‘Planejamento Financeiro’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2

Browsing Tag: planejamento financeiro

    Convidados

    Homem que se aposentou aos 37 conta como largou o luxo para economizar acima de 50% da renda

    31 de outubro de 2017

    Quando Chris Reining decidiu se aposentar, ele tinha uma carreira bem-sucedida e estava trabalhando com o que sempre sonhou, tecnologia da informação.

    Chris Reining se aposentou com 38 anos
    38-year-old retired millionaire shares his No. 1 saving tip

    Chris Reining conseguiu o que muitas pessoas desejam: uma aposentadoria antecipada. Ele se aposentou aos 37 anos, mas teve que abrir mão de seu estilo de vida.
    Quando decidiu se aposentar, sua carreira estava indo muito bem e ele estava trabalhando com o que sempre sonhou, tecnologia da informação. Tinha um bom salário, e um estilo de vida de luxo.

    “Quando eu tinha meus 20 e poucos anos, eu comprei um apartamento, uma BMW e comprava coisas na Whole Foods [uma rede de alimentos saudáveis] todas as semanas”, contou ao CNBC. “Eu estava vivendo um estilo de vida muito bom. Mas comecei a ficar um pouco desiludido com essa vida de trabalho-casa-trabalho e a correria diária”.

    Reining queria ter a liberdade de fazer o que eu quisesse quando eu quisesse. Quando se deu conta disso, começou a mudar seus hábitos. “Eu não tinha liberdade dentro do escritório, não dava para passar mais 30 anos daquele jeito”, afirma.

    Ele adotou uma medida radical. Definiu a meta de economizar 54% de sua renda e se concentrou em aumentar seus fluxos de receita. Para atingir o objetivo, começou a fazer investimentos e cortou os pequenos gastos diários, como jantares caros, café da manhã fora de casa, além de diminuir a fatura do cartão de crédito. Aos 35 anos conseguiu poupar US$ 1 milhão. Dois anos depois, Reining se aposentou oficialmente.

    Segundo o americano, a chave para poupar mais da metade de sua renda é começar com pequenas mudanças. “Eu sei que existem algumas pessoas que dizem que você não deve se preocupar com o café de US$ 5. Mas quanto mais eu penso sobre isso, compreendo que cortar o café de todo dia foi uma boa forma de começar a economizar. Se você tentar mudar de casa, vender os carros e fazer outras mudanças drásticas, vai ser muito estressante e pode não dar o resultado que você espera”, afirma. “É preciso começar com calma, não precisa juntar dinheiro de forma meteórica, eu mesmo demorei cerca de 4 anos mais ou menos. É importante fazer um bom planejamento”, explica.

    Depois de cortar o café de toda manhã, Reining parou de almoçar fora todo dia. Em seguida, começou a cortar despesas maiores, como os US$ 1 mil por mês que gastava com passeios de jatinho. Ele abandonou o estilo de vida de luxo para conseguir se aposentar antes e ter uma qualidade de vida melhor.

    “As pequenas mudanças levam você a fazer as grandes mudanças”, diz Reining. “Hoje em dia eu voltei a tomar aquele café de US$ 5 e realmente não é grande coisa, mas acho que foi muito importante fazer o esforço de economizar esse dinheiro para chegar onde estou hoje”, diz.

    Até mais.

    Convidados

    Casal se aposentou em seus 30 anos, agora está viajando o tempo inteiro

    27 de outubro de 2017

    Um casal norte-americano, Steve e Courtney Adcock, conseguiu o algo desejado por muitos que é se aposentar antes do previsto, ele aos 36 anos e ela aos 34 anos, porém nem sempre foram econômicos. “Durante meus 20 e poucos anos, eu era apenas mais um. Queria bons carros, casas grandes e coisas caras”, afirma Steve em seu blog, Think Save Retire (“Pense, poupe e se aposente”, numa tradução livre). “Ganhei muito dinheiro, mas eu economizava pouco. Era o meu erro”.

    Em 2014, um ano após o casamento, ele e a esposa decidiram dobrar suas economias para se aposentar mais cedo. “Começamos a pensar que poderíamos usar boa parte dessa renda dupla para poupar mais, investir e nos aposentarmos mais cedo do que o previsto, em vez de gastar tudo agora e continuar trabalhando apenas para manter esse estilo de vida“, afirmou Steve ao site CNBC.

    O casal Steve e Courtney Adcock se aposentou bem cedo, ele aos 36 anos e ela aos 34 anos, mas nem sempre foram econômicos

    A renda conjunta do casal era suficiente para viver bem, mas eles administravam a vida financeira muito mal. Ele afirma que “é mais fácil se aposentar mais cedo com base em um alto nível de poupança do que um alto nível de renda”. Isso porque, segundo ele, “quanto mais temos, mais queremos e quanto mais queremos, mais gastamos. O ciclo é perverso, e é quase eterno”, afirma.

    Steve acredita que a chave para conseguir se aposentar de forma antecipada é o estilo de vida que você adota. “Quando se trata de aposentadoria, não é sobre quanto você ganha. Você consegue se aposentar se tiver uma renda alta, mas ganhar muito dinheiro não é a receita para o sucesso. O estilo de vida que leva e o que vai levar depois de parar de trabalhar que vão determinar uma vida financeira de sucesso”.

    Após um esforço em conjunto e certas mudanças de hábitos, que incluem um estilo de vida mais rentável, reduzindo despesas diárias e a venda dos carros, em dezembro de 2016, Steve largou sua carreira em tecnologia da informação (TI) e Courtney deixou seu emprego também em TI em abril deste ano.

