‘Associação Brasileira Das Entidades Dos Mercados Financeiro E De Capitais’ Articles at Defenda Seu Dinheiro

Browsing Tag: Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais

    Convidados

    Anbima: 7 mentiras que te contam sobre investimentos

    18 de junho de 2018

    pinóquio mentira mentiroso fraude
    fonte de consulta: comoinvestir.anbima.com.br/noticia/7-mentiras-que-te-contam-sobre-investimento

    As pessoas devem conhecer frases que quase todo mundo já ouviu sobre investimentos, como por exemplo: “investimento não é pra mim”, “não tenho dinheiro para investir”. Porém muitas dessas frases repetidas quase como um mantra são mentiras. Com base nisto, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – Anbima – preparou uma lista com sete exemplos de mitos dos investimentos.

    Confira a seguir:

    É preciso ter muito dinheiro para começar a investir

    Investir está cada vez mais acessível e o mercado financeiro tem opções para diferentes bolsos. Por exemplo: a partir de R$ 30 é possível investir em títulos públicos oferecidos no Tesouro Direto. Também há fundos de investimento que permitem aplicação mínima de R$ 100. Em corretoras e distribuidoras, é possível encontrar ainda títulos de renda fixa, como CDB, LCI e LCA, por R$ 1 mil.

    Sou novo demais para começar a poupar para a aposentadoria

    Essa talvez seja uma das principais mentiras que te contam sobre investimento. A explicação é simples: quanto mais tempo você demora para começar a investir com foco na aposentadoria, maior deverá ser o valor poupado ao longo dos anos. Em outras palavras, o seu esforço de poupança aumenta se você inicia tarde.

    Especialistas em finanças pessoais são unânimes: comece cedo (quanto antes, melhor) a poupar para a aposentadoria. Ao investir, você aproveita a combinação do tempo com o poder dos chamados juros compostos, que ajudam a multiplicar o seu dinheiro durante os anos.

    Investir é muito difícil e eu não sei nada sobre isso

    Tudo bem você não ser especialista em investimentos, mas não é por causa disso que deixará de investir. Existem excelentes fontes de informação sobre o assunto, como livros, blogs, sites, e-books e cartilhas. Basta pesquisar na internet que encontrará muita informação relevante sobre os produtos financeiros.

    Uma das coisas mais importantes é conhecer seus objetivos. O que você planeja fazer com o dinheiro investido? Qual o prazo? Qual o risco que aceita correr? Pretende sacar o dinheiro daqui a quanto tempo? Essas são algumas das perguntas que ajudam a escolher os investimentos. Também pode valer a pena recorrer a um profissional especializado, como planejadores financeiros.

    Já é tarde demais para começar a investir

    Assim como nunca é cedo demais para começar a investir, também nunca é tarde para iniciar os investimentos. “Ah, mas estou velho, não vale a pena”. Sabia que o brasileiro vai viver cada vez mais? Sim, a expectativa de vida aumenta a cada ano e chegou a 75,8 anos e, com a evolução da medicina, podemos viver até 90, 100 anos. Você está preparado financeiramente para um futuro bem longo? Então, mesmo que tarde, é melhor investir alguma quantia do que chegar à velhice sem recursos. O importante é ter o hábito de investir mensalmente.

    Em renda fixa, a rentabilidade é garantida

    Apesar do nome sugerir que a rentabilidade já está determinada, os ativos de renda fixa também têm oscilações, ou seja, variam conforme os movimentos do mercado financeiro. Isso ocorre, por exemplo, com os títulos do Tesouro Direto. Diariamente, os preços dos títulos mudam. Os papéis pré-fixados podem apresentar volatilidade quando a taxa de juros sobe. Em alguns casos, o rendimento de uma aplicação de renda fixa pode ser até negativo.

    Investe lá, é rendimento garantido

    Sabe aquele amigo ou parente que te conta que investiu em um negócio bem interessante, com “rendimento garantido”? Ao ouvir algo assim, desconfie na hora. Não custa lembrar: todo investimento tem risco, ou seja, o rendimento não é 100% garantido.

    Muitas vezes, o tal do investimento que te falaram pode ser uma armadilha que vai trazer prejuízos. Portanto, pesquise, busque informações, compare as opiniões e não embarque em qualquer sugestão de investimento sem conhecer a fundo no que está aplicando.

    Se o rendimento é maior do que os juros, aplique!

