‘Finanças Pessoais’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: finanças pessoais

    Convidados

    Dicas para você viajar sem erros e em segurança

    2 de julho de 2018

    planejamento-viagem

    Viajar é um dos maiores prazeres da vida. Viajar é também uma oportunidade de expandir horizontes, descobrir novas belezas e novas maneiras de fazer as coisas, dentro ou fora de seu próprio país. Há, porém, algumas dicas que podem ajudar a tornar a experiência mais segura, mais barata e mais agradável. Citaremos algumas delas a seguir:

    Na hora de comprar passagens e fazer outros arranjos, use e abuse do poder da internet

    A internet facilitou radicalmente o acesso à informação. Isso é ótimo porque os preços de passagens, hospedagem, etc. pode variar radicalmente. Por isso, sugerimos uma boa dose de paciência e pesquisa.

    Nos sites das companhias aéreas, especialmente das mais barateiras, como a Gol, podem ser encontradas verdadeiras pechinchas. Muitas vezes, nas redes sociais das companhias aéreas, são ofertadas passagens promocionais. Vale a pena, portanto, ficar de olho na presença das companhias aéreas na internet.

    Se aguentar receber em seu email ofertas que não lhe interessam (uma opção é criar um email só para isso), assine as newsletters de companhias aéreas. Boas promoções costumam ser divulgadas por elas.

    Sites como decolar.com reúnem ofertas de passagens, hospedagem e outros produtos e serviços. Como sites diferentes possuem acordos diferentes com empresas diferentes, vale a pena consultar mais de um deles. Entre as outras opções estão skyscanner.com.br e o viajanet.com.br. Sites como booking.com, trivago.com.br ajudam a achar ofertas baratas de hospedagem.

    Lembre-se de que na internet você pode usar filtros para ver ofertas de acordo com destino, data, faixas de preço desejadas, etc.

    Outras observações financeiras sobre a compra de passagens

    Para quem pode escolher quando partir, vale a pena financeiramente procurar passagens para a baixa estação do destino, quando ele é menos procurado e as passagens e a hospedagem ficam mais baratas.

    Embora possam aparecer pechinchas de última hora, passagens compradas com boa antecedência costumam ser mais baratas. Então, se já sabe quando vai partir, seja proativo e compre as passagens o mais cedo que puder.

    Programas de milhas (incluindo cartões de crédito cujo uso rende milhas de viagem) são uma boa opção para diminuir gastos com passagens.

    Aprenda um pouco sobre seu destino

    Para evitar decepções e perigos, é bom procurar um pouco de informações sobre seu destino. Há algum risco de saúde comum na área? Como é a segurança pública? Há alguma época marcada por tempestades ou outros problemas naturais?

    Muitas pessoas esquecem que alguns países exigem que o visitantes comprem seguro de viagem para entrar em seus territórios. Esse é o caso, por exemplo, de quase todos os países da União Europeia além de Islândia, Suíça, Noruega e Liechtenstein. Embora a posse de seguro não costume ser cobrada na entrada nesses países, a falta dele pode fazer a pessoa ser barrada ou até deportada.

    Aproveite com calma

    A vontade de ter visto um monte coisas no final da viagem é quase irresistível. Ainda assim, antes de embarcar em uma daquelas excursões que cruzam a Europa Ocidental ou a América Central toda em uma semana, pense bem. Talvez, você se sinta melhor absorvendo mais do que o local onde você está tem a oferecer.

    Lembre-se um grande destino está onde você o encontra

    Pode ser Madri ou Salvador, os Lençóis Maranhenses ou a cidade histórica de Ouro Preto. O melhor destino turístico é aquele que fala às suas inclinações pessoais. Por outro lado, em qualquer lugar, você pode achar a beleza física e a riqueza da diversidade humana que tornam as viagens momentos especiais de nossas vidas.

    Não leve sua casa com você

    Os especialistas recomendam que você só leve consigo o essencial. Dessa maneira, você ganha mobilidade e menos dores de cabeça e em outras partes do corpo. Além disso, ganha espaço para lembranças que comprar.

    Evidentemente, a definição de essencial depende de você e de quem vai com você. Você provavelmente não quer passar suas primeiras horas no seu novo destino procurando fraldas para comprar (talvez em outra língua) para seu bebê.

    Tire fotos, mas não deixe que isso substitua a experiência da viagem

    Quem sabe quando (ou se) você vai ver de novo as paisagens e pessoas que está vendo agora? Tirar algumas fotos de recordação faz todo sentido do mundo e você vai aproveitá-las um bocado em casa. Mas lembre-se de que sua grande chance de aproveitar sua viagem é quando a está fazendo. Se ficar ocupado demais tirando fotos, vai perder a experiência de que deveria estar desfrutando.

    Convidados

    Menos despesas entre outras razões para usar a mesma roupa todos os dias

    14 de junho de 2018

    Veja também:

    Economizar dinheiro com roupas

    Joshua Becker
    Five Reasons To Wear The Same Thing Every Day

    É bem possível que você saiba que Mark Zuckerberg usa as mesmas roupas todos os dias, além de saber que o Steve Jobs fazia o mesmo, qualquer pessoa mais detalhista sabe, porém nem todos entendem os verdadeiros motivos por trás dessa escolha, que tem até um nome: capsule wardrobe (ou guarda-roupa cápsula).
    Alguns adeptos, psicólogos e pesquisadores já cansaram de anunciar motivos para convencer o resto da humanidade a seguir o movimento. Se você ainda está cético, não acredita de forma alguma, veja a seguir 9 destes motivos:

    Menos despesas

    Em 1930, as muheres possuíam, em média, 9 roupas. Hoje, o mesmo número é 30. Não é preciso dizer que o segundo cenário custa mais dinheiro.

