‘Custos’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: custos

    Geral

    Business Insider: 6 gastos que você não deve cortar

    25 de junho de 2018

    6 gastos que você não deve cortar, segundo especialista em finanças
    6 things people who are good with money always splurge on

    Claro que parar de gastar em excesso é o primeiro passo para conquistar a estabilidade e a independência financeira, porém como se faz para calcular o excesso?
    Uma especialista em gestão financeira e estudiosa de cases relacionados a boas práticas em finanças pessoais, Kimberly Palmer, explicou isto no portal de finanças Business Insider. Após estudar o hábito de pessoas bem-sucedidas financeiramente, a especialista listou 6 produtos e serviços que devem ser mantidos no orçamento mensal – ou, ao menos, não devem ser os primeiros a sair em momentos de aperto.

    Veja a lista a seguir:

    1. Produtos que podem gerar mais renda
    2. Esta é uma gama relativamente ampla de produtos, que inclui, por exemplo, um conjunto de peças de roupas arrumado para entrevistas de emprego ou primeiro dia após a contratação. Dependendo da profissão, um carro funciona da mesma maneira.
      Um bom computador também faz parte desta lista: ganhar dinheiro extra pela internet nunca foi tão comum, e ter uma máquina velha e inoperante pode travar essa possibilidade.

    3. Experiências
    4. Yoga, treinamento funcional e outras atividades que oferecem saúde e energia não devem ser negligenciadas nos gastos mensais.

    5. Serviços que economizam tempo
    6. Muitas vezes, ter tempo para realizar tarefas é mais importante do que economizar dinheiro. Pedir delivery de supermercado, por exemplo, ou mandar as roupas para a lavanderia, pode economizar horas valiosas do dia de um profissional autônomo – ou mesmo de alguém cuja rotina demanda descanso. “A melhor coisa que você pode fazer com dinheiro é liberar tempo”, diz a especialista.

    7. Cartões com programas de fidelidade
    8. Mesmo com altas taxas de manutenção, cartões de crédito com bons programas de fidelidade e milhas podem ser interessantes para clientes fiéis que realmente utilizam estes benefícios. Não vale necessariamente para todos, mas a especialista indica àqueles que viajam muito ou gastam o suficiente para trocar pontos por bons produtos no fim do mês.

    9. Utensílios de cozinha de alta qualidade
    10. Comer em casa sempre será mais barato do que gastar em restaurantes. Por isso, Palmer acredita que gastar em bons jogos de panelas ou até mesmo uma máquina de café pode ser um investimento.

    11. Pequenos prazeres
    12. Desde que bem selecionados, gastos com objetos que dão prazer são importantes. Para quem ama fotografia, comprar uma boa câmera não é jogar dinheiro fora, por exemplo.

    Veja também:

    Hábitos financeiros aos 30 anos

    Até mais.

    Convidados

    Pesquisa: principal meta dos brasileiros para 2018 é juntar dinheiro

    8 de janeiro de 2018

    a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito, organizar as contas da casa e aumentar a renda fazendo trabalhos extras

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    Os brasileiros chegaram ao fim de 2017 com a sensação de que o auge da recessão mais grave enfrentada pelo país já ficou para trás. Diante disso, mais da metade dos brasileiros (54%) está mais otimista com o cenário econômico deste ano e 58% acreditam que a sua vida financeira também será melhor, segundo pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).
    Entre as principais metas financeiras dos brasileiros para este ano estão juntar dinheiro (45%) e sair do vermelho (27%). Porém, em uma nota que vai de 1 a 10, onde 1 é muito ruim e 10 é muito bom, a expectativa para a economia brasileira para 2018 é de 5,7 e a da vida financeira pessoal é de 6,7.

    Entre os que acham que a situação da economia vai piorar (13%), as principais consequências serão ter de evitar gastos com coisas desnecessárias para guardar dinheiro (54%), comprar menos (45%) e ficará mais difícil de economizar e fazer reserva financeira (41%). Já 19% acreditam que o cenário econômico em 2018 será igual a 2017.

    Como medida para superar os problemas decorrentes da crise econômica em 2018, a maior parte dos entrevistados deve evitar o uso do cartão de crédito (26%), organizar as contas da casa (25%) e aumentar a renda fazendo trabalhos extras (22%).