    Em todo e qualquer investimento, há risco. Não existe nenhuma aplicação financeira completamente segura. Mesmo se a previsão para um investimento seja de rendimento maior do que os juros, essa projeção pode não se concretizar. Por isso, dica fundamental: pesquise com cuidado e bastante atenção os detalhes de qualquer investimento antes de começar a aplicar.

    Veja também:

    Mitos e verdades da bolha imobiliária Parte I

    Até mais.

    Convidados

    7 lições de investimentos

    10 de outubro de 2017

    7 lições de investimentos do estrategista do Santander

    Uma das perguntas mais comuns quando alguém começa a investir é “qual é o melhor investimento?”. A resposta é a mesma para várias questões que envolve economia: “depende”. O melhor investimento para cada investidor depende das respostas para algumas perguntas, como quais são seus objetivos e o prazo para alcançá-los.
    Em uma das transmissões ao vivo no Facebook para a Semana Mundial do Investidor, que ocorreu entre 2 e 6 de outubro, Aquiles Mosca, presidente do Comitê de Educação de Investidores da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) e estrategista de investimentos pessoais do Santander, explicou o que você precisa saber antes de escolher onde colocar o seu dinheiro.

    Veja as sete dicas do especialista:

    1) Liste os objetivos para os seus investimentos

    Eles podem e devem ser múltiplos. Você pode querer trocar de carro, comprar um apartamento maior, criar uma reserva para seu filho estudar no exterior, ou se aposentar. Cada um desses objetivos terá um conjunto de investimentos para ajudá-lo a alcançar.

    2) Já sabe o que quer? É hora de escolher o “quando”

    É preciso definir o tempo que você tem para alcançar o objetivo. O carro novo pode ser para o fim do ano, o apartamento você comprará daqui a cinco anos, seu filho estudará fora só quando atingir a maioridade e ainda faltam 30 anos para a aposentadoria. Defina prazos para cada um dos objetivos.

    3) Entenda o quanto você suporta de risco

    Considere a sua tolerância a risco. Para buscar retornos maiores, é preciso trocar um pouco de segurança por algum risco. Você tem estômago para acompanhar as altas e baixas da bolsa de valores, por exemplo? O risco também se relaciona diretamente ao prazo. Se o horizonte for muito curto, não é recomendado incluir ativos de risco, com muita volatilidade, na carteira, pois eles trazem mais retorno no longo prazo.

    As respostas a essas três perguntas ajudam a definir quais são os melhores investimentos que levarão você a alcançar os objetivos traçados.

    4) Risco e retorno andam de mãos dadas

    Não dá para ter tudo. Segurança e previsibilidade estão necessariamente associados a retornos menores. Se você quiser mais rentabilidade, é preciso aprender a fazer essa troca: abrir mão de um pouquinho de previsibilidade, pelo menos para uma parte da carteira, para, no longo prazo, obter retornos melhores com opções mais arriscadas.

    5) É preciso ter disciplina e paciência com investimentos mais arriscados

    Não adianta ficar olhando todo dia a movimentação daqueles investimentos mais arriscados. Eles precisam de tempo para materializar o potencial de alta. Você pode se assustar com as baixas e ficar tentado a se desfazer da aplicação.

    Por isso, após definir os objetivos, o prazo e o apetite a risco, é importante traçar uma estratégia e se manter fiel a ela. Você pode, por exemplo, reservar uma parte do dinheiro para investimentos mais arriscados e outra parte para aplicações mais conservadoras.

    6) Se ações serão a sua escolha, dá para optar por uma corretora ou por fundos de ações

    Nessa hora, não tem certo e errado, mas sim o que é mais adequado para cada tipo de investidor. Se você não conhece o mercado de ações, os fundos de investimentos em ações podem ser uma boa opção. Neles, há um gestor profissional que toma decisões por você: quais as melhores ações, quais setores vale investir, qual o momento adequado para comprar e vender. Ele será remunerado por isso com a taxa de administração.

    Agora, se você é um investidor que quer ter as decisões de compra e venda nas mãos, as corretoras podem ser o melhor caminho. Elas disponibilizam relatórios, estudos e recomendações de compra e de venda e, com isso, exigem um grau de envolvimento maior.

    7) Investir em bitcoins é como investir em uma moeda, a exemplo de dólar ou libra

    Como toda moeda, o que define o valor dela é a demanda. No caso do bitcoin, as transações de compra e venda são pouco reguladas. Para investir, é importante entender os movimentos que estão por trás da demanda.

    Até mais.