‘Bitcoin’ Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2

Browsing Tag: bitcoin

    Geral

    Bitcoin: queda generalizada é lição para quem se empolgou

    17 de janeiro de 2018

    Bolha imobiliária: ascensão e a queda do mercado imobiliário brasileiro em 10 anos

    Pânico no Bitcoin: queda generalizada é lição para quem se empolgou, diz Fernando Ulrich

    Para especialista, cenário atual lembra que as pessoas não devem se endividar para comprar moedas, mas também pode ser bom momento para compra.

    O mercado de criptomoedas acordou em choque ontem, terça-feira (16/01/2018), com praticamente todas as moedas digitais caindo forte, levando o Bitcoin para seu menor patamar desde dezembro. A tensão segue vindo da Ásia, onde tanto China quanto Coreia do Sul estão ameaçando suspenderem a negociação nas exchanges.

    O movimento negativo veio depois de novos comentários do ministro da economia da Coreia do Sul, Kim Dong-yeon, que, em entrevista a uma estação de rádio local, afirmou que o governo já está trabalhando em medidas para conter a “irracionalidade” motivada pelas criptomoedas. Segundo ele, fechar as exchanges locais ainda é uma opção.

    Enquanto isso, segundo informações da Reuters, um integrante do banco central chinês disse que as autoridades devem proibir a negociação centralizada de moedas virtuais, bem como indivíduos e empresas que fornecem serviços relacionados, segundo um memorando interno de uma reunião do governo visto pela própria agência de notícias.

    No memorando, descrevendo os detalhes das discussões em uma reunião de reguladores da Internet e outros formuladores de políticas na semana passada, o vice-diretor do PBOC (Banco Central Chinês), Pan Gongsheng, disse que o governo continuaria a exercer pressão sobre o comércio da moeda virtual afim de evitar a acumulação de riscos nesse mercado.

    Apesar de todo este pânico no mercado, para Fernando Ulrich, especialista em criptomoedas do grupo XP Investimentos, esta “correção já era mais que esperada”. Em dezembro, o Bitcoin disparou mais de 100% em poucos dias para logo em seguida começar a cair forte e desde então não tem tido força para se recuperar.

    Ulrich lembra que não é a primeira vez que o mercado passa por isso. Entre 2012 e 2013, o preço do bitcoin subiu 85 vezes, movimento que se seguiu ainda por alguns meses daquele ano, para em 2014 afundar 72% e chegar ao patamar de US$ 320. Em 2015, a moeda digital chegou a cair para US$ 150.

    Na tarde desta terça-feira, o Bitcoin registrava queda de quase 20%, recuando para US$ 11.688, enquanto outras das maiores moedas digitais também afundavam, caso do Ethereum, com perdas de 18%, e do Ripple, desabando 25%.

    “Cá estamos em 2018 e o mercado está todo no vermelho hoje. A maior parte dos comprados em criptos jamais viu um bear market. Veremos uma reprise de 2014 neste ano? Não sei. Mas uma correção já era mais que esperada”, afirma o economista.

    Ulrich reforça que não é momento para pânico, sendo, inclusive, uma janela de oportunidade de compra para quem segue uma estratégia focada em longo prazo e de olho em preço médio.

    Além disso, esta queda generalizada também reforça a lição para quem se empolgou com o mercado: “esse é um lembrete de que criptomoedas são uma classe de ativos com muito mais risco que investimentos tradicionais. E não se deve hipotecar a casa para surfar esse mercado. Jamais”, conclui o especialista da XP.

    Veja também:

    As 10 criptomoedas que mais subiram em 2017

    Até o próximo post.

    Convidados

    As 10 criptomoedas que mais subiram em 2017

    2 de janeiro de 2018

    Lista deixa de fora o Bitcoin, que saltou 1.300%, mas ficou apenas com a 14ª posição entre as maiores altas do ano passado

    O ano de 2017 chegou ao fim marcado pelo ano em que as criptomoedas dominara” o mundo. Se no início do ano poucas pessoas sabiam do assunto – ou se interessavam por ele -, a partir do segundo semestre o Bitcoin e seu pares passaram a dominar o noticiário e hoje é quase impossível encontrar alguém que nunca ouviu falar nestes ativos, porém se a alta de 1.300% do Bitcoin já chama bastante atenção, fica ainda mais surpreendente saber que a maior criptomoeda do mundo não ficou nem entre as dez melhores do ano passado. O posto de melhor moeda digital de 2017 foi tomado pelo Ripple, que surpreendeu na reta final do ano e superou o Ethereum como a segunda maior em valor de mercado.

