‘Fracasso’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: fracasso

    Geral

    Como uma millenial pagou $68.600,00 de dívidas em 3 anos

    13 de junho de 2018

    Ela viveu um tempo sem nem lembrar que tinha uma dívida - e sofreu as consequências - Guen Garrido became debt free in March 2018 and celebrated by popping a large balloon filled with confetti
    Here’s how one millennial paid off $68,600 in just over 3 years

    Muitas pessoas já tiveram algum momento de muita dívida, no qual foi preciso tomar as rédeas da vida financeira para se reorganizar e não se afundar em dívidas. A jovem americana Guen Garrido passou por uma situação parecida, e conseguiu se superar. Ao ser entrevistada ao CNBC Make It, a jovem falou como quitou uma dívida de US$ 68.600, cerca de R$ 255 mil, em três anos e três meses.
    Depois de se formar em psicologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) em 2007, Guen Garrido tinha US$ 40 mil, cerca de R$ 148 mil, em dívidas estudantis. “Naquela época, era o que dava para fazer para conseguir terminar a faculdade“, explica.

    Ela considerou fazer uma faculdade menos reconhecida pelo preço, mas o fato de ter entrado na UCLA foi um grande passo, considerando que foi a primeira pessoa da minha família a ir para a faculdade. Então ela pensava: “Faça o que for preciso e quando tiver um emprego você paga a dívida”. Porém pagá-la não foi fácil quanto ela tinha imaginado.

    Ela era professora para crianças da pré-escola e ganhava apenas US$ 13 por hora, cerca de R$ 48, o que não era suficiente para pagar as contas. Então, deixou sua dívida em segundo plano. “Por um tempo, eu estava vivendo como se a minha dívida não estivesse lá. Parecia normal estar devendo muito dinheiro”, conta.

    E assim ela seguiu até 2013, quando alguns eventos da vida a fizeram enfrentar sua dívida. Depois de terminar um relacionamento de cinco anos, ela saiu do apartamento que dividia com o namorado e se viu “tendo que descobrir as coisas por conta própria”, diz. Mais tarde naquele mesmo ano, seu pai foi diagnosticado com câncer. “Essa notícia me derrubou. Foi quando percebi que não podia ajudar meu pai com o tratamento porque eu estava afundada em dívidas”, lamenta.

    Com o passar do tempo, aquela dívida da faculdade aumentou. Até o final de 2014, ela devia cerca de R$ 255 mil, graças a um financiamento de carro, alguns empréstimos pessoais e dívidas de cartão de crédito. Mas hoje ela estpa livre de dívidas.

    Como ela conseguiu a façanha?

    Buscou conhecimento

    A primeira coisa que a jovem fez foi começar a estudar sobre finanças pessoais com livros, podcasts, artigos e até vídeos no YouTube. Ela começou lendo um livro chamado “The Total Money Makeover” (Reformulação total do dinheiro), de Dave Ramsey, que a ajudou a elaborar seu plano para sair do vermelho. Mas seu recurso favorito era o YouTube. “Todo dia eu selecionava vídeos para ouvir discursos motivacionais sobre dinheiro ou qualquer coisa sobre investimentos, empréstimos e crédito”, diz. Começou a pagar a dívida no início de 2015.

    Durante os estudos ela aprendeu sobre o refinanciamento de empréstimos estudantis, uma estratégia que podia ajudá-la no momento. Ela refinanciou US$ 20 mil da sua dívida estudantil com uma empresa online de finanças pessoais especializada na modalidade, que permite diminuição de juros de uma dívida. Com isso, ela conseguiu reduzir a taxa de juros de 10% para 6%.

    Elaborou um plano

    Depois de ler o livro de Ramsey, a jovem passou a adotar o “método da bola de neve” para pagar tudo. Com essa estratégia, você prioriza seus menores débitos, independentemente da taxa de juros. Para Garrido, isso significava começar com US$ 50, cerca de R$ 180, que ela devia a loja de departamentos americana Target.

    A ideia é que ao pagar as contas mais baratas, você seja estimulado pela sensação de ver as dívidas desaparecerem. É como se estivesse rachando a bola de neve em pequenos pedaços para que aos poucos o impacto dela diminua, e isso vai ajudá-lo a ficar animado com o processo. E assim seguiu, depois de pagar as dívidas dos cartões de crédito, ela focou nos empréstimos pessoais e, finalmente, ela enfrentou sua maior dívida: o empréstimo estudantil pagando o quanto podia por mês.

    Ela definiu uma meta e acompanhou seu progresso

    Uma parte fundamental do plano de Garrido era estabelecer uma data final como meta para acabar com seus débitos. “Eu acho que muitas pessoas pensam que nunca serão livres de dívidas, então nem tentam sair. Mas depois que você define algumas metas para pagar, você começa a pensar: ‘Ok, eu posso fazer isso'”, explica.

    Para acompanhar seu progresso, ela criou uma planilha do Excel que não apenas permitia que ela registrasse suas receitas e despesas, mas também dizia como sua data prevista mudaria se aumentasse seus pagamentos de dívidas em um determinado valor a cada mês. “Isso me motivou a encontrar maneiras de vencer essa data”, acrescenta Garrido, que acabou pagando sua dívida nove meses antes do previsto.

    Ela acumulou uma renda extra

    Em 2015, Garrido já tinha deixado o trabalho como professora e começou uma nova fase em um emprego como analista de dados em uma universidade online e passou a ganhar mais que antes. Mas ainda não era uma renda suficiente, então ela começou a trabalhar com aplicativos de compartilhamento de caronas como o Uber.

