‘Imóveis’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2

Browsing Tag: imóveis

    Geral

    Entrevista: Crédito sustentável ajudou empresa a crescer e enfrentar crise imobiliária

    29 de outubro de 2016

    No caso é uma empresa que oferece equipamentos para obras de construção civil investiu durante boom imobiliário do setor em 2010.

    Veja também:

    Desenvolve SP – Agência de Desenvolvimento Paulista
    http://www.desenvolvesp.com.br
    A Desenvolve SP promove o desenvolvimento sustentável para as pequenas e médias empresas paulistas.

    Executivo conta como crédito sustentável ajudou empresa a crescer e enfrentar crise imobiliária

    Recorde foi a palavra que marcou o ano de 2010 para o setor imobiliário. Mês após mês, as manchetes destacavam a evolução nos lançamentos e nas vendas de novos empreendimentos. No referido ano, o PIB (Produto Interno Bruto) alcançou crescimento de impressionantes 7,5%, o melhor resultado para a economia em quase 25 anos. Foi nesse cenário de boom imobiliário que a Metax, empresa que fornece equipamentos para obras de construção civil, foi ao mercado em busca de uma linha de crédito milionária para investir e capturar essa oportunidade de crescimento.

    A ideia era usar o recurso para a compra de equipamentos e aumentar a capacidade de locação. Mais precisamente, de escoramentos, a principal linha de produtos da empresa e que se destina a suportar o peso das obras. Para fazer isso ao menor custo, Silvano Sommer, gerente financeiro da Metax, conta que analisou as melhores alternativas para buscar crédito no mercado e optou pela Desenvolve SP, a agência de desenvolvimento autorizada a operar no estado de São Paulo. Os benefícios incluíram prazo de carência de 12 meses e pagamentos distribuídos ao longo de cinco anos, além de contar com taxas competitivas.

    “Essa linha de crédito ajudou muito para mudar o patamar da empresa”, resume Sommer. Sem poder entrar nos detalhes de faturamento da empresa, por se tratar de um dado estratégico, ele conta que o crescimento da Metax depois dessa decisão foi tanto que de um ano para o outro a equipe de funcionários cresceu mais de 30%.

    Fundada em Campinas, no estado de São Paulo, esse foi o ponto de partida para a companhia dar início a uma forte etapa de expansão. Não somente na carteira de clientes e no volume de obras em que participa, mas também em termos geográficos. Desde então, a companhia já abriu uma filial em Sorocaba e cruzou as fronteiras estaduais com unidades no Rio de Janeiro, Uberlândia e Goiânia.

    Os investimentos renderam frutos, mas nos últimos anos o cenário tem sido outro. Foram observados sucessivos números negativos, e em diversos meses foram registrados os piores números de lançamentos e vendas desde 2004. Tem havido certa recuperação na atividade, mas o momento continua sendo de retração. De janeiro a agosto, o volume de lançamentos de unidades residenciais na capital paulista acumula queda de 37,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio) divulgados pelo Secovi-SP.

    Para a Metax, o investimento feito em 2010 foi importante para a empresa crescer e acumular fôlego para poder enfrentar o período de crise no Brasil com maior tranquilidade. A companhia, agora, trabalha em um momento de cautela, à espera da aguardada retomada para o futuro. “Devemos começar a ver um sinal de melhora a partir do segundo semestre do ano que vem, mas a retomada mesmo deve vir em 2018”, afirma Sommer.

    O gerente financeiro da Metax planeja novos investimentos para quando esse momento chegar, e revela a intenção de contar novamente com o auxílio da Desenvolve SP. “Foi uma grande parceria, ela só não existe hoje por conta da situação no mercado imobiliário”, diz.
    infomoney.com.br/conteudo-patrocinado/noticia/5684824/executivo-conta-como-credito-sustentavel-ajudou-empresa-crescer-enfrentar-crise

    Até mais.