    Apesar disso, para quem está começando a investir agora, ainda é uma boa opção começar pelo Bitcoin, por ser um ativo mais “maduro”, com maior número de investidores. A tendência é realmente que a criptomoeda tenha uma valorização menor que seu pares, até por conta do seu alto valor unitário, atualmente na casa de US$ 14 mil, enquanto o Ripple, por exemplo, vale hoje US$ 2,45.

    Confira o desempenho das criptomoedas que mais subiram em 2017:

    Criptomoeda Variação em 2017
    Ripple 36.018%
    NEM 29.842%
    Ardor 16.809%
    Stellar 14.441%
    Dash 9.265%
    Ethereum 9.162%
    Golem 8.434%
    Binance Coin 8.061%
    Litecoin 5.046%
    OmiseGO 3.315%

    Com uma alta de 1.318% ao término do ano passado, o Bitcoin ficou apenas com a 14ª posição entre as criptomoedas com melhor desempenho. Das dez melhores de 2017, metade estão também entre as dez moedas digitais mais valiosas do mundo.

    Porém, quando exluídos os ICOs (Oferta Inicial de Moeda, na sigla em inglês) realizados no ano passado, a lista muda bastante e o Bitcoin passa a ocupar a 8ª posição, seguida pelo Bitcoin Cash, moeda surgida da divisão da moeda “original”.

    No ano passado, os ICOs levantaram mais de US$ 3,7 bilhões em fundos, segundo dados do Coin Schedule, com um “boom” de ofertas feitas depois do meio do ano. A maioria destes projetos foram lançados nos últimos meses de 2017.

    Confira como fica o rankins sem os ICOs:

    Criptomoeda Variação em 2017
    Ripple 36.018%
    NEM 29.842%
    Stellar 14.441%
    Dash 9.265%
    Ethereum 9.162%
    Litecoin 5.046%
    Cardano 2.782%
    Bitcoin 1.318%
    Bitcoin Cash 513%
    IOTA 501%

    Até o próximo post.

    Geral

    Bitcoin não é uma moeda: Comprei um molho de tomate com bitcoin, e paguei R$ 26 de taxas

    21 de dezembro de 2017

    Livro – Crash!: Uma Breve História da Economia – Da Grécia Antiga ao Século XXI

    Hélder Rosalino, Administrador do banco central de Portugal, o Banco de Portugal (BdP), falou recentemente à publicação portuguesa ECO sobre bitcoin, criptomoedas, blockchain e Fintech em geral. Para Rosalino, é importante que as pessoas saibam que “uma criptomoeda não é uma moeda” para o banco central de Portugal.

    Para ele, uma moeda precisa tanto valor de reserva quanto a capacidade de ser usada como crédito. Por Rosalino, quando um banco central emite moeda, está criando um passivo no balanço que precisa ser pago. Ele afirmou:

    – Uma moeda, para ser classificada como tal, precisa de ter duas características fundamentais: A primeira é ter associada a si a ideia de reserva de valor, depois, sobre aquela moeda tem de haver um direito de crédito”, enfatiza Hélder Rosalino. Ou seja, “Quando um banco central cria uma moeda, cria um passivo no seu balanço que tem de ser pago. Se, um dia, todos fossem entregar essa moeda nos seus bancos e, depois, no banco central, ela teria de ser paga, e o passivo seria eliminado”.

    Leia mais a seguir:

    Bitcoin Não é uma Moeda, Diz Administrador do BC Português

    Outro caso bem curioso foi que a EXAME saiu às compras com bitcoins no bolso e descobriu que há mais entre uma transação e outra do que aproximar dois celulares. O Bitcoin foi projetado para facilitar as trocas entre duas pessoas, desta forma pagar algo com bitcoin não deveria ser mais difícil do que usar um cartão de crédito.

    As pessoas tendem a definir o bitcoin como uma moeda virtual, mas esse conceito é, de certa forma, disputado.

    Projetado para ser uma forma de dinheiro que facilitaria as trocas entre duas pessoas, pagar algo com bitcoin não deveria ser mais difícil do que usar um cartão de crédito.

    Com cem reais no bolso (mais ou menos), ou melhor dizendo na carteira, fui às ruas para tentar gastar 0,001592 bitcoins — que valiam exatos 93,43 reais na tarde de sexta-feira, 15 de dezembro — e tentar descobrir se é realmente fácil ( e barato) pagar com bitcoin.

    Para antecipar as conclusões: fácil até é; barato, de jeito nenhum. E essas questões são decisivas para entender o bitcoin, suas potencialidades, e seu futuro.