    “Eu fiz isso praticamente cinco noites por semana. Depois que eu saía do trabalho, eu me dava um tempo para relaxar em casa e então pegava o carro e ia fazer algumas horas de Uber – inclusive cheguei a trabalhar nos fins de semana”, conta.

    Ela trabalhou com os apps de carona o ano de 2015 inteiro e conseguiu acumular US$ 10 mil na época, cerca de R$ 37 mil. Essa quantia foi direcionada quase completamente para a dívida. “Não tenha vergonha se você tiver que fazer um trabalho paralelo. Eu tive esse sentimento em um certo momento, mas valeu a pena”, comenta.

    Além disso, qualquer outra quantia que entrava em sua conta, ela usava para abater a dívida. “Eu não melhorei meu estilo de vida. Se eu tivesse um dinheiro para comprar algo de Natal, eu usava para pagar a dívida. E os impostos também – a restituição sempre ia direto para o que eu estava devendo”.

    Limitou seus gastos a US$ 300

    Além de gerar mais renda, Garrido diminuiu nos gastos. Ela começou diminuindo os preços em certos custos fixos. “Liguei para minha companhia de seguros de automóveis e negociei. Olhei para minha conta de telefone e descobri que estava em um plano antigo que custava mais do que o atual. Percebi que você precisa se atualizar sobre essas coisas e ver se há algo novo que possa lhe poupar dinheiro”, conta. Dessa maneira, ela foi reduzindo custos fixos onde viu que era possível.

    Em seguida, ela focou em reduzir as despesas do dia a dia. “Eu defini que só tinha US$ 300 por mês para fazer tudo tirando os custos fixos. Mercado, gás, sair para comer e entretenimento”, conta Garrido. Para garantir que ficasse dentro de seu orçamento, ela abriu uma conta bancária separada com apenas um cartão de débito e transferia US$ 300 para essa conta. Uma vez que ela passasse desse valor, ela não podia gastar mais até que seu próximo salário caísse.

    Enquanto Garrido estava gastando significativamente menos do que estava acostumada, não sentia que estava passando por dificuldades. Pelo contrário, via sua situação de gastar o limite que se impôs como quisesse. “Eu enxergava como espécie de dieta, que você poderia comer o que bem entendesse com uma certa quantidade de calorias”.

    Sua disciplina valeu a pena. Ao longo dos três anos e três meses, ela pagou uma média de US$ 1.800, cerca de R$ 6.600, por mês da dívida. Seu menor pagamento mensal foi de US$ 859, cerca de R$ 3.170, e o maior foi de US$ 3.418, cerca de R$ 12.600. “Esse valor mais alto foi no fim do ano, quando recebi um bônus da empresa. Usei o dinheiro e quase todo meu salário para pagar mais uma parte da dívida”, explica.

    A última parcela foi paga em março deste ano e, claro, ela fez questão de comemorar. Tirou o dia de folga do trabalho, fez uma massagem e depois comprou uma balão preto gigante e encheu de confete verde. Ela pintou a palavra “dívida” em prata e estourou o balão para festejar o fim desse ciclo difícil.

    Hoje, aos 32 anos, ela continua trabalhando como analista de dados e está oficialmente livre de dívidas, mas seus hábitos de consumo não mudaram muito. “Agora, eu me dou US $ 350 por salário para gastar”, diz ela.

    O dinheiro que era direcionado para sua dívida agora está focado em diferentes metas de poupança. Hoje, suas prioridades são: construir um fundo de emergência de US$ 10 mil e economizar para seu próximo casamento. Além disso, já pensa em metas de longo prazo, como comprar uma casa e economizar para a aposentadoria. “Mesmo que eu esteja livre da dívida, ainda há muito para se trabalhar”, diz Garrido.

    Leia também:

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    Até mais.

    Geral

    Ainda não aprendemos que congelar preços não funciona?

    29 de maio de 2018

    Livro – Crash!: Uma Breve História da Economia – Da Grécia Antiga ao Século XXI

    Do Egito antigo à Venezuela: ainda não aprendemos que congelar preços não funciona? Congelamento de preços não funciona há 4.000 anos

    Todos devem ter reparado que as crises na Argentina, Venezuela e Brasil dos últimos tempos são uma grande oportunidade para educar as pessoas sobre alguns princípios básicos da economia, pois no século atual não é mais possível acreditar que congelar preços, taxar lucro ou qualquer medida neste sentido que reduza a liberdade econômica possa trazer algum impacto, exceto algo negativo, falta de produtos, por exemplo. Embora o congelamento de preços há pelos menos 4000 anos tenha sido refutado na teoria e na prática, faz décadas que estas medidas ainda são aplicadas, principalmente na América do Sul, aproveitando-se da ignorância e da ilusão das pessoas que acreditam que cabe ao governo trazer prosperidade e resolver todos os problemas delas. O episódio da nossa história bem recente foi o anúncio no dia 27 de maio, do congelamento dos preços do Diesel por 60 dias e a definição de um preço mínimo para fretes. Uma barganha para o encerramento da greve dos caminhoneiros.

    No Egito antigo há milhares de anos, Venezuela ou Brasil atual, congelar preços traz sempre os mesmos resultados: escassez de produtos e caos social. Isto é como diz o ditado:
    “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes”.

