‘Fraude’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2

Browsing Tag: fraude

    Convidados

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Pirâmide financeira em João Pessoa com bitcoin

    28 de setembro de 2017

    fraude com bitcoin virou modinha

    Foi identificado pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa, um suposto esquema de pirâmide financeira: uma empresa, com base na capital da Paraíba, mas que utilizava informações de empresas cearenses, é suspeita de causar um prejuízo superior a R$ 1,6 milhão a cerca de 2 mil vítimas no Brasil. O negócio, de acordo com o delegado responsável, consistia em “investimentos em bitcoins” – uma moeda digital. A polícia trabalha com os nomes de três pessoas apontadas como líderes, homens de 20, 26 e 31 anos – além de outras 10 pessoas suspeitas de ajudá-los. Um dos homens, o de 20 anos, se apresentou na tarde desta terça-feira (26) na DDF, foi ouvido e liberado, segundo o delegado. O delegado afirma que os líderes prometeram o dobro do valor investido em uma semana, mas depois de um tempo os “investidores” não recebiam o dinheiro de volta e eram informados de que a “empresa tinha falido”. Os valores eram repassados para os cabeças da pirâmide em mãos, sem o registro de depósitos ou transferências bancárias. Se confirmados os crimes, eles responderão por estelionato, associação criminosa e pirâmide financeira, podendo ser condenados a até 10 anos de reclusão cada um, disse Lucas Sá.

    Leia na íntegra em:

    Polícia investiga pirâmide financeira em João Pessoa com uso de ‘bitcoin’
    Polícia Civil diz que empresa causou prejuízo superior a R$ 1,6 milhão a 2 mil pessoas no Brasil.

    Até mais.

    Convidados

    [BREAKING NEWS] China faz valor da bitcoin desabar

    14 de setembro de 2017

    Ebook gratuito: Bitcoin – A Moeda na Era Digital

    No dia 2/9/2017, criptomoeda chegou à máxima histórica dos 5 mil dólares; hoje, vale cerca de 3,5 mil dólares.

    FILE PHOTO:An illustration photo of Bitcoin (virtual currency) coins are seen at La Maison du Bitcoin in Paris

    Setembro não tem sido um mês fácil para os entusiastas da bitcoin. A moeda, que chegou a bater a marca dos 5 mil dólares no último dia 2, viu seu valor derreter desde então. Nesta quinta-feira, uma unidade da criptmoeda valia cerca de 3,5 mil dólares — uma queda de 30%.

    A derrocada pode ser explicada por notícias nada animadoras vindas da China. A primeira delas foi a decisão do país de tornar ilegal a prática conhecida como ICO (initial coin offerings), uma espécie de abertura de capital na bolsa, mas feita com criptomoedas. A novidade derrubou os preços da moeda Ether, mais usada nessas transações, mas também da bitcoin.

    Depois, surgiram rumores de que o governo chinês iria proibir o comércio de moedas virtuais em bolsas domésticas. Inicialmente, a publicação financeira chinesa Caixin informou que a China estaria planejando fechar as bolsas. No começo desta semana, Bloomberg e Wall Street Journal publicaram notícias semelhantes, dizendo que o país estaria elaborando um plano para proibir a comercialização de todas as moedas virtuais.

    Hoje, uma das plataformas de trocas de moedas mais antigas do mercado chinês informou que encerrará suas operações no final deste mês, dando sinais de que o fechamento das bolsas deve ocorrer em breve.

    Fora tudo isso, o presidente executivo do JPMorgan, Jamie Dimon, disse na última terça-feira que a bitcoin “é uma fraude” que entrará em colapso, afetando o humor dos investidores norte-americanos.

    “Vocês não podem ter um negócio em que as pessoas podem inventar uma moeda a partir do nada e achar que as pessoa que a estão comprando são realmente inteligentes”, afirmou Dimon em conferência com investidores.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/mercados/ameaca-chinesa-faz-valor-da-bitcoin-desabar

    Convidados

    Seu Dinheiro: Saiba reconhecer o golpe da pirâmide financeira

    16 de agosto de 2017

    Pirâmide financeira baiana: D9 Clube

    Aprenda a reconhecer o golpe da pirâmide financeira. Várias estão disfarçadas de marketing multinível (MMN).

