‘Exame’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: exame

    Geral

    Proteste: Os melhores cartões para acumular milhas

    26 de Janeiro de 2018

    Levantamento da Proteste mostra quais cartões de crédito ligados a programas de milhagem permitem que o usuário acumule mais milhas

    Os melhores cartões de crédito para acumular milhas

    Levantamento da associação de consumidores Proteste para a EXAME mostra quais são os melhores cartões de crédito para acumular milhas. As informações são baseadas nos dados da calculadora de milhas, disponível no site da associação.

    A pesquisa incluiu somente os chamados cartões co-branded, como o TAM Itaucard, Smiles Banco do Brasil, entre outros. Esses cartões são criados por meio de uma parceria entre os programas de milhagem com os bancos. Nestes plásticos, todas as compras são convertidas automaticamente em milhas na empresa parceira. Os cartões de crédito tradicionais foram listados em outra matéria.

    O sistema de milhas é uma métrica usada pelos programas de fidelidade de companhias aéreas que equivale à distância percorrida entre duas cidades. Ou seja, se o número de milhas for suficiente para completá-la, o cliente pode resgatar uma passagem aérea para este trecho.

    Lançado na semana passada, o cartão TudoAzul Itaucard 2.0 Platinum Mastercard/Visa aparece no topo da lista ao permitir o acúmulo de 2,6 pontos por dólar gasto, no qual a pontuação só é válida se a compra de passagens aéreas for feita na Azul. Caso compras comuns sejam feitas no cartão, a pontuação cai para 2,2 milhas a cada dólar gasto.

    Em segundo lugar do ranking, fica o Multiplus Itaucard 2.0 Mastercard Black, que permite o acúmulo de até 2,5 pontos.

    A anuidade cobrada no TudoAzul Itaucard 2.0 Platinum Mastercard/Visa é 534 reais e a renda mínima exigida é de 5 mil reais. No Multiplus Itaucard 2.0 Mastercard Black, a anuidade cobrada é de 1.200 reais e a renda mínima exigida é de 15 mil reais.

    Apesar de o Smiles Visa permitir o acúmulo de até 2,5 pontos por dólar gasto, essa pontuação máxima não foi incluída no ranking porque é destinada apenas aos usuários que fazem parte do clube Smiles. Ou seja: pagam um valor adicional para ter acesso a uma maior pontuação. Como essa característica dificulta a comparação com os outros cartões que não cobram essa bonificação, foi considerada apenas a pontuação válida para clientes que não participam do clube.

    A pesquisa da Proteste considerou 36 cartões co-branded (com duas marcas atreladas ao cartão), mas como três cartões TudoAzul Itaucard pontuam de duas formas diferentes (na compra de passagens aéreas da Azul e em compras comuns), cada um foi listado duas vezes na pesquisa totalizando 36 cartões.

    Na tabela a seguir estão quais são os cartões que garantem as maiores pontuações, de acordo com o levantamento da Proteste:

    tabela proteste de cartões de crédito para acumular milhas

    Vantagens e desvantagens

    A vantagem dos cartões co-branded em relação aos cartões tradicionais oferecidos pelos bancos é que, como as compras feitas no cartão são convertidas automaticamente em milhas, não é necessário seguir regras estipuladas pelo banco para transferir a pontuação para os programas das companhias aéreas e nem esperar alguns dias até que as milhas possam ser utilizadas.

    Entre as desvantagens dos plásticos, está o valor da anuidade, maior do que a dos cartões tradicionais.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/os-melhores-cartoes-para-acumular-milhas-segundo-a-proteste-2

    Outro ponto negativo é que o usuário é obrigado a pontuar em apenas um programa de milhagem, o que o deixa refém das promoções e preços praticados pela empresa. Por conta disso, esses cartões costumam ter uma taxa de conversão de pontos para milhas maior do que os plásticos tradicionais para atrair usuários.

    Além da taxa de conversão, os cartões podem ter formas de acelerar o acúmulo de pontos no programa de milhagens ao qual estão relacionados, bem como descontos na compra de pontos do programa.

    Renata Pedro, coordenadora do estudo da Proteste aponta que os cartões co-branded valem a pena se o usuário já costuma viajar pela empresa e consegue afirmar que há um bom custo-benefício nos preços praticados pela companhia aérea.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Exame: 5 coisas sobre dinheiro que você deveria ter aprendido na escola

    29 de setembro de 2017

    5 atitudes para se tornar um investidor de sucesso

    A carência deste tema na sala de aula pode ter um impacto negativo em diversas etapas da vida, principalmente para jovens que decidem viver sozinhos, mas não têm o costume de planejar o pagamento de contas básicas. Caso não tenham alguns conhecimentos básicos sobre finanças na cabeça, podem acabar cometendo erros que irão levar ao adiamento de projetos, como uma viagem de intercâmbio, um casamento ou a compra de um bem. 