    Quando existe um cenário de livre concorrência, respeito às liberdades individuais, além da propriedade privada, vemos que enriquece aquele que melhor serve a sociedade, mas privilégios e protecionismos estatais sabotam o funcionamento do mercado e permitem que empreendedores ineficientes e chupins do sistema prosperem, mesmo sem atenderem de forma adequada os seus consumidores, logo o benefício deixa de ser mutuamente geral e passa a ser de um grupo à custa de outro: corporativismo. Quando o governo determina que os recursos devem ser alocados na economia, interferindo nos preços e criando regulamentações protecionistas, ele está dizendo quais setores serão vencedores e perdedores, fato que mata a livre concorrência, porém o maior perdedor é sempre o contribuinte que paga a conta e ainda fica privado do acesso aos melhores produtos e serviços.

    Em conclusão a tudo isto pode se dizer que a recuperação do Brasil, Equador, Argentina, Venezuela entre outros “hermanos” latino-americanos será sempre uma coisa apenas que é a liberdade do mercado se ajustar às demandas dos consumidores.

    Veja também:

    Dicas de livros – parte 6

    Até mais.

    Geral

    Erros financeiros para evitar aos 40 anos

    2 de março de 2018

    couple relaxing beach summer - casal relaxando em uma praia no verão
    9 money mistakes to avoid in your 40s

    Enquanto aos 20 estamos focados em construir nossa base financeira e criar bons hábitos, aos 30 estamos prestes a ter grandes mudanças de vida como construir uma carreira, casar, ter filhos etc.
    Já aos 40, há muito a ser feito para proteger o patrimônio e garantir a segurança financeira da família antes de começar a pensar na aposentadoria. É o que explica a planejadora financeira Sophia Bera.

    Pensando nisso, ela listou para o Business Insider algumas atitudes que devem ser evitadas nesta fase da vida e que podem prejudicar o sucesso financeiro. O InfoMoney selecionou seis delas:

    1) Comprar uma casa maior que o seu orçamento

    Com a família crescendo, aquele imóvel pequeno que antes era o suficiente, hoje já não serve mais. É tentador buscar por um lugar maior, com mais espaço e até em um bairro melhor. Mas isso significa que o valor do imóvel será maior, assim como o custo de manutenção e os impostos.

    Cuidado, porém, para não comprar um imóvel maior do que pode bancar. A casa própria não é um dos melhores investimentos, então você deve ser realista e honesto com o seu orçamento e evitar gastar todas as suas economias na nova casa.

    2) Gastar mais do que o necessário com as crianças

    Uma forma fácil – e rápida – de gastar dinheiro é destinar seu patrimônio aos filhos: escola, atividades extracurriculares, passeios escolares, brinquedos, acampamentos etc.

    É difícil dizer não para tudo o que seus filhos querem, e você quer oferecer o melhor – não só porque ama seus filhos, como porque os pais dos coleguinhas também são seus amigos, e você quer se encaixar.

    Porém, é preciso estabelecer um orçamento para não sair no prejuízo. Esse é um bom momento para você reavaliar o patrimônio e ensinar as crianças a darem valor ao dinheiro. Dessa forma, a família toda irá gastar dinheiro e tempo em coisas que realmente importam para cada um, ao invés de comparar cada nova aquisição com as demais famílias do grupo.

    3) Não juntar dinheiro para a aposentadoria porque está poupando para a faculdade

    A planejadora financeira conta que muitos pais tendem a priorizar o ensino dos filhos em detrimento da própria aposentadoria. “É natural colocar o bem de seus filhos na frente do seu. Porém, a realidade é que seus filhos podem pegar dinheiro emprestado para pagar a faculdade, mas você não pode pegar dinheiro emprestado para a sua aposentadoria”, afirma.

    Sophia explica que ao fazer isso, você está preparando seus filhos para tomarem conta de você quando ficar mais velho, justo quando eles terão seus próprios filhos para cuidar. E isso pode ser um grande problema no futuro. “O melhor a se fazer é se preparar primeiro para a aposentadoria e depois, juntar dinheiro para o estudo de seus filhos”, diz.

    4) Não ter um fundo de emergência grande o suficiente

    Os US$ 1 mil que você guardou quando tinha 22 anos pode ter sido o suficiente, mas naquela época era só você e agora você tem uma família. A probabilidade de despesas inesperadas é alta. Com isso, a quantia que você poupa também deve ser.

    Quando você é jovem e perde o emprego, você consegue se manter por alguns meses voltando para a casa dos seus pais, por exemplo. Imagine agora perder o emprego quando você já tem que pagar o aluguel, tem dois carros na garagem, dívida da pós-graduação e três filhos.

    Evite essa dor de cabeça guardando de 3 a 6 meses de gastos no seu fundo de emergência e invista o resto em investimentos de alta liquidez que permitam o resgate a qualquer momento – para caso haja eventualidades.

    5) Não aproveitar os benefícios do cartão de credito

    Se você usa o cartão de crédito de forma consciente, ou seja, sabe o seu limite e consegue pagar as contas inteiras todos os meses, você pode estar perdendo se não tiver um cartão de crédito que ofereça benefícios.

    Uma família maior significa gastos maiores, então faça essas despesas trabalharem a seu favor. Cartões com recompensas podem dar o benefício de cashback ou pontos, os quais você pode usar para viajar, por exemplo.

    6) Não conversar com seus pais sobre as finanças deles

    Assim como é importante para você administrar suas finanças, de forma a beneficiar seus filhos, é essencial que você fale com seus pais sobre as finanças deles.