    De acordo com o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, a insegurança de parte significativa dos brasileiros é resultado de uma combinação de fatores.

    “De um lado, o cenário de incerteza em relação a eleição presidencial que se aproxima, com alto grau de imprevisibilidade e que também afeta a percepção do mercado; do outro, a lentidão do país para superar os obstáculos que impedem a retomada da atividade econômica, situação agravada pelos níveis de desemprego ainda elevados”, afirma Pellizzaro.

    “Fica a impressão de que a qualquer momento é possível ter de enfrentar uma demissão, por exemplo. Isso só vai mudar a médio prazo, à medida que as pessoas forem sentindo a melhora dos indicadores econômicos no dia a dia”, acrescenta.

    Em 2018, apesar dos problemas econômicos do país, 38% não gostariam de abrir mão de fazer uma reserva financeira, 29% não querem abrir mão dos planos de celular e internet e 23% do plano de saúde. Segundo os entrevistados, os principais fatores que podem influenciar o aumento do seu consumo neste ano são os preços dos produtos (47%), as promoções (40%) e a melhora na economia (32%).

    Ainda pensando na vida financeira, 44% dos brasileiros pretendem fazer alguma reserva, 14% querem financiar uma casa própria e 12% pretendem financiar um automóvel.

    Entre os principais temores para 2018 estão possíveis problemas de saúde (40%), ser vítima de violência ou assalto (32%) e não conseguir pagar as dívidas (31%).

    A corrupção foi lembrada, sendo para 86% dos brasileiros, o problema mais importante do País a ser resolvido em 2018, seguida pela crise econômica (61%), a violência (58%), saúde (47%), educação (41%), e o desemprego (37%).

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como reduzir os custos de marketing digital

    1 de agosto de 2017

    Muitas das chamadas táticas de marketing usam enormes custos do orçamento de uma empresa, mas uma boa notícia é possível diminuir os custos de marketing digitalcom outras táticas.

    Você está dedicando recurso suficiente à sua campanha de marketing digital? Percebemos que considerar mudar seu orçamento para incorporar mais recursos e atenção ao aumento do marketing digital podeajudar a crescer e alcançar objetivos.

    Só porque funcionou no passado não significa que funcionará também no futuro, se for o caso, seus clientes e sua concorrência se inclinam para o mundo online por suas informações e recursos.

    Se você pode considerar a relocação de alguns reais para os esforços de marketing, os números de custos de marketing digitalpodem diminuir e mesmo assim continuar a trazer resultados.

    Maneiras de diminuir os custos de marketing digital

    • Perspectiva do cliente

    O marketing é caro e os erros são caros, por isso evitar essas falhas com informações sobre segmentos de clientes, necessidades e outros pode ajudar a trazer resultados.

    Você pode colocar toda a sua inteligência do cliente em um banco de dados ou software de automação de marketing que pode ser atualizado facilmente e usado à jusante.

    Acompanhe, investigue e colete informações de clientes para orientar as decisões de marketing que sua empresa toma a cada período.

    estrategias-de-marketing

    • Divulgar publicidade para a Internet

    A publicidade geralmente é o maior item de linha em um orçamento de marketing. Refeche uma parte deste orçamento para um site melhorado com otimização de mecanismo de pesquisa (SEO), blogs e mídias sociais.

    A maioria das decisões de compra começa ou termina com um mecanismo de pesquisa e ao menos que seu site seja classificado como o melhor dos resultados de pesquisa, toda a publicidade no mundo não ajudará. E sim, você precisa de um site amigável para dispositivos móveis.

    • Substitua imprimir com eletrônico

    As impressões não estão mortas, mas é um custo altoque pode ser reduzido. Ative versões em PDF de catálogos e folhetos e reduza as impressões. Substitua a cara mala direta (impressão e custos de envio sempre maiores) com campanhas de e-mail relativamente baratas.

    • De outro significado ao conteúdo

    O conteúdo ainda é o rei, mas não precisa custar tão alto como você pensa, e para reduzir os custos de marketing digital você pode usar o mesmo conteúdo em diferentes formatos.