    Uma má decisão financeira pode ainda provocar um descontrole no orçamento e prejudicar o histórico de crédito no banco, fazendo com que a instituição financeira não libere dinheiro quando o jovem precisar adquirir uma casa ou um carro, por exemplo.

    Outro erro geralmente cometido é adiar a decisão de investir e ter de aplicar muito mais recursos no futuro para obter uma boa reserva para a aposentadoria. Isso porque o estudante não tem noção do poder dos juros compostos, que incidem sobre qualquer aplicação financeira.

    Veja abaixo cinco dicas básicas de finanças pessoais que você deveria ter aprendido na escola:

    1) Tomar empréstimos do jeito certo

    “Demonizar” o crédito e se manter afastado de qualquer dívida não é o melhor caminho para ter uma vida financeira saudável. Uma hora ou outra, você pode precisar dos recursos oferecidos pelo banco, seja porque surgiu uma emergência médica ou qualquer outro imprevisto que custe uma grande soma de dinheiro, maior do que uma eventual reserva de dinheiro acumulada ao longo dos anos.

    Portanto, ao invés de se aterrorizar com taxas de juros exorbitantes cobradas, por que não pesquisar sobre quais são as modalidades que oferecem as menores taxas? Também é importante consultar quais são as instituições financeiras que cobram tarifas mais baixas em cada linha, que podem fazer diferença no Custo Efetivo do Crédito (CET). Aliás, é para o CET que você deve olhar ao escolher o melhor empréstimo.

    Tomar empréstimos com o menor custo possível ajuda a pagar as parcelas em dia e criar um bom histórico de crédito, o chamado score. Quando alguém se mantém afastado de qualquer tipo de empréstimo, torna mais difícil para as instituições financeiras saber como ele irá lidar com um financiamento, caso precise. Ou seja, usar o cartão de crédito ou outro tipo de empréstimo pontualmente, quando necessário e de forma consciente, pode até ajudar a obter mais recursos no futuro.

    2) Conhecer o poder dos juros compostos e investir o mais cedo que puder

    Quanto mais cedo você souber que o tempo atua a favor quando se trata de investir, menos terá de poupar no futuro para projetos pessoais e, principalmente, para a aposentadoria.

    Isso porque incidem, sobre qualquer aplicação financeira, juros compostos. Por conta disso, quanto mais tempo deixarmos o dinheiro aplicado, mais os juros recebidos como rendimento poderão ser reaplicados e poderemos passar a receber mais no período seguinte.

    Um exemplo da chamada “mágica” dos juros compostos: se um investidor aplica 10 mil reais a uma taxa de 2% ao mês com reaplicação de juros, no primeiro mês receberá 10,2 mil reais. No segundo, os 2% irão incidir sobre os 10,2 mil reais, e se transformar em 10,4 mil reais. No terceiro mês, os juros serão calculados sobre o valor de 10,4 mil reais e o investidor passará a ter 10,6 mil reais, aproximadamente, e assim por diante.

    Se deixarmos o dinheiro aplicado nessa operação, ao final de 12 meses teremos 12.682,41 reais, ou 26,82% a mais que o valor original.

    Portanto, não deixe para o ano que vem uma aplicação que você pode começar hoje, ainda que com pouco dinheiro. A diferença de valor que você terá acumulado pode ser expressiva.

    3) Não subestimar o efeito dos juros do cartão de crédito e no cheque especial

    O cartão de crédito pode, sim, ser um aliado no orçamento mensal. Mas é necessário ter consciência de que os juros cobrados nesta modalidade podem jogar contra (e muito) caso você se acostume a ter uma fatura com valor alto e, por alguma eventualidade, não consiga pagá-la totalmente. O mesmo alerta vale para o cheque especial, que só deve ser utilizado em uma emergência.

    Quem não tem disciplina não deve subestimar o efeito “bola de neve” dos juros dessas duas modalidades. Isso porque o crédito rotativo, quando ficamos sem pagar o valor total da fatura, e também o cheque especial, é cobrado por dia de uso, e geralmente está na casa de dois dígitos. Ou seja, o efeito dos juros será, certamente, altíssimo. Por exemplo, quem fica 30 dias sem pagar uma fatura ou o cheque especial de 2 mil reais que tem uma taxa de 12% ao mês terá de pagar, ao final deste período, 240 reais.

    A regra básica é que o cartão de crédito e o cheque especial não servem para comprar coisas que estão fora do alcance do orçamento atual, mas, sim, auxiliar as finanças pontualmente, no caso de compras realmente necessárias em um determinado momento. É sempre melhor poupar para somente então adquirir bens.

    4) Criar um orçamento pessoal

    Ter um orçamento que consiga equilibrar o pagamento das contas básicas mensais, como aluguel, luz, água, telefone e internet, com eventuais compras e reservas financeiras é essencial quando se fala em lidar bem com o dinheiro.

    Sem os gastos em mente, de preferência colocados no papel ou em planilhas, é bem difícil visualizar quanto da renda, de fato, pode ser utilizada a cada mês. Esse planejamento é importante principalmente no momento em que um jovem vai morar sozinho, já que não está acostumado a pagar todas as contas mensais e não sabe o quanto irão representar da sua renda.