    Geral

    As pegadinhas em anúncios de imóveis na internet

    12 de maio de 2016

    Hoje em dia é muito comum as pessoas consultarem a internet na busca de casas e apartamentos. Como virou um meio comum na procura por imóveis, acabaram por surgir meios de ludibriar o possível comprador, por isto é preciso tomar cuidado. A comprar de um imóvel baseado no anúncio feito na web pode ser uma verdadeira cilada!

    A internet propicia que que todo tipo de negociação fique muito mais rápida e simples de ser feita, mas na hora de comprar um imóvel, a mesma pode não ser a melhor ferramenta para fechar um negócio. A InfoMoney entrevistou Marcelo Tapai, advogado especialista em direito imobiliário e presidente do Comitê de Habitação da OAB/SP para verificar quais são as maiores ciladas que um investidor que vai comprar pela web pode cair. Vale a pena conferir:

    • Anúncios com localização diferente
    • “São Paulo, por exemplo, é uma cidade com bairros muito grandes, então é comum ver anúncios de unidades no Anália Franco (bairro nobre na Zona Leste paulistana) e daí o apartamento é na Penha (bairro de classe média). Não pode comprar sem conhecer a vizinhança, o transporte do bairro, ver como ele funciona. As vezes um lugar que parece que é tranquilo de dia pode ser muito agitado de noite, por exemplo”, comenta Tapai.

    • Imóveis com problemas estruturais
    • “Uma boa pintura pode esconder uma infiltração séria em um imóvel que demandaria uma possível reforma”, relata o advogado. Boas fotos de um anúncio podem esconder problemas estruturais importante em um imóvel. Assim, o conselho do advogado é que o investidor não deixe de comprar um imóvel sem antes visitar com alguém que entenda de edificações e que possa verificar o estado da unidade.

    • Anúncio com imóveis com preços extremamente baratos
    • Um preço muito baixo, geralmente, tem alguma coisa errada. Das duas uma: ou é um “barato que sai caro”, como imóveis que têm problemas na documentação, como menciona Tapai, por exemplo, ou então eles simplesmente já foram vendidos e o corretor tentará oferecer outro imóvel por um preço muito mais alto.

      Nesse caso, a recomendação do advogado é que “nunca, de jeito nenhum e em hipótese nenhuma, o comprador decida adquirir um imóvel na primeira visita. O corretor vai se persuasivo, dizer que vários outros compradores também estão interessados e que o negócio não vai ser fechado depois, mas o melhor que você pode fazer pode faz é analisar a proposta com calma.

    pegadinha em anúncio de imóveis na web
    infomoney.com.br/imoveis/investimentos-imobiliarios/noticia/4968172/maiores-pegadinhas-anuncios-imoveis-web

    Veja também:

    Impeachment influencia no mercado imobiliário

    Até o próximo post.

    Geral

    10 motivos para os imóveis continuarem a ser um investimento ruim

    25 de abril de 2016

    10 motivos para os imóveis continuarem a ser o mico da vez é o novo tema de artigo da Infomoney para explicar de forma bem clara por que os imóveis continuam sendo investimentos ruins, principalmente para aqueles que não tem dinheiro em caixa para comprar com desconto à vista e buscam alavancar-se ao dar apenas uma parte do dinheiro como entrada e financiar o resto, porém precisam de alugar o imóvel par pagar as prestações. A bolha imobiliária no Brasil e a economia em frangalhos acabaram com a festa dos especuladores de plantão.

    O colunista faz um alerta para que as pessoas não se iludam,pois não deve ser o impeachment que vai destravar uma retomada na trajetória de alta do preço no mercado imobiliário nacional.