    Como? Blog um resumo com uma página de registro para download, anuncie com uma versão, postagem social, criar um vídeo correspondente, apresentar aos clientes e prospectar por e-mail, criar uma página de destino do site, desenvolver uma pesquisa sobre o assunto, Criar um infográfico, hospedar um webcast.

    Use um ERP de confiança

    6-motivos-para-usar-erp

    Para reduzir os custos de marketing digital você pode começar a trabalhar com um sistema de gestão empresarial totalmente online, e se surpreender com o quão útil à abordagem de um sistema ERP online correta pode criara maneira comcresce todo o seu negócio.

    Com um sistema de gestão empresarial você pode acompanhar os diversos recursos da sua empresa, analisar todo o comportamento do seu consumidor, gerenciar o fluxo de informação em vários departamentos, maximizar todo o seu tempo com controle financeiro, controle de estoque, cadastros, emissão de notas fiscais eletrônicas, boletos, relatórios e muito mais.

    Dessa maneira você também pode visualizar toda a informação de seus clientes de acordo com determinados segmentos informativos como sexo, idade, região e interesse e adaptar suas campanhas online de acordo com o público alvo específico.

    Você também pode analisar a entrada e saída de produtos e acompanhar todo o processo de vendas e lucros de suas campanhas e abordagens de marketing digital.

    Conseguindo por fim ter tudo que é preciso para saber onde investir com precisão, coletando informações que vão aumentar sua produtividade e reduzir os custos de marketing digital.

    Dessa forma o Conteúdo e Cia acredita que com a gestão empresarial correta, você pode aumentar seus lucros e conseguir diminuir os seus custos no final de cada mês, e por isso acha que a Gestão Click deve ser o lugar exato para começar.

    investir em marketing digital

    Geral

    Pesquisa Anbima: Existem 5 jeitos de lidar com dinheiro

    11 de maio de 2017

    O mote principal da pesquisa conduzida pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais) foi entender a trajetória das pessoas para compreender suas relações com o universo financeiro.

    Este estudo foi feito com mais de 400 pessoas em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife ao longo de quatro meses, sendo que identificou os cinco perfis mais comuns que explicam o relacionamento dos indivíduos com o dinheiro. Do total de pesquisados, 25 pessoas foram acompanhadas durante um dia inteiro para entender sua vida e suas relações. O mote principal foi entender a trajetória das pessoas para depois compreender suas relações com o universo financeiro.

    homem-no-financeiro

    “O relacionamento com dinheiro é apenas mais um desdobramento da vida das pessoas. Para saber porque poupamos pouco, temos que entender quem somos”, afirma Aquiles Mosca, presidente do Comitê de Educação de Investidores da Anbima.
    Os cinco perfis aparecem em todas as classes sociais.

    Veja abaixo cada um deles:

    Despreocupado

    São pessoas com especial prazer na fluidez dos acontecimentos da vida e nas possibilidades que ela pode trazer. Sua personalidade é muito ligada aos estímulos externos e às pessoas que o cercam. Isso faz com que o despreocupado não se planeje nem se comprometa muito seriamente com nada, pois exigiria um foco e um horizonte mais estreito – para conseguir algo seria necessário abrir mão de outras coisas.

    Por outro lado, as pessoas desse perfil são muito competentes em aproveitar as oportunidades que aparecem à sua frente. Não está atento ao que acontece com seu dinheiro e isso fatalmente será um problema na sua vida. Porém, quando está em situação difícil o despreocupado não se desespera: sempre dá um jeito de superar um desfalque financeiro, por exemplo, conseguindo algum dinheiro emprestado ou doado. A relação do despreocupado com o dinheiro é fugaz – assim como ele entra, sai.

    Camaleão

    É aquele que aceita as coisas como são, adapta-se ao mundo em vez de fazer sua vontade vencer. Muitas vezes sente-se oprimido pelas dificuldades e pelas poucas oportunidades que chegam até ele, mas segue levando a vida. Ao aceitar as situações sem muito ânimo de modificá-las, tem como consolo saber que, apesar das dificuldades, ele consegue realizar aquelas coisas que são realmente importantes para ele.