    Menos decisões

    Existe na psicologia algo chamado “decision fatigue”, ou fadiga referente à tomada de decisões. Segundo estudos, a qualidade das decisões tomadas por um indivíduo é prejudicada após uma longa sessão de escolhas. Muitas vezes, a rotina no trabalho, estudo ou qualquer área da vida requer fazer escolhas ao longo do dia – então escolher a roupa de manhã pode ser uma escolha prejudicial à sua função principal.

    Mais tempo

    Além de passar menos tempo na frente do armário e do espelho de manhã, pessoas que usam sempre o mesmo padrão de vestuário ganham tempo ao não precisar passar longas horas escolhendo o que comprar em lojas.

    Menos estresse

    “Será que essa roupa é formal demais? Curta demais? Vai me fazer passar calor?”. Todas essas perguntas geram ansiedade. Dispense.

    Mais energia

    Uma diversidade de roupas requer tipos diferentes de manutenção, maior organização no guarda-roupa e, provavelmente, mais roupa suja. Tudo isso gasta muita energia.

    Bem-estar

    Pessoas cujas roupas são sempre as mesmas tendem a estar constantemente satisfeitas com sua aparência. Isso aumenta o nível de bem-estar.

    Organização

    Armários menores e mais organizados abrem espaço para outras prioridades em um lar.

    Paz

    A atriz Drew Barrymore escreveu um artigo sobre como sua relação com roupas mudou, principalmente após ter filhos. Após adotar a filosofia do minimalismo, conseguiu chegar em um equilíbrio: sua moda agora é “mais calma e pacífica”
    Invista o dinheiro que economizou comprando menos roupas. Abra uma conta na XP.

    Imagem icônica

    Ter um “uniforme” cria coerência. Alice Gregory, escritora, definiu seu estilo ‘encapsulado’ como “icônico”. Para ela, a sensação é de maturidade, uma “maneira barata de sentir-se famosa”.

    Até o próximo post.

    Geral

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    26 de abril de 2018

    Bobby Hoyt era basicamente a foto de millenium recém-saído da faculdade. Ele realmente não tinha aprendido nada sobre finanças pessoais, tinha um diploma brilhante e tinha quase US$ 40.000 em dívidas de empréstimos estudantis que ele não tinha ideia do que fazer.
    Inicialmente, o plano era fazer os pagamentos mínimos, como todo mundo fazia. Felizmente, ouviu um empresário de sucesso que conheceu através da família de minha esposa. Sua mensagem? Pague sua dívida o mais rápido que puder.

    Eu paguei US $ 40.000 de empréstimos estudantis em um ano e meio com o salário de um professor: aqui estão 5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    “Aceitei esse conselho e corri com ele. Eu mantive minhas despesas de moradia o mais baixo possível alugando um quarto dos pais da minha esposa, continuei dirigindo meu carro velho da faculdade em vez de comprar o novo que eu realmente queria, e literalmente fiz os maiores pagamentos que podia a cada duas semanas salário de ensino”, diz Hoyt.

    Depois de 18 meses, pagou os empréstimos estudantis. Começou o blog MillennialMoneyMan.com como uma forma de ajudar outras pessoas que estavam lidando com dívidas de empréstimos estudantis, e um pouco mais de um ano e meio atrás eu parei meu trabalho para perseguir a minha empresa on-line em tempo integral.

    Hoyt conta que a paixão tornou-se tentando ajudar os jovens a se motivarem com suas finanças logo no início. Desde que deixou o emprego como professora, ouviu centenas de histórias de horror sobre dívidas de leitores que querem encontrar uma maneira de progredir.

    Aqui abaixo estão cinco coisas que qualquer um que queira se tornar livre de dívidas deve fazer:

    1 – Pare de se importar com o que as outras pessoas pensam

    Isso é absolutamente fundamental. Se você está pensando em assumir suas dívidas de forma agressiva, há uma boa chance de você ter que tomar algumas decisões desconfortáveis ​​que não são populares. Para mim, obviamente, estava escolhendo alugar um quarto dos pais da minha esposa ou usar os mesmos equipamentos para trabalhar regularmente. Eu ainda tenho “mamãe e papai” jabs de haters muito depois que saímos.
    Aqui está a parte importante: seus detratores não importam nada. Todo mundo tem um caminho diferente na vida, e eu nunca vou julgar alguém por como eles escolhem atacar suas dívidas. Mude-se com a sua família (certifique-se de contribuir de alguma forma), alugue quartos em sua casa, continue dirigindo aquele carro de baixa qualidade ou espere para sair com seus amigos, se necessário. Enquanto você estiver trabalhando para atingir seus objetivos, sinta-se bem com o que está fazendo. As opiniões externas nunca devem influenciar suas decisões financeiras.

    2 – Faça da sua dívida a prioridade

    Um truque que usei para facilitar minha dívida foi colocá-lo no topo da minha lista financeira. A primeira coisa que fiz a cada duas semanas, quando meu contracheque caiu na minha conta, foi o pagamento do meu empréstimo. Livrar-se desse dinheiro imediatamente tirou a minha capacidade de desperdiçá-lo ao sair para comer ou comprar qualquer coisa nova que todo mundo tivesse.

    3 – Não tente acompanhar seus colegas

    Muitas pessoas ficam presas tentando acompanhar os Joneses. Uma das coisas mais difíceis sobre pagar meus empréstimos foi assistir todos os meus amigos me passarem. Se era um novo carro incrível ou a casa que eles estavam construindo. Eu senti que não era tão bem sucedido quanto eles.
    Avançando alguns anos, e a maioria dos meus colegas que financiaram suas vidas estão absolutamente arrependidos. Fomos condicionados a manter contato com nossos colegas durante toda a vida por meio de notas e esportes na escola primária. Se você puder evitar competir com seus amigos em compras altamente financiadas, você fará muito melhor a longo prazo.

    4 – Comece uma confusão lateral

    O surgimento da internet tem sido, obviamente, um fator de mudança, mas nem todos com acesso estão tirando vantagem disso. Para qualquer um dos meus leitores que me perguntar como eles podem aumentar sua renda para ajudar com suas dívidas, a minha resposta é sempre a mesma: começar a empurrar.

