‘Defenda Seu Dinheiro’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: defenda seu dinheiro

    Convidados

    Pesquisa: principal meta dos brasileiros para 2018 é juntar dinheiro

    8 de janeiro de 2018

    a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito, organizar as contas da casa e aumentar a renda fazendo trabalhos extras

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    Os brasileiros chegaram ao fim de 2017 com a sensação de que o auge da recessão mais grave enfrentada pelo país já ficou para trás. Diante disso, mais da metade dos brasileiros (54%) está mais otimista com o cenário econômico deste ano e 58% acreditam que a sua vida financeira também será melhor, segundo pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).
    Entre as principais metas financeiras dos brasileiros para este ano estão juntar dinheiro (45%) e sair do vermelho (27%). Porém, em uma nota que vai de 1 a 10, onde 1 é muito ruim e 10 é muito bom, a expectativa para a economia brasileira para 2018 é de 5,7 e a da vida financeira pessoal é de 6,7.

    Entre os que acham que a situação da economia vai piorar (13%), as principais consequências serão ter de evitar gastos com coisas desnecessárias para guardar dinheiro (54%), comprar menos (45%) e ficará mais difícil de economizar e fazer reserva financeira (41%). Já 19% acreditam que o cenário econômico em 2018 será igual a 2017.

    Como medida para superar os problemas decorrentes da crise econômica em 2018, a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito (26%), organizar as contas da casa (25%) e aumentar a renda fazendo trabalhos extras (22%).

    De acordo com o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, a insegurança de parte significativa dos brasileiros é resultado de uma combinação de fatores.

    “De um lado, o cenário de incerteza em relação a eleição presidencial que se aproxima, com alto grau de imprevisibilidade e que também afeta a percepção do mercado; do outro, a lentidão do país para superar os obstáculos que impedem a retomada da atividade econômica, situação agravada pelos níveis de desemprego ainda elevados”, afirma Pellizzaro.

    “Fica a impressão de que a qualquer momento é possível ter de enfrentar uma demissão, por exemplo. Isso só vai mudar a médio prazo, à medida que as pessoas forem sentindo a melhora dos indicadores econômicos no dia a dia”, acrescenta.

    Em 2018, apesar dos problemas econômicos do país, 38% não gostariam de abrir mão de fazer uma reserva financeira, 29% não querem abrir mão dos planos de celular e internet e 23% do plano de saúde. Segundo os entrevistados, os principais fatores que podem influenciar o aumento do seu consumo neste ano são os preços dos produtos (47%), as promoções (40%) e a melhora na economia (32%).

    Ainda pensando na vida financeira, 44% dos brasileiros pretendem fazer alguma reserva, 14% querem financiar uma casa própria e 12% pretendem financiar um automóvel.

    Entre os principais temores para 2018 estão possíveis problemas de saúde (40%), ser vítima de violência ou assalto (32%) e não conseguir pagar as dívidas (31%).

    A corrupção foi lembrada, sendo para 86% dos brasileiros, o problema mais importante do País a ser resolvido em 2018, seguida pela crise econômica (61%), a violência (58%), saúde (47%), educação (41%), e o desemprego (37%).

    Até o próximo post.

    Geral

    Maneiras para eliminar gastos desnecessários com seu dinheiro

    6 de maio de 2016

    As pessoas que conseguem deixar de gastar com coisas fúteis tem um dos principais caminhos para uma vida financeira mais tranquila. É algo retórico, mas as pessoas costumam saber que é importante poupar para a aposentadoria. Guardar recursos para investir para o futuro envolve sacrifícios e tomar decisões responsáveis. Desta forma o site Business Insider, através do artigo How to stop spending money mindlessly da colunista Amanda Dixon, listou 7 maneiras para não gastar mais o dinheiro de maneira irresponsável. Confira a seguir:

    – Pague com dinheiro;
    – Descubra onde está desperdiçando dinheiro;
    – Peça para alguém ajudar na contabilidade;
    – Não compre tudo pela quantidade;
    – Não vá às compras sem uma lista;
    – Planeje suas refeições;
    – Pense bem sobre grandes compras;

    Outros detalhes a seguir:

    Infomoney: Veja 7 maneiras para eliminar gastos desnecessários com seu dinheiro agora
    Veja 7 maneiras para eliminar gastos desnecessários com seu dinheiro agora

    Até mais.