    O segredo do camaleão para viver relativamente bem com pouco é ter a sua realização pessoal naquilo que é mais cotidiano, natural, e que exige pouco esforço financeiro. Costuma valorizar os prazeres simples: se tem o suficiente para um chopp com os amigos no final de semana, está tudo bem.

    Entre esses prazeres estão também as coisas mais intangíveis, pouco relacionadas com dinheiro: festas em casa com amigos, atividades ligadas a experiências físicas e/ou intelectuais. Nunca tem dinheiro para qualquer necessidade ou desejo extra, mas ele lida bem com os limites e, em vez de contorná-los, simplesmente adapta-se a eles.

    O dinheiro é algo bastante fugaz na sua vida, passa por ele rapidamente e logo é destinado a pagamentos de dívidas. Mas ele é criterioso: para ele todo dinheiro é dinheiro e o pouco rende “muito” na sua mão.

    Construtor

    O mais disciplinado dos perfis, o construtor gosta de ter sempre o controle da situação. Não se arrisca, prefere se sentir seguro em todas as situações. Ele desenvolve uma relação interessante com os limites que encontra pela vida, não se intimidando nunca por eles. Mas isso não significa que ele chega a desafiá-los; simplesmente batalha muito para realizar o que quer e acaba conseguindo, mas sempre pouco a pouco, com parcimônia.

    Costuma ter humildade e a persistência envolvida em suas realizações é o que confere valor a elas. Conquistar algo sem esforço não está nos seus planos, pois nesse caso ele seria privado de grande parte do prazer da conquista. Portanto, para o construtor, o esforço é parte intrínseca do valor do dinheiro, algo que imprime ainda mais importância à soma acumulada.

    O construtor tem muito orgulho de sua capacidade de organização e acaba sendo aquele a quem todos recorrem financeiramente. As pessoas com esse perfil dispensam grandes estratégias e ferramentas financeiras, pois cuidam do dinheiro dia após dia, em pequenas quantidades, mas de forma consistente.

    Sonhador

    Como o nome já diz, é movido por sonhos. Ele é impulsionado por uma grande força narcísica: uma ideia ou um plano que ele pensou e que acredita que lhe trará reconhecimento de todos à sua volta quando realizado. Tem uma mente inquieta, está sempre pensando em uma nova oportunidade de investir em algo, empreender, e é muito ligado nas oportunidades.

    Para este perfil o significado e o prazer proporcionado pelas coisas que faz – investimentos em negócios ou em si mesmo, como cursos, aquisições, etc – são muito importantes. Seus sonhos são sempre construídos em cima de valores e fortes crenças pessoais e por isso o sonhador é resiliente – mesmo quando seus planos não saem como esperado ele permanece orgulhoso, otimista e acreditando no futuro.

    O excesso de confiança no sonhador alimenta a ideia de que o universo conspira a seu favor, fazendo com que ele se comporte impulsivamente e “se jogue”. Para ele “qualquer quantia não é dinheiro” e muitas vezes perde oportunidade de construir uma poupança por acreditar que é inútil se preocupar com os pequenos valores que circulam no dia a dia.

    Planejador

    São pessoas pragmáticas, que vivem plenamente na realidade e sabem lidar bem com ela, o que faz deles indivíduos muito competentes no que se propõe a realizar. O planejador não se assusta nem se irrita com limitações, muito pelo contrário. Movido por desafios, consegue realizar o que deseja, apesar das limitações impostas pela vida, contornando ou ultrapassando aquilo que encontra pelo caminho.

    Ele é muito seguro de sua capacidade de organização e realização e confia na sua alta racionalidade. As metas são fundamentais para este perfil. O planejador costuma estipular para si mesmo objetivos a serem cumpridos em um tempo determinado e frequentemente isso o estimula a seguir em frente e crescer.

    Independentemente de sua classe social, o planejador é, em geral, alguém muito bem-sucedido em seu negócio, investimento ou trabalho. Quando sua renda é maior ele tende a saber mais sobre mercado financeiro e utiliza esses serviços para fazer o seu dinheiro crescer.

    Até mais.

    Geral

    Gráficos, fundamentos e dividendos: de que jeito ganhar dinheiro na Bolsa?

