‘Poupança’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2

Browsing Tag: poupança

    Geral

    Aposentadoria: 5 passos para deixar de trabalhar por obrigação

    14 de julho de 2017

    5-passos-para-deixar-de-trabalhar-por-obrigacao

    Educador financeiro dá orientações para quem busca, no futuro, a possibilidade de parar de trabalhar por necessidade financeira

    O fim da aposentadoria

    Com a sanção da reforma trabalhista pelo presidente Michel Temer, mais trabalhadores têm demonstrado preocupação em formar um colchão que garanta uma aposentadoria no futuro sem a necessidade de reduzir seu padrão de vida atual.

    Reinaldo Domingos, educador financeiro e presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) dá orientações para quem busca, no futuro, a possibilidade de parar de trabalhar por necessidade financeira.

    1. Conheça o número da sua independência financeira

    Defina com quantos anos deseja se aposentar e qual padrão de vida quer ter neste momento, chegando a um número mensal. Considere as despesas, as atividades e os sonhos que deseja conquistar no período.

    Entenda que você precisa acumular um capital que renda o dobro do que deseja ter mensalmente. Por exemplo: caso deseje obter dessa aposentadoria privada R$ 2 mil por mês, seus investimentos precisarão render R$ 4 mil por mês. Assim, você saca metade e deixa a outra metade rendendo, para que o dinheiro se recapitalize e se preserve.

    2. Corte gastos

    Caso tenha dificuldades para poupar mensalmente, corte gastos. Faça um diagnóstico financeiro por 30 dias, anotando todas as suas despesas, separando por categorias como alimentação, transporte, vestuário, educação, guloseimas, etc.

    Dessa forma, você reconhecerá seu comportamento financeiro e saberá quais hábitos pode mudar para diminuir ou eliminar despesas e conseguir poupar para deixar de trabalhar por obrigação.

    3. Poupe mensalmente

    Poucas pessoas têm o hábito de poupar mensalmente, especialmente para sonhos de longo prazo, como o da independência financeira. Para não perder o ritmo, tenha seu objetivo sempre em mente: ele irá te mover e motivar.

    Além do sonho de longo prazo, tenha também outros de médio e curto prazo, a serem realizados mais rapidamente. Neste caso, faça poupanças diferentes.

    4. Preserve rendas extras


    Resgate de contas inativas do FGTS, restituição do imposto de renda, 13º salário, Participação nos Lucros e Resultados (PLR), aumentos salariais, bônus, comissões, rendimento das aplicações financeiras, etc. Você pode direcionar todas as rendas extras para adiantar o sonho da independência financeira.

    5. Invista no fundo mais adequado

    Invista os valores – tanto de rendas extras quanto o poupado mensalmente para a independência financeira – em fundos adequados para sonhos de longo prazo, como previdência privada e títulos do Tesouro Direto.

    Como essa é uma reserva muito importante, fruto de anos de trabalho, caso queira diversificar e investir em ações, por exemplo, é aconselhável destinar apenas cerca de 10% para essa modalidade, considerando o alto risco da aplicação.

    Até o próximo post.

    Geral

    Business Insider: Como um homem que tinha US$ 2 na conta ficou milionário em 5 anos

    2 de junho de 2017

    O blog Business Insider contou um belo “causo” de um um homem que tinha US$ 2 na conta ficou milionário em 5 anos. Hoje em dia ele está na casa dos 32 anos e tem aproximadamente US$ 1,35 milhão, cerca de R$ 4,5 milhões.

    Grant Sabatier 32 years old
    How a 31-year-old coder turned his side gig into a full-time business and banked $1 million in 5 years

    Após se formar na Universidade em 2007, Grant Sabatier não pensava em seu futuro e estava desempregado. Em um momento difícil no mercado de trabalho americano à beira da recessão, Sabatier teve que se esforçar e contou com a sorte ao encontrar um emprego no setor de de call center de uma empresa.
    O salário cobria todas as suas despesas e ainda sobrava um dinheiro para guardar no fim do mês. No entanto, ele cometeu um grande erro: não guardou um centavo. “Eu gastei tudo”, lamenta. “Eu tive uma oportunidade de guardar quando eu tinha 22 anos, mas escolhi não pensar nisso e viver a vida”, contou ao Business Insider.