    Convidados

    5 Bons Motivos para você sair da poupança e não perder dinheiro

    3 de fevereiro de 2016

    O assunto a ser tratado agora é sobre o investimento mais antigo e popular que temos em nosso País. É um investimento simples e acessível para qualquer pessoa, então por que não investir? Vou compartilhar com você exatamente 5 bons motivos para que você descubra que há um mundo além da poupança.

    bons-motivos-para-sair-da-poupanca

    1. Investimento sem valor mínimo e com liquidez imediata

    Nem tudo o que reluz é ouro e o que parece ser dois excelentes motivos para investir na poupança, na verdade são dois problemas, se olharmos e repensarmos as facilidades desse investimento.

    Poder retirar o capital alocado com grande facilidade e contar com o saque imediato, parece uma boa oportunidade para quem não tem muita disciplina na hora de investir.

    O intuito do investimento é possibilitar que você junte o capital, mas se a cada contratempo ou necessidade você mexer naquele dinheiro aplicado, o investimento perde o sentido. Caso a retirada seja para uma real necessidade é justificada, mas o que acontece na maioria das vezes não é isso. Você quer comprar algo fora do planejamento do orçamento mensal, quer pagar uma dívida que fez desnecessariamente e a poupança está ali como a grande solução dos seus problemas. Mas, a longo prazo será que investir dessa forma não é o verdadeiro problema?

    1. Rendimento x Inflação

    A rentabilidade da poupança depende da taxa básica de juros, a Selic. Quanto maior a taxa, menos atrativos são os rendimentos da poupança. A remuneração máxima anual é de 0,5% ao mês e 6,17%, mais a Taxa Referencial (TR) – taxa de juros atualizada diariamente pelo Banco Central. A Taxa Referencial usada é a do dia do depósito e ela pode variar.

    Quanto maior a taxa Selic, menos atrativa a poupança se torna. E segundo divulgado pelo Boletim Focus, do Banco Central, a inflação pode chegar até 7,26% neste ano e o rendimento da poupança não irá superar este valor. Diante desse cenário é possível perceber que há outras opções bem mais rentáveis na renda fixa.

    1. Os tempos são outros e a Poupança também!

    Está aí uma cultura de investimento que podemos chamar de hereditária. Isso porque é passada de pai para filho e, por gerações, diversas pessoas seguiram fielmente a tradição de adotar a caderneta de poupança como uma fonte segura e rentável para assegurar um dinheiro extra ao final do ano.

    O que nossos avós faziam podia ser bom para a época deles, da mesma forma com nossos pais e assim por diante. O que era rentável há alguns anos não é mais e você pode e deve fugir dessa tradição e buscar outros investimentos.

    1. Conhecimento nunca é demais

    Tendemos a escolher sempre aquilo que conhecemos e todo o resto parece desinteressante, mas nem sempre é na nossa zona de conforto que encontramos aquilo que realmente queremos e precisamos. O Mito da Caverna de Platão pode ser útil para relacionarmos aqui, já que muitos de nós nos limitamos ao que sabemos e julgamos conhecer, mas na verdade, há um universo de possibilidades à disposição do nosso interesse e vontade de descobrí-lo. Se o seu conhecimento sobre investimentos se resume à poupança e você não quer buscar e conhecer outras opções, está se limitando e tapando os olhos para oportunidades melhores.

    Sendo assim, você insiste em investir na poupança porque não conhece as outras opções de investimento que são tão seguras quanto e de maior rentabilidade. Conhecimento nunca é demais e quando é seu dinheiro que está em jogo vale a pena a pesquisa e o interesse em outras opções.

    1. Não tenha medo, tenha cautela

    O medo te impede de alcançar diversos objetivos, mas diferente do medo a cautela é o que te impede de arriscar sem freios e te faz pensar duas vezes antes de fazer qualquer coisa. Para investir é preciso cautela, afinal, você está lidando com seu dinheiro, que certamente foi conquistado com muita dedicação.