    13 de abril de 2016

    Qualquer um que opera na bolsa de valores irá responder a isto de forma bem fácil, porém nada simples para ser executada. A maioria iria dizer para você comprar barato, esperar valorizar e vender caro ou se for começar a operação pela ponta vendida, irão responder para vender caro, esperar desvalorizar e comprar barato. A execução destes três simples passos, não importa por onde comece a operação, é um grande desafio.

    O mundo da renda variável costuma atrair diversos investidores, os quais têm apetite por risco e desejam uma rentabilidade maior tanto no curto, como no médio e no longo prazo. Eles estão dispostos e enfrentar a volatilidade e possíveis perdas que este tipo de aplicação pode causar.

    Há duas técnicas para se encontrar o momento de compra/venda de uma ação que são a análise fundamentalista e a análise técnica (ou grafista) as quais podem ser automatizadas em Trade Systems, por exemplo. O investidor pode focar nos fundamentos das empresas, isto quer dizer que ele analisa o balanço da empresa e seus indicadores para saber se ela está saudável em suas operações e frente a seus concorrentes. Outros investidores irão optar por analisar somente o gráfico de preços das ações através de alguns métodos, na busca de encontrar o momento ideal de compra e venda. Ainda existe aqueles que aliam ambas escolas de investimentos na bolsa de valores, porém nenhuma estratégia, fundamentalista ou gráfica, apresenta 100% de confiabilidade.

    É muito importante estudar o mercado da bolsa, pois ele é muito dinâmico e não existe uma regra específica sobre como ganhar dinheiro na Bolsa. Pode-se observar cada operador adotando seus próprios métodos e seguindo o caminho que melhor casa sob sua visão, estratégia e controle de riscos.

    Leia mais sobre este assunto a seguir:

    Como ganhar dinheiro na Bolsa?
    gráfico quadro de cotação na bolsa de valores

    A quem mais se interessar, também vale a pena conferir:

    Análise Fundamentalista para principiantes

    Manual de Análise Técnica/Fundamentalista

    Manual de Introdução à Análise Técnica

    Tutorial de Análise Técnica: Setups contra a tendência

    Até o próximo post.

    Geral

    Existe valor mínimo para investir na Bolsa de Valores?

    5 de abril de 2016

    Você sabe qual o valor mínimo para investir na Bolsa de Valores? Com qualquer valor que equivalha ao valor de uma ação no mercado fracionário você pode investir, porém fica outra pergunta: compensa investir a partir de valor tão baixo? Para investir na bolsa brasileira, BM&FBovespa, você tem alguns custos que pode tornar desvantajoso investir com este pequeno montante de dinheiro. Para investir na bolsa são pagas as taxas custódia e taxas de corretagem. Quem tiver lucros tributáveis, ainda pagará imposto de renda. No mercado à vista os investidores que vendam mais de R$ 20 mil dentro do mesmo mês são passíveis de cobrança de imposto, assim como quem fizer algum tipo de operação no mercado de derivativos, como mercado de opções, mercado futuro, ETF, FII, mercado à termo, etc…

    Veja esta ilustração para quem for investir na Bolsa de Valores de São Paulo:
    – Um investidor coloca R$ 200,00 em ações e a corretora dele cobra R$ 15,00 de taxa de custódia e R$ 5,00 pela taxa de corretagem, você vai precisar de um rendimento maior do que R$ 20,00 (taxa de custódia mais a taxa de corretagem). Isto quer dizer que é necessário 10% de rendimento apenas para você ficar no 0x0 (pagar seus custos). Depende do tipo de relação que você tenha com a corretora, a taxa de custódia pode não ser cobrada, ou seja, parece com um relacionamento com um banco, algumas taxas são cobradas e outras não, vai do tipo de cliente. Você pode pesquisar e encontrar o melhor custo x benefício de corretora para o seu perfil de investidor.

    Um outro ponto negativo de investir somente pequenos valores pequenos é que os custos para diversificação são maiores, fato que pode tornar impeditivo usar tal estratégia. Para quem investe pouco, a solução pode ser investir em Fundo de Índice (Exchange-Traded Funds ou ETF), os quais nada mais são do que fundos que procuram ter o retorno de um índice que representa um conjunto de ações, por exemplo, o Ibovespa. O investidor pode adquirir cotas e com um valor de R$ 200,00 já é possível comprá-las.