    Os mais velhos são normalmente mais vulneráveis a problemas financeiros, porque eles acreditam que, por já terem feito isso por anos, sabem fazer de “olhos fechados”. Mas isso não significa necessariamente que eles entendem o planejamento financeiro moderno.

    Alguns pais demoram muito tempo para avisar os filhos que não têm dinheiro suficiente para a aposentadoria ou então, que precisam dos filhos para se sustentarem. “Eu trabalho com clientes que ajudam seus pais financeiramente, mas é preciso um planejamento e orçamento para que consigam fazer isso sem prejudicar seus objetivos”, conta a planejadora financeira.

    Até mais.

    Convidados

    Segredos de dinheiro que pessoas ricas e bem sucedidas sabem

    24 de janeiro de 2018

    Warren Buffett, Chairman and CEO of Berkshire Hathaway - Os segredos financeiros que pessoas bem-sucedidas sabem
    As pessoas não devem ter vergonha de um estilo de vida modesto – até o bilionário Warren Buffett vive de maneira frugal

    A maioria dos especialistas em finanças pessoais vai dizer que o segredo para se tornar rico na verdade não é uma mistério: trabalhe, viva dentro do seu orçamento, invista e poupe o máximo que puder. Aliás, não deve ser vergonha ter um um estilo de vida modesto – até o bilionário Warren Buffett vive de maneira frugal.
    De acordo com a consultora de finanças pessoais Gabrielle Olya, se o seu objetivo é se juntar ao rol dos ricos, é preciso exercitar sua mentalidade e aprender os seus segredos financeiros, listados pelaCNBC.

    Veja seguir:

    1) Salário não é tudo

    Escalar o mundo corporativo irá leva-lo até determinada altura. Em algum momento, você alcança seu potencial de ganho e subir mais que isso nem sempre é possível. Os ricos sabem que, para aumentar a riqueza, é importante fazer o seu dinheiro trabalhar para você – e não o contrário.

    Invista seu dinheiro – parece repetitivo, mas é efetivo. Procure os melhores investimentos para a quantia que você consegue poupar. Faça seu dinheiro render, aplicando em diferentes tipos de investimentos. Não deixe de ganhar dinheiro, aproveite as oportunidades.

    2) Coloque isso por escrito

    A diferença entre ter uma ideia e colocá-la no papel é muitas vezes o que separa o a pessoa bem-sucedida da que não é. E se você quer ter sucesso e alcançar a riqueza, talvez seja hora de começar a escrever seus objetivos, grandes e pequenos.

    Thomas Corley, autor do livro “Rich Habits: The Daily Success Habits of Wealthy Individuals”, (Hábitos dos Ricos: Os hábitos diários de indivíduos ricos”, em tradução livre), observou isso em seu estudo. Dos ricos entrevistados, 67% deles anotam seus objetivos, enquanto 81% mantêm uma lista de tarefas. Se o seu objetivo é ser rico, comece materializando a ideia no papel e faça um plano de ação para que saia dele.

    3) Não gaste com coisas desnecessárias

    As pessoas ricas sabem a importância de poupar dinheiro diariamente. Elas procuram economizar em tudo que podem, seja tomando café da manhã em casa, ou diminuinbdo a quantidade de vezes que jantam fora no mês. Quando for comprar algo sempre se pergunte se você realmente precisa daquilo. Há um jeito de fazer ou consumir a mesma coisa gastando menos? Se a reposta for sim, tente buscar uma alternativa. Isso pode se tornar um hábito.

    4) Seja seu próprio chefe

    Em tese, os funcionários trabalham para se tornar seus “chefes ricos”. Se você está buscando a verdadeira riqueza, considere começar seu próprio negócio. De acordo com Forbes, quase todas as 1.426 pessoas da sua lista de bilionários fizeram suas fortunas através de um negócio que eles ou um membro da família criaram.

    Claro que não é uma fórmula mágica. Iniciar o próprio negócio exige dedicação e conhecimento do setor em que vai operar. Mas segundo Olya, muitos profissionais da classe média pensam que começar um negócio é muito arriscado. “A questão é que os ricos entendem que o que é mais arriscado é permitir que seu tempo e ganhos sejam ditados por um chefe que geralmente não se importa com você e seu desenvolvimento ou que não pode te oferecer mais oportunidades”.

    5) Invista em você mesmo

    Pessoas bem-sucedidas sabem que vale a pena investir tempo, dinheiro e energia para melhorar as próprias habilidades. Isso pode implicar em ler mais, fazer aulas de determinado assunto ou aprender novas competências. Ninguém vai aprender por você. Se quiser ser especialista em seu campo é preciso estar em constante aprendizado. Busque opções que façam você render mais no dia a dia, que dêem resultados no trabalho e na vida pessoal.

    6) Mude sua mentalidade

    “Não há escassez de dinheiro no planeta, apenas uma escassez de pessoas que pensam corretamente sobre isso”, afirma Grant Cardone, empreendedor americano. “Para se tornar um milionário, você deve pensar alto”. Você deve realmente acreditar que você será rico para enriquecer.

    Claro que apenas pensamentos positivos e confiança não farão sua conta bancária passar a ter seis dígitos, mas aliados com atitudes podem ser o principal diferencial na hora de alcançar a riqueza.
    fonte de consulta: Money secrets that wealthy, successful people know

    Até o próximo post.

