possa ter na empresa, inclusive o excesso de transparência pode ser prejudicial;
    • Ainda é uma incógnita se a empresa conseguirá manter o seu endividamento em níveis aceitáveis para não perder o rating das agências de classificação de risco. A Petrobrás captou muito dinheiro no IPO de 2010 e grande parte do dinheiro não foi para o caixa da empresa, e sim para o governo, a troco de pagar antecipado o petróleo a ser explorado no pré-sal, mesmo sem garantia que isto será possível;
    • Investir em empresas de exploração de petróleo e gás não é certeza de ser sempre um bom negócio. Basta ver exemplos no Brasil, como OGX, HRT, Queiroz Galvão Exploração e Petróleo, etc…
    • Após as últimas quedas das ações os fundamentos da empresa ainda não estão atraentes;
    • O risco governo e todo seu intervencionismo continua afugentando investidores deste “case”, podem de uma hora para outra mudar o interesse para outro setor como ocorreu com o biodiesel após a descobeta do pré-sal.
    • O governo pode prejudicar a Petrobrás com esta pressa toda de por a operação de xisto para funcionar (principalmente para tocar termelétrica no centro-oeste do Brasil). Se obrigar a empresa investir forte em duas frentes, pré-sal e xisto, poderia prejudicar o caixa da empresa.

    Motivos a favor e contra o investimento em ações da Petrobrás, assim como em outras empresas, não faltam.
    Aqui foram expostos alguns motivos conflitantes entre si para se pensar a respeito do assunto.
    A decisão final de investir ou não, será sempre sua.

    Leia também:

    Até o próximo post.

    Geral

    A armadilha do dia EX-proventos (dividendos e JCP)

    23 de fevereiro de 2013

    Muitos se confundem quando uma empresa anuncia que vai pagar proventos, remuneração ao acionista em forma de dividendos ou JCP (Juros Sobre Capital Próprio, também tem sigla JCSP) e ocorre toda aquela corrida de compra ao(s) ativo(s) da empresa que vai fazer o pagamento.

    Tem gente que compra pensando que existe cafezinho grátis no mercado, que ficarão com as ações e mais os proventos sem haver desconto após o último dia “COM” (último prazo para quem adquirir a ação e ter direito a receber os proventos, após o ativo não ter mais direito aos proventos, o dia “EX”).

    E aí está o ledo engano. O valor dos proventos será descontado do valor dos ativos.
    E no dia posterior ao último dia “COM” o ativo amanhecerá com a cotação menor que no dia anterior.
    Aqui muitos incautos se desesperam e vendem o ativo, por que a cotação ficou menor, foram especular sem saber o que estavam fazendo, e vendem no prejuízo, mesmo somado com os proventos a receber.
    Um detalhe: se a empresa tiver opções de suas ações, o valor dos proventos também será descontado do strike (valor do exercício) no dia “EX”.

    Quem quer especular com os proventos, tem fica antenado nas épocas mais prováveis da empresa anunciar os proventos, como por exemplo na divulgação do balanço trimestral. Para especular vai ter que antecipar, contar com alguns cenários positivos para sua estratégia dar certo.
    Pode-se comprar nesta expectativa do anúncio do pagamento de proventos, esperar valorizar o ativo, e antes de ficar “EX” pular fora do ativo. Outra estratégia seria comprar o ativo perto do dia de ficar “EX”, ou mesmo no último dia, e no primeiro dia “EX” vender o ativo, ficando com prejuízo contábil, já que o financeiro deve ficar igual ou pouca coisa menor, e usar este prejuízo para abater IR (Imposto de Renda) com lucros futuros.
    E tem investidor que tem a estratégia de usar os dividendos para comprar mais ações da mesma empresa.

    Enfim, estratégias existem muitas. Foram citadas algumas corretas e outras equivocadas por puro desconhecimento de quem não sabe o que faz no mercado financeiro, segue a manada por seguir, de forma perdida.

    E como diz o ditado, Deus perdoa, o mercado não perdoa.

    Leia também:

    dividendos

    Até o próximo post.