    Existem inúmeras maneiras de começar um negócio on-line e não precisam ser complicadas nem caras. Eu vi de tudo, de lenços de tricô e vendê-los no Etsy, para encontrar itens em vendas de garagem e vendê-los no eBay. Se a sua primeira estratégia não funcionar, continue tentando outra coisa até encontrar uma maneira eficaz de suplementar sua renda.

    5 – Verifique sua mentalidade

    Fora de tudo nesta lista, sua mentalidade em relação a dívida e sucesso é facilmente o mais importante. Há, obviamente, uma tonelada de histórias por aí de pessoas como eu que pagaram seus empréstimos muito rapidamente usando várias técnicas. Se a sua primeira reação é pensar que essas histórias são impossíveis, uma farsa ou apenas pura sorte – você já perdeu.
    As pessoas que normalmente têm sucesso com a dívida olham para essas histórias e tentam encontrar estratégias em vez de um projeto. Não há “um tamanho para todos”, abordagem rápida para sair da dívida. Toma decisões impopulares, aproveitando e criando oportunidades, e toneladas de sacrifícios pessoais para começar.
    fonte de consulta: businessinsider.com/i-paid-off-40000-of-student-loans-on-a-teachers-salary-2016-10

    Até o próximo post.

    Convidados

    Hábitos que você precisa abandonar antes dos 30 anos

    19 de abril de 2018

    Hábitos financeiros aos 30 anos

    Supporting fast fashion: Antes de assoprar as velinhas dos 30 anos é preciso colocar na balança algumas atitudes e objetivos

    Constantemente somos lembrados da necessidade de ter uma alimentação equilibrada, dormir um determinado número de horas, se exercitar constantemente e focar em projetos próprios, mas quando que realmente colocamos tudo isso em prática?
    Especialistas chegaram a um consenso de que esses e outros hábitos devem ser adquiridos antes dos 30 anos, já que é uma época que a pessoa deve fazer uma análise de sua vida e pensar no que quer mudar e no que vai manter. Pensando nisso, o Business Insider organizou uma lista de hábitos ruins que devem ser eliminados até os 30 anos, dos quais alguns são listados abaixo:

    1) Não aproveitar os finais de semana

    Durante a semana já é corrido o suficiente, então tente tirar o final de semana para descansar, colocar a leitura em dia, sair e arrumar um hobbie. É bom socializar com os amigos e fazer algo fora do ambiente de trabalho – principalmente que não envolva um computador.

    2) Comprar em fast fashion

    Pesquisas mostram que as pessoas que compram roupas de lojas como Zara e Forever 21 as usam apenas sete vezes, o que significa que a pessoa está perdendo dinheiro. Procure comprar roupas que você possa usar mais de uma vez, mesmo que custe um pouco mais.

    3) Fumar socialmente

    Muitos dos que se consideram “fumantes sociais” acham que se livram dos males do fumo porque “não fumam todos os dias” ou porque “só fumam quando bebem”. Essa desculpa, porém, não engana ninguém – nem a sua saúde. Independentemente de fumar todos os dias ou socialmente, você continua tendo mais chances de ter problemas de saúde.

    4) Manter amizades que já deveriam ter acabado

    É muito difícil manter todas as amizades, principalmente aquelas que não valem a pena. Por isso, não gaste tempo com aquelas pessoas que não fariam o mesmo por você.

    5) Não ter hora para dormir

    Criar uma rotina com horário certo para dormir pode melhorar a qualidade do seu sono e ainda, melhorar o seu desempenho e disposição no trabalho e em suas atividades no dia seguinte.

    6) Não praticar exercícios

    Não adianta confiar no seu metabolismo. Se você quer se manter em forma, o recomendado é se exercitar pelo menos três vezes por semana.

    7) Escolher bebidas de má qualidade

    Estudos mostram que beber uma taça de vinho todos os dias faz bem para a saúde. Mas essa teoria é totalmente derrubada quando a qualidade da bebida é reduzida pela metade.

    8) Fazer coisas só porque acha que deveria

    A vida é muito curta para você gastá-la com o que não quer fazer. Aposte em programas que deem satisfação a você e que possam ser úteis de alguma forma.

    9. Colocar a saúde física antes da saúde mental

    Dietas e exercícios físicos devem servir para você se sentir bem consigo mesmo e não para culpa-lo. Ter uma rotina é ótimo, mas às vezes a forma como você cuida do seu corpo pode afetar o modo como você cuida da sua mente; é preciso um equilíbrio.

    10) Não prestar atenção na alimentação

    Tente abraçar alimentações saudáveis em sua rotina, priorizando pelo menos cinco porções de frutas e legumes por dia.

    11) Não coletar pontos de fidelidade ou milhas

    Seja coletando milhas com o cartão de crédito, fazendo parte de um programa de milhagem em companhias aéreas ou se inscrevendo no programa de fidelidade do supermercado, os benefícios normalmente valem o pequeno esforço necessário – e podem garantir a viagem das suas próximas férias.

    12) Gastar tempo com pessoas que fazem você se sentir insignificante

    Tire da sua vida pessoas que fazem com que você se sinta insignificante. Gaste energia com aqueles que apreciam quem você é e que não exigem que você mude para agradá-los.

    13) Cancelar planos de última hora

    Não é possível dizer “sim” para tudo, então seja realista o quanto antes sobre seus horários ou planos para não adotar o hábito de decepcionar as pessoas no último minuto.

    14) Zerar a conta bancária no final do mês

    Está na hora de começar a traçar o caminho do seu dinheiro e de procurar maneiras para fazê-lo durar mais tempo em sua conta. Para isso, há uma série de aplicativos que podem ajudar com o planejamento financeiro, por exemplo.