    Na teoria econômica são três as funções da moeda: unidade de contagem, reserva de valor e meio de pagamento.

    Sabemos que o bitcoin tem uma função como reserva de valor, afinal as pessoas investem nele, usam para fazer transferências internacionais, ou para carregar valores entre países.

    Mas o bitcoin não funciona como unidade de contagem, muito por causa da extrema volatilidade da moeda.

    Mas, afinal de contas, o bitcoin, que funciona para comprar uma série de coisas, de drogas no submundo da internet até apartamentos na empreiteira Tecnisa ou shows da dupla sertaneja João Bosco e Vinícius, é um bom meio de pagamento?

    Leia mais a seguir:

    Comprei um molho de tomate com bitcoin, e paguei R$ 26 de taxas

    Até mais.

    Convidados

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Hackers roubam mais de US$ 60 milhões em bitcoin

    7 de dezembro de 2017

    Cricket 1: novo golpe de pirâmide financeira?

    Hackers roubam mais de US$ 60 milhões em bitcoin

    Um grupo de hackers roubou mais de US$ 60 milhões em bitcoins do serviço de mineração de criptomoedas NiceHash, aproveitando uma falha de segurança no seu sistema. Em consequência ao ataque, o NiceHash interrompeu a sua atividade por pelo menos 24 horas.

    “Nosso sistema de pagamento foi comprometido e o conteúdo da carteira NiceHash Bitcoin foi roubado. Estamos trabalhando para verificar o número preciso de bitcoins roubadas”, afirma um comunicado da NiceHash em sua página no Facebook.

    “Claramente, isso é uma questão que nos preocupa severamente, e estamos trabalhando para solucionar o problema nos próximos dias”, acrescenta o comunicado.

    “Foi um ataque profissional”, disse o diretor de marketing da NiceHash, Andrej Skraba, ao Wall Street Journal .

    O ataque ocorre no momento em que o valor do bitcoin não para de subir, tendo alcançado mais de US$ 14 mil por unidade.

    Até o próximo post.

    Convidados

    Cricket 1: novo golpe de pirâmide financeira?

    6 de dezembro de 2017

    Saiba detalhes de como funciona o negócio da Cricket e quais são os indícios que apontam a suposta pirâmide financeira.

    Muitos brasileiros já estão “surrados” de tanto caírem em golpes de pirâmides financeiras. A cada dia que passa surgem mais e mais supostas empresas que dizem praticar o marketing multinível, mas na maioria das vezes, tudo não passa de um golpe para arrancar dinheiro de pessoas que acreditaram nas propostas fantasiosas que os chamados “líderes de equipe” apresentam.
    Uma nova “empresa” está surgindo no momento e levantando dúvidas em muitas pessoas, se trata da Cricket 1. Ao pesquisar este nome no YouTube já é possível encontrar uma meia dúzia de vídeos com a apresentação de como funciona todo o negócio.

    Atividade da empresa

    No vídeo que assistimos, o recrutador já inicia dizendo que as informações que serão repassadas “vão mexer profundamente com você“. Primeiramente é informado que a tal empresa possui sua sede em Dubai, nos Emirados Árabes. A atividade primária da empresa seria a atuação no mercado de compra e venda de atletas, convidado assim aos interessados em também ter uma participação societária nesse tipo de negócio. A outra atividade da empresa seria uma mineradora das criptomoedas Ethereum e o Bitcoin. No vídeo, é bem frisado a valorização que as duas moedas tiveram nos últimos 12 meses.

    Como funciona a principal atividade

    Agora entra a parte suspeita de todo o negócio: a chamada “peneira virtual” – que funciona como uma espécie de vitrine onde os associados postarão vídeos de jogadores amadores, que estarão disponíveis para grandes técnicos, clubes e empresários do Brasil e do mundo – e é através dela que o jogador terá a oportunidade de ir ao centro de treinamento da Cricket, no estado de São Paulo, e então, após um prazo, caso esteja entre os melhores, embarcará para jogar em um clube em Gibraltar, no sul da Europa. Se este jogador for negociado para o futebol europeu, o associado que o indicou terá direito a 20% do valor da negociação. Mas para que o associado apresente os seus vídeos com jogadores amadores, ele terá que pagar US$ 30 dólares, ou seja, não é de graça!