    O casal que morava em Tucson, no Arizona, vendeu a casa e comprou um trailer para viajar pelo país. Considerando essa trajetória de sucesso, o casal revelou ao site algumas dicas do que fizeram para conseguir se aposentar mais cedo. Confira:

    Descubra o quanto vai gastar na aposentadoria

    “A primeira coisa que tivemos que fazer foi dar uma olhada no quanto iríamos gastar na aposentadoria”, diz Steve. É um primeiro passo comum entre as pessoas que se aposentam mais cedo que o normal. Se você vai parar de trabalhar mais jovem, precisa ter em mente quanto vai gastar. É preciso pensar no longo prazo e sobre o estilo de vida que você quer e estimar como seus gastos mudarão.

    Steve e Courtney usaram a “regra de 4%” para determinar quão grande teria que ser a poupança do casal para se aposentarem mais cedo. A regra diz que você pode usar com segurança 4% da quantia guardada por ano para conseguir viver bem durante a aposentadoria.

    Por exemplo, se você quer viver durante sua fase de aposentado com R$ 90 mil por ano, é preciso dividir esse valor por 0,04 (4%), que vai dar R$ 2.250.000. Esse valor final é o que você precisa ter no banco para se aposentar com segurança e sem ficar no vermelho.

    Por precaução, o casal planejaram gastar cerca de 3% do que tinham a cada ano. Então dividiram a quantia que pretendiam ter por ano por 0,03 (3%), para garantir que iriam ter dinheiro durante os próximos anos. A partir disso, sabiam o quanto precisavam economizar para poder se aposentar. Mudaram, então, os hábitos e se começaram a se adaptar a uma nova realidade.

    Monitore suas despesas e reduza seus gastos

    Uma vez que o casal tinha ideia de quanto precisaria guardar, fez grandes cortes em seus gastos. Eles começaram a monitorar todas as suas compras em uma planilha do Excel.

    “Fazendo isso a gente sabia exatamente quanto gastávamos e com o que”, escreve Steve. “Saber para onde o nosso dinheiro vai é fundamental para maximizar nossas economias e identificar onde provavelmente poderíamos reduzir”.

    E reduziram muito. “Nós cortamos tudo o que não achamos necessário”. Isso incluiu o maior hobby de Steve: jantar fora. “Nós só saímos para comer uma ou duas vezes por mês, e eu adoro sair para comer”, diz ele. “Mas sempre pensava: esse gasto vale o que poderíamos estar poupando? Isso tornou muito fácil dizer não a certas coisas. No final do dia eu concluía: ‘não gosto de restaurantes suficientes para trabalhar nos próximos 30 anos da minha vida’”, diz Steve.

    Diminua ainda mais os gastos

    Além de eliminar jantares em restaurantes e outras despesas diárias desnecessárias, o casal reduziu grandes custos. Para começar, venderam sua casa com piscina para comprar um trailer, onde atualmente moram desde abril de 2016.

    As economias foram drásticas. Eles também venderam os carros, o sedã Chevrolet Corvette e a picape Honda Ridgeline. O casal agora gasta cerca de US$ 30 mil por ano, cerca de R$ 97.500. Suas maiores despesas mensais são agora diesel para abastecer o trailer e cuidados com a saúde, que custam US$ 250 por pessoa por mês.

    Economize uma quantia considerável da sua renda

    Graças a redução de despesas do dia-a-dia e a redução mais radical com custos maiores, o casal conseguiu poupar cerca de 70% da renda conjunta, que deu uma quantia média de US$ 200 mil por ano. “Nós guardamos cerca de dois terços da renda de Courtney, investimos o restante e vivemos com cerca de 50% da minha”, conta Steve. Quando o casal conseguiu juntar um bom dinheiro, mantiveram uma bom rendimento porque aprenderam administrar bem a vida financeira e se adaptaram ao novo etilo de vida.

    Faça investimentos

    Eles não apenas pouparam muito dinheiro, mas também colocaram o dinheiro para trabalhar. “Apenas poupar não vai fazer com que você fique rico”, afirma Steve. “Esse é definitivamente um bom começo, mas para ficar rico é preciso investir esse dinheiro”. Parte do salário da Courtney, era direcionado exclusivamente para uma carteira de investimentos.

    Segundo Steve, é preciso se concentrar no “prêmio” da aposentadoria: a qualidade de vida e a possibilidade de viajar ou fazer qualquer coisa que quiser. Os esforços para conseguir se aposentar mais cedo são grandes, mas valem a pena. Crie um estilo de vida que reduz suas despesas e maximize suas economias. Em seguida, coloque suas economias extras para funcionar e ganhar mais dinheiro.

    Até mais.

    Convidados

    Business Insider: Tenho 27 anos e poupei $ 200,000 – aqui estão os melhores conselhos que posso dar sobre o dinheiro

    4 de outubro de 2017

    I’m 27 and I’ve saved $200,000 – here are the 7 best pieces of advice I can give you about money
    man suit wealth

    O sonho de muitos profissionais é conseguir poupar dinheiro para se aposentar cedo, viajar ou ter uma vida mais confortável. Esse é o objetivo do “The Money Wizard” (“O Mago do Dinheiro”, em tradução livre) – nome de seu blog sobre finanças e de seu pseudônimo porque prefere não revelar seu sobrenome verdadeiro. Com 27 anos, ele conseguiu poupar US$ 200 mil, cerca de R$ 630 mil, economizando e fazendo investimentos.
    “Com esforço consigo poupar 60% do meu salário e estou planejando ter um portfólio de US$ 750 mil para me aposentar aos 37 anos. O Plano B é continuar guardando até 40 anos e o plano C é me aposentar uma década mais cedo do que a idade de aposentadoria “normal”, em torno de 50. Até agora, estou dentro do meu cronograma no plano A”, explica.