    >Empresas fictícias prometem ganho de dinheiro fácil e rápido com a venda de produtos e serviços. Veja como não cair nesse golpe” width=”864″ height=”400″ class=”alignnone size-full wp-image-7233″ /></p>
<p><a href=Apostando no zero – documentário 2016

    A promessa é sempre a mesma: ganhar dinheiro fácil e rápido com a venda de um produto ou serviço. Quanto mais pessoas você levar ao grupo, mais dinheiro ganhará – mas, para isso, deve pagar uma taxa de adesão e uma mensalidade.

    Cuidado com pirâmide financeira Revolutyon TagPoint

    Foi o que ouviu um consultor de seguros de São Paulo quando recebeu uma proposta de amigos para vender rastreadores de veículos. “A rede fazia saltar os olhos. Via todos eles ganhando dinheiro e até carro. Entrei e levei dez amigos comigo”, conta.

    Cuidado com pirâmide financeira Mandala da Prosperidade

    Na esperança de ganhar uma renda extra sem muito esforço, o consultor investiu 3 mil reais, até que o Ministério Público interrompeu a operação da empresa fictícia por crimes de estelionato e fraude – e ele saiu sem nem sequer reaver o valor investido. “Não adianta se iludir. Não existe dinheiro fácil”, diz.

    Golpe antigo, as pirâmides financeiras são falsas empresas que nem sempre vendem produtos ou prestam serviços. O que movimenta seus negócios é a adesão de participantes a um grupo, cuja única finalidade é arrecadar dinheiro para seus líderes.

    Esse tipo de operação é ilegal e pode fazer você ficar no prejuízo, mas ainda é comum e faz brilhar os olhos de muita gente em tempos de desemprego alto.

    Sistema de ajuda mútua é golpe?

    “É muito difícil combater essas pirâmides, porque elas se reinventam a todo momento. Durante a crise, é ainda mais fácil acreditar na falsa promessa de ter uma renda extra informal de um jeito fácil e rápido”, explica o pesquisador Renato Araújo, da associação de consumidores Proteste.

    Como funciona

    Tudo começa com um convite para fazer parte de uma rede que vende produtos ou serviços, para ganhar uma remuneração alta. Muitas vezes, a apresentação desse grupo acontece por meio do boca a boca, em eventos fechados, onde os líderes da rede captam novos integrantes de forma insistente.

    MMN Speed Dólar é golpe?

    Para fazer parte do grupo, você deve pagar uma taxa de adesão e uma mensalidade. Quanto mais pessoas levar, mais dinheiro receberá em troca. Você recebe por cada integrante que que conseguir captar e pelos convidados dele, daí o conceito de pirâmide. Quem está na parte de baixo trabalha para aumentar os ganhos de quem está no topo.

    MMN Aliança Online é golpe?

    “As pirâmides envolvem produtos ou serviços de baixo valor e de difícil entendimento, sem regras claras de remuneração, e exigem que você invista dinheiro antecipadamente. Elas não se sustentam a longo prazo, porque, para isso, precisariam envolver todas as pessoas do planeta”, explica a economista Ione Amorim, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

    Pirâmides financeiras X Marketing multinível

    Muitas pirâmides financeiras ilegais se apresentam como empresas de marketing multinível. No entanto, esses grupos reais e legalizados vendem produtos com grande demanda no mercado e efetivamente úteis. Os vendedores são remunerados, sobretudo com base nas vendas, embora também possam receber uma comissão sobre a entrada de novos integrantes.

    Questão para reflexão: Hinode é pirâmide financeira?

    Já as pirâmides garantem rendimentos rápidos e acima da média para vendedores de produtos baratos ou serviços de pouca utilidade. Além disso, cobram taxa de adesão e mensalidade para fazer parte da rede.

    MMN Timol é pirâmide financeira?

    Por isso, desconfie de negócios tentadores, mas que exigem algum pagamento antecipado. Suspeite da insistência exagerada para fazer parte de uma “equipe” e de encontros de empresas que não têm uma atividade muito clara. Vale também fazer uma busca na internet para conferir se a empresa tem Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

    Questão para reflexão: Akmos é uma pirâmide financeira?

