‘Poupança’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 5

Browsing Tag: poupança

    Geral

    Investir em ações de banco é certeza de ganhar dinheiro?

    4 de março de 2013

    Como é de conhecimento da maioria dos investidores os bancos, principalmente no Brasil, costumam lucrar muito. E se os bancos lucram, no geral, você investindo nas ações deles certamente vai ganhar dinheiro também? Bastará surfar a mesma onda dos banqueiros, simples assim?
    Os bancos costumam fazer dinheiro através de juros sobre empréstimos concedidos a clientes. Hoje em dia também há um número de fundos mútuos e outras oportunidades de investimento que compõem um montante do lucro gerado pelos bancos. Você também ganhará dinheiro investindo em ações de bancos, mas deverá ter algumas coisas em mente:

    • Não se esqueça que bolsa de valores é um investimento de risco e o rendimento é variável. Certifique-se de que você está em uma posição para cobrir eventuais prejuízos potenciais e se o que você investir pode ser coberto durante uma recessão sem causar problemas em lidar com suas despesas padrão e incomuns.
    • Avalie com calma o banco que vá investir, podendo mesmo ser o banco onde você ou familiares são clientes atualmente. Veja como é a qualidade dos empréstimos subjacentes que ajudam a alimentar os programas de investimento operados pelo banco.
    • Existem chances de que a banco passe por uma fusão ou aquisição num futuro próximo, a qual poderia afetar negativamente os investimentos?
    • Quanto, como e com qual frequência a empresa paga os seus proventos?
    • Os banqueiros, acionistas controladores, presidente e principais diretores possuem idoneidade?
    • Os balanços tem saído nos prazos exigidos pelos órgãos competentes? Já houve algum caso de fraude nos balanços ou os controladores do banco já estiveram envolvidos em algum caso deste tipo?
    • Como está o endividamento do banco (rating)? E o PDD (Provisão para Devedores Duvidosos)?
    • É banco privado, público ou misto? E como é a sua relação com o governo?

    Quanto mais você souber sobre a saúde financeira, jurídica e política do banco, mais fácil será para tomar as decisões corretas na hora de investir em suas ações.
    Se for possível falar com os banqueiros, claro que diretamente será bem difícil, mas via RI (Relação com Investidores) seria muito bom para tirar suas dúvidas restantes sobre a instituição bancária e/ou financeira que deseja investir. Ver em primeira mão como eles manipulam as ações de bancos, o que aconteceu no passado com as suas carteiras de clientes, etc., pode ajudar-lhe em sua decisão de investimento.

    Nada é garantido no mundo dos investimentos e nem na vida, porém se fizer uma análise criteriosa do(s) banco(s) onde pretende investir aliado a uma boa estratégia e controle de risco, fatalmente você sairá na frente de muitos investidores.

    Veja também:

    Bancos que já quebraram e/ou precisaram ser resgatados pelo governo ou por outras instituições financeiras:
    – Banco Santos;
    – Bamerindus;
    – Panamericano;
    – Cruzeiro do Sul;
    – Lehman Brothers;
    – Bank of America Merrill Lynch, etc…

    Bancos que dão muito lucro e bons resultados até hoje:
    – Banco do Brasil;
    – Itaú;
    – Bradesco;
    – Santander Brasil;
    – Goldman Sachs;
    – Morgan Stanley;
    – JP Morgan etc…

    Até o próximo post.

    BANCO DO BRASIL

    Geral

    Viver de renda e independência financeira

    2 de fevereiro de 2013

    Afinal de contas para ter independência financeira é preciso viver de renda, apenas ter dinheiro aplicado em diversos ou poucos ativos que rendam o suficiente para você ficar na praia o dia inteiro ou qualquer lugar de sua preferência fazendo só aquilo que você gosta?

    A independência financeira não necessariamente vai se passar pelo completo ócio ou busca do prazer infinito gastando tudo que se poupou pelo vida ou parte dela. Ela deve ser conquistada com paciência, estratégia, disciplina, foco, talento, entre outras coisas mais.
    Não se faz necessário “chutar o balde”, largar tudo, mandar o emprego atual para alto, e se aventurar em algo que você talvez nem domine tanto como a sua atual profissão ou outro tipo de ocupação que seja.
    Muitas pessoas largam tudo, sem o devido planejamento, na emoção, se precipitam, e como não dominam para onde estão indo, como por exemplo, tentar viver de especulação no mercado mobiliário (bolsa de valores, títulos, etc…), mercado imobiliário, carros, enfim, seja o que for, podem se dar muito mal e acabarem quebrando, tendo que lidar o fracasso financeiro e muitas vezes voltar para a profissão antiga, cheio de dívidas e o que é pior, talvez defasado e com cargo inferior em status e remuneração que o anterior.