    15) Evitar conversas difíceis

    Essa atitude é muito comum entre os jovens, mas quando você vai ficando mais velho é um péssimo hábito para se manter. Tratar de assuntos mais pesados é difícil, mas faz parte. Você vai ver que o sentimento de tirar o peso dos seus ombros será ótimo.

    16) Pensar constantemente no que os outros pensam sobre você

    Quebrar esse hábito é uma das melhores coisas que você pode fazer para ir mais longe em sua vida profissional e, principalmente, na sua vida pessoal. Pare de olhar ao redor para ver o que os outros pensam sobre você e foque em sua opinião própria.

    17) Não ter planos para o longo prazo

    Não dá mais para adiar. Quando você chega aos 30 anos você já deve ter em mente o que quer da vida e ter uma ideia de quando irá se mudar/casar/ter filhos/mudar de emprego etc. É o momento de sentar e colocar no papel os principais aspectos de sua vida, de relacionamentos a carreira, para saber o que quer mudar e o que quer aprimorar em cada área.

    18)Tentar memorizar todos os eventos e datas importantes em sua cabeça

    Não tente guardar todos os eventos e datas importantes em sua cabeça, coloque tudo em um calendário ou agenda para que seja mais fácil de você se lembrar. Seja no formato papel ou eletrônico, procure por um sistema que funcione para você e que faça você se sentir mais organizado.
    fonte de consulta: 30 damaging habits you should break before you turn 30

    Veja também:

    Casal se aposentou em seus 30 anos, agora está viajando o tempo inteiro

    Convidados

    Anna Haotanto juntou R$ 1,5 milhão em 7 anos e dá dicas de como alcançar o sucesso financeiro

    22 de março de 2018

    Cingapura: Anna Haotanto tinha 21 anos quando definiu que iria comprar para seus pais uma casa antes de completar 30 anos

    A jovem Anna Haotanto tinha 21 anos quando definiu seu primeiro grande objetivo financeiro: comprar para seus pais uma casa antes de completar 30 anos. Aos 28 anos, a jovem que nasceu em Cingapura tinha conseguido juntar US$ 450 mil, quase R$ 1,5 milhão, entregou as chaves da nova residência para seus pais e, pouco tempo depois, alcançou US$ 1 milhão em 2015.
    A pergunta que fica é: como a jovem conseguiu o feito? Haotanto não é o fundadora de uma startup de vários milhões de dólares e nem cresceu com muito dinheiro. Na verdade, foi o contrário: quando adolescente, sua família passava por dificuldades com milhares de dólares em dívidas de cartão de crédito e sem conseguir manter o apartamento em que moravam em Cingapura, após a crise financeira asiática de 1997 fazer com que o negócio têxtil de seus pais falisse.

    Se para muitas pessoas essas experiências seriam insuperáveis, para a jovem foram o que a empurraram para evitar as mesmas armadilhas. “Se você não tem privilégios desde sempre, sempre se preocupa em não perder o que conquista”, afirmou Haotanto ao CNBC.

    Depois de terminar o ensino médio, ela foi para a Singapore Management University (SMU), Universidade de Gestão de Cingapura, para estudar finanças, se dedicando e fazendo aulas extras tanto quanto foi possível. Começou então a trabalhar como gerenciadora de riqueza em uma empresa financeira e definiu um prazo para pagar as dívidas de sua família e comprar uma nova casa.

    “Eu parei e pensei: tenho 21 anos. Então me dei nove anos para ganhar cerca de US$ 450 mil [cerca de R$ 1.5 milhão]”, disse. O feito foi atingido antes do previsto, aos 28.

    Durante nove anos, de 2006 a 2015, que ela se colocou de prazo, trabalhou em vários empregos e usou seus conhecimentos financeiros para investir no mercado de ações. Ela começou em primeiro lugar com ações da bolsa de Cingapura e depois começou a comprar ações da bolsa norte-americana que estavam em baixa após a crise financeira de 2008.

    Além disso, ela adotou um estilo de vida bastante simples, sem luxos. Ela evitou o que chamou de “mentalidade do café”, quando você gasta todo dia com coisas desnecessárias de baixo valor, que no fim do mês fazem uma diferença grande no orçamento quando acumuladas. Segundo ela, esse é um erro comum entre os jovens da geração Y.

    Ela limitou seus gastos para US$ 75 por semana, cerca de R$ 248, e decidiu que viajaria apenas um feriado por ano. “Eu não diria que eu tinha muita dificuldade, porque uma vez que comecei a definir meu novo orçamento, tornou-se uma espécie de obsessão”, disse Haotanto.

    Em 2015, aos 30 anos, Haotanto conquistou a independência financeira: alcançou seu US$ 1 milhão. Decidiu, então, usar sua experiência para ajudar os outros a se tornarem mais conscientes financeiramente. No mesmo ano, ela criou uma plataforma de consultoria financeira chamada The New Savvy, destinada a mulheres asiáticas que, segundo ela, estavam desamparadas pelos atendimentos tradicionais.

    “Durante muito tempo as mulheres foram condicionadas a pensar que não são boas em lidar com dinheiro. Eu queria mudar isso”, disse Haotanto.

    A plataforma online oferece uma variedade de programas, artigos e eventos para ajudar os usuários a entender como fazer o dinheiro render mais. “Muitas pessoas não têm objetivos financeiros. Eles não precisam ser grandes, mas você precisa saber para onde seu dinheiro está indo”, disse.

    Ela recomenda fazer uma lista dos objetivos que você deseja alcançar e alocar cada um em um cronograma antes de analisar quais estratégias de investimento usar. “Compreender o que você quer e quando você deseja alcançar é um grande motivador para consquistar o que deseja. Foi o que me impulsionou quando tinha 21”.

    Além disso, ela ressalta que sem investir fica praticamente impossível conseguir atingir a independência financeira. Você deve avaliar qual o seu perfil de investidor para montar uma carteira de acordo com as suas ambições e objetivos financeiros.