    Criar esse planejamento é essencial para conquistar objetivos financeiros. E isso não implica, necessariamente, em anotar todos os gastos mensais: basta ter uma boa noção do quanto pode ser gasto em cada segmento, como com lazer e roupas, por exemplo.

    5) Entender o conceito de risco e saber qual é o seu perfil de investidor

    No mundo dos investimentos, algo que deve ser bem claro para qualquer aplicador é que, quanto maior o retorno, maior o risco.

    Ou seja, dificilmente há almoço grátis: aqueles investimentos que oferecem rentabilidade tentadora geralmente também oferecem um risco expressivo.

    Com isso em mente, é necessário ter claro um outro conceito: qual o seu perfil de investidor, se mais conservador ou agressivo. Também faz diferença saber quais são os seus objetivos de vida para buscar o investimento mais adequado. Se o projeto for de longo prazo, pode valer a pena colocar dinheiro em ações, já que as oscilações tendem a ser menores em prazos maiores. Se o objetivo for de curto prazo, talvez seja mais coerente deixar o dinheiro rendendo em uma aplicação mais conservadora, sem correr o risco de perder tudo e inviabilizar o projeto por conta de uma oscilação pontual do rendimento.

    E vale sempre lembrar: quanto mais diversificados forem os investimentos, menor o risco. Só que esse conselho vale mais para altas somas de dinheiro. Para pequenos investimentos, é melhor que a aplicação seja certeira.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Seu Dinheiro: Saiba reconhecer o golpe da pirâmide financeira

    16 de agosto de 2017

    Pirâmide financeira baiana: D9 Clube

    Aprenda a reconhecer o golpe da pirâmide financeira. Várias estão disfarçadas de marketing multinível (MMN).

    >Empresas fictícias prometem ganho de dinheiro fácil e rápido com a venda de produtos e serviços. Veja como não cair nesse golpe” width=”864″ height=”400″ class=”alignnone size-full wp-image-7233″ /></p>
<p><a href=Apostando no zero – documentário 2016

    A promessa é sempre a mesma: ganhar dinheiro fácil e rápido com a venda de um produto ou serviço. Quanto mais pessoas você levar ao grupo, mais dinheiro ganhará – mas, para isso, deve pagar uma taxa de adesão e uma mensalidade.

    Cuidado com pirâmide financeira Revolutyon TagPoint

    Foi o que ouviu um consultor de seguros de São Paulo quando recebeu uma proposta de amigos para vender rastreadores de veículos. “A rede fazia saltar os olhos. Via todos eles ganhando dinheiro e até carro. Entrei e levei dez amigos comigo”, conta.

    Cuidado com pirâmide financeira Mandala da Prosperidade

    Na esperança de ganhar uma renda extra sem muito esforço, o consultor investiu 3 mil reais, até que o Ministério Público interrompeu a operação da empresa fictícia por crimes de estelionato e fraude – e ele saiu sem nem sequer reaver o valor investido. “Não adianta se iludir. Não existe dinheiro fácil”, diz.

    Golpe antigo, as pirâmides financeiras são falsas empresas que nem sempre vendem produtos ou prestam serviços. O que movimenta seus negócios é a adesão de participantes a um grupo, cuja única finalidade é arrecadar dinheiro para seus líderes.

    Esse tipo de operação é ilegal e pode fazer você ficar no prejuízo, mas ainda é comum e faz brilhar os olhos de muita gente em tempos de desemprego alto.

    Sistema de ajuda mútua é golpe?

    “É muito difícil combater essas pirâmides, porque elas se reinventam a todo momento. Durante a crise, é ainda mais fácil acreditar na falsa promessa de ter uma renda extra informal de um jeito fácil e rápido”, explica o pesquisador Renato Araújo, da associação de consumidores Proteste.

    Como funciona

    Tudo começa com um convite para fazer parte de uma rede que vende produtos ou serviços, para ganhar uma remuneração alta. Muitas vezes, a apresentação desse grupo acontece por meio do boca a boca, em eventos fechados, onde os líderes da rede captam novos integrantes de forma insistente.

    MMN Speed Dólar é golpe?

    Para fazer parte do grupo, você deve pagar uma taxa de adesão e uma mensalidade. Quanto mais pessoas levar, mais dinheiro receberá em troca. Você recebe por cada integrante que que conseguir captar e pelos convidados dele, daí o conceito de pirâmide. Quem está na parte de baixo trabalha para aumentar os ganhos de quem está no topo.

    MMN Aliança Online é golpe?

    “As pirâmides envolvem produtos ou serviços de baixo valor e de difícil entendimento, sem regras claras de remuneração, e exigem que você invista dinheiro antecipadamente. Elas não se sustentam a longo prazo, porque, para isso, precisariam envolver todas as pessoas do planeta”, explica a economista Ione Amorim, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

    Pirâmides financeiras X Marketing multinível

    Muitas pirâmides financeiras ilegais se apresentam como empresas de marketing multinível. No entanto, esses grupos reais e legalizados vendem produtos com grande demanda no mercado e efetivamente úteis. Os vendedores são remunerados, sobretudo com base nas vendas, embora também possam receber uma comissão sobre a entrada de novos integrantes.