    Temos diversos casos de pessoas que conseguiram a independência financeira, e vivem de renda entre outras atividades mais prazerosas e lucrativas para suas vidas. Podemos ver um exemplo disto na reportagem Veja histórias de 6 investidores que vivem do mercado e saiba como chegar lá.

    Muitas vezes será melhor continuar na profissão onde se está, acumular patrimônio o máximo que puder, claro, dentro do aceitável para você, família e afins, e contar uma aposentaria no futuro, pública e/ou privada, deixando a profissão hobby, empreendimento hobby, coisas do tipo, para se divertir, ganhar dinheiro, ser mais útil, enfim, algo que lhe seja mais prazeroso no futuro, claro, se isto for suportável para você. Para quem não for, correr os riscos de se desfazer de tudo que se tem atualmente para se conseguir o sonho da independência financeira costuma ser o mais viável, já que para os mesmos, a vida é agora, o amanhã é incerto, e no longo prazo a única certeza que temos é que todos estaremos mortos.

    Viver de renda é completamente possível, porém se faz necessário acumular patrimônio como uma carteira de ações, renda fixa, imóveis, ouro etc., como os investidores citados na reportagem logo acima fizeram. Não se pode confundir o dinheiro da acumulação de patrimônio com o dinheiro para pagas as contas, aquele usado no dia a dia, é preciso separar muito bem, assim como um empresário tem que saber separar o que é lucro do seu capital de giro, nunca misturar alhos com bugalhos, esta é a chave.

    Como sempre diz o Maurício Hissa (Bastter) “ser trader é coisa séria, quem não sabe brincar, não deve descer para play”, parafraseando.
    Um bom vídeo sobre o assunto acumulação de patrimônio e independência financeira pode ser visto a seguir:

    A Filosofia Bastter de Acumular Patrimônio

    Até o próximo post.

    Geral

    Como lidar com o fracasso financeiro

    30 de janeiro de 2013

    Como sabe-se este é um problema que atinge muitas pessoas e é muito difícil buscar ânimo, rever os erros e dar a volta por cima, buscando ficar até melhor do que estava antes de ter quebrado.

    Claro, que para se chegar nesta resposta, além de ter que responder umas tantas outras perguntas para si próprio, e para quem decidirá por qual investimento optar, será necessário responder muito mais outras perguntas, e antes mesmo de respondê-las, o que se faz muito importante, é ter feito a lição de casa para que sempre sobre dinheiro para investir, nunca se gastar tudo o que se tem e mais um pouco, e sempre estar no vermelho, o que nada mais, nada menos, seria estar alavacancado sempre, mês após mês, alguns até anos após anos, até quebrar de vez, e perder tudo que se tem, em casos extremos, lógico.

    Apesar da tarefa ser difícil, é possível se reerguer após ter quebrado financeiramente, temos vários exemplos de pessoas que chegaram ao fundo do poço e se levantaram. Na matéria abaixo é possível ver os casos de dois famosos e bem sucedidos investidores brasileiros que conseguiram dar a volta por cima após quebrarem: Lírio Parisotto e Márcio Noronha. Vale muito a pena ler com carinho esta reportagem “Nem sempre se ganha”, publicada tempos atrás na antiga revista Invista, agora Infomoney.

    Os anos se passam e muitas vezes as pessoas se debatem com seus com fracassos financeiros. É muito difícil alguém atravessar a vida sem erros na vida financeira e na vida em geral, dificilmente alguém irá enriquecer sem tropeçar de vez em quando pelo caminho, exceto, claro, aqueles que nasceram em berço explêndido, tem um grande patrimônio a herdar. O melhor jeito de se lidar com os imprevistos financeiros seria se preparar para eles.

    Resiliência no aspecto financeiro é uma qualidade essencial que todos devem ter, uma vez que todas as pessoas enfrentam problemas financeiros em algum momento.

