‘Corretora De Valores’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: corretora de valores

    Convidados

    7 fatores a considerar para escolher a melhor corretora de investimento

    10 de agosto de 2017

    escolher-melhor-corretora-de-investimentos

    Quem está começando a investir pode se sentir um pouco confuso com tantas informações para absorver de uma só vez. Quando estamos aprendendo algo novo, independente do assunto, essa sensação é normal.

    Na busca por aplicações rentáveis para valorizar o próprio dinheiro, muitos investidores se vêem em dúvida sobre como começar. Um dos primeiros passos é escolher quem fará a ponte entre o capital e os investimentos.

    Para preencher esse lugar, o investidor pode escolher uma corretora de investimento. Contudo, com opções cada vez mais numerosas no mercado, esse processo de escolha pode não parecer algo tão simples.

    Na hora da tomada de decisão, é importante avaliar quesitos como:

    • Preço justo
    • Qualidade no atendimento
    • Segurança
    • Tecnologia de ponta

    As melhores corretoras de investimento oferecem essas e várias outras vantagens. Uma dica valiosa é buscar uma instituição que se adequa às necessidades do investidor.

    Por exemplo, se o desejo é investir no Tesouro Direto, uma corretora que dá isenção da taxa de custódia será muito mais vantajosa do que uma que tem taxa de corretagem mais em conta para operações de Day Trade.

    Para deixar ainda mais claro, veja abaixo alguns critérios que vale a pena considerar antes de tomar uma decisão:

    Segurança

    Quando o assunto é dinheiro, a segurança deve vir em primeiro lugar. Por isso mesmo, a  corretora escolhida deve oferecer segurança em alto nível para os investimentos.

    Para evitar dor de cabeça no futuro, é muito importante buscar instituições idôneas. Uma boa forma de encontrar corretoras que preenchem este requisito é escolher entre aquelas que são reconhecidas no mercado, regulamentadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e certificadas por órgãos competentes.

    Praticidade

    Hoje em dia, a tecnologia é uma aliada do investidor. Muitas corretoras oferecem plataformas que aliam tecnologia e praticidade. Assim, é possível acessar investimentos através do computador e realizar transações sem precisar sair de casa. Outra vantagem que muitas possuem são aplicativos para smartphone, que permitem que o investidor acompanhe seus investimentos onde quer que esteja.

    Diversidade

    Quando se fala em corretoras de valores, um ponto que as deixa à frente dos bancos são as diversas opções que elas oferecem. Por não precisar colocar seus próprios serviços em primeiro plano, as corretoras podem proporcionar uma gama maior de investimentos.

    Essa diversidade é mais importante do que muitos imaginam. Isso porque a orientação de especialistas é não alocar todo o capital em um mesmo investimento. A melhor saída é dividir o valor em modalidades diferentes, para aumentar as chances de sucesso e diminuir os riscos. Assim sendo, quanto mais opções houver, melhor será a possibilidade de diversificação.

    Agilidade

    Quem investe na Bolsa de Valores sabe a importância de agir no momento certo. Atualmente, as corretoras de valores possuem plataformas que permitem que se faça investimentos com apenas alguns cliques. Essa agilidade poderá ser um diferencial entre os investidores bem-sucedidos e aqueles que perderam as melhores oportunidades.

    Qualidade

    No momento em que precisar de suporte ou tiver algum problema, é muito importante que o atendimento seja exemplar. Muitas pessoas já viveram situações em que, antes de se tornarem clientes foram bem atendidas, e depois se sentiram ignoradas por uma empresa.

    Para evitar esse tipo de problema, uma dica interessante é testar o serviço de atendimento ao cliente de diversas corretoras. Ou seja, entrar em contato pelos diversos meios disponíveis e fazer perguntas sobre o investimento de interesse. Dessa forma, será possível ver na prática como será o atendimento, caso se torne um cliente.

    Facilidade

    Como foi falado anteriormente, ter poder reação é muito importante no universo dos investimentos. Por isso mesmo, um fator a ser analisado é a facilidade oferecida pelas corretoras. Uma delas pode ser, por exemplo, um serviço que analisa o mercado e identifica as melhores oportunidades para o investidor. Dessa forma, ele terá mais tempo para aproveitar tudo de bom que o mercado tem disponível.

    Preço

    Na hora de decidir também é importante fazer a seguinte pergunta: “o valor que a corretora cobra é justo pelo que ela oferece?”. Esse questionamento é importante porque a proposta não deve ser buscar a instituição mais barata do mercado. E sim, aquela que oferece serviços de alta qualidade por um preço justo.

    Esses são alguns dos fatores relevantes que se deve analisar na hora de escolher entre as melhores corretoras de investimento. Existem outras características que podem ser examinadas também. O mais importante de tudo é que essa escolha deve estar amparada pelo questionamento principal: “O que essa corretora pode me oferecer?”.