    Após sair desse trabalho, ficou uns dois anos mudando de emprego sem parar e passou a viver com seus pais. Mas ele decidiu mudar de postura quando um dia verificou sua conta bancária e seu saldo era um pouco mais de US$ 2,26, cerca de R$ 7. Ele definiu então que poupar dinheiro seria sua prioridade.

    Esse foi o momento em que viu que precisava se firmar em um emprego e começar a juntar dinheiro para sua aposentadoria e seu futuro. “A sensação era de falta de controle”, diz Sabatier. “Eu nunca quis sentir isso de novo”, complementa.

    Aos 25 anos, ele mergulhou no campo de marketing digital para ter uma renda extra e estudou através de tutoriais online gratuitos como o Google AdWords e WordPress (plataforma que auxilia a montar sites). Definiu então uma meta ousada: queria alcançar a independência financeira aos 30 anos.

    E conseguiu. Cinco anos depois, Sabatier tinha US$ 1 milhão no banco, cerca de R$ 3,3 milhões. Hoje, aos 32 anos, ele tem cerca de US$ 1,35 milhão, cerca de R$ 4,5 milhões. Ao site ele revelou alguns métodos que usou para conseguir alcançar essa façanha tão jovem:

    Faça um planejamento

    O foco de Sabatier era juntar dinheiro para sua aposentadoria e para tanto era preciso ter um planejamento. “Você não pode simplesmente reservar um montante arbitrário em uma conta por mês e esperar que funcione, sem monitorar sua vida financeira”, afirma.

    Ele estimou que suas despesas anuais seriam US$ 50 mil e descobriu que precisaria economizar 25 vezes essa soma, o que dava US$ 1,25 milhão, para viver apenas com o dinheiro da aposentadoria. Ele então calculou que precisaria economizar US$ 50 por dia, considerando um rendimento de 5% ao ano para ter US$ 1,25 milhão. Ele começou a colocar em prática o planejamento aliado a investimentos. E atingiu esse objetivo financeiro dentro de 5 anos, como pretendia.

    Reduza as despesas mensais

    Como foi ficando mais comprometido com os seus objetivos, o empreendedor reduziu os custos de habitação mensal para que ele pudesse economizar ainda mais.

    Mudou-se de um “apartamento muito elegante” em Chicago, que custava cerca de US$ 1.500 por mês para um apartamento bem menor que custava US$ 800 por mês. “Isso significou que US$ 700 a mais foram para a minha conta de investimento”, diz ele.

    Algumas pessoas economizam vendendo o carro e de eliminando os custos mensais como seguro e combustível. Outros trocam de casa como ele fez. O importante é encontrar forma de reduzir as despesas, de acordo com Sabatier.

    Encontre maneiras de ganhar mais dinheiro para investir

    Juntar US$ 1 milhão em 5 anos exige um esforço e Sabatier sabia disso. Por isso ele foi atrás de uma segunda renda para complementar seu trabalho. Ele viu que o marketing digital era um campo em crescimento, então começou a assistir vídeos gratuitos e tutoriais sobre o assunto. Ele usou o conhecimento que ganhou para conseguir um emprego com uma agência de marketing digital em Chicago, ganhando US$ 50 mil por ano e deixou seu emprego antigo.

    Em seguida, ele encontrou uma maneira de ganhar ainda mais criando sites para escritórios de advocacia. No começo, ele começou a cobrar US$ 500 por site, mas dentro de alguns meses ele já estava faturando muito mais do que isso por site. Colocou 100% dessa renda adicional na conta da aposentadoria.

    Sabatier hoje dirige seus próprios negócios e um blog, onde da dicas de finanças pessoais. “Você tem que construir habilidades em vez de apenas ter um emprego. E a partir delas você transforma portas abertas em oportunidades de ganhar dinheiro”, afirma.

    Guardar dinheiro deve ser um objetivo diário

    Um dos hábitos mais importantes que Sabatier desenvolveu foi fazer com que seu objetivo fosse atingível. Quando Sabatier decidiu poupar mais de US$ 1 milhão para a aposentadoria, o número era tão grande que parecia fora de alcance. Ele começou poupando apenas US$ 5 por dia e foi aumentando suas contribuições ao longo do tempo. Como ele queria alcançar seu objetivo o mais rápido possível, não parou enquanto não começou a depositar US$ 50 por dia. “Quando você guarda por um mês, já vira um hábito. E ao checar sua conta diariamente vendo que cada vez mais está entrando mais dinheiro, você quer guardar mais e mais”, explica.

    Até o próximo post.