    A façanha de poupar muito dinheiro foi e está sendo alcançada porque ele teve essa consciência desde cedo. Aos 16 anos, o jovem morador do Texas, nos Estados Unidos, começou a juntar dinheiro. Ele tinha um trabalho braçal no campo para ajudar a família. “Eu trabalhava muito, mas teve um dia que foi especial. Era dia de pagamento e depois de meses, eu conseguiria juntar exatos US$ 500 [cerca de R$ 1.570] na minha conta bancária”, contou ao Business Insider.

    A ideia do jovem era aumentar esse valor ainda mais para poder começar a investir no mercado de ações. E dois anos depois ele atingiu esse objetivo. Com 18 anos já investia na bolsa de valores e começou a juntar ainda mais dinheiro. Ele, então, saiu do emprego no campo e começou a trabalhar em uma empresa pequena do mercado financeiro como analista. Mais um tempo se passou, foi aprendendo a investir e conseguiu manter uma quantia cada vez maior guardada. “Aos 25 anos, eu tinha US$ 100 mil, e aos 26, US$ 150 mil. E hoje, com 27 anos, economizei quase US$ 200 mil [cerca de R$ 630 mil]”, conta.

    Você pode pensar que ele é um gênio do mercado de ações ou um verdadeiro prodígio da área, mas ele nega. Segundo o blogueiro, seus investimentos em ações não deram um grande retorno em comparação com o mercado na época, e seu salário não era muito maior do que a renda média na sua cidade. “Na realidade, eu sou um cara normal com um trabalho decente, que teve a sorte de tropeçar em algumas dicas de dinheiro no início da carreira”, define. Hoje ele continua trabalhando no mercado financeiro e administra seu blog.

    O “Mago do dinheiro” selecionou algumas dicas sobre dinheiro que ele aprendeu durante essa jornada financeira.

    Confira a seguir:

    1) Escolha bem a sua carreira

    Fazer uma faculdade pode acarretar muitos custos, mas o jovem concorda com o bilionário Warren Buffett sobre a graduação: “o melhor investimento que você pode fazer é em você mesmo”.

    “Essa é a chave. Você precisa enxergar a faculdade como ela é: uma negociação de 4 anos para comprar uma carreira”, afirma. Segundo ele, é importante analisar o valor desse diploma. “Na hora de decidir qual curso você irá fazer avalie se você gosta e quais são as perspectivas financeiras dessa carreira. Alguns pagam bem, outros … nem tanto. Pesquise estatísticas salariais, converse com pessoas da área e participe de feiras de carreira”.

    Especialista em finanças e economia, o jovem encontrou um emprego rapidamente como analista financeiro, mesmo quando o mercado de trabalho estava instável. “Espero que o meu diploma estrategicamente escolhido continue a construir uma base para uma vida de ganhos”, afirma.

    2) Evite dívidas

    Uma vez que você está fora da faculdade e no caminho para ganhar dinheiro, o próximo passo é evitar a armadilha da dívida. “Simplificando: é impossível construir riqueza se você estiver pagando dívidas todos os meses, sejam de empréstimos ou de cartão de crédito”, explica. Tentar construir riqueza pagando juros é remar contra a correnteza. “Para evitar dívidas, comprei meu carro sem empréstimo, e apesar de usar cartões de crédito para ganhar as milhas de recompensa, nunca paguei um centavo de juro”, diz.

    3) Decida se seus gastos estão realmente fazendo você feliz

    Segundo o blogueiro, você sempre deve avaliar onde você coloca seu dinheiro. Por exemplo, uma casa com vários quartos faz sua vida mais feliz, ou só dá mais trabalho para cuidar e administrar?

    “Quando se trata do que você faz com o seu dinheiro, você está calculando os benefícios potenciais, ou está apenas seguindo o que seus amigos, a sociedade e a publicidade estão dizendo para você fazer?”, questiona.

    Ele diz isso porque escolheu morar em um apartamento bem simples para economizar dinheiro. E fez o mesmo com o carro, comprou um usado para não perder dinheiro. “Eu entendi que minha viagem seria a mesma com um carro de US$ 30 mil ou US$ 13 mil, então optei por gastar menos”, afirma.

    Você precisa saber quais são os gastos que podem ser cortados e quais valem a pena investir um pouco mais – se vão trazer mais conforto ou felicidade. Ou ainda, saber quais custo devem ser cortados – mesmo que seja um esforço – para alcançar algum objetivo financeiro mais para frente.

    4) Evite um estilo de vida caro

    À medida que vamos evoluindo na carreira é fácil querer gastar mais dinheiro com você mesmo. É difcil manter a disciplina fincanceira quando você tem mais dinheiro à sua disposição.

    Mas manter um estilo de vida caro pode ser um ciclo vicioso e só atrapalha a possibilidade de construir riqueza. É importante valorizar seus gastos: qual a vantagem em levar um estilo de vida luxuoso se você não tem um fundo de emergência ou nenhum dinheiro investido?

    “Em vez disso, reconheça que sua vida já é boa o suficiente e se mantenha firme poupando dinheiro. Se você quer um futuro saudável financeiramente é preciso administrar seu dinheiro desde já”, aconselha o blogueiro.

    5) A riqueza é construída através de consistência

    Depois de nem começar, um dos erros de investimento mais comuns que as pessoas cometem é investir de forma agressiva, segundo o blogueiro. “É um erro compreensível começar assim. Nossas mentes não são projetadas para entender intuitivamente o poder do juros compostos, e aí queremos começar ganhando muito dinhero rapidamente. É preciso ter paciência e aprender a investir”, afirma.