    Convidados

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Polícia prende envolvidos em esquema pirâmide financeira Kriptacoin

    21 de setembro de 2017

    chega de fraude bitcoin - Kriptacoin: polícia prende envolvidos em esquema pirâmide financeira com moeda digital

    A Justiça de Defesa do Consumidor do Distrito Federal informou que as fraudes podem gerar prejuízo a 40 mil de pobres incautos gananciosos investidores!!

    A Polícia Civil do Distrito Federal e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios deflagraram nesta quinta-feira (21) a Operação Patrick, contra a empresa Wall Street Corporate, investigada por suposto esquema de organização criminosa, estelionato, lavagem de dinheiro, uso de documentos falsos e por crime de pirâmide financeira por meio do uso da moeda digital Kriptacoin.

    Nesta manhã forma cumpridos 13 mandados de prisão preventiva e 18 de busca e apreensão no Distrito Federal, Águas Lindas e em Goiânia. Por meio do Twitter, a Polícia Civil informou que o esquema pode ter movimentado R$ 250 milhões. Até às 11h, 11 suspeitos já haviam sido presos em Brasília, além de sete carros de luxo terem sido apreendidos e colocados no estacionamento do Departamento de Polícia Especializada.

    A 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor (Prodecon), do MPDFT informou que as fraudes podem gerar prejuízo a 40 mil investidores, que eram convencidos a aplicar dinheiro na moeda digital. A organização criminosa atuava por meio de laranjas, com nomes e documentos falsos.

    Segundo as investigações, o esquema teve início no fim de 2016 e ganhou força a partir de janeiro deste ano. Nele, os integrantes da organização se passavam por executivos e prometiam altos rendimentos com o negócio, com ganho de 1% ao dia sobre uma moeda virtual falsa.

    Quanto mais investidores fossem recrutados para participar do negócio, maior a promessa de ganhos, com bônus de 10% por pessoa cooptada. Assim, o lucro crescia proporcionalmente à quantidade de aplicações feitas na cadeia. O problema é que tudo não se passava de um golpe.

    No programa “Mundo Bitcoin” da última terça-feira (19), o diretor de operações da FoxBit, Guto Schiavon, ao responder perguntas dos leitores, comentou sobre algumas moedas, incluindo a Kriptacoin, já alertando que não era um esquema muito confiável. Além disso, ele falou sobre o que é preciso ficar atento para evitar cair em golpes como esse.

    Leia também:

    Moeda rival da bitcoin passou de US$ 319 para 10 centavos em segundos com ordem de venda multimilionária

    Até o próximo post.

    Geral

    8 erros que impedem você de alcançar seu primeiro milhão

    5 de junho de 2017

    É possível viver de renda com R$ 1 milhão?

    arvore-do-milhao

    Qualquer indivíduo pode conseguir a riqueza, porém o caminho tem obstáculos e exige algumas mudanças de hábitos e mentalidade. Se faz necessário ter paciência, dedicação e foco para alcançar seu 1º milhão. Existem pessoas que chegam muito perto de se tornarem milionárias, mas por uma série de pequenos deslizes acabam não alcançando o objetivo.

    O Business Insider listou alguns erros (11 mistakes standing between you and your first million) que impedem você de ficar milionário. Confira a seguir:

    1- Gastar tudo o que você ganha

    Parece óbvio, mas viver dentro do orçamento pode ser um verdadeiro desafio e é crucial para alcançar seu primeiro milhão. Se você não poupar dinheiro e gastar menos do total que possui fica quase impossível acumular riqueza. As pessoas que são ricas sabem viver dentro dos seus meios, inclusive ser rico não precisa ser sinônimo de luxo, Warren Buffett, por exemplo, vive em uma casa modesta e Mark Zuckerberg faz questão de manter carros mais baratos.

    2- Você não está pensando como um milionário

    Como Napoleon Hill descobriu em seu livro de 1937 “Think and Grow Rich” (Pense e Cresça Rico, em tradução livre), pessoas ricas pensam de forma diferente do que as outras. Depois de entrevistar 1.200 dos indivíduos mais ricos do mundo, o milionário Steve Siebold concorda com as descobertas de Hill, que incluem: os ricos têm uma mentalidade de ação, adquirem conhecimento específico de seus negócios, sonham com o futuro, seguem sua paixão, gostam de desafios e sabem quando assumir riscos. Em suma, se você quer se tornar um milionário, comece a mudar a maneira como você pensa sobre o dinheiro e o sucesso.

    3- Estar muito preocupado com a perfeição

    Para alcançar a riqueza é preciso entender que nem sempre tudo vai sair do jeito que você planejou. Nada é perfeito. Quanto mais cedo você aceitar isso, mais cedo você poderá avançar, em vez de ficar preso em um só lugar. Se você está iniciando um negócio, quanto mais tempo você gastar aperfeiçoando seu produto ou serviço, mais tempo seus competidores têm para conquistar seu mercado e tirar clientes potenciais. Não hesite em experimentar. Entre no mercado o mais rápido possível. Você sempre pode aperfeiçoar detalhes mais tarde, enquanto você ainda está lucrando.

    4- Seguir outras pessoas cegamente

    Pode ser incrivelmente benéfico procurar mentores ou ler sobre aqueles que alcançaram a riqueza. Porém, o que funcionou para eles pode não funcionar para você. Por exemplo, o lançamento de uma empresa como a Apple ou a Microsoft pode não funcionar hoje. Então, seguir os passos de Steve Jobs e Bill Gates não necessariamente quer dizer que você terá sucesso também. Você deve confiar em si mesmo e em suas ideias, e compreenda o que funciona melhor para os seus negócios e como você pode ser bem sucedido nesse setor.