    Se você pretende começar a investir, a primeira coisa que deve fazer é procurar opções com menos riscos e com liquidez diária para criar seu fundo de emergência. A partir disso, busque opções com rentabilidade maior para aumentar seu patrimônio.
    Fonte de consulta: This self-made millionaire lifted her parents out of debt and bought them their first home

    Até o próximo post.

    Geral

    Coisas que millennials devem começar a fazer hoje para se aposentar mais cedo

    12 de março de 2018

    Para ter uma independência financeira, o planejamento deve começar o mais cedo possível

    É difícil pensar na aposentadoria quando se é jovem, seja por não ser uma prioridade no momento ou por pensar que ainda há muito tempo para se planejar, mas se você é da Geração Y, o caminho para uma aposentadoria confortável começa agora e, com as atitudes certas, você pode até conseguir se aposentar mais cedo. Isto foi o que contou Tim Lemke no post 8 Things Millennials Can Do Right Now for an Early Retirement para o Wise Bread.
    Pensando nisso, ele elencou algumas atitudes que os millennials devem começar a adotar hoje para conseguirem uma boa aposentadoria. Veja este itens a seguir:

    1) Pensar no patrimônio e em como gasta seu dinheiro

    Uma das coisas mais importantes quando planejando a aposentadoria é focar em acumular coisas que ganham valor independente da sua atuação, ou seja, bens ativos – que gerem renda, como investimentos em ações, por exemplo. Em outras palavras, é preciso evitar gastar dinheiro com coisas que irão perder valor financeiro ao longo do tempo, como bens passivos (casas, carros etc.).

    Essa nova mentalidade vai ajudar você a criar um alto patrimônio, calculado sobre quanto os seus ativos irão exceder as suas responsabilidades, ou seja, quanto o seu dinheiro irá “trabalhar por você”. Para ter uma aposentadoria confortável você precisa de uma certa quantia reservada e, para isso, você precisa fazer as escolhas financeiras corretas – principalmente quando jovem.

    2) Buscar outras fontes de renda

    Para acumular dinheiro suficiente para se aposentar mais cedo e poder viver de renda, você precisará de uma renda saudável e estável. Se o seu trabalho fixo não paga o bastante, procure outras fontes de renda. Isso pode significar trabalhos freelance como escrever para blogs, dar aulas de matemática, trabalhar como DJ, tocar em bares etc.

    Quando novo, você tem mais disposição e liberdade para se arriscar a ganhar dinheiro de outras formas. Ganhe dinheiro, invista e veja como isso pode ajudar você a se aposentar mais cedo.

    3) Aprender a criar – e manter – orçamentos

    A única maneira de investir é se você economizar, e a única maneira de economizar é gastar menos do que você ganha. Isso pode ser fácil de falar, mas difícil de fazer, principalmente quando a sua renda não é muito alta. Por outro lado, é fundamental que você tente fazer isso acontecer.

    Comece acompanhando os seus gastos diários para saber exatamente onde o dinheiro está indo. Depois, crie listas para as diversas categorias de gastos (aluguel, alimentação, entretenimento etc.). Criar e manter um orçamento requer disciplina e foco, mas pode ser divertido – e recompensador, quando você ver que suas economias estão crescendo.

    4) Quitar suas dívidas

    Se você tem dívidas de financiamento estudantil ou até mesmo de cartão de crédito, é preciso que você elimine isso o quanto antes caso queria se aposentar mais cedo. Comece pelas dívidas maiores e, após quitá-las você pode começar a focar realmente em poupar e investir.

    5) Contratar seguros

    Uma aposentadoria precoce acontece tanto por evitar desastres como acumular riqueza. É difícil economizar e investir agressivamente se você não está se sentindo bem e com centenas de reais gastos em remédios, consultas médicas etc., ou então, ter que substituir seus itens perdidos pós-vazamento de água no apartamento.

    Você pode pensar que um seguro de saúde é um gasto desnecessário, porque você é novo e saudável, ou então que é um bom motorista e não precisa de um seguro para o seu automóvel. Mas se você realmente quer a sua independência financeira, você precisa estar seguro, já que um único desastre pode prejudicar o seu futuro financeiro.

    Até mais.

    Geral

    Erros financeiros para evitar aos 40 anos

    2 de março de 2018

    couple relaxing beach summer - casal relaxando em uma praia no verão
    9 money mistakes to avoid in your 40s

    Enquanto aos 20 estamos focados em construir nossa base financeira e criar bons hábitos, aos 30 estamos prestes a ter grandes mudanças de vida como construir uma carreira, casar, ter filhos etc.
    Já aos 40, há muito a ser feito para proteger o patrimônio e garantir a segurança financeira da família antes de começar a pensar na aposentadoria. É o que explica a planejadora financeira Sophia Bera.

    Pensando nisso, ela listou para o Business Insider algumas atitudes que devem ser evitadas nesta fase da vida e que podem prejudicar o sucesso financeiro. O InfoMoney selecionou seis delas:

    1) Comprar uma casa maior que o seu orçamento

    Com a família crescendo, aquele imóvel pequeno que antes era o suficiente, hoje já não serve mais. É tentador buscar por um lugar maior, com mais espaço e até em um bairro melhor. Mas isso significa que o valor do imóvel será maior, assim como o custo de manutenção e os impostos.

    Cuidado, porém, para não comprar um imóvel maior do que pode bancar. A casa própria não é um dos melhores investimentos, então você deve ser realista e honesto com o seu orçamento e evitar gastar todas as suas economias na nova casa.

    2) Gastar mais do que o necessário com as crianças

    Uma forma fácil – e rápida – de gastar dinheiro é destinar seu patrimônio aos filhos: escola, atividades extracurriculares, passeios escolares, brinquedos, acampamentos etc.

    É difícil dizer não para tudo o que seus filhos querem, e você quer oferecer o melhor – não só porque ama seus filhos, como porque os pais dos coleguinhas também são seus amigos, e você quer se encaixar.