    Geral

    Business Insider: 3 armadilhas da classe média que não permitem que você alcance a riqueza

    29 de abril de 2017

    dinner party: jantar de festas

    4 money traps the middle class falls into — and how to avoid them

    Ao portal de finanças Business Insider, o especialista Ash Toumayants, da Investopedia, deu um entrevista na qual observou que as pessoas criadoras das próprias fortunas chegaram lá porque não caíram nas armadilhas da classe média.

    A gestão de finanças pessoais é essencial para sair da classe média e atingir a riqueza. Com altos custos de vida e pressões por todos os lados, as armadilhas que impedem o enriquecimento atingem a maioria das pessoas.
    O primeiro passo, obviamente, é poupar, porém como fazer isto? Ash Toumayants separou algumas dessas armadilhas, e deu algumas ideias de como evitá-las.

    Veja a seguir:

    1 – Não contabilizar alimentação

    Gastos com alimentação podem sair do controle caso não sejam racionalizados. Planejar esse consumo pode ser benéfico à saúde, além de otimizar os ganhos e gastos ao final do mês.

    Faça orçamentos mensais, calcule os gastos com refeições em restaurante e minimize o que for desnecessário.

    2 – Deixar de analisar os gastos com moradia

    Buscar o sonho da casa própria é padrão entre a maior parte das famílias no Brasil e no mundo. O problema é fazer isso sem o planejamento necessário.

    Por um lado, dar entrada em uma casa e amarrar-se a parcelas pode ser prejudicial no médio prazo se não houver visão dos anos seguintes.

    Em outra situação, guardar dinheiro por muito tempo para colocar mais na entrada pode ser uma boa ideia, desde que não sejam deixados de lado os fundos de emergência e a poupança para aposentadoria.

    3 – Ter um estilo de vida acima do necessário

    Uma das maiores armadilhas financeiras do mundo é gastar quase todos os rendimentos para manter um estilo de vida. Conseguir dinheiro não leva ninguém à riqueza quando não há controle sobre dívidas e gastos. A meta é manter as dívidas baixas enquanto ainda é possível lidar com os pagamentos sem sufoco.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Guia sobre Investimentos em Renda Fixa

    25 de abril de 2017

    Neste e-book gratuito, Guia sobre Investimentos em Renda Fixa, você vai aprender quais são as melhores aplicações financeiras em renda fixa do Brasil e descobrir que há diversas oportunidades para investir fora do banco que são extremamente seguras e muito mais rentáveis.

    ebook-renda-fixa

    Segue o conteúdo deste e-book:

    – Introdução;
    – CDB;
    – CRI e CRA;
    – Debêntures;
    – LC;
    – LCI e LCA;
    – Letras Financeiras;
    – Poupança;
    – Tesouro Direto;
    – Considerações Finais.

    E-book renda fixa, download aqui.

    Geral

    Erros financeiros que quase todos cometem entre 20 e 30 anos

    12 de abril de 2017

    Planeje desde cedo para ter segurança ao longo da vida.

    erros financeiros dos jovens

    A financial adviser shares 8 money mistakes to avoid in your 20s and 30s

    A juventude é o melhor momento para começar a organizar a vida financeira: nunca é cedo demais para se preocupar com o futuro. Ao mesmo tempo, é difícil discernir desde cedo como lidar melhor com as finanças.

    Embora os tempos de início de carreira sejam ideais para explorar e descobrir novas experiências, é preciso lembrar de poupar e planejar o restante da vida. O consultor da Investopedia Brad Sherman publicou no Business Insider os maiores erros que pessoas cometem entre os 20 e os 30 anos:

    1 – Não ter um orçamento

    Os primeiros salários dão a sensação única de patrimônio que lhe pertence. Por isso, boa parte das pessoas cai na tentação de simplesmente gastar esse dinheiro em tudo pelo que se interessa, sem planejar onde. Ter um orçamento prévio no momento de fazer compras ajuda a gastar com o que for melhor e mais necessário.

    2 – Postergar pagamentos

    Para o especialista, pessoas jovens tendem a usar cartões de crédito da maneira errada: sem pesar custos futuros ou calcular os pagamentos dos meses seguintes. “Use seu cartão de crédito como uma maneira inteligente de rastrear seus gastos, mas não gaste mais do que realmente tem”, escreve o especialista.