    Como resultado, muitos investidores iniciantes acham que a única maneira de se enriquecer é assumir riscos enormes. Eles fazem apostas ousadas no mercado de ações e ficam frustrados quando perdem dinheiro.

    “Quando olho para o meu caminho até agora, fico impressionado com algo simples. Eu não ganhei dinheiro com nenhuma estratégia ousada. Nem cheguei perto. Eu não criei uma empresa extremamente lucrativa, nem enriqueci rapidamente. Eu faço investimentos mais seguros. Eu optei por consistência. Meus investimentos rendem uma quantia menor, mas não perco dinheiro”, explica.

    Veja também:

    Os passos para ganhar mais dinheiro, de acordo com um milionário autodidata

    Até mais.

    Geral

    Coisas que você deve fazer com a vida financeira aos 20 anos para aproveitar os 30

    21 de julho de 2017

    Entre acabar a faculdade e entrar para o mercado de trabalho você precisará desenvolver alguns hábitos financeiros sólidos

    A fase dos 20 anos será uma das melhores na sua vida e também é um dos melhores momentos para colocar as finanças em ordem. Entre acabar a faculdade, entrar para o mercado de trabalho, se especializar, viajar e começar uma família, você precisará desenvolver alguns hábitos financeiros sólidos para administrar seu dinheiro e direcioná-lo a curto e longo prazo, a fim de atingir suas metas.

    11 things to do in your 20s to become a millionaire by 30
    smiling couple races wealthy

    É essencial pensar e monitorar suas finanças nessa fase. Se você está chegando perto dos 30 anos, confira alguns hábitos que pode considerar adotar, segundo o Business Insider:

    Evite dívidas de cartão de crédito

    As dívidas podem impedir que você faça muitas coisas com o seu dinheiro, especialmente as de cartão de crédito, considerando os juros altos. Se organize para manter suas contas sempre em dia, porque mais cedo ou mais tarde você terá que pagar. É importante que você não acumule dívidas. Depois de se formar na faculdade e se estabilizar no trabalho, sua renda provavelmente aumentará, o que pode incentivar você comprar mais do que precisa e o crédito nessa hora vai parecer a melhor solução.

    Os cartões de crédito são uma boa pedida quando usados corretamente. Se você vai usar um cartão de crédito, utilize um total abaixo de 30% do seu limite e pague sempre a fatura em seu valor total para não pagar juros e manter uma vida financeira saudável. Se perder o controle, a dívida pode ficar muito cara.

    Crie um fundo de emergência

    Despesas inesperadas vão inevitavelmente aparecer, desde um desemprego até gastos médicos. Então é importante reservar um fundo de emergência para esses gastos não previstos. Quanto você deve guardar vai depender das suas preferências e situação financeira, mas garanta uma quantia que possa ajudar você em um momento fortuito.

    Comece a guardar dinheiro para aposentadoria

    Quanto antes você puder guardar dinheiro para a aposentadoria melhor. Você não precisa colocar quantias exorbitantes, o que você conseguir adaptar ao seu orçamento já vale. Quanto mais tempo seu dinheiro estiver destinado a aposentadoria, mais tempo ele irá render e você terá a chance de se aposentar confortavelmente. Por mais que pareça longe, você precisa se planejar para o futuro.

    Você pode investir a longo prazo por meio de uma aplicação na renda fixa, por exemplo, e retirar a quantia quando se aposentar ou começar a pagar uma previdência privada. Busque a opção que melhor se encaixa com seu orçamento e condições atuais.

    Viva dentro do seu orçamento

    Apesar de parecer um conselho simples, pode ser difícil colocá-lo em prática. Gastar tudo o que você recebe, não é prudente. É hábito ruim, porque gastar toda sua receita com despesas dispensáveis impede que você aproveite e colha os frutos do seu trabalho. Defina metas financeiras claras e priorize suas despesas em torno delas. Você vai perceber que viver abaixo de seu orçamento aos 20 anos é muito mais fácil do que durante seus 30. Então adote hábitos financeiros e um estilo de vida adequado à sua receita desde o início.

    Defina metas a longo prazo para seu dinheiro

    As metas financeiras a longo prazos são importantes. Elas ajudam a definir os objetivos qu você precisa cumprir no curto prazo para chegar ao resultado final. Na década dos 20 anos, é importante descobrir o que você realmente quer da vida e como usar o dinheiro como uma ferramenta para alcançar seu objetivo.

    Claro que suas metas podem e provavelmente vão mudar ao longo do tempo, mas estabelecendo objetivos realistas e expectativas para o seu futuro, você poderá gastar mais conscientemente ano após ano, ajustando suas metas conforme sua vida for mudando.

    Saiba gastar com consciência

    Gaste seu dinheiro com coisas que você valoriza e acha que valem a pena. É preciso saber equilibrar seus gastos, administrar a vida financeira não é uma tarefa fácil, e você vai cometer alguns erros ao longo do caminho. E a partir desses erros você vai se adaptando e melhorando a forma de monitorar suas finanças. E gastar com consciência é uma das questões chaves de uma vida financeira de sucesso. Mas claro que tudo tem limites, se você gasta dinheiro com algo que faz você feliz, mesmo sendo um pouco mais caro, não precisa necessariamente cortar esse item do orçamento – desde que possa pagar.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Business Insider: Consultora revela seu melhor conselho sobre dinheiro

    4 de julho de 2017

    I’m a financial planner — here’s the single best piece of advice I can give you about money
    woman thinking overlooking ocean

    A realidade é que, quando se trata de dinheiro, a maioria das pessoas já passou ou vai passar por momentos bons e ruins.