    Questão para reflexão: Hinode é pirâmide financeira?

    Já as pirâmides garantem rendimentos rápidos e acima da média para vendedores de produtos baratos ou serviços de pouca utilidade. Além disso, cobram taxa de adesão e mensalidade para fazer parte da rede.

    MMN Timol é pirâmide financeira?

    Por isso, desconfie de negócios tentadores, mas que exigem algum pagamento antecipado. Suspeite da insistência exagerada para fazer parte de uma “equipe” e de encontros de empresas que não têm uma atividade muito clara. Vale também fazer uma busca na internet para conferir se a empresa tem Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

    Questão para reflexão: Akmos é uma pirâmide financeira?

    “Desconfie de tudo que oferece um ganho muito vantajoso além dos ativos do mercado tradicional”, orienta Ione. É muito difícil recuperar o dinheiro que você pagou para o grupo, pois a Justiça pode considerar você cúmplice do negócio.

    Bandidos no mercado financeiro

    Até o próximo post.

    Convidados

    Exame: A pirâmide do marketing em rede

    3 de agosto de 2017

    Pirâmide do marketing em rede

    Questão para reflexão: Hinode é pirâmide financeira?

    Em épocas de desemprego em massa os vendedores de cursos mirabolantes para ficar rico da noite para o dia pipocam na internet! A vida ensina a aprender mesmo com quem não se tenha simpatia. A eles se dá assim alguma utilidade para terem cruzado o seu caminho. E foi de um destes que ouve-se a frase: “o problema do mundo de hoje é que está começando a faltar bobo pra tanto malandro”. No que diz respeito ao tão falado “marketing de rede”, mais uma das milhares roupagens dadas à tradicional “pirâmide”, a frase é perfeita.

    Cuidado com pirâmide financeira Mandala da Prosperidade

    Basta abrir seu facebook e as propagandas começarão: “Descubra como eu ganhei milhões sem sair de casa trabalhando somente duas horas por dia”, “Conquiste milhões de seguidores e potencialize o seu negócio”, “Os segredos do marketing de rede revelados como nunca antes”, e por ai vai. Todos se propondo a mostrar algo diferente, revelador, bombástico, que irá tornar sua jornada até os milhões rápida e certa. Na prática, todos absolutamente iguais, uma repetição de uma formuleta criada em cima dos princípios de psicologia social tão bem descritos nos livros de Robert Cialdini.

    Depois de fazer os cursos, gastarem milhares de reais, e darem com os burros n’água, as pessoas percebem que só existe uma opção para recuperar o dinheiro que perderam nos tais cursos. Reforçar sua crença em seus gurus-carrascos-charlatões de estimação e tornarem-se também vendedores de fórmulas milagrosas (este também um fenômeno muito bem explicado por outro gênio da psicologia social, Elliot Aronson). Da noite pro dia viram “coaches”, “mentores” ou professores de “marketing de rede”. E a brincadeira toda vira ser dar um curso para bobos que vão se tornar professores de bobos que por sua vez ensinarão a fórmula milagrosa a outros… bobos.

    Nesta altura do campeonato, alguns dos “malandros” de plantão que leem o artigo estão se coçando na cadeira prontos para rebater: “Ele fala sem saber! Não conhece o meu caso! Eu consegui realmente ganhar dinheiro com o marketing em rede!”. É verdade, existem os casos dos que ganham dinheiro fazendo isso lá do topo da pirâmide, e alguns raríssimos que ganham aplicando em seus negócios. Como existem os que melhoram seus negócios mudando uma letra do nome da empresa, fazendo estudos energéticos do escritório com parapsicólogos ou colorindo as paredes das salas utilizando a cromoterapia. A verdade é que mesmo sem fazer nada um percentual das coisas que vão mal passa a ir bem e isto se chama estatística. Mérito dos malandros do marketing em rede que sabem se utilizar dela para convencer seus bobos-alunos.

    As pessoas estão começando a acordar. O dinheiro livre para cursos está cada vez mais escasso e as informações sobre seus resultados mais disseminadas, fazendo com que cada vez menos estejam caindo no conto do vigário de enriquecer rapidamente ou multiplicar os negócios de suas empresas em semanas através de formulas e cursos milagrosos. Ainda sobrarão malandros, é claro, mas serão menos em quantidade. Afinal, foi Einstein que dizia que só existem duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana. Einstein, porém, fazia sempre uma ressalva que em relação à primeira não tinha certeza…

    Querem fazer um curso para mudar suas vidas? Busquem algo que aplicarão em vocês mesmo e não algo que ensinarão aos outros. Algo como uma reeducação alimentar, um maior conhecimento técnico de sua profissão ou mesmo um curso que te ensine uma profissão nova. Desde que a profissão não seja a de “enganador de bobos”.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/blog/eduardo-moreira/a-piramide-do-marketing-em-rede

    D9 e MinerWorld: suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira

    Até o próximo post.