    O ponto chave é ser capaz de se recuperar. Aí vem a pergunta: Como?

    Esta palavra resiliência significa a capacidade de retornar ao formato original após ter esse formato deformado por forças externas, onde um bom exemplo é a esponja que por mais que você a esprema, ela volta ao formato original.

    As pessoas que chegaram ao fundo do poço financeiro podem e devem contar a ajuda dos amigos, parentes, colegas e mesmo de consultores especializados no assunto para se reerguerem financeiramente.

    Renegociar dívidas, trocar juros mais alto, por juros mais baixo. Se era empresário, e quebrou, voltar a trabalhar como empregado numa empresa privada ou mesmo pública, neste último caso é necessário investir em estudo e esforço para passar num bom concurso público. Nesta nova ocupação, aproveitar para aos poucos ir montando um novo plano negócio, acumular dinheiro e melhorar o crédito para retomar antigos projetos empresariais ou começar novos.

    É possível se ver livre das dívidas. A primeiro coisa a fazer é listar os gastos que podem ser interrompidos, isto é, cortar aquilo que não é essencial em sua vida. Hoje em dia é possível negociar as dívidas, em alguns casos seu valor até chega a diminuir.

    Após liquidar as dívidas é necessário uma reestruturação na maneira de levar a vida. Se tiver excedentes,será necessário poupar,para conquistar uma estabilidade financeira, buscando acumular ativos que gerem renda para o futuro visando uma boa aposentadoria. Ter crédito dá a falsa sensação de que pode-se ter mais do que pode-se pagar, sendo que isto pode ser um caminho curto para se quebrar, caso este crédito não seja bem administrado. Não esqueça deste ponto.

    Enfim, é isto, espero que tenham realizado uma boa leitura, aproveitado e gostado do post.

    Dar a volta por cima após um fracasso financeiro é bem possível, só depende de você não desistir, buscar forças e apoio para vencer mais este desafio na vida, e nunca se esqueça, que exemplos de vitória sobre o fracasso não faltam na história da humanidade. Se inspire.

    Até o próximo post.

    Geral

    Como fazer sobrar dinheiro para poder investir?

    29 de janeiro de 2013

    A primeira coisa a se fazer é procurar sair do vermelho, não gastar tudo o que se tem, e no meio deste processo, até concluí-lo ir trocando dívida cara por dívida barata, ou seja, contrair empréstimo a juros menores para pagas a dívidas com valor e juros maiores.

    E como citado no artigo anterior, vale a pena lembrar da frase do livro Pai Rico Pai, Pobre Robert Kiyosaki e Sharon Lechter (2004):

    “Crie bons hábitos, especialmente na área financeira. Pague a você mesmo (em economias ou investimentos), antes de fazer qualquer outra coisa com seu dinheiro.”

    Quando estiver organizando suas finanças pessoais, é importante seguir um tipo de script:

    – Como citado acima é muito importante regularizar suas contas.

    – Quando as dívidas não forem mais um problema, será possível identificar pontos a trabalhar no orçamento para que possa economizar.

    – Feito estes dois primeiros passos chegou o momento de trabalhar com o dinheiro a seu favor e investir o dinheiro poupado.

    Nunca esqueça a enorme diferença entre investir e poupar, pois ao economizar e guardar dinheiro, pode-se estar deixando escapar alguma alternativa que lhe reponha algumas perdas ao longo do tempo. Para evitar tal fato é bom conhecer isto: inflação e taxa de juros.

    Para ver o efeito do tempo na prática basta ver o exemplo a seguir:

    – Um cidadão gasta em uma das suas compras rotineiras, semanal, quinzenal, mensal, seja o prazo que for, R$ 330,00 para levar alguns itens. Passado algum tempo, digamos 6 meses, comprando os mesmos itens, no mesmo local, ele gasta R$ 50,00 a mais, por que isto acontece?.

    Trata-se da elevação de preços (inflação) que, embora hoje em dia seja menor, nunca deve ser esquecida pelos consumidores. Fato que facilitará a percepção de que ao trancorrer do tempo, o dinheiro perde o seu valor, ou seja, o seu poder de compra.