    Depois de encontrar a instituição mais adequada para ajudar a alcançar seus objetivos financeiros, o investidor pode finalmente abrir sua conta e começar a investir para ver seu dinheiro rendendo de verdade.

    Geral

    Tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro

    30 de setembro de 2016

    Existem diversas maneiras de economizar nas tarifas dos bancos e com isto evitar perder dinheiro com gastos desnecessários no dia a dia.

    Os bancos têm reajustado as taxas cobradas dos brasileiros bem acima da inflação, porém é verdade que as pessoas já possuem muitas opções para fugir de vários desses custos. Como tem ocorrido o aumento da inadimplência, os bancos brasileiros têm tentado compensar as perdas com os maus pagadores aumentando as tarifas cobradas de todos os clientes. Segundo o IBGE, as tarifas subiram em médias 11,5% nos 12 meses encerrados em julho, contra 8,7% da inflação oficial do país, medida pelo IPCA. Uma forma de o consumidor se defender é cortar algumas tarifas e taxas cobradas por alguns bancos, que, na verdade, não precisam ser pagas. Isso porque existem concorrentes desses grandes bancos que prestam o mesmo serviço com a mesma segurança, mas sem cobrar nada ou cobrando muito menos.

    Confira a abaixo alguns exemplos de tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro:

    – Taxa de custódia para Tesouro Direto:

    O Tesouro Direto tem se popularizado rapidamente no Brasil por ser um investimento que reúne elevada rentabilidade, menor risco do país e liquidez diária. Sobre a rentabilidade bruta do investimento, será necessário descontar a taxa cobrada pela BM&FBovespa (0,3%) e a taxa de custódia cobrada por algumas instituições. Os maiores bancos brasileiros cobram taxa de custódia de acordo com a tabela abaixo. Taxas do Tesouro Direto nos bancos:

    Uma taxa de 0,4% ou 0,5% ao ano pode parecer pequena, mas não é. Imagine que você vai investir R$ 100.000 no Tesouro Direto. Como no primeiro ano a taxa é cobrada no momento da compra do título, ao invés de aplicar R$ 100.000 você só vai comprar R$ 99.502,49 em títulos públicos. Na prática, você perdeu R$ 500 logo de cara.

    Acha pouco? Então vamos considerar que você comprou um título chamado Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035, que vai pagar juros médios de 12% ao ano pelos próximos 19 anos. Esses quase R$ 500 a mais que você vai economizar por ano capitalizados por essa taxa de juros vão resultar em R$ 35.349,30 a mais no seu bolso quando o título vencer.

    E aí, faz sentido jogar mais de R$ 35.000 fora? Porque saiba que você poderia ter economizado todo esse dinheiro. Hoje cinco corretoras isentam o investidor de taxa de custódia no Tesouro Direto: Clear, Easynvest, Modal, Tullett Prebon e XP Investimentos. Abrir conta nessas corretoras também é gratuito, logo, só paga isso quem gosta de rasgar dinheiro.

    E o melhor: várias corretoras também já isentam o investidor de taxa de custódia na compra de CDB, LCI e LCA. As corretoras XP, Rico, Órama, Modalmais, Geração Futuro, Easynvest e Clear não cobram essa taxa dos investidores. E CDB, LCI e LCA distribuídos pelas corretoras geralmente são extremamente mais rentáveis que as opções disponíveis nos bancos grandes.

    – Taxa de custódia da Bovespa

    Além das taxas do Tesouro Direto, quem investe em ações e opções pelo banco e pela maioria das corretoras também paga taxa de custódia mensal. Veja quanto cobram os grandes bancos pelo serviço. Taxa de custódia de ações nos bancos:
    Essa é outra taxa que só paga quem quer. A XP Investimentos e a Clear Corretora dão isenção de taxa de custódia para todos os clientes que possuem ações ou opções na carteira. Quem compra ações por essas corretoras só vai pagar taxa de corretagem e emolumentos à Bolsa – mas desses custos não há como fugir porque eles são cobrados por todas as instituições.

    – Tarifas de conta corrente:

    No primeiro semestre de 2016, as mensalidades dos pacotes de serviços de conta corrente subiram em média 12% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Banco Central. Há alguns anos BB e a Caixa cobravam menos que os bancos privados por esses serviços, mas agora praticamente já não há mais diferença para concorrentes como o Bradesco e o Itaú. O BB, por exemplo, elevou o valor de seu pacote mensal padrão em 24% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado, segundo estudo do JPMorgan. Já a Caixa fez um reajuste de 23%. A tabela abaixo mostra claramente a agressividade dos bancos públicos no reajuste. Aumento de tarifas de conta corrente:

    O custo médio das tarifas é de R$ 21,77 para pacote mensal de conta corrente, R$ 8,43 para DOC ou TED, R$ 2,26 para extrato e R$ 2,01 para saque, segundo o JPMorgan. As tarifas de conta corrente correspondem a 20% de toda as taxas cobradas pelos bancos brasileiros.