    Convidados

    PME: 4 passos para você não errar na hora de investir numa franquia

    26 de junho de 2017

    Aqueles que querem investir numa franquia para ter seu próprio negócio, precisam ver os passos descritos neste post da Exame para não errar nessa decisão importante.

    Sempre pinta aquela dúvida: saber qual a melhor franquia para investir é uma decisão difícil

    Quem tem a intenção de entrar numa franquia eventualmente vai se deparar com a dúvida: qual a melhor rede para investir?

    “As pessoas sempre me perguntam: ‘Qual a marca boa do momento?’ Mas não é assim que funciona, não existe receita de bolo”, responde Juarez Leão, diretor institucional da ABF (Associação Brasileira de Franchising).

    Mas, se a resposta não é assim tão simples, é possível seguir algumas dicas de ouro para encontrar a franqueadora que mais combina com cada empreendedor. E a 26ª edição da ABF Franchising Expo, que acontece esta semana, é uma ótima oportunidade para começar a sua busca pela franquia ideal.

    Veja a seguir algumas dicas para escolher a franquia certa para você:

    1 – Descubra do que você gosta

    Seja qual for o negócio em que você pretende investir, ele só vai dar certo se você gostar do que faz. Sendo assim, o primeiro passo para escolher a sua franquia é examinar o que você gosta de fazer.

    “É preciso fazer uma reflexão para identificar a sua vocação. Feito isso, sugerimos que a pessoa analise as empresas que atuam naquele segmento. É preciso considerar que dentro do mesmo segmento existem possibilidades muito distintas. Se a pessoa quer trabalhar com alimentação, por exemplo, tem opções de franquias de fast food a restaurantes mais sofisticados”, afirma o diretor da ABF.

    2 – Verifique quanto você pode investir

    Depois de identificar o que você gosta de fazer, é preciso levar em conta a sua realidade financeira. Afinal, não basta ter afinidade com um negócio, é preciso poder pagar por ele.

    Para isso não basta considerar só o investimento inicial da franquia. Você deve levar em consideração também o capital de giro – aquele dinheiro que vai manter seu negócio funcionando enquanto ele ainda não dá retorno financeiro.

    “O empreendedor tem que ter claro quanto ele tem pra investir, e com base nisso ir atrás de negócios que caibam no seu bolso. E não é só pensar no investimento inicial. Ele também precisa de capital de giro pra sustentar o negócio no início”, explica a consultora Cláudia Bittencourt.

    3 – Seja realista em relação ao retorno

    Muita gente tem a ilusão de que ter o próprio negócio é sinônimo de muito dinheiro no bolso. Mas não é bem assim que acontece, e na hora de definir a sua franquia você precisa de uma boa dose de realismo. Atente-se aos detalhes:A TOTVS explica por que uma franquia de sucesso pede olhar afiado Patrocinado 

    “Na sede de se tornar empresário, tem muito executivo que não faz uma conta simples: quanto eu ganho agora X quanto vou tirar com um negócio. Muitas vezes é preciso estar preparado para ganhar menos”, explica Juarez Leão, da ABF.

    Portanto, antes de escolher a sua franquia analise com cuidado os números apresentados pela franqueadora e faça um exame de como ficará sua situação financeira.

    4 – Investigue as marcas

    Para não se frustrar ao investir numa franquia, é importantíssimo investigar como as marcas do seu interesse funcionam. Uma estratégia fundamental é conversar com franqueados que já fazem parte da rede. Você pode conseguir o contato deles na COF (Circular de Oferta de Franquia), documento que toda rede deve fornecer.

    Outro ponto é ficar atento ao suporte que a franqueadora oferece para sua rede. “É importante que o futuro franqueado não fique numa posição passiva durante o processo de seleção. Ele deve questionar, buscar se informar sobre treinamentos e sobre o suporte que receberá, principalmente nos pontos que tem mais dificuldade, como a gestão”, explica Cláudia Bittencourt.

    Você pode pesquisar também se as redes do seu interesse estão associadas à ABF.

    Seguindo essas orientações, a chance de você fechar um negócio promissor é maior, afirma Leão. “A chance de dar certo é bem maior porque o franqueado entra com a expectativa mais alinhada à realidade, e fica menos sujeito a se frustrar no caminho”.

    Quer conhecer centenas de marcas de franquias? A ABF Franchising Expo acontece até sábado (24/06) no Expo Center Norte em São Paulo.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/pme/4-passos-para-voce-nao-errar-na-hora-de-investir-numa-franquia

    Até o próximo post.