    Porém, é preciso estabelecer um orçamento para não sair no prejuízo. Esse é um bom momento para você reavaliar o patrimônio e ensinar as crianças a darem valor ao dinheiro. Dessa forma, a família toda irá gastar dinheiro e tempo em coisas que realmente importam para cada um, ao invés de comparar cada nova aquisição com as demais famílias do grupo.

    3) Não juntar dinheiro para a aposentadoria porque está poupando para a faculdade

    A planejadora financeira conta que muitos pais tendem a priorizar o ensino dos filhos em detrimento da própria aposentadoria. “É natural colocar o bem de seus filhos na frente do seu. Porém, a realidade é que seus filhos podem pegar dinheiro emprestado para pagar a faculdade, mas você não pode pegar dinheiro emprestado para a sua aposentadoria”, afirma.

    Sophia explica que ao fazer isso, você está preparando seus filhos para tomarem conta de você quando ficar mais velho, justo quando eles terão seus próprios filhos para cuidar. E isso pode ser um grande problema no futuro. “O melhor a se fazer é se preparar primeiro para a aposentadoria e depois, juntar dinheiro para o estudo de seus filhos”, diz.

    4) Não ter um fundo de emergência grande o suficiente

    Os US$ 1 mil que você guardou quando tinha 22 anos pode ter sido o suficiente, mas naquela época era só você e agora você tem uma família. A probabilidade de despesas inesperadas é alta. Com isso, a quantia que você poupa também deve ser.

    Quando você é jovem e perde o emprego, você consegue se manter por alguns meses voltando para a casa dos seus pais, por exemplo. Imagine agora perder o emprego quando você já tem que pagar o aluguel, tem dois carros na garagem, dívida da pós-graduação e três filhos.

    Evite essa dor de cabeça guardando de 3 a 6 meses de gastos no seu fundo de emergência e invista o resto em investimentos de alta liquidez que permitam o resgate a qualquer momento – para caso haja eventualidades.

    5) Não aproveitar os benefícios do cartão de credito

    Se você usa o cartão de crédito de forma consciente, ou seja, sabe o seu limite e consegue pagar as contas inteiras todos os meses, você pode estar perdendo se não tiver um cartão de crédito que ofereça benefícios.

    Uma família maior significa gastos maiores, então faça essas despesas trabalharem a seu favor. Cartões com recompensas podem dar o benefício de cashback ou pontos, os quais você pode usar para viajar, por exemplo.

    6) Não conversar com seus pais sobre as finanças deles

    Assim como é importante para você administrar suas finanças, de forma a beneficiar seus filhos, é essencial que você fale com seus pais sobre as finanças deles.

    Os mais velhos são normalmente mais vulneráveis a problemas financeiros, porque eles acreditam que, por já terem feito isso por anos, sabem fazer de “olhos fechados”. Mas isso não significa necessariamente que eles entendem o planejamento financeiro moderno.

    Alguns pais demoram muito tempo para avisar os filhos que não têm dinheiro suficiente para a aposentadoria ou então, que precisam dos filhos para se sustentarem. “Eu trabalho com clientes que ajudam seus pais financeiramente, mas é preciso um planejamento e orçamento para que consigam fazer isso sem prejudicar seus objetivos”, conta a planejadora financeira.

    Até mais.

    Convidados

    Segredos de dinheiro que pessoas ricas e bem sucedidas sabem

    24 de janeiro de 2018

    Warren Buffett, Chairman and CEO of Berkshire Hathaway - Os segredos financeiros que pessoas bem-sucedidas sabem
    As pessoas não devem ter vergonha de um estilo de vida modesto – até o bilionário Warren Buffett vive de maneira frugal

    A maioria dos especialistas em finanças pessoais vai dizer que o segredo para se tornar rico na verdade não é uma mistério: trabalhe, viva dentro do seu orçamento, invista e poupe o máximo que puder. Aliás, não deve ser vergonha ter um um estilo de vida modesto – até o bilionário Warren Buffett vive de maneira frugal.
    De acordo com a consultora de finanças pessoais Gabrielle Olya, se o seu objetivo é se juntar ao rol dos ricos, é preciso exercitar sua mentalidade e aprender os seus segredos financeiros, listados pelaCNBC.

    Veja seguir:

    1) Salário não é tudo

    Escalar o mundo corporativo irá leva-lo até determinada altura. Em algum momento, você alcança seu potencial de ganho e subir mais que isso nem sempre é possível. Os ricos sabem que, para aumentar a riqueza, é importante fazer o seu dinheiro trabalhar para você – e não o contrário.

    Invista seu dinheiro – parece repetitivo, mas é efetivo. Procure os melhores investimentos para a quantia que você consegue poupar. Faça seu dinheiro render, aplicando em diferentes tipos de investimentos. Não deixe de ganhar dinheiro, aproveite as oportunidades.

    2) Coloque isso por escrito

    A diferença entre ter uma ideia e colocá-la no papel é muitas vezes o que separa o a pessoa bem-sucedida da que não é. E se você quer ter sucesso e alcançar a riqueza, talvez seja hora de começar a escrever seus objetivos, grandes e pequenos.

    Thomas Corley, autor do livro “Rich Habits: The Daily Success Habits of Wealthy Individuals”, (Hábitos dos Ricos: Os hábitos diários de indivíduos ricos”, em tradução livre), observou isso em seu estudo. Dos ricos entrevistados, 67% deles anotam seus objetivos, enquanto 81% mantêm uma lista de tarefas. Se o seu objetivo é ser rico, comece materializando a ideia no papel e faça um plano de ação para que saia dele.