    A receita dos bancos com tarifas cresce fortemente todos os anos por causa do aumento do número de clientes, maior uso de serviços por esses clientes e maiores restrições para isenções de tarifas.

    Mas a verdade é que só paga tarifas bancárias quem quer. O Itaú e o Bradesco oferecem a conta digital, que é totalmente isenta de tarifas para pessoas físicas se você não usar serviços na agência nem emitir cheques. Então se você resolver todos os seus problemas pela internet, pelo telefone ou nos caixas eletrônicos, não pagará tarifas mensais, nem para fazer TED ou DOC, nem para consultar saldos e extratos, etc.

    – Taxa de administração dos fundos

    Os três maiores bancos brasileiros (Banco do Brasil, Itaú e Bradesco) controlam 55% do dinheiro investido em fundos no país. Quem investe nesses fundos geralmente paga taxa de administração e, em alguns casos, taxas de performance. A receita gerada por essas taxas é relevante para os bancos. Segundo um estudo do JPMorgan, no Banco do Brasil os fundos respondem por 17,6% de todas as tarifas cobradas. Já no Bradesco esse percentual é de 10,5%, enquanto no Itaú chega a 11,2%.

    A maior parte do dinheiro dos brasileiros está concentrada em fundos DI e de renda fixa. Segundo a Anbima (a associação de bancos e fundos de investimento), a taxa média cobrada nos fundos de renda fixa caiu de 1,36% ao ano em 2010 para 1,07% no ano passado.

    Mas há fundos especialmente caros. O Bradesco Referenciado DI Hiperfundo, por exemplo, cobra 3,9% de taxa de administração ao ano, tem um patrimônio de R$ 4,7 bilhões e atrai dezenas de milhares de clientes. O fundo sorteia prêmios aos cotistas, mas os que não têm a sorte de ganhar nada perdem muito dinheiro.

    Não há fundos de renda fixa sem taxas de administração, mas gestoras que não estão atreladas a grandes bancos costumam cobrar bem menos. Os clientes podem conseguir percentuais bem baixos, a partir de 0,15% ou 0,30% ao ano.

    Na XP Investimentos, por exemplo, é possível investir no fundo Sul América Exclusive FI Referenciado DI pagando uma taxa de administração de 0,15% ao ano – para aplicações iniciais a partir de R$ 50.000. Já se você só tem R$ 25.000 par investir, pode escolher o fundo BTG Pactual IPCA FI Renda Fixa, que cobra 0,25% ao ano. Enfim, só investe em fundo de renda fixa de grande banco quem gosta de queimar dinheiro.

    Vale lembrar que os fundos de renda fixa dos grandes bancos não possuem uma gestão muito ativa, ou seja, geralmente o gestor do fundo compra sempre a mesma cesta de papéis, independente do cenário econômico. Então não há grandes diferenças entre um fundo e outro – o que fará você ganhar mais ou menos dinheiro é a taxa que você consegue.

    Duvida? Então veja os resultados. O Bradesco Hiperfundo, que tem taxa de 3,9% ao ano, rendeu 9,75% nos últimos 12 meses. Já o fundo da SulAmérica rendeu 13,92%. Ou seja, se você tivesse migrado R$ 100.000 que estavam no Hiperfundo Bradesco para o produto da SulAmércia há 12 meses teria ganhando R$ 4.170 a mais até hoje. É caro participar desses sorteios do Bradesco, não é mesmo?

    – Anuidade do cartão de crédito:

    Outro custo que pesa no bolso de muita gente é a anuidade do cartão de crédito. Alguns cartões chegam a cobrar anuidades de R$ 1.200. É lógico que em troca de uma anuidade tão alta há alguns benefícios: programas de milhagem turbinados, acesso a salas VIP de aeroportos, seguros, etc. Mas a verdade é que se você não quiser pagar nada disso, não precisa.

    O Nubank é um cartão sem anuidade que atende muito bem quem tem uma renda não tão alta. O cartão é um Mastercard Gold com zero de anuidade e tarifas. Para contratá-lo, basta baixar o app do Nubank para iPhone e Android e fazer a requisição do cartão. O limite mensal de crédito pode ser alterado pelo próprio cliente no app. Um SMS informa o cliente a cada compra, o que aumenta a segurança. E o app tem uma planilha de controle financeiro acoplada.