    O valor dos imóveis tiveram alta de 9%, o que é abaixo da inflação nos últimos 12 meses, conforme o índice FipeZap. Nas cidades pesquisadas, os preços só subiram em linha com a inflação em Florianópolis. Nas demais cidades houve altas menores que a média ou ocorreu queda nominal de preços. Com taxas de juros que permitem um retorno de cerca de 15% ao ano com aplicações financeiras de baixíssimo risco (CDB, LCI, LCA, FII, Fundos de Renda Fixa, etc…) e com aluguéis que somados por um ano não chegam a representar 5% do valor do imóvel, as casas e as apartamentos se transformaram no mico do momento no mundo dos investimentos. Quem procura vender não encontra comprador a não ser que conceda pomposos descontos, umas das consequências do estouro da bolha imobiliária no Brasil. Desta forma os estoques de imóveis e terrenos se acumulam, aumentando o poder de barganha dos compradores.

    Confira a seguir lista com as 10 principais razões para não investir em imóveis no atual momento da economia brasileira, com Dilma ou com Temer:

    – Os recursos da poupança estão esgotados;

    – Os juros do crédito imobiliário estão altos e podem subir mais;

    – O governo está reduzindo os programas habitacionais;

    – Os estoques de imóveis à venda estão muito altos;

    – O FGTS também dá sinais de esgotamento;

    – O preço do aluguel está em queda livre e deve continuar caindo;

    – As devoluções (distratos) dispararam;

    – Só o mercado imobiliário não passou por uma forte correção;

    – A confiança do consumidor é a menor da história;

    – O desemprego disparou.

    Leia mais a seguir:

    10 motivos para os imóveis continuarem a ser o mico da vez
    João Sandrini 10 motivos para os imóveis continuarem a ser o mico da vez

    Convidados, Geral

    A bolha imobiliária no Brasil e a economia

    3 de novembro de 2015

    Revisitarei documento anterior sobre o assunto, que foi  publicado em julho/2013,atualizando. A versão anterior tem link ao final, no item “referências”, acesse para conferir o que já era previsto desde então.

    Post 45 imagem 1 - resultados das construtoras até 2011Post 45 imagem 2 - empregos até 2011Post 45 imagem 3 - crédito imobiliário até 2011Post 45 imagem 4 - preços de imóveis renda aluguel e INCC até 2011Post 45 imagem 5 - rentabilidade do aluguel até 2011Post 45 imagem 6 - vendas estoques lançamentos e distratosPost 45 imagem 7 - prejuízo 2012 e endividamento 2015 das construtorasPost 45 imagem 8 - preço aluguel INCC e renda até 2015Post 45 imagem 9 - reduções de preços de imóveisPost 45 imagem 10 - desemprego até 2015Post 45 imagem 11 - dívida das famílias com o sistema financeiroPost 45 imagem 12 - inadimplência geral das famílias SERASAPost 45 imagem 13 - inflaçãoPost 45 imagem 14 - despesas das famíliasPost 45 imagem 15 - crédito imobiliário a partir de 2011Post 45 imagem 16 - tendência 2015 2016 parte 1Post 45 imagem 17 - tendência 2015 2016 parte 2Post 45 imagem 18 - tendência 2015 2016 parte 3

     

    Refêrencias:

    Tópico anterior, de julho/2013, que falava sobre mercado imobiliário e economia: http://defendaseudinheiro.com.br/artigo-quarto-erro-do-mercado-imobiliario

    As 12 construtoras utilizadas como referência neste tópico são: Cyrela, PDG, MRV, Tecnisa, Rossi, Helbor, Trisul, Even, EzTec, Brookfield, Gafisa e Viver.

    Demais referências foram todas mencionadas no decorrer do tópico.

    Até o próximo tópico!

    Geral

    Bolha Imobiliária SP: Distratos

    16 de outubro de 2015

    Caso você seja um daqueles que caiu no conto do vigário do boom imobiliário, se empolgou, fez dívida além do que podia, errou nas contas e agora quer fazer um distrato, a AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências pode te auxiliar:

    http://www.amspa.com.br/novo/quem-somos/
    AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências

    Sobre a Amspa

    A AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências, fundada em 01 de Julho de 1991, ou seja, há 21 anos e atualmente presidida pelo Sr. Marco Aurélio Rodrigues da Luz, vem se destacando na orientação em favor da população mutuaria.