    3 – Esquecer do fundo de emergência

    Viver no limite é sempre prejudicial. “É difícil imaginar a necessidade de um fundo de emergência quando se é jovem, mas você nunca sabe o que o futuro pode trazer”, alerta Brad. Mantenha sempre uma parcela do seu salário guardada e investida.

    4 – Ignorar pagamento

    Ainda que seja importante gostar do que faz, o consultor acredita ser um erro pensar em prazer antes de considerar o pagamento. Se o salário for baixo, mas o escritório tiver pipoca e um ambiente amigável, ainda é importante reconsiderar a posição para uma que remunere seu trabalho de acordo com o que você merece.

    5 – Não ter metas

    Guardar dinheiro é mais fácil quando se estabelece desde o início uma meta. Para o jovem, é importante ter noção de onde se quer estar em 10, 15, 20 anos, para ter um incentivo maior.

    Até o próximo post.

    Geral

    Aposentada aos 28 conta como guardava 70% de sua renda

    11 de março de 2017

    Leia também:

    Segredos para juntar uma bolada

    Coisas para se fazer imediatamente se você quer viver de renda

    Renda extra

    Em uma entrevista realizada no Business Insider (A woman who retired at 28 with $2 million in the bank explains how she saved 70% of her income in New York City) ela acabou contando alguns dos aspectos mais relevantes para que ela conseguisse o feito. No caso dela, um emprego lucrativo (US$ 100 mil anuais) foi essencial para chegar onde chegou, mas as dicas de economia, conforme disse ao site, valem para todos os perfis de pessoas.

    Woman New York City skyline - New York is notorious for its exorbitant prices — but it's still possible to save. (Livingston is not pictured.)

    Mesmo ela vivendo em Nova York, onde os custos de vida são altos, JP Livingston conseguiu se aposentar aos 28 anos com US$ 2 milhões no banco. Durante o tempo em que trabalhava na indústria financeira, ela conseguia guardar 70% de sua renda – isso transformou-se em 60% do dinheiro com que parou de trabalhar, sendo o restante rendimento de investimentos.

    Confira um passo a passo dividido pela jovem investidora:

    1) Identifique suas maiores despesas e corte quanto for possível

    No caso de JP, ela optou por um apartamento mais humilde do que sua renda conseguiria pagar, o que possibilitou que investisse uma quantia maior todo mês.

    2) Compre usado

    A aposentada comprou mobília usada para seu apartamento. De acordo com ela, normalmente as coisas à venda têm menos de um ano de uso – é só escolher bem.

    3) Aproveite as opções da cidade

    Com um apartamento pequeno, JP tinha necessidade de sair de casa para encontrar os amigos. Isso não significa que gastasse muito dinheiro a cada noite de lazer: grandes cidades oferecem opções agradáveis e mais baratas.

    4) Use o conceito de custo por hora

    A cada compra que realizasse, a jovem olhava para o preço e contabilizava a quantas horas de trabalho ele equivaleria. Só então definia se valia a pena gastar.

    Até mais.

    Convidados

    Segredos para juntar uma bolada

    22 de fevereiro de 2017

    Emmie Martin: I didn't let my savings goals hold me back from enjoying life in New York City.

    A americana Emmie Martin montou uma estratégia de economia muito eficaz e consegue se manter apenas com metade de sua renda. Ela guarda 50% da renda todo mês e revelou os segredos para juntar uma bolada no artigo do Business Insider intitulado I saved 50% of my income for a month — here’s my best tip for saving money

    A Emmie Martin, jornalista, fez um plano financeiro no fim do ano passado e guardou 50% da sua renda mensal para aposentadoria. Para tal feito, ela teve que readequar seus custos mensais e montar um orçamento o com restante da sua renda mensal.
    No 1º mês em que colocou o plano em prática, depois a contabilização do aluguel e todos os gastos fixos do mês, sobraram US$ 140 por semana para gastar com comida, diversão e outros, contou Martin ao site Business Insider.

    Entretando, a jornalista, que mora em Nova York, tinha uma viagem marcada e precisava economizar ainda mais neste primeiro mês de teste. Conforme a mesma relatou, a ideia era viajar sem se preocupar com o orçamento. “Então decidi que iria guardar o máximo de dinheiro possível até a data da viagem”, relatou.

    A estratégia mais eficaz que ela usou durante esse período foi simples e direta: ela se organizou com uma lista. Nela, Martin colocava todos os itens que queria comprar desde produtos de higiene, até sapatos ou uma bolsa nova e até itens de supermercado e esperava alguns dias. Esse período era usado para ela avaliar se realmente precisava do produto ou era algo que poderia ficar para depois.