    Dado isso, é importante considerar outro conceito que é a taxa de juros. Para corrigir essa perda de valor ao longo dos anos, os juros são considerados tanto quando se investe o dinheiro, como quando se financia uma determinada compra. Apenas para efeito de ilustração, atualmente a nossa taxa de juros básica, SELIC, está 7,25% a.a..Na maioria das vezes, o retorno de uma aplicação é menor do que o efeito dos juros sobre o que se deve, um bem financiado, por exemplo, a poupaça rende 5,25% a.a. e uma geladeira financiada pagará de juros no mínimo 12% de juros a.a. .

    Levando-se em conta que agora consegui-se economizar para poder poupar, é bom saber que ninguém acerta nos investimentos por pura sorte o tempo todo. A maior parte dos bons resultados se deve ao preparo do investidor e/ou especulador, que acumula o máximo de informações e experiência ao longo dos anos, antes de dar qualquer passo. Se manter bem informado proporciona maior segurança para investir, além de deixá-lo ciente de que os riscos existem e é preciso analisá-los de forma muito cautelosa.

    Existem muitas opções para se investir e recomenda-se que se apure o máximo de dados de cada modalidade antes de tomar sua decisão. Veja a seguir um resumo de algumas modalidades de investimento:

    – Títulos de dívida (uma espécie de “vale”, desmonstrando que foi emprestado dinheiro a um governo ou companhia e que descreve os termos de reembolso), como exemplo, Títulos de Dívida Externa, Títulos de Dívida Pública, Títulos Pós-fixados, Títulos Privados, Títulos Pós-fixados, Títulos Pré-fixados e Títulos Públicos

    O Governo emite títulos do tesouro direto como: LTN, NTN, LFT, etc..

    As empresas emitem por exemplo debêntures, commercial papers, etc..

    Os bancos emitem títulos como CDB, RDB, letras hipotecárias, letras cambiais, letras de crédito imobiliário, certificado de recebíveis imobiliários, etc…

    – Fundos de Investimentos (usando uma definição da Anbima pode-se dizer que são “condomínios que reúnem em um mesmo lugar diversos investidores com objetivos e necessidades semelhantes”).

    As classes de fundos são: de curto prazo, referenciado, renda fixa, ações, multimercado, cambial e dívida externa.

    Tipos de fundos de investimentos: Fundos DI e Renda Fixa, Fundos de ações, Fundos multimercado e Fundos cambiais.

    Caso queira saber mais sobre tipos de fundos, acesse o site da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) http://www.anbima.com.br .

    – Ações (uma ação representa a propriedade de uma empresa).

    Os acionistas possuem uma parte da empresa (menor fração do capital dessas empresas) e têm direito a uma parte dos lucros e, conforme o tipo de ação, um voto sobre nas decisões administrativas da companhia.

    As companhias emitem ações para aumentar o capital social e os recursos levantados podem ser utilizados para diversos fins, principalmente futuros investimentos.

    Os lucros da empresa podem ser divididos entre os acionistas, na forma de dividendos ou juros sobre capital próprio, que são os proventos, que podem ser pagos mensalmente, trimestralmente, anualmente, etc…

    Uma ação listada de uma empresa será negociada no pregão de uma bolsa de valores, sendo que no Brasil, até o momento, só temos uma, que é a BM&FBOVESPA.

    Foi deixado aqui um resumo das posibilidades de aplicações para serem utilizadas após ter êxito em sair do vermelho e estiver liver para investir , este assunto é muito vasto, mas vale a pena se informar…

    Sites e/ou páginas consultadas para fazer este post:

    Qual o melhor investimento?

    Finanças práticas

    Até o próximo post.


    Geral

    Qual o melhor investimento?

    29 de janeiro de 2013

    Quantas vezes você já se perguntou qual o melhor investimento para mim ou qual o melhor investimento para minha família?

    Claro, que para se chegar nesta resposta, além de ter que responder umas tantas outras perguntas para si próprio, e para quem decidirá por qual investimento optar, será necessário responder muito mais outras perguntas, e antes mesmo de respondê-las, o que se faz muito importante, é ter feito a lição de casa para que sempre sobre dinheiro para investir, nunca se gastar tudo o que se tem e mais um pouco, e sempre estar no vermelho, o que nada mais, nada menos, seria estar alavacancado sempre, mês após mês, alguns até anos após anos, até quebrar de vez, e perder tudo que se tem, em casos extremos, lógico.

    Dado que você poupou, poupa e poupará sempre, sobrou dinheiro, não ficou no vermelho, nem você e nem sua família, vamos as perguntas que você deve se fazer para decidir qual investimento optar:

    1) Qual o prazo que você quer investir?