    Os juros do crédito rotativo para quem parcelava o pagamento da fatura costumavam ser de 7,75% ao mês, mas, agora, alguns clientes pagam mais. O ponto fraco é que não há programas de fidelidade nem acúmulo de milhas. Mas para quem tem uma renda de até R$ 5.000 por mês e não gasta muito nem acumula muitas milhas, o cartão pode ser bem interessante. O único inconveniente é que há uma fila de interessados pelo cartão – e você pode ter de esperar um pouco para receber o seu.
    infomoney.com.br/blogs/investimentos/infomoney-recomenda/post/5596997/tarifas-bancarias-que-paga-quem-gosta-rasgar-dinheiro
    Criança rasgando dinheiro

    Leia também:

    Como economizar nas tarifas dos bancos

    Geral

    Sardinhas estão de volta à Bolsa de Valores

    4 de agosto de 2016

    Para quem não sabe, os sardinhas da bolsa de valores são os pequenos investidores, ao contrário dos grandes investidores que são conhecidos como tubarões.

    Após a presidenta ser afastada, a bolsa não para de subir e o número de CPFs cadastrados ou reativados nas corretoras segue em pleno crescimento. Quem sabe um dia não chegue nos 5 milhões de investidores prometidos anos atrás pelo Edemir Pinto (presidente da BM&FBOVESPA)…

    Confira o que saiu no jornal Valor Econômico:

    Pessoa física volta à bolsa e participação chega perto de 20%

    A pessoa física começa a voltar ao mercado acionário. Com a recente escalada da bolsa brasileira, que
    levou o Ibovespa a subir mais de 30% neste ano, a participação do investidor individual no volume
    negociado no segmento de ações da BM&FBovespa atingiu 19,6% no fim de julho, parcela que não se via
    desde meados de 2012. Em dezembro, a fatia era de 11,9%. O maior interesse se reflete na busca pelos
    serviços de home broker, de negociação de ativos pela internet, e tem mobilizado corretoras e
    plataformas de investimentos.

    Casas consultadas pelo Valor relatam um aumento significativo no número de cadastros novos ou reativação de clientes antigos que passaram os últimos anos longe da bolsa. No total, a BM&FBovespa contabilizava ao fim de junho 559,5 mil CPFs cadastrados, ante 610,9 mil no auge em 2010. A Clear, ligada à XP Investimentos, que abria em média de 3 mil a 4 mil contas por mês, em julho cadastrou ou reativou 8 mil investidores. Na Rico, criada a partir da venda da Link para o UBS, que cadastra em média 7 mil clientes mensalmente, 30% dos investidores agregados à base mostram interesse pela bolsa. Até março, 95% pretendiam aplicar em títulos públicos no Tesouro Direto ou outros ativos de renda fixa. No Modalmais, do Banco Modal, vêm sendo abertas 200 contas por dia e a base já superou as 8 mil contas, quando a meta para o ano era chegar a um total de 2 mil. E a própria XP, líder no segmento de varejo pelos rankings do próprio mercado, tem hoje R$ 9,2 bilhões em volume custodiado na Bovespa, com crescimento de 85% neste ano. Em quantidade de clientes, a expansão foi de 20%, para 58 mil.

    Mesmo quem acabou de estrear nessa seara vem capitalizando bons números. A Nova Futura investiu nos últimos anos R$ 18 milhões para replicar, para pessoas físicas, uma fração da sua estrutura tecnológica que atende o investidor institucional local e estrangeiro. Lançou a plataforma de home broker NewF há quatro meses, faz até 80 cadastros por dia e contabiliza uma base de 3,5 mil clientes – soma que inclui 1,1 mil contas obtidas com a aquisição recente da PAX Corretora, do grupo de farmácias Pague Menos, do Ceará, com R$ 230 milhões custodiados.”Havia um vácuo no varejo com muitos home brokers fechando, outras casas desistindo, então foi uma oportunidade para entrar no negócio”, diz André Ferreira, sócio-diretor da Nova Futura, uma das corretoras fundadoras da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F).

    Quem permaneceu no mercado nos anos de baixa da bolsa, período de consolidação e que expulsou nomes tradicionais do mercado, teve que se reiventar. Passou a oferecer ativos de renda fixa e a fortalecer a base tecnológica. É o caso da Rico, que em cinco anos investiu cerca de R$ 10 milhões num ambiente voltado para a pessoa física e que hoje se define não mais como corretora, mas como plataforma de investimentos. Reforçou a comunicação para além do
    universo on-line e aparece na mídia de aeroportos e em inserções em canais de TV a cabo, como o
    jornalístico “GloboNews”. O passo mais recente, que começa a ser testado, conta o sócio Norberto
    Giangrande, são as transações por celular.