    “Algumas compras realmente são necessárias: quando acaba seu xampu ou sabonete, por exemplo, você indiscutivelmente terá que comprar mais um. Porém percebi, por outro lado, que existem coisas que não são necessidades e que compras de coisas assim podem ser adiadas, como roupas de marca novas e bolsas”, explica Martin.

    Considerando esse plano de ação, a jornalista que trabalha com finanças pessoais elencou dicas para economizar baseado no que aprendeu nesse período. Confira:

    Avalie o verdadeiro valor de cada compra

    Martin conta que criar uma “lista de compra” não só mostrou quais produtos eram completamente desnecessários, mas também ajudou a diferenciar quais itens mereciam o investimento de dinheiro e quais ela poderia viver sem.

    “Por exemplo, quando o outono chegou, minha lista começou a transbordar com itens da estação, de um novo casaco a decorações do meu apartamento. Embora nenhum dos itens era verdadeiramente necessário, eu reconheci que eu não me arrependeria de investir em um casaco novo, mas poderia ignorar novas decorações. Sem dar um tempo para avaliar sobre a decisão, teria sido fácil comprar ambos”, explica.

    Elimine os itens comprados por impulso

    Ela explica que é muito fácil comprar coisas por impulso. Quando você passeia em lojas de departamento e se depara com uma promoção, por exemplo, muitas vezes acaba comprando no “calor do momento”, com medo de perder uma ótima “oportunidade”. O problema é que em grande parte das vezes estes itens não são realmente necessários e gastamos um dinheiro que poderia estar sendo destinado para coisas mais úteis.

    Por isso, uma dica que Martin dá é “nunca entrar em uma loja sem rumo”, ou seja, sempre entre com uma lista em mãos ou tendo em mente o que vai comprar. “Assim, a compra é mais rápida e eficiente”.

    Em vez de vaguear nos corredores após buscas aleatórias, vá diretamente no que precisa de forma objetiva. “Depois que adotei esse novo plano financeiro, nunca mais saí de uma loja na dúvida se tinha ou não que ter pego um esmalte novo polonês ou uma faca específica para cortar abacates, porque eu sei que não preciso de coisas assim”, conta.

    Escrever listas e ficar revendo os itens pode parecer uma tarefa estranha quando você só precisa comprar uma pasta de dente no supermercado. “Mas quando você é forçado a monitorar para onde seu dinheiro está indo, ele transforma cada uso do cartão de débito ou crédito um momento de reflexão para avaliar se é mesmo necessário adquirir o item”, explica Martin.

    Até o próximo post.

    Geral

    Investimentos além da poupança para aplicar por mês

    8 de fevereiro de 2017

    Por que o Sofisa Direto é o melhor CDB?

    super homem do cofrinho

    Para os investimentos pessoais como títulos públicos (tesouro direto), CDBs e fundos é preciso procurar e negociar boas taxas de retorno, pois desta forma, com certeza, renderão mais do que a poupança.

    Pode ser a viagem das próximas férias ou o smartphone que estraga a qualquer hora. Não importa o motivo, você sempre vai precisar ter um dinheiro guardado para realizar sonhos ou arcar com emergências. Qualquer um pode se tornar um investidor, mesmo que não tenha muito dinheiro sobrando.

    Especialistas em planejamento financeiro recomendam que você separe um valor mensal para investir todos os meses. No início, criar o hábito de poupar é mais importante do que conseguir aplicar fortunas.

    Não tenha medo de sair da poupança, que atualmente paga apenas cerca de 8% ao ano. Outros investimentos de renda fixa, que já têm sua forma de remuneração definida no momento da aplicação, são igualmente seguros e podem render muito mais.

    Mesmo com queda da taxa básica de juros da economia, a Selic, que baliza o rendimento dos investimentos de renda fixa, o retorno da poupança ainda está longe de bater o de  títulos públicos, CDBs e fundos simples.

    Mas para garantir que a rentabilidade desses investimentos alternativos fique acima da poupança, é preciso conhecê-los um pouco mais a fundo e tomar alguns cuidados.