    Uma outra solução para quem tem pouco dinheiro é investir através de clubes de investimentos, que nada mais são do que grupos de pessoas que se unem para investir. Ganhos e perdas são divididos proporcionalmente entre os membros de acordo com o quanto investiram.

    Se apesar de tudo isto, o investidor está em fase de aprendizagem e não quer investir valores maiores, as taxas podem ser vistas como um custo de aquisição do conhecimento. A coisa mais importante é começar a investir, para que ao invés de ficar somente pagando juros, a pessoa comece a receber juros com o objetivo aumentar o próprio patrimônio e alcançar o bem estar financeiro.
    Fonte de consulta: ganhemais.infomoney.com.br/perfil/especialista/eliseu-hernandez-d-oliveira/qual-o-valor-minimo-para-investir-na-bolsa
    telao-de-cotacao-de-bolsa-de-valores

    Veja também:

    Como eu faço para investir na bolsa de valores?

    Até mais.

    Convidados

    Solução para gestão de documentos eletrônicos fiscais

    18 de setembro de 2015

    A Finnet lança ferramenta que agiliza processos, reduz custos e colabora com a cadeia de suprimentos. De olho nas necessidades das companhias e no crescimento do mercado de tecnologia bancária, a Finnet, empresa brasileira de TI pioneira no desenvolvimento de soluções para fluxos de dados financeiros, lança a ferramenta Gestor de Documentos Eletrônicos na Web, o GD-e Web.

    Trata-se de uma solução que contempla os processos de emissão de documentos eletrônicos fiscais para a venda e transporte de produtos. Desta forma, qualquer procedimento de compra e venda de uma mercadoria é acompanhado pela área de emissão de documentos, garantindo a agilidade na distribuição.

    A ferramenta conta inicialmente com dois módulos, o Conhecimento do Transporte (CT-e) e Guia de Recolhimento de Tributos (GNRE). O primeiro auxilia no processo de emissão fiscal do CT-e que é um documento digital com várias informações sobre a prestação de serviços de transportes, com validade jurídica diante da assinatura digital do emitente e da autorização de uso fornecida pela Secretaria da Fazenda (Sefaz).

    Já o módulo de GNRE faz referência à emissão automática a partir de notas fiscais eletrônicas recebidas, envio automático de guias de pagamentos de tributos estaduais, acesso das guias e comprovantes de pagamento às empresas filiais e integração com bancos via EDI (Eletronic Data Interchange) para pagamento de guias.

    Dentre os benefícios da solução, destaque para agilidade na emissão de guias, redução da digitação, integração bancária, melhora da eficiência logística, geração automática de arquivos de pagamento, além de melhorar a comunicação com a cadeia de suprimentos, integrar com outros sistemas, centralizar a comunicação das informações e ser multiusuários e multiempresas.

    “O ganho na eficiência operacional é bem significativo. Clientes relatam que o processo manual muitas vezes passava de um dia e com a ferramenta houve uma redução em torno 50% da operação”, disse Karina Freitas, coordenadora de produtos da Finnet.

    logo_finnet
    Sobre a Finnet (www.finnet.com.br): A Finnet é especializada no desenvolvimento de produtos, soluções personalizadas e serviços relacionados ao envio e recebimento de documentos financeiros, assim como de informações da área de supply chain. O amplo know how e os 10 anos de experiência no mercado atestam a qualidade, eficiência e segurança dos serviços prestados pela empresa aos mais de 20 mil clientes e parceiros de negócios de segmentos como o financeiro, industrial, de utilities, entre outros.

    Geral

    O ano novo começa agora

    18 de fevereiro de 2013

    O ano começou, o carnaval acabou, o trânsito infernal voltou, as aulas voltaram, voltamos à realidade. Conto de fadas só no final de ano, de novo!
    A festa acabou, “the party is over”, “se acabó la fiesta”.

    E chegando novo fim de ano, novas festas, novas compras, novas esperanças, novas férias, o ciclo retorna, o Brasil ficará parado por mais três meses do ano, e depois do próximo carnaval, chegará ano novo de novo, e poderemos lá dizer feliz 2014, como dizemos agora feliz 2013.