    Filmes

    Seu Dinheiro: 10 dicas de ouro para quem quer ter dinheiro

    23 de junho de 2017

    Antes de alguém pensar em ficar rico, se faz necessário preciso organizar-se financeiramente para conseguir pelo menos fechar o mês no azul. Neste post será possível ver dicas de como fazer isso. Quem consegue se organizar financeiramente sabe que é possível pelo menos fechar o mês no azul. É um processo difícil para muitas pessoas, mas está longe de ser impossível.

    Os 10 direitos do consumidor que você provavelmente não conhece

    Saiba o que fazer para deixar o descontrole financeiro para trás

    A maioria das pessoas peca na falta de planejamento: escolhem a data errada de vencimento das contas, fazem dívidas parceladas ou compram bens de alto valor em um momento ruim. E aí, se desesperam quando veem que já atingiram determinada idade e não possuem patrimônio. Perdeu o controle do orçamento? Saiba com o Just Online o que é consolidação de dívidas e como ela ajuda na organização financeira Patrocinado 

    Mas, calma, para tudo há uma solução. A Exame separou 10 vídeos de finanças pessoais que dão dicas de ouro para quem quer deixar o descontrole financeiro para trás e ter dinheiro.  Confira.

    1) Como escolher a melhor data de vencimento das contas?

    2) O que eu preciso fazer para renegociar minhas dívidas?

    3) Não tenho patrimônio. O que será dos meus filhos?

    4) Vou me casar. Como ficam minhas finanças?

    5) Como investir com o salário de um estagiário?

    6) Vale a pena reinvestir os lucros da minha aplicação?

    7) Compro uma casa ou invisto no Tesouro Direto?

    8) Devo me desesperar se não financiei um imóvel até os 30 anos?

    9) Qual a melhor forma de me planejar para comprar um carro?

    10) Quando vale a pena parcelar a compra?

    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/10-dicas-de-ouro-para-quem-quer-ter-dinheiro

    Até o próximo post.

    Geral

    Inflação Pessoal

    18 de Janeiro de 2017

    Inflação do estilo de vida

    O melhor é criar um índice de inflação pessoal. Complicado? Acredite, é mais fácil do que você imagina. É o que diz um artigo da Exame.

    calculadora de inflação pessoal

    O IPCA foi criado com o objetivo de medir a variação dos preços no comércio para o consumidor. Ele é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1980. Este índice se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos. É por este valor cotado mensalmente que o governo define a meta da inflação no Brasil, mas algo que poucos discutem diz respeito ao indivíduo, sua inflação pessoal.

    O que importa é a inflação pessoal

    Nota-se que, para a maior parte dos brasileiros, o custo de vida tem aumentado, mas ninguém sabe ao certo quanto. É muito comum ouvirmos: “trabalho mais do que meus pais trabalhavam, ganho mais, mas mesmo assim não consigo manter o mesmo nível de vida que eles tinham a 30 – 40 anos atrás” ou que “a vida está muito mais cara hoje em dia“.

    Isto acontece não porque estamos ganhando menos, mas sim, porque perdemos o poder de compra de nosso patrimônio sem sentir.

    Como ainda não existe um costume de se realizar um planejamento patrimonial de longo prazo no Brasil, o investidor incorre em alguns erros quando analisa seu capital e o compara com a inflação.

    Inflação do feijão

    A maior parte não faz os cálculos considerando o impacto dos aumentos reais que teve em suas despesas mensais e, com isso, perde o poder de compra sem perceber.

    Se, por exemplo, o seu patrimônio render 1% ao ano (líquido de impostos e taxas) abaixo do que for a variação de sua inflação pessoal, ou seja, quanto variou suas despesas com bens e serviços (alimentação, moradia, educação, saúde, lazer, viagens, etc.) mantendo um certo padrão de vida, isto pode não despertar grandes preocupações na maioria das pessoas (pelo menos no curto prazo). Já no final dos 40 anos, o impacto é inevitável e relevante.

    Leia mais a seguir:

    O investidor comum não sabe o que é inflação pessoal

    Geral

    Vale a pena comprar uma fatia de título do Tesouro Direto por mês?

    12 de Janeiro de 2017

    Investimentos em ascensão: Tesouro Direto bate recorde de inscritos

    Um leitor da Exame perguntou se valeria apena comprar uma fração de um título público (Tesouro Direto) a cada mês. Ele confrontou a pergunta com a poupança, se ela não valeria mais a pena para esse propósito.

    Vale a pena trocar a Poupança pelo Tesouro Direto?

    Dinheiro: Tesouro Direto permite fazer aplicações a partir de 30 reais

    O leitor fez a seguinte pergunta:

    – Gostaria de aplicar 500 reais por mês para juntar um montante em 15 anos. Fui me informar sobre o Tesouro Direto e vi que não é vantagem comprar uma fatia de um título por mês, pois os juros vão incidir separadamente em cada título e a poupança pode dar mais dinheiro. Nessas condições, qual a melhor alternativa de investimento?