    5- Confiar demais no cartão de crédito

    Os cartões de crédito podem ser úteis – mas desde que você saiba usar de forma consciente. É fácil fazer dívidas por meio do cartão de crédito. E dívidas significam que, ao invés de fazer investimentos ou colocar dinheiro em seu negócio, você está ocupado pagando suas contas de cartão de crédito com altas taxas de juros. E a riqueza vai ficando cada vez mais longe, então cuidado ao usar o crédito.

    6- Não pensar no futuro

    Quem alcançou a riqueza tem a habilidade de planejar pensando no futuro. Os ricos sabem para onde querem ir e o que vão precisar para alcançar o sucesso, que nem sempre chega rápido. Atitudes a longo prazo permitem que você antecipe obstáculos e que tenha um plano para lidar com eles. Se você está iniciando um novo empreendimento, você precisa ter um plano a longo prazo que aborde como atrair e reter clientes e que mostre como você é diferente da concorrência.

    7- Fazer tudo sozinho

    É impossível fazer tudo por conta própria. Contar com um equipe ou algumas pessoas que você confia é crucial para alcançar a riqueza. Saiba como terceirizar e delegar as tarefas com as quais você não está familiarizado ou não é tão forte. Este é um dos segredos que os empresários raramente contam, mas é essencial se você deseja que seu negócio cresça e alcance o sucesso.

    8- Passar tempo com as pessoas erradas

    Os ricos não perdem o tempo associando-se às pessoas erradas. A ideia é que você se aproxime de pessoas que incentivem seu trabalho e que façam você se sentir bem. Pessoas negativas que continuam dizendo que você não pode alcançar seus sonhos, ou que estão usando seu sucesso para tirar vantagem não valem a pena manter por perto. Os ricos passam o tempo com pessoas de mentalidade semelhante que são motivadas e apaixonadas por seus negócios, que focam seus pensamentos em coisas positivas e no seu futuro.

    Até o próximo post.

    Filmes

    Filmes que mostram uma característica fundamental para o empreendedor

    16 de maio de 2017

    Networking significa ter uma rede de relacionamentos que é positivo para qualquer empreendedor.

    Filmes indispensáveis para empreendedores

    Filmes para empreendedores, Velozes e Furiosos, Fast and Furious

    Ter uma rede de relacionamentos é positivo para qualquer empreendedor, segundo a especialista em imagem e reputação Nathana Lacerda. Ela explica que ter um bom ciclo de relacionamentos ajuda a aumentar as vendas, melhorar o posicionamento e chegar a novos patamares na carreira.
    “Duas coisas são proibidas no processo de networking: fazer contatos que não são legítimos por puro interesse em vantagens que alguém pode trazer, e se conectar com alguém que não compartilha os mesmos valores”, explica. A especialista ainda reforça a importância de saber se apresentar efetivamente nos eventos.

    Pensando nisso, a coach de imagem e reputação listou 6 filmes que, apesar de serem conhecidos por outros aspectos, também podem ensinar e ajudar a montar uma rede de relacionamentos:

    Velozes e Furiosos

    A série de filmes mostra uma equipe de pessoas que estão com o mesmo objetivo – mesmo que, na história, sejam objetivos pouco éticos. Além de se ajudarem o tempo todo, eles conseguem manter o contato porque possuem os mesmos valores, até mesmo quando os personagens são de lados opostos. “É possível encontrar valores em comum mesmo quando você faz uma coisa diferente da outra pessoa, mas há interesses em comum”, explica.

    O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei

    No último filme da trilogia do Senhor dos Anéis, uma batalha quase perdida é salva pela chegada de um exército amigo, que ajuda a destruir os inimigos. “Um bom contato pode nos salvar quando mais precisamos”, resume a especialista. “Se você mantém contato frequente com colegas e pessoas que conheceu ao longo da sua carreira, vai ser ouvido no momento em que precisar de uma ajuda”, completa.

    Dois Caras Legais

    A comédia estrelada por Ryan Gosling e Russell Crowe mostra duas pessoas muito diferentes que se veem obrigadas a trabalhar juntas. “Muitas vezes, você vai encontrar pessoas muito diferentes de você, mas que possuem algo em comum e que faz valer um contato de networking”, explica a especialista. “Procure empreendedores que tenham algo em comum, e isso vai ajudar a transformar um simples contato em alguém que pode ajudar você e seu negócio em um futuro próximo”, completa.

    Clube dos Cinco

    Na trama adolescente, cinco alunos encontram um ponto em comum na detenção: todos possuem problemas muito semelhantes. Um deles, considerado o “nerd”, pode falar com alguns dos alunos tidos como “populares” sem medo, porque é igual a eles. “Esse sentimento de inferioridade é muito comum entre empresários e empreendedores, que têm medo de conversar e fazer contato com algum empresário mais bem-sucedido, e neste momento é preciso ter a noção de que todos somos iguais”, resume a coach, destacando a importância de vencer o receio de fazer contato com pessoas que estão em outro nível.

    Zumbilândia

    Na comédia de zumbis, diversas pessoas diferentes se juntam por um único motivo em comum: escapar dos zumbis que passaram a dominar o mundo. “Ter concorrentes em comum é uma ótima forma de se conectar a outras pessoas e aumentar a rede de networking”, explica Nathana, lembrando que não precisam ser necessariamente concorrentes, mas causas e problemas na sociedade, por exemplo.