    O medo de sair da poupança te impedirá de realizar outros investimentos, mas a coragem para iniciar um novo investimento somada à cautela de começar com uma boa estratégia, através de boas plataformas e com o auxílio de especialistas é o que te permitirá realizar investimentos inteligentes e bem sucedidos.

    Ao sair da poupança (o que é a decisão mais correta a se fazer), você pode investir na renda fixa. É possível investir em títulos públicos e utilizar o próprio investimento para alcançar ganhos ainda maiores na renda variável. Para saber um pouco mais sobre como aproveitar seu investimento de renda fixa para aplicar também na renda variável, clique aqui. Vale a pena lembrar que a renda variável possui riscos, mas com o acompanhamento de bons profissionais é possível conquistar bons resultados.

    Se o que faltava eram bons motivos para tomar sua decisão de sair da poupança, agora o que falta é você ter atitude e vontade de conhecer um mundo cheio de possibilidades que está bem longe da nem tão boa, mas velha caderneta de poupança.

    Autora: Tatiana Adelino Faria – Equipe Toro Radar

    Convidados

    Guest Post: Gerenciador Financeiro

    27 de fevereiro de 2015

    A organização financeira é um fator determinante para quem almeja sucesso e estabilidade financeira. Apesar de ser um grande diferencial das pessoas de sucesso, a organização financeira pode ter efeito oposto quando não é praticada. A falta de um controle financeiro adequado pode se tornar o principal inimigo das suas finanças, fazendo com que você se afunde em dívidas e empréstimos, prejudicando e muito sua saúde financeira e sua vida pessoal.

    Manter um controle minucioso de todas as despesas e receitas através das velhas e conhecidas planilhas de Excel, não é tarefa fácil pra ninguém, exige paciência e muita dedicação. Para nossa sorte, hoje em dia podemos contar com a ajuda de modernos softwares e aplicativos de gestão financeira, que tornam este trabalho muito mais fácil e prazeroso.

    Dentre diversos gerenciadores financeiros online disponíveis no mercado, podemos destacar o Meu Dinheiro, que já tem mais de 70.000 usuários e que se mostram muito satisfeitos com a sua utilização, como você pode ser comprovar clicando aqui e acessando a página de depoimentos do aplicativo.

    Com o Meu Dinheiro você pode controlar todas as suas contas a pagar e a receber, controlar os gastos de cartão de crédito, definir e controlar metas de orçamento e de economia, receber notificações de vencimento das suas contas, definir metas, gerar relatórios, importar lançamentos através de extratos bancários, tudo isto de forma fácil e intuitiva, permitindo que até mesmo as pessoas que possuem pouca ou nenhuma disciplina, consigam se organizar financeiramente. Vale apena destacar que além de ser um sistema web, o Meu Dinheiro possui apps para celulares e smartphones Android e IOS(Iphone), permitindo que seus usuários registrem facilmente até mesmo aquele cafezinho do dia dia.

    E uma coisa muito importante! O aplicativo dispõem de versão básica (para controle de até duas contas  correntes e restrição de acesso a alguma funcionalidades) inteiramente grátis e preços para versões completas a partir de R$0,16/dia. Dispõem ainda de um programa de indicação onde os usuários podem ganhar até 50 dias de utilização da versão completa por cada indicação de novo usuário.

    Em um comparativo muito interessante realizado pelo blog independente Novos CFP, o Meu Dinheiro foi o grande destaque, obtendo a maior nota entre seus concorrentes, você pode verificar este comparativo clicando aqui.
    Businessman Analysing Growth With Tablet

    Então se você está procurando uma maneira fácil e rápida de manter suas contas em dia, traçando um caminho que visa realização de seus sonhos e dos seus objetivos financeiros, acesse e conheça o Meu Dinheiro, tenho certeza que você irá se surpreender.

    Link para o Meu Dinheiro: http://www.meudinheiroweb.com.br

    Agradeço a sua atenção e espero ter contribuído de alguma forma para que você tenha uma boa saúde financeira e muito sucesso pela frente.

    Grande abraço!