    Somos a maior associação de mutuários do Brasil!

    A AMSPA tem como missão: reunir, instruir, representar e, principalmente, defender judicialmente ou extrajudicialmente a todos os proprietários de imóveis na planta ou financiados com um banco, através dos sistemas:

    Construtoras

    Obras em atraso.
    Taxa SATI.
    Taxa de corretagem.
    Rescisão de contrato.
    Vícios ou defeitos no imóvel.
    Formação de comissão de representantes.

    Bancos

    SFI – Sistema financeiro imobiliário.
    SFH – Sistema financeiro da habitação.
    Prestações em atraso.
    Saldo devedor que não diminui.
    Problemas com a liberação da hipoteca.
    Ou qualquer outro tipo de financiamento habitacional!

    Considerada a maior associação de apoio à população mutuaria brasileira, a AMSPA

    Nossos profissionais são altamente especializados no direito imobiliário.

    Com quase duas décadas de experiência em contratos do Sistema Financeiro da Habitação.
    A nossa entidade é totalmente informatizada.
    Atuamos em todo o estado de São Paulo. Em outros lugares consulte a nossa equipe.
    São 18 mil associados que estará do seu lado.
    Já são mais de 9 mil casos resolvidos, judicialmente ou extrajudicialmente.
    Confie a sua defesa em quem tem 21 anos de experiência.
    http://www.amspa.com.br/novo/quem-somos/

    Leia mais sobre o boom e bolha imobiliária aqui no blog:
    http://defendaseudinheiro.com.br/tag/bolha-imobiliaria

    Boa sorte no distrato, caso seja a melhor solução para o seu caso!

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como economizar ao construir um imóvel em tempos de crise

    21 de setembro de 2015

    Pode parecer besteira, mas a época de crise é uma das melhores para adquirir um imóvel novo. As oportunidades que surgem nessa época são excelentes tanto para quem deseja adquirir um imóvel pronto quanto para quem deseja construir um imóvel novo, basta que você tenha se prevenido e juntado dinheiro nos anos anteriores para ser capaz de aproveitar as oportunidades que surgem no mercado.

    Oportunidades de imóvel na Crise

    O mercado imobiliário é historicamente um investimento muito rentável. Em poucos anos, um imóvel é capaz de se valorizar muito, sem que praticamente sejam feitas mudanças no mesmo, mas é um investimento arriscado para quem deseja construir uma reserva para enfrentar a crise. Isso porque, obviamente, em tempos de crise, o poder aquisitivo cai, e o preço dos imóveis acaba caindo muito, e se você investiu no mercado imobiliário em tempos de fartura, é possível que você tenha prejuízos caso deseje liquidar seu investimento em busca de dinheiro durante a crise, por isso a crise é o melhor momento para comprar imóveis, não para vende-los.

    No mercado da construção civil, a lógica não é diferente: durante os períodos de grandes investimentos, os preços de materiais construtivos inflacionam fortemente, por causa da grande demanda, tornando a construção caríssima. Já nos tempos de estagnação, é possível barganhar preços de materiais e mesmo os honorários de profissionais, como engenheiros e arquitetos.

    Construir economizando

    Para quem deseja economizar realmente na construção civil, o melhor caminho, em qualquer época, é a racionalização de projetos. Isso é, prever cada detalhe construtivo na fase de projeto, e para isso é importante várias consultas e conversas com seu arquiteto. Trata-se de ajustes no projeto para reduzir as perdas de materiais de construção. Um belo exemplo disso é dimensionar o tamanho do projeto de acordo com, por exemplo, o tamanho de cerâmicas de revestimento de pisos, paredes ou fachadas. Isso vai evitar gastos com recortes de cerâmica, que são, literalmente, dinheiro indo fora.