    A persistir esse ritmo de novos cadastros destinados às negociações em bolsa, ele estima que a
    participação da pessoa física no pregão pode chegar a 25% até dezembro. O ingresso do pequeno
    investidor começou a ser percebido em março, nas primeiras sinalizações pró-processo de impeachment
    da presidente afastada Dilma Rousseff, quando o Ibovespa ganhou quase 17%, e se intensificou nos
    últimos dois meses, enquanto o índice galgava mais 18,2% de valorização, o que levanta o
    questionamento se o novo investidor não está chegando tarde.
    “No mundo todo, a correlação entre participantes pessoas físicas e performance é direta”, diz
    Giangrande. “Se o Jornal Nacional der dois meses consecutivos que a bolsa foi a melhor aplicação, chove
    investidor.”

    O perfil, primeiro, era aquele investidor individual mais afeito a transações de curto prazo e que opera
    usando predominantemente a análise gráfica. Agora, o que se vê é um público que se propõe a
    diversificar o portfólio com viés de longo prazo, afirma Roberto Lee, diretor de produtos da Clear.
    “Tivemos que dobrar a equipe de cadastro e estamos olhando para a infraestrutura porque são números
    que não víamos desde 2010”, diz. O pico de participação da pessoa física na bolsa foi justamente em
    fevereiro de 2010, com uma parcela de 32,1% do bolo transacionado.

    “A diferença é que o investidor que está voltando ou entrando agora vai encontrar um ecossistema de
    corretoras mais saudável, uma indústria mais organizada”, diz Lee. Após a depuração que se viu nos
    últimos anos – a própria Clear foi comprada pela XP em 2015 – e o número de corretoras encolhendo, o
    executivo considera que o brasileiro também já reúne mais conhecimento sobre o mercado acionário e
    não investe mais em bolsa por meio de bancos, que tradicionalmente tinham a maior custódia em renda
    variável no varejo.

    No Modalmais, o perfil, por ora, é de investidores que olham o longo prazo, com a somatória de vários
    prazos curtos. Não necessariamente operam todos os dias, mas sempre acompanham a posição, afirma
    Rodrigo Puga, sócio da plataforma. “Quando há uma tendência bem definida de alta, aumenta a base [de
    clientes]”, diz. “Há a percepção de que a bolsa já atingiu o fundo do poço e o mercado dá sinais de força
    com o fluxo para o Brasil e a realocação dos ativos.”

    forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=3&t=10949&start=500#p2499151

    Geral

    Por que a corretora Mycap é o melhor custo-benefício?

    29 de fevereiro de 2016

    A MyCap (Icap Corretora) possui uma das corretagens mais baixa do mercado de corretoras para bolsa de valores no Brasil. Além disto, para quem quer pagar só um pouquinho mais, ainda leva para casa outras ótimas ferramentas como IR Fácil, FlexScan, entre outros.

    Logo da Mycap

    A corretora também possui um Homebroker, financeiro e custódia bem estáveis. Nunca houveram problemas que não fossem resolvidos pelos eficientes canais de atendimento que possuem: telefone, chat e e-mail.
    Bem diferente de uma outra corretora que teve liquidação extra-judicial recentemente.

    A ferramenta de análise gráfica/técnica também funciona muito bem, assim como a parte de análises e notícias costuma estar sempre atualizada.

    Enfim, cada um sabe o que pesa no bolso. Caso usem serviços e ferramentas que justifiquem pagar mais do que a Mycap cobra, ou seja, o que gasta lhe dá melhores resultados na bolsa de valores ou na renda fixa, tudo bem, caso contrário, Icap Corretora é a melhor opção. Opinião de quem já passou por várias corretoras e está nesta há muitos anos.

    Veja também:

    Como escolher uma corretora de valores?

    Até mais.

    Geral

    Como economizar nas tarifas dos bancos

    3 de abril de 2013

    São dicas simples para evitar encargos que passam despercebidos na conta bancária ao longo dos anos.
    Prestar atenção às tarifas bancárias é um bom começo. Dito isto porque muitos correntistas e usuários de serviços financeiros no geral acabam ignorando os encargos debitados em suas contas, ainda que as cobranças sejam feitas de maneira indevida.

    Para se livrar de custos de TED, DOC, tarifa de manutenção de conta corrente, etc., pode-se abrir uma destas contas correntes operadas via internet ou caixa eletrônico sem pagar taxas, as famosas “icontas” (contas digitais). O banco Itáu tem este tipo de conta, assim como o Banco do Brasil, e não sei se todos grandes bancos também possuem. O Banco Sofisa tem esta modalidade de conta na internet, porém apenas para investimentos, o Sofisa Direto. Eu já usei/uso tanto os serviços gratuitos do Itaú, como do Sofisa e do Santander, também com interface na internet e nos caixas eletrônicos, cartão de crédito livre de taxas, contanto que gaste algum valor por mês, o Santander Free.