    Ele obteve a seguinte resposta:

    Com a possibilidade de fazer aplicações a partir de 30 reais, milhares de pessoas passaram a se interessar por investir no Tesouro Direto em vez de na tradicional poupança. Sua dúvida é comum entre investidores e, apesar da resposta ser simples, ela não é simplória: o Tesouro direto é, sim, a melhor alternativa de investimento quando comparado à poupança.

    Não se preocupe se os valores disponíveis para aplicação são baixos. O mais importante para investidores iniciantes é começar a realizar sua reserva financeira, mesmo que inicialmente você só consiga comprar uma fração de um título público.

    Apesar da poupança ser um produto financeiro isento de Imposto de Renda para pessoa física, ela não é a melhor alternativa porque perde para a inflação. A rentabilidade paga pelos títulos públicos é significativamente maior, em especial para investimentos de prazo longo. Sugiro que você busque títulos públicos indexados ao IPCA, que manterão você protegido se houver aumentos pontuais na inflação.

    O Tesouro Direto foi criado para permitir que pessoas físicas comprem diretamente títulos públicos, sem a necessidade de aplicar em fundos de investimento oferecidos pelas instituições financeiras. Essa é uma grande vantagem para seu bolso, pois você é liberado de pagar as taxas de administração dos fundos, que reduzem a rentabilidade dos investimentos.

    Os títulos públicos são títulos da dívida que o governo paga a você por emprestar seu dinheiro, em busca de uma rentabilidade no futuro. Os títulos podem pagar juros a cada semestre ou apenas na data do resgate. O risco desse investimento é muito baixo, pois a chance do governo não pagar os juros é bastante improvável.

    Apesar do Tesouro Direto oferecer boa rentabilidade, liquidez e segurança, recomendo buscar alternativas para compor seu portfólio de investimento, reduzindo seus riscos em qualquer cenário.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/e-vantagem-comprar-uma-fatia-de-titulo-do-tesouro-direto-por-mes

    Até mais.

    Geral

    Investimentos seguros para bater a poupança em 2017

    4 de Janeiro de 2017

    Embora hajam diversas projeções para queda da Selic em 2017 devido a forte retração econômica e forte queda da inflação em 2016, especialistas em investimentos continuam indicando a renda fixa para 2017. Veja quais são as melhores opções a seguir.

    “Apesar dos cortes na Selic, vamos continuar com juros altos. A inflação, que já caiu, deve ceder ainda mais no próximo ano, por isso o juro real segue interessante”, disse o consultor financeiro André Massaro a Exame.

    Dicas de especialista para passar 2017 no azul

    O Comitê de Política Monetária do Banco Central – Copom – reduziu a Selic no fim de novembro em 0,25 ponto percentual, para 13,75% ao ano. Foi o segundo corte consecutivo na taxa, que em outubro já havia sido ajustada de 14,25% para 14% ao ano, no primeiro corte em mais de quatro anos. Segundo o Boletim Focus do Banco Central, o mercado espera que os juros terminem 2017 em 10,50% ao ano.

    “A queda de juros pode diminuir um pouco o rendimento de títulos pós-fixados ligados ao CDI e Selic, mas para a renda fixa deixar de ser um bom investimento falta mundo. Enquanto tivermos uma taxa de juros de dois dígitos, podemos nos considerar um ponto fora da curva no mundo. O investidor que tem recursos disponíveis para investir tem que aproveitar isso, e sair da poupança”, falou o Massaro ao portal Exame.

    Confira abaixo algumas aplicações para quem busca rendimentos superiores à poupança e não deseja correr riscos grandes:

    Títulos públicos

    A opção mais segura de investimento para você fugir da poupança é o Tesouro Direto —plataforma online do governo federal para compra e venda de títulos públicos.

    A aplicação mínima inicial é de 30 reais e qualquer um pode investir, basta procurar um banco ou uma corretora para intermediar a negociação e escolher o título público que melhor se encaixa no seu objetivo.

    Em um cenário de queda da Selic, especialistas recomendam que você aplique em títulos prefixados. Eles não acompanham a taxa básica de juros ou a inflação, como outras opções de títulos, mas, sim, uma taxa determinada antes da aplicação.

    É importante destacar que você só vai ser remunerado por essa taxa prefixada se levar o título até o vencimento. Se decidir vender o papel antes do prazo, a rentabilidade pode variar.

    Isso porque existe uma relação inversa entre o preço do título e a taxa de juro. Ou seja, quando a Selic cai, o preço dos prefixados sobe. Por isso eles são uma aposta para 2017.

    “A inflação cedendo abre espaço para que o Banco Central reduza ainda mais a Selic no próximo ano, o que beneficia tanto os investidores de títulos prefixados quando os detentores de títulos atrelados ao IPCA”, diz Samuel Torres, analista da Spinelli Corretora.

    Ao aplicar no Tesouro Direto, você precisa ficar atento com as taxas cobradas pelas instituições financeiras autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Algumas delas isentam o investidor do pagamento, mas outras chegam a cobrar até 2% ao ano, o que compromete os ganhos.