    Para a maioria das pessoas, os erros financeiros são um rito de passagem, diz a consultora financeira Lauren Lyons Cole. Mesmo as pessoas bem-sucedidas têm um ou dois arrependimentos relacionados com o dinheiro.
    Segundo ela, a realidade é que, quando se trata de dinheiro, a maioria das pessoas já passou ou vai passar por momentos bons e ruins. Claro, talvez você ainda não tenha atingido seus objetivos, mas isso não significa que você não vai conseguir ou que você já falhou. Mesmo que as coisas sejam particularmente difíceis neste momento, não ficará assim para sempre.

    Ela compartilha seu melhor conselho sobre dinheiro: “O dinheiro é dinâmico. Planeje para o longo prazo, e não fique muito apegado a ele hoje. Tudo passa, inclusive sua situação financeira, seja ela, boa ou ruim”.

    Para entender melhor, basta você dar uma olhada no saldo da sua conta no ano passado, ou cinco anos atrás ou mais. Se você é como a maioria das pessoas, você teve altos e baixos. O mercado de ações funciona da mesma maneira. O dinheiro está constantemente em movimento.

    Acompanhar o seu patrimônio líquido é uma boa maneira de acompanhar os altos e baixos da sua situação financeira e lembrar-se de que você não está preso àquela situação para sempre. “Cometer um erro não é sinônimo de uma vida financeira falida, bem como ganhar na loteria não significa necessariamente que você será rico a vida toda”, explica Cole.

    Se as coisas estão boas agora, aproveite. Mas certifique-se de economizar também pensando sempre no futuro. Nunca se sabe quando uma emergência vai aparecer. Perder o emprego, despesa médica ou outro evento podem acontecer. Será mais fácil enfrentar os tempos difíceis se você se preparar durante a época boa.

    E, se você está vivendo um desses momentos difíceis, tente lembrar que é temporário. Não se preocupe com o progresso que você não está fazendo. Um dia de cada vez. Se você perdeu seu emprego, concentre-se em encontrar um novo. Se você estiver com a dívida com dívidas, recupere o máximo que puder para pagar.

    “Vale dizer – e é aí que o planejamento de longo prazo realmente entra em jogo – já que o dinheiro é dinâmico, que suas metas financeiras também devem ser. Não subestime seu potencial”, afirma a especialista. Se o seu objetivo atual está um pouco longe, seja paciente e continue trabalhando para isso. Se você atingiu recentemente um objetivo financeiro, defina um novo. O importante é se manter em movimento.

    Convidados

    Segredos para juntar uma bolada

    22 de fevereiro de 2017

    Emmie Martin: I didn't let my savings goals hold me back from enjoying life in New York City.

    A americana Emmie Martin montou uma estratégia de economia muito eficaz e consegue se manter apenas com metade de sua renda. Ela guarda 50% da renda todo mês e revelou os segredos para juntar uma bolada no artigo do Business Insider intitulado I saved 50% of my income for a month — here’s my best tip for saving money

    A Emmie Martin, jornalista, fez um plano financeiro no fim do ano passado e guardou 50% da sua renda mensal para aposentadoria. Para tal feito, ela teve que readequar seus custos mensais e montar um orçamento o com restante da sua renda mensal.
    No 1º mês em que colocou o plano em prática, depois a contabilização do aluguel e todos os gastos fixos do mês, sobraram US$ 140 por semana para gastar com comida, diversão e outros, contou Martin ao site Business Insider.

    Entretando, a jornalista, que mora em Nova York, tinha uma viagem marcada e precisava economizar ainda mais neste primeiro mês de teste. Conforme a mesma relatou, a ideia era viajar sem se preocupar com o orçamento. “Então decidi que iria guardar o máximo de dinheiro possível até a data da viagem”, relatou.

    A estratégia mais eficaz que ela usou durante esse período foi simples e direta: ela se organizou com uma lista. Nela, Martin colocava todos os itens que queria comprar desde produtos de higiene, até sapatos ou uma bolsa nova e até itens de supermercado e esperava alguns dias. Esse período era usado para ela avaliar se realmente precisava do produto ou era algo que poderia ficar para depois.

    “Algumas compras realmente são necessárias: quando acaba seu xampu ou sabonete, por exemplo, você indiscutivelmente terá que comprar mais um. Porém percebi, por outro lado, que existem coisas que não são necessidades e que compras de coisas assim podem ser adiadas, como roupas de marca novas e bolsas”, explica Martin.

    Considerando esse plano de ação, a jornalista que trabalha com finanças pessoais elencou dicas para economizar baseado no que aprendeu nesse período. Confira:

    Avalie o verdadeiro valor de cada compra

    Martin conta que criar uma “lista de compra” não só mostrou quais produtos eram completamente desnecessários, mas também ajudou a diferenciar quais itens mereciam o investimento de dinheiro e quais ela poderia viver sem.

    “Por exemplo, quando o outono chegou, minha lista começou a transbordar com itens da estação, de um novo casaco a decorações do meu apartamento. Embora nenhum dos itens era verdadeiramente necessário, eu reconheci que eu não me arrependeria de investir em um casaco novo, mas poderia ignorar novas decorações. Sem dar um tempo para avaliar sobre a decisão, teria sido fácil comprar ambos”, explica.