    3) Não gaste com coisas desnecessárias

    As pessoas ricas sabem a importância de poupar dinheiro diariamente. Elas procuram economizar em tudo que podem, seja tomando café da manhã em casa, ou diminuinbdo a quantidade de vezes que jantam fora no mês. Quando for comprar algo sempre se pergunte se você realmente precisa daquilo. Há um jeito de fazer ou consumir a mesma coisa gastando menos? Se a reposta for sim, tente buscar uma alternativa. Isso pode se tornar um hábito.

    4) Seja seu próprio chefe

    Em tese, os funcionários trabalham para se tornar seus “chefes ricos”. Se você está buscando a verdadeira riqueza, considere começar seu próprio negócio. De acordo com Forbes, quase todas as 1.426 pessoas da sua lista de bilionários fizeram suas fortunas através de um negócio que eles ou um membro da família criaram.

    Claro que não é uma fórmula mágica. Iniciar o próprio negócio exige dedicação e conhecimento do setor em que vai operar. Mas segundo Olya, muitos profissionais da classe média pensam que começar um negócio é muito arriscado. “A questão é que os ricos entendem que o que é mais arriscado é permitir que seu tempo e ganhos sejam ditados por um chefe que geralmente não se importa com você e seu desenvolvimento ou que não pode te oferecer mais oportunidades”.

    5) Invista em você mesmo

    Pessoas bem-sucedidas sabem que vale a pena investir tempo, dinheiro e energia para melhorar as próprias habilidades. Isso pode implicar em ler mais, fazer aulas de determinado assunto ou aprender novas competências. Ninguém vai aprender por você. Se quiser ser especialista em seu campo é preciso estar em constante aprendizado. Busque opções que façam você render mais no dia a dia, que dêem resultados no trabalho e na vida pessoal.

    6) Mude sua mentalidade

    “Não há escassez de dinheiro no planeta, apenas uma escassez de pessoas que pensam corretamente sobre isso”, afirma Grant Cardone, empreendedor americano. “Para se tornar um milionário, você deve pensar alto”. Você deve realmente acreditar que você será rico para enriquecer.

    Claro que apenas pensamentos positivos e confiança não farão sua conta bancária passar a ter seis dígitos, mas aliados com atitudes podem ser o principal diferencial na hora de alcançar a riqueza.
    fonte de consulta: Money secrets that wealthy, successful people know

    Até o próximo post.

    Convidados

    Pesquisa: principal meta dos brasileiros para 2018 é juntar dinheiro

    8 de janeiro de 2018

    a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito, organizar as contas da casa e aumentar a renda fazendo trabalhos extras

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    Os brasileiros chegaram ao fim de 2017 com a sensação de que o auge da recessão mais grave enfrentada pelo país já ficou para trás. Diante disso, mais da metade dos brasileiros (54%) está mais otimista com o cenário econômico deste ano e 58% acreditam que a sua vida financeira também será melhor, segundo pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).
    Entre as principais metas financeiras dos brasileiros para este ano estão juntar dinheiro (45%) e sair do vermelho (27%). Porém, em uma nota que vai de 1 a 10, onde 1 é muito ruim e 10 é muito bom, a expectativa para a economia brasileira para 2018 é de 5,7 e a da vida financeira pessoal é de 6,7.

    Entre os que acham que a situação da economia vai piorar (13%), as principais consequências serão ter de evitar gastos com coisas desnecessárias para guardar dinheiro (54%), comprar menos (45%) e ficará mais difícil de economizar e fazer reserva financeira (41%). Já 19% acreditam que o cenário econômico em 2018 será igual a 2017.

    Como medida para superar os problemas decorrentes da crise econômica em 2018, a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito (26%), organizar as contas da casa (25%) e aumentar a renda fazendo trabalhos extras (22%).

    De acordo com o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, a insegurança de parte significativa dos brasileiros é resultado de uma combinação de fatores.

    “De um lado, o cenário de incerteza em relação a eleição presidencial que se aproxima, com alto grau de imprevisibilidade e que também afeta a percepção do mercado; do outro, a lentidão do país para superar os obstáculos que impedem a retomada da atividade econômica, situação agravada pelos níveis de desemprego ainda elevados”, afirma Pellizzaro.

    “Fica a impressão de que a qualquer momento é possível ter de enfrentar uma demissão, por exemplo. Isso só vai mudar a médio prazo, à medida que as pessoas forem sentindo a melhora dos indicadores econômicos no dia a dia”, acrescenta.

    Em 2018, apesar dos problemas econômicos do país, 38% não gostariam de abrir mão de fazer uma reserva financeira, 29% não querem abrir mão dos planos de celular e internet e 23% do plano de saúde. Segundo os entrevistados, os principais fatores que podem influenciar o aumento do seu consumo neste ano são os preços dos produtos (47%), as promoções (40%) e a melhora na economia (32%).

    Ainda pensando na vida financeira, 44% dos brasileiros pretendem fazer alguma reserva, 14% querem financiar uma casa própria e 12% pretendem financiar um automóvel.

    Entre os principais temores para 2018 estão possíveis problemas de saúde (40%), ser vítima de violência ou assalto (32%) e não conseguir pagar as dívidas (31%).

    A corrupção foi lembrada, sendo para 86% dos brasileiros, o problema mais importante do País a ser resolvido em 2018, seguida pela crise econômica (61%), a violência (58%), saúde (47%), educação (41%), e o desemprego (37%).

    Até o próximo post.

    Convidados

    Maus hábitos financeiros para eliminar em 2018

    28 de dezembro de 2017

    Um passo a passo para começar 2018 com mais dinheiro

    Para ter mais realizações em 2018, é importante eliminar alguns hábitos que tendem a levar ao descontrole, endividamento e inadimplência

    O período de festas de fim de ano é marcado por, além das comidas e encontros familiares, revisão de realizações passadas e listas de resoluções para o ano que se inicia. Mas não basta deixar os tópicos no papel. Para ter mais realizações, menos dívidas e uma vida financeira mais organizada e tranquila em 2018, é importante eliminar alguns hábitos que tendem a levar ao descontrole, endividamento e inadimplência.
    Reinaldo Domingos, doutor e mestre em educação financeira e presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) fez uma lista com 10 maus hábitos financeiros que você deve eliminar em 2018 para organizar suas finanças e separar uma parte da renda para investimentos. Veja:

    1) Falta de planejamento

    As pessoas não sabem para onde vai seu dinheiro, não possuem controle. As pessoas não se dão conta que o descontrole financeiro não acontece nos grandes gastos, mas sim nos pequenos. Para evitar que isso ocorra, o correto é o preenchimento de uma caderneta diária de todos os gastos e realizar uma planilha mensal por três meses, conhecendo os seus verdadeiros números.