    Custos para se tornar um associado

    Para fazer parte como associado, além de pagar por cada vídeo da “vitrine”, você terá que adquirir um dos planos disponíveis, que variam de US$ 100 a US$ 5 mil. O plano mais básico, de US$ 100, é chamado de “Série D” e o mais alto, de US$ 5 mil, “Copa do Mundo”. E assim, como em todo esquema de pirâmide financeira, o associado recebe 10% do valor do pacote que cada indicado direto adquirir, e mais 5% até o 8º nível de indicação.

    Se não bastasse apenas as comissões com os indicados, a “empresa” ainda promete um plano de carreira aos associados, com prêmios em dinheiro, viagens à Dubai, cruzeiro com acompanhante, carros de US$ 25 mil a US$ 50 mil, imóveis de até US$ 200 mil e pasmem, até helicóptero no valor de US$ 1 milhão.

    Primeiro indício de pirâmide financeira

    Fizemos uma consulta do domínio thecricket1.com.br no site do órgão registrador. O mesmo não pertence a nenhuma empresa, os dados são de Alisson Alves da Silva, uma pessoa física. Em seguida, fizemos um cadastro de teste no sistema para investigarmos mais profundamente, e nos deparamos com um formulário sem nenhuma espécie de validador, nem mesmo do endereço com o cep informado. O termo de uso é o mesmo utilizado em vários outros websites, ou seja, não há um termo de uso exclusivo para o usuário do sistema.

    Vínculo com outras empresas

    Optamos por pagar o nosso plano de entrada por meio de depósito identificado. Ao finalizar o cadastro, é fornecido um número de conta no Banco do Brasil, em nome de Bidu Importação & Exportação, empresa que pertence a Pedro Marcos Franco Soeiro Da Silva. Fizemos uma pesquisa com o CPNJ vinculado e há ligação com uma outra empresa, o Banco Neman, que supostamente presta serviços financeiros de saques e depósitos utilizando carro forte da empresa “Protege”. Entramos em contato com a assessoria de imprensa da “Protege” e até o fechamento dessa matéria não obtivemos respostas se existe ou não a parceria. Outra divergência é o registro do domínio banconeman.com.br. Na consulta pública no órgão registrador, está em nome de Rocha Azevedo Intermediações & Participações LTDA, que seria de Vera Lucia de Lima, que possui também outras 85 empresas e de Helio Azevedo Da Costa Lima, sócio apenas no Banco Neman.

    Quem controla a operação do Banco Neman, de acordo com informações do próprio site do banco, é a Bidu Importação & Exportação, mas o registro do domínio está em nome de de Rocha Azevedo Intermediações & Participações LTDA. Ou seja, o site da Cricket está registrado em nome de uma pessoa física que não faz parte de nenhuma das empresas acima citadas, a conta para depósito está em nome de uma outra empresa que aparentemente gerencia o Banco Neman que também está com o registro do domínio em nome de outra empresa.

    CEO da Cricket 1 não é dono de nenhuma das empresas citadas

    Quem se apresenta como CEO da Cricket é o ex-jogador Alex Oliveira, que já teve passagem pela Ponte Preta, Vasco da Gama, Palmeiras, Portuguesa e outros clubes internacionais. Também foram apresentados como membros da direção da Cricket os ex-jogadores Muller, Ronaldão, Vampeta, Luizão e Pavão.

    Não se pode medir a idoneidade de algum negócio só pelo fato de ter famosos envolvidos. Quem não se lembra da Telexfree, o maior golpe de pirâmide financeira do século? O ator Sandro Rocha, do filme Tropa de Elite era um dos principais líderes de recrutamento para a empresa.

    Conclusão

    Não podemos afirmar que a Cricket se trata de uma pirâmide financeira, apesar de ter todos os indícios que seja. O modelo de negócio, sem produto físico e com recrutamento de pessoas, não tem históricos bons. Mesmo as que supostamente tinham produtos físicos, como o caso da BBOM, os famosos rastreadores que ninguém nunca viu, foram consideradas pirâmides e milhares de pessoas amargaram o prejuízo. É preciso ficar atento quanto às promessas de ganhos fáceis, sem trabalho ou venda, e aparentemente, na Cricket, isso é possível, já que você investe e poderá trabalhar apenas com indicação ou com rendimento de 1% ao dia.
    fonte de consulta: www.1news.com.br/noticia/476165/noticias/cricket-novo-golpe-de-piramide-financeira-16112017

    Até o próximo post e fujam do golpe!!!!

    Geral

    Adsply: Golpe de pirâmide financeira pode chegar meio bilhão de reais

    4 de dezembro de 2017

    adsply-piramide-financeira-pernambuco-brasil

    A Polícia Civil de Pernambuco investiga um suposto novo esquema de pirâmide financeira no Estado. Uma empresa, com sede em Uberlândia, Minas Gerais, teria criado uma moeda virtual para atrair investidores, se apresentando como uma rede de associados em 90 países. A polícia suspeita que o dono da empresa fugiu com cerca de meio bilhão de reais dos investidores.