    Elimine os itens comprados por impulso

    Ela explica que é muito fácil comprar coisas por impulso. Quando você passeia em lojas de departamento e se depara com uma promoção, por exemplo, muitas vezes acaba comprando no “calor do momento”, com medo de perder uma ótima “oportunidade”. O problema é que em grande parte das vezes estes itens não são realmente necessários e gastamos um dinheiro que poderia estar sendo destinado para coisas mais úteis.

    Por isso, uma dica que Martin dá é “nunca entrar em uma loja sem rumo”, ou seja, sempre entre com uma lista em mãos ou tendo em mente o que vai comprar. “Assim, a compra é mais rápida e eficiente”.

    Em vez de vaguear nos corredores após buscas aleatórias, vá diretamente no que precisa de forma objetiva. “Depois que adotei esse novo plano financeiro, nunca mais saí de uma loja na dúvida se tinha ou não que ter pego um esmalte novo polonês ou uma faca específica para cortar abacates, porque eu sei que não preciso de coisas assim”, conta.

    Escrever listas e ficar revendo os itens pode parecer uma tarefa estranha quando você só precisa comprar uma pasta de dente no supermercado. “Mas quando você é forçado a monitorar para onde seu dinheiro está indo, ele transforma cada uso do cartão de débito ou crédito um momento de reflexão para avaliar se é mesmo necessário adquirir o item”, explica Martin.

    Até o próximo post.

    Geral

    Dicas para se planejar e ter as contas em dia

    9 de janeiro de 2017

    Especialistas em finanças deram orientação no portal Exame para quem não possui dívidas, com intuito de planejar os gastos para passar por 2017 economizando um pouco a cada mês.

    mantenha-suas-contas-em-dia-sempre

    Assim que passam as férias e as festas, janeiro é o mês em que o consumidor costuma receber outras contas que pesam no orçamento nessa época do ano: IPVA, IPTU e gastos escolares são as principais delas.

    A orientação de especialistas é que quem não possui dívidas deve planejar os gastos para passar por 2017 economizando um pouco a cada mês. E quem está no vermelho deve manter as contas atuais em dia e tentar renegociar as antigas.

    Conforme o diretor executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), economista Roberto Vertamatti, as famílias precisam ter um forte controle e não fazer gastos eventuais muito grandes para não comprometer o resto do ano.

    “O ambiente [econômico do país] ainda difícil vai exigir mais das pessoas do que em anos anteriores. A minha perspectiva é que comece a melhorar no segundo semestre”, disse.

    Para ele, uma boa parte do 13º salário deveria ajudar nesses gastos de início de ano, mas o brasileiro não se prepara e não consegue fazer reserva porque o volume de endividamento continua alto no país.

    Segundo Vertamatti, os gastos de início de ano podem representar de 20 a 25% das despesas totais de uma família de quatro pessoas durante o ano.

    Descontos à vista

    No caso do IPTU, do IPVA e despesas escolares, o diretor da Anefac afirmou que é mais vantajoso pagar tudo à vista, já que os descontos são atrativos e podem chegar a 20% para o IPVA e de 5% a 10% para o IPTU.

    Também é possível utilizar recursos da poupança para pagar à vista, já que os descontos são bem maiores que o rendimento da poupança: 7% ao ano.

    Entretanto, para Vertamatti, por causa do endividamento médio, a maioria da população opta pelo parcelamento das contas, o que não é um problema desde que pagas em dia.

    Ele alerta, entretanto, que fazer empréstimo para pagar as contas à vista não é uma boa ideia em função das altas taxas de juros. “A não ser que a pessoa não tenha nenhum recurso, nem para parcela, deve tomar o empréstimo com muita cautela, porque o custo é muito alto no Brasil”, disse.

    Para o economista, o ideal seria as famílias fazerem reservas ao longo do ano. “No início, talvez seja difícil, mas a partir de março ou abril, qualquer reserva é interessante. Isso é muito importante e faz com que as pessoas economizem e evitem pagar juros”, explicou.

    Dívidas em atraso

    Para quem já está no vermelho, Vertamatti orienta procurar o financiador para negociar a dívida e buscar melhores condições de parcelamento, podendo, inclusive, transferir a dívida para outra instituição financeira.

    Ele alerta, entretanto, que é importante negociar por juros mais condizentes e que, aumentando o prazo de parcelamento, mesmo com uma prestação menor, os juros podem ser maiores.

    Segundo o economista, hoje o mecanismo mais utilizado pelo brasileiro para pagamentos é o cartão de crédito, que não traz prejuízos para pagar uma compra parcelada em cinco ou seis vezes sem juros.

    “Caso entre na dívida do rotativo, é melhor que venda algum bem para quitar essa dívida ou até faça um empréstimo. Se tiver que pagar as prestações do cartão, os juros são proibitivos”, disse, explicando que os juros com o cartão de crédito ou o cheque especial são altíssimos.

    O empréstimo rotativo do cartão de crédito é assumido automaticamente quando o consumidor paga apenas o valor mínimo da fatura. Os juros do rotativo do cartão situam-se hoje perto de 480% ao ano.

    Passo a passo

    O site Meu Bolso Feliz, do Serviço de Proteção ao Crédito – SPC Brasil – elaborou um passo a passo para começar 2017 com as contas em dia:

    1º passo: balanço geral. Fazer o controle mensal do orçamento, no papel, em uma planilha no computador ou até mesmo usando um aplicativo. Isso significa fazer um balanço, avaliar o que fez de certo e de errado no ano que passou e começar um planejamento financeiro para o ano que chega.

    Neste processo, pergunte-se: Quais foram seus principais gastos? Quais as suas despesas e contas fixas? Tem dívidas com juros? Quanto sobra mensalmente do seu salário e para onde está indo esse dinheiro?