    Veja a seguir como funciona cada investimento de renda fixa e como atingir bons retornos em cada um deles:

    Tesouro Selic

    A opção preferida dos consultores financeiros para você fugir da poupança é o Tesouro Direto, plataforma online do governo federal para compra e venda de títulos públicos. O investidor empresta seu dinheiro ao governo, que o remunera por isso. É possível investir a partir de 30 reais.

    Na plataforma de negociação online, há uma lista de diferentes títulos públicos disponíveis, cada um com a sua forma de remuneração. O Tesouro Selic é um deles, e é o mais indicado para quem deseja ter a possibilidade de resgatar o dinheiro aplicado a qualquer momento, em uma emergência.

    O Tesouro Selic também é a aplicação de renda fixa mais rentável do mercado para investimentos baixos, com liquidez diária, ou seja, com a possibilidade de resgatar o dinheiro a qualquer momento. Isso porque ele paga sempre 100% da variação da taxa Selic, não importa quanto o investidor aplique.

    Diferente de outros títulos públicos, o Tesouro Selic também não apresenta risco de prejuízo se o investidor vender o produto antes do prazo de vencimento, já que ele paga a variação da taxa Selic, sempre positiva.

    Ao aplicar no Tesouro Direto, você precisa ficar atento com as taxas cobradas pelas instituições financeiras autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Algumas delas isentam o investidor do pagamento, mas outras chegam a cobrar até 2% ao ano, o que compromete os ganhos. Veja as taxas cobradas por cada um dos agentes.

    Além da taxa, você também deve considerar que a aplicação em títulos públicos sofre tributação de Imposto de Renda ao resgatar o dinheiro, que varia entre 22,5%, com resgate em menos de um ano, e 15%, com resgate acima de dois anos.

    CDB

    Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) são títulos emitidos pelos bancos para captar dinheiro das pessoas e emprestar a outras por juros altos. Em troca, eles oferecem uma taxa de retorno, indexada à taxa DI (CDI). Isso significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, muito próxima à Selic.

    É possível encontrar CDBs no mercado que pagam 100% ou mais da taxa DI, especialmente fora dos grandes bancos. Mas para aplicações baixas, os CDBs normalmente exigem que os investidores abram mão da liquidez diária por um período, para oferecer bons retornos.

    “Para CDB valer a pena, você tem que estar disposto a ficar preso ali por um tempo”, explica a professora da graduação de economia do Insper, Juliana Inhasz. Ela só recomenda investir em CDBs que paguem, no mínimo, 85% do CDI.

    É importante destacar que a segurança dos CDBs é a mesma da poupança, já que ambos são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que garante até 250 mil reais por instituição e por CPF.

    Fundo simples

    Os fundos simples, chamados antigamente de fundos DI, costumam ser indicados a quem tem pouco dinheiro para investir e gostaria de deixar toda a responsabilidade nas mãos do gestor da aplicação.

    Vale investir em um fundo simples para você manter uma reserva de emergência, um dinheiro para usar quando precisar, se estiver disposto a pagar pela comodidade de um gestor fazer tudo para você. O gestor aplica seu dinheiro majoritariamente em investimentos de renda fixa, que acompanham as variações da taxa DI.

    Mas é preciso prestar atenção às taxas de administração, que podem ser bem altas, principalmente se você investe pouco dinheiro. Com isso, no fim das contas, os fundos simples podem ter rentabilidade menor do que o Tesouro Selic, que os CDBs e até que a poupança, se a taxa de administração for muito alta.

    Mas o que é uma taxa de administração considerada justa? O professor de economia do Ibmec-RJ Daniel Sousa, coordenador dos cursos de extensão, recomenda investir em fundos que cobrem, no máximo, taxa de 1,5%.

    Até o próximo post.

    Geral

    Vale a pena comprar uma fatia de título do Tesouro Direto por mês?

    12 de janeiro de 2017

    Investimentos em ascensão: Tesouro Direto bate recorde de inscritos

    Um leitor da Exame perguntou se valeria apena comprar uma fração de um título público (Tesouro Direto) a cada mês. Ele confrontou a pergunta com a poupança, se ela não valeria mais a pena para esse propósito.

    Vale a pena trocar a Poupança pelo Tesouro Direto?

    Dinheiro: Tesouro Direto permite fazer aplicações a partir de 30 reais

    O leitor fez a seguinte pergunta:

    – Gostaria de aplicar 500 reais por mês para juntar um montante em 15 anos. Fui me informar sobre o Tesouro Direto e vi que não é vantagem comprar uma fatia de um título por mês, pois os juros vão incidir separadamente em cada título e a poupança pode dar mais dinheiro. Nessas condições, qual a melhor alternativa de investimento?