    A empresa que prometia o retorno financeiro alto e em pouco tempo tinha cerca de 20 mil pessoas cadastradas no aplicativo, só no estado de Pernambuco. Para participar do esquema investigado pela PCPE, os usuários que precisavam adicionar mais pessoas ao grupo para conseguir o cadastro, e em troca, quem convidou recebia percentuais de 10 a 25% para cada novo integrante que fosse cadastrado. Além de realizar um depósito inicial, comprando moedas virtuais, as chamadas “criptomoedas”.

    Restituição

    No site da Adsply, foi feito um comunicado para os associados prometendo restituir, conforme um cronograma. A empresa vincula o fechamento ao banimento de contas da companhia na BITTREX, empresa de moeda digital. De acordo com o comunicado as denuncias foram feitas de forma injustificada e arbitrária. No Brasil a devolução do dinheiro investido será feita em março do ano que vem.
    fonte de consulta: tvjornal.ne10.uol.com.br/noticia/ultimas/2017/11/14/golpe-de-piramide-financeira-pode-chegar-meio-bilhao-de-reais-35569.php

    Até o próximo post.

    Convidados

    Bitcoin pode levar as crianças a atividades ilegais, adverte o primeiro-ministro sul-coreano

    30 de novembro de 2017

    lee-nak-yeon-primeiro-ministro-da-coreia-do-sul

    Como evitar cair no golpe da moeda virtual

    O primeiro ministro da Coréia do Sul (Lee Nak-yeon) está preocupado que o crescente interesse em criptomoedas como o Bitcoin, o que poderia levar a juventude do país á se envolver com o tráfico de drogas e esquemas de pirâmide.

    O primeiro ministro sul-coreano Lee Nak-Yon, discutiu o crescente interesse das criptomoedas pelas gerações mais jovens em uma reunião no ministério nesta ultima terça-feira. O mercado de criptomoedas “raging”, de acordo com o político, está provando ser uma atração fácil para os estudantes que estão buscando uma oportunidade de fazer ganhos com alguns que traçam um caminho ilegal.

    Uma declaração publicada após a reunião do ministério, revela que o primeiro ministro pede que as agências governamentais examinem essas preocupações.

    De acordo com a CNBC, o líder sul-coreano disse:

    “Há casos em que os jovens coreanos, incluindo estudantes, estão buscando ganhar dinheiro rápido e as moedas virtuais são usadas em atividades ilegais como o tráfico de drogas ou o marketing multinível para fraudes”.

    Dramaticamente, ele acrescentou:

    “Se deixarmos as coisas continuarem, eu sinto que alguns fenômenos patológicos sérios podem ocorrer”.

    A Coréia do Sul surgiu entre os principais mercados de bitcoins do mundo este ano e um apetite insaciável por criptomoedas entre os investidores. Ontem, o preço do bitcoin superou a marca de US $ 12.000 nas bolsas coreanas.
    fonte de consulta: Bitcoin could lead kids into illegal activities like drug dealing, South Korean prime minister warns

    Até o próximo post.

    Geral

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Empresa arrecada R$ 1,2 bilhão de entusiastas em moedas digitais e desaparece

    21 de novembro de 2017

    Como evitar cair no golpe da moeda virtual

    startup Confido - Golpe de bitcoin

    A Promessa da startup era a criação de um app de pagamento e encomendas, porém depois de arrecadar US$ 374.000 (R$ 1,2 bilhão) de investidores, a suposta startup Confido desapareceu com o dinheiro na semana passada. A promessa da empresa era a criação de um app de pagamentos e rastreio de encomendas.
    De acordo com o Motherboard, o sumiço da página e redes sociais da empresa se deu imediatamente após a arrecadação do dinheiro através de um ICO (initial coin offer). A promessa aos investidores era que as criptomoedas investidas se valorizariam com o tempo e haveria retorno certo assim que o aplicativo fosse lançado.. Outra vez uma leva de incautos foram enganados devido a ganância desmensura pelo lucro fácil.

    Até mesmo o perfil no LinkedIn do suposto fundador da empresa, Joost van Doorn, foi deletado. Antes de desaparecer de vez, o empreendedor publicou uma mensagem dizendo que a empresa passava por um problema legal “causado por um contrato que assinamos”, e não se sabia se haveria como superar essa questão.