    Avalie em que pode economizar, especialmente considerando que enfrentará despesas extras no começo do ano.

    2º passo: o que vem pela frente. Anotar os gastos previstos ao longo do ano. Liste as despesas e contas que terá, junto com o prazo para pagar cada uma. Coloque-as junto com as outras despesas já listadas.

    Exemplo: despesas fixas (aluguel, condomínio, luz, telefone), outras despesas (impostos, matrícula e material escolar), dívidas (empréstimos, compras parceladas).

    3º passo: defina como pagará tudo. Você terá como arcar com tudo? Se a resposta for negativa, deve já estabelecer um plano de ação. A primeira delas é avaliar onde economizar.

    Mesmo com os cortes necessários ainda faltará dinheiro? Veja quais contas que, caso não sejam pagas no prazo, resultam em juros altos ou em corte de serviços. Essas despesas devem ser prioridade.

    Caso possa parcelar e opte por essa alternativa, lembre-se de planejar para arcar com as parcelas nos meses seguintes!

    4º passo: planeje-se para grandes projetos. Uma viagem, um curso, um casamento ou festa de 15 anos, são alguns exemplos de grandes projetos que demandam planejamento financeiro porque geralmente exigem um montante maior de dinheiro.

    Se você não for juntando aos poucos para bancá-los pode se ver com o orçamento totalmente desequilibrado e, pior, com dívidas.

    5º passo: mantenha-se na linha. Por fim, procure manter sua planilha, aplicativo ou agenda financeira atualizada, anotando todas as suas entradas e saídas. Dessa forma, saberá exatamente para onde está indo o seu dinheiro e pode, se necessário, ajustar gastos.

    Este passo é especialmente importante para quem possui dívidas e está pagando juros, afinal, para conseguir juntar dinheiro para quitá-las, é fundamental acompanhar seu dinheiro bem de perto.
    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/especialistas-dao-dicas-para-se-planejar-e-ter-as-contas-em-dia

    Até o próximo post.

    Geral

    Em 8 anos, um casal paga todas as dívidas e fica milionário antes dos 40

    26 de dezembro de 2016

    How One Couple Climbed Out Of Debt And Became Millionaires In Their 30s

    Em apenas 8 anos, um casal canadense consegue pagar todas as dívidas e ficam milionários. O objetivo agora é alcançar a independência financeira. A história financeira deles começa após se formarem na faculdade em 2003. Ele engenheiro, ela farmacêutica. Ambos tinham uma renda anual conjunta de US$ 85 mil, aproximadamente R$ 309 mil. A quantia parece muito menor quando é levado em consideração todas as suas dívidas: financiamento estudantil de US$ 40 mil, dívida de carro novo de US$ 25 mil e uma hipoteca de US$100 mil.

    Quando começou o blog Million Dollar Journey, em 2006, o casal canadense tinha US$ 200 mil e pretendia, além de quitar todas as dívidas, acumular $ 1 milhão até o final de 2014. A ideia, que começou quando ele tinha 27 anos, foi concretizada quando ele alcançou os 35.

    Para alcançar o sonho de se tornar milionário, FrugalTrader (que se mantém no anonimato por divulgar valores reais em seu blog), afirma que o segredo é pagar todas as dívidas primeiro antes de pensar em juntar dinheiro. Além disso, comenta que é necessário comprar com consciência e não gastar tudo de uma vez. “Eu acredito que o segredo está no controle de gastos e na ética de trabalho que desenvolvi desde pequeno”, escreve em seu blog. “Eu sempre guardei meu dinheiro, algo que aprendi com meus pais. Eu guardava a maior parte do meu salário [15-20%], o que ia para uma conta no banco ou para um fundo de investimentos”.

    FrugalTrader começou a investir aos 16 anos de idade sob a influência do pai, que era obcecado com o mercado de ações e costumava trazer amigos em casa para conversar sobre o assunto. Quando conseguiu seu primeiro emprego no 2º ano do Ensino Médio, passou a investir de US$ 20 a US$ 50 por mês.

    Na faculdade trabalhou para pagar as mensalidades e conseguiu terminar o curso com a conta bancária no verde (sua mulher que precisou dos financiamentos estudantis). Foi durante a faculdade que aprendeu mais sobre investimentos, colecionando mais de 80 livros de finanças pessoais e de investimentos em sua prateleira.

    Quando os dois conseguiram o diploma de graduação compraram uma casa com dois andares. A ideia era morar no andar de cima e alugar a parte de baixo, de modo a gerar uma renda extra e pagar a hipoteca. Porém, com a chegada do primeiro filho (hoje são dois), o lugar ficou pequeno e eles tiveram que se mudar.

    Desanimados com o cenário de aluguel de imóveis, o marido passou a procurar por ações de rendimentos a fim de pagar as despesas da família. Dentre as 40 ações que eles têm atualmente, estão papéis da Johnson & Johnson e da Coca-Cola.

    Além das ações de rendimentos, FrugalTrader aplica também em fundos de índice, investimento que considera vantajoso por ser barato e fácil. Ele também afirma que visa o longo prazo e, por isso, suas aplicações são de grande risco: 95% de seu portfólio está alocado em ações e apenas 5% em títulos.

    As fontes de renda não param por aí. Mesmo após o primeiro milhão, o trabalho fixo e integral ainda faz parte da rotina do casal, que conseguiu aumentar a renda anual para US$ 105 mil. O rendimento total também depende de horas extras trabalhadas e de trabalhos freelances prestados, como consultoria financeira. O abastecimento do próprio blog, Million Dollar Journey, também está agregando valor.