    Outros exemplos de racionalização dão o uso de peças pré-moldadas, que evitam o excesso de concreto, dimensionamento de esquadrias no projeto de acordo com modelos que existem no mercado- evitando uso de peças sob medida que encarecem muito o preço total da obra, entre outros. Oportunidades é o que não faltam, afinal a construção civil do Brasil é uma das que possuem maiores níveis de desperdício no mundo todo.

    Decorando ambientes com baixo orçamento

    Outra oportunidade de economia, para quem já tem um imóvel, é cortar gastos com o mobiliário. Hoje em dia a maioria das pessoas sonha com móveis planejados novos para a decoração, e acabam abrindo mão de peças seminovas da antiga decoração que podem ser um achado para quem procura. Como o mercado de mobiliário usado normalmente despreza a palavra “usado”, você pode conseguir grandes barganhas na hora de decorar a sua sala, por exemplo, pagando uma pechincha por peças praticamente novas.

    imagem-construcao

    Livraria

    Introdução aos Fundos de Investimento Imobiliário

    15 de junho de 2015

    Excelente livro. É de uma rara simplicidade e objetividade.
    Ideal para investidores iniciantes, quiçá investidores já com um pouco mais de conhecimento no mercado de fundos de investimento imobiliário.
    Autor totalmente focado. Parece que o mesmo está pessoalmente te dando uma aula do assunto.
    Leitura obrigatória para os interessados em investimentos imobiliários.

    Confira a sinopse:

    Gostaria de investir no mercado imobiliário?

    Ter acesso a grandes empreendimentos imobiliários prontos ou em construção, recebendo renda de ativos tão diferentes lajes comerciais, galpões logísticos, shopping centers, bancos, universidades, hotéis, varejo e saúde?

    Conheça a alternativa dos Fundos de Investimento Imobiliários.

    Com os FIIs você consegue investir em imóveis, com baixo capital e sem nem sair de casa, através da bolsa de valores.

    Conheça e aprenda a investir nesse mercado, numa linguagem simples e acessível.
    https://www.clubedeautores.com.br/book/176388–Introducao_aos_Fundos_de_Investimento_Imobiliario#.VX8gLvm5fs0

    introducao-aos-fundos-de-investimento-imobiliario-andre-luis-ferreira-da-silva-bacci

    Até o próximo post.

    Filmes

    Dicas de filmes, documentários e vídeos – parte 23

    14 de maio de 2014

    Vamos para a parte 23 desta de série de posts onde compartilharmos dicas de filmes, vídeos e documentários ligados ao mercado financeiro, bolsa de valores, investimentos, finanças pessoais, macroeconomia, contábeis, questões político-econômicas, e assuntos relacionados.

    1. Seriado: Breaking Bad
      Acabamos de assistir o Breaking Bad , fantástico este seriado, se não foi o melhor que eu já vi, uma dos melhores com certeza.
      Focado no submundo dos negócios, estar vivo em contraponto com a vidinha rotineira de cada dia, muitas vezes sem graça e sem dinheiro para honrar todas as contas no fim do mês e muito menos poupar.
      Começa meio devagar, mas depois pega fogo e morna um pouco no final, de novo, rsrsr.
      Vale muito a pena conferir.
      Obs.: Se você é um hipócrita, não assista!!!

      Sinopse:
      Breaking Bad (Ruptura Total (título em Portugal) ou Breaking Bad: A Química do Mal (título no Brasil)) é uma série de televisão dramática norte-americana criada e produzida por Vince Gilligan. A série foi exibida originalmente nos Estados Unidos e no Canadá pelo canal de televisão por assinatura AMC. O programa estreou a 20 de Janeiro de 2008 com uma primeira temporada de sete episódios. Terminou a 29 de Setembro de 2013 após cinco temporadas.

      pt.wikipedia.org/wiki/Breaking_Bad

    2. Grande Demais para Quebrar (Too Big, Too Fail)
      É um bom filme sobre a crise financeira de 2008.

      Sinopse:
      Primeiramente, a coragem da HBO de o fazer. O filme enfia uma adaga na ferida das falhas brutais cometidas pela economia controlada (ou cujo controle fora delegado) pelos EUA. Os grandes estúdios de Hollywood jamais passariam perto de um projeto tão audacioso e contundente. Ademais, o filme, embora com um linguajar muito técnico e despejando muita informação de uma vez, é capaz de contextualizar o público mais desinformado sobre o que levou a esta crise. Quem não sabe nada sobre isso, pode usar o filme para começar a entender um pouco de como as coisas funcionam. Claro, não poderia deixar de recomendar aqui que se assistam aos 3 documentários Zeitgeist, dos quais vivo falando por aqui, e que, embora não sejam diretamente sobre economia, envolvem muito o tema.
      Do ponto de vista técnico, grandes atuações especialmente de William Hurt, Paul Giamatti e de James Woods, mas não limitadas a eles. O filme traz um grande elenco, tanto de nomes quanto de qualidade.

      Quando e com quem assistir a esse filme? Não é um documentário, mas recomendo assistir como se fosse. É um filme extremamente denso, carregado de informação, e difícil de assistir, mas é praticamente obrigatório para quem acha que esse tema é importante. E acho que todos deveriam achar importante.

      Ficha técnica

      Elenco: William Hurt – Henry Paulson
      James Woods – Richard Fuld
      Paul Giamatti – Ben Bernanke
      Topher Grace – Jim Wilkinson
      Edward Asner – Waren Buffett
      Billy Crudup – Timothy Geithner
      Bill Pullman – Jamie Dimon
      Matthew Modine – John Thain
      Direção: Curtis Hanson
      Produção: Ezra Swerdlow
      Roteiro: Peter Gould (baseado no livro de Andrew Ross Sorkin)
      Trilha sonora: Marcelo Zarvos
      2011 – EUA – 98 minutos – Drama
      comentandofilmes.blogspot.com.br/2011/10/tem-pinta-de-documentario-pra-quem-ve.html

    3. Coisas Que O Mercado Fala (Shit Stock Market says)
      Vídeo comédia sobre bolsa de valores. Vale a pena conferir.

      Coisas Que O Mercado Fala (Shit Stock Market says)

    Até o próximo post.

    Filmes

    Dicas de filmes, documentários e vídeos – parte 22

    2 de maio de 2014

    Vamos para a parte 22 desta de série de posts onde compartilharmos dicas de filmes, vídeos e documentários ligados ao mercado financeiro, bolsa de valores, investimentos, finanças pessoais, macroeconomia, contábeis, questões político-econômicas, e assuntos relacionados.

    1. Vendo ou Alugo
      Ótima comédia nacional. Pode-se dizer que é o retrato do fracassado financeiro de classe alta tentando dar a volta por cima. Conseguiram misturar de forma genial mercado imobiliário, família, religião, juventude, fase adulta, velhice, criminoso, polícia, classe alta, classe baixa, patrão, empregado, estrangeiro, segurança pública, turismo, estrangeiro, relacionamento, diversão e muito mais, não necessariamente nesta ordem.
      Tudo com muita coesão e humor de alto nível.
      Elenco muito bom.
      Vale a pena conferir.

      Sinopse:
      Não recomendado para menores de 14 anos
      Rio de Janeiro. Maria Alice (Marieta Severo) vive com a mãe (Nathália Timberg), a filha (Sílvia Buarque) e a neta (Beatriz Morgana) em um casarão no Leme, bem na entrada de uma favela. Para sobreviver Maria Alice faz os mais diversos bicos, mesmo que eles passem longe da legalidade, mas ela sabe que o único meio de resolver seus problemas é vendendo a casa. O problema é que ninguém quer comprá-la, devido à proximidade com o morro. Um dia, Maria encontra uma amiga que diz que seu filho, Júlio (Pedro Monteiro), está trabalhando como corretor de imóveis e tem um estrangeiro louco para comprar um imóvel na cidade. Maria pede que ele o leve à sua casa e, esperançosa que a venda enfim aconteça, passa a organizar tudo para agradar o possível cliente.
      adorocinema.com/filmes/filme-215272

    2. Não sei como ela consegue (I DON’T KNOW HOW SHE DOES IT, 2011)
      É um bom filme. Uma bela homenagem a mulher moderna, advinda da revolução sexual da década de 1960, onde o capitalismo sabiamente pensando na maximização da capacidade produtiva tirou a educadora dos filhos, a dona de casa e a jogou na cadeia produtiva, deixando a família de escanteio, e/ou se virar em várias para dar conta de tantos afazeres, pois a carga horária é a mesma, as responsabilidades são as mesmos, e o melhor para o capitalismo, elas ganhavam menos, algumas ainda ganha menos, olha só que coisa maravilhosa “né”, por quem nem se importaram em equivaler salários ou dar-lhes uma carga horária menor.

      Para quem gosta de mercado financeiro, a nossa personagem viciada em trabalho, viciada em família, ajuda a montar um fundo de previdência privada, fica de pano de fundo, mas também é o mote do filme e por aí vai. Não vou contar mais, se não conto o filme todo, rsrsrsr.

      Sinopse:
      Kate Reddy (Sarah Jessica Parker) é o modelo de mulher moderna. Divide habilmente seu tempo entre os afazeres domésticos como mãe de família e os profissionais, decorrentes de seu trabalho como analista financeira. Quando a grande oportunidade de ascender na carreira aparece, vê sua vida virar do avesso por causa das inúmeras viagens que têm de fazer ao lado de Jack Abelhammer (Pierce Brosnan), charmoso banqueiro com quem passa a desenvolver um projeto. Kate se vê, então, diante de um dilema: como conciliar amor, trabalho e família e não sucumbir aos encantos do colega de trabalho bonitão?
      cineclick.com.br/nao-sei-como-ela-consegue

    3. Imagine só (Imagine That)
      Comédia do mercado financeiro, mas é chata que só, pro meu gosto.
      Quem interessar, confira o resumo abaixo.

      Sinopse:
      Um executivo do mundo das finanças, incapaz de reverter o rumo decadente que sua carreira tomou, é convidado a penetrar no mundo imaginário de sua filha, onde ele encontra a solução para seus problemas.
      cinepop.virgula.uol.com.br/filmes/minhafilhaeumsonho.htm

    Até o próximo post.

    Convidados, Geral

    “Estudo” afirma que não há bolha imobiliária: estão olhando para onde?

    14 de abril de 2014

     

    Post mais recente sobre a bolha imobiliária no Brasil: http://defendaseudinheiro.com.br/a-bolha-imobiliaria-no-brasil-e-a-economia

    “Estudo” afirma que não há bolha imobiliária: estão olhando para onde?

    Como sabemos, o núcleo Real Estate da Poli/USP é 100% composto por executivos da construção civil. Aqui, um dos professores deste núcleo, defende a “tese” de que não temos bolha imobiliária, apresentando alguns motivos.

    Coloco abaixo o link com o “artigo” e logo em seguida, divididos em duas partes, analogias e traduções para entendermos melhor o que este professor está dizendo, comparando com fatos comprováveis relacionados a bolha imobiliária no Brasil:

    Link com “artigo”:
    http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/estudo-defende-que-brasil-nao-vive-bolha-imobiliaria/

    PARTE 1:

    “Elaborado pelo professor João da Rocha Lima Jr., a pesquisa aponta que o mercado imobiliário viveu duas fases de alta. A primeira, que durou do segundo semestre de 2007 até o primeiro de 2011, tinha um caráter mais especulativo, porque os preços subiam acima da evolução dos custos. Desde então, o movimento desacelerou, mais condizente com o encarecimento dos custos, sobretudo dos terrenos.”

    ANALOGIA:

    O funcionário chega no superior imediato e diz: “chefe”, quero aumento de salário mensal porque a inflação está muito alta todo mês. O chefe concorda e dá aumento de imediato que passa a vigorar de forma automática e mensal com base na inflação.

    TRADUÇÃO:

    A vida não é assim…

    Se o seu custo subiu demais em virtude de uma falsa demanda combinada com especulação elevada, que gerou SUPER-ESTOQUES, como no caso do segmento imobiliário, você terá que reduzir seu preço e seus custos, e vender mesmo que seja para ficar no prejuízo, no mínimo para pagar suas dívidas, do mesmo jeito que o funcionário do exemplo acima precisa controlar suas despesas e não pedir aumento mensal e automático para o “chefe” porque a inflação é alta…

    Fatos: queda de preços de 30% em Brasília na entrega de imóveis novos e de 35,5% para lançamentos, na comparação de 2.012 com 2013, descontos de até R$ 400 mil no Espirito Santo e de até R$ 80 mil em Salvador, promoções em Curitiba com descontos que variam de 30% até 35% por vários meses, com super-estoques permanecendo inalterados, promoções intermináveis com “descontos” de até 40% (ver Even Day), etc. Link que contém endereços com comprovação de tudo que consta aqui e muito mais casos similares: www.defendaseudinheiro.com.br/mitos-e-verdades-da-bolha-imobiliaria-parte-i.

    Vejam ainda, trabalho sobre prejuízo na compra de imóveis, por investidores que adquiriram na planta e no ato da entrega, viram imóveis sendo vendidos mais baratos por construtoras, que precisavam reduzir preços para se desfazerem dos super-estoques e sobreviverem (depoimentos do ReclameAqui): www.defendaseudinheiro.com.br/comprar-imovel-em-tempos-de-bolha-imobiliaria.

    Só se fosse um monopólio ou cartel, seria do jeito que consta no artigo, com os custos OBRIGANDO as pessoas a aceitarem os aumentos de preços, será que o professor quis dizer que este é o modelo para o segmento imobiliário? Se tentaram fazer um cartel, pelo jeito não deu certo, é só ver a quantidade de fatos acima…

    PARTE 2:

    “Mesmo assim, não há nada que nos diga que o mercado, do ponto de vista da demanda, piorou em relação ao ano passado. ”

    ANALOGIA:

    Você vê um elefante entrando em uma loja de cristais, mas nada indica que teremos problemas.

    TRADUÇÃO:

    Vendas de imóveis novos caíram 50% em Fev/14 na comparação com Fev/13 em São Paulo (fonte: SECOVI SP).  Lembrando que São Paulo é a principal cidade quanto a vendas no Brasil.

    Em Belo Horizonte, a queda nas vendas de imóveis novos foi superior a 70% na comparação de Fev/14 com mesmo mês dos 2 anos anteriores (Fonte: IPEAD/UFMG).

    Voltando a São Paulo, as vendas de imóveis usados em Jan/14 ficaram em segundo lugar entre as piores vendas desde 2.008, sendo que também tivemos queda nos preços (fonte: CRECI SP).

    DETALHE: Carnaval em 2.014 foi em Março, em 2.013 foi em Fevereiro, significa que agora em 2.014, tivemos mais dias úteis para vendas que no ano passado, ou seja, o resultado é ainda pior que os números que constam acima para vendas de novos em São Paulo e Belo Horizonte…

    Endereços que contém a comprovação do que consta acima e mais análises:

    Bolha imobiliária SP – usados: queda de vendas e preços em Jan/14

    Bolha imobiliária BH: vendas de imóveis novos caem mais de 70% em Fevereiro

    Bolha Imobiliária SP: vendas de imóveis novos caem 50% em Fevereiro

    Sugiro olhar na direção da loja, para saber se o elefante vai entrar, se ficar o tempo inteiro olhando para o lado contrário, com medo do que está acontecendo, não vai ver mesmo…

    Até o próximo post!