    Todas as pessoas que investiram na criptomoeda promovida pela empresa ficaram sem notícias a respeito de seus retornos desde então. Ao que tudo indica, portanto, a promessa do aplicativo não passou de um golpe.

    Até a próxima fraude coin!!!

    Convidados

    Como evitar cair no golpe da moeda virtual

    6 de outubro de 2017

    golpe-do-bitcoin

    O grande aumento de moedas virtuais criou um novo buraco negro no mercado de investimentos. Poucas pessoas entendem exatamente o que são essas criptomoedas, que já chegam a quase mil versões além da mais conhecida, o bitcoin, de onde vêm e quanto valem, incerteza que é amplificada pela escala global de negociação desses ativos e sua falta de regulamentação, já que não há um governo ou instituição que se responsabilize por sua emissão ou circulação. A negociação descentralizada e sem fiscalização, por meio de sites que viram bolsas de moedas ao portador e a falta de identificação dos negociantes também abrem espaço para seu uso em mercados ilegais, justamente no momento em que as autoridades, especialmente as americanas, apertam o certo à lavagem de dinheiro no mercado formal, o que empurra parte dos criminosos para o mercado virtual.

    Esses riscos não eliminam algumas vantagens para o uso das moedas virtuais, como facilitar pagamentos online ou servir de opção de moeda de troca em qualquer país ou até permitir ganhos especulativos. Só é preciso ter cuidado.

    Pirâmides florescem no juro baixo

    Mas um dos maiores riscos desse novo mercado são as pirâmides financeiras, que florescem quando os juros e os rendimentos das aplicações tradicionais caem, como está ocorrendo agora no Brasil. Como o mercado não é padronizado, é descentralizado e sem fiscalização, aumentam as chances de surgimento de esquemas fraudulentos que enganam os investidores, prometendo ganhos exagerados, forjando resultados e desviando recursos.

    No Brasil, já ocorreram alguns problemas com sites de moedas virtuais, como Gladiacoin, que prometia retornos de 200% em 90 dias e, primeiro, parou de pagar os rendimentos, depois criou uma taxa de 15% sobre os depósitos até suspender os resgates de vez em junho deste ano. Outras, como JetCoin, Royal Dragon Traders e Cointherum, funcionavam da mesma forma, prometendo ganhos de 2% ao dia ou 200% em três meses, segundo o site Behind MLM. Há ainda os que oferecem doações desde que a pessoa doe também, o AjudaBitcoin. A pessoa doa e depois passa a receber doações de outros, sistema muito antigo de corrente que usava cartas no passado. Como se vê, nada se cria…

    Boi, avestruz e bitcoin

    Mas, se o mercado de criptomoedas ou moedas virtuais é novo, os esquemas de pirâmides são velhos conhecidos dos brasileiros, que já viram passar bois (Fazendas Reunidas Boi Gordo), avestruzes (Avestruz Master) e créditos telefônicos (Telexfree). Todos tinham em comum um bom argumento para explicar altas rentabilidade em mercados que pouca gente entende como funcionam. Troca-se apenas o bicho então pelo bitcoin para que a pirâmide funcione.

    Efeito cunhado

    O grande apelo das pirâmides é a ganância do investidor, atiçada pela promessa de ganhos elevados e a publicidade desses ganhos por pessoas conhecidas, normalmente parentes ou amigos, que estão nos níveis mais altos da pirâmide e, portanto, ainda conseguem sacar parte dos recursos. Em geral, todos reaplicam os valores sacados pois já “checaram” que o “sistema é sério”, sem perceber que em algum momento a pirâmide vai desabar.

    Marketing multinível e pirâmides

    Outro argumento usado para justificar as pirâmides é o marketing multinível, que é usado por empresas como Avon, AmWay, Natura e outras, e que inclui a indicação de novos vendedores. Os esquemas de pirâmide usam o mesmo sistema, incentivando os investidores a trazerem parceiros para aumentar os ganhos e receber participação. A diferença é que o foco do negócio nas pirâmides não é a venda de um produto, mas o crescimento da base de investidores.

    O mercado de bitcoins e outras moedas, porém, não é em si irregular ou ilegal. Mas sua popularização abre espaço para essas pirâmides. Por isso, é fundamental saber identificar as fraudes. A coisa fica mais complicada porque os esquemas evoluíram desde o início do século XX, quando o imigrante italiano Charles Ponzi enganou Wall Street usando selos. E fica difícil diferenciar uma fraude de um sistema multinível.