    2) Comprar por impulso

    Algumas perguntas devem ser feitas antes de fazer uma compra, como: estou comprando por necessidade real ou movido(a) por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? Se não comprar isso hoje, o que acontecerá? Tenho dinheiro para comprar à vista? Se comprar a prazo, terei o valor das parcelas? O acúmulo de parcelas colocará em risco a realização dos sonhos que priorizei com a família? Também é importante pesquisar o melhor preço em pelo menos três lojas diferentes, entre físicas e virtuais, para pagar menos e conseguir descontos.

    3) Ter o hábito de parcelar

    Este é um hábito cultural do brasileiro, por isso, ao agir dessa maneira, as pessoas não percebem que estão se endividando. Para piorar, muitas vezes, o consumidor se esquece de colocar esses valores no orçamento, o que pode comprometer seriamente as finanças. Caso seja fundamental parcelar, deverá constar no orçamento mensal da pessoa, que sempre que receber seus rendimentos separará parte do valor para pagar essa dívida. Também é interessante ter uma poupança paralela, para que, em caso de imprevistos, tenha como arcar com esses valores.

    4) Pagar sem questionar

    Todo produto ou serviço é cobrado com larga margem de lucro, portanto, é sempre válido pedir descontos, especialmente se estiver pagando à vista. Muitos têm vergonha ou receio, mas negociar valores deve se tornar um hábito em 2018, pois é preciso aprender a valorizar o dinheiro. É importante também sempre rever os pacotes que contrata, como de TV a cabo, internet e planos de celular, pois é comum que haja itens pagos que não são utilizados. É interessante estar sempre de olho na concorrência, pois muitas vezes há pacotes mais completos e mais baratos.

    5) Abusar do crédito fácil

    Buscar ferramentas de crédito fácil, como empréstimos, crediários, financiamentos, limite do cheque especial e pagar o mínimo de cartão de crédito são formas comuns de endividamento. O mercado oferece milhares de produtos de fácil acesso, contudo, os juros cobrados são abusivos e fazem com que a inadimplência se torne alta. A solução é evitar esses meios, buscando se educar financeiramente e mudando o comportamento errôneo em relação a lida com o dinheiro. No caso de cartão de crédito, o ideal é ter só um e, em caso de descontrole, até mesmo eliminar. Também é interessante não ter limite de cheque especial.

    6) Não pensar no futuro

    Muitos não têm o hábito de se preparar para o futuro mas, especialmente agora com as mudanças na aposentadoria pelo INSS, é importante rever essa atitude. O primeiro passo é pensar no padrão de vida que deseja ter após se aposentar, lembrando que mesmo tendo trabalhado a vida toda com carteira assinada, contribuindo para o INSS, a quantia recebida dificilmente será suficiente. Muitos brasileiros se aposentam e precisam continuar trabalhando ou dependem da ajuda financeira de parentes. Lembre que o quanto antes você pensar em seu futuro, mais fácil será para poupar dinheiro e atingir a quantia desejada.

    7) Só poupar se sobrar

    Muitos brasileiros não conseguem poupar dinheiro porque deixam para fazer isso apenas se sobrar no final do mês. Portanto, em 2018, é imprescindível começar a praticar um orçamento financeiro diferente, que priorize os sonhos e não as despesas. Ao invés de fazer Ganhos (-) Gastos = Lucro/Prejuízo, faça Ganhos (-) Sonhos (-) Gastos. Dessa forma, a poupança para os sonhos será a prioridade e os gastos serão readequados, mudando o padrão de vida em beneficio da conquista dos sonhos da família. Apesar de ser muito importante, a realização dos sonhos tende a ser deixada em segundo plano; isso precisa mudar, começando pelas atitudes. Não adianta agir da mesma maneira sempre, esperando ter um ano diferente.

    8) Não sonhar

    Não ter planos para o futuro e, consequentemente, poupanças para conquistá-los, leva ao consumismo de forma pouco pensada. Vejo que a grande maioria abandonou o hábito de sonhar. Para sair deste problema, é recomendável fazer um exercício simples: refletir sobre o que se quer em curto prazo (nos próximos doze meses), no médio (entre um e dez anos) e no longo prazo (a partir de dez anos). Tendo isso estabelecido, deve cotar os valores e destinar parte de seu dinheiro para esse fim. Com os sonhos sempre em mente, será muito mais difícil cair nas armadilhas do consumismo e do crédito fácil.

    9) Buscar status social

    Acreditar que consumir é importante para ser aceito socialmente faz com que as pessoas comprem sem ter condições. Isso porque acreditam que possuir alguma coisa é o que fará a diferença para os outros, e não o que ela realmente é. O consumo dessa maneira irá apenas suprir a dificuldade de relacionamento interpessoal. A solução para esta questão é ter objetivos claros e perceber que é muito mais importante ter conteúdo do que ter produto.

    10) Sucumbir ao marketing e à publicidade

    Estar suscetível às ações de marketing e publicidade faz com que as pessoas comprem o que não precisam ou mesmo não têm condições. Isso acontece diariamente por falta de orientação. O caminho para evitar esse problema é buscar conscientização para abandonar o hábito de comprar por impulso, especialmente quando estiver com as emoções alteradas, triste, com baixa autoestima ou com bastante empolgação.

    Até o próximo post.