    Para corretora de valores é a mesma coisa, buscar aquela de menor custo e maior benefício. Nada de ficar pagando por serviços que você nem usa. No Brasil se cobra caro demais para se rotear uma simples ordem de compra ou venda para a bolsa de valores, um absurdo, aliás, neste país vários serviços e produtos estão mais caros do que em muito outros lugares do mundo.

    Recomenda-se fazer uma avaliação semestral ou anual dos serviços bancários e financeiros para pesquisar o melhor custo benefício para si próprio.

    Leia também:

    Como economizar com tarifas bancárias

    Até o próximo post.

    Filmes

    Dicas de filmes, documentários e vídeos – parte 2

    25 de fevereiro de 2013

    Vamos para a parte 2 desta de série de posts onde compartilharmos dicas de filmes, vídeos e documentários ligados ao mercado financeiro, bolsa de valores, investimentos, finanças pessoais, macroeconomia, contábeis, questões político-econômicas, e assuntos relacionados.

    1. Um Bom Ano

      Ótimo filme. Passa por mercado financeiro, fazenda, herança, amor que vai mover também a decisão financeira, etc…
      Tema muito rico com elenco de tirar o chapéu.

      Sinopse:
      Aos 11 anos, Max Skinner (Freddie Highmore) é cuidadosamente educado na arte de saborear vinhos por seu tio Henry (Albert Finney), dono de um vinhedo na França. Adulto, Max (Russell Crowe) torna-se um bem-sucedido homem de negócios em Londres, sem qualquer tempo para degustações mais duradouras. Certo dia Max recebe a notícia de que Henry morreu, deixando-o como único herdeiro. Prevendo bons negócios, resolve fazer uma rápida viagem para visitar a nova propriedade. Mas, uma vez ali, percebe que não será tão fácil vender o lugar que lhe traz tantas lembranças de infância.

      Título original
      A Good Year
      Curiosidades
      4 curiosidades
      Distribuidor
      FOX FILMES
      Bilheterias Brasil
      95.746 ingressos
      Ano de produção
      2006
      Orçamento
      US$ 35 milhões
      Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-56066

    2. À Procura da Felicidade

      Filme excelente onde tem-se mais o foco no lado humano e o mercado financeiro como pano de fundo.
      Eu já assisti algumas vezes. É sensacional. Um grande exemplo de superação onde demonstra claramente que no capitalismo alguém que tinha nada, pode ter tudo, contanto que se esforce muito para isto.
      Baseado em fatos reais.

      Sinopse:
      Chris Gardner (Will Smith) é um pai de família que enfrenta sérios problemas financeiros. Apesar de todas as tentativas em manter a família unida, Linda (Thandie Newton), sua esposa, decide partir. Chris agora é pai solteiro e precisa cuidar de Christopher (Jaden Smith), seu filho de apenas 5 anos. Ele tenta usar sua habilidade como vendedor para conseguir um emprego melhor, que lhe dê um salário mais digno. Chris consegue uma vaga de estagiário numa importante corretora de ações, mas não recebe salário pelos serviços prestados. Sua esperança é que, ao fim do programa de estágio, ele seja contratado e assim tenha um futuro promissor na empresa. Porém seus problemas financeiros não podem esperar que isto aconteça, o que faz com que sejam despejados. Chris e Christopher passam a dormir em abrigos, estações de trem, banheiros e onde quer que consigam um refúgio à noite, mantendo a esperança de que dias melhores virão.

      Título original
      The Pursuit of Happyness
      Curiosidades
      7 curiosidades
      Distribuidor
      Columbia Pictures do Brasil
      Bilheterias Brasil
      1.530.916 ingressos
      Ano de produção
      2006
      Orçamento
      US$ 50 milhões
      Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-54098

    3. Com o Dinheiro dos Outros

      Ótimo filme sobre mercado financeiro, ganância, administração de empresas, e da ideia “os fins justificam os meios”. Você vai dar muita risada e aprender muito com este filme. Danny De Vito arrasa mais uma vez.

      Sinopse:
      Frio e arrogante, Lawrence Garfield (Danny De Vito) vive de negociar companhias que estão em situação financeira ruim. Para conseguir um bom negócio, não hesita em fazer jogadas inescrupulosas na bolsa de valores. Agora ele está de olho na empresa familiar comandada por Andrew Jorgenson (Gregory Peck). Temendo o pior, Andrew recorre à sua filha, a advogada de Nova York Kate Sullivan (Penelope Ann Miller). Desta vez as coisas vão se complicar para Larry, que não contava se apaixonar justamente por Kate.