    Walter Salmeri, gerente de desenvolvimento de negócios da BitInka, que atua como bolsa (exchanger) de Bitcoins na América Latina, explica um pouco o funcionamento das pirâmides, o risco desses golpes e as formas para o usuário se defender. Criada em 2013, a BitInka atua em nove países: Colômbia, Espanha e Estados Unidos e com equipes locais no Chile, Peru, Argentina, Venezuela, Bolívia e mais recentemente no Brasil.

    Características de uma Pirâmide

    As pirâmides financeiras, ao contrário do esquema de ponzi, não possuem uma administração centralizada. Essa é uma característica que faz esse modelo de negócio ruir rapidamente. As interações entre as pessoas envolvidas no esquema de pirâmide se limitam apenas à pessoas em cargo diretamente superior ou inferior, não existindo qualquer contato com uma organização central. Uma forma fácil de identificar uma empresa que opera como esquema de pirâmide é analisando o comportamento de seus participantes. Geralmente os ganhos financeiros dos vendedores ou participantes são muito mais divulgados do que o próprio produto ou serviço prestado pela empresa.

    Regra dos 70%

    Nos Estados Unidos existe a famosa regra dos 70% que explica que para uma empresa de marketing multinível ser legítima pelo menos 70% do retorno financeiro deve ser sobre a venda do produto. Caso a maior parte do valor venha do ingresso de novos participantes, o usuário deve ficar atento a legitimidade do negócio. Geralmente, pirâmides financeiras aplicam uma grande quantidade da verba em marketing, e a menor parte no produto anunciado. Outra prática que diferencia as empresas de marketing multinível de pirâmides financeiras é a prática da recompra de estoques dos participantes, para evitar acúmulo, algo que não é feito nos esquemas de pirâmide.

    Bitcoins não são pirâmide

    Bitcoins são apenas escolhidos como uma forma de pagamento de diversos esquemas de pirâmides atuais devido a sua valorização, explica Salmeri. O funcionamento do bitcoin é como qualquer uma das criptomoedas que funciona de forma similar a qualquer outra moeda tradicional, como real ou dólar. Além de funcionar como as moedas tradicionais, o bitcoin tem vantagens em relação as moedas físicas, como a facilidade para transferências, legalidade e segurança, diz.

    Ele lembra que esquemas de pirâmide e outros golpes financeiros existem desde a 1920, sempre usando as moedas tradicionais para atingir seus objetivos. “Considerar os bitcoins como um responsável pelo esquema de pirâmide é a mesma coisa que considerar as moedas tradicionais como culpadas pelos golpes financeiros”, afirma.

    Muito além do bitcoin: mais de 900 moedas virtuais

    Entretanto, Salmeri alerta que os usuários devem ficar atentos as moedas alternativas, conhecidas por “altcoins”. Embora existam quase mil alternativas reais, muitas pessoas negociam moedas falsas dizendo ser um ótimo investimento. Caso o usuário deseje operar com altcoins, é recomendado que ele confira o site Coin Market Cap, que lista todas as moedas verificadas, seu valor no mercado e seu histórico.

    5 dicas para identificar um golpe

    Seguindo alguns passos para verificar a validade das diferentes plataformas que podem ser usadas para comprar e vender bitcoins e outras criptomoedas, o usuário não irá ter nenhum problema com as transações e seu dinheiro estará sempre seguro, afirma Salmeri. Esses são os pontos que o usuário deve ficar atento ao negociar bitcoins e outras criptomoedas com alguém.

    1- Ninguém irá te dar nada de graça. Se você receber mensagens online e propostas oferecendo dinheiro de “graça”, renda garantida ou multiplicar seus bitcoins, apenas ignore. Geralmente esses pedidos também são acompanhados de um pequeno depósito de entrada.

    2- Se uma empresa oferece para você um alto lucro em curtíssimos períodos de tempo ou um retorno vitalício, certamente você será enganado.

    3- Sistemas de indicações são a base do funcionamento de uma pirâmide. Se uma plataforma exige que você convide outras pessoas e que os convidados paguem para se cadastrar fique atento, elas certamente são uma pirâmide. Nunca confie em empresas que oferecem comissões sobre os valores dos participantes que entrarem com sua referência. Se você for abordado por alguém oferecendo condições similares, denuncie para o órgão responsável assim que possível!

    4- Se uma empresa foca divulgar mais os lucros por indicação do que a venda do produto em si, certamente o produto não é o foco principal de vendas. Pense nisso: Se uma empresa não vende seu produto, de onde vem o lucro dela? O lucro que sustenta o topo da cadeia vem dos novos usuários entrando na base e isso se configura como um esquema de pirâmide.