    “Desconfie de tudo que oferece um ganho muito vantajoso além dos ativos do mercado tradicional”, orienta Ione. É muito difícil recuperar o dinheiro que você pagou para o grupo, pois a Justiça pode considerar você cúmplice do negócio.

    Bandidos no mercado financeiro

    Até o próximo post.

    Convidados

    Pirâmide financeira baiana: D9 Clube

    7 de agosto de 2017

    D9 e MinerWorld: suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira

    Na ação, bens como moto aquática e uma Harley Davidson foram apreendidos - Foto: Divulgação | Polícia Civil

    Crime de pirâmide financeira é desmontado em Itabuna

    Um esquema fraudulento que lesou milhares de pessoas e rendeu mais de R$ 200 milhões aos suspeitos foi desmontado no município de Itabuna (a 435 quilômetros de Salvador). A ação conjunta foi realizada pelos departamentos de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) e de Polícia do Interior (Depin). As informações foram divulgadas nesta sexta-feira, 4, pela Polícia Civil.

    Segundo o órgão, uma das ações ocorreu nesta quinta, 3, na sede da empresa conhecida como D9 Clube, na avenida Ruffo Galvão, no Centro de Itabuna. No local, foram apreendidos carros, uma moto aquática, uma motocicleta Harley Davidson, um servidor de internet e um drone.

    A investigação – que teve início na Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) de Itabuna, com o delegado Humberto Matos – revelou que a quadrilha aplicava um golpe classificado como de cooptação progressiva de pessoas, também conhecido como pirâmide financeira.

    A empresa de fachada D9 Clube era utilizada para comercializar o serviço de treinamento de pessoas em apostas esportivas.

    Conforme a Polícia Civil, para atrair as vítimas, a empresa informava no site oficial e em redes sociais abertas que o percentual de lucro obtido com as realizações das apostas de seus clientes seria de 33% sobre o valor investido, com pagamento semanal durante um ano, e ao final, o valor principal investido seria devolvido.

    Os integrantes da quadrilha vão responder pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, pichardismo (que é o crime contra a economia popular), exploração fraudulenta de credulidade pública. Este último crime se diferencia do estelionato porque o número de pessoas é indeterminado.
    fonte de consulta: atarde.uol.com.br/bahia/noticias/1883301-crime-de-piramide-financeira-e-desmontado-em-itabuna

    Vejam também:

    Sistema de ajuda mútua é golpe?

    28/07/17 06:00
    Internautas usam aplicativo PicPay para criar esquemas de pirâmide financeira e aplicar golpes

    04/08/2017 às 20:47
    Jogo para ganhar dinheiro no WhatsApp viraliza e polícia alerta perigo
    Chamado de Giro Solidário, o jogo, que adere a um tipo de ‘pirâmide financeira’, tem atraído adeptos nas redes sociais. Prática pode ser considerada uma contravenção penal, segundo a polícia

    Até o próximo post.

    Convidados

    MTGox: Mark Karpelès é julgado no Japão acusado de falsificação de dados e desvios

    11 de julho de 2017

    Mark Karpelès, tido como um barão do bitcoin, é julgado no Japão acusado de falsificação de dados e desvios.
    O francês foi ex-diretor da MTGox, foi preso em 2015 após a falência da plataforma sob suspeitas de fraude.

    Francês Mark Karpelès, ex-diretor da MTGox

    Nos últimos anos, o bitcoin ganhou força, reconhecimento e se tornou mais seguro. Mas uma das histórias mais conhecidas neste mercado remete ao francês Mark Karpelès, ex-diretor da MTGox e que ficou conhecido em seus anos de glória como o “barão do bitcoin”. O problema é que entre 2014 e 2015, o seu mundo de luxo ruiu.

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Moeda rival da bitcoin passou de US$ 319 para 10 centavos em segundos com ordem de venda multimilionária

    Nesta terça-feira (11) ele foi julgado em Tóquio sob acusações de falsificação de dados e desvio de fundos. Em sua fala inicial, ele se declarou “inocente”. “Juro diante de Deus que sou inocente”, afirmou o francês.