      Informações Técnicas
      Título no Brasil: Com o Dinheiro dos Outros
      Título Original: Other People’s Money
      País de Origem: EUA
      Gênero: Comédia
      Tempo de Duração: 103 minutos
      Ano de Lançamento: 1991
      Site Oficial:
      Estúdio/Distrib.:
      Direção: Norman Jewison
      Fonte: http://www.interfilmes.com/filme_28357_Com.o.Dinheiro.dos.Outros-(Other.People.s.Money).html

    Até o próximo post.

    Geral

    Como eu faço para investir na bolsa de valores?

    20 de fevereiro de 2013

    A primeira coisa que você precisa saber é que será uma modalidade de investimento em renda variável, e claro, o rendimento varia.
    O risco será maior que a renda fixa ou do que o colchão de segurança poupança.
    Você só deverá alocar em bolsa de valores aquilo que valer a pena. Como diz no livro Axioma de Zuriques “Só aposte aquilo que valer a pena”.
    A bolsa não é cassino, mas muitos a tratam desta forma. Para eles é como se a bolsa fosse um game.

    Os especuladores não são os vilões do mercado. Eles estão aí correndo mais riscos que os investidores, matando um leão por dia, tentando acertar o rumo do mercado no curtíssimo, curto e médio prazo. Eles dão liquidez ao mercado, e permitem que um investidor possa montar e desmontar posição a qualquer momento. Não estão certos e nem estão errados, apenas estão tentando sobreviver e maximizar os seus lucros na ciranda financeira. Como contraponto eles se expõe mais ao risco.

    Sabendo isto, você deverá partir para estudar o mercado de bolsa de valores nas modalidades mais básicas e com o passar do tempo, conforme for tendo mais habilidade, partir para modalidades mais complexas, sempre com estratégia para cada uma delas e controle de risco sempre a postos.
    Existem diversos livros sobre o assunto bolsa de valores, assim como sites, vídeos, revistas, jornais, etc., escolha o que tiver mais afinidade e for mais fácil o aprendizado para si próprio.

    Após ter estudado, ter feito muitas simulação, seja em sistema próprio, seja em planilha, até mesmo no papel de pão, simuladores de terceiros, etc., será hora de partir para a prática.

    E para entrar nesta prática você vai precisar abrir conta numa corretora de valores mobiliários ou habilitar o módulo bolsa de valores no banco onde você é correntista, para investir diretamente ou via fundo de investimentos.
    Outra forma de se investir na bolsa de valores será por clube de investimentos, que assim como os fundos de investimentos, você não investirá diretamente nas ações das empresas, mas sim indiretamente ao adquirir cotas.

    Ao investir tanto em ações diretamente, por fundos ou clubes de investimento, sempre deverá ficar atento ao tanto de risco que vai se expor e qual retorno espera. Para isto, você deverá ver qual o seu perfil de risco, se baixo, médio ou alto.

    Muito cuidado com alavancagem, que é investir acima do que se tem, por exemplo, para cada R$ 1,00 estar ganhando R$ 5,00 ou perdendo R$ 5,00. Isto é análogo ao cheque especial, ou seja, você vai usar o dinheiro que você não tem, e no caso de prejuízo, vai ter que cobrir as perdas.
    Alavacangens mal feitas são o caminho mais curto para a falência, ou dizem na gíria do mercado, o caminho para o cemitério do malandro.

    Para quem for investir diretamente em ações, após abrir a conta na corretora, para enviar as ordens de compra e venda de ativos usará um Home Broker (HB , sistema via web) , terminal de negociações (sistema que roda um programa local) ou por telefone (MESA).

    As ações compradas ficaram custodiadas na Central Depositária BM&FBOVESPA (antiga CBLC).
    O dinheiro parado na conta da corretora, em caso de falência, até o limite de R$ 70.000,00 a BSM através do MRP garantirá este valor.
    Leia mais em: http://www.bovespasupervisaomercado.com.br/ProtecaoInvestidor.asp

    O básico é isto, comprar e vender ações, comprar vender as cotas, sempre atento ao prazo que irá investir, o tanto de taxa e impostos que irá pagar nas negociações, no risco que irá correr, definir uma estratégia e contabilizar os resultados.

    Veja também:
    Como Investir na Bolsa

    Até o próximo post.

    Filmes

    Dicas de filmes, documentários e vídeos – parte 1

    16 de fevereiro de 2013

    Iniciando uma série de posts para compartilharmos dicas de filmes, vídeos e documentários ligados ao mercado financeiro, bolsa de valores, investimentos, finanças pessoais, macroeconomia, contábeis, questões político-econômicas, e assuntos relacionados.