    A hora do país crescer mais, produzir, gerar mais empregos, gerar mais inovação é agora ou nunca, ou melhor, pode ficar para o ano que vem também.

    Até o próximo post.

    Geral

    Quanto lhe custa o seu carnaval?

    8 de fevereiro de 2013

    Quantas pessoas já pararam para pensar o quanto lhe custa o seu carnaval, seja aproveitar a folia ao máximo, seja para aproveitá-la parcialmente ou mesmo para fugir dela. E algo que deveria ser pensado sempre que chega esta época ou melhor até mesmo antes, chegar neste momento já preparado para os seus custos festivos e pós-festivos.

    E por que foi falado pós-festivo? Por que muitos para fugir da realidade do dia a dia enlouquecem nestes 5 dias de carnaval para maioria das regiões do país, algumas duram até mais do que isto, gastam tudo o que tem, e o que não tem, quer dizer, se endividam.
    E no pior caso arrumam contas para pagar para resto da vida. As razões podem ser:

    • O sexo fácil do carnaval, que pode ser bom e barato no momento da curtição, mas poderá ser muito caro nos anos posteriores, talvez para vida toda, como uma gravidez indesejada ou contração de doença sexualmente transmissível sem cura;
    • Dirigir embriagado ou sob efeito de entorpecentes ou qualquer outro tipo de substância lítica ou ilícita que tire sua capacidade de dirigir. Isto pode lhe envolver num acidente automobilístico que leve à invalidez permanente.

    Os problemas citados logo acima podem ter consequências na sua saúde, assim como consequências jurídicas e financeiras gravíssimas, principalmente para aqueles que só se preparam para o lado bom da festa, o lado do prazer, aqueles que só vivem o dia de hoje e estão nem aí para o amanhã.

    As pessoas levadas pelo impulso, pela emoção, pelo prazer real, efêmero e imediato deixam de lado a razão. E não vai ter jeito, a sua vida financeira vai cobrar o preço dos seus erros. Como diz o ditado, Deus perdoa, mas o mercado não perdoa.

    E vale também o velho bordão, “se beber não dirija”, o qual se estende para o uso de qualquer substância que tire sua capacidade de conduzir o veículo corretamente. E outro que também vale é “faça sexo seguro”.

    Leia também:

    Como se preparar financeiramente para chegada do bebê

    O foco aqui foi mais no lado ruim da coisa, por que a mídia capitalista em geral foca mais no que é de melhor, o que mais dá lucro no carnaval.

    Até o próximo post.

    Geral

    Como fazer sobrar dinheiro para poder investir?

    29 de janeiro de 2013

    A primeira coisa a se fazer é procurar sair do vermelho, não gastar tudo o que se tem, e no meio deste processo, até concluí-lo ir trocando dívida cara por dívida barata, ou seja, contrair empréstimo a juros menores para pagas a dívidas com valor e juros maiores.

    E como citado no artigo anterior, vale a pena lembrar da frase do livro Pai Rico Pai, Pobre Robert Kiyosaki e Sharon Lechter (2004):

    “Crie bons hábitos, especialmente na área financeira. Pague a você mesmo (em economias ou investimentos), antes de fazer qualquer outra coisa com seu dinheiro.”

    Quando estiver organizando suas finanças pessoais, é importante seguir um tipo de script:

    – Como citado acima é muito importante regularizar suas contas.

    – Quando as dívidas não forem mais um problema, será possível identificar pontos a trabalhar no orçamento para que possa economizar.

    – Feito estes dois primeiros passos chegou o momento de trabalhar com o dinheiro a seu favor e investir o dinheiro poupado.

    Nunca esqueça a enorme diferença entre investir e poupar, pois ao economizar e guardar dinheiro, pode-se estar deixando escapar alguma alternativa que lhe reponha algumas perdas ao longo do tempo. Para evitar tal fato é bom conhecer isto: inflação e taxa de juros.