    D9 e MinerWorld: suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira

    Por muito tempo, quando o bitcoin ainda não tinha todo o reconhecimento que tem hoje, Karpelès foi considerado o grande nome das operações com a moeda eletrônica. Ele foi detido no Japão em agosto de 2015 por suspeitas de falsificação de dados da plataforma de bitcoin.

    O francês é acusado de ter embolsado 340 milhões de yuanes (cerca de 2,6 milhões de euros atualmente) de depósitos de clientes da MtGox. E teria investido o dinheiro na aquisição de licenças de software. Em 2014, o site da MtGox saiu do ar e diversos documentos foram vazados.

    Ele atribuiu a um grande ciberataque a derrubada do site, que provocou a ruína de milhares de investidores e minou a confiança na moeda eletrônica na época. A plataforma foi encerrada logo após o ocorrido, e em seguida declarou formalmente a falência. No total foram perdidos 850.000 bitcoins avaliados em 48 bilhões de ienes (US$ 390 milhões).

    Defenda o seu Bitcoin – A verdadeira história do MercadoBitcoin

    Até o próximo post.

    Filmes

    Netflix: Apostando no zero – documentário 2016

    19 de junho de 2017

    Cuidado com pirâmide financeira Mandala da Prosperidade

    Bill Alckman: aposta contra sucesso da Herbalife. Foto: Netflix/Divulgação

    A garantia de enriquecimento rápido e seguro, as promessas de ascensão social a partir do próprio trabalho e a sensação de pertencimento a um clube de empreendedores bem-sucedidos são ideias vendidas pela Herbalife e rapidamente fulminadas no documentário Betting on zero (em português, Apostando no zero, de 2016), dirigido por Ted Braun (Darfur agora).

    O longa disponibilizado na Netflix desmonta os princípios da multinacional de produtos de nutrição e retrata a empresa como um esquema de pirâmide financeira montado para beneficiar os executivos em detrimento dos funcionários – em especial, os da base, flagrados em situação de vulnerabilidade social.

    O recorte na forma de atuação da empresa permite perceber o ideal de prosperidade vigente na arena financeira de Wall Street, onde a ausência de regulação e a busca por lucro podem extorquir o trabalhador e privilegiar os especuladores do mercado de ações. O panorama é apresentado sob a ótica mercadológica da atuação de um investidor, mas desliza, com boa dose de sinceridade, para as implicações sociais do funcionamento nocivo da Herbalife.

    O bilionário Bill Ackman é o fio condutor do filme. Ele gerencia um fundo de investimentos (Pershing Square Capital) especializado em apostar na falência de empresas em situação duvidosa, prática conhecida como betting on zero, e decide investir contra a multinacional alimentícia. A cruzada para convencer executivos inclui sessões de perguntas e estudos ao lado de uma jornalista com quem escreveu um livro.

    O material de pesquisa sobre a Herbalife constitui o principal ativo do filme. Bill detalha, com base em gráficos, entrevistas, vídeos institucionais e de treinamentos, como a empresa concentra o lucro no recrutamento de supervisores e na transferência direta de dinheiro para os superiores em vez de obter recursos com a venda dos produtos – até três vezes mais caros na comparação com similares do mercado. Os shakes e vitaminas são apresentados como meros instrumentos para viabilizar o repasse, e o modelo se repete entre novos funcionários até se mostrar insustentável.

    Leia mais clicando aqui.

    Questão para reflexão: Hinode é pirâmide financeira?

    Até o próximo post.

    Filmes

    O mago das mentiras – filme 2017

    24 de maio de 2017

    O mago das mentiras, muito bom. Dramalhaço sobre o Bernie Madoff produzido pela HBO.

    Bota os ponzi schemes brasileiros no chinelo. Era esquema de pirâmide bilionário.

    Vale a pena conferir.