    1. A Fraude(Rogue Trader)

      Filme bem interessante que narra a  vida de um jovem que trabalhando para um grande instituição financeira da Inglaterra, porém alocado em Cingapura, correndo mais riscos do que deveria, sem o controle de risco adequado, exagerou na dose da alavancagem e fraudes. Dado todo este cenário, ele consegue a proeza de quebrar a instituição operando no mercado futuro.
      Baseado em fatos reais da vida de Nick Leeson.

      A Fraude - Uma História Real - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1

      Sinopse:
      Ewan McGregor (Cova Rasa, Transpotting, Star Wars – Episódio I) mais uma vez interpreta um personagem marcante. Desta vez, na história de um homem jovem e ambicioso que se rende aos riscos e acaba levando à falência uma das mais antigas e bem sucedidas instituições financeiras da Inglaterra. Quando é enviado a Singapura, pelo tradicional Barings Bank, tudo que Nick Leeson quer, como negociador de mercado futuro, é a chance de fazer dinheiro com ações. Porém, enquanto os dirigentes do Barings Bank comemoram os lucros conquistados para o banco pelo rapaz, Nick começa desviar enormes quantias de dinheiro para cobrir as perdas de suas próprias apostas financeiras. Com dívidas comparáveis ao seu desespero, Nick decide arriscar tudo numa jogada definitiva para burlar o sistema e recuperar todo o dinheiro que já perdeu.

      Gênero: Ação
      Ano: 1999
      Duração: 101 minutos
      País: Estados Unidos
      Elenco: Ator Personagem
      Ewan McGregor Nick Leeson
      Anna Friel Lisa Leeson
      Yves Beneyton Pierre Beaumarchais
      Betsy Brantley Brenda Granger
      Caroline Langrishe Ash Lewis
      Nigel Lindsay Ron Baker
      Tim McInnerny Tony Hawes
      Irene Ng Bonnie Lee
      Lee Ross Danny Argyropoulos
      Simon Shepherd Peter Norris
      John Standing Peter Baring
      Pip Torrens Simon Jones
      Tom Wu George Seow
      Daniel York Henry Tan
      Fonte: http://www.cinemaniaweb.com/filmes/filme-3188.html
      O site acima está fora do ar.

    2. Wall Street – Poder e Cobiça

      Filme excelente, bom demais, é antigo, mas temática muito atual, totalmente ligado ao mercado financeiro, bolsa de valores e insider trading (uso de informação privilegiada para atuar no mercado financeiro).
      Lembrando que a prática de insider trading é totalmente condenável no mercado financeiro pelos órgãos reguladores do mercado mobiliário tanto nos EUA, Brasil e mundo afora.

      Sinopse:
      Nessa visão envolvente dos bastidores do mundo empresarial em 1980, um jovem e ambicioso corretor (Sheen) é atraído pelo mundo ilegal e altamente lucrativo da espionagem empresarial ao ser seduzido pelo poder, status e magia financeira da lenda de Wall Street, Gordon Gekko (Douglas). Mas ele logo descobre que a riqueza adquirida da noite para o dia tem um preço muito alto. Daryl Hannah e Martin Sheen co-estrelam essa história de impressionante
      visão moral sobre o sonho americano que deu errado.

      Título Original: Wall Street
      Gênero: Drama
      País/Ano: USA / 1987
      Duração: 125 Minutos
      Atores: Michael Douglas , Martin Sheen, Charlie Sheen, Daryl Hannah
      Diretores: Oliver Stone
      Roteiristas: Stanley Weiser, Oliver Stone
      Fonte: http://www.movieguide.com.br/filme.view.php?id_filme=120
      O site acima está fora do ar.

    3. O Primeiro Milhão (Boiler Room)

      Bom filme. Mais um exemplo claro de ambição. Mostra um pouco os bastidores do trabalho em uma corretora de valores

      Sinopse:
      Seth Davis (Giovanni Ribisi) é um jovem trambiqueiro que montou um pequeno cassino em seu apartamento e possui dois sonhos na vida: ganhar seu primeiro milhão de dólares e conquistar o respeito do pai, um importante juiz federal. Para isso, ele tenta deixar de lado sua vida ilegal e sai em busca de um emprego de verdade.
      Consegue uma vaga numa empresa que promete transformar seus empregados em milionários. Mas a felicidade dura pouco, pois logo Seth descobre que existe algo de errado na empresa.

      Informações Técnicas
      Título no Brasil: O Primeiro Milhão
      Título Original: Boiler Room
      País de Origem: EUA
      Gênero: Drama
      Tempo de Duração: 119 minutos
      Ano de Lançamento: 2000
      Site Oficial: http://www.boilermovie.com
      Estúdio/Distribuidora: New Line Cinema / Team Todd
      Direção: Ben Younger
      Fonte: http://www.interfilmes.com/filme_14245_O.Primeiro.Milhao-(Boiler.Room).html