    Para ver o efeito do tempo na prática basta ver o exemplo a seguir:

    – Um cidadão gasta em uma das suas compras rotineiras, semanal, quinzenal, mensal, seja o prazo que for, R$ 330,00 para levar alguns itens. Passado algum tempo, digamos 6 meses, comprando os mesmos itens, no mesmo local, ele gasta R$ 50,00 a mais, por que isto acontece?.

    Trata-se da elevação de preços (inflação) que, embora hoje em dia seja menor, nunca deve ser esquecida pelos consumidores. Fato que facilitará a percepção de que ao trancorrer do tempo, o dinheiro perde o seu valor, ou seja, o seu poder de compra.

    Dado isso, é importante considerar outro conceito que é a taxa de juros. Para corrigir essa perda de valor ao longo dos anos, os juros são considerados tanto quando se investe o dinheiro, como quando se financia uma determinada compra. Apenas para efeito de ilustração, atualmente a nossa taxa de juros básica, SELIC, está 7,25% a.a..Na maioria das vezes, o retorno de uma aplicação é menor do que o efeito dos juros sobre o que se deve, um bem financiado, por exemplo, a poupaça rende 5,25% a.a. e uma geladeira financiada pagará de juros no mínimo 12% de juros a.a. .

    Levando-se em conta que agora consegui-se economizar para poder poupar, é bom saber que ninguém acerta nos investimentos por pura sorte o tempo todo. A maior parte dos bons resultados se deve ao preparo do investidor e/ou especulador, que acumula o máximo de informações e experiência ao longo dos anos, antes de dar qualquer passo. Se manter bem informado proporciona maior segurança para investir, além de deixá-lo ciente de que os riscos existem e é preciso analisá-los de forma muito cautelosa.

    Existem muitas opções para se investir e recomenda-se que se apure o máximo de dados de cada modalidade antes de tomar sua decisão. Veja a seguir um resumo de algumas modalidades de investimento:

    – Títulos de dívida (uma espécie de “vale”, desmonstrando que foi emprestado dinheiro a um governo ou companhia e que descreve os termos de reembolso), como exemplo, Títulos de Dívida Externa, Títulos de Dívida Pública, Títulos Pós-fixados, Títulos Privados, Títulos Pós-fixados, Títulos Pré-fixados e Títulos Públicos

    O Governo emite títulos do tesouro direto como: LTN, NTN, LFT, etc..

    As empresas emitem por exemplo debêntures, commercial papers, etc..

    Os bancos emitem títulos como CDB, RDB, letras hipotecárias, letras cambiais, letras de crédito imobiliário, certificado de recebíveis imobiliários, etc…

    – Fundos de Investimentos (usando uma definição da Anbima pode-se dizer que são “condomínios que reúnem em um mesmo lugar diversos investidores com objetivos e necessidades semelhantes”).

    As classes de fundos são: de curto prazo, referenciado, renda fixa, ações, multimercado, cambial e dívida externa.

    Tipos de fundos de investimentos: Fundos DI e Renda Fixa, Fundos de ações, Fundos multimercado e Fundos cambiais.

    Caso queira saber mais sobre tipos de fundos, acesse o site da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) http://www.anbima.com.br .

    – Ações (uma ação representa a propriedade de uma empresa).

    Os acionistas possuem uma parte da empresa (menor fração do capital dessas empresas) e têm direito a uma parte dos lucros e, conforme o tipo de ação, um voto sobre nas decisões administrativas da companhia.

    As companhias emitem ações para aumentar o capital social e os recursos levantados podem ser utilizados para diversos fins, principalmente futuros investimentos.

    Os lucros da empresa podem ser divididos entre os acionistas, na forma de dividendos ou juros sobre capital próprio, que são os proventos, que podem ser pagos mensalmente, trimestralmente, anualmente, etc…

    Uma ação listada de uma empresa será negociada no pregão de uma bolsa de valores, sendo que no Brasil, até o momento, só temos uma, que é a BM&FBOVESPA.

    Foi deixado aqui um resumo das posibilidades de aplicações para serem utilizadas após ter êxito em sair do vermelho e estiver liver para investir , este assunto é muito vasto, mas vale a pena se informar…

    Sites e/ou páginas consultadas para fazer este post:

    Qual o melhor investimento?

    Finanças práticas

    Até o próximo post.