    Segundo FrugalTrader, o segredo para alcançar o milhão é, além de investir, gastar menos dinheiro do que ganha. “Pode parecer cliché, mas é a verdade. Viver somente com o necessário gera caixa positivo, o que é indispensável para pagar suas dívidas de forma eficaz e para comprar bons ativos de longo prazo”, escreve.

    Visando conter gastos, o casal mudou de estilo de vida e está se adaptando à nova proposta: eles passaram a levar marmita para o trabalho, substituíram jantares em restaurantes pela comida caseira, alugam livros na biblioteca ao invés de comprá-los e optam por produtos mais duráveis quando vão às compras.

    Após alcançarem a marca do US$ 1 milhão alguns meses antes do planejado, o foco agora é construir um portfólio com bons rendimentos a fim de obter a independência financeira. FrugalTrader acredita ser necessário um portfólio de US$ 1,3 milhão para que seja possível sair de seu trabalho fixo.

    A família, que costuma fazer uma grande viagem a cada dois anos, também quer viajar mais. Outro objetivo é juntar patrimônio suficiente para pagar a graduação de seus dois filhos, no qual prevê um período de 17 anos para acumular determinada quantia. Enquanto isso, as crianças são ensinadas em casa sobre a importância e o valor do dinheiro.

    Aos novos navegantes, FrugalTrader aconselha: “Se você tem o mesmo objetivo e gostaria de começar, o meu conselho é estabelecer uma grande meta para si mesmo. Quebre esse objetivo em pequenas partes e você se surpreenderá com o resultado. Só não se esqueça de manter essa meta na sua frente, seja no seu computador, no fundo de tela do celular, ou em post-its no espelho; ter uma indicação constante é a chave essencial”.

    Até mais.

    Em apenas 8 anos, casal paga todas as dívidas e fica milionário antes dos 40

    Geral

    Brasileiros dão pouca atenção ao gerenciamento de risco no planejamento financeiro

    22 de dezembro de 2016

    Para melhorar o planejamento financeiro, especialistas em finanças pessoais indicam que estratégia de sucesso passa pela proteção ao patrimônio.

    Temer anuncia que trabalhadores poderão sacar todo o FGTS de contas inativas

    O mercado de seguros movimenta centenas de bilhões de reais por ano. São diversos os produtos e serviços que protegem contra determinados eventos e estes são oferecidos a milhares de brasileiros, mas chama a atenção o fato de que parcela relativamente pequena da população se protege contra acidentes ou situações que podem afetar significativamente, em vida, a saúde financeira do segurado e da sua família.

    O seguro de vida, um dos produtos pertencentes ao ramo de seguros de pessoas, representa apenas 9% de um mercado que soma arrecadação de R$ 365 bilhões. Este é um dos segmentos de menor arrecadação: 40% do volume é destinado aos planos de saúde, 26% para a previdência, 10% para ramos elementares – o que inclui seguro habitacional, rural, patrimonial, DPVAT, entre outros –, 9% para automóveis e outros 6% para os produtos de capitalização. Os dados têm como fontes a Susep e a ANS e fazem referência a 2015.

    Para saber sobre o assunto, acesse o artigo a seguir:

    Brasileiro dá pouca atenção ao gerenciamento de risco no planejamento financeiro

    Veja também:

    Seguro residencial é caro e vale à pena?

    Geral

    Dicas de especialista para passar 2017 no azul

    9 de dezembro de 2016

    planejamento-financeiro-2017

    A especialista em finanças no Itaú, Denise Hills, foi entrevistada pelo Infomoney e apresentou alguns pontos chave para poupar.

    Sinais de que sua vida financeira está caminhando para o vermelho

    A virada do ano de 2016 para 2017, com remunerações extras e novas perspectivas, é o momento ideal para rever a organização financeira e traçar um plano de economias.

    A Superintendente de Sustentabilidade e Negócios Inclusivos do Itaú e responsável pelo programa de Educação Financeira do banco, preparou uma espécie de roteiro com dicas para ajudar quem quer passar todo o ano de 2017 no azul.

    Veja a seguir:

    1- Planos

    O primeiro passo é listar os objetivos de consumo para 2017. “Comprar um carro, fazer uma viagem, iniciar um novo curso, comprar algo que tanto sonha? Depois de pensar nos objetivos, priorize-os e avalie o quanto será necessário para colocar seus planos em prática”, escreve a especialista.

    2- Cálculos

    Descubra o valor do seu objetivo para o final do ano e calcule exatamente quanto precisará poupar mensalmente para alcança-lo. Caso não caiba essa economia no seu orçamento atual, há dois caminhos: reduzir gastos ou aumentar ganhos.

    3- Redução

    Caso opte pelo primeiro trajeto, comece o planejamento listando seus gastos e dividindo-os em despesas necessárias e desnecessárias. A segunda categoria deverá ser cortada ou reduzida. “Compre apenas o que for indispensável, pesquise preços, negocie descontos com à vista e prefira marcas a melhor relação entre custo e benefício”, diz Denise.

    4- Renda extra

    Ter uma renda extra começa com a descoberta do que você sabe fazer de melhor: caso saiba fazer doces, costurar ou possa ensinar alguma habilidade, por exemplo, use o tempo fora do seu emprego principal para colocar isso em prática.

    5- Dívidas

    Denise sugere que endividados usem o décimo terceiro para quitar dívidas ou pagar o máximo possível do valor. Havendo mais de uma, priorize aquelas com taxas de juros mais altas, como cheque especial e cartão de crédito.
    infomoney.com.br/minhas-financas/planeje-suas-financas/noticia/5912546/dicas-especialista-itau-para-passar-2017-azul

    Até mais!