    Além da taxa, você também deve considerar que a aplicação em títulos públicos sofre tributação de Imposto de Renda. Sobre os resgates em até 180 dias incide uma alíquota de 22,5%; de 181 dias a 360 dias o imposto cai para 20%; de 361 a 720 dias vai para 17,5%; e acima de 721 dias é aplicada a menor alíquota, de 15%.

    CDBs e LCs

    Ao comprar um CDB, o investidor empresta dinheiro para a instituição financeira e recebe uma remuneração por isso. O banco empresta o dinheiro a outros clientes e, para garantir lucro, paga uma taxa menor ao investidor do que a que cobra para emprestar aos tomadores de crédito.

    O mais comum é que os CDBs sejam pós-fixados e atrelados ao CDI, o que significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, que fica bem próxima à Selic. É possível encontrar CDBs no mercado que pagam 100% ou mais do CDI, mas provavelmente o valor investido terá que ser maior para isso.

    “O retorno do CDI deve diminuir em 2017 por causa da Selic menor, mas ainda assim os CDBs continuam sendo uma boa opção ao pequeno investidor. O fato de a inflação recuar também ajuda as pessoas a perder menos poder de compra”, afirma Eduardo Levy, estrategista da Rio Bravo Investimentos.

    É importante destacar que a segurança dos CDBs é a mesma da poupança, já que ambos são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) até 250 mil reais —limite válido por instituição e por CPF.

    Você também tem a opção de investir em uma LC (Letra de Câmbio). Apesar do nome, ela não tem nada a ver com uma operação de dólar. Na verdade, as LCs são “primas dos CDBs”, a diferença é que os CDBs são emitidos por bancos e as LCs por financeiras.

    Tanto os CDBs quanto as LCs têm desconto de Imposto de Renda. A regra é a mesma que a dos títulos públicos para ambos os produtos financeiros: quanto mais tempo você demorar para fazer o resgate, menor será a alíquota de IR cobrada.

    LCIs e LCAs

    A LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) é o título emitido pelos bancos para financiar participantes da cadeia do agronegócio, enquanto a LCI (Letra de Crédito Imobiliário) é um título emitido pelos bancos para obtenção de recursos destinados a financiamentos do setor imobiliário.

    A principal vantagem dessas duas aplicações é a isenção de Imposto de Renda. Já as desvantagens são os aportes iniciais maiores e os prazos mais longos. Até existem algumas poucas opções de LCIs e LCAs com aplicação mínima mais baixa, mas é preciso garimpar as opções. Veja como escolher entre CDB, LCI e LCA.

    A remuneração das LCIs e LCAs, assim como a do CDB, pode variar muito de acordo com a estratégia de cada banco. Ambas pagam um percentual do CDI. Por isso, é importante pesquisar entre diferentes bancos as taxas oferecidas e comparar as rentabilidades dos CDBs, LCIs e LCAs para checar qual título oferece o maior rendimento.

    Lembre-se de que, ao comparar o rendimento das LCAs e LCIs com o de um CDB, é importante descontar o Imposto de Renda cobrado no CDB. Por mais que o percentual do CDI pago pelo CDB seja superior ao de LCIs e LCAs, com o desconto do imposto, sua rentabilidade líquida pode ser menor.

    Além disso, sempre vale buscar esse tipo de investimento em bancos médios ou em corretoras independentes, já que bancos grandes costumam oferecer remunerações muito inferiores.

    porquinhos da poupança cofrinhos de porquinhos
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/5-investimentos-seguros-para-bater-a-poupanca-em-2017

    Até mais e bons investimentos em 2017!!!

    Geral

    Bandidos no mercado financeiro

    15 de dezembro de 2016

    Todo mundo sabe que o mercado financeiro está repleto de 171s e que raramente algum vai para cadeia, mas felizmente as coisas estão mudando, vide a Operação Lava Jato e suas ramificações levando muito colarinho branco pro xinlindró!
    No mercado mobiliário não tem sido diferente!

    Revista Exame: Crime na bolsa

    É preciso tomar muito cuidado com comunidades de mercado financeiro na internet, pois ali é um antro de picaretas/m2 virtual!

    Esta semana nos Estados Unidos dois traders são presos acusados de manipularem preços de mais de 2 mil ações. Órgãos reguladores e forças judiciais verificaram diversos casos de controle de preços, que ocorreram mais de 23 mil vezes e que duraram apenas poucos minutos.

    E dias atrás prenderam outro aqui no Brasil também:

    CVM condena Rafael Ferri por manipulação de ações da Mundial
    Em novembro a Justiça Federal sentenciou Ferri em 3 anos e 9 meses de reclusão por uso de informação privilegiada e manipulação de mercado
    Por Estadão Conteúdo / 8 dez 2016, 20h14 – Atualizado em 8 dez 2016, 20h59
    chat_bubble_outlinemore_horiz

    Muito cuidado ao encontrar e escolher as suas oportunidades de investimentos e negócios!
    Os charlatões estão sempre de olho no seu rico dinheirinho.

    Até mais.