    Ele obteve a seguinte resposta:

    Com a possibilidade de fazer aplicações a partir de 30 reais, milhares de pessoas passaram a se interessar por investir no Tesouro Direto em vez de na tradicional poupança. Sua dúvida é comum entre investidores e, apesar da resposta ser simples, ela não é simplória: o Tesouro direto é, sim, a melhor alternativa de investimento quando comparado à poupança.

    Não se preocupe se os valores disponíveis para aplicação são baixos. O mais importante para investidores iniciantes é começar a realizar sua reserva financeira, mesmo que inicialmente você só consiga comprar uma fração de um título público.

    Apesar da poupança ser um produto financeiro isento de Imposto de Renda para pessoa física, ela não é a melhor alternativa porque perde para a inflação. A rentabilidade paga pelos títulos públicos é significativamente maior, em especial para investimentos de prazo longo. Sugiro que você busque títulos públicos indexados ao IPCA, que manterão você protegido se houver aumentos pontuais na inflação.

    O Tesouro Direto foi criado para permitir que pessoas físicas comprem diretamente títulos públicos, sem a necessidade de aplicar em fundos de investimento oferecidos pelas instituições financeiras. Essa é uma grande vantagem para seu bolso, pois você é liberado de pagar as taxas de administração dos fundos, que reduzem a rentabilidade dos investimentos.

    Os títulos públicos são títulos da dívida que o governo paga a você por emprestar seu dinheiro, em busca de uma rentabilidade no futuro. Os títulos podem pagar juros a cada semestre ou apenas na data do resgate. O risco desse investimento é muito baixo, pois a chance do governo não pagar os juros é bastante improvável.

    Apesar do Tesouro Direto oferecer boa rentabilidade, liquidez e segurança, recomendo buscar alternativas para compor seu portfólio de investimento, reduzindo seus riscos em qualquer cenário.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/e-vantagem-comprar-uma-fatia-de-titulo-do-tesouro-direto-por-mes

    Até mais.

    Geral

    Investimentos seguros para bater a poupança em 2017

    4 de janeiro de 2017

    Embora hajam diversas projeções para queda da Selic em 2017 devido a forte retração econômica e forte queda da inflação em 2016, especialistas em investimentos continuam indicando a renda fixa para 2017. Veja quais são as melhores opções a seguir.

    “Apesar dos cortes na Selic, vamos continuar com juros altos. A inflação, que já caiu, deve ceder ainda mais no próximo ano, por isso o juro real segue interessante”, disse o consultor financeiro André Massaro a Exame.

    Dicas de especialista para passar 2017 no azul

    O Comitê de Política Monetária do Banco Central – Copom – reduziu a Selic no fim de novembro em 0,25 ponto percentual, para 13,75% ao ano. Foi o segundo corte consecutivo na taxa, que em outubro já havia sido ajustada de 14,25% para 14% ao ano, no primeiro corte em mais de quatro anos. Segundo o Boletim Focus do Banco Central, o mercado espera que os juros terminem 2017 em 10,50% ao ano.

    “A queda de juros pode diminuir um pouco o rendimento de títulos pós-fixados ligados ao CDI e Selic, mas para a renda fixa deixar de ser um bom investimento falta mundo. Enquanto tivermos uma taxa de juros de dois dígitos, podemos nos considerar um ponto fora da curva no mundo. O investidor que tem recursos disponíveis para investir tem que aproveitar isso, e sair da poupança”, falou o Massaro ao portal Exame.

    Confira abaixo algumas aplicações para quem busca rendimentos superiores à poupança e não deseja correr riscos grandes:

    Títulos públicos

    A opção mais segura de investimento para você fugir da poupança é o Tesouro Direto —plataforma online do governo federal para compra e venda de títulos públicos.

    A aplicação mínima inicial é de 30 reais e qualquer um pode investir, basta procurar um banco ou uma corretora para intermediar a negociação e escolher o título público que melhor se encaixa no seu objetivo.

    Em um cenário de queda da Selic, especialistas recomendam que você aplique em títulos prefixados. Eles não acompanham a taxa básica de juros ou a inflação, como outras opções de títulos, mas, sim, uma taxa determinada antes da aplicação.