    The Wizard of lies

    SINOPSE E DETALHES

    O enredo gira em torno de Bernard Madoff, um ex-consultor financeiro norte-americano que criou uma das maiores empresas de investimentos de Wall Street. Condenado por fraude, ele foi responsável por uma sofisticada operação, nomeada Esquema Ponzi, que é considerada a maior fraude financeira da história dos EUA.
    Título original The Wizard Of Lies
    Distribuidor HBO
    Ano de produção 2017

    Geral

    A maior ameaça à valorização do Bitcoin

    9 de março de 2017

    Leia também:

    Defenda o seu Bitcoin – A verdadeira história do MercadoBitcoin

    Guest Post: Cupons de descontos e cash back

    Bitcoin rumo ao pó, a bolha do bitcoin vai explodir

    O Bitcoin está de olho na SEC, porém o maior inimigo pode estar no seu próprio sistema, já que usuários regulares estão aguardando cada vez mais tempo para que suas transações sejam confirmadas, fato que traz um grande problema.

    Esta será uma semana decisiva para o bitcoin já que a SEC (Securities and Exchange Commission) tomará uma importante decisão sobre o primeiro ETF da moeda digital, e analistas temem que uma rejeição da proposta poderá levar a uma forte queda dos preços – que recentemente atingiram novos níveis recordes.
    Mas, alguns especialistas afirmam que a maior ameaça à valorização do bitcoin não tem relação com o governo dos Estados Unidos, mas sim dentro do próprio sistema da moeda. Isso porque ainda existe uma grande dificuldade quando o assunto é processamento rápido e eficiente das operações, um processo conhecido como “escalabilidade”.

    Em entrevista ao MarketWatch, o analista de blockchain da ARK Invest, Chris Burniske, afirma que, embora a limitada capacidade de processamento do bitcoin provavelmente não irá prejudicar a negociação de um fundo negociado em bolsa, isso pode, por outro lado, levar usuários frustrados a migrar para um dos rivais da moeda.
    Com isso, os participantes de mercado autorizados e que lidam com a negociação dos preços associada a este futuro fundo provavelmente liquidarão a maioria dessas transações através de uma rede secundária, que ajudaria a limitar o estresse sobre o blockchain.

    O blockchain, considerado a inovação mais revolucionária associada ao bitcoin, requer que cada usuário que executa o software da moeda confirme de forma independente cada transação de bitcoin, protegendo a rede de ser manipulada por hackers.

    Mesmo assim, este é um grande problema. De acordo com MarketWatch, os usuários regulares estão aguardando cada vez mais tempo para que suas transações sejam confirmadas. O tempo médio de confirmação no dia 3 de fevereiro foi de quase oito horas, embora seja normalmente mais próximo de 90 minutos.

    Neste cenário, onde transações menores exigem taxas proporcionalmente maiores e muitas vezes levam mais tempo para serem processadas, a moeda começa a enfrentar problemas para ser usada para seu principal propósito: pagamentos. Segundo Burniske, os usuários poderiam ficar frustrados e deixar a rede em favor de uma das inúmeras outras moedas digitais.
    fonte de consulta: infomoney.com.br/mercados/bitcoin/noticia/6217537/bitcoin-esta-olho-sec-mas-maior-inimigo-pode-estar-seu

    Até mais.

    Geral

    Cuidado com pirâmide financeira Revolutyon TagPoint

    2 de março de 2017

    A Polícia apreendeu material usado em esquema de pirâmide em Porto Alegre onde tal esquema de pirâmide financeira recrutou 12 mil pessoas e algumas gastaram R$ 18 mil. Vitor Loreto alega só importar aparelho; já Maikon Santos negou ganho fácil.

    Fonte: http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2017/02/policia-aprende-material-usado-em-esquema-de-piramide-em-porto-alegre.html
    Material foi apreendido em duas casas em Porto Alegre

    Leia também o artigo do site Tenho Dívidas, o qual tem reportado diversos esquemas fraudulentos Brasil afora, principalmente aqueles que são pirâmides financeiras disfarçadas de MMN(Marketing Multi Nível):

    POLÍCIA NO BRASIL EXPÕE ESQUEMA EM PIRÂMIDE REVOLUTYON TAGPOINT
    Esquema em Pirâmide REVOLUTYON TAGPOINT

    Até mais.

    Geral

    Golpe do Sistema de Doação Espontânea

    11 de janeiro de 2017

    “A coisa é bem simples: você faz uma doação e, a partir daí, vai receber doações de todo mundo que entrar no esquema depois de você. É ganhar dinheiro sem precisar trabalhar”, dizia um rapaz para o casal sentado à sua frente, em uma lanchonete da Vila Madalena, em São Paulo, na última semana. No computador sobre a mesa, um gráfico mostrava pirâmides de bonequinhos, com setas apontando dinheiro fluindo entre eles.