    À Procura da Felicidade

    Considerado um filme muito emocionante estrelado por Will Smith, o filme de superação mostra um homem muito pobre que sonha em trabalhar como um grande executivo. Seus primeiros contatos com um grande empresário não resultam em nada, mas com o tempo ele tem um bom resultado, porque insistiu mesmo quando os encontros não eram positivos. “Às vezes, uma conversa com algum executivo pode não resultar em algo, mas com paciência você consegue fazer conexões com as pessoas de quem deseja se aproximar. Não desista de alguns contatos apenas porque a primeira conversa foi ruim”, conclui.

    Até mais.

    Filmes

    Original Netflix: Apostando tudo – filme 2017

    6 de maio de 2017

    Ótimo filme sobre viciados em apostas. As idas e vindas de quem procura largar o vício. Arriscando tudo e quase botando tudo a perder. Não chega a ser um drama, no máximo uma comédia dramática.
    Original Netflix.
    Confira.

    Apostando tudo

    SINOPSE E DETALHES

    Eddie Garrett (Jake Johnson) concorda em olhar uma bolsa para um conhecido que está indo para a prisão. Quando ele descobre que o que tem na sacola é dinheiro, não resiste à tentação e acaba gastando a grana. Quando o prisioneiro é solto mais cedo, Eddie tem uma pequena janela de tempo para ganhar todo o dinheiro de volta.

    Geral

    Fontes de dinheiro para começar o seu próprio negócio

    5 de janeiro de 2017

    A Exame PME fez um ótimo artigo onde expõe de forma bem clara 7 fontes de dinheiro para começar o seu próprio negócio. Explica-se que a barreira mais comum mencionada pelos empreendedores para começar um negócio próprio é a ausência de um capital inicial.

    Guest Post: O que saber para pegar um empréstimo pessoal?

    Muitos destes empreendedores de primeira viagem desconhecem é que a imensa maioria das empresas, grandes ou pequenas, famosas ou desconhecidas, regionais ou globais, começou com muito pouco dinheiro, quase sempre com o (quase inexistente) capital que dispunha.

    Tal dinheiro pode ser algo como 100 ou 200 reais, como ocorre com os milhares de exemplos de empreendedores que passaram pelo programa Empretec, oferecido pelo Sebrae no Brasil.

    Nessa iniciativa, os candidatos a empreendedores são desafiados a gerar renda com uma ideia que exija muito pouco capital. Não raro, os participantes se surpreendem em conseguir dois, três, quatro mil reais em uma semana. Um amigo conseguiu vender quatro mil reais de berinjela em conserva seguindo uma receita italiana da sua avó, por exemplo.

    1. Dinheiro dos bens e reservas já existentes

    O capital inicial pode ser as poucas economias guardadas ou um bem de algum valor que pode ser vendido. Foi isto que fez Luiz Seabra, ao vender seu fusca para alugar e reformar uma pequena borracharia, que viraria a Natura Cosméticos.

    2. Dinheiro de amigos e familiares

    Outra fonte de recursos bastante comum são os familiares, amigos e conhecidos. Sam Walton conseguiu um investimento do seu sogro para fundar a Walmart. Jeff Bezzos fez a mesma coisa para criar a Amazon.com.

    3. Pré-pagamentos e financiamentos coletivos

    Em alguns casos, ainda é possível criar um negócio com poucos recursos utilizando uma lógica conhecida por pré-pagamento, onde o futuro cliente paga antecipadamente para receber o produto ou serviço depois que o negócio já estiver funcionando.

    Meyer Nigri e Bento Koike fizeram exatamente isso para arranjar recursos para fundar a Tecnisa e a Tecsis, respectivamente.

    Jovem engenheiro cível formado, Nigri convenceu o dono de um terreno a cedê-lo em troca de apartamentos no prédio que seria construído no local e, depois, vários amigos e conhecidos também pagaram antecipadamente para terem direito a comprar os apartamentos na planta. Isso é comum agora, mas era uma novidade em 1977. Koike fez exatamente a mesma coisa, mas com pás imensas utilizadas em usinas de energia eólica.

    Atualmente, essa mesma abordagem é utilizada em plataformas de financiamento coletivo (crowdfunding).

    Há casos de grandes sucessos como a Rift, cujo óculos de realidade virtual captou mais de US$ 2 milhões, ou a Pebble, que conseguiu mais de US$ 10 milhões em 37 dias, ambos via Kickstarter.

    No Brasil, há diversas plataformas semelhantes como Catarse, Kickante ou Benfeitoria, mas o mercado de financiamento coletivo não está tão desenvolvido como nos Estados Unidos e há mais exemplos de insucesso, como o da hamburgueria Zebeleo.

    4. Empréstimos

    Depois do capital próprio, de familiares, amigos e financiamento coletivo, o empreendedor poderia recorrer à algumas (poucas) alternativas de empréstimos. Mas são poucas as opções realmente atrativas para o empreendedor de primeira viagem, já que as taxas de juros e as exigências de garantias são praticamente inviáveis na maioria dos casos.

    Mesmo assim, algumas opções merecem ser estudadas. A primeira é o FINAME, uma linha do BNDES oferecida por bancos conveniados. É interessante para negócios que exigem a compra de máquinas e equipamentos e é uma linha atraente, pois os juros são reduzidos – o próprio bem financiado serve como garantia.