    É importante destacar que você só vai ser remunerado por essa taxa prefixada se levar o título até o vencimento. Se decidir vender o papel antes do prazo, a rentabilidade pode variar.

    Isso porque existe uma relação inversa entre o preço do título e a taxa de juro. Ou seja, quando a Selic cai, o preço dos prefixados sobe. Por isso eles são uma aposta para 2017.

    “A inflação cedendo abre espaço para que o Banco Central reduza ainda mais a Selic no próximo ano, o que beneficia tanto os investidores de títulos prefixados quando os detentores de títulos atrelados ao IPCA”, diz Samuel Torres, analista da Spinelli Corretora.

    Ao aplicar no Tesouro Direto, você precisa ficar atento com as taxas cobradas pelas instituições financeiras autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Algumas delas isentam o investidor do pagamento, mas outras chegam a cobrar até 2% ao ano, o que compromete os ganhos.

    Além da taxa, você também deve considerar que a aplicação em títulos públicos sofre tributação de Imposto de Renda. Sobre os resgates em até 180 dias incide uma alíquota de 22,5%; de 181 dias a 360 dias o imposto cai para 20%; de 361 a 720 dias vai para 17,5%; e acima de 721 dias é aplicada a menor alíquota, de 15%.

    CDBs e LCs

    Ao comprar um CDB, o investidor empresta dinheiro para a instituição financeira e recebe uma remuneração por isso. O banco empresta o dinheiro a outros clientes e, para garantir lucro, paga uma taxa menor ao investidor do que a que cobra para emprestar aos tomadores de crédito.

    O mais comum é que os CDBs sejam pós-fixados e atrelados ao CDI, o que significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, que fica bem próxima à Selic. É possível encontrar CDBs no mercado que pagam 100% ou mais do CDI, mas provavelmente o valor investido terá que ser maior para isso.

    “O retorno do CDI deve diminuir em 2017 por causa da Selic menor, mas ainda assim os CDBs continuam sendo uma boa opção ao pequeno investidor. O fato de a inflação recuar também ajuda as pessoas a perder menos poder de compra”, afirma Eduardo Levy, estrategista da Rio Bravo Investimentos.

    É importante destacar que a segurança dos CDBs é a mesma da poupança, já que ambos são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) até 250 mil reais —limite válido por instituição e por CPF.

    Você também tem a opção de investir em uma LC (Letra de Câmbio). Apesar do nome, ela não tem nada a ver com uma operação de dólar. Na verdade, as LCs são “primas dos CDBs”, a diferença é que os CDBs são emitidos por bancos e as LCs por financeiras.

    Tanto os CDBs quanto as LCs têm desconto de Imposto de Renda. A regra é a mesma que a dos títulos públicos para ambos os produtos financeiros: quanto mais tempo você demorar para fazer o resgate, menor será a alíquota de IR cobrada.

    LCIs e LCAs

    A LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) é o título emitido pelos bancos para financiar participantes da cadeia do agronegócio, enquanto a LCI (Letra de Crédito Imobiliário) é um título emitido pelos bancos para obtenção de recursos destinados a financiamentos do setor imobiliário.

    A principal vantagem dessas duas aplicações é a isenção de Imposto de Renda. Já as desvantagens são os aportes iniciais maiores e os prazos mais longos. Até existem algumas poucas opções de LCIs e LCAs com aplicação mínima mais baixa, mas é preciso garimpar as opções. Veja como escolher entre CDB, LCI e LCA.

    A remuneração das LCIs e LCAs, assim como a do CDB, pode variar muito de acordo com a estratégia de cada banco. Ambas pagam um percentual do CDI. Por isso, é importante pesquisar entre diferentes bancos as taxas oferecidas e comparar as rentabilidades dos CDBs, LCIs e LCAs para checar qual título oferece o maior rendimento.

    Lembre-se de que, ao comparar o rendimento das LCAs e LCIs com o de um CDB, é importante descontar o Imposto de Renda cobrado no CDB. Por mais que o percentual do CDI pago pelo CDB seja superior ao de LCIs e LCAs, com o desconto do imposto, sua rentabilidade líquida pode ser menor.

    Além disso, sempre vale buscar esse tipo de investimento em bancos médios ou em corretoras independentes, já que bancos grandes costumam oferecer remunerações muito inferiores.

    porquinhos da poupança cofrinhos de porquinhos
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/5-investimentos-seguros-para-bater-a-poupanca-em-2017

    Até mais e bons investimentos em 2017!!!