    Convidados, Geral

    IPTU – Deixe o pagamento em dia em 2015

    30 de janeiro de 2015

    Já publicamos, anteriormente aqui no site, o texto IPTU e IPVA, melhor parcelar, financiar ou pagar à vista? Aproveitando o início de um novo ano, vamos dar dicas práticas para evitar atrasos no IPTU, que são mais normais do que você imagina!

    O ano começa e, junto com ele, as contas aparecem. Apesar de certas contas, como os impostos, serem comuns todos os anos, algumas pessoas ainda se confundem e acabam tendo dificuldades de se organizarem e realizarem o pagamento corretamente. O Imposto Predial Territorial Urbano, ou simplesmente IPTU, é um bom exemplo para essa situação. Por ser dividido em parcelas, grande parte das pessoas acaba esquecendo de pagar o IPTU antes da data de vencimento e não sabem se isso poderá resultar em algum tipo de multa ou juros. Isso acontece por não ser tão simples encontrar informações a respeito do assunto.

    A falta de informação é um dos principais motivos que leva as pessoas a se desesperarem quando esquecem de pagar determinada fatura na data estipulada. Segundo dados levantados pela Agente Imóvel, além da falta de informação, o atraso acontece principalmente em caso de novas aquisições, que também são mais comuns acontecerem entre o fim de um ano e o começo de outro.

    IPTU 2015

    Para evitar o esquecimento, o ideal é deixar sempre as suas contas em um mesmo lugar. Se você tem costume de espalhar suas faturas pela casa, certamente irá esquecer de pagar alguma.  Procure fazer uma planilha com o que você deve pagar ao longo do ano e quanto da sua remuneração será investida em cada uma das suas dívidas. Isso irá te ajudar a manter seu orçamento em dia.

    Se você esqueceu de pagar o IPTU e encontrou um débito atrasado ou se você não se lembra se está com o pagamento em dia, você pode fazer uma consulta a esse débito através do site da prefeitura da sua cidade. Alguns sites permitem que você faça consulta através do número de inscrição, do endereço do seu imóvel ou através do número do CPF ou CNPJ.

    Depois de fazer a consulta do seu débito, você deve imprimir a segunda via e realizar o pagamento. O ideal é pagar os atrasados o mais rápido que você conseguir. Normalmente, o valor dos atrasados a serem pagos não recebem nenhuma taxa extra sobre o vencimento, mas em alguns casos pode ser cobrado juros de 1% ao mês. Além disso, algumas prefeituras oferecem prazos para quitação da dívida com desconto. Vale a pena conferir!

    Geral

    Nova seção: Convidados

    29 de novembro de 2014

    Hoje está inaugurando uma nova seção aqui no BLOG: é a seção Convidados.

    Profissionais de diversas áreas, sempre ligadas aos assuntos publicados neste BLOG, trarão novidades, dicas, bate-papo e o que mais for de muito interessante.
    Os conteúdos serão publicados sempre que existirem blogueiros interessados!

    E o post que inaugura a seção, com honras e pompas, é este aqui mesmo, rsrsrsrs. Acontece que já existem alguns “guest posts”(posts de convidados) publicados no Defenda seu dinheiro, mas só agora pintou a ideia de organizar em uma seção separada.
    Não deixe de ler, curtir e compartilhar. Está muito bom!

    Sejam muito bem-vindos.

    Até mais.

    Geral

    Seu Dinheiro: IPTU e IPVA, melhor parcelar, financiar ou pagar à vista?

    18 de janeiro de 2014

    Todo início de ano concentra inúmeros pagamentos, entre eles, IPVA e IPTU. Então vem a pergunta: é melhor parcelar, financiar ou pagar à vista?
    Confira este excelente artigo da Exame e saiba qual a melhor forma de pagar as despesas de início de ano, de acordo com a sua situação financeira:


    Despesas | 09/01/2014 06:00

    São Paulo – Você já sabe como vai fazer para pagar despesas de início de ano como IPTU, IPVA, e material escolar? Você pode pagá-las à vista – o que, em certos casos, gera um desconto –, parcelá-las e abrir mão do desconto, ou obter um empréstimo no banco. Veja qual a forma de pagamento mais adequada de acordo com a sua situação financeira:

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/iptu-e-ipva-melhor-parcelar-financiar-ou-pagar-a-vista

    Leia também:

    Até o próximo post.