    5- Fique alerta com plataformas de financiamento coletivo e doações, afinal essa é uma forma comum de se justificar um golpe. Uma forma de identificar uma plataforma para golpes é se além do valor depositado a plataforma chame você e seus amigos para fazer o mesmo. Existem diversas plataformas de financiamento coletivo legítimas onde você pode contribuir com projetos de maneira segura.

    Como o usuário pode se defender?

    Inicialmente o usuário pode investigar o possível golpe e encontrar informações válidas em seu website. “Por exemplo na página inicial da BitInka, na parte inferior da página no canto direito você encontra o logo da BitGo, os certificados PCI 3.1 e da TrustWave,” afirma Salmeri.

    Há ainda sites especializados em identificar fraudes com moedas digitais, como o BadBitcoin, que tem uma lista negra de sites irregulares. O Guia do Bitcoin também tem uma lista com sites irregulares e divulga análises de alguns portais. E, no Facebook, há o Desmascarando Pirâmides Financeiras, que também pode ajudar.

    A suspeita pode começar se o site não tem endereço ou localização ou nome dos responsáveis. Não informar quem são parceiros, como bancos ou corretoras, também pode ser um sinal de alerta. Outra forma interessante para o usuário confirmar a veracidade de um negócio é questionar o possível golpista sobre o produto vendido pela empresa. Se ele não der uma resposta concreta como “cadeiras” ou ter uma descrição detalhada do funcionamento de um software ou serviço, certamente é um golpe.

    Esmola demais

    O usuário nunca deve acreditar em alguém que diz que pode multiplicar seu dinheiro por duas, três ou quatro vezes, seja em bitcoins ou em moedas tradicionais, afirma Salmeri. Esses resultados são impossíveis até em longo prazo e a empresa ou pessoa que está oferecendo esse serviço é uma armadilha para os participantes.

    A melhor forma que um novo usuário pode se iniciar na operação com bitcoins é por meio de empresas seguras e verificadas. Para isso ele deve principalmente se informar sobre o tema, tanto por pesquisas quanto em comunidades sobre bitcoins, aconselha Salmeri.

    Cuidado com os “faraós”

    Outra forma de negociar bitcoins seguramente e se defender das pirâmides financeiras é ficar atento às pessoas que fazem propostas de negócio, afirma Salmeri. Os “faraós”, apelido dado aos que tentam vender os esquemas de pirâmide, tendem a conversar apenas por mensagens privadas, evitando que o esquema seja desmascarado mais rapidamente. Por fim, antes de concluir uma negociação o usuário sempre deve perguntar publicamente sobre o negócio. Assim recebendo comentários positivos ou negativos sobre o negociante, ajudando na conclusão do negócio, afinal como diz o velho dito popular “quem não deve, não teme.”
    fonte de consulta: arenadopavini.com.br/arenas-das-empresas/34155

    Leia também:

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Pirâmide financeira em João Pessoa com bitcoin

    Até mais pessoal!

    Convidados

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Pirâmide financeira em João Pessoa com bitcoin

    28 de setembro de 2017

    fraude com bitcoin virou modinha

    Foi identificado pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa, um suposto esquema de pirâmide financeira: uma empresa, com base na capital da Paraíba, mas que utilizava informações de empresas cearenses, é suspeita de causar um prejuízo superior a R$ 1,6 milhão a cerca de 2 mil vítimas no Brasil. O negócio, de acordo com o delegado responsável, consistia em “investimentos em bitcoins” – uma moeda digital. A polícia trabalha com os nomes de três pessoas apontadas como líderes, homens de 20, 26 e 31 anos – além de outras 10 pessoas suspeitas de ajudá-los. Um dos homens, o de 20 anos, se apresentou na tarde desta terça-feira (26) na DDF, foi ouvido e liberado, segundo o delegado. O delegado afirma que os líderes prometeram o dobro do valor investido em uma semana, mas depois de um tempo os “investidores” não recebiam o dinheiro de volta e eram informados de que a “empresa tinha falido”. Os valores eram repassados para os cabeças da pirâmide em mãos, sem o registro de depósitos ou transferências bancárias. Se confirmados os crimes, eles responderão por estelionato, associação criminosa e pirâmide financeira, podendo ser condenados a até 10 anos de reclusão cada um, disse Lucas Sá.

    Leia na íntegra em:

    Polícia investiga pirâmide financeira em João Pessoa com uso de ‘bitcoin’
    Polícia Civil diz que empresa causou prejuízo superior a R$ 1,6 milhão a 2 mil pessoas no Brasil.

    Até mais.