    Outra linha de empréstimo que pode ser conveniente são as oferecidas pelos principais bancos para quem pretende abrir uma franquia. As exigências de garantias são menores, já que o franqueador influencia na decisão do empréstimo.

    Para negócios que exigem muito pouco capital, algumas instituições, como o Banco Pérola, ainda oferecem linhas conhecidas como microcrédito.

    5. Investimento-anjo e fundos

    Empreendedores que estejam planejando negócios com altíssimo potencial de crescimento podem recorrer aos investidores de capital de risco. O mercado evoluiu muito e há players muito bem consolidados.

    Se demandar recursos entre 30 a 300 mil reais, por exemplo, é possível tentar o apoio de investidores-anjos, que são pessoas físicas com recurso para investir em negócios de alto potencial de crescimento. A média de investimento tem ficado em torno de 90 mil reais, mas há exemplos de aportes que ultrapassaram um milhão de reais, mas são mais raros.

    No Brasil, a Anjos do Brasil é a principal entidade que reúne investidores assim. Mas há outras redes importantes, como Harvard Angels, Gávea Angels e Bossa Nova.

    A novidade no investimento anjo são as plataformas de crowdfunding de investidores anjo. Nesse caso, vários investidores entram simultaneamente em um mesmo aporte, coordenado por estas plataformas. No Brasil, destacam-se o Broota e o Startmeup.

    Em geral, os investidores anjos são os investidores de capital de risco que, tradicionalmente, investem em negócios em suas fases iniciais. Mas, em alguns casos muito específicos de startups muito bem estruturadas, tais empreendedores profissionais podem recorrer aos investidores de seed capital e de venture capital.

    No seed capital, os investidores podem entrar com aportes bem maiores do que os anjos, entre 500 mil a 3 milhões de reais. Mas há poucos investidores que se posicionam como seed capital. Alguns, como Pitanga, Redpoint eVentures e DGS Ventures, conseguem fazer operações de seed.

    Negócios de alto potencial de crescimento e que demandam recursos entre 2 ou 3 à 5 milhões de reais podem buscar o apoio de investidores de venture capital. Nesse caso, os principais players são associados da ABVCAP, associação que reúne os investidores de capital de risco no Brasil.

    6. Aceleradoras

    Outra fonte de recurso pouco conhecida pode ser as aceleradoras. Além de apoio gerencial, mentoria e rede de relacionamentos, algumas aceleradoras de startups no Brasil também aportam recursos que pode variar entre 30 a 50 mil até 200 mil reais. As principais aceleradoras são associadas à ABRAII.

    7. Fundos governamentais

    Por fim, alguns negócios nascentes podem recorrer a recursos não reembolsáveis oferecidos por entidades governamentais como CNPq, FINEP, BNDES e fundações estaduais de amparo à pesquisa. Entre as fundações, destaque para a FAPESP que oferece desde 1997 até R$ 1,2 milhões para empreendedores com projetos de pesquisa que gerem inovações tecnológicas por meio do PIPE.

    As alternativas de fontes de capital paras os empreendedores ainda são muito reduzidas. Mas, por experiência própria (con)vivendo há mais de vinte anos neste ambiente, em geral, sobram recursos para bons projetos, muito em função do desconhecimento.

    Dinheiro: a imensa maioria das empresas começou com muito pouco dinheiro
    Fonte de consulta: exame.abril.com.br/pme/7-fontes-de-dinheiro-para-comecar-o-seu-proprio-negocio

    Até o próximo post.

    Geral

    6 coisas que as pessoas fracassadas fazem na virada do ano

    2 de janeiro de 2017

    6 things unsuccessful people do in the New Year, post do Business Insider, relata através de especialistas, 6 coisas que as pessoas fracassadas fazem na virada do ano. Eles comentam os maiores erros que são cometidos nesta época de renovação.

    fireworks new year eve celebration

    Toda vez que vira o ano, para muitos, é um período de recomeço e de abocanhar oportunidades. Normalmente, espera-se melhorias para o ano seguinte, porém elas não vêm sem que se assuma uma posição ativa que as garanta.
    Confira abaixo quais são os maiores erros que as pessoas cometem na virada do ano e que podem levar ao fracasso por mais 365 dias:

    1) Ignorar conquistas

    Relembrar o que foi conquistado ao longo do ano é essencial para saber os caminhos que devem ser traçados no período seguinte, de acordo com Ryan Kahn, coach de carreira e criador do curso “Como Ser Contratado”.

    2) Esquecer de estabelecer metas

    Para o especialista, é importante pensar em metas de longo prazo e os passos que devem ser tomados ao longo do ano enquanto ele ainda não começou. Prepare-se para o sucesso.

    3) Deixar coisas inacabadas

    Pessoas fracassadas costumam deixar que o trabalho vire o ano junto com elas. O especialista afirma que é importante que o tempo das festas seja livre de preocupações.

    4) Manter-se conectado

    Sempre que conseguir evitar olhar a caixa de entrada do e-mail, faça isso, diz o coach.

    5) Negligenciar contatos

    Cultivar a rede profissional é importante mesmo neste período. “As festas são desculpas perfeitas para enviar cartões ou falar com pessoas com quem não tem tanto contato quanto gostaria”, diz Ryan.

    6) Deixar de agradecer

    A gratidão é essencial para a obtenção de sucesso e felicidade. “Reconheça como as outras pessoas o ajudaram ao longo do ano”, diz o coach. “Faça com que elas saibam que você aprecia o esforço”.

    Até mais e viva 2017!!!