    Se o prazo for médio, ou mesmo curto, não deve correr muito risco, evitar aplicações de renda variável, e muito menos operações alavancadas, aqueles onde cada real aportado vale por exemplo cinco reais, ou seja, vai se ganhar em cima de cinco, mas perder em cima de cinco.

    Neste caso, seria melhor optar por aplicações de baixo / médio risco, como a boa e velha poupança, LCI (Letras de Crédito Imobiliário), Fundos de Renda Fixa com baixa taxa de administração ou até mesmo Tesouro Direto.

    Agora se ao fazer suas contas, descontar os custos que vai ter com tal aplicação e verificar que a rentabilidade ficou maior do que na poupança, por exemplo, então valerá a pena pagar por tais custos.

    A nossa taxa de juros está bem baixa nos últimos tempos, atualmente SELIC 7,25% com tendência de queda, logo deve-se prestar muito mais atenção nos custos dos investimentos, que são as taxas cobradas pelas instituições financeiras e impostos cobrados pelos governos. Isto faz uma tremenda diferença na hora da escolha do investimento.

    Se o prazo para investir for longo, vários anos, e você suportar correr mais riscos, não ter medo de perder, em troca de rentabilidade maior, aplicações como Renda variável (bolsa de valores e afins), Fundos Multimercados, FII (Fundos de Investimentos Imobiliários) ou até mesmo arriscar mais ainda, se conhecendo o que se faz, claro, ou pagar para alguém que conheça, seja um especialista autonônomo ou um área de um banco de investimentos, por exemplo, poderia investir/especular em mercado futuro, mercado de commodities, mercado a termo, enfim, mercado de derivativos, onde irá se deparar com risco de perdas elevadas para tentar obter ganhos elevados.

    2) Quanto você quer investir?

    Se for pouco dinheiro, não se esqueça, que custos da aplicação comerão boa parte do seu retorno, tanto na renda fixa como variável.

    Neste caso é imprescindível que sejam aplicações onde não se tenha custos, alguns exemplos foram citadas no item 1), exceto, claro, que mesmo pagando por tais custos, você ganhe mais do que nas aplicações que não cobram, sendo assim, você vai ter que fazer contas, ir para o excel, para calculadora, para o caderno, para a prancheta, para o “papel de pão” (rascunho), para onde de quiser, mas vai ter que calcular, anotar e chegar nas suas conclusões.

    É bom evitar ficar fazendo contas só de cabeça, pois elas são enganosas.

    3) Você vai ficar sem dormir se perder este dinheiro investido?

    Se perder o dinheiro investido vai fazer você perder o seu sono, vai te trazer problemas financeiros familiares? Se sim, você deve correr o menor risco possível.

    Caso não vá te fazer falta, você aceita perder, em troca de ganhar mais do que aplicações mais convencionais de baixo risco, então, você pode aceitar aplicações de médio e alto risco, como as citada no final do item 1).

    No final das contas, o investimento ideal será aquele que está de acordo com o prazo que você quer investir, de acordo com o prazo que você pode investir, com suas preferências pessoais e conhecimento da mecânica do mercado em suas diversas nuances e do tanto de risco que você suporta correr, dado tudo isto, será o ponto onde você vai montar sua estratégia de investimentos, seja no curto, médio ou longo prazo, nunca se esquecendo que o objetivo ao longo dos anos é fazer o patrimônio sempre crescer, e sempre poupar ciência do que se pretende fazer com dinheiro no futuro, tudo que se lê e recomenda é que o dinheiro não deve ser um fim, mas sim um meio.

    Embora existam pessoas que para elas o dinheiro é fim, a adrenalina do “game”, ganhar mais e mais dinheiro, acumular mais patrimônio no transcorrer dos anos, a faça sorrir, a faça viver bem, a faça viver satisfeita.

    Como diz o ditado, “cada cabeça, uma sentença”.

    E para quem quer poupar, ou continuar poupando, vale uma frase do livro Pai Rico Pai, Pobre Robert Kiyosaki e Sharon Lechter (2004):

    “Crie bons hábitos, especialmente na área financeira. Pague a você mesmo (em economias ou investimentos), antes de fazer qualquer outra coisa com seu dinheiro.”

    Até o próximo post.