    Golpe em hospitais !!!

    Pirâmides financeiras passam a usar nome de sistema de doação espontânea

    Cuidado com golpe do SMS e golpe da DOAÇÃO!

    Reprodução
    O esquema desenhado nem sequer disfarça: trata-se de uma pirâmide financeira. O nome da vez é Infinity Line, que se diz um “sistema de doação espontânea”, assim como os chamados Retorno Amigo, System Global e Mandala da Prosperidade.

    Os sites que fazem propaganda dos “sistemas de doação” buscam dar um verniz de legalidade ao negócio, dizendo que não haveria problema, uma vez que se trata de doação direta prevista no Código Civil — e não depende da venda de produtos ou de “marketing multinível”. No entanto, não é a forma de pagamento que caracteriza a pirâmide, mas o formato do negócio.

    A matemática é simples, explica o advogado Alexandre Kawakami, professor do Instituto de Direito Público: “Pirâmides são mecanismo de arrecadar recursos financeiros, cujo retorno para os investidores não vem do investimento desses recursos, mas do aporte de novos investidores”. O esquema funciona até o dia em que não haverá mais gente para ser recrutada — logo, quem entrou por último não vai ter o retorno do seu investimento.

    Colocando a conta na ponta do lápis, fica mais fácil ver como o esquema é insustentável. Se o “investimento” depende, por exemplo, de cada participante trazer cinco novos membros para a pirâmide, em dez rodadas, passa a precisar de mais de 9 milhões de pessoas, ou seja, a população da Suécia. Duas rodadas depois, 244 milhões de adeptos serão necessários (a população do Brasil e da Argentina juntos).

    “A dificuldade de identificar as pirâmides de imediato ocorre porque elas estão camufladas sob a aparência de um investimento idôneo e lucrativo”, alerta uma cartilha sobre golpes financeiros feita pelo Ministério Público Federal.

    A prática de golpes, diz o documento, gera graves danos ao sistema financeiro nacional, à economia popular e ao patrimônio dos consumidores, “podendo atingir proporções gigantescas facilitadas pela rápida e incontrolável divulgação realizada pela internet e pela promessa de ganhos irreais”.

    Esse tipo de esquema envolve, além de estelionato (obter vantagem para si induzindo ou mantendo alguém em erro), crimes contra a economia popular, explica criminalista Fabrício de Oliveira Campos. O artigo 2ª, IX da Lei 1521/51 classifica como crime “obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos (‘bola de neve’, ‘cadeias’, ‘pichardismo’ e quaisquer outros equivalentes)”.

    O advogado José Nantala Bádue Freire, do Peixoto e Cury Advogados, por sua vez, lembra que não há regramento específico para coibir pirâmides financeiras de forma preventiva, ou seja, antes de alguém ser prejudicado. Depois do prejuízo é que os danos podem ser cobrados na Justiça, bem como a acusação criminal pode ser feita.

    Os sistemas de doações já começaram a chegar ao Judiciário. O juiz Manoel Simões Pedroga, da Comarca do Bujari, no Acre, determinou a instauração de inquérito policial para investigar o esquema chamado de Mandala da Prosperidade. Em sua página no Facebook, Pedroga afirma que, segundo estimativas, em cada pirâmide, 88% dos participantes perderão dinheiro.

    “Nesse tipo de negócio requer a cooperação da vítima, que enganada disponibiliza dinheiro ao enganador. Quem participa ou está no ‘erro’, entendido como falsa percepção da realidade, ou agindo com dolo direto ou eventual”, alerta.

    Em 2015, Pedroga condenou um divulgador da Telexfree ao pagamento de R$ 9,3 mil a um homem atraído para o plano. De acordo com a decisão, quem alicia novos integrantes para um esquema de pirâmide financeira comete ato ilícito civil e crime de estelionato.
    conjur.com.br/2017-jan-10/piramides-financeiras-usam-nome-sistema-doacao